Cafezá na estrada – Catarina e Jariri, uma paixão sobre-humana.

    Tonho Xicuta, venu a muié deile nacuele istado, abrassô éila i falô:

  • Carma, Cuncebida, ucê tá discontrolada. Intrô argum bissôrro inbaxo do teu vistidu?

    Ieu, Cafezá, qui já tinha cumessado a lavá a rôpa suja, é qui arréspondí:

  • Ieu seio qui bissôrro intrô aí. Ói eile ali, u padre, cuéssa vistimenta prêta.

    Cuandu ieu falei anssim, u padre deu um sarto da póltrona i veio na mia direção co punho fechado i gritô feitu um bichu:

  • Sua minina disbocada, próva éissas indiretas cocê tá danu. Ieu arréspeitu tudus us meos fiéis. Eiles são u rebanho gordo déissa ciudadi qui só tiem jienti boa i cum Deuso nu córassão. Num são iguar ucê, qui blasfema i véve co pecadu i num arréspeita paicámãe.

  • Próvá? Intoncis próva, Bissôrrão, qui Jarirí robô a sacrustia i qui quis tóca fogo nucê. Próva qui paimeu i tudus useis não tão pérsiguinu u meo Jarirí só puquê eile é um moço póbre i hónesto i qui, pur módi dissu, useis num qué qui ieu case quele. Próva coseis tudu num são um bando de précunsseituósos i qui só si aproveitam da boa fé du povo simples déissa nuóssa ciudadi.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora