Revista GGN

Assine

Música

O dia em que conversei com João Gilberto pelo Facebook, por Luis Nassif

Alguns anos atrás, apareceu no Facebook um perfil de João Gilberto. Imediartamente ganhou popularidade. Nele, o autor colocava vídeos de música, com o bom gosto à altura de João Gilberto.

Era ou não era João?

Resolvi interagir com o perfil. Coloquei no reservado um artigo que escrevera na Folha sobre João Gilberto, em meados dos anos 90, e que seu produtor pedira autorização para incluir na divulgação dos seus shows.

Começamos a prosear. O perfil tinha o tique de sempre colocar reticências no meio da frase, como que repetindo, por escrito, o modo de falar de João Gilberto.

Leia mais »

Média: 5 (7 votos)

Renato Teixeira, o arauto popular, por Aquiles Rique Reis

Renato Teixeira, o arauto popular

por Aquiles Rique Reis

A diversidade de gêneros musicais existentes no Brasil é quem faz da nossa música a melhor do mundo. Dito isto, por favor, venham comigo, leitorores: o samba carioca nasceu na Bahia; bem como o frevo baiano nasceu em Pernambuco; os temas musicais existentes nas áreas interioranas, embora sigam florescendo, são pouco conhecidos por grande parte de nossa gente (eu inclusive); a riqueza do cancioneiro das áreas ditas caipiras ou sertanejas se manifesta através de uma música tão popular que identifica e representa todo o povo do interior brasileiro.

Digo isso após prazerosas audições de um CD que traduz com fineza o jeito rural de compor, tocar e cantar: Terra de Sonhos – Renato Teixeira & Orquestra do Estado de Mato Grosso (Kuarup).

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Se eu fosse Deus a vida bem que melhorava, por Carlos Motta

Se eu fosse Deus a vida bem que melhorava

por Carlos Motta

Num país sério as músicas de Eduardo Gudin tocariam no rádio dia e noite, de tão boas que são.

Mas este é o Brasil, uma colônia cultural americana, depósito do lixo da indústria de entretenimento, um dos alvos prioritários do soft power do grande irmão do norte.

A música de Gudin faz bem para os ouvidos, para o cérebro e para o coração.

Não tem contraindicações.

Leia mais »

Imagens

Vídeos

Veja o vídeo
Média: 5 (2 votos)

Os pobres do Brasil

Seleção de Luciano Hortencio

Os pobres do Brasil

Este é o samba dos pobres do Brasil.

Sem noblesse, sem finesse.

Não fala em boulevard, champagne ou caviar

Só fala em favelas, barracões e luar

O samba aqui tem cheiro de farofa com torresmo,

O pobre no Brasil é pobre mesmo.

Leia mais »

Média: 4.8 (4 votos)

Vamos identificar o samba?, por Luciano Hortencio

Vamos identificar o samba?

por Luciano Hortencio

Recebo incontáveis fonogramas para que sejam publicados no youtube. Uns chegam com a descrição completa e correta, porém outros vem com título trocado, compositores declinados errôneamente, etc, tendo eu que ter o cuidado de fazer a verificação através do Arquivo Nirez e da Fundação Joaquim Nabuco, que reproduz a Discografia Brasileira em 78 rpm.

Domingo passado, ao fazer uma vistoria nos arquivos recebidos e não confirmados seus respectivos dados, dei com esse samba MEU DINHEIRO NÃO CHEGA, título sem confirmação, além de não ter o nome do intérprete, compositor e nem número do disco e respectiva gravadora.

Leia mais »

Média: 4.2 (5 votos)

O povo também quer comer o biscoito fino da cultura, por Carlos Motta

O povo também quer comer o biscoito fino da cultura

por Carlos Motta

O Brasil é um país de terceiro mundo com qualidade musical de primeiro mundo, diz a jornalista Maria Amélia Rocha Lopes. "Mas vivemos tempos nefastos. Lemos pouco, vemos muita televisão. O dinheiro é curto e, se for preciso cortar no orçamento familiar, será no destinado à cultura. Não estamos conseguindo ampliar o acesso a uma vida cultural intensa, formadora, que amplie horizontes", acrescenta. 

Maria Amélia faz, porém, uma ressalva importante: a população também gosta do biscoito fino. "Basta ver a frequência aos espetáculos ao ar livre, gratuitos. Ou aos shows de espaços como o Sesc, por exemplo, que vende ingressos a preços populares e oferece grande qualidade." 

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (1 voto)

André da Mata coloca mais um sotaque no samba, por Augusto Diniz

André da Mata coloca mais um sotaque no samba

por Augusto Diniz

O potiguar radicado em Niterói (RJ), André da Mata, lançou música nesta segunda-feira (11/12) nas plataformas digitais. Trata-se de mais um trabalho dele no samba com referências em letra e música do lado Norte do País.

A música “Tem dó de mim” é uma parceria de André com Flávio Pascarelli e Paulo Onça. Flávio Pascarelli é presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas e compositor de samba – chegou a disputar a final desse ano, junto com o também manauara Paulo Onça e outros, o samba-enredo 2018 da Grande Rio, que desfila no grupo especial.

Leia mais »

Imagens

Média: 3.7 (3 votos)

Viemos dizer bem alto que a injustiça dói, por Carlos Motta

por Carlos Motta

Uma das músicas mais tocadas e cantadas no carnaval pernambucano é "Madeira que Cupim não Rói", do mestre Capiba (Lourenço da Fonseca Barbosa, nascido em Surubim, 28 de outubro de 1904 e falecido no Recife, 31 de dezembro de 1997). 

É uma marcha-frevo de melodia simples, mas emocionante, como várias composições de Capiba.

Não sei por que, mas toda vez que a escuto, as comportas de alguma parte de meu cérebro se rompem e as lágrimas insistem em escorrer dos meus olhos.

Leia mais »

Média: 4.6 (9 votos)

Cláudio Jorge e Augusto Martins, dois senhores sambistas cantando Ismael, por Luis Nassif

A primeira vez que ouvi o CD “Ismael Silva, uma Escola de Samba” foi na rádio Batuta, em entrevista dois dois cantores, Cláudio Jorge e Augusto Martins, ao Joaquim Ferreira.

São dois eméritos sambistas, compondo um duo de primeira, para saudar um dos maiores sambistas da história, Ismael Silva.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Melvin Santhana faz show de lançamento do seu primeiro videoclipe

Imagem: Divulgação

Jornal GGN – O artista independente Melvin Santhana lança seu primeiro videoclipe nesta sexta-feira, 8 de dezembro. A música escolhida para dar vida ao trabalho foi “Nascimento”, parte do álbum “Abre Alas”, previsto para chegar ao público em 2018. Em nome deste lançamento, Melvin sobe ao palco do Espaço Aparelha Luzia, ponto de resistência cultural negra de São Paulo, para realizar um pocket show nesta noite, às 21h.

 “Nascimento” é uma crônica que diz a respeito da rotina de alguém, que todos os dias se desloca e transita pelos extremos da cidade de São Paulo, trazendo à tona os problemas de urbanidade, sob a ótica de um cidadão afro-brasileiro. A música foi criada a partir de dados e pesquisas sobre a falta de estrutura social do país, questões raciais e a marginalização da população afro-brasileira.

Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

O pianista e o piano, por Aquiles Rique Reis

O pianista e o piano

por Aquiles Rique Reis

No álbum de 2015 A Volta de Alice, do pianista, compositor e arranjador Tomás Improta, um admirável grupo de instrumentistas interpretava o repertório cheio de atonalidades e inversões harmônicas que tangenciavam a música concreta, sem todavia perder a contemporaneidade pop e a tradição rítmica da diversidade da música brasileira. Bem diferente é o seu décimo CD, o recém-lançado Olha pro Céu. Neste, Tomás, um experimentalista de alma e ouvidos abertos, fez com que os protagonistas fossem apenas ele e o piano.

Com sete faixas, o disco conta com a participação de apenas outros dois instrumentistas. Um deles é Tony Botelho, baixo acústico em “Silvestre: Nascente do Rio Carioca”, uma das duas composições de Tomás no álbum, homenagem do autor e do piano ao rio mais carioca do Rio de Janeiro. O outro é seu filho Gabriel Improta que, acompanhando o piano do pai, tocou violão em “I Concentrate on You”, de Cole Porter, num inspirado arranjo para uma das grandes obras do grande compositor norte-americano.

Leia mais »

Sem votos

Percussionista Airto Moreira lança álbum no Sesc 24 de maio

Foto: Divulgação

Jornal GGN - O cantor e percussionista Airto Moreira está de volta ao Brasil e apresenta seu novo álbum “Aluê”, que chega ao público pelo Selo Sesc. E, para o lançamento do cd,  Airto se apresenta no teatro do Sesc 24 de maio, em São Paulo, nos dias 7, 8, 9 e 10 de dezembro. Este é o primeiro álbum do artista gravado em território nacional e somente na companhia de músicos brasileiros .

“Aluê” é um conjunto de releituras e canções autorais. Airto Moreira dá um novo tom à músicas como “Misturada”, “I’m Fine, How Are You?” e “Sea Horse”; e apresenta três novas composições, que são “Rosa Negra”, “Não Sei pra Onde, mas Vai” e “Guarany”. A música que nomeia o disco e  também "Lua Flora" é uma parceria do percussionista e sua esposa, Flora Purim.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

O eterno Itamar, completo, uma pechincha para este Natal, por Carlos Motta

O eterno Itamar, completo, uma pechincha para este Natal

por Carlos Motta

Com o Natal, data de maior apelo comercial do ano, chegando, surgem as inevitáveis dicas de presentes, um vale-tudo enlouquecedor.

Para não ficar atrás nessa competição, deixo a minha sugestão, verdadeiro tesouro por uma pechincha: a famosa "Caixa Preta", obra completa do incrível Itamar Assumpção, pela metade do preço na loja do Sesc - de R$ 150 por R$ 75!

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (2 votos)

Diferentes ritmos brasileiros compõem o novo álbum de Caê Mancini

Foto: Divulgação

Jornal GGN - O cantor e instrumentista, Caê Mancini, acaba de lançar “Balanço de Rede”, um álbum que reúne diferentes ritmos brasileiros, destacando o Repente e a Embolada. Este é o terceiro álbum autoral do músico carioca, que ganhou o cenário musical de Alagoas.

“Balanço de Rede” passeia pelo Carimbó, Xote, Axé, Ijexá, e traz elementos do Afrobeat, Bolero, Alujah, Cumbia, Batuque, Funk, Soul, Reggae, D&B. As influências são dos anos 60 e 70, de Caetano e Gil, além de Dominguinhos, Chico César, Jackson do Pandeiro e também de grupos atuais da música brasileira, como Baiana System.  

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Conmigo - Luna Monti & Juan Quintero

Sugestão de Evergton Sales Souza

Aos leitores do Blog do Nassif, que, como ele, gostam de uma boa música.