A crise real e a especulativa no mercado de petróleo, por Luis Nassif

Mesmo assim, é um fenômeno basicamente localizado no chamado mercado WTI (West Texas Intermediate), comercializado na Bolsa de Nova York. O benchmarks europeu é o petróleo Brent.

O alerta já tinha sido dado semanas atrás: o preço do petróleo nos Estados Unidos pdoeria ficar mais barato que o custo do armazenamento, ainda mais com a enorme queda da demanda mundial. Por isso, chegará o momento em que produtores de petróleo irão pagar para os compradores ficarem com os estoques.

No mercado futuro, o dia foi ontem.

O mercado funciona assim:

  1. Um investidor compra um contrato futuro de outro investidor, que se compromete a entregar o petróleo no vencimento, pelo preço combinado.
  2. Se o comprador quiser sair da operação, ele precisa ir a mercado e comprar um contrato de venda do mesmo valor. E vice-versa. Assim, ele anula a operação.
  3. No vencimento, os vendedores remanescentes são obrigados a entregar o petróleo para os compradores pelo preço combinado.

Mas, com os preços do petróleo desabando, acompanhado pela demanda global, quem ficasse com petróleo na mão se arriscaria a ter prejuízo, mesmo que adquirisse o produto na bacia das almas: o custo da estocagem ficaria maior do que o lucro da venda do produto.

A queda da demanda, sem ser acompanhada por uma queda na oferta – devido aos problemas políticos entre Arábia Saudita e Rússia – lotou os locais de armazenamento de petróleo, inclusive no principal centro americano de Cushing, Oklahoma. Há quatro semanas, o hub de armazenamento estava meio cheio – agora está 69% cheio, segundo dados do Departamento de Energia dos EUA. Os estoques somam 61 milhões de barris. Nos navios flutuantes, há mais 160 milhões de barris estocados.

Leia também:  Os agentes do FBI que ajudaram a Lava Jato contra Petrobras e Odebrecht

Iniciar out parar a extração de petróleo impõe um custo operacional elevado. E o patamar de preços não cobre os custos de produção.

Teve então uma corrida de contratos de venda levando os preços do petróleo a níveis negativos.

Mesmo assim, é um fenômeno basicamente localizado no chamado mercado WTI (West Texas Intermediate), comercializado na Bolsa de Nova York. O benchmarks europeu é o petróleo Brent. Na segunda-feira, caíram apenas 5%, fixando-se em US$ 27 por barril. Ou seja, os contrato WTI refletiram exclusivamente a falta de armazenamento disponível na região, depois de uma queda de 30% na demanda, em função do Covid-19.Já o Brent tem muito mais disponibilidade de estocagem.

No caso da Petrobras, os preços de equilíbrio estão no seguinte nível:

Para os projetos existentes, US$ 16 o barril.

A produção dos próximos anos terá um custo de equilíbrio entre US$ 21 e US$ 25 o barril. E os novos projetos ficarão entre US$ 35 a US$ 45.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. […] “1. Um investidor compra um contrato futuro de outro investidor, que se compromete a entregar o petróleo no vencimento, pelo preço combinado. 2. Se o comprador quiser sair da operação, ele precisa ir a mercado e comprar um contrato de venda do mesmo valor. E vice-versa. Assim, ele anula a operação. 3. No vencimento, os vendedores remanescentes são obrigados a entregar o petróleo para os compradores pelo preço combinado.” (Jornal GGN – A crise real e a especulativa no mercado de petróleo) […]

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome