“Alternative Math”: a ameaça do anti-intelectualismo, por Wilson Ferreira

Nas mídias sociais, realidades paralelas e bizarras teorias conspiratórias ganham o mesmo status de verdades científicas sob o álibi da liberdade de opinião

Curta da Semana: “Alternative Math” – A ameaça do anti-intelectualismo e irracionalismo
Por Wilson Ferreira

2 + 2 é igual a 4. Essa é a verdade do raciocínio lógica da Matemática. Uma verdade factual. Ou será que não? Por que não, igual a 22? Afinal, não vivemos numa sociedade de liberdade de opinião? Então a Matemática e seus professores são espertalhões autoritários querendo impor seus pontos de vista? Eles estão por trás de uma conspiração para tolher a liberdade cognitiva dos estudantes? Esse é o tema do divertido curta “Alternative Math” (“Matemática Alternativa”, 2018), uma comédia com diversas camadas interpretativas, mas que também tem um tom assustador sobre o mundo potencialmente terrível que está à nossa espreita: o ressentimento que produz a onda anti-intelectualismo e irracionalismo da pós-verdade – nas mídias sociais, realidades paralelas e bizarras teorias conspiratórias ganham o mesmo status de verdades científicas sob o álibi da liberdade de opinião. Curta sugerido pelo nosso leitor Felipe Resende.

 

O espírito do tempo: estamos acompanhando o crescente desprezo pelo intelecto e a erudição. Em um mundo em que a mais moderna tecnologia de comunicação de toda a História (a Internet e as tecnologias computacionais) despejou para o mundo fake news e a pós-verdades, criando realidades alternativas e bolhas virtuais, o anti-intelectualismo converteu-se na própria atmosfera na qual as redes sociais respiram.

Todas as verdades, descobertas e teorias aceitas pela comunidade científica passaram a ser acusadas de conspirações – a Terra é redonda? Uma conspiração da NASA. Teoria Evolucionista? Coisa de cientistas pedantes e ateus, e até suspeitos de radicalismo político. Teoria da Relatividade? Coisa de um judeu suspeito que não gostava de matemática.

Leia também:  Uma mulher contra Hitler, por Carlos Russo Jr.

Matemática? Pois até a ciência do raciocínio lógico que estuda quantidades, medidas, espaços e estatísticas, talvez a ciência mais exata (ou que, pelo menos, confere credibilidade científica a teses e hipóteses), pode ser questionada na atual onda de barbárie e regressão.

O curta dirigido por David Maddox, Alternative Math (“Matemática Alternativa”, 2018), talvez seja um dos mais inteligentes curtas atuais e também uma incrivelmente sofisticada comédia. Uma alegoria com diversas camadas: a primeira de uma comédia inteligente que funciona com non-sensee a lógica insana do reducto-absurdum. Mas também tem um tom assustador de um mundo potencialmente terrível que está à nossa espreita.

O que acontece quando crenças e o senso comum assumem tal poder que o mais básico conhecimento científico passa a ser questionado? O que acontece quando o direito à liberdade de expressão torna-se um álibi para as ideias mais obscuras e medíocres passarem por cima dos fatos e adquirirem o mesmo status de teses científicas?

E a camada narrativa mais preocupante de Alternative Math é o destino de professores, intelectuais e cientistas nesse autêntico elogio à burrice e ignorância que toma conta da atualidade.

A protagonista do curta é uma veterana professora chamada Mrs. Wells (Allyn Carrell) de uma escola fundamental tentando explicar a um pequeno aluno que 2 + 2 é igual a 4. A criança errou essa questão do teste por achar que o resultado é 22. Fazendo birra, o menino vira as costas e vai embora batendo pé irritado.

No dia seguinte, os pais do garoto vêm conversar com a professora: “como ousa censurar uma criança e restringir a aprendizagem”, acusam os pais que ficam cada vez mais agressivos com a insistência da professora em demonstrar que a lógica e o raciocínio matemático são um fato. Tão birrentos quanto o filho, os pais protestam que para cada pergunta há mais de uma resposta. E pior: os pais acham que a professora é tendenciosa e manipuladora. “Quem é você para dizer o que é certo e errado?”, desafiam os pais.

Leia também:  Só o príncipe pode criar a tempestade perfeita para ele mesmo, por Alon Fauerwerker

Depois dessa sequência tensa que termina com uma bofetada da mãe na professora, revela-se uma perversa aliança entre a mídia e administração escolar: ao invés do diretor apoiar a professora, acusa-a de perturbar a criança e os pais – o conselho escolar suspende a professora, mas, depois do escândalo que explode na mídia (denunciando um suposto ataque pessoal de um professor a um aluno), a escola decide despedi-la.

Atrofia da Competência

Ao longo da história a educação de massa surgiu com uma promissora tentativa de democratizar a cultura superior das classes privilegiadas. Mas tudo o que conseguiu foi a formação de uma burocracia educacional e a escola como recrutamento militar ou industrial.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora