O sexo sob a ótica feminina nas lentes do cinema chileno

Do Opera Mundi

Com estreia em janeiro, filmes chilenos debatem sexo sob ótica feminina

Enquanto “Gloria” conta a história de mulher que busca o prazer depois dos 50, “Jovem aloucada” fala de sexo na era da internet

Os dois últimos anos consagraram o cinema chileno em importantes festivais internacionais, como os de Cannes, Berlim e Sundance, e isso não foi à toa. Por trás dos filmes mais premiados “hechos en Chile”, está a produtora santiaguina Fábula — de Pablo Larraín, diretor de No, entre outros sucessos nacionais e internacionais –, e dois deles estreiam no Brasil na mesma data: 31 de janeiro.

Dirigindo e produzindo, Larraín tem faro para as “boas” histórias. Não só as bem contadas, mas aquelas que têm talento para gerar rápido entrosamento com o público, ancoradas por temas que povoam a vida e a imaginação privadas – e se fôssemos mais sinceros e espontâneos, também povoariam abertamente a esfera coletiva. Eles são, basicamente, a morte e o sexo.

Da morte ele tratou com boa dose de humor negro em dois de seus primeiros filmes, Tony Manero e Post Mortem, sempre tendo a ditadura de Pinochet como pano de fundo. Como produtor foi que ele terminou encarando o sexo, especialmente nas duas obras que serão estreadas por aqui, em abordagens bem diferentes e únicas.


Gloria, de Sebastián Lelio (La sagrada familia, Navidad), é a história de uma cinquentona que, em vez de ficar sozinha em casa depois da debandada dos filhos já mais velhos, decide entrar em um circuito de festas e baladas de solteiros em busca de companhia e sexo. O papel protagônico é de Paulina García, reconhecida atriz chilena de televisão e teatro (que, por sinal, também dirige peças) que levou o prêmio de melhor atuação feminina no último Festival Internacional de Cinema de Berlim. O filme era um dos favoritos da competição pelo Urso de Ouro, e, mesmo sem a estatueta, terminou sendo vendido para 45 países — além de ter dado muito o que falar no Chile.

http://www.youtube.com/watch?v=IZV8SH5UcCA height:480 align:center]

O diretor diz ter tirado sua inspiração para o roteiro de acontecimentos gerados pela própria vida de Santiago e de casos contados entre amigos. Seu objetivo, conta, era mostrar uma personagem feminina forte, tendo como pano de fundo o Chile atual, em rápida modernização e recém-saído de um debate sobre sua história recente para então encarar um processo interno de reconstrução. Para sua satisfação, a vitória de Paulina foi vivida com euforia no país, e o novo fenômeno social dos homens e mulheres perto da terceira idade curtirem festas e transarem virou tema dos mais falados e debatidos.

Jovem aloucada

Já Jovem aloucada, da estreante em longas-metragens Marialy Rivas, trata o sexo com as cores da adolescência contemporânea, vivida entre blogs e redes sociais na internet. A história surgiu de Daniela, figura real que em seu diário virtual relatava experiências tanto de sua vida evangélica como (bi)sexual e que inspirou o roteiro – bastante premiado mundo afora, graças à linguagem dinâmica e forma tão afins ao universo que aborda.

[video:http://www.youtube.com/watch?v=62teT4JZuZA height:480 align:center

Fez sua premiada estreia em Sundance em 2012, ano em que ganhou o prêmio da Berlinale Generation (seção do evento dedicada a produções para o público jovem) e foi eleito o melhor filme homossexual de San Sebastián. Em março último, foi considerado o melhor filme pelo público do festival de cinema latino-americano de Toulouse. No Brasil, fez tímida estreia da Première Latina do Festival do Rio no ano de seu lançamento.

O debut comercial de Jovem aloucada em salas comerciais brasileiras vem em um momento adequado, em sintonia com a onda “erótica” em vigor (vide Azul é a cor mais quente e Ninfomaníaca, títulos europeus com a mesma temática atualmente em cartaz). Mas no caso dos chilenos, sexo entre adolescentes, em um contexto de repressão espiritual e social e de moldes que só muito lentamente a sociedade permite que mudem, ganha um sabor latino especial, muito mais próximo da realidade brasileira do que a cultura europeia.

Sendo assim, vale sem dúvida a entrada, assim como tudo o que – pelo menos até agora – inclui “Larraín” nos créditos.

1 comentário

  1. Estreia

    Gostaria muito de assistir esse filme o problema é que ele estreou apenas em São Paulo tem alguma previsão de estreia no Espaço Itaú de Cinema do Rio de janeiro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome