Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Indaí, Cafezá, ieu oiei pá paimeu i falei anssim:
Pur favor, usior num tá venu quéla não tá biem? Éila tá qui deitada neisse chão
suju. Usior fica aí oianu siem fazê nada. Éila tá córrenu pirigu di morrê!
– Azá u déla. Quiem mandô éila désobece as órdi du maridu? In tudus eisse anus
cofui casado cuéla só agóra covi a traíra co tinha inbaxu du meo teto.
Muié marvada. Pu mim, éila pódi i pá terra dus pé juntu. Ieu to pensanu in já
mandá abri u buracu pá infiá éila drentu. Niem cruizi ieu vô mandá inficá nu
túmulu, puquê éissa aí é iscumungada. Mi martratô, martratô i martratô. Éila mi
martratô senu gróssa cumigu i uilsso ieu num vo déxá acuntecê i passá batidu.
Ieu vo déxa só créscê mato in cima da cóva déila. As munhé tiem qui sabê us lugá
déilas nu mundu, sabê ficá dó ladu du maridu, tiem di passá a manu na cabessa
deiles padá carinhu naligria i na trésteza. Ié iguar diz u ditadu: “Muié viem cá
i vai lá, ajueia nu artá, faizi u qui u sior seu maridu mandá.”
I tiem ota: “Muié num manda nada, niem nu páo i niem nu féjão, ié bão só obedecê
u maridão.”
I maisi uma: “Muié fia mia, só comi na cozinha, tiem di casá cu Zétuméla, puquê
anssim qué u paidéla.
– Intonces, paimeu, casa ucê cu Zétuméla! Pelo menus, paimeu, faizi a caridadi
di dexa ieu léva miamãe pu quarto. Éila pricisa discansá um poco.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome