Kriegerin, uma síntese cinematográfica da nossa nova República Velha

Não vou falar aqui sobre as controvérsias política sugeridos pelo filme Kriegerin, pois eles são muito evidentes.

O que me chamou mais atenção neste filme foi o abismo entre o mundo em que os neo-nazistas e suas vítimas (os imigrantes) vivem.

Os jovens racistas andam bem vestidos, vivem em casas confortáveis, estão sempre bem alimentados, desperdiçam comida e bebida e dirigem bons carros. Os imigrantes passam fome e vivem em condições precárias.

A universalização dos direitos, fundamento da democracia política e econômica, melhoraria as vidas daqueles que nada tem e não causaria qualquer piora nas condições de vida dos neo-nazistas. Mas eles rejeitam a democracia porque percebem o mundo de uma maneira distorcida.

E esta distorção ideológica se torna bem visível numa das mais belas tomadas do filme. Dentro de um carro um grupo de neo-nazistas escuta músicas que glorificam a violência e o racismo. Fora dele as turbinas de energia eólica giram silenciosamente ao vento fornecendo energia para um dos países mais ricos da Europa.  

O contraste entre a normalidade da vida social e a anormalidade da vida emocional dos adeptos do nazismo também se torna evidente em duas outras cenas. A primeira e a última: um avô trata a neta de maneira afetuosa para ensiná-la a odiar.

A lição que aprendeu desde pequenina ela é obrigada a desaprender ao entrar em contato com o estrangeiro que ela mesma agrediu. Kriegerin fala dos conflitos sociais e políticos da Alemanha, mas também daqueles que ocorrem no Brasil. Nos últimos anos, nosso país foi afogado na infâmia pela ação destrutiva de líderes tucanos, peemedebistas mafiosos, pastores evangélicos picaretas, juízes preconceituosos e banqueiros sonegadores de impostos com ajuda dos barões da mídia e seus “canetas” que destilam ódio político, social e racial, tudo para que uma pequena elite que já tinha tudo ou quase tudo pudesse exultar ao empobrecer a parcela mais frágil da população.

Leia também:  Giro GGN Queimadas: Pará é o estado com maior número de focos de incêndios

O golpe de 2016 e as reformas neoliberais impostas ao Brasil por Michel Temer e sua quadrilha de ladrões parlamentares e juízes desumanos, transformaram 190 milhões de brasileiros em estrangeiros sem direitos sociais, trabalhistas, previdenciários e políticos. A resistência pacífica das vítimas está despertando cada vez mais ódio dos golpistas. Mas apenas alguns deles admitem que são nazistas, racistas e escravocratas.

É coisa de preto, diz um telejornalista diante das câmeras de TV. E muitos outros correm em socorro dele como se ele fosse a vítima. Um jornalista incita o ódio homicida contra Lula numa revista. E depois pede proteção para a polícia como se ele mesmonnão fosse o criminoso.

Kriegerin é um chute na boca do estomago dos brasileiros de classe média que foram às manifestações contra Dilma Rousseff e que se recolhem em casa aceitando a corrupção desenfreada de um governo que perdoa sonegadores de impostos e entrega aos investidores internacionais as riquezas petrolíferas, minerais e aqüíferas do país a troco de banana. Isto explica porque o filme não foi e não será exibido em horário nobre pela Rede Globo.

https://vimeo.com/241340973

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome