Cafezá na estrada – Catarina e Jariri, uma paixão sobre-humana.

- Agóra, Jarirí, dexa cocontu pa siô moço Cafezá.

- Intonces, Cafezá, cuandu acuele dia foi iscureceno, ieu fiquei na cozinha lá de casa camámãe
i cás impregada ajudanu a prépara o de comê pas visita qui iam chegá. Ia tê leitão assadu, viradu de fejão, cove,
moi di bóbra, arroizi cum batata doce, frangada caipira cum pulenta, canjiquinha, i otas cousas
boas. Iéira ‰ acuelas batessão di panélas, maisi ieu tava prestanu atenssão in tudu qui tava acuntecenu 
na sala nonde pai meu tava arrécebenu us cunvidadus. 
Eilis tava tumanu pinga ispiciar i cumenu mandióca i lambari
frito. Di veiz in cuandu eiles falava arto, comentanu sobre um caminhão
di bóia-fria qui tinha tumbadu na istrada i matado quais todos os coitadim. Um tar di Sô Ricardão,
um ômi careca i tão gordo qui parece qui inguliu i ficou intaladu cum uns cuatro saco di mio, 
falava qui éira curpa dos bóia-fria, queles fica sentadu érradu na carrossaria du caminhão, qui junta
um monte di jienti abestaiada num ladu só i disiquilibra u transporti. Qui eiles fica mutio pesados
tumém, por módi daquele monti di ropas quieiles vésti qui inté fica parecenu astronarta.
I, bem, toda hora chegava maisi carrus cum ricassus i puderósus pá fiesta.
I foi, indaí, co arrésorvi intrá cum tudu na sala. Intrei feitu doida, arrespeirei
fundu, abri oszóios i cumessei a fazê u meo discurso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora