A longa marcha nacional da insensatez

Nunca foi tão difícil prever cenários para o país como agora.

Em geral montam-se cenários identificando duas ou três variáveis-chave e um duas possibilidades, no máximo três para cada uma.

Hoje em dia, a quantidade de variáveis indefinidas é inédita.

  1. Quanto tempo mais perdurará a crise política e quais seus efeitos sobre as tentativas de impeachment?

  2. A Comissão de Justiça da Câmara dará ou não aval para o julgamento de Eduardo Cunha pela casa? Dando, haverá votação aberta ou fechada? Sendo fechada, ele será condenado ou absolvido?

  3. Sendo condenado ou absolvido qual será o encaminhamento que dará aos pedidos de impeachment da Presidente?

  4. Com a prisão de Delcídio Amaral, qual será a solução de continuidade das articulações do governo?

  5. No festival de delações em curso, por quanto tempo ainda serão blindadas as lideranças da oposição? Se Aécio Neves e José Serra forem engolfados pelas delações, como ficará a oposição?

  6. Quais os desdobramentos para a situação – e para Lula – de uma eventual delação de Delcídio Amaral?

  7. Que outros políticos ou Ministros do STF foram mencionados por Delcídio nos demais grampos que ainda não foram divulgados?

  8. Saindo o pacote fiscal, em quanto tempo se recompõem as finanças públicas?

  9. Não saindo, como estará a situação dos estados a partir de abril, quando cessam os efeitos da arrecadação do IPVA?

  10. O fator Dilma: qual o seu fôlego para recompor a governabilidade em caso de aumento ou redução da crise política?

***

Desse conjunto vasto de alternativas têm que emergir duas saídas para a crise:

  1. Recomposição da base de apoio político permitindo aprovar uma saída fiscal.

  2. Dilma Rousseff começar a governar.

Essa barafunda de alternativas mostra nitidamente o tamanho da crise institucional.

O Congresso converteu-se em um arquipélago de grupos sem rumo e sem liderança. O mesmo ocorre com os diversos partidos políticos, alguns na defensiva, outros na ofensiva, mas todos prisioneiros de interesses imediatos e paroquiais.

A exposição das vísceras do presidencialismo de coalisão não poupa ninguém, nem governo nem oposição.

***

Por outro lado, todo o aparato judicial – Ministério Público, Polícia Federal e tribunais em geral – não parece disposto a nenhum tipo de trégua, alguns claramente aliados com a mídia, outros inibidos pelo chamado clamor das ruas.

O destempero da Ministra Carmen Lucia, do STF, é uma demonstração clamorosa de que o show midiático penetrou em todos os poros do poder.

***

Daqui para a frente, há que se aguardar e iniciar a contagem regressiva para dois eventos.

O primeiro, é a calmaria de fim de ano, com o recesso parlamentar. A segunda são  os efeitos do vácuo fiscal em 2016.

Os estados conseguem garantir o primeiro trimestre com a arrecadação do IPVA. A partir de abril, a crise fiscal pode bater pesado nos estados e municípios. Muitos deles serão incapazes de pagar a própria folha.

Se não se conseguir virar o ano com perspectivas otimistas mínimas, as comportas do desemprego serão abertas.

***

Não se sabe o que poderá interromper essa marcha da insensatez. Uma hora cairá a ficha geral para interromper essa marcha da insensatez. A incógnita é quanto mais a crise terá que se aprofundar para se chegar ao bom senso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Objetivos do Milênio: a busca da produtividade perdida

106 comentários

  1. A crise politica no país

    A crise politica no país acaba no dia seguinte após o Janot se dignar em denunciar o Aécio.

    O resto, acredito, se acerta em curto espaço de tempo.

    O fatores desestabilizadores  da politica brasileira chamam-se Janot/Aécio.

  2. Meu Cândido faz perguntas difíceis para resposta fácil

    A quadrilha do: Corrupção antes de 2003 não vem ao caso… Perdeu. 

    Quanto a Janot e Cunha da Neves Aécio, você tá valorizando dois paus mandados.

     

     

  3. Eleições municipais e o copom

    A necessária substituição da direção do Banco Central e as eleições municipais de 2016.

    As tentativas de impeachment estão esvaziadas e dependem de novas revelações, com o enfraquecimento politico do presidente da câmara e a proximidade das eleições municipais, dificilmente a oposição terá os 396 votos para aprovar um impeachment, principalmente entre os deputados do nordeste, onde Lula e o PT são determinantes nas alianças políticas para a disputa das eleições municipais.

    Abandonado pela oposição PSDB, Eduardo Cunha devera assistir a Comissão de Justiça da Câmara dar aval para seu julgamento, mesmo que instaure a abertura do processo de impeachment, dificilmente a oposição reunirá os votos necessário para a aprovação.

    Caso apareçam delações relevantes envolvendo políticos da oposição PSDB, haverá um esvaziamento rápido da operação lava jato, já que seu principal objetivo e abrir caminho para o PSDB voltar a controlar o estado, por meio de um golpe ou nas eleições de 2018.

    O fundamental agora é aproveitar a atual crise política para substituir a atual a direção do Banco Central, e para promover a redução dos juros da Selic, um rápido alívio monetário com a redução do compulsório e uma estabilidade cambial com a venda das Reservas Cambiais.

    Com o aumento das vendas e da produção haverá um aumento da arrecadação de impostos, sem falar na redução do custo de rolagem da dívida pública, cerca de R$ 500 bilhões nos últimos 12 meses.

     

     

    • Parabéns Roberto,
      Você é um

      Parabéns Roberto,

      Você é um dos poucos, senão o único, capaz de escrever a VERDADE:

      “Caso apareçam delações relevantes envolvendo políticos da oposição PSDB, haverá um esvaziamento rápido da operação lava jato, já que seu principal objetivo e abrir caminho para o PSDB voltar a controlar o estado, por meio de um golpe ou nas eleições de 2018.”

  4. Tudo isso porque não aceitam

    Tudo isso porque não aceitam o resultado democrático das urnas. É somente isso o que está acontecendo. Todo o resto é acessório. 

  5. Não ficará pedra sobre pedra.

    Não ficará pedra sobre pedra. Resta aos mortais, rezar para q pedra que caia sobre ele, nãp seja um paralelepípedo.

  6. Política Fiscal

    ——Em doze meses, os juros nominais atingiram R$506,9 bilhões (8,79% do PIB), reduzindo-se 0,11 p.p. do PIB em relação ao observado em setembro.——-

    Banco Central do Brasil – NOTA PARA A IMPRENSA – 30.11.2015
    ZIP – 220 KbHistórico
    I – Resultados fiscais
    Em outubro o setor público consolidado registrou deficit primário de R$11,5 bilhões. O Governo Central apresentou deficit primário de R$12,3 bilhões, enquanto os governos regionais e as empresas estatais apresentaram superavits primários de R$775 milhões e R$11 milhões, na mesma ordem.
    O resultado primário acumulado no ano foi deficitário em R$20 bilhões, ante deficit de R$11,6 bilhões no mesmo período de 2014. No acumulado em doze meses, registrou-se deficit primário de R$40,9 bilhões (0,71% do PIB), comparativamente a deficit de R$25,7 bilhões (0,45% do PIB) em setembro.
    Os juros nominais, apropriados por competência, totalizaram R$17,9 bilhões em outubro, comparativamente a R$70 bilhões em setembro. Contribuiu para essa redução o ganho de R$19 bilhões em operações de swap cambial no mês, ante perda de R$38,6 bilhões no mês anterior. No acumulado no ano, os juros nominais alcançaram R$426,2 bilhões, comparativamente a R$230,7 bilhões no mesmo período do ano anterior. Em doze meses, os juros nominais atingiram R$506,9 bilhões (8,79% do PIB), reduzindo-se 0,11 p.p. do PIB em relação ao observado em setembro.

    O resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$29,4 bilhões em outubro. No ano, o deficit nominal totalizou R$446,2 bilhões, comparativamente a deficit de R$242,2 bilhões no mesmo período de 2014. No acumulado em doze meses, o resultado nominal registrou deficit de R$547,9 bilhões (9,50% do PIB), elevando-se 0,16 p.p. do PIB em relação ao deficit registrado no mês anterior.

    O deficit nominal de outubro foi financiado mediante expansões de R$26 bilhões na dívida mobiliária, de R$11,4 bilhões nas demais fontes de financiamento interno, que incluem a base monetária, e de R$86 milhões no financiamento externo líquido, contrabalançadas, parcialmente, pela redução de R$8,1 bilhões na dívida bancária líquida.
    II – Dívida mobiliária federal
    A dívida mobiliária federal interna fora do Banco Central, avaliada pela posição de carteira, totalizou R$2.504 bilhões (43,4% do PIB) em outubro, registrando decréscimo de R$84,7 bilhões em relação ao mês anterior. O resultado refletiu resgates líquidos de R$110,6 bilhões, decréscimo de R$0,5 bilhão em razão da apreciação cambial e incorporação de juros de R$26,4 bilhões.
    Destacaram-se os resgates líquidos de R$124,4 bilhões em LTN, de R$0,8 bilhão em NTN-C e de R$0,4 bilhão em NTN-A; e as emissões líquidas de R$7,5 bilhões em LFT de R$3,6 bilhões em NTN-B e de R$2,4 bilhões em créditos securitizados.

    A participação por indexador registrou a seguinte evolução, em relação a setembro: a porcentagem dos títulos indexados a câmbio permaneceu em 0,5%;

    a dos títulos vinculados à taxa Selic elevou-se de 16,8% para 17,1%, devido a emissões líquidas de LFT; a dos títulos prefixados reduziu-se de 32,6% para 29,1%, pelos resgates líquidos de LTN; e a dos títulos indexados aos índices de preços passou de 25,3% para 25,5%, pelas emissões líquidas de NTN-B. A participação das operações compromissadas cresceu de 24,4% para 27,5%, apresentando vendas líquidas de R$101,6 bilhões.

    Em outubro, a estrutura de vencimento da dívida mobiliária em mercado era a seguinte: R$280 milhões, 0,01% do total, com vencimento em 2015; R$462,9 bilhões, 18,49% do total, com vencimento em 2016; e R$2.040,8 bilhões, 81,50% do total, vencendo a partir de janeiro de 2017.

    No final de outubro a exposição total líquida nas operações de swap cambial alcançou R$402,3 bilhões. O resultado dessas operações no período (diferença entre a rentabilidade do DI e a variação cambial mais cupom) foi favorável ao Banco Central em R$19 bilhões.
    III – Dívida líquida do setor público
    A dívida líquida do setor público alcançou R$1.972,5 bilhões em outubro (34,2% do PIB), elevando-se 1,0 p.p. do PIB em relação ao mês anterior. A valorização cambial de 2,87% registrada no mês respondeu por elevação de R$35,6 bilhões no estoque da DLSP.

    No ano, a relação DLSP/PIB elevou-se 0,1 p.p., influenciada pela incorporação de juros (+7,4 p.p.), pelo deficit primário (+0,3 p.p.), pelo ajuste de paridade da cesta de moedas da dívida externa líquida (+0,2 p.p.), pelo impacto da desvalorização cambial acumulada de 45,3% no período (-6,4 p.p.) e pelo efeito do crescimento do PIB nominal (-1,5 p.p.).

    A Dívida Bruta do Governo Geral (Governo Federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) alcançou R$3.814 bilhões em outubro (66,1% do PIB), elevando-se 0,1 p.p. do PIB em relação ao mês anterior.
    URL:
    http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOLFISC

  7. “Impitim”

    Um entrevistado na Globo News, ontem, manifestou que a única solução para a recuperação econômica seria a saída da Dilma. Parece que os coxinhas voltam de novo à carga.

    Mudando de tema, os “comerciais” do Aecim na TV são tristes, para quem conhece o sujeito e aos tucanos. Falando em defender direitos trabalhistas e condenando a CPMF (logo eles, que a inventaram). Faltou crescer o nariz do Aécio, como Pinocchio, bem aí na frente da TV

      • cabeça oca mesmo…

        Cabeça oca mesmo… Os Sarney sempre foram aliados de primeiro momento do presente governo, ou será desgoverno… Isso desde a época do Lula… Então não entendo as saudades…

        • Obrigado pelo elogio…rs

          Não sei a idade de vcs, a minha é 52 anos.

          Releiam o que eu escrevi. “Nunca imaginei…”

          O Sarney foi ou é uma praga, mas quando o Lula falava com ele, o Congresso sossegava. É só nesse quesito que sinto hoje a falta dele, ou de alguém com a liderança que ele exercia. Quanto custava seu apoio não sei, nem quero saber.

          Só quis dizer que hoje faz falta alguém a quem se possa recorrer nesses momentos de crise. O Sarney resolvia, isso é fato.

  8. Nunca

    Essa crise não se encerrará, pois é na verdade um complô que visa a retomar o controle sobre as maiores jazidas de petróleo descobertas no século XXI. E com forças ocultas de grandes interesses econômicos. Sintomático que tudo se relacione à Petrobrás, empresa espionada pela NSA americana e principal beneficiária da mudança de regime de exploração do pré-sal. Aqui em Pernambuco, Eduardo Campos rompeu com Dilma pelo mesmo motivo. A mudança de regime de exploração frustrou as expectativas do ex-governador, cuja família desenvolveu know-how com o petróleo com o velho Arraes na Argélia. Parece uma teoria da conspiração maluca, mas até a saída de Maurício Rands do PT, entregando seu mandato se relaciona com isso. O mesmo Rands, que sem mandato há 3 anos, acaba de se tornar proprietário do Diário de Pernambuco, num ramo em plena crise.

  9. Soluções

    Soluções para a crise econômica:

    – Implementação do Plano de salvmento dos investimentos da Petrobras elaborado pelo Dr. Bercovicci

    – Aceleração de relançamento amplo das concessões de grandes obras de infraestrutura

    – Queda da taxa selic

    – Para imoplementar essas medidas, demita-se quem tiver que ser demitido do BC e do Ministério da Fazenda e coloque-se quem concordar e tiver autoridade acadêmica e no empresariado.

     

    Soluções para a crise política:

    – Demissão imediata do Zé Cardozo e do chefe (sem caráter) da PF. Reestabilização da Polícia, desaparelhamento.

    – Nomeação de Wadih Damous ou Celso Antônio Bandeira de Mello para o MJ e de integrante da parte honesta da PF.

    – Cafezinho semanal com os líderes do Congresso, com Jacques Wagner liderando os trabalhos.

    – Nomeação de líderes no Congresso que não sejam fdp’s como Delcídio, menos ligados aos dirigentes do PT de SP e com raízes mais sólidas na sociedade, tendo assim maior poder de pressão junto a seus pares.

  10. Brasil e Noruega

    Nassif, acho que a chance de alguém acertar a evolução das variáveis que você listou tem a pequenez da de acertar na megasena. 

    Mas eu gostaria de apontar algo que Dilma falou em Paris e pedir uma reação coerente dos que apontam a Lava Jato como demolidora das finanças e da reputação no exterior de nossas empreiteiras. Ao falar sobre o acidente de Mariana, Dilma o atribuiu à irresponsabilidade de uma empresa. Ela chamou a Samarco, e de quebra a Vale, de irresponsável em um evento que tem atraído as atenções do mundo. Isso não levará a represálias em escala mundial, tipo não se importar minério brasileiro?

    Se me dão mais algum espaço, gostaria de apontar uma ação da Noruega que mais ainda realça a talvez incomparável visão dos governos recentes daquele país. A Noruega já doou US$900  milhões para a preservação da Amazônia, e doará mais US$600 milhões, perfazendo um total de US$1,5 bilhões. Isso é quase US$300 para cada norueguês. Reescalado para a população brasileira, daria um total de US$60 bilhões.

    Já no caso da exploração do petróleo do mar do Norte, a Noruega adotou uma estratégia brilhante. Fundou a Stapoil, da qual o governo detém 51% das ações. A companhia produz 50% do óleo norueguês, o resto foi concedido a mutinacionais. Mas criou-se uma forma criativa de royalty sobre o petróleo. Como sua exploração é quase uma licença para emitir dinheiro, o imposto de renda sobre lucros do petróleo é de 75%, enquanto para as outras atividades empresarais é de 25%. Esses 75% se  aplicam também à Statoil. Parte do dinheiro arrecadado tem sido usado para se criar no país um dos melhores sistemas educacionais e o melhor sistema de saúde pública de todo o mundo. Mas a maior parte do dinheiro foi aplicada no Fundo Governamental de Pensões, ou Fundo do Petróleo, que hoje tem ativos no valor de cerca de US$850 bilhões. O objetivo é chegar a um mínimo de US$1,5 trilhões, coisa de US$300 mil para cada norueguês. Sem proselitismo, sem discursos demagógicos, a Noruega está dando um show.,

    • Mas Daniel, o sistema de gestão do Pre-Sal foi

      copiado do sistema da Noruega, com as adaptações:

      1 – as necessárias por que o Brasil tem a Petrobras (a Noruega não tinha nada e criou para isso a Statoil), mas não tinha (e vai voltar a não ter) indústria naval (a da Noruega apesar de pequena é muito especializada) e armadores (os da Noruega são menos conhecidos que os da Grécia mas são muito importantes nos transportes especializados),

      2 – as consequências das negociações com o Congresso, por exemplo o peso do ex-Delcídio no senado e do futuro ex-Cunha na Câmara.

      • Discordo de você

        Lionel, permita-me discordar de você. As diferenças entre o Brasil e a Noruega, no trato da questão do petróleo são profundas, e envolvem não só aspectos técnicos, mas, infelizmente, questões éticas. E nestas o Brasil figurou muito mal. Terei de ser um pouco longo para discutir as duas questões.

        a) questões técnicas – Ambos os países viam-se de posse de um bem muito valioso e a questão era decidir que estratégia resultaria em maiores benefícios para seu povo. A Noruega optou por uma estatégia que combinava a criação de uma empresa mista sob o controle gvernamental, o que assegurava ao país o dominio de tecnologias importantes que permitissem mudanças de trajetória, quem sabe um grau de estatização maior do setor. Concedeu a metade das reservas a grandes companhias do setor, o que punha sob pressão a sua própria empresa. No lugar dos royalties tradicionais, criou um imposto de renda excepcionalmente elevado para todo o setor, o que asseguraria ao Tesouro receitas enormes, que iriam para um fundo soberano que garantisse a prosperidade do país após o esgotamento da riqueza natural. Realizou tudo com maestria. O estatismo na verdade não é parte enfatizada da social democracia escandinava, antes das privatizações feitas pelo FHC o nível de estatização no Brasil era superior ao dos países nórdicos.

        Já o Brasil, inicicalmente reservou todo o petróleo a uma empres mista controlada pelo Estado. Para a exploração do pré-sal, a Petrobras lançou US$70 bilhões em ações no mercado internacional, e encorajou os trabalhadores brasileiros a usar o FGTS para comprar ações. Nas concessões dos novos campos do pré-sal, reservou à Petrobras a posse de metade de cada campo. Criou um sistema de royalties controverso, na opinião da maioria injusto, e sem dúvida ineficaz quando se considera os interesses maiores do país.

        b) questões éticas – A Petrobras não tem sido sigo gerida visando os interesses dos acionistas. Os preços dos combustíveis foram comprimidos para reduzir a inflação, etc. Há coisa de 10 dias, Lula concedeu uma entrevista ao Roberto D’Avilla. Nela vangloriou-se de ter levantado US$ 70 bilhões em ações para a Petrobras, um feito “nunca dantes visto na história do mundo”. Roberto apontou que os compradores tinham levado prejuízo e Lula respondeum com a maior desfaçatez que lucro ou prejuízo é natural para quem compra ações. Outro entrevistador mais duro retrucaria que isso é natural quando os lucros ou prejuízos são obra das circunstâncias, mas o que ocorreu aqui não foi bem isso. Lula tinha percorrido o mundo estimulando pessas e empresas a comprarem ações da Petrobras, e depois disso as traiu forçando-as a ter um prejuízo intencionalmente gerado pelas políticas governamentais. Isso foi profundamente imoral. Um dos resultados evidentes do julgamento internacional da moralidade do governo brasileiro veio no leilão das concessões do pré-sal: nenhuma empresa relevante aceitou participar do emprendmento em parceria com a mesma Petrobras, que é uma S.A mas não leva em conta os interesses dos acionistas.

        Alguns anos atrás, o presidente da Statoil veio ao Brasil, e suas palestras e entrevistas incomodaram muito o governo. Falou repetidamente que a Statoil era gerida para produzir lucros para oa acionistas, e que se ele falhasse nessa missão seria sumariamente exonerado..O recado foi claro e duro.

  11. Nassif esquece o principal

    Quando a Mídia deixará de ser golpista? Com uma imprensa racional, equilibrada, um Moro não existiria, um Cunha já teria sido execrado da vida pública e esta oposição mequetrefe já estaria na cadeia. E quanto a Lula, depois de tudo que foi investigado, alguem seriamente, ainda tem dúvida da sua honestidade? Nassif acha que Delcídio é bomba para Lula? Acreduito mais ue ele foi preso por que é bomba mesmo para oposição!

  12. …quanto tempo ainda serão blindadas as lideranças da oposição?

    Ad aeternum, ora bolas!

    O que irrita, é ficarem trantando essa questão como se assim não fosse. E olha que esse espaço independente, mas compreendo, independência de fato, não é para quaquer um…

  13. Como boa brasileira, acabo me

    Como boa brasileira, acabo me divertindo com as desgraças. É muito engraçado ver tantos “professores’ em ação; os falsos e os verdadeiros. Os falsos somos nós, meros comentaristas. Atiramos pra todo lado porque o que sabemos da realidade é nada, mas mesmo assim achamos que podemos ensinar Dilma e o governo a governarem. Não muito melhores são os professores verdadeiros, alguns de muito peso como Bresser Pereira, Delfim Neto, e cia. Todos, ou quase todos, ajudaram a fazer da nossa economia o problema que ela é. Todos, ou quase todos, f….. com o povo. Todos, ou quase todos, fizeram muita besteira e agiram com muita má fé quando estavam do lado de lá. Hoje posam de vestais, de sábios de Tirésias, de oráculos. Tivessem eles trabalhado direito, não teriam assunto para falar hoje. Até o infeliz do Mailson da Nóbrega consegue microfone. Só rindo mesmo.

    • Tuas observações, certeiras e

      Tuas observações, certeiras e agudas, essa tua capacidade de síntese não é de uma ‘mera comentarista’, que ‘atira para todos os lados’. Outros leitores, além de mim, já notaram isso e externaram elogios à tua capacidade de dizer muito, de forma objetiva e clara, usando poucas palavras.

      Os ‘professores’ citados são exatamente o que tu disseste; quando estavam no governo e podiam tomar decisões econômicas que favorecessem à maioria da população brasileira e levassem o País ao desenvolvimento sustenado e sustentável, rumo ao estado de bem-estar social, eles escolheram manter o domínio e privilégio da plutocracia, com esses indecentes índices de desigualdade e exclusão social, as quais vêm a ser mãe e avó da corrupção e da violência, que grassam por todos os recantos deste continental Brasil.

  14. CRISE

    CRISE! QUE CRISE???

    O DISCURSO DE TODOS É O MESMO. ESCREVER SUGESTÕES DE MELHORIAS NÃO VEJO NINGUÉM FAZENDO. PRECISAMOS COLOCAR NOSSO PAÍS ACIMA DE NOSSOS INTERESSES, AFINAL SE O BRASIL AFUNDAR, AFUNDAMOS TODOS.

    NÃO EXISTE PARTIDO MAIOR QUE O BRASIL. NÃO EXISTE POLÍTICO MAIOR QUE O BRASIL. A MAIOR FORÇA É O POVO E O POVO “TÁ” DE SACO CHEIO DESSA PODRIDÃO.

    A PRÓXIMA GRANDE MANIFESTAÇÃO DESSE PAÍS NÃO SEPARÁ PARTIDÁRIOS, PELO CONTRÁRIO, MARCHAREMOS TODOS UNIDOS PARA SALVAR NOSSO PAÍS.

    VIVAM E VERÃO.

  15. Sempre o Congresso

    O problema sempre foi o Congresso Nacional

    A corrupção instalada nesse lugar contamina qualquer governo, desde o esquema PC Farias, passando pelo mensalão e pela lava-jato os principais atores são deputados e senadores, a maioria dos esquemas montados nos governos foi pra alimentar esse mesmo congresso que acua o governo agora pra conseguir cada vez mais

    Alguns insistem em dizer que a crise atual é do executivo, mas olhando a questão com um pouco mais de racionalidade veremos o quanto a máfia do congresso prejudica o país, inclusive no governo, quando são nomeados deputados e senadores para ocupar ministérios e em consequencia surgem os escândalos que mancha a sua imagem

    Não é possível alguém defender esse lugar, ali estão representados todo o assinte que nos persegue desde o Império e ninguém vai se livrar disso tão facilmente

    Existem exceções lógico, mas é como uma minoria com uma imagem “xiita” da moralidade, estão sozinhos e são encurralados o tempo todo

    A Dilma não consegue governar sem eles, são os representantes das elites com voto popular e não vão largar o osso até o último momento…

  16. Sigo a linha do Roberto São

    Sigo a linha do Roberto São Paulo e do Marcio Valentim. Não é tão dificil trazer o país de volta à normalidade. É como disseram os dois. O impeachment perdeu força. Nas ruas e no congresso. Devido muito mais à debilidade dos golpistas do que à força do governo.

    Nas ruas porque o “coxinha senso comum”, aquele que acredita no JN mas não é facista hidrófobo ficou assustado com as aberações do circo golpista que misturou desde racismo, homofobia, misoginia até combate aos direitos dos deficientes (!), como vemos agora. Na congresso porque o comandante do impeachment afundou antes do navio. Apostaram tudo nele e agora não tem outro para o papel.

    E porque a confusão continua? Porque a Dilma não sabe avaliar nada e não sabe tomar as medidas necessárias. É quase uma autista em sua tecnocracia voluntariosa e bem intencionada. Demorou mil anos para colocar o Jaques Wagner no lugar do Mercadante. E agora no Senado, quanto vai demorar?

    Na área econômica não tem a menor condição de conduzir o delicado equilíbrio entre a responsabilidade fiscal do Lewy e o desenvolvimentismo do Nelson Barbosa. Não tem porque isso se faz com politica.

    E o mais grave para mim. Até hoje não caiu a ficha de que não ser uma boa comunicadora poderia ser resolvido se montasse uma equipe com uma estratégia competente de comunicação. A verdade é que ela não se comunica com a sociedade, por isso se trumbica.

    Mas apesar disso, sua saída, por renúncia ou impeachmente seria pior. Se instauraria o caos de vêz. O jeito é ir levando o barco e vê se a presidenta vai melhorando aos trancos e barrancos.

    PS: O jogo da moralidade seletiva também tem tudo para acabar. O Delcidio levou o petrolão para antes de 2003. O pig só consegue manter a quadratura do círculo se o “republicanismo” for às raias do paroxismo do paroxismo

  17. Vem vindo mais uma década perdida…

    Já perdemos o período 2003-2013, época em que poderíamos ter feito reformas importantíssimas que trariam competitividade à Economia, qualidade na Educação. Mas, ao invés de reformarem o Estado, reformaram os estádios. E aumentaram os próprios privilégios. Compare a curva de enriquecimento dos políticos à da média da população. É fácil perceber que há algo muuuuuito errado.

    O tamanho do rombo ainda nem se sabe. Na melhor das hipóteses, em 2018 deixaremos de encolher. Será uma das maiores recessões da nossa História. Podemos chamar de Depressão mesmo. O desenvolvimentismo nos quebrou. De novo. 

    Não sou contra programas sociais. Sou contra contas que não fecham. Esse papo de déficits administráveis só é possível para quem vive de dinheiro alheio. Quem paga a conta sabe que isso é delírio de teórico ou discurso de aproveitador. Como eu digo: nem todo desenvolvimentista é corrupto, mas os corruptos são todos desenvolvimentistas. Fica óbvio o porquê.

     

  18. O que leva as pessoas aqui a

    O que leva as pessoas aqui a acreditarem que Dilma irá “começar a governar”??

    Desde 2011 só o que ela faz é meter os pés pelas mãos, aprontar uma trapalhada atrás da outra, se meter atabalhoadamente em tudo quanto é decisão de ministro, de modo que, com sua extrema arrogância e incompetência maior ainda, levou um país que cresceu a 7,5% em 2010 ao abismo de -3% esse ano, e projetados -2% em 2016.

    Desde que se reelegeu, então, temos a absoluta paralisia associada à já conhecida incompetência. Desde o final de 2014 o Nassif escreve textos em que Dilma precisa “começar a governar”. JÁ FAZ UM ANO!!

    Ora, isso NÃO VAI ACONTECER. Por que alguém que durante anos já se demonstrou completamente inepto para o exercício do cargo de presidente da República um belo dia vai acordar e, num passe de mágica, passar a governar com eficiência e sabedoria??

     

  19. “Por outro lado, todo o

    “Por outro lado, todo o aparato judicial – Ministério Público, Polícia Federal e tribunais em geral – não parece disposto a nenhum tipo de trégua, alguns claramente aliados com a mídia, outros inibidos pelo chamado clamor das ruas.

    O destempero da Ministra Carmen Lucia, do STF, é uma demonstração clamorosa de que o show midiático penetrou em todos os poros do poder.”

    Na minha inocência, considero ESTE o problema central do país hoje.

    O descontrole e protagonismo do poder judiciário – formado por indivíduos aprovados em consurso público, não eleitos e que não podem ser mandados para a rua – é que está destruindo o país.

    Para começar a resolver o nosso problema político, que nem existiria se o judiciário agisse imparcialmente e sem jogar para a mídia, há que se colocar um freio nestes loucos justiceiros.

    resolvendo o problema político/judicial, o econômico se resolve em menos de um ano caso a Dilma decida se dedicar o mínimo a tarefa de governar.

     

  20. A implosão das instituições

    Pode ser bom saber o que pensam os cientistas politicos do atual momento, extremamente conturbado e de perda total de rumo, por todos os lados. Retirar o alicerce que sempre sustentou as instituições pode também ser fatal ao funcionamento de imediato de todo o amparato do Estado.

    Temos nesse momento claramente consequências da operação ‘mãos limpas’ do MPF, Juizes e PF. Em sua cruzada messiânica, muitos crêem que levarão o Brasil a um novo limiar. Deve ser o da implosão das instituições, incluindo ai o proprio judiciario, que cedo ou tarde, pagara sua cota. A esperança é se essa operação chegar até a raiz da corrupção na Petrobras e afins.

    De resto, fica a preocupação com o que teremos com a delação de Delcidio. Pois se sentindo traido pelos correligionarios – a frase da mulher de Delcidio do Amaral sobre Dilma ja é um indicio do que pensam – vira chumbo grosso, e pra cima do PT. Verdades e/ou mentiras.

  21. A etera crise é fomentada

    A etera crise é fomentada pela eterna demagogia da oposição e a incapacidade do governo de bater de frente com essa estrutura corrupta até às tampas.

  22. É uma questão retórica, apenas.
    O maior erro é do governo, ele é incompetente na comunicação à sociedade, deixa que se ocupe lugar na discussão e educação política do povo o discurso da oposição.

    O governo é mudo, e o país parece não ter um Ministério da Justiça que aja culturalmente promovendo a discussão dentro dos ideais do justo, do correto e do equânime.

    Por que o Ministério da Justiça?

    Ora, hoje o Ministério da Justiça é apenas uma Instituição burocrática do quadro governamental frente a desmandos e abusos notórios da PF e de juízes menores, e, por isso, inútil na fomentação de uma cultura que possa questionar e provocar junto à população a reflexão positiva sobre a defesa do cidadão mais simples e a necessária condenação à ações imparciais e de protecionismo a poderosos, de várias cortes.

    Desde junho de 2013 que o governo do PT poderia produzir maiores participações populares, como plebiscitos, por exemplo. Mas ninguém tem culhão neste governo para buscar isso, e o que se vê é cada vez mais o judiciário avançando sobre a Constituição afligindo tudo o que, na verdade, é preciso ser defendido pela própria justiça!

    A qualidade cultural e política deste governo é de uma pobreza típica de incompetentes latino-americanos que se acovardam ou se omitem, parecendo estar com o rabo preso.

    No contexto político esse governo é uma piada, não sabe marcar território, não sabe lutar culturalmente e, por fim, desperdiça a demanda mais que evidente da população e suas cobranças.

    O caso das escolas de São Paulo é ícone. É um problema do governo de São Paulo, sim, mas que deveria estar sendo trabalhado ideologicamente, com suporte moral, com declarações públicas da beleza do movimento, da responsabilidade civil que o movimento representa, da qualidade de discernimento dos alunos sobre a questão, e o quanto isso nos faz pensar que estamos atingindo níveis de primeiro mundo nesse crescente despertar desde junho de 2013.

    Bastariam simples declarações de quem tem o poder nas mãos nesse sentido, a saber, cultural, retórico e ideológico, independente se vai agradar ou não o governo de São Paulo, e que tem a obrigação de resolver da melhor forma possível, para alimentar de maneira positiva esse movimento INÉDITO e PODEROSO de alunos secundaristas. Temos que alimentar isso, é responsável ao país, mais do que disputa partidária.

    O Brasil perde novamente a oportunidade de fomentar e estabelecer o bom discurso republicano, e a boa reflexão e educação políticas. Parece de propósito, ou apenas se baseia num puro republicanismo, que é ingênuo, na verdade.

    Ora, que mal tem um ministro afirmar que o movimento dos estudantes da rede pública de São Paulo representa com clareza a maturidade como que os jovens no Brasil têm enxergado hoje a causa da educação pública? Que é legítimo e bonito de ver?

    Perder a oportunidade de nutrir ideologicamente esta reflexão é atitude de incompetentes políticos, de fracos politicamente, e o resultado disso? Os meios de comunicação junto ao judiciário, polícia e políticos têm total terreno para avançar e construir as ideias que quiserem para desmoralizar os jovens estudantes e esse movimento lindo, visto que estudantes não veem ecos nas alturas daquilo que pleiteiam, honrado, responsável e legítimo, das pessoas que foram eleitas. Ou será que nenhum aluno ou pai de aluno votou no PT? Não existem eleitores do PT nesse movimento em São Paulo?

    Uma vergonha, uma covardia a omissão e o silêncio, não só em relação a São Paulo, mas também em relação a outras demandas.

    Repito: A oportunidade de uma educação política se perde na covardia, omissão e incompetência do governo.

    Mas fazer o que quando uma presidenta diz que cidadania é consumo? Até se relaciona sim o consumo com direito e despertar da consciência e cidadania, mas isso é o menor, repito, menor dos caracteres da cidadania.

    O governo sabe que tem que marcar terreno no âmbito da retórica, não só para deixar sua marca, mas também pela responsabilidade ao país, à nação cultural que queremos construir.

    Ao se recolher nesse campo se submete à tirania dos meios de comunicação, de parte do judiciário que ameaça a cidadania e à Constituição, deixa órfãos lindos movimentos típicos de sociedade mais consciente e mais evoluída, pelo simples fato de acovardar-se na retórica que poderia alimentar ainda mais o valor moral das ações populares, legítimas, lindas e de imensa maturidade e responsabilidade republicana.

    De fato, o PT se perdeu na covardia, pois não é preciso mais nada do que simplesmente entrar na retórica e se pronunciar a favor do que é, na verdade, impossível ser contra! E evitar, assim, a desconstrução moral pelos meios de comunicação.

    Uma lástima tamanho desperdício da retórica política no momento atual do Brasil.

    Esta é a crise, a crise da falta de uma voz que se afine com as demandas oriundas das jornadas de 2013. Simples assim, a tal da representatividade.

    Se o PT queria um canal de comunicação com a sociedade, que sempre foi uma das suas principais reclamações, sobretudo quando afirma que os meios de comunicação distorcem e manipulam contra ele, a oportunidade está aí, mas cadê a boca? Acovardou-se.

    Bastariam atos simples de pronunciamentos, de declarações públicas em exercícios de cargos públicos poderosos no sentido de defender a cada vez mais conscientização política, pois esta pode se perder por falta de eco e suporte, sendo esmagadas pela manipulação da velha mídia golpista, como sempre fez e sempre manteve as demandas recuadas.

    O governo não replica as ruas, por isso perde enfraquecido e, de forma indireta, sabota a nação cultural que queremos e que se acentua na conscientização.

    Governo mudo não tem força política, e serve para quê?

  23. Petistas Descontentes

    É triste ver uma cambada de homens letrados (outros nem tanto), fechando os olhos para uma realidade incontestável, que é a inabilidade, a incapacidade e a incompetência da presidente do país. Ficam procurando culpados, ficam tecendo teorias conspiratórias, ficam destilando raiva contra a oposição, como se a oposição pudesse levar a economia do país ao buraco onde ele se encontra. O que vejo na verdade é um bando de pessoas que não querem admitir que elegeram um grupo que só é bom de discurso, que na hora de administrar o país só o fazem com dinheiro. O problema é que o dinheiro acabou, e a mentira veio as claras, e o rombo só aumenta. Eu torço pra que prendam o Cunha (ladrão), que investiquem os lideres tucanos, inclusive o FHC. Só pra no final mostrar pra esses inconformados com a própria burrice, que o pais está sendo saqueado pelo PT e seus parceiros. Não estou defendo partidos e nem ideologias, estou falando como um trabalhador que está desempregado a mais de 13 meses, fato inédito desde de 1987 quando assinei minha carteira pela primeira vez, e antes que digam que é porque sou mão de obra desqualificada, mando o curriculum; sou ténico em eletrônica formado na escola técnica de meu estado do pará, sou tecnólogo em TI, sou tenólogo em RH, sou MBA em gestão de pessoas e tenho mais de 20 anos de profissão com atividades exercidas em alguns estados deste país. Meu filho é geólogo e após sua breve vida profissional, apena dois anos, está desempregado; ele é fluente em inglês, já trabalhou em algumas plataformas da nossa petrobras, tem treinamento na frança, e está desempregado. E a culpa de tudo isso é dos inconformados com os resultados das urnas, que perseguem a pobre presidente Dilma. Eu não torço pelo inpedimento da presidente, seria muito fácil ela sair agora de cena e em 2018 o Lula dizer que se ela tivesse continuado o país teria “vencido” a crise. Quero que ela continue até o final do mandato, pra que ninguém mais possa acusar o Cunha, o PSDB, a PF, o STJ, o STF, o MP e o escambau, pela situação na qual o BRASIL se encontra.    

    • Coitadinho do Cunha e o PSDB

      Coitadinho do Cunha e o PSDB ( você tem razão são a mesma turma). 

      Você tem razão só a Dilma é responsavel, o resto é tudo um bando de inocentes, vitimas.

      Economia, geopolitica, especulação finaceira isso tudo é bobagem.

       

      Quer dizer que a Dilma tem culpa na vida profissional do seu filho. 

      Palhaço!!!

  24. A estranha reação do STF

    A estranha reação do STF

    (Publicado no Brasil 247)

    O debate sobre as flagrantes inconstitucionalidades que marcaram o encarceramento do senador Delcídio Amaral está deixando passar a grande questão do episódio: por que prender o indivíduo agora? Por que não processá-lo nos ritos normais, que acabariam inevitavelmente arruinando sua carreira política e seu apoio no Congresso?

    A tese de “obstrução da Justiça” é ridícula. Ora, depois que o Judiciário conheceu o teor das gravações, a chance das tramóias vingarem desintegrou-se. Réu nenhum conseguiria fugir. Além disso, do ponto de vista estratégico, seria mais inteligente acompanhar as manobras de Amaral, apanhando todos os envolvidos no auge da ação criminosa.

    Então repito: por que interromper um conluio fadado ao fracasso, diminuindo assim o alcance das investigações? Que tipo de malefício Amaral poderia causar conspirando à toa, sob a fiscalização atenta das autoridades?

    Isento e probo como é, o STF não precisa temer ilações maldosas. Com o apoio da imprensa, os ministros citados já tiveram inúmeras oportunidades para afastar qualquer suspeita incômoda. A prudência legalista inclusive traria benefícios à imagem da corte, manchada exatamente pelo partidarismo intempestivo dos tempos de Joaquim Barbosa.

    Tudo isso apenas reforça a certeza de haver um esforço na cúpula do Judiciário para evitar que as apurações em curso ultrapassem certos limites. Os elos de Amaral e do banqueiro André Esteves com o PSDB, de resto notórios, ganharam menções bastante constrangedoras nos diálogos que arruinaram o senador.

    Amaral e Esteves trazem consigo a Petrobrás dos anos FHC, um nebuloso parente de José Serra, a Alstom da máfia metroviária paulista e as viagens de Aécio Neves. Sem contar Renan Calheiros, Michel Temer e os ministros do STF mencionados. É fácil imaginar o estrago que causariam algumas horas a mais de conversas grampeadas.

    Alguém parece ter decidido recolher o falastrão antes que o caldo entornasse de vez.

    http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com.br/

  25. MAR DE LAMA !

    MAR DE LAMA, DESTES PARLAMENTARES, É PRÁ LAMENTAR MESMO !…

    PORQUE, QUANTO MAIS SE INVESTIGA ? MAIOR É A PODRIDÃO DESTES PARLAMENTARES.

    ASSIM, FICA DIFÍCIL O GOVERNO DILMA,  COM TODA ESTA CRISE POLÍTICA, TENTAR TIRAR O BRASIL DESTA ATUAL CRISE ECONÔMICA !.!.!.!.

  26. Impeachment

    O objetivo é claro, o impeachment . Quando a policia federal, o ministério público e o judiciário não chegarem lá, vão continuar a desestabilizar o Brasil.

  27. Sobre a dificuldade de prever cenários

    Há dez anos temos falado da necessidade de equilíbrio das contas. E a base aliada do governo (Sarney, Calheiros, Maluf, Collor, Barbalho), dava uma pista do que teríamos pela frente.

    Desculpe Nassif, mas o cenário atual está sendo previsto há bastante tempo. Os governos, em todas as esferas, caminhavam alegremente para a quebradeira, disso nunca houve dúvidas. E o Mensalão, já dava uma idéia do tamanho do estrago em termos políticos – e que, não tenhamos dúvidas, o mesmo esquema ocorria em âmbitos estaduais e municipais.

    Minha previsão? Vamos levar uns 6 anos até termos um mínimo de normalidade política e econômica (normalidade em termos brasileiros, não europeus, ou americanos, é claro). Ano que vem, dólar a R$ 4,25, com picos de R$ 4,50. Desemprego em cerca de 12% e inflação na casa dos 12-13%, esta deteriorando rapidamente a partir do 2o semestre em função das indexações da economia e da rigidez do orçamento do governo.

    Para mim, a única incerteza é se Dilma chega a 2017. Politicamente, acho que caminhamos para um acerto entre PMDB e oposição para que ela e o PT virem a Geni do momento e levem no lombo o custo do desastre até 2018. Se esse acerto acontecer, algumas mini reformas podem até sair, o que alivia um pouco a situação das contas do governo. Mas o cenário geral de depressão com inflação permanece.

  28. O problema é que a oposição e

    O problema é que a oposição e a mídia apostam tudo nessa crise. Estão criando e alimentando, quase ininterruptamente, um clima de destruição geral, usando de má fé, preconceitos e agressividade, mesmo com os argumentos mais absurdos e hipócritas.

  29. Para sair da crise só trabalhando, alternativa única

    Muito trabalho, esforço, dedicação, perseverança, o povo e a nação unidos para vencer a miríade de opositores a eles.

    Falar que o governo não têm Rumo, Norte e Estrela é eu me repetir pela milionésima vêz aqui no blog, agora, para que o governo tenha estes atributos é necessário que alguém com poder, que na minha humilde opinião hoje no Brasil é a Ilma. Presidênta da República Dilma Roussef, queira reformar a administração pública de forma a lhe conceder qualidade, equilibrio e harmonia nas ações.

    No mais, em política como no Universo, não existe vácuo, logo se faz mister implantar boas práticas para que as más não sobressaiam e uma guerra civil se instale.

    Dilma, acorda!

  30. A ironia de Wanderley Guilherme dos Santos

    CONFISSÃO DE IGNORÂNCIA

    30 de novembro de 2015

    Por Wanderley Guilherme, no blog Segunda Opinião

    Bem, não sei interpretar o momento nacional. Somando a reduzida previsibilidade e credibilidade de instituições centrais da democracia: partidos políticos, imprensa e decisões de governo – sobra pouco para garantir racionalidade ao quebra-cabeça resultante.

    Pior, parece-me que nem governo nem Legislativo se encontram em situação muito mais sólida. Mesmo a imprensa, sempre coerente em seu estranho afazer, ora incensa ora amaldiçoa suas fontes anônimas e seus ídolos arroz de festa de inúteis reportagens. A economia é uma, nas declarações ministeriais, e outra nos indicadores e pesquisas de institutos acadêmicos. A crer no currículo de fracasso de ambos, ambos devem estar errados. Exceto se peco por implicância, as personagens políticas, desgastadas em entrevistas diárias, são já insuportáveis, tanto quanto a xaropada de colunistas sobre corrupção alheia e as previsões despudoradas das autoridades, qualquer autoridade, sobre este, aquele, ou qualquer assunto.

    O Judiciário entrou na roda. Não só pelos indícios de arbitrariedades em algumas investigações, mas por surpreendentes novidades interpretativas. A mais recente convoca a figura criminal de alguém ser “suspeito de ser suspeito”, que não é assim nomeada, mas único entendimento possível para justificar prisões controversas. Por pouco não se obriga a população à cruel escolha da narrativa bíblica entre o bom ladrão e o mau centurião. Em cinemas de bairro o bom ladrão acaba aplaudido. Aliás, o que deve fazer um ladrão para ser bom? Talvez o que tem feito o reincidente criminoso e delator Alberto Youssef.

    Transcrevo O Globo, 29/11/2015, página 5. Incapaz de explicar como passava somas clandestinas a enorme lista de políticos, o doleiro foi ajudado pelo inquisidor da seguinte maneira: “Questionado no depoimento se os nomes de outros deputados poderiam ter sido incluídos só para que a cúpula recebesse mais repasses (bola levantada pelo agente público – WGS), o doleiro disse que não se pode duvidar disso”.

    Não se pode duvidar? Quer dizer, a suspeita do agente ganhou comprovação pelo juízo abalizado do doleiro? E aí o doleiro fez o gol de placa da moral da Lava Jato:

    “‘Dessa gente pode se esperar tudo’, registra o termo do depoimento do doleiro”.

    Alberto Youssef passou a ser, oficialmente, o inspetor dos costumes políticos brasileiros.

    ***

    Últimas palavras

    Se todos os ministros do Supremo Tribunal Federal tivessem o mesmo senso de oportunidade e firmeza de convicção da ministra Carmem Lucia, já demonstrados em declarações durante a AP470, desafiando réus em vias de condenação, e repetidos agora em tom de revolução espanhola, a Corte ficaria sem ter muito a discutir. Provavelmente seriam também dispensáveis novas edições da Constituição Federal. Pena serem remotíssimas as chances de haver outra candidata à Presidência da República além de Marina Silva, pelo menos em 2018.

  31. Estratégia é destruir o Brasil e o Estado de Direito

    Nassif, não haverá uma pausa mesmo com o aprofundamento da crise porque a estratégia política da oposição é exatamente esta: destruir o Brasil e o estado de direito, para o que o aprofundamento da crise ajuda e não atrapalha. Do ponto de vista da racionalidade política, para mim esta estratégia é muito clara. Consiste no seguinte:

    1. A reeleição de Lula em 2006 (Mensalão), a eleição de Dilma em 2010 (Mensalão) e a reeleição de Dilma em 2014 (Mensalão/Petrolão) comprovaram que o mero discurso moralista e demagógico não seria suficiente para arrecadar os votos necessários para que o PSDB voltasse ao comando do executivo nacional pelos meios institucionais normais.

    2. A economia ia bem, o emprego ia bem e a sociedade prosperava. Logo, era este o fator que garantia a continuação do PT no poder.

    3. Era preciso, então, unir ao discurso moralista uma crise econômica e social, a qual não poderia prescindir de uma crise política.

    4. Para garantir esta crise, o PSDB passou a usar do poder que detém junto aos órgãos de poder onde o PT é frágil: imprensa oligárquica e judiciário (cúpula do Ministério Público, dos Tribunais e da Polícia Federal).

    5. No caso da imprensa oligárquica, esta, historicamente, sempre foi uma militante dos valores e interesses das oligarquias nacionais associadas ao grande capital internacional, isto é, das oligarquias herdeiras da cultura e das benesses do modelo econômico e político colonial.

    6. No caso da cúpula do judiciário, esta, também historicamente, sempre esteve alinhada aos interesses e valores das oligarquias nacionais. Para quem não entende do que falo, segue uma boa leitura: http://www.usp.br/agen/?p=40199.

    7. Coube ao judiciário e à imprensa oligárquica a dupla tarefa de dar sustentação à crise moral e convertê-la em crise econômica. De que modo?

    8. No caso da crise moral, através do “mensalão” e do “petróleo”, dois processos polêmicos que ocorrem em flagrante atentado a garantias constitucionais e princípios jurídicos elementares do Estado de Direito.

    9. Os desrespeitos a estas garantias e a estes princípios, ao abalar o Estado de Direito, disseminam a insegurança jurídica e abalam os fundamentos da própria democracia.

    10. No caso da crise econômica, através da suspensão ou revisão de contratos da Petrobras com outras grandes empresas nacionais, mormente as de construção civil; das ações judiciais contra estas empresas e não contra seus controladores; da disseminação de uma campanha de descrédito contra estas empresas; e, da consequente redução dos investimentos e empreendimentos por parte deste setores econômicos estratégicos.

    11. Para consumar a estratégia, era importante lançar todo o ônus da crise moral e econômica nas costas do PT. De que modo?

    12. Disseminando a crença junto ao povão de que os governos do PT são os mais corruptos da história; de que os esquemas de corrupção foram todos montados pelo PT; de que é a corrupção a responsável pela crise econômica e social que segue.

    13. A blindagem do PSDB, tanto por parte do judiciário quanto por parte da imprensa oligárquica comprovam os fatos.

    14. Mas, o PSDB não está satisfeito em destruir duas cadeias produtivas importantes da economia brasileira. Ele precisa disseminar o caos e lançar este caos nas costas do PT.

    15. Para isso, nos estados que governa, está fazendo governos de saqueadores, disseminando o caos econômico e social, perseguindo o funcionalismo público e fortalecendo uma estratégia fascista de controle do poder por meio do uso criminoso de uma força policial também fascista e de uma imprensa especializada em lavagem cerebral.

    16. O PT tem culpa nisso tudo, não apenas por ter se envolvido em casos de corrupção e ter dado margem aos ataques que vem sofrendo, mas por não ter montado uma estratégia de controle mais eficaz do poder. Continuou, no poder, fazendo uma política de militância, baseada em Rousseau e Marx, quando o correto era ter seguido os ensinamentos de Maquiavel, Clausewitz, Pareto e Mosca.

    17. Destruída a economia nacional e o estado de direito, a oposição chegará forte em 2018. Participará das elições apenas para aparentar ser democrática e civilizada e para dar ares de democrática à sua vitória. Contudo, nada mais será normal: teremos um judiciário que se utiliza de um direito moderno e liberal para julgar os membros das oligarquias e de um direito medieval e de exceção para julgar aqueles que um dia ousaram ocupar os espaços que são de seus membros por direito divino. 

  32. Simples

    O fato principal é a perda de poder do pig e a rebelião que criou. Nela levou, nem tanto a opinião pública que sempre desconfiou desta turma, mas o judiciário, tanto os novinhos ingênuos que queriam consertar tudo a partir da visão da globo, como os mais velhos que na corda bamba ainda vão com o pig. Fim do poço. A carmem miranda mostrou tudo.

    O lava jato com toda a sua ingenuidade varreu o país. Varreu, embora tristemente de maneira seletiva grosseira, e destruiu muito. Perdemos muito mais que ganhamos. Expos mazelas mas a custa de mostrar mazelas ainda maiores. Coisa de quem vai com o pig.

    Á frente:

    A Dilma é uma guerreira que continua firme no leme e governando até muito bem diante da borrasca que lhe impuseram, nassif incluido. E quem tem um Lula a seu lado, conflitando as vezes, e isso é ótimo, tem tudo;

    O pig morre. Isto é ótimo. Morre mergulhado na lama própria que esparge, mas morre breve. aguentemos o mau cheiro;

    O judiciário depois deste mergulho na insanidade e tanta bobagem vai ter que acordar. É só voltar ao livrinho, fácil demais;

    O ajuste fiscal dá aquela paradinha para as coisas se arrumarem, favoravelmente aproveitando um período que pararam o país com a lava jato do pig;

    O país não parou. Muito de bom está sendo feito. O empresariado esquece o possível golpe, adora, e vai retomando.

     

    Logo retornamos ao curso saudável.

     

     

  33. Fingimento, pergunta sensata e arrogância

    A Dilma finge que governa e o Congresso Nacional finge que legisla, ajudando a governar o país. Estão todos sem dormir com medo, esperando que um policial federal bata na sua porta com um mandato de prisão. No presidencialismo de coalização, assim como no parlamentarismo, o legislativo tem que estar em pleno funcionamento, senão o executivo não governa. O ACM Neto, em recente entrevista, se perguntou por que a Dilma não convoca a oposição para dialogar, afinal existem temas de longo prazo que precisam ser encaminhados, cujos impactos atingirão quem quer que esteja na presidência da república em 2019. Minha conclusão: arrogância. Um gesto dessa magnitude exigiria da Dilma humildade para reconhecer os erros da gestão anterior. Infelizmente a palavra humildade não faz parte de seu vocabulário. O impasse continua e alimenta a paralisia.

    •   ACMinho perguntar por que

        ACMinho perguntar por que Dilma não chamou a oposição é o mesmo que eu perguntar porque o Corinthians não chamou o Atlético Mineiro para dialogar: é simplesmente ridículo.

        Ora, Dilma está demonstrando crassa incompetência na condução política, issoé inegável. Agora há que ser muito CEGO para se perguntar porque Dilma “não chama para conversar” uma oposição que, dia e noite, procura DERRUBÁ-LA. Sério, colega, em qual planeta você vive?

      • Vamos lá amigo, a Dilma não

        Vamos lá amigo, a Dilma não consegue governar com a base dela (é criticada até pelo PT), não chama a oposição para dialogar, o que deixaria o PSDB, o DEM e outros numa saia justa. O que ela está fazendo então? Deixando tudo do jeito que está para ver como é que fica? Só resta uma saída: a renúncia. 

  34. A crise econômica é mais

    A crise econômica é mais forte que a política. PIB caiu 4,5% em relação ao trimestre anterior eos outros trimestres ainda foram revisados para baixo. Se o 4º tri repetir o 3º, teremos ao menos  -3,5% de queda no PIB. Com inflação na casa dos 11%. Logo uma outra agência de risco vai rebaixar o Brasil, dólares vão sair aos montes e a cotação aumentará, puxando a inflação de 2016 que aliada a indexação deve passar de 6,5%. Ou seja, crise endêmica por longo prazo. Ou Dilma tira o Levy e se salva, ou cai. E se for pra passar 4 anos em crise é melhor cair mesmo.

  35. O Nassif não enumerou mas

    O Nassif não enumerou mas essa é a verdadeira insensatez desse pais.

    Que Carmen Lucia do STF vai falar sobre isso? Que Jô Soares vai dizer que não conseguiu dormir a noite por causa disso (no caso da ministra ele disse que ia dormir melhor)? Que Joaquim Barbosa negro vai falar sobre isso? Que ministro da justiça republicano vai enfrentar isso? Que banqueiro vai enfrentar isso na pauta da sua revista hobby Piaui? Que presidente vai enfrentar isso? Que grupo vai protestar sobre isso na Av. Paulista? Que nação vai acordar pra isso?

    E lamentavelmente é só mais um caso. A policia do Alckmin está na porta das escolas para reprimir jovens que só querem estudar com qualidade. Dilma está no palácio. A oposição está onde sempre esteve: defendendo os ricos, planejando golpes de estado enquanto leva o seu por fora e por dentro sem ser incomodada. A situação está anêmica e levando o seu por fora e por dentro com um pouquinho mais de incômodo. E o Judiciário brincando de enfrentar os problemas do país enquanto gozam de todas as mordomias e indecências que fingem combater.

    Os cinco jovens fuzilados pela PM no Rio eram negros — e isso não é coincidência. Por Cidinha da Silva

    Roberto de Souza Penha, Carlos Eduardo de Souza e Cleiton Correa de Souza tinham entre 1 e 3 anos de idade quando Cidinho e Doca emplacaram o mega sucesso “Rap da Felicidade”. Wilton Esteves e Wesley Castro Rodrigues eram um pouco mais velhos, contavam entre 5 e 10 anos. Talvez eles tenham cantado com outros contemporâneos de comunidade que morreram antes deles os versos proféticos: “Eu só quero é ser feliz / andar tranquilamente na favela onde eu nasci / e poder me orgulhar / e ter a consciência que o pobre tem seu lugar”.

    Talvez cantassem este hino do funk enquanto comemoravam dentro do carro, o primeiro salário do menino Roberto, de 16 anos. Talvez sorrissem e planejassem a diversão do domingo antes de tentarem, desesperados, segundo testemunhas, colocar braços e cabeças para fora do veículo conduzido por Wilton, clamando por misericórdia aos policiais militares postados em posição de guerra na entrada da favela.

    Outro verso da música ecoa: “Faço uma oração para uma santa protetora / mas sou interrompido / a tiros de metralhadora”. Não adiantou. Thiago Resende Barbosa, Marcio Darcy dos Santos, Antônio Carlos Filho, fuzilaram o carro dos rapazes com cerca de 50 tiros, no começo da favela onde viviam, em Costa Barros, zona Norte do Rio de Janeiro. A conclusão lógica é que a liberdade de ir e vir não é facultada aos jovens negros sequer na favela onde nasceram, como eternizado na canção.

    Posteriormente, o policial Fabio Pizza da Silva ainda tentou fraudar a cena do fuzilamento para simular um Auto de resistência, ou seja, tentou criar um cenário de revide dos policiais a um forjado ataque das cinco vítimas com uma arma plantada debaixo do carro, multiplamente perfurado. Felizmente não deu certo. Os três assassinos e o comparsa estão presos e serão julgados. O comandante responsável pela área de atuação dos quatro policiais foi exonerado. Ok.

    O Secretário de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame se pronunciou e eximiu a Corporação Militar de responsabilidades, haja vista que em sua opinião não se trata de um problema de despreparo profissional dos responsáveis pela matança. Trata-se de um problema de caráter dos matadores.

    Assim fica fácil! Difícil mesmo foi a vida dos rapazes assassinados, que nunca gozou de garantias constitucionais básicas. Difícil é a vida das famílias que precisarão administrar dores, revolta e desamparo, sem tempo para o luto, porque se fraquejarem seus mortos apenas comporão a cifra das 83 vidas de jovens negros perdidas a cada dia no Brasil. O problema da carnificina de Costa Barros é que a Polícia Militar é o braço armado do Estado, autorizado a matar, a exterminar jovens negros e pobres. Quilombolas e indígenas. Moradores de favelas, periferias, palafitas, alagados e todos os demais quartos de despejo do Brasil endinheirado e branco.

    Dezenas de jovens que conseguiram ser avisados por familiares ou amigos para não voltarem para casa naquela noite porque havia ação policial no morro, agora choram e tremem, com os nervos em frangalhos. Poderia ter acontecido com eles. Pode acontecer amanhã.

    É mais ou menos tácito que vivemos uma cultura de violência, como vários ex-secretários de segurança pública do Rio de Janeiro apontam a cada chacina. E que precisamos combatê-la, por suposto. Cada um fazendo uma parte, o Estado, a Polícia, a escola, o cidadão e a cidadã comuns, os meios de comunicação, de maneira integrada.

    Temos conhecimento de boa parte das ações necessárias, mas não fazemos nada ou praticamente nada. Ocorre que discutir a violência, apenas, não resolve. É preciso problematizar o racismo estrutural da sociedade brasileira que gera violência e avaliza o extermínio de jovens negros, comemorado por governantes  como gols de placa. Ou alguém ousa negar que a vida desses garotos não tem valor porque são vidas de negros?

     

     (Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

    Sobre o Autor

    Cidinha da Silva, mineira de Belo Horizonte, é escritora. Autora de “Racismo no Brasil e afetos correlatos” (2013) e “Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil” (2014), entre ou

     

  36. “quando a lava-jato chegar à

    “quando a lava-jato chegar à oposição”? qual o poder que a oposição tem sobre a Petrobras? gostaria de entender.

    • aaahhh!!! vc acredita que a

      aaahhh!!! vc acredita que a corrupção na petrobras é coisa do governo atual….papai noel vai trazer um presentinho pra pra vc, viu?

      tolinho…

    •   Fácil.
        Os esquemas foram

        Fácil.

        Os esquemas foram iniciados antes – às vezes, beeeem antes de 2003. Como você deve se lembrar, o PT assumiu o governo federal em 01.01.2003.

        Algumas nomeações foram impostas por partidos que faz tempo são oposição ao governo federal. O PP, do nefasto Bolsonaro, é DE LONGE o partido com maior número de políticos envolvidos – partido que conta (ou contava?) com o tio de Aécio, Francisco Dornelles, que fez mundos e fundos, além de ameaças, ao governo Lula para bancar Pedro Barusco na Petro – sujeito esse que foi demitido a mando de Dilma em 2011.

        Há ainda as ramificações. Já foi mais que ventilado que o falecido Sérgio Guerra, então PRESIDENTE do PSDB, recebeu propina para aliviar a barra em uma CPI sobre a Petrobras, em 2009. Se ele agiu sozinho ou com conhecimento de seus pares até agora “não veio ao caso”.

        Tá bom ou quer mais?

      • sim, sim correto, mas esses

        sim, sim correto, mas esses são casos de vantagens pessoais (corrupção sem dúvida). minha dúvida é, corrupção  sistêmica, com objetivos políticos e em nome da política, acontecia antes de 2003? por favor respondam.

        • Então existe a currupção

          Então existe a currupção aceitavel e a não aceitavel? Para haver um esquema de corrupção é preciso ter uma organização, um sistema.

          Se a compra da reeleição não é uma corrupção sistematizada para fins politicos o que é então?

           

          Faça um favor, tenha um minimo de auto critica!

           

    • Tolinho…

      Acha mesmo que a corrupção na Petrobrás começou em 01/01/2003? Ou que a Lava-Jato é só sobre Petrobrás?

      Ou não leu nada sobre o que o Youssef declarou, em delação premiada. sobre Aécio, Bauruense, Furnas?

      • prezado,
        claro que a

        prezado,

        claro que a corrupção na Petrobras não começou a partir de 2003. Mas a corrupção sistêmica e organizada, com objetivos políticos, parece que foi sim a partir de 2003. A minha dúvida é se há algum indício de envolvimento da oposição na corrupção a partir de 2003.

        • “Mas a corrupção sistêmica e

          “Mas a corrupção sistêmica e organizada, com objetivos políticos, parece que foi sim a partir de 2003.”

          Você vive em qual país  ??? Delcídio Amaral, Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró, todos já estavam lá na Petrobrás desde 1999. Ficaram malvados apenas quando o Lula virou presidente ? Você realmente acredita nesse despautério ? Lógico que não, você é seletivo em suas certezas mesmo.

           

          • sim, com certeza já havia a

            sim, com certeza já havia a roubalheira antes de 2013, mas repito (parece que não fui compreendido), o que muda a partir de 2013 é que a corrupção passou a acontecer também em nome de um projeto político, correto?

        • Os funcionários da Petrobras
          Os funcionários da Petrobras que roubavam durante o governo FHC, do PSDB, como não foram afastados logo no início do governo Lula, continuaram fazendo o que sabiam fazer bem, a ponto de não serem descobertos, nem por auditorias internas, nem pelo MP, nem pela PF, nem pela mídia (nem a Veja e seus arapongas), nem pela oposição e suas CPI’s (que aliás, uma delas foi aberta e fechada pelo PSDB, resultando em R$ 10 milhões na mão do presidente do partido, que provavelmente conhecia a fundo o velho esquema do cartel…). Aliás, não se descobriu antes, ou não quiseram descobrir? O doleiro é velho conhecido das falcatruas do Banestado, da privataria tucana… Quem se beneficiava? Os funcionários corruptops, os políticos associados e as empreiteiras, que doavam (e isso é a prática que a lei eleitoral permitia e que felizmente acabou) para a campanha de todos os maiores partidos, e isso nunca foi considerado irregularidade. 42% do total de contribuições de empresas à campanha do PSDB em 2014 vieram de construtoras da Lava Jato. No PT, cerca de 1/3 foi dessas empreiteiras (http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,empreiteiras-do-cartel-doaram-r-78-milhoes-a-pt-e-psdb-em-2014-imp-,1682741). Mesmo assim os que conduzem a Lava Jato prenderam o tesoureiro do PT alegando que o dinheiro recebido dessas empreiteiras, que sempre todos os partidos receberam, por ser a regra eleitoral vigente, seria ilegal e fruto de propina. Basearam-se em delação premiada (quem sabe as razões do bandido para fazer a acusação?), não em fatos ou provas. Uma aberração jurídica tipicamente do Judiciário brasileiro. Já as doações ao PSDB e demais partidos, vindos das mesmas empreiteiras, e que no caso da campanha estadual de SP foi muito maior, mais desproporcional em favor do PSDB, dinheiro vindo de empreiteiras, muitas delas envolvidas na Lava Jato, e que também tem obras com o governo do Estado, não se considerou propina, e não se prendeu o tesoureiro do partido (http://jornalggn.com.br/noticia/o-modo-de-operacao-das-empreiteiras-com-o-governo-paulista). Fora a acusação genérica e sem prova, baseada em delação de bandidos, de que o dinheiro recebido e declarado ao TSE seria propina, o que há de fato, de real, em relação ao PT ou a petistas, com execão de Delcídio, que veio do PSDB e que enquanto estava no governo de FHC já teria participação no esquema da Petrobrás? Já em relação ao PSDB, há fatos concretos, denúncias de delações que se comprovaram, como o caso de Sergio Guerra e do abandono da CPI em 2009. Outros casos envolvendo tucanos já citei em comentário anterior. A denúncia contra Aloysio Nunes- PSDB-SP refere-se a período posterior a 2003.  O esquema de desvios da Petrobrás por ex-funcionários e o cartel que se formou no governo FHC e que por inércia prosseguiu no governo do PT foi um caso “sistêmico, com objetivos políticos” somente na cabeça dos que conduzem a Lava Jato politicamente para prejudicar o PT, por inconformidade com as consecutivas derrotas nas urnas. Essa lorota foi contada também no julgamento do Mentirão (ou mensalão, na verdade o Valerioduto II – o outro, o mensalão tucano ou Valerioduto I, continua impune). Agora tentam novamente fazer crer que haveria um esquema para o PT se manter no poder. Os fatos vão cada vez mais desmascarando mais essa farsa. Pois o esquema é tucano, foi gestado e instituído, aliás como o Valerioduto, no governo do PSDB. E tão bem tramado, que atravessou a mudança de governo, se mantendo até que no governo Dilma o esquema foi descoberto e desmantelado. O esforço em se blindar tucanos e oposição na Lava Jato é sintomático da vontade de se fazer uso político contra o PT. Mas contra os fatos vão desmentindo essas armações. 

    • Estados

      Simples meu caro,

      Mesmo a Petrobras sendo uma empresa Federal, ela tem negócios nos estados e municípios, governados por posição ou oposição. Sem contar a influência política, as raízes sedimentadas na gestão PSDB, e por ae vai.

    • Já chegou. Mas a blindagem tenta ignorar, afastar, engavetar.
      O banqueiro preso com Delcídio, e que enriqueceu nos anos 90, foi quem bancou o casamento de Aécio Neves, o atual presidente do PSDB.O próprio Delcídio foi diretor da Petrobrás no governo FHC, do PSDB. Foi no governo do PSDB que o esquema de corrupção na Petrobrás foi iniciado e estabelecido. Os ex-funcionários da Petrobrás presos na Lava Jato, como Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró, Delcídio, entre outros, trabalharam em cargos de gerência ou direção no governo do PSDB. Alguns continuaram no governo do PT, pois o partido não fez a devida limpeza ao iniciar o governo.Conforme gravação da conversa de Delcídio, José Serra do PSDB-SP o sondou quando surgiu na Lava Jato o nome de Preciado, parente e ex-sócio de Serra (http://www.cartacapital.com.br/blogs/direto-de-sao-paulo/ex-socio-de-jose-serra-e-citado-na-lava-jato-7636.html).Ainda conforme a gravação da conversa de Delcídio, Cerveró fez acordo com MP suíço para não ser processado no caso de uma compra de turbinas da Alstom para termoelétricas, em que houve grandes prejuízos à Petrobrás, durante o governo FHC, do PSDB (ano 2000 e 2001).Os principais delatores da Lava Jato, Paulo Roberto Costa e o doleiro Youssef, em acareação em 25/08/15, disseram que políticos do PSDB receberam propinas desviadas da Petrobrás e de Furnas. Entre os beneficiados, Sérgio Guerra, ex-presidente nacional do PSDB e Aécio Neves, atual presidente nacional do PSDB. Ambos disseram que foi pago o valor de R$ 10 milhões ao então presidente do partido Sergio Guerra para que o partido abandonasse uma CPI da Petrobrás em 2009. (http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2015/08/25/youssef-e-costa-confirmam-repasses-a-lideres-tucanos.htm). Após o pagamento da propina, Sérgio Guerra- PSDB-PE e Álvaro Dias, senador do PSDB-PR abandonaram a CPI, surpreendendo a todos. Um auxiliar do doleiro Youssef, em depoimento na Lava Jato, disse que outros parlamentares do PSDB receberam propina, além de Sérgio Guerra. O juiz Sergio Moro, porém, não deixou que ele dissesse os nomes, um artifício para evitar que o caso, que tem tanto destaque na mídia, deixasse de ser tratado no Paraná e fosse enviado ao STF, devido ao foro privilegiado de parlamentares. Mas o depoente deu pista de que se tratava de um parlamentar da mesma região que o doleiro, que nasceu em Londrina-PR (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1535691-outros-tucanos-receberam-recursos-do-esquema-diz-auxiliar-de-youssef.shtml).O doleiro Youssef contou que o ex-deputado José Janene, de quem era “operador”, afirmara que Aécio Neves recebia propina de Furnas. A lista de Furnas, contendo o nome de Aécio, Delcídio e diversos outros líderes tucanos é conhecida há anos, mas até hoje não houve investigação e segue engavetada, mesmo após a denúncia de Youssef na Lava Jato.O policial Jayme Alves, o Careca, teria entregue R$ 1 milhão, a pedido de Youssef, segundo denúncia feita à PF por um e-mail, que cita uma casa onde o dinheiro teria sido entregue, e que pertence a uma prima de Aécio Neves (http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/195570/Caso-Anastasia-pode-envolver-prima-de-A%C3%A9cio.htm).Irmã de Aécio foi citada na Lava Jato, diz advogado de Youssef  http://www.jornali9.com/noticias/denuncia/irma-de-aecio-tambem-foi-citada-na-lava-jato-diz-advogado-de-youssefAloysio Nunes, senador do PSDB-SP, foi citado na Lava Jato em delação premiada feita pelo dono da construtora UTC, que o acusou de ter recebido propina de R$ 500 mil para obter contratos com a Petrobrás para a empreiteira (http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,tucano-aloysio-nunes-passa-a-ser-investigado-pelo-stf,1757244). No entanto, o Procurador Geral da República pediu ao STF o desmembramento do inquérito, para separar o caso das investigações da Lava Jato (operação que, pelo visto, não pode investigar membros da oposição, somente membros do PT). O PGR alegou que haveria suspeita somente de caixa 2 e que, portanto, a possibilidade de recebimeto de propina não deveria ser investigada (http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,investigacoes-de-mercadante-e-aloysio-na-lava-jato-nao-tem-relacao-com-petrobras,1757948). 

  37. A delação do Delcídio será seletiva, apenas contra o Lula

    6. Quais os desdobramentos para a situação – e para Lula – de uma eventual delação de Delcídio Amaral?

    Delcídio acabou, será expulso do PT e perderá o mandato no Senado, resta-lhe agora unicamente salvar a pele. Não adianta ele delatar a oposição, ninguém quer ouvir isso, só piora para ele, e ele sabe disso. O salvo-conduto para a liberdade é delatar LULA. Basta dizer que tudo o que ele fazia/tramava era em conjunto/conluio/orientado com Lula. Pronto, sai a ordem de prisão imediatamente por obstrução da Justiça. Atentem para um detalhe, daqui uma semana Lula embarca para a Europa, para uma série de visitas, palestras e conferências. A PF – e o japonês – querem prendê-lo espetaculosamente no embarque em Guarulhos. 

  38. Nunca me arrependi tanto de

    Nunca me arrependi tanto de ter votado em alguém como me arrependo hoje de ter dado o voto do 2 turno ao PT, Dilma

    parece um desastre ambulante. Se nao tinham projeto, era melhor nem ter se candidatado. 

  39. A insensatez começou quando parte da sociedade aceitou Dilma

    Boa parte da sociedade comprou a ideia de eleger uma presidente que não entende nada de política e tem uma visão completamente equivocada em economia. No final de 2013 já era visível o desastre iminente, mas a presidente contou com a ignorância econômica da população para armar um desastre e ganhar a eleição. Caso a população fosse minimamente informada sobre economia, ela teria perdido o pleito. A não ser, é claro, por uns poucos votos da turma desenvolvimentista, também conhecida como A Turma da Lambança. Já sobre o caos deflagrado pela Lava Jato, não adianta espernear contra a imprensa ou o judiciário, os responsáveis por isso são os criminosos, tanto os em cana como os ainda por entrar em cana. Quando Lula disse que Sarney era um “homem incomum” e não merecia ser “perseguido” pela imprensa por seus atos secretos no Senado, ficou claro que a depravação estava em ascensão no comando da república. Lula foi completamente irresponsável do começo ao fim em sua elasticidade moral sem limites. Finalmente, ver o Nassif se questionar quando sairá o pacote fiscal é um alívio…. meus aplausos…. será que a evidência dos fatos está enfim se fazendo valer? Seria preciso evidência empírica mais forte de que todos países perdulários rumam invariavelmente para o buraco? Grécia, Portugal, Espanha, Itália, Argentina, Venezuela, Brasil…… Todos os que seguem a linha de acreditar que dinheiro dá em árvores se deram mal (e não é por falta de avisos). Será que o Brasil por fim irá aprender???????

     

     

  40. A longa marcha da insensatez
    O que eu não entendo é essa polarização, entre os prós e os contra o governo. Está claro que o barco vai afundar, está na hora de deixarmos as querelas de lado e buscarmos uma terceira via. O governo errou, mas onde estava a oposição durante o processo de afundamento do Brasil. Está na hora de experimentarmos os Enéias, e quem sabe a marina. Temos de diminuir a quantidade de políticos nos três níveis, está claro que eles estão sem controle. Precisamos de uma pauta de mudança que possibilite a diminuição da corrupção. Gente, chega de discutir quem roubou mais, os políticos roubam sempre que não há fiscalização e pronto. Vamos exigir mudancas nas leis e na constituição. Vamos exigir a limitação dos cargos comissionados, a edição da lei das estatais, o fim de indicação de políticos para os tribunais de contas, o fim do quinto constitucional, é isso que vcs ouviram, o fim da indicação para juízes dos tribunais, fim de regalias como aposentadoria compulsória, carros oficiais para qualquer autoridade, reforma política, reforma tributária, reforma do estado. Esse é o caminho real, concreto que deve unir a população e não dividir. O brasileiro tem que parar de se decepcionar e passar a pressionar mais os políticos, a querer mudanças concretas, a exigir fiscalizações efetivas, penas mais duras, processos mais céleres, e aí sim, teremos um grande país.

  41. Quanto tempo mais perdurará a
    Quanto tempo mais perdurará a crise política e quais seus efeitos sobre as tentativas de impeachment?-   O direcionamento seletivo e político das investigações sobre o esquema de corrupção na Petrobrás e fora dela, é projeto de longo prazo: não visa combater a corrupção, mas combater o PT, diante do fracasso eleitoral da oposição.======A Comissão de Justiça da Câmara dará ou não aval para o julgamento de Eduardo Cunha pela casa? Dando, haverá votação aberta ou fechada? Sendo fechada, ele será condenado ou absolvido?-   Muitíssimo improvável que Eduardo Cunha não seja cassado. Se ele fosse do PSDB aí a situação dele seria outra.======Sendo condenado ou absolvido qual será o encaminhamento que dará aos pedidos de impeachment da Presidente?-   Não há nada que justifique impeachment de Dilma. Há somente interesse político da oposição. Por isso não haverá impeachment, independentemente da vontade ou ações de Eduardo Cunha. O máximo que conseguirá é causar mais desgastes políticos ao governo e prejuízos à economia. Para haver impeachment baseado somente nos interesses políticos da oposição, seria necessário que Dilma não tivesse nenhum apoio por parte da sociedade civil e da população, mas isso não vai acontecer pois ninguém tem mais base de militância e popular do que o PT.======Com a prisão de Delcídio Amaral, qual será a solução de continuidade das articulações do governo?-   O que não falta no Senado é petistas moderados, com condições de fazer articulação política.======No festival de delações em curso, por quanto tempo ainda serão blindadas as lideranças da oposição? Se Aécio Neves e José Serra forem engolfados pelas delações, como ficará a oposição?-   A gravação das conversas de Delcídio prejudicaram profundamente a blindagem à oposição na operação Lava Jato, pois ele acabou falando sobre desvios ocorridos na Petrobrás durante o governo FHC. Agora fica mais difícil continuarem engavetando os casos envolvendo tucanos e continuarem prevaricando ao excluírem a corrupção ocorrida antes de 2003.======Quais os desdobramentos para a situação – e para Lula – de uma eventual delação de Delcídio Amaral?-   Delação sem prova, num Judiciário sério, ninguém nem daria importância. Mas a pergunta é relevante quando se conhece o histórico recente da políticagem partidária determinando a ação de juízes, inclusive do STF. E sabendo-se o quanto despencou o nível da imprensa brasileira, nos últimos anos, cuja campanha anti-PT e anti-Brasil e anti-Lula, infelizmente ainda é muito influente no Judiciário, na política e na economia do país.======Que outros políticos ou Ministros do STF foram mencionados por Delcídio nos demais grampos que ainda não foram divulgados?-   Uma coisa é praticamente certa: não são do PT, pois se fossem, os nomes já teriam sido propagados aos sete ventos da mídia.======Saindo o pacote fiscal, em quanto tempo se recompõem as finanças públicas?-   Embora seja de extrema importância a aprovação do ajuste fiscal, o que se sabe hoje com certeza é que a mídia de oposição intensifica, potencializa e incrementa todas as notícias negativas esconde as positivas. Então, sabemos que a situação real é bem menos terrível do que a mídia propaga. https://www.napratica.org.br/paul-krugman-a-crise-brasileira-nao-e-tao-catastrofica-quanto-voce-esta-pensando/======Não saindo, como estará a situação dos estados a partir de abril, quando cessam os efeitos da arrecadação do IPVA?-   Difícil prever.======O fator Dilma: qual o seu fôlego para recompor a governabilidade em caso de aumento ou redução da crise política?-   O governo Dilma é ruim em comunicação e titubeou após a radicalização golpista da oposição e de sua mídia, principalmente a partir do segundo mandato. Mas vai, aos poucos, com as pancadas, ganhando resistência e se mantendo firme nas questões fundamentais e de longo prazo: a política de distribuição de renda e melhorias sociais (Levantamento do IBGE eleva expectativa de vida do brasileiro para 75,2 anos -http://atarde.uol.com.br/brasil/noticias/1730368-levantamento-do-ibge-eleva-expectativa-de-vida-do-brasileiro-para-752-anos). A oposição já percebeu que a crise política não se converte, necessariamente, em votos. Afinal, mesmo com toda a radicalização em 2014, Dilma se reelegeu, e pesquisas atuais mostram que a rejeição dos candidatos da oposição cresce tanto quanto os da situação. Então, a oposição terá que decidir como agirá, enquanto o governo terá que ir corrigindo as falhas, melhorar a comunicação e continuar no rumo de promover o desenvolvimento do país, de baixo para cima. 

  42. Os principais alimnentadores da crise são E. Cunha e Aécio Neves

    Chantagem à luz do dia. E à luz da mídia

     

    Começa daqui a pouco – é o previsto, ao menos – a sessão do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

    Será palco de tudo o que se pode imaginar, menos ética.

    Porque é o palco de uma chantagem explícita, aliás de duas.

    A primeira, a de “responder” com o processo de impeachment à eventual admissão de um processo contra Eduardo Cunha, por suas contas na Suíça.

    A segunda, de recusarem-se a votar a emenda orçamentária sem a qual a administração pública do país pode parar completamente.

    À luz do dia.

    À luz da mídia, dos moralistas que não levantam uma palavra contra isso.

    Ao contrário, torcem para que o Governo e o PT se agachem diante de Cunha.

    Para que os possam acusar de sustentar um corrupto – seu grande aliado até ontem – na Presidência da Câmara.

    E, se não se agacharem, para que tenham de enfrentar um processo de impeachment e de bloqueio total das despesas públicas.

    Este jogo é acompanhado, ao contrário, de um sórdido e interessado prazer pela imprensa, sentada ao lado da. Nunca Eduardo Cunha poderia acenar com esta chantagem se a mídia brasileira a estivesse denunciando pelo que é, uma imoralidade.

    Mas imoralidade, nos jornais, só existe quando é quando envolve gente de alguma forma ligada ao governo, ainda que “não venha ao caso” ser também ligada ao PSDB ou ao DEM. À exceção Cunha, escandalosa, usa-a para fazer sua “campanha” sem limites pela derrubada do Governo.

    Como em todo caso de chantagem, porém, o chantagista precisa, mais cedo ou mais tarde, ser detido.

    E só será detido a hora em que não mais se curvarem às suas exigências.

     

     

  43. Tudo errado a partir do

    Tudo errado a partir do momento que nenhum dos candidatos a governantes são moralmente melhores que nós mesmos, simples mortais.

    Não temos estadistas, pessoas com visão estratégica ou que tenham sonhos de uma grande nação ou aspirações de grandes empreendimentos, temos pessoas piores que nós nos governando. Em todos os níveis, prefeituras, estados e tudo o mais. Pessoas as quais vc não daria seu cão para que cuidassem estão legislando sobre o futuro de nossos filhos a quem vc não deixaria por 5 minutos a sós em uma sala.

    E o pior é que quando se apresentam a nós alguns poucos com visão de futuro, ficamos assustados. Estamos com medo do lobo que agora se apresenta sem a pele de cordeiro porque não tivemos coragem de votar nos cães de guarda que se apresentaram antes. Lembram do candidato que só falava em educação, em projeto pra 50 anos? Lembram do candidato que só era piada porque tinha falado da bomba atômica pra chamar a atenção pras outras idéias que tinha?

    Não estamos preparados para sermos bem governados. Somos fracos. Sem história. E sem coragem pra estudar a fundo os assuntos que nos envolvem ou assumir o compromisso com algo sério.

    Está acontecendo – de novo – com o deputado Jair Bolsonaro. É mais fácil tratá-lo como louco e virar as costas do que escutar e depois estudar o assunto a fundo e formar ou mudar uma opinião.

    • vou mais alem, para mim o brasileiro não tem perfil e nem deseja

      democracia, os momentos mais estáveis do país sempre foram com autocracias(império de Dom Pedro ou a Era Vargas) ou durante o governo militar…

  44. não se iludam!

    não se iludam!

    após 13 longos anos de lulismo, o governo Dilma:

    –  parece estar executando a política econômica da Direita e aplicando o programa derrotado nas urnas;

    – age como se estivesse executando a política econômica da Direita e aplicando o programa derrotado nas urnas

    mas não se deixem iludir:

    após 13 longos anos de lulismo, o governo Dilma está mesmo executando a política econômica da Direita e aplicando o programa derrotado nas urnas.

    .

  45. Isso acaba quando conseguirem

    Isso acaba quando conseguirem tirar a Dilma e prenderem o Lula, uma ou outra hipotese; feito isso a politica volta à paz dos cemitérios..

  46. O início da marcha… da insensatez.

    O assunto parecia-me esgotado – a pesquisa Datafolha com as avaliações do governo Dilma, de Lula e do Congresso Nacional. Porém, dois textos me fizeram retomar o assunto.

    A análise de Luis Nassif, um daqueles grandes perfumes em frascos pequenos,  ”A longa marcha nacional da insensatez” , sobre a dificuldade em se traçar cenários futuros, dada a incerteza do quadro político atual.

    “Nunca foi tão difícil prever cenários para o país como agora. Não se sabe o que poderá interromper essa marcha da insensatez. Uma hora cairá a ficha geral para interromper essa marcha da insensatez. A incógnita é quanto mais a crise terá que se aprofundar para se chegar ao bom senso”.

    O editorial da Folha de São Paulo de 01dez2015, ”Desalento e esperança”, que de forma canhestra associa Lula e o governo Dilma com percepção da população sobre a corrupção – o desalento e, por outro lado, associa a esperança ao Juiz Moro. E onde, além de Marina Silva, Aécio Neves e Geraldo Alckmin são apresentados como virtuais vencedores das próximas eleições presidenciais – creio que também formando no lado da esperança de um Brasil sem corrupção.

    “A rejeição ao governo federal é tamanha que não se contém na figura de Dilma; transborda para um ex-presidente Lula (PT) incapaz de refrear a contínua dilapidação de seu patrimônio eleitoral. … se a votação fosse hoje, sofreria derrotas incontestáveis de Aécio Neves (PSDB), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede).

    Uma deterioração dessa magnitude dificilmente seria produzida por um único fator. A depressão na economia decerto constitui parte da explicação. Não explica tudo… Pela primeira vez, essa lista é encabeçada de forma isolada pela corrupção, maior objeto de preocupação para 34% dos entrevistados pelo Datafolha.

    A população nitidamente se cansou dessa indecência. 

    Seja como for, em meio ao desalento pode-se vislumbrar uma esperança. Como diz Sergio Moro… “o que o juiz pode fazer é muito limitado sem o apoio da opinião pública”. O Datafolha atesta que a Justiça jamais teve tanto apoio”.

    Pois bem, analisando os gráficos da pesquisa Datafolha ( aqui e aqui ) de 29nov2015 com os olhos de quem tenta ver quando começou essa marcha da insensatez, segundo Nassif, ou essa indecência, segundo a Folha, os pontos de inflexão desses gráficos saltam sobre esses mesmos olhos.

     

    Não poderia ser mais revelador, início de 2015, logo após as eleições presidenciais vencidas por Dilma Rousseff – o quarto mandato consecutivo do PT.

    Início do golpismo insano em que mergulhamos conduzidos pela insubmissão ao resultado das urnas.

    Insubmissão essa em que Aécio Neves é um personagem periférico e, por certo, derrotado por ela também. Nada poderia ele, se não tivesse sido apoiado pelas mesmas forças reacionárias que estiveram presentes nas nossas crises anteriores – as vivandeiras castelãs.  A elas, como sempre, se juntaram as vestais – corruptos que devem ser preservados – e a fonte de poder arbitrário necessária para a desestabilização do Estado democrático de direito e para a recondução das forças reacionárias ao comando do país por vias outras – anteriormente o poder militar, modernamente o judiciário.

    Luis Nassif pergunta quando terminará essa marcha da insensatez, a Folha se questiona sobre o término da indecência, e a resposta é a mesma para ambos: quando, com o fim do golpismo, restabelecermos o poder democrático no Brasil.

     

    PS: listas de adesão à marcha do processo civilizatório aguardam sua assinatura na Oficina de Concertos Gerais e Poesia.

    • Um desiderato impossível se utópico e já ocorrido, se pragmático

       

      Sergio Saraiva (terça-feira, 01/12/2015 às 16:54),

      Você trouxe um bom texto seu que só pelos gráficos já deveria ser transformado em post. Agora, não acho muito pertinente você se apoiar no post de Luis Nassif e no editorial da Folha de S. Paulo para expressar o seu desejo na última frase do seu comentário. Diz você:

      “Luis Nassif pergunta quando terminará essa marcha da insensatez, a Folha se questiona sobre o término da indecência, e a resposta é a mesma para ambos: quando, com o fim do golpismo, restabelecermos o poder democrático no Brasil”.

      Sua frase merece já de início uma observação que diz respeito ao que você entende por poder democrático. Se você não aceita o fisiologismo como algo inerente ao poder democrático em uma democracia representativa e você tem a pretensão de ver o poder democrático esterilizado de todos os males, asséptico, puro e atendendo plenamente o seu próprio significado: poder de todos, o que requereria uma sociedade plenamente igualitária, eu diria que isso nunca acontecerá.

      Agora se você chama por poder democrático o exercício da democracia representativa em um mundo capitalista mediante a força do Estado, instrumento imprescindível ao funcionamento do sistema capitalista, eu creio que você não precisa esperar, o poder democrático no Brasil já existe.

      Quanto a crítica que eu tenho ao editorial da Folha e a este post de Luis Nassif “A longa marcha nacional da insensatez” de terça-feira, 01/12/2015 às 00:32, para considera um pouco impertinente as suas considerações, eu a resumo da seguinte maneira.

      O editorial da Folha de S. Paulo viceja na crença infantil da superioridade da opinião pública e na necessidade coorporativa de dar mais relevância ao DataFolha. Tudo que a DataFolha gostaria é que fosse verdade a afirmação de que “governo bom o povo põe e governo ruim o povo tira” e que não houvesse eleição para que assim o levantamento de opinião da Data Folha pudesse imperar sozinho. Com o processo eleitoral existindo vê-se que ou é falsa a frase “governo bom o povo põe e governo ruim o povo tira” ou são falsas as acusações que se fazem aos governos que ganham as eleições. Não custa lembrar que a frase “governo bom o povo põe e governo ruim o povo tira” é frase dos próceres do PSDB que a difundiram para fundamentar a defesa que eles faziam do Parlamentarismo que era defendido exatamente para que o povo não pudesse escolher seu representante, pois quem menos crer nessa frase são os que a difundiram.

      E quanto a este post “A longa marcha nacional da insensatez”, de Luis Nassif, eu creio que o post merece o mesmo elogio que eu recebi por um trabalho escolar (Não me vexo de por vezes repetir esse elogio em algum comentário meu): “uma obra prima de tautologia, enriquecida de pérolas de truísmo”. E para não ficar só nisso Luis Nassif acrescentou ao texto, mas, vale reconhecer, sem o repetir, o bordão que ele assaca para satisfazer a gregos e troianos e que eu transcrevo a seguir:

      “Dilma Rousseff começar a governar”

      Como você que não explicitou o que você entende por “poder democrático”, Luis Nassif também não explicita o que ele entende pela afirmação de a presidenta “Dilma Rousseff começar a governar”. É claro que esmiuçar o significado de “começar a governar” é uma tarefa muito acima das forças dos comuns dos mortais. Mais que justo, portanto, que Luis Nassif não queira perder tempo nem qeira ficar ainda mais tautológico e cheio de truísmo. Vamos, entretanto, supor que se reúnam cem sábios e seja dada a cada um deles a tarefa de indicar uma ação que demonstrasse que a presidenta Dilma Rousseff começou a governar, sendo que cada um na infinita sabedoria de cada um deveria indicar uma só ação (Ou uma omissão), mas desde que ela não fosse indicada anteriormente. No fim haveria cem ações ou omissões e muito provavelmente todas elas já sendo executadas pela presidenta Dilma Rousseff.

      É claro que os cem sábios não poderiam ser escolhidos assim ao alvedrio de quem quer que seja. Isso me faz lembrar uma demonstração irrefutável apresentada por padre nos meus anos de científico no Colégio Santo Agostinho em Belo Horizonte: “os verdadeiramente sábios acreditam na existência”. Vá lá que, escolhidos ao bel-prazer, um dos sábios proponha a demissão do presidente do Banco Central do Brasil (Roberto São Paulo-SP 2015, que não é um sábio, mas por quem eu tenho a maior admiração, em comentário enviado terça-feira, 01/12/2015 às 01:51, aqui neste post e que se encontra, com 88 comentários, na segunda página, propõe essa substituição). Não digo que alguém que propõe algo com este conteúdo, que não tem fundamento na realidade, não seja verdadeiramente sábio, mas uma afirmação assim revela desconhecer a maneira quase perfeita e nunca dantes verificada no Brasil (Taxa de inflação com baixa variância, taxa de juro real mais baixas da história do Regime de Meta da Inflação) de condução da política monetária que se verificou nos últimos cinco anos.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 01/12/2015

  47. loucura ou insensatez?

    e viva a republica das bananas.onde a velha UDN, ou direita vassala e entreguista,  ressurge e produz estragos que inviabilizam o país, em nome de um sonho obsessivo de poder.adivinha quem vai pagar a conta?

  48. loucura ou insensatez?

    e viva a republica das bananas.onde a velha UDN, ou direita vassala e entreguista,  ressurge e produz estragos que inviabilizam o país, em nome de um sonho obsessivo de poder.adivinha quem vai pagar a conta?

  49. uma longa marcha de insensatez: 13 anos de lulismo

    1. não alterou a política econômica neoliberal;

    2. não desprivatizou o BC;

    3. não democratizou o Judiciário;

    4. não regulou a grande mídia;

    5. não puniu os crimes da ditadura;

    6. não desmilitarizou a polícia;

    7. não desmantelou o aparato repressivo;

    8. não alterou a Lei de Responsabilidade Fiscal;

    9. não tomou a iniciativa de proibir o financiamento empresarial de campanhas;

    10. não deixou de financiar com recursos públicos os oligopólios;

    11. não combateu os grande corruptores e a sonegação dos grande grupos empresariais;

    12. não gerou empregos acima de 1,5 SM;

    13. não fez a reforma agrária.

    o lulismo está morto. o novo pertence aos secundaristas de SP! a eles devemos nosso improvável futuro nestes tempos de genocídio, colapso, extermínio e caos.

    You see the old way wasn’t working

    so it’s on us to do

    what we gotta do, to survive

    .

    • O PT não está imune a crítica, mas o crítico nela se revela

       

      Arkx (terça-feira, 01/12/2015 às 17:57),

      Não se mede um governo só pelo que ele deixou de fazer. Há também que pensar naquilo que ele fez. Ainda assim, você pode enumerar em qualquer governo do seu ou contra o seu agrado milhares de coisas que o governante fez que não são do seu agrado.

      Enfim não temos como avaliar um governo com a precisão que muitos arvoram em possuir a capacidade para tal. O que fazemos é uma comparação, primeiro com a nossa ideologia e depois com uma possibilidade contrária. Dizemos que um governante é bom se ele se aproxima nas suas ações e omissões o que nossa ideologia considera como correto realizar ou deixar de realizar.

      Então, ao renegar o PT você acredita que a alternativa seja mais aceitável a sua ideologia. Para não correr risco você abraçou a causa dos estudantes secundaristas paulistas. Parodiando você na sua paródia do título do post de Luis Nassif, você optou por uma longa marcha de insensatez não apoiando o PT. A direita já está forte na Câmara dos Deputados. Se o PT não tiver um bom apoio em 2018, quando serão renovados os dois terços do Senado que são mais de esquerda do que o terço eleito no último pleito, o Congresso todo penderá para a direita. Seu voto é pouco, mas, em uma hora como promete ser as próximas eleições presidenciais, abraçar os estudantes secundaristas e deixar o PT só para lutar contra a direita, sob o argumento canhestro de que o PT é de direita, é ir muito além da ingenuidade.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 02/12/2015

  50. Todos são ladrões, a
    Todos são ladrões, a diferença é que uns roubam para encher seus bolsos, outros para se manterem no poder.

  51. O que pouca gente entende é

    O que pouca gente entende é que existe dois projetos no país, um que esta hoje no poder administrando a sua eternização no poder para (continuar) saquear (ando) o país e outro que quer tomar o poder para que ele seja o beneficiado do saque.

    Pulveriza isso em estados, prefeituras, ongs, sindicatos, “coletivos”,ou qualquer minoria “oprimida” “necessitada”, seja por qualquer desculpa para obter ganhos acima da sua própria produtividade.

    No Brasil ou você é pato ou malandro, pato é aquele que paga a conta do malandro, de uma certa forma uma variante do lumpesinato marxista, o pato não sabe e não se interessa em saber sobre a sua condição de explorado pelos malandros.

    Patos do Brasil univos.

     

    • Melhor é desejar que os seus disparates sejam só retórica

       

      Aliancaliberal (terça-feira, 01/12/2015 às 18:54),

      Uma das maneiras do malandro enganar o pato e se passar pelo pato.

      Não tenho nenhuma admiração pela doutrina liberal, mas a perda sempre existe quando um ser humano deixa de o ser para se transformar em pato. Ainda assim, na hipótese de que os seus disparates não sejam só retórica, eu prefiro acreditar que você não esteja fingindo ser um pato.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 01/12/2015

    • Propriedade privada

      Esqueceu de incluir empresas industriais, de serviços e financeiras no saque. A livre iniciativa no Brasil se inscreve na coluna dos malandros.

  52. Vou arriscar: 1 – Enquanto
    Vou arriscar: 1 – Enquanto Dilma estiver no governo e o PT em Minas Gerais, na condição de Estado-chave; 2 – Cunha tá fora! 3 – deixará todos encaminhados; 4 – menor que zero. Aliás próximo do que tem sido. 5 – TODO O TEMPO DO MUNDO. 6 – A ordem é prender Lula. O motivo? Se fabrica. 7 – Isso não importa. desde que todos continuem a rezar na cartilha “do bem”. 8 – Só Deus sabe. Em primeiro, se sair com a Dilma não vai mudar absolutamente nada, por que continuará o processo de asfixia; e se tirarem a Dilma, vão raspar o tacho, do mesmo jeito que fizeram na época da privataria; depois de chupado o rolete de cana, cuspirão o bagaço. 9 – Quebradeira geral, que é como “Os Donos do Poder” querem; 10 – Zero! Salvo um grande milagre, o governo, que nem começou, acabou!

  53. Desalento

    Assistimos uma batalha de dois exércitos batidos. O governo desmoralizado o congresso e a oposição esfacelados e a justiça comprometida.Ninguém vencerá, todos perderemos. Não seria a hora de levantarmos a bandeira branca e pensar no mal que essa luta insana traz ao país? Se a crise política for contornada, os investimentos voltarão, a confiança será lentamente retomada e a perda diminuída. O bom senso deve prevalecer, perderá o que pagar para ver…

  54. toda marcha eh insensata.

    Por não ser canalizada por caminhos democráticos e de direito.

    Tão longa marcha quanto Dilma governa

    A marcha terá dois caminhos:

    . Por um líder ou pseudolider colocando os brasileiros na rua.

    . Uma reação social, popular espontânea, persiste genérica contra uma ação politica Federal ou estadual como junho 2013.

    Ai sim verá o que o confronto dos desgovernos, governabilidade, justiça e políticos/partidos e a sociedade terão a dizer!

    O resto é a democracia do adultério!

    Vamos é para a rua ou eleição!

  55. 1 – Corrigir os projetos de

    1 – Corrigir os projetos de leis com motivações erradas.

    2 – O pivô do mercado financeiro (e do terceiro turno) sair de cena e deixar o governo construir outra realidade.

    3 – Desarticular a jurisdição do mapa do Golpe de Estado.

    4 – O Banco Central desarmar a bomba-relógio das taxas de juros,

    5 – Obstruir as críticas dos partidos de oposição que lutam contra o país (nem sempre o crítico é um traidor, mas todo traidor é um crítico).

    6 – A mídia não fazer mais promoção motivacional da inflação, recessão e crise (a propaganda delas)

     

     

  56. A crítica à frase de Carmen Lúcia faz este post superior

     

    Luis Nassif,

    No comentário que enviei ontem, terça-feira, 01/12/2015 às 23:24 para junto do comentário de Sergio Saraiva também enviado ontem, mas um pouco mais cedo, às 16:54, aqui neste seu post “A longa marcha nacional da insensatez” de também terça-feira, 01/12/2015 às 00:32, eu cometi uma injustiça com seu texto ao dizer que ele era “uma obra prima de tautologia enriquecido com pérolas de truísmo”. Com frequência eu faço uso dessa frase que copiei de uma crítica que um professor me fizera há muito tempo.

    Bem, então aproveito aqui para fazer uma correção. A sua crítica à ministra Carmen Lúcia é muito boa. Não sei se destempero seja o termo correto para a frase da ministra Carmen Lúcia transcrita a seguir:

    “Primeiro, se acreditou que a esperança venceu o medo. No mensalão, se viu que o cinismo venceu o medo. E, agora, que o escárnio venceu o cinismo”.

    Destempero no sentido de frase sem tempero até que não é ruim, mas não sei se cabe dizer que a frase é um despautério, como seria outro significado para Destempero. Reconheço que como sou livre para, vez em quando, o acusar de cometer um despautério ou um disparate, não há nenhum desdouro em você lançar acusação semelhante aos dizeres da ministra Carmen Lúcia. Há mesmo certo destemor que cabe bem a um jornalista. É preciso, entretanto, ser mais fiel a informação que ao exercício livre da atividade jornalística. Como blogueiro comentarista sem ser jornalista eu sou mais livre que você jornalista e dono do blog. Você é um tanto prisioneiro do seu ofício.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 02/12/2015

  57. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome