Início Política Monetária

Política Monetária

Lucro dos 4 maiores bancos é o 3o maior da história

O lucro consolidado foi de R$ 21,3 bilhões. Antes dele, o maior lucro havia sido no 2o trimestre de 2021, com R$ 23,1 bilhões e no 4o trimestre de 2019, com R$ 21,8 bilhões.

Governo apela para coação e ameaça cortar verbas de deputados

Enquanto parlamentares cobram recursos, Planalto quer aprovação da PEC dos Precatórios para viabilizar Auxílio Brasil de olho em 2022

“Frentistas abandonaram Guedes”, diz Elio Gaspari

Em coluna, jornalista lembra que 19 servidores abandonaram a equipe do Ministério da Economia até o momento

Na disputa pelo dinheiro público, o mercado financeiro ganha sempre, por Lauro Veiga Filho

Analistas e consultores tratam de demonizar precisamente os recursos que poderiam ajudar a mitigar os efeitos da crise sobre pobres, vulneráveis e excluídos, amenizando a miséria e a fome crescentes.

FGV projeta recuperação econômica a partir de 2025

Ciclo só irá se concretizar se o crescimento econômico do período 2021-2022 dobrar a partir de 2023

IPCA fecha setembro no maior patamar mensal desde 1994

Índice oficial de inflação já passa dos dois dígitos nos últimos 12 meses, segundo IBGE; oito dos nove grupos pesquisados subiram no período

PIB brasileiro deve terminar o ano 7,5% abaixo do pico de 2013

Cálculos do Ibre/FGV consideram que os níveis de riqueza e renda da população só devem voltar ao nível pré-pandemia em 2023

Desventuras e promessas do liberalismo brasileiro, por Luiz Werneck Vianna

Não foi a primeira vez e nem será a última em que se tentou fazer a roda da história retroagir a fim de repor o país nos trilhos do malsinado regime do AI-5

Piora no prognóstico inflacionário deve comprometer Orçamento de 2022

Revisão de 6,2% para 8,4% ao final de 2021 pressiona teto de gastos e pode estrangular contas do próximo ano

Guedes apela ao STF para adiar precatórios

Ministro da Economia procura alternativas para flexibilizar pagamento de R$ 89,1 bilhões em dívidas da União no próximo ano

Ajuste perverso nas contas do Tesouro atinge em cheio despesas com a Covid-19, por...

A mão pesada da equipe econômica e sua insensibilidade ruinosa frente ao sofrimento de todo um país explicam em grande parte como os números do Tesouro apresentaram melhoria neste ano

A surpresa do PIB, por Paulo Kliass

Parece óbvio que é sempre recomendável alguma cautela quando se trata de fazer previsões para a economia, em especial em uma conjuntura como a que vivemos atualmente.

Enquanto mínimo fica abaixo da inflação, Bolsonaro reajusta seu salário em R$ 2 mil

Salário mínimo fica abaixo da inflação. Já Bolsonaro manobra e consegue reajustar seu próprio salário em 6,5%. Ministros militares são “agraciados” com até R$ 27 mil de aumento – 69% a mais

Volta da inflação?, por Paulo Kliass

Mas o fato é que a imprensa especializada em economia e os grandes meios de comunicação passam a jogar seus holofotes sobre os anúncios recentes dos índices de preços.

Esses bancos, pobres bancos, por Paulo Kliass

Pois os bancos apresentaram balanços dignos de provocarem aquela reação que o dito popular chama de “vergonha alheia”.

PIX, liquidez e concentração bancária após a pandemia, por Gabriel Galípolo e Marcello Negro

A possibilidade de realizar transferências 24x7 trouxe o risco de indisponibilidade de recursos nos dias e horários de não funcionamento do sistema financeiro.

A bomba-relógio do Orçamento brasileiro

A poucos dias da sanção do texto, Bolsonaro e partidos do Centrão ainda não fecharam acordos sobre impasse de redução de emendas

Ministério da Economia estuda novo Orçamento para 2021

Pasta vê crime de responsabilidade se Bolsonaro sancionar texto como está

Alta dos juros pode gerar gasto inútil de quase R$ 46,2 bilhões, por Lauro...

“Receita única” do BC contra a inflação, despesa causada pelo aumento da taxa básica pode superar o valor que a equipe econômica se dispôs a gastar com o auxílio emergencial

O Banco Central da Nova Zelândia vai incluir preços de casas em suas metas

Os preços das casas aumentaram constantemente durante a pandemia e, em 12 meses até o final de janeiro, subiram 19% na Nova Zelândia. O preço de uma casa típica em Auckland ultrapassou os US $ 720.000 , constrangendo a primeira-ministra Jacinda Ardern.