Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Destonce, o padre arregalô uszói ispantado, venu qui ieu tinha isprimidu eile na parede, iguar purga cajiente cata na rôpa i ispreme éila nu mei dos dedãos. Mutia jienti da ciudadi sabia copadre papava uma purssão de biata. Éira u papadu du padre, qui num usava u bonéu du papa, maisi qui infiava eile na cabessa dus maridus, imbóra fuóssi um bonél adeferenciado, cum chifri.

Tinha inté um coroinha qui subia na jinéla du quartu do padre pá ispiá as aula di catisismu di sacanaji copadre dava pas biata. Dispois, os outros coroinhas discubriru u brinquedo deile i eile cumessô a cóbrá ingressu pá subí anli. Saía cosborço chei di bala i muéda. As mulecada adispois si arréunia na prassa pádá risada.

Mulecada artera, eiles sabia inté cumuéquiéira as ropa di baxo das biata, i punham apilidos qué bão ieu niem contá. Uma veizi a mulecada infió um ganchu peila frésta da jinéla i puxaru a carcinha da biata Dona Rosafror, muié du donu du cartóro. Éila i u padre ficaru feitu doidus prócuranu a péça nacuela bagunssera qui éira u quartu deile. Cuandu eiles disistirô i éila foi imbóra, a mulecada siguiru éila bien quétinhos nas ruas, pá vê as banda da bumda déila balanssá dum ladu pru outro, iguar carróssa cas róda fraca i cheia di sacu di arroizi. Dona Rosafror nunca maisi vortô a fréquentá u quartu, éila decerto achô qui tinha sidu castigu di deuso, qui tinha surrupiadu a carcinha déila. Deuso tumém tem a mão boba, éila déve di tê pensadu.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora