Apagão da ciência: Governo Bolsonaro investe menor orçamento do século à pesquisa

O Orçamento 2021 dedicou ao CNPq o menor em um século, quase a metade do que foi investido em 2000, mas de lá para cá a quantidade de pós-graduandos duplicou

O GGN PRECISA DE VOCÊ PARA CONTINUAR PRODUZINDO INFORMAÇÃO E ANÁLISE CRÍTICA E INDEPENDENTE
CLIQUE AQUI E SAIBA COMO APOIAR

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro destinou este ano à pesquisa o menor orçamento de todo o século XXI. Essa é a constatação com as quantias que o Orçamento 2021 dedicou ao Centro Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o principal órgão de fomento à pesquisa no país.

Há para o Centro uma quantia de R$ 1,21 bilhão, o que é quase a metade do valor disponibilizado 21 anos atrás. Em 2000, foram destinados R$ 2,35 bilhões ao órgão, de acordo com reportagem de O Globo, que coletou os dados do Sistema Integrado de Operações (Siop).

No ano com o maior investimento do século, em 2013, no governo de Dilma Rousseff, a pesquisa recebeu R$ 3,13 bilhões. É o CNPq que decide os recursos para pesquisa em ciência, tecnologia e inovação, além da formação de pesquisadores, editando os repasses a projetos científicos e bolsas de pesquisa de pós-graduação.

Contraditoriamente, se em 2021 a pasta recebeu a metade do que em 2000, a pós-graduação no Brasil saltou para o dobro de alunos em comparação aquele ano, de 162 mil para 320 mil.

“Vemos um verdadeiro apagão da ciência brasileira e acreditamos que haverá uma paralisação da produção científica caso não haja uma revisão orçamentária”, afirmou a a vice-presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), Stella Gontijo, à reportagem de O Globo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome