Nietzsche explica “O Mecanismo”: série explora o veneno psíquico nacional do ressentimento, por Wilson Ferreira

 

por Wilson Ferreira

O diretor José Padilha rebate às acusações de “Fake News” à série brasileira Netflix “O Mecanismo” alegando que é uma obra de ficção: uma “dramatização” da Operação Lava Jato. Porém, como obra de ficção, Padilha atirou no que viu e acertou no que não viu: sem a prisão de Lula, planejada para a semana do lançamento de “O Mecanismo”, a série foi deixada por si mesma. Sem o apoteótico final que a impulsionaria, a série revelou ser feita do mesmo material de propaganda indireta da atual guerra híbrida brasileira – o envenenamento psíquico pela doença do ressentimento. Como narrativa ficcional, “O Mecanismo” nada mais é do que uma tentativa de transformar ressentimento, ódio e frustração dos protagonistas em valores estoicos, nobres e patrióticos. A grande “virtude” de “O Mecanismo” é ser uma prova de como a “doença do ressentimento”, a “condição mais perigosa do homem” para Nietzsche, transformou-se em matéria-prima de propaganda política indireta.

A concessão da liminar a Lula pelo Supremo Tribunal Federal nessa última quinta-feira melou o que seria uma perfeita bomba semiótica dentro do quadro atual de guerra híbrida que mal os brasileiros estão percebendo.

Na semana em que a plataforma Netlix lançava a série de José Padilha O Mecanismo (baseado nos acontecimentos da Operação Lava Jato), a presidente do STF Carmen Lúcia manipulava a pauta do Supremo para que Lula fosse preso nesses próximos dias. E como planejado, tudo se encerraria numa  entrevista com o juiz Sérgio Moro, no programa Roda Viva da TV Cultura de São Paulo, nessa segunda-feira. E (por que não?) dando a ordem de prisão ao vivo em uma final apoteótica para o distinto público.

Mas os juízes do Supremo adiaram tudo para depois da Páscoa. E restou para a série  O Mecanismo tentar sustentar-se por si mesma, sem o bombástico contexto que seria criado com a prisão do líder trabalhista.

E deixada por si mesma, a obra de José Padilha não consegue se sustentar: a necessidade insistente de voice over para explicar buracos no roteiro e os sentimentos que motivam as ações dos personagens, roteiro sem sutilezas (Rigo, o Juiz Sérgio Moro de Padilha, lê um HQ chamado “Vigilante Sombrio”), protagonistas idealizados e pairando sobre o bem e o mal e um roteiro que mal esconde o desequilíbrio – embora, a certa altura, a narração em of reivindique à Justiça brasileira equilíbrio e imparcialidade.  

Sem a razão, motivo e propósito de sua existência (a prisão de Lula), O Mecanismo no entanto revela involuntariamente um segredo: a matéria-prima psíquica que foi mobilizada pelas bombas semióticas, nos últimos anos, para produzir aquilo que o russo Andrew Korybko chama de “caos sistêmico” ou “caos estruturado” na sua obra “Hybrid Wars: The Indirect Adaptive Approach to Regime Change” (clique aqui, em inglês) – o envenenamento do psiquismo nacional pelo mecanismo regressivo do ressentimento.

 

Leia também:  Não existe ficção científica no país do futuro em 'Branco Sai, Preto Fica', por Wilson Ferreira

Imprecisões oportunas

Todas as oportunas “imprecisões” na série (por exemplo, fala-se do esquema de corrupção do “Banco do Estado” que teria começado em 2003 – na verdade, o caso Banestado começou nos anos 1990 nos governos FHC) podem ser interpretadas como “licença poética” como logo no início Padilha alerta aos espectadores: “essa é uma obra de ficção livremente adaptada… etc.”.

Porém, como obra de ficção é uma perfeita e didática bomba semiótica por expor, in natura, o esgoto psíquico de onde foi retirado todo o ressentimento que alimentou mal estar, ódio, intolerância, polarizações cuja propaganda indireta da guerra híbrida deu forma e sentido… ou seja, o “caos estruturado” do qual se refere Korybko.

O tema central da série é o ressentimento, muito mais do que uma suposta dramatização da Lava Jato. O que comprova a natureza da produção Netflix: é mais um veículo de propaganda, como muitos outros desde 2013, a incutir o ódio e o ressentimento como doença psíquica nacional que legitimou todo o golpe e a crise política.

Tirando os vilões (doleiros, empreiteiros e as caricaturas de Lula e Dilma Rousseff), todas as motivações dos “mocinhos” são originadas no ressentimento – o ódio e desejo de vingança por descobrirem que “Deus não é brasileiro”, que a Justiça não existe, por descobrir que depois 20 anos de trabalho na Polícia Federal o protagonista vai apenas receber migalhas de auxílio-doença da Previdência.

Ou por dó por ver “heróis anônimos” levando uma vida miserável enquanto doleiros enriquecem e sustentam “as mais caras campanhas eleitorais à presidência”… Logicamente, as campanhas das parodias de Lula e Dilma.  

Por isso, a obsessiva necessidade narrativa de voice over para tentar explicar as motivações dos protagonistas. É a única maneira dos criadores José Padilha e Elena Soarez tentar atribuir alguma motivação nobre, patriótica ou estoica para os heróis. Mas o que as imagens nos mostram mesmo é o mesmo envenenamento psíquico que a propaganda indireta da Guerra Híbrida (as “bombas semióticas”) inoculou nos corações e mentes de uma nação.

 

A série

A dupla Padilha e Soarez também tenta nos vender a ideia de que o tal “mecanismo” do título está por trás de tudo como “um câncer” como obsessivamente repete o policial federal Marco Ruffo (Selton Mello): na esquerda, na direita, na presidência, na empresa estatal, na “cervejinha” paga ao policial, na falsa carteirinha de estudante.

Mas o “câncer” mesmo está no clone de Lula: ele fala em “estacar a sangria” da Lava Jato e em “grande acordo nacional”. Na verdade, quem usou essas frases foi Romero Jucá no infame diálogo com Sérgio Machado… Mas, afinal, quem se importa. Ele já estaria preso, não fosse a “tremedeira” do STF. O que  daria um belo empurrão promocional à série.

Ruffo fica obcecado pelo esquema corrupto do doleiro Roberto Ibrahim (Enrique Diaz). Junto com a sua companheira de investigações e aprendiz Verena (Croline Abras), Ruffo descobre um gigantesco mecanismo de corrupção envolvendo, logicamente, todo o fornecimento de dinheiro para as campanhas eleitorais de uma alusão ao PT e superfaturamento na “Petrobrasil”.

Padilha e Soarez fazem questão de reforçar ao espectador o contraste entre a vida contida financeiramente do herói (“levei 20 anos para dar um carro para minha esposa”, lamenta Ruffo), numa casa humilde e com uma filha que necessita de cuidados especiais, e as cifras milionárias manipuladas pelo doleiro Ibrahim.

Ruffo não se conforma em olhar para sua esposa e filha como um perdedor e a precária vida material que consegue dar a elas. Sua motivação profunda é a vingança, a justiça custe o que custar. Ressentido, sofrendo derrotas atrás de derrotas, sente-se paralisado pela Justiça (“às vezes tenho vontade de meter uma balas na sua cabeça!”) e quase a dupla Ruffo/Ibrahim se transforma na dupla atormentada Batman/Coringa do cinema e das HQs.

 

Leia também:  Não existe ficção científica no país do futuro em 'Branco Sai, Preto Fica', por Wilson Ferreira

Ressentimento como arma política

Ressentimento sempre foi uma arma da propaganda política. Para Nietzsche, o ressentimento se transforma em doença quando as forças ativas perdem a capacidade de atuar e o indivíduo deixa-se contaminar. Então a sede de vingança começa a ganhar forma e buscar por um sentido.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

16 comentários

  1. O mecanismo
     

    É um nome bastante apropriado para uma série que quer alimentar a fantasia da “verdadeira” versão do golpe.

    De minha parte só posso dizer que não vi, não vou ver, não gosto e não me interessa.

    Eu mereço descanso. Essa egrégora que se alimente dos curiosos.

  2. Yuossef e outros corruptos são crias demotucana

    O doleiro foi criado e enriqueceu-se graças ao gangster Álvaro Dias. Os resquícios de corrupção que se instalou nos governos recentes tiveram o seu começo e auge nos governos do exterminador da classe média FHC. Tá tudo dominado pela máfia demotucana, judicário, legislativo, executivo, o tráfico de drogas, imprensa, PF, MPs e outros órgãos.

  3. Não tinha como

    Não havia como fazer um filme da lava jato e não enfiar inverdades na história. Ela é toda isso.

    Esta é mais uma prova da inocência do LULA e da inconsistencia da farsesca lavajato. Sem mentiras grosseiras ela não se sustenta, nem com ficção. É preciso ser ficção e burlar os fatos.

    Para quem está sendo condenado por ter recebido um apartamento que está em nome, registrado em cartório, do doador da propina, é totalmente surreal e somente coerente com a ficção aditivada com mentiras grosseiras. O processo contra o Lula se colocados os fatos só mostraria a perseguição a um inocente e aí o mocinho teria que ser preso no final. E aí não dá né?

    Ficará como mais um exemplar da literatura, que em vez de condenar sem provas por que a literatura me permite, do que foi a lava jato e do desastre a que ela nos remeteu.

    Nem com ficção fica em pé a acusação ao LULA.

  4. Não tenho Netflix, nem TV a

    Não tenho Netflix, nem TV a cabo.

    Não assisto TV aberta (exceto quanto há transmissão de jogo do Timão, mas corto o som no intervalo porque detesto propaganda).

    Agora que fiquei sabendo que o Cinemark fará propaganda do Doria Jr. decidi nunca mais ver um filme naquela espelunca. 

    Tenho um computador conectado à minha TV.

    Gosto de ver documentários e filmes antigos postados no YouTube. 

     

  5. Nietzsche….

    Patrulha da Gestapo Ideológica sobre Obra de Ficção. Fenomenal !!! “Cachorro atrás do rabo”. Não é que o Ministro do STF estava certo; o chicote pode mudar de mãos?!! A mesma Gestapo que sabotou um dos melhores filmes brasileiros, fenômeno mundial de repercussão e bilheteria, para que não ganhasse o Oscar !! Mas o Brasil é muito simples. É muito fácil de ser explicado. Não é preciso nem desenhar. Se não fosse a tragédia produzida por Esquerdopatas Progressistas nestes 40 anos, seria até cômico. Pedrinhas, Alcaçuz, o RJ? A culpa é do Trump?!! Sabemos. 

  6.  Não vale a polêmica

     Não vale a polêmica ….

     

    Assisti um capitulo e posso afirmar com certeza. PURO LIXO. Distorce os fatos para fazer propaganda nazi-facista para levar coxinhas ao delirio.

    Assim eles esquecem da cagada que fizeram. Alimentaram um monstro e a maioria está engolindo o Sapo, para que a elite não pagasse o PATO.

    Se deram mal e estão precisando urgentemente de uma droga para evitar que se conectem com a realidade.

    Vai ser um fiasco tal qual o fracasso “PF a lei é para todos, menos para tucano”.

    Mas sim é um bom motivo para cancelar a assinatura da NETFLIX.

     

     

  7. Salario de fome?
    Outra mentira é o salário de fome do juiz, ja que o original ganha bem acima do teto, tem mordomias como auxilio-moradia e a esposa esta envolvida ate o pescoço com privilégios das APAEs, também ganhando bem

  8. Prof Wilson

    É sempre um prazer ler os seus artigos aqui e no Cinegnose, especialmente esses que vão nos ensinando como desmontar as bombas semióticas antes que elas explodam dentro de nossas mentes.

  9. Com a licença poética

    Padilha nos recorda esses traficantes de amas a terroristas, vivendo às custas de morte, violência e miséria. Sem elas, onde a matéria prima, como ele e seus filmes sobreviveiam? Neste sentido,  além de tentar matar reputações, não importando o meio, o mecanismo o ajuda a alimentar a intolerância, a brutalidade e o fascismo, dos quais os filmes e o diretor se alimentam. Não sabe e  não pode ir além disso.

    A respeito de Nietzsche, há certa dose de ressentimento, como o PSDB e os seus eleitores, que culpam o PT por tudo, por não serem amados e terrem estragado suas vidas… Sinais de um tempo de fracos, sem nobreza guerreira, marcado pela falência de valores, como as narradas por  Musil e Bloch, antes da Segunda Guerra, prenunciando o totalitarismo e o terrorismo nazi-fascista. Para indivíduos desse tempo, sem escrúpulos e mentirosos como Goebels, voltados na satisfação das próprias demandas, a ética e a moral já não contam.

    P/S.: O  salário inicial de  delgado da PF e de 22 mil rreais.

  10. “….delegados da PF e os

    “….delegados da PF e os peritos criminais federais, que ganham hoje salário inicial de R$ 16.830 em 3ª classe, passarão a ter remuneração de R$ 21.644 em janeiro de 2017, chegando a R$ 23.000 em 2019. Após progressão na carreira, o salário passará dos atuais R$ 22.805 para R$ 28.262 no início do próximo ano e ultrapassará R$30 mil em três anos.”

    Para com isso… é muita safadeza dizer que agente da PF leva 20 anos para dar um carro a essposa… acho que era um Mercedes… só pode!

    É bom lembrar que o auxilio moradia dos juizes é privilegio de pouco mais de 10% da população brasileira.

    Padilha se queimou feio com essa… sifu!

    • Pois é. Não sei onde esse

      Pois é. Não sei onde esse povo vive. Eu ganho bem menos do que os 16 mil iniciais de um perito da PF e muito, muito menos do que os 28 mil de um delegado da PF e pago um plano de saúde para complementar o SUS. 

      Que vão pro inferno com o ressentimento. Ou como diz o Moro: uso auxilio aluguel porque não tenho aumento salarial. São um bando de marajás perto do que passa a imensa maioria do povo brasileiro. E aí o panfleto fracassa: falta identidade entre os heróis e 90% da população brasileira que ganha menos do que o auxilio aluguel de um juiz ou promotor. 

       

  11. Um pastelão para os tico e teco coxa

    Esqueceu a Semana Santa e o Barrabás.

    Quem seria o Cristo?

    moro, mi$$hell, cunha, fhc, aesim, bolsonazete, $erra…?

    Mais de dois mil anos depois e a massa novamente escolhe Barrabás.

    Quem disse A Voz do Povo é a Voz de Deus?

    Vivemos no Tempo Mítico, a aparência, as aparescências, é História.

    Faraós, Patrícios, Nobres, Burgueses, as elites e a massa, a mesma, encangada a suportar nos ombros os parasitas.

  12. Entendi melhor o que é a série.

    Pela descrição feita pelo Wilson Ferreira a série esta montada entre o bem e o mal, os mocinhos e os bandidos, sem nuance, sem distância, sem uma reflexão psicologica de fundo. Jogam a fundo com as “injustiças” e a emoção/sentimentalismo para fomentar o fascimo.

  13. Primeiro tenho que

    Primeiro tenho que cumprimentar o Wilson que assistiu a série para fazer a crítica. Teve estômago.

    E quero fazer uma pergunta: as bombas semióticas atingem o objetivo desejado quando não existe identidade entre os heróis e o receptor?

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome