Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana

 

Uilsso ié bão, Nicanor. Iscuitá miacantora ié sardávi. Mianamórada apreceia lavá uzuvidos di tudos nósis, pá déxá limpinhu i cas pórta abérta i anssim a jiente pudê compreendê a natureza i tudas as péssoas. Maisi tiem májienti qui tiem tampão na intrada das zoreia, ali num entra quaisi nada, a pórta fica entre-abérta, iscorada cum entulho di cousa matériá, dambição i eguaísmo. Ié um tampão di concréto qui endureceu nus zuvidu déilas, qui num québra niem cum taiadera i martélo. Ié jienti qui num dá escultura, piédras brutas arcáicuas qui num são humana, ção imajis da déstruissão i do nada  tótal.

I tem májienti, mestre, qui prépara concreto pá jógá nus zuvido dajienti. Jienti da laia di Tonho Xicuta, di paimeu i dacueli qui ié bão niem falá u nome, anda cum pasta di cimento nas ponta dus dedo indicadô pá socá nus zuvido dajienti. Ié bão a jienti andá cum copo dágua purquê, si vê eiles si apróximanu casmão isticada, ié bão jógá água nacueles dedus unhudus deiles, pá dissorvê a pomada di concréto.

Ucê tá ciérto, Clódiu. Ié bão si previni, pá num tê as zoreia óbistruída pur eiles.

Chuvilinda tá ino imbóra, mestre.

Ié vérdade, éila tá peganu a estrada déila.

I qualéquié a estrada déila, mestre?

É u rio. Chuvilinda entra neile i eile conduz éila praos mares do planeta, dali o à suspendi éila i éila sóbe pá casa déila no céu. Éila móra luonge i piérto ao mesmu tiempo. Éila está lá i está aqui. Óia a calda du vistido déila iscorrenu du chão em direção ao rio. Tá iscorrendo pelas piédras, pelos troncos das arves. Sim sim sim. Di mansim, u rio tá levanu éila, qui caminha sobri os caminos deile, que serpenteia a vida di tudos nósis. Vai Dragão, draga miaChuvilinda! Maisi traizi éila di vórta pá mim. 

Entonces, Cafezá, mestre Bódim começô a chorá muito, já cum saudade de sua Chuvilinda. Tumém pensava nas péssoas di Sun Paulo, adondi u Dragão Tietê tava intupido di concréto pelus dedus unhudus darguns, i num cunduzia suas Deusas, purquê um pulítico qui tinha, u tar di Jisé, num tinha limpado eile, dexanu eile inérte, pesadu i sujo. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome