Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Cuando u capanga sortô miamãe, Cafezá, éila foi dislizano pu chão cumu si num
tivésse osso, cumu si fuósse uma pena di passarim qui vai caíno léve i
lentamente. Clódiu cunsiguiu sigurá éila nos brassu antis qui éila batesse
nu chão. I falô préla:
– Mãe, acórda, acórda!
Maisi éila num respundia, tava cos zólhos fechado, muito pálida i ninhum
muvimentu éila tava fazenu, parécenu qui tinha ido imbóra du córpo. Uma muié
chamada dona Dilha Jurema, éspousa du préfeito, i qui  tava acucurada juntu cum
outros inbaxo da mesa du otro ladu da sala, si alevantô i falô anssim:
– Achu qui éila mórreu, tá mórta a coitadinha. Curpa deisses fios rébérdi i
siem juízo. Foru ucêis qui cavaro a sepurtura déila. Ucêis é muito ingrato
copaiducêis i cum tudus nósis. Ucêis tá mérecenu é i pá cadeia.

Clódiu cuntinuô balanganu éila, inté qui poisi éila nu chão i cumessô a fazê
massage no peito déila. Catô uma garrafa di cachaça, a única qui num tinha
québrado, i dispejô a pinga nu rosto déila. Cumessô a chórá, i falô:
– Mãe, vórta pánós.
I foi cumu o sol de abril. Éila mexeu a cabessa i cumessô a tucí, pá aligria
du mundu meo i di Clódiu. Viva, éila tava viva.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome