Djamila Ribeiro solicita inquérito contra Twitter por lucrar com discurso de ódio e racismo

Rede social possivelmente lucra com a exibição de anúncios durante a disseminação de discursos de ódio e racistas contra mulheres negras

Djamila Ribeiro — Foto: Ricardo Prado/Divulgação

Jornal GGN – A filósofa e feminista Djamila Ribeiro e três coletivos do movimento negro protocolaram na sexta-feira, 7 de agosto, um pedido no Ministério Público Federal (MPF) para abertura de inquérito contra o Twitter. 

O grupo joga luz sobre a conduta da rede social, que possivelmente lucra com a exibição de anúncios durante a disseminação de discursos de ódio e racistas contra mulheres negras. A solicitação foi encaminhada à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

A representação pede que o MPF condene o Twitter a pagar indenização por dano coletivo, que deve ser destinada a um fundo de combate à discriminação, além da criação de um órgão externo e independente para definir regras contra discursos de ódio na rede social. 

Entre os coletivos que fazem parte da representação estão a Conaq (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Mahin (Organização de Mulheres Negras) e a Unegro-SP (União de Negros pela Igualdade).

Com informações de O Globo. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pastor que confessou corrupção no RJ está desaparecido

2 comentários

  1. A Conaq (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Mahin (Organização de Mulheres Negras) e a Unegro-SP (União de Negros pela Igualdade) não tem foto?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome