Laboratórios serão fechados com cortes do governo Temer, alerta comunidade científica

“Sistema está tão fragilizado que vai quebrar todo mundo”, afirma diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, Ronald Shellard 

foto_agencia_brasil_ciencia.jpg

(Foto ABr)
 
Jornal GGN – Laboratórios de pesquisa em todo o país correm risco de fechar com o novo contingenciamento anunciado pelo governo Federal na última semana que reduzirá em R$ 477 milhões recursos para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Antes de anunciar o bloqueio de R$ 16 bilhões no orçamento da União, Temer recebeu uma carta assinada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e outras cinco entidades falando sobre o risco. Ainda assim, o Planalto seguiu com o anúncio. 
 
A área já vinha sofrendo com cortes da União começando 2018 com orçamento 25% menor do que em 2017. Agora, com o novo comunicado de Temer, os investimentos públicos vão encolher mais 10%, passando de R$ 4,5 bilhões para R$ 4 bilhões previstos para o MCTIC neste ano. A pasta é responsável pelo apoio em trabalhos desenvolvidos em universidades e centros de pesquisa brasileiros.
 
Considerando além do contingenciamento a inflação, o orçamento disponibilizado hoje para a pasta de Ciência e Tecnologia no Brasil é equivalente a metade do que foi investido em 2013. Na carta enviada ao Planalto os pesquisadores e cientistas alertaram para consequências “catastróficas para toda a estrutura de pesquisa no País”, completando:  
 
“A possibilidade de recuperação econômica do País fica ainda mais comprometida e a qualidade de vida da população brasileira, em particular na saúde pública, será certamente prejudicada.”
 
Em entrevista para o Estado de S.Paulo, o diretor do Laboratório Nacional de Computação Científica, Augusto Gadelha, afirmou que a comunidade científica está conversando “com o MCTIC para ver saídas, mas a situação é muito preocupante. Corte de 10% é intolerável”. 
 
Completando a avaliação do colega, o diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, Ronald Shellard, ponderou que “o sistema está tão fragilizado que vai quebrar todo mundo.”
 
Ainda, segundo a carta assinada pelas organizações de cientistas e pesquisadores brasileiros, “é alto o risco de laboratórios de pesquisa serem fechados, pesquisadores deixarem o País e jovens estudantes abandonarem a carreira científica.” Veja a seguir, em anexo, a carta na íntegra. 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora