Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

Semos água nova, brótada na fonti limpa i o vinho de premera. Ucêis não, são u
esboço qui sobrô di um passadu trájico, viólentu i disumano. Jientaiada
acustumada a pisá, maisi qui tumém foro mórdada nu barro amassadu da
isplorassão i da dori. Ucêis tá pricisanu tómá um banhu, lavá a sujeira cos
anos dispejaru incima ducêis, péga uma bucha, o um cacu di teia,  i isfregá
éissa péle di cóbra, pá virá jiente. Piértu di mim i di Jarirí, ucêis vale
cuasi nada, puquê ieu maisi eile semos o porvir du Brasil qui tá nascenu, qui
tá apontanu da tierra boa, qui tá surginu por ditrás da montanha de injustissa
cocês dexaru pá nósi.
– Destonce, Cafezá, oszói deiles paricia qui ia pulá pá fóra das cara.
Paimeu i todos eiles tinha tumém viradu istáuta, iguar u padre, qui tinha
vórtado a impedrá. Tonho Xicuta i dona Cuncebida ficaru cumu si tivéssem
paradu pá fazê pose puma fótografia. U silençu paricia um ôco i inté dava pá
orvi todos os grilo qui tava pulano lá fóra.
Cri cri cri, viva Catarina maisi Jarirí!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora