Análise dos Projetos de Lei de Parlamentares Católicos sobre o Turismo Religioso, por Marcos V. Freitas Reis

É comum chamar-se peregrinação a cada viagem realizada pelos membros da Igreja.

Foto iG Turismo

Religião e Sociedade na Atualidade

Análise dos Projetos de Lei de Parlamentares Católicos sobre o Turismo Religioso

por Marcos Vinicius de Freitas Reis

Desde o século passado, a Igreja Católica tem se utilizado muito do turismo para expansão da sua doutrina e estimulado seus fiéis à renovação do sentimento de pertencimento ao credo, por meio de visitas a templos religiosos. O Turismo religioso, diferente de todos os outros segmentos de mercado do turismo, tem como motivação fundamental a fé. Está, portanto, profundamente ligado ao calendário e aos acontecimentos religiosos das localidades receptoras dos fluxos turísticos. É comum chamar-se peregrinação a cada viagem realizada pelos membros da Igreja. Os lugares mais famosos do mundo frequentados por milhares de fiéis católicos, anualmente, são: Terra Santa (Belém, Nazaré, Caná, Cafarnaum, Monte Carmelo, Monte Tabor, Rio Jordão, Jerusalém, etc.), os Santuários Marianos (Santuário de Fátima, Santuário de Lourdes, -Santuário de Guadalupe, Santuário de Medjugorje etc.) e a Santa Sé (Cidade do Vaticano, Basílica de São Pedro, Basílica de Santa Maria Maior, Basílica de São João de Latrão, Basílica de São Paulo Fora de Muros).

No Brasil, por ser o maior país católico do mundo, o turismo religioso, há muito tempo, tem papel importante na propagação da fé e doutrina católicas. Vários são os lugares intitulados pelos católicos como lugares sagrados, e que recebem centenas de fiéis todos os anos. Podemos citar o exemplo Belém do Pará, que, na festa do Círio de Nazaré, chega a abrigar mais de dois milhões de católicos; Juazeiro do Norte, onde, durante uma romaria de quatro dias, os fiéis visitam a imagem do beato Padre Cícero; além das famosas Igrejas históricas dos Estados de Minas Gerais e Bahia.

Neste sentido, a Igreja Católica do Brasil, procurando fortalecer a fé dos seus fiéis, tem investido muito na região do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo. Essa região é conhecida por receber, anualmente, milhões de católicos que buscam milagres, curas ou pagar suas promessas ao santo de devoção. A cidade de Aparecida, que abriga o Santuário Nacional de Aparecida, recebe, por ano, 10 milhões de pessoas. Este templo religioso guarda a imagem de Nossa Senhora Aparecida, achada, no século XIX, por pescadores nas margens do Rio Paraíba – desde o século XX, esta imagem tem o título de padroeira do Brasil (atualmente existe a TV Aparecida e Rádio Aparecida, de alcance nacional). Outra cidade que tem chamado atenção pelo grande fluxo de pessoas é Cachoeira Paulista. Tal cidade abriga a instituição católica Canção Nova, que é uma das responsáveis pela propagação das atividades dos carismáticos. Fundada por um dos principais líderes da RCC no Brasil, Padre Jonas Abib, o local comporta uma emissora de TV e de rádio de alcance nacional. Há lugar para retiros que comportam 200 mil pessoas (o maior espaço religioso católico da América Latina) e, atualmente, está em construção uma Igreja chamada “Pai das Misericórdias”, que comportará dez mil pessoas.

O circuito religioso no Vale do Paraíba ainda comporta a cidade de Guaratinguetá, conhecida, nacionalmente, por ser a região onde nasceu e viveu o primeiro santo brasileiro, Frei Galvão. A catedral de Guaratinguetá foi o lugar onde este santo trabalhou como sacerdote nas atividades da Igreja e, hoje, se tornou ponto turístico no Brasil, recebendo, anualmente, centenas de pessoas atrás das pílulas milagrosas. Há, ainda, duas outras cidades que estão sendo inseridas neste translado religioso católico: a cidade de Canas, onde está em construção um recinto para eventos da RCC, comportando dez mil pessoas; e a cidade de Lorena, conhecida pela arquitetura das Igrejas.

Leia também:  O labirinto fascista e a monstruosa coleção de mercadorias, por Tiago Ferro

Com este projeto, a Igreja Católica tem acesso a alguns benefícios para atuação na esfera pública. Haveria investimento do dinheiro público na construção de Igrejas, dormitórios, infraestrutura, hotéis, lojas e lugares que, de alguma forma, estão ligados aos católicos. O volume de pessoas levadas, anualmente, a esses lugares em razão de sua fé permite maior visibilidade por meio dos veículos de comunicação que outros credos religiosos não possuem. Há o estimulo da organização de empresas ligadas à Igreja que organizam excursões para o Vale do Paraíba oriundas de todos os lugares do Brasil; inauguração de shopping católico e lojas que acabam propagando a fé católica. Em outras palavras, este projeto ainda prevê a ampliação dos acordos da igreja com as autoridades públicas, para o desenvolvimento de projetos relativos ao turismo religioso.

Visando a benefícios a partir do Turismo Religioso nesta região, o deputado José Carlos Stangarlini propõe, na instância pública nacional, que o município de Cachoeira Paulista fosse transformado em estância turística, devido à importância que a cidade possui no Vale do Paraíba. Por receber, anualmente, milhares de católicos nas atividades da comunidade Canção Nova, o município foi agraciado com o título de estância turística (por meio do projeto 468/2003) e tem o direito de receber do estado verba extra de 10% sobre sua arrecadação total, para efetuar melhorias na infraestrutura turística.

As atividades turísticas dessa cidade giram em torno das atividades dos carismáticos deste município. Os investimentos garantidos por este projeto iriam melhorar os serviços em pensões, hotéis, ruas, estradas, lojas, meios de comunicação e de outros setores. Na prática, isto contribuiria para melhoria dos serviços, dinamização do turismo religioso e maior visibilidade nacional da Igreja Católica.

Leia também:  Enfim, a cristofobia, por Bruno Reikdal Lima

Além de propor projetos visando à melhoria nos serviços de turismo religioso, os deputados carismáticos possuem outras estratégias para a inserção dos católicos Dia Estadual Do Turista em Minas Gerais.

Podemos perceber que, nem todos os projetos exemplificados dizem respeito aos interesses específicos dos carismáticos. O turismo religioso do Vale do Paraíba agrega o Santuário Nacional de Aparecida e o primeiro santo brasileiro de Guaratinguetá, que não tem nenhum vínculo com a RCC. A própria festa da procissão de Nossa Senhora dos Navegantes, em Presidente Epitácio, não é uma iniciativa dos carismáticos, mas, sim, do clero local, com o intuito de manter a romaria da religiosidade popular em torno deste santo. Isto nos leva a concluir que, mesmo que os deputados sejam militantes da Renovação Carismática Católica, a maioria dos seus projetos não está diretamente ligada aos interesses da RCC, mas está voltada aos interesses da Igreja Católica, como um todo, e alguns outros setores da sociedade.

O deputado estadual Reinaldo Alguz (PV/SP), em 2009, propôs o projeto de lei que incluiria no calendário turístico do estado de São Paulo o evento católico da RCC “Alegrai- vos”, ocorrido todos os anos na capital paulista.

O evento “Alegrai-vos” é realizado no período de carnaval, na cidade de São Paulo, por iniciativa da Renovação Carismática Católica. A programação do evento engloba músicas, palestras, shows, brincadeiras e celebrações religiosas. O objetivo deste evento é a expansão das atividades dos carismáticos no estado de São Paulo, oferecendo uma atividade alternativa para aqueles que não vão aos carnavais promovidos por clubes e instituições públicas e divulgando a doutrina católica no intuito de obter mais fiéis. Tal festejo aglomera milhares de pessoas.

Na prática, a aprovação deste projeto oficializaria o evento como iniciativa pública mesmo com fins religiosos. Daria direito aos organizadores do evento a terem acesso a toda a infraestrutura necessária para a execução das atividades ao longo dos dias do carnaval (estrutura de palco, som, empréstimo do lugar, funcionários, tendas para venda de alimentos, bebidas e artigos religiosos seriam utilizados gratuitamente pelos carismáticos). Outro fator importante é a cidade em que o evento é realizado. São Paulo, por ser uma das maiores cidades do mundo e abrigar veículos de comunicação de cobertura nacional, permite que o evento possa ser divulgado por maior número de pessoas, sem contar que, como faz parte do calendário oficial do estado, automaticamente, o evento é inserido na divulgação das atividades anuais desenvolvidas pelo governo de São Paulo.

A aprovação deste projeto e, consequentemente, o acesso a todos esses benefícios supracitados, dá legitimidade estatal às iniciativas dos carismáticos. Dito de outra forma, a entrada do evento católico “Alegrai-vos” no calendário oficial de São Paulo assegura que todas as ações promovidas neste acontecimento têm a permissão das autoridades públicas, e estas coadunam com idéias propaladas por seus dirigentes – o que implica dizer que a ideologia que será transmitida no evento é defendida pelas autoridades públicas.O mesmo deputado propõe, ainda, outro projeto, que segue a mesma orientação de interesses: a inclusão, no calendário oficial do Estado de São Paulo, a festa da Procissão de Nossa Senhora dos Navegantes, na cidade de Presidente Epitácio.

Leia também:  Ruth Bader Ginsburg mudou os EUA muito antes de entrar para a Suprema Corte

Iniciada em 1948, a festa de Nossa Senhora dos Navegantes é marcada pela procissão da imagem desta santa, que sai do Município de Bataguassu – MS e, em balsas, atravessa o Rio Paraná para chegar a Presidente Epitácio – SP, onde prossegue por via terrestre até a Igreja Matriz da cidade. Após a tradicional Missa Campal, faz o caminho de volta para a cidade do Mato Grosso do Sul. O número de romeiros participantes dessa festa chega a sete mil.

A inclusão desta festa como parte do calendário oficial do estado de São Paulo permite os mesmos direitos salientados com o evento “Alegrai-vos”. Permite que a Igreja Católica tenha maior exposição midiática dos seus eventos em relação a outros eventos religiosos de outras instituições, financiamento público e expansão de sua doutrina.

Marcos Vinicius de Freitas Reis – Professor da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) do Curso de Graduação em Relações Internacionais. Possui graduação em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Curso de Pós-Graduação em História Social pela UNIFAP, Docente do Curso de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHISTORIA). Membro do Observatório da Democracia da Universidade Federal do Amapá. Docente do Curso de Especialização em Estudos Culturais e Politicas Públicas da UNIFAP.  Líder do Centro de Estudos de Religião, Religiosidades e Políticas Públicas (CEPRES-UNIFAP/CNPq). Interesse em temas de pesquisa: Religião e Politicas Públicas. E-mail para contato: [email protected]

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome