Lula é Doutor honoris causa e a manchete da Folha ignora o evento

A rotina da Folha em tentar desqualificar ou minimizar tudo que revele reconhecimento do que Lula fez pelo país segue seu ritmo perverso em conformidade com as diretrizes traçadas por Otávio Frias Filho. Isso  vem de longe. Antes mesmo de Lula ser conduzido, pelo povo, ao posto de Presidente da República Federativa do Brasil em 2002. Lembram-se do tal almoço, oferecido pela Folha? Naquele evento, Otavinho perguntara como Lula poderia ser presidente se não sabia falar inglês. O diretor de redação do jornal paulista negou, claro… Mas a acreditar em quem, por oito anos a fio,  consolidou uma linha editorial com o propósito de desconstruir a imagem de um presidente do Brasil, prefiro ficar com as palavras do torneiro-mecânico.
Agraciado, por defender as causas sociais, com o título de Doutor honoris causa pela Universidade Federal de Viçosa [MG], no último dia 29, o ex-torneiro-mecânico e ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva continua a ser desprestigiado pela decadente Folha de S. Paulo
Estou a exigir que o jornal prestigie Lula? Não, longe de mim. O que eu defendo, por um lado, é que alguns fatos são notícias [Um torneiro-mecânico, que chega à presidência de seu país, receber um título honorífico desse porte… Deve ser notícia, sim, para um veículo de comunicação sério e imparcial…]. Por outro, faço a defesa de que o jornalismo da Folha seja, no mínimo, mais competente ao manchetar suas matérias.
Digo isso em virtude de recente publicação, no Folha.com, intitulada:  “Lula diz que Dilma na presidência o faz dormir ‘tranquilo'” [aqui].
Ora, uma rápida leitura nos leva a perceber a inconsistência temática entre a manchete criada pelo enviado especial Raphael Veleda e o conteúdo da notícia. Seria má-fé [orientada por ordens superiores] ou incompetência jornalística? Fico a me perguntar…
Há de considerar que só a segunda hipótese acima justificaria a lambança feita. Como não acredito nesta hipótese, fico com a primeira. E, aqui, assumo integral juízo de valor.
Mas quais são as razões que fizeram me rebelar contra a incongruência da manchete e o corpo da matéria? Vejamos:
  1. o conteúdo é exposto em nove parágrafos;
  2. apenas o terceiro parágrafo se refere ao que se lê na manchete;
A viagem de Lula a Minas Gerais está intrinsecamente relacionada ao fato de ele ter sido escolhido paraninfo [padrinho, patrono, protetor] de 1.200 alunos [!] da Universidade Federal de Viçosa e eleito para receber o título de Doutor honoris causa dessa instituição de ensino superior. Como, então, se destaca a fala de Lula sobre Dilma?
Ora, ora, ora…! As ordens do sr. Otávio Frias – para não dar relevância a certos eventos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio LULA da Silva [rejeitado por 4% da elite “cheirosa” do país] – vão comprometendo cada vez mais a já combalida Folha de S. Paulo.

Em tempo [1] – alguém sabe se já concederam ao Otavinho algum título de Doutor honoris causa? Confesso que, em minha pesquisas, não encontrei nada a respeito.

Em tempo [2] – a mediocridade jornalística não é apanágio apenas da Folha, de seu diretor e de alguns jornalistas que se submetem a tal sabujice. O Reinaldo Azevedo [Tio “Rei”, como o chamam] também enveredou pelo que ele, jornalista, considera jornalisticamente correto: redigiu, em seu blog, uma outra manchete para a mesma matéria da Folha [vale notar que a quantidade de parágrafos foi reduzida – será uma maneira, encontrada pelo Reinaldo, de dizer ao jornalista Raphael Veleda que ele precisa aprender um pouco de redação jornalística? Ou será pura pavonice do Tio “Rei”?]. Bom, mas vamos à manchete reinaldiana: “Lula: jatinho, BMW e doutor honoris causa”. Notaram um viperino e sutil deboche…? Apois eu [como dizemos por aqui], notei…

Leia mais em: http://profdiafonso.blogspot.com/2011/01/lula-e-doutor-honoris-causa-e-manchete.html

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador