Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Indaí, Cafezá, a mia félicidadi éira maisi fuórti du qui as águas du rio di
mestre Bódim.
Clódiu ólhava pra oszólhos déila i éila, cum a cabessa discansada no brassu
deile, ólhava pra oszólhos deile, cumu si tivéssem si venu pela premera veiz.
Ieu já tava venu, maisi, nacuele instanto, ieu cunsigui inxergá dereitu qui
todos acueles anos inqui miamãe tinha siguidu paimeu in tudus us desejus deile,
achanu qui eile éira u deuso déila, na véldade num passava di um só dia na vida
déila, i qui u tiempo vérdadero déila tinha chégadu cumu as águas qui dérépenti
chua discambandu com toda fuórça na cachuera, jóganu acuele dia tristi déila,
qui éira cumu uma foia mórta, pu à, pá vuá i pá nunca maisi vortá.

Sópra sópra, cachueira, a foia mórta pá ribanceira.
 
Fosse éila um pássaru oianu u rio délá du céu. As águas du rio da vida déila
tinha aparicido cumu si éila tivésse currido i saído da noite da mata féchada,
si rasganu i abrinu osgai di arve cum a mão i danu di cara cum a énórmi lus da
manhãna dacuele rio espetaculento, qui iria inundá a vida déila deisde
a criansa du primero dia.

Sópra sópra, cachueira, a foia mórta pá ribanceira.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome