Cidades brasileiras ainda não cobram pelo consumo de água

Por Wanderley Kuruzu Rossi Jr.

Ouro Preto (MG) está vivendo, esses dias, uma onda de protestos contra a falta de água.

As comunidades de diversos bairros mais populares tem ateado fogo em pneus, madeiras e lixos, como forma de chamar a atenção para o problema. E com razão, visto que em outras regiões da cidade, onde moram predominatemente as chamadas classes média-média e média-alta, a água jorra à vontade.

E jorra à vontade por quê ? Prepare-se para o i-na-cre-di-tá-vel !

Ouro Preto, patrimônio cultural da humanidade, não possui hidrômetros. Isso mesmo ! Cada um gasta, desperdiça o quanto bem quer. Que cultura é essa que permite tamanha insensatez em plenos tempos de crise hídrica no País ?!

Repito: cada um gasta, desperdiça o quanto bem quer. Hotéis, pousadas, restaurantes, clubes, indústrias, ricos, lavadores de terreiros e calçadas, postos de gasolina que oferecem “duchas gratuitas” para atrair clientes etc. Uma irracionalidade. Um escândalo.

O resultado não poderia ser outro. Enquanto o consumo por pessoa/dia recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 110 litros, em Ouro Preto, estima-se que esta média seja 5 vezes maior: 550 litros (produção/número de habitantes, já que não há hidrômetros para medir).

A título de comparação, na vizinha Itabirito, que possui os medidores e as pessoas pagam de acordo com 

a quantidade que usam, o consumo é de 164 litros/pessoa/dia.

Quantas e quais cidades brasileiras ainda praticam tamanha insensatez: não cobrar pelo consumo da água, mesmo que se isente de pagamento as famílias de baixa renda ?

Observação: municípios que não hidrometraram, estão proibidos de receber recursos do governo federal para investir em saneamento ?

Leia também:  Cientistas vão investigar as relações entre coronavírus e etnias

Fonte 1: http://omundodosinconfidentes.com.br/2014/04/03/falta-agua-e-tambem-consciencia/

Fonte 2: http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2015/01/118521-agua-no-brasil.shtml

Fonte 3: http://www.jornalvozativa.com/nova-manifestacao-na-rua-maciel-em-ouro-preto-mg-tem-inicio-agora-1610-as-17h-45min/ 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Tá de sacanagem? Hoteis,

    Tá de sacanagem? Hoteis, pousadas, quitandas, mercadinhos, residências ? Ninguem paga nada ?

    Deve então ser a cidade (ou,uma das) que registra recordes de lucratividades ?

    Sim, sabendo-se que esse, junto a luz e força, é um dos principais custos de uma familia e de uma atividade comercial.

    No caso de um edificio residencial com 70 unidades o custo médio anual com a CEDAE é de, por baixo, R$48.000,00.

    Se em Ouro Preto metade da população (35.000) mais metade das pousadas (50) mais metade dos hotéis (35) tem-se, por baixo, uma perda de R$2.100.000,00 de arrecadação com água.

    Bom, em compensação a Receita Federal deve estar super contente.

    Como não houve despesas/gastos e só entrada de dinheiro (salários, diárias, consumo) a arrecadação de IR deve suprir o país. Salve Ouro Preto!

     

  2. brasilsil pandeiro

    Wanderley,

    Naqueles municípios brasileiros que não cobram pelo uso de água potável, que não sabem o que significa a palavra hidrômetro, o prefeito e/ou candidato a prefeito que vier a demonstrar intenção de moralizar a baderna da água será inevitavelmente derrotado nas urnas.

    Quanto à sua preocupação em relação a municípios que não medem consumo d’água de munícipes conseguir recursos do governo federal, saiba que os recursos $$$ disponibilzados para redes de saneamento básico nunca são utilizados em sua totalidade, a maioria dos prefeitos está se lixando para tudo aquilo que esteja relacionado a saneamento básico, redes, ETA, ETE, aterros sanitários, CTR, etc…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome