Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Xicuta, mei siem graça, desarmô us sarsichão i ficô oianu pá queles dedus
enórmis, pá quéla sua manu discumuná.
Paimeu cumessô a falá, maisi in antis teve di gritá cus capanga mandanu eiles
calá a boca, puquê Calu Secu, alégrinhu, tinha cuchichadu arto prus cumpanheiru
qui eiles ia tê di arrumá maisi chicóti pá dá conta du sélviçu, qui tinha
armentadu.  
– Ieu tô muitu abatidu. Ié uma sórpresa inditráis da otra. Ucêis tão mi amassanu
i mi isprémenu, ieu já tô pérdenu a paciênssa. Ucêis doisi, Catarina i Clódiu,
são biem nuóvos i, pucausa dilssu, a jienti pódi inté intendê cocêis colóca
ideia érrada na cabessa. Iguar animar fióti di istimação, a jienti tiem di i
castiganu inté eiles óbedecê du jieito cajienti qué.
Maisi uma muié véia, criada na parma da manu com tudo carinhu, tratada cum qui
tiem di mió neisse mundu. Óia, qui décépissão! Mia própria éspousa mi danu
facada nas cósta. Ieu num méreçu uilsso, maisi ucê, muié iscumungada i mar
agradésida, mérece ié morrê imbaxu di pancada. Maisi ieu num mandá ti matá não.
Ieu vo ti castigá, pucê répensá nas cosas érradas cocê tá fazénu i pô juízu
na tua cabessa.

I foi indaí qui miamãe falô prele:

– Pára com uilsso, ômi! Dexa a Catarina fazê uqui éila qué, num si méte na vida
déila. Éila é uma móçinha dereita i boa, qui só qué sê félis. Socê pára di
pérsegui éila i Jarirí, tudu vórta ao normá.
Ucê tá acabanu ca tua própria famia, num faça éissa desumanidade.

– Não! Ieu num quéru uilsso. Ieu nunca fui désobédecidu. Ieu mando i dismando
in quem ieu quisé, ieu góstio qui seja anssim. Ié eisse u meo jeitu.

Intonces, eile oiô pus capanga i mandô:

– Péga eiles, cambada! Tranca cada um no seu quarto puquê aminhã ucêis vão si
adivérti in cima deiles, vão pudê derramá u sango deles nu chicóti. Avisa os
imprégadu da casa qui num é pá dá cumida i niem água, queles vão séca di fomi i
di sede. Ieu quéru tudus vocês, meos amigus, aminhã aqui, pra vê eiles apanhá.
Iqui Deuso seja lóuvadu!

Indaí, Calu Secu, falô: “I prá siempre seja lóuvadu, siô”. I eiles partiru prá
cima di nósi feitu cachorro lôco. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome