A inacreditável política de estoques de Paulo Guedes, por Luis Nassif

Mesmo sem o Imposto de Importação, o produto importado sempre será mais caro do que o exportado devido ao fator frete. Para o produtor de Mato Grosso vender para São Paulo, paga apenas um transporte regional. Para exportar, tem que atravessar o oceano.

Foto: Reprodução/Abracomex

Há apenas uma dúvida em relação ao Ministro da Economia Paulo Guedes: se ele permaneceu despreparado por nunca ter deixado de ser ideológico; ou se permaneceu preso aos slogans ideológicos dos anos 70 pelo fato de nunca ter se preparado para conhecer a economia. O fato é que nunca conseguiu ir além dos aspectos meramente fiscais. É de uma ignorância paquidérmica em relação a aspectos comezinhos de políticas públicas.

É o caso da política de abastecimento do país. Por questões fiscais, Guedes acabou com a política de estoques reguladores. Quando explodiu a pandemia, países mais responsáveis seguraram as exportações de alimentos. As cotações internacionais aumentaram. Como o câmbio também explodiu, os preços finais das commodities, em reais, aumentaram duplamente, pelo aumento dos preços em dólares e pelo aumento do preço do dólar.

Imagine o seguinte:

  1. Determinada cotação de commodity é de US$ 100,00.
  2. O dólar está a R$ 4,00.
  3. A cotação em reais será de R$ 400,00 (4,00 x 100,00).
  4. O frete será de US$ 10,00.

Lucro = (Cotação – Frete) x US$

Lucro = (US$ 100 – US$ 10) x R$ 4,00 = R$ 360,00

Este seria o preço a balizar o mercado interno.

Imagine, agora, que  a cotação aumentou 10% (foi para US$ 110,00), o dólar foi para R$ 5,50 e o frete  ficou em US$ 10,00.

Novo lucro = (US$ 110 – US$ 10) x R$ 5,50 = R$ 550,00, uma alta de 53%.

O caminho natural seria impor cotas de exportação ou então um imposto de exportação de, digamos, 20%. Em vez de R$ 550,00, o exportador receberia R$ 440,00, ainda assim tendo um ganho de 22% sobre o período anterior. Mas esse seria o preço base para o mercado interno.

Mas Guedes não quer mexer no lucro do agronegócio. O que faz, então? Autoriza a importação dos produtos de maior impacto na inflação sem imposto de importação. Qual será o resultado? Zero.

Vamos comparar o preço do produto importado com o produto exportado.

No caso do exportado, o preço do frete é descontado do valor a receber pela exportação.

Produto exportado = Cotação internacional x cotação do dólar – frete.

No caso do produto importado, é o oposto

Produto importado = Cotação internacional x cotação do dólar + frete + Imposto de Importação.

Ou seja, mesmo sem o Imposto de Importação, o produto importado sempre será mais caro do que o exportado devido ao fator frete. Para o produtor de Mato Grosso vender para São Paulo, paga apenas um transporte regional. Para exportar, tem que atravessar o oceano.

Mas suponha que algum trading encontre um produto mais barato do que o nacional exportado? Ela jamais trará para o país, porque será mais lucrativo vender imediatamente para mercados próximos, sem o custo do frete interoceânico.

Este é o resultado final de um Ministro sem noção. Bastaria um mero exercício de lógica para constatar a inutilidade da redução dos impostos de importação. Eles só servem para o caso de escassez de produtos; jamais para segurar preços de produtos com cotação internacional.

Aqui, alguns exemplo do peso das importações de alguns produtos em relação ao que é exportado: irrelevante.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A autocrítica da voz mais abalizada do capitalismo, por Luis Nassif

9 comentários

  1. Nassif eh mais complicado que isso: tudo eh vendido com 12/24 meses de antecedencia. De uma olahda nas notas explicativas do balanco da SLC Agricola que ficara mais claro. O Guedes agiu certo.

  2. E o pior não só do Guedes, mas deste governo caolho e com alta miopia no olho que resta, é estar considerando que a pandemia vai acabar na próxima semana, ou de acordo com fala deles, para a peãozada continuar se arriscando nas ruas e manter a serventia dazelites, a pandemia já se foi do Brasil. Este descuido todo é intencional, para poder continuar ofertando nacos do país, a quem for da turma. O grave é que o mundo, em crise continuada, vai fazer com que grande parte das nações, compreensivelmente, fechem-se para cuidar de seus cidadãos e interesses, escanteando o Brasil e com os descontentamentos internos que virão, o ímpeto autoritário e violento do governo, venha a agredir mais ainda a este povo sofrido e faminto. Creio que neste caminho e principalmente se a direita ficar mais forte no pós eleição, virá outro golpe com STF com tudo, que é o sonho dazelite: o golpe parlamentar, onde afastarão de vez a esquerda fragmentada e enfraquecida de campanhas majoritárias.

  3. Sabe os quadros do Dali onde tudo está desconectado e derretendo. O gênio do surrealismo. É o Brasil. Mas nossa tragédia é maior. Derretemos pintados pelo Rogério Brito.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome