A melhora do fluxo comercial com os EUA, por Luis Nassif

Na composição do saldo, nos 12 meses até março, os EUA registram o maior déficit, ao lado da Rússia.

Agência Xinhua

Melhorou o movimento do comércio entre Brasil e Estados Unidos. A participação das exportações aos EUA em relação ao total aumentou de 10,1% para 11,15%, no acumulado de 12 meses até março de 2022 em relação a 12 meses antes.

Houve aumento também da participação das importações dos EUA, que saltaram de 16,59% para 18,44%. O mesmo ocorreu com o fluxo de comércio, que passou de 12,85% para 14,34%.

Mesmo assim, foi o país que mais contribuiu negativamente para o saldo comercial brasileira, no acumulado de 12 meses em relação ao ano passado.

Na composição do saldo, nos 12 meses até março, os EUA registram o maior déficit, ao lado da Rússia.

O fluxo de comércio com os EUA melhorou um pouco, em relação ao saldo da China.

No entanto, as exportações brasileiras aumentaram 47,8% no acumulado de 12 meses, em relação ao período anterior. Foi um aumento de US$ 833 milhões, dos quais US$ 266 milhões deveram-se a ferro e aços básicos e 195 milhões a petróleo bruto.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José de Almeida Bispo

- 2022-04-19 07:41:09

É a colônia voltando às suas totais limitações de colônia: mandando seu petróleo para a "metrópole" para receber pela hora da morte os derivados. Só isso. NINGUÉM RESPEITA A QUEM SE NÃO DÁ AO RESPEITO. (Perdão pela caixa alta)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador