Porque assistir O Processo, documentário sobre o impeachment

As reuniões de bastidores flagradas pela câmera de Maria Augusta Ramos mostram que o PT tinha uma leitura bem clara do que estava acontecendo, ao contrário do que muitos analistas e políticos avaliaram à época
 
 
Jornal GGN – Há pelo menos dois bons motivos para ir ao cinema assistir O Processo, documentário de Maria Augusta Ramos que aborda o impeachment de Dilma Rousseff.
 
Se você é do time que acompanhou o julgamento pela grande mídia e conhece pouco dos detalhes, terá a oportunidade de ver as batalhas travadas entre PT e oposição, no Congresso, em torno dos argumentos técnicos e políticos. Os trechos escolhidos são ora dramáticos, ora bem humorados, mas sempre claros o suficiente para que até os mais leigos entendam o que estava em jogo ainda que não conheçam todos os personagens envolvidos.
 
O documentário faz um grande esforço nesse sentido: permite que uma fala da oposição seja sempre confrotada por uma da situação, numa clara tentativa de gerar equilíbrio na discussão, algo que simplesmente não existiu na cobertura feita pela imprensa tradicional – que, aliás, se comportou como parte do golpe.
 
Essa busca por um equilíbrio não significa, contudo, que o filme perca tempo tentando criar uma isenção descabida. Se tem alguém que ainda acha que o impeachment não foi um golpe parlamentar, este sairá bem irritado da sala de cinema.
 
Já se você é do time que acompanhou o xadrez político, provavelmente vai perceber que uma das principais virtudes do documentário é avançar sobre os bastidores do lado do antigo governo.
 
Como nenhum político relevante do arco que garantiu a destituição de Dilma quis dar entrevista à equipe de Maria Augusta, o filme segue, na maior parte do tempo, os passos dos senadores Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias, ambos do PT.
 
As reuniões de bastidores flagradas pela câmera de O Processo mostram que o PT tinha uma leitura bem clara do que estava acontecendo, ao contrário do que muitos analistas e políticos avaliaram à época.
 
Para a situação, o impeachment era um jogo de “cartas marcadas”. Os governistas sabiam que pouco importava se a denúncia pudesse ser desmontada de várias maneiras, com o trabalho da árduo da equipe jurídica de José Eduardo Cardozo. A maioria dos senadores da Comissão daria os votos para que Dilma fosse afastada em definitivo.
 
“NÃO TEM MAIS CONDIÇÕES”
 
O que surpreende é que a lucidez no lado petista era tão grande que fez com que Gleisi, em um dos encontros no QG, disparasse a seguinte frase: “Cá entre nós, se ela voltar, não tem mais condições de governar.”
 
À época, petistas negaram com veemência as notícias dando conta de que pudesse existir qualquer intenção de capitalizar a queda de Dilma. Parte da militância encarou isso como abandono.
 
No QG foi discutido ainda que era providencial se dedicar à aproximação com o povo que estava indo às ruas protestar em favor da “democracia”; um povo com anseios que o PT ainda não sabia interpretar muito bem, mas que via em Dilma um “símbolo de resistência”, e nessa resistência, uma janela para pautas maiores.
 
Àquela altura (segundo semestre de 2016), a leitura era de que a Lava Jato estava começando a mudar de alvo, desgastando mais o PMDB e o PSDB, pelo fato de Temer e seus aliados terem sido alçados ao Planalto. Isso favoreceria o PT a médio e longo prazo. Mas os parlamentares petistas não deixaram de aventar a possibilidade de Lula ser preso como o pior dos cenários.
 
Em outra dessas reuniões de bastidores, Dilma foi apontada como uma presidente que fez um governo “muito conservador” para as mulheres, apesar de ter nomeado várias ministras. Mas o distanciamento do governo com pautas à esquerda não era um problema só da Presidência. 
 
MEA CULPA
 
Em outro momento, Gilberto Carvalho aparece fazendo um mea culpa pelo fato de o PT não ter levado adiante a proposta de democratizar a comunicação. Ao contrário disso, a política foi de “encher os bolsos” dos oligopólios de mídia. Outro cutucão foi dado em ministros do partido que simplesmente se recusavam a receber movimentos sociais em seus gabinetes.
 
Carvalho citou esses deslizes do PT que “abriram o caminho” para o golpe de 2016 com a “clareza de que é preciso romper com estes erros”.
 
Maria Augusta, ao contrário do que se poderia esperar, também não teve passe livre com a Presidência. Os momentos em que Dilma aparece no filme foram gravados durante coletivas com a imprensa ou outras aparições públicas. Ela se auto-introduz, a princípio, como uma mulher alvejada pelo machismo da imprensa. Depois, cresce e mostra capacidade técnica de enfrentar o processo tanto do ponto de vista jurídico quanto no discurso político, habilidade evidente quando responde às questões no Senado ou faz seus últimos pronunciamentos.
 
Do lado do golpe, a estrela é a professora de Direito da USP Janaína Paschoal, cujos traços pitorescos parecem ainda maiores na tela do cinema. Quando não está usando o microfone para debulhar o governo do PT e acusar “estelionato eleitoral” como justificativa para o impeachment, Janaína sempre aparece nos bastidores sendo procurada por representantes de movimentos extremamente conservadores. 
 
LINGUAGEM
 
O filme de Maria Augusta Ramos é construido sobre uma linguagem cinematográfica bem crua. Os personagens praticamente se apresentam sozinhos, em polos opostos. A ausência de um narrador facilita o mergulho do espectador na história sem um intermediário. Essa ausência é compensada com inserções textuais nos momentos que pedem contextualizações.
 
CONTINUAÇÃO
 
É de se perguntar se a cineasta pretende continuar a história do golpe em outro filme, já que O Processo termina citando o julgamento do habeas corpus de Lula pelo Supremo Tribunal Federal e sua prisão na Lava Jato em função do caso Triplex. Com isso, deu margem às teorias que de que o impeachment foi só o começo de um atentado maior contra a democracia, que visava tirar das urnas o principal líder do PT.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora