Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Indaí, Cafezá, a assistênça deile, acuela jientaiada qui tava anli, abriru um
sórriso di cuntentamientu, ficaru cascara boa i rélaxada, decerto achanu coía
aceitá aquéle acóido, qui num passava di pura marvadeza cumigu i cum Jarirí.
Tonho Xicuta i dona Cuncebida inté si abraçaru maisi fuórti i u padre, di
istáuta, tinha viradu um bunéco di pano, jógadu na pótrona di coro.
Oszói paradu deile tinha viradu na mia diréção i paricia qui tinha célteza
co acóido ia sê féchadu, coía abrassa paimeu i inda dá um bejo neile. Inté a
tiempestadi paricia qui tinha ido imbóra pá dá lugá pá lus da lua.
    Na cuzinha, dondi num si orvia um pio, mi disero adispois qui mámãe
tinha injueiadu nu chão, postu as manu pra cima i rézadu, dizenu qui agóra sim,
máfiamiaCatarina iria fazê u acóido cu paidela, qui a paiz ia vórta pá famia
déila i pá tudu mundu, qui Deuso ia abenssoá a casa déila i qui nunca maisi ieu
ia afrónta u paimeu niem a jienti boa da ciudadi, qui só quiria u bem di nósi
tudu. Coía isquicê Jarirí pá siempre i arrumá um moçu bão pá casá queu, o ia
istudá na capitar i vortá fórmada pá casa.
Meo irmão Clódiu tinha chégadu i tava iscuitanu tudu, pronto pá mi acudi, casu
ieu pricisasse. Eile sabia cá tiempestadi ia vórta, déissa veizi cheia di raio
i tróvão, puquê a onça aqui jamás iria acéita aquilu, coía dá a réspósta
queles miricia.
    Ôiei maisi uma veizi pá cara deiles tudu, fixei nu paimeu, i cumessei:
    – Arre, cuzêis indoidaru achanu covô intrá néissa dança malandra! Ucêis
são água podri i ieu seio quieu maisi Jarirí semos vinho.
    I nósi somos u futuru du Brasil…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora