A minha despedida de Luís Roberto Barroso

É a última vez que critico o Ministro Luís Roberto Barroso, e por uma razão bastante objetiva.

Até então, minha indignação com ele era devido ao fato de aparentar ser uma referência em direitos civilizatórios (termo, aliás, que ele gosta de utilizar). Quem tem essa dimensão, tem que ter uma responsabilidade correspondente.

Mas, à medida em que o tempo passa, fica claro meu erro de avaliação: o Ministro Luís Roberto Barroso é apenas um Ayres Brito ao creme brulle.

Os grandes humanistas – os agentes “civilizatórios”, como gosta de apregoar Barroso – sempre conseguiram enxergar o outro como expressão de toda a humanidade. Seriam capazes de se indignar com reformas que condenam idosos pobres à morte antecipada, que tiram direitos de pessoas com deficiência, que abrem mão da universalização da educação, que reduzem o acesso dos mais pobres à universidade.

Por outro lado, os verdadeiros estadistas enxergam nas políticas públicas o modo de garantir a coesão social, criar um país próspero e justo, através do aproveitamento das potencialidades de toda a população, com a universalização de oportunidades.

O humanismo seletivo, que não consegue olhar além do seu meio social, é próprio do humanismo de boutique, que trata os grandes valores civilizatórios apenas como um modismo, o deslumbramento de brilhar em um salão, desfilando como “moderno”, do mesmo modo que anunciam o último filme da moda, ou passam dicas sobre o último livro da temporada.

Minhas desculpas, então, ao Ministro Barroso, por exigir dele algo que estava a léguas de distância de sua verdadeira dimensão como homem público. Barroso está despedido de minha relação de implicâncias. Entre outros motivos por não passar de um intelectual do eixo Rio-Miami.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A privatização tornou-se a cloroquina do setor elétrico, por Luis Nassif

106 comentários

      • Saturno brincando com o ensino público

        Saturno brincando de humanismo

         

        Seções CRISE NO RIO DE JANEIRO

        Ex-aluno da UERJ, ministro do STF quer debate sobre financiamento

        Barroso defende em artigo que se pense em novas fórmulas para sustentar as universidades públicas

        OtrosLoginLoginImprimirRio de Janeiro 23 JAN 2017 – 15:51 BRST

        A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) gaba-se de ter entre seus ex-alunos figuras ilustres como o ex-diretor do Inca (Instituto do Câncer), Marcos Moraes, o ex-ministro do Tribunal Supremo, Joaquim Barbosa, e um dos atuais ministros Luiz Fux, mas um deles trouxe à tona às vozes de quem defende a privatização do ensino superior no Brasil. O ministro do STF Luís Roberto Barrosoconvidou, em um artigo publicado no jornal O Globo no final de semana passado, a pensar em novas fórmulas para sustentar as universidades públicas. O artigo surge em um momento em que a UERJ enfrenta sua mais dura crise e acusa o Governo de “forçar” seu fechamento.

        Ministro do STF Roberto Barroso NELSON JR STF

        MAIS INFORMAÇÕES

        Crivella toma posse no Rio e marca o lema dos novos prefeitos: “É proibido gastar”“Ou almoço ou jantar”, a escolha dos servidores públicos do RioRio de Janeiro, da euforia à depressão

        “A crise da UERJ revela não apenas a falência do Estado do Rio, mas também de um modelo de financiamento da universidade do Brasil” afirmava Barroso. “Precisamos conceber uma universidade pública nos seus propósitos, mas autossuficiente no seu financiamento”, explicava Barroso, inspirado no modelo norte-americano, capaz de atrair filantropia e doações dos ex-alunos. “O Orçamento público tem que ser, prioritariamente, para ensino fundamental é médio”, continuava.

        A opinião de Barroso causou polêmica e foi atacado nas redes sociais por alunos e professores. Tampouco caiu bem na reitoria. “Se há um projeto deliberado de desmonte da Universidade pública a gente não sabe, mas hoje voltou a discussão de como o Estado deve financiar o ensino superior. Mas devemos ter em conta que no Brasil, o ensino superior já e na sua maioria privatizado. É fundamental garantir que a camada de população mais pobre tenha acesso. Se acabarmos com as poucas instituições de ensino públicas, só teremos ricos nas faculdades”, lamenta o reitor de pós-graduação e pesquisa, Egberto Gaspar de Moura.

        ADVERTISING

        “Com a crise começaram a se ouvir questionamentos sobre se vale a pena manter a universidade neste formato, sem cobrança ao aluno. A imagem que a UERJ pode passar é de que é um lugar para pessoas privilegiadas, mas se passasse a cobrar mensalidade, muita gente não conseguiria continuar estudando aqui. Não sou a favor da privatização dos recursos da UERJ, mas sim acho que devemos aproveitar essa crise repensar nossa relação com a sociedade, demonstrar quanto somos importantes”, afirma Maurício Santoro, chefe de departamento de Relações Internacionais da UERJ e professor também de outras instituições privadas.

         

      • Nem contra isso ele se

        Nem contra isso ele se levantou.  No Brasil a ingratidão virou regra. Nos EUA a pessoa paga uma grana preta para estudar nas melhores universidades,  quando alcança sucesso na carreira sempre retorna as universidades com vultosas doações em espécie  ou de outra forma.  Aqui o cara só ou finge que não é com ele.

  1. Alguém para admirar ?!

    Quando ele assumiu no STF também tive a ilusão de que era alguém para se admirar. Principalmente naquele âmbito. “Oba!! Até que enfim etc e tal… ” . Foi mais um engano, mais uma decepção, como se viu a seguir, que serviu para encher o “pote de até aqui de mágoa”.

  2. Enxergar o outro como expressão de todos

    Ainda que sem direito vou comentar.

    Nunca vi alguem definir humanismo com tanta propriedade.

    Chega a ser comovente.

    Parabens!!!

  3. Nassif é um dos poucos

    Nassif é um dos poucos jornalistas de primeiro time que se desculpam com o seu leitor por uma avaliação errada sobre uma personalidade pública. Me lembro de três = Serra, Aécio e agora Luis Roberto. 

    Muito legal agora a arte que ilustra os posts. O GoArt é um coletivo ou tem um artista responsável? 

  4. O Borroso tem uma vantagem –

    O Borroso tem uma vantagem – e importante – sobre o Ayres = que eu sabe, Borroso não é metido a poeta (rs). Aliás, é um páreo duro saber quem é o ‘melhor’ pueta = Brito ou Temer. É pior do que ouvir baile funk durante toda a noite. Aliás, no inferno de sartre na peça entre 4 paredes, se eu fosse diretor, colocava, no climax, alguém recitando poemas desses dois poetas rss

  5. Falsário ideológico

    Valeu Nassif !

    Penso o mesmo. Achei que ao enfrentar o Batmam Barbosa ele seria minha identidade no STF. Porra nehuma , quer receber o seu no fim do mês e que se danem os outros que o pagam, nós os otátios .

    Podia salvar o país, mas preferiu entar para a história como um covarde ideológico- que precisa ser instigado para agir. Babacas, ele, o Teori, Carmém Lucia, o falastrão prepotemde M.A. Melo, e aquele que ficou puto com o Lula ter chamado o STF de omisso em gravação não autorizada e que depois amarelou para o Moreira do Temer. Amarelou e TODOS, TODOS tem medo do Gilmar Mendes, que manda e desmanda  no país ….e estes ficam a ver por não serem instigados.

    O Brasil não merece estes  CONSTITUCIONALISTAS, argh !

  6. Barroso e Alice no país das maravilhas…
    Assim como o nobre articulista, milhares de brasileiros se decepcionaram com o pop star Barroso. Possuidor de uma retórica fácil, um discurso “marketoso”, mas com atuação deprimente e covarde.
    Dizem as más línguas, estar o supremo ministro refém de suas preferências de alcova, que são distantes da ortodoxia. Com a rede de espionagem montada para destruir reputações desde Carlinhos Cachoeira e “caneta”, além da NSA e congêneres agindo livremente em terras brasilis, ou se afina ou vai para o saco.

    • “Refém de suas preferências

      “Refém de suas preferências de alcova”???

      Não é que eu sempre desconfiei disso? Nada contra (nem a favor), pois é de foro íntimo…

  7. Ave, Baltazar Gracián, in Arte da Prudência!…

    Aforismo 157:

    Não se enganar com as pessoas:

    é a pior e mais frequente maneira de ser ludibriado. Melhor ser enganado no preço do que na mercadoria. Nada exige um exame mais cuidadoso. Há grande diferença entre entender as coisas e conhecer as pessoas, e é uma grande arte conhecer os temperamentos e perceber as diferenças de humor. A natureza humana deve ser estudada com tanto cuidado quanto os livros.

     

     

  8. Barroso e Brito
    Tanto o Barroso como o Brito trocaram a biografia pelo reconhecimento da opinião pública bancada pela mídia por defenderem os interesses desta. Preferiram o reconhecimento da turba via palestras bem remuneradas a defender o que sempre apregoaram. Pareciam referências, mas sucumbiram a vaidade.

  9. E o cara não me enganou

    E o cara não me enganou também! É esse otimismo imperdoável que carregamos frente à tantas vississitudes, e que nos leva a crer no primeiro discurso enganador, desarmados que somos frente às urdiduras que nos cercam.

  10. *

    É isso aí Nassif, bola pra frente por que não dá para desperdiçar neurônios com esse sujeito. Até pq ele é apenas a perfumaria do golpe, serve para desviar o foco da hecatombe que os golpistas mais importantes estão proporcionando. São nesses que se deve centrar fogo para que a luta seja mais eficiente.

  11. Quem leu o discurso dele como

    Quem leu o discurso dele como paraninfo de uma turma de direito de uns anos atrás nunca diria que iria se bandear de tal forma para o time da barbárie que ele tanto contrapõe à civilização. Grande engano o nosso!

     

  12. Ricardo Lewandovsky

    Ricardo Lewandovsky é um outro com ares de civilizado, mas que demonstrou todo o medievalismo da elite brasileira em fazer pose de republicano enquanto havia um golpe em trânsito. Deveria ter tirado a toga e jogado para o plenário e dito que não participaria daquela farsa. 

    • A lenga lenga do “festejado”

      A lenga lenga do “festejado” só enganou quem quis ser enganado,

      o mesmo digo dos politicos medíocres empolados dos tucanos, ninguem se salva ali, ninguem, e põe tambem os tais estudiosos do partido, é um restolho de dar dó, e se o país voltar a estar inteiramente nas mãos dessa gente, que Deus nos ajude……

  13. essa turma do STF tem me mostrado cada coisa…

    mais dolorosa delas foi a incapacidade ou inutilidade da certeza…………………………era golpe

    outra foi ter me impregnado a dúvida se em algum dia de qualquer época tiveram e atuaram com justiça, métodos e fundamentos, e não apenas como meros objetos da política

    quando a certeza perde a serventia, o que fica, não duvide, é podridão

  14. Sinceramente “seo”

    Sinceramente “seo” Nassif,

     nesse stf mediocre só tem um que manda e desmanda, nem a atual presidentA, apita alguma coisa, só tem um que fala e outros que abaixam a cabeça………..

     

  15. Minha despedida de Luis Roberto Barroso
    E pensar que Barroso passou a vida inteira como servidor público de carreira. Lecionou anos a fio na UERJ, essa em prol da qual não levanta um ato em defesa e, pior, pública escritos sugerindo a sua mercantilização. Quem te viu, quem te vê, ministro! O poder, dizem alguns, não corrompe, antes, revela!

  16. Concluindo Nassif,Barroso é
    Concluindo Nassif,Barroso é um filho ingrato da universidade pública gratuita,esse fdp (Nassif não pode escrever isso mas eu posso)arribaa Brasil !!

  17. tudo isso que está

    tudo isso que está acontecendo no Brasil, parece-me que só tem duas explicações: muita propina nem tão por baixo dos panos mais ou uma metralhadora apontada para a cabeça vindo dos irmão do norte. Para defender o indefensável não tem explicações racionais plausíveis.

    • mz

      Concordo c/ vc. Somente eles tem a grana suficiente p/ comprar tantas cabeças em todo o judiciário, legislativo e até executivos nos governos estaduais e federal no  Brasil.

      Não tem explicação plausível para o PSB, PDS PTB, PDT jogarem na lama toda a história de seus partidos. Até quem se julgava “os mocinhos bonitos e honestos do país (o que jamais acreditei) se chafurdassem tanto.

      Patriotismo, humanismo ? onde estarão, nestas alturas ?

       

  18. O próximo passo, Nassif, é
    O próximo passo, Nassif, é reconhecer que o aparelho do Estado, tal como hoje está concebido, nesse país, é atender ao interesse privado.
    Quando os jornalistas independentes desse país gritarem, em uníssono, essa verdade simples e inequívoca, ao menos a consciência cívica que ainda resta em nós terá uma esperança de redenção.
    Fora disso, esqueçam.

  19. É um Dandi, pernóstico

    Eu roguei uma praga que ele tivesse que sentar ao lado daquele que tenho a convicção planejou e talvez até tenha executado pessoalmente a morte do Teori…vi uma foto essa semana e minha praga funcionou…..NÃO PASSA DE UM PERNÓSTICO FUNCIONÁRIO DA #GloboGolpista

  20. Despedida do Barroso e do STF
    Nassif,

    Concordo inteiramente contigo. Mas me disperso não só do Barroso mas também de TODO o STF.

    Depois de colocarmos para fora todos esses GOLPISTAs o passo seguinte será trocar todo o STF e realizar uma Profunda Reforma Política.

    O país não aguenta mais este estado de coisas.

    Isto é minha opinião.

    Chega !!!!

  21. Luís Roberto Barroso,

    sujeito medíocre, decorador de frases prontas que utilizou esse bordel que é STF para sair do anonimato.

  22. Caro Nassif, boa tarde. Quero

    Caro Nassif, boa tarde. Quero lhe informar, com minha total ignorância, que a condição sine quae non para se membro da corte suprema deste país, até a presente data, é ser medíocre, jamais ter visão alguma de estadista.

    E sabe o que mais doi? saber que temos milhões de juristas altamente competentes e com todas as qualidades para dar um up-grade definitivo nessa casa guardiã da Constituição, mas a era petista não sabia que cabia ao governo federal nomear essas pessoas, deixou tudo para meia duzia de lobistas da área.

  23. Nassif se enganou com o

    Nassif se enganou com o Barroso, porque não conhece o pernosticismo da “elite” jurídica de nosso país.  Ouço dizer que não escapa um. Juntando todos e espremendo bem, se sair um sumo azedo e escasso, é lucro. A densidade é de uma espuma e o pé é de barro.

  24. Nassif
    Agradeço mais uma vez

    Nassif

    Agradeço mais uma vez o espaço..

    Até hoje não entendi aquela análise diária, no fim do pregão, sobre dólar e bolsa.

    Por que logo após a derrubada de Dilma ela desapareceu do GGN.

    Quem a patrocinou? Fazia parte do cerco à Presidenta?

    Quanto ao janotinha Barroso, Jessé Souza vê o grosso de nossa intelectualidade cooptada pelos ricos, “pelo mercado”…

    Tamô ferrado, mesmo, Nassif! Os pensadores seguem bovinamente os ricos? E a culpa é sempre do povão, né? 

    Ricos daqui e dotôris são piores que traidores. São covardes, são desumanos!

    Será para eles que existe o Paredón?

  25. Sujeitos que vem de uma

    Sujeitos que vem de uma classe em que seus membros gostam de ser chamados de doutores sem o serem, excelências e outros títulos pomposos mais, esperar o que? Se não tipos de idéias medíocres e comportamentos medievais.

  26. Lewandowski
    Lewandowski eu tinha na conta como voce Nassif.Mas ja vi que neste mundinho brasuca de concursos publicos para a justiça todos são frutos da tal e tão falada ultimamente meritocracia da nossa classe merda.

  27. Ele me lembra o Ringo, um

    Ele me lembra o Ringo, um cachorrinho que minhas irmãs treinaram e era uma farra, fazia direitinho tudo o que a gente pedia. Uma graça! Nassif, com essa você também desmoraliza quem trabalha com nomes para pessoas, Nassif e Barroso são Luises, mas, com tantas diferenças, não é?

  28. Um Judiciário monárquico

    O Poder Judiciário, no Brasil, por conferir vitaliciedade aos juízes, nada mais é do que uma instituição monárquica na estrutura do que deveria ser uma República. Esse paradoxo está nos custando a destruição do país.

    • Nada a ver.

      As monarquias parlamentaristas estão muito bem entre as nações mais honestas do mundo nos índices da Transparência Internacional. O único cargo vitalício, apartidário e hereditário numa monarquia parlamentarista é a do Chefe de Estado, justamente para ele unir o País e preservar a tradição e simbolizar a união nacional, algo que um presidente partidário não faz, ficando o cargo de primeiro-ministro para governar a Nação através do voto. Nossos juízes em nada se parecem com esses Chefes de Estado monárquicos, pois não são imparcias, pertencem a partidos ou por eles lutam, a exemplo de Gilmar Mendes e Moro,  e, por fim, nunca representaram a união nacional, ao contrário, colocam fogo para desunir a nação. Quem dera que o Brasil fosse uma apaziguada e desenvolvida monarquia parlamentarista tal qual o Japão, Inglaterra, Noruega, Suécia, Nova Zelância, Holanda, Espanha, Bélgica e etc.

  29. Pra que gastar tanto chumbo em chimango magro?

    Pra mim esse Barroso é só mais um “brazileiro”, um desses habitantes deste país(?!) que vive do dinheiro público e tem o corpo aqui e a cabeça em Miami. Conheço milhares assim. Militares, “meritíssimos”, “excelências”, todos mamando na grande teta.

  30. Galeria dos hipócritas

    Aff !  Este é mais um que vai para a galeria dos hipócritras, àquela do golpe, que diz uma coisa e faz outra.

  31. Não os perdoe, PAI – eles sabem o que fazem!

    Estamos desprotegidos…

    Quando a justiça aceita o injusto como medida, a exceção se torna regra, ai entendemos que estamos ferrados!

    É cada um para si e Deus para todos.

    Por isso execuções sumárias começam a acontecer com maior frequência!

    Os criminosos responderão na mesma moeda – se a reflexão fizesse parte de suas vidas, eles não teriam escolhido o crime!

    Se importam conosco por que pagamos impostos e os impostos pagam seus estilos de vida!

    Farinha pouca, meu pirão primeiro – é assim que vamos!

    E se preparam para seguir o Paraguai no Golpe 2.0.

  32. Comentário.

    Que seja ele um homem menor, medíocre.

    Definitivamente, pergunto se ele está à altura daquilo que queremos.  Sei, é retórico.

    E estes que nos olham como alienígenas por querermos o fundamental?

     

  33. outra que me mostraram…

    quando nenhum se auto-regula, o todo é desorganizado

    mas o que mais me espanta é a cara de espanto que fazem quando qualquer um pede licença para acontecer

    a gente pensa que é para o todo poder se auto-regular, mas, que nada, o acréscimo que traz só se aplica nele mesmo

    se soubessem como é fácil calcular matematicamente o invisível, não seriam internamente tão visíveis

    • adorei o tema central, humanismo…

      tudo o que deveria ser eternamente essencial, e deixa de ser, me interessa……………………………….

      porque não sou da totalidade, das certezas documentadas, sou das partes esquecidas, dos livros pessoais, dos acontecimentos narrados por quem faz a história acontecer de verdade e ser transmitida de mãe, de pai, para filhos e filhas

    • Companheiro Antonio,vou

      Companheiro Antonio,vou prestar uma informação de utilidade publica.O Papai,um intelectual no seu estado mais puro,também era Professor de Portugues de gala.Fui aluno dele em salas de aula.Ele subia nas tamancas quando algum aluno desavisado fazia ver que tinha “decorado” alguma coisa.Isso não existe meu filho.Decorar é outra coisa completamente diferente do que você está pensando,reclamava ele.A palavra correta meu filho é “memorizar”.Decorar não tem nada a ver.Ninguem falava “decorar” mais de um vez na frente da invulgar inteligencia do sertão da Bahia.É imensa a falta que ele me faz.

      • Os cadastrados e cadastradas
        Os cadastrados e cadastradas daqui entendem que “decorar” e “memorizar” são a mesma coisa.O Papai me ensinou que são palavras completamente distintas.Quem adotava o estilo decoreba,ele os classificavam como analfabetos.Enquanto vocês decoram eu memorizo,e dou de pau vosmeces.

  34. Está ai um motivos que os
    Está ai um motivos que os cadastrados daqui implicam comigo,da mesma forma que Nassif diz implicar com o Ministro Barroso.Sou um intelectual esquerdista humanista,mas nem em sonho chego perto da avaliação do Prof.Boaventura de Souza Santos,o mais brilhante cientista político da atualidade,quando detecta que o maior problema da esquerda latino-americana é seu ego,de fazer inveja ao Oceano Pacífico.Disse em um dos meus comentários,que a peitica Luís X Luiz não se baseava em um suposto iluminismo que era atribuído ao Ministro Barroso,que desapareceu nas Sombras do Vulcão de um Golpe de Estado.Aos meus olhos e de posse da minha intelectualidade,jamais vi na figura do Ministro Barroso qualquer traço de luminosidade.É o chamado enrrolao de frases de efeito.A comparação do Ministro Barroso com o ex Ayres de Brito,feita pelo Moreno de Poços, é de uma perfeição ímpar.Brito é um expertise em Literatura de Cordel.Barroso um expertise em Literatura de Cordel Barroca.Mesmo assim,ainda enxergo um ponto fora da curva,isto é,esse assunto não está completamente eluciidado.Mais um episódio em que honro as 5 estrelas do meu sobrenome e, me sinto recompensado de ter adentrado no Universo da Literatura Mundial aos 13 anos de idade.Nem todos teve o Papai que eu tive.

  35. Está ai um motivos que os
    Está ai um motivos que os cadastrados daqui implicam comigo,da mesma forma que Nassif diz implicar com o Ministro Barroso.Sou um intelectual esquerdista humanista,mas nem em sonho chego perto da avaliação do Prof.Boaventura de Souza Santos,o mais brilhante cientista político da atualidade,quando detecta que o maior problema da esquerda latino-americana é seu ego,de fazer inveja ao Oceano Pacífico.Disse em um dos meus comentários,que a peitica Luís X Luiz não se baseava em um suposto iluminismo que era atribuído ao Ministro Barroso,que desapareceu nas Sombras do Vulcão de um Golpe de Estado.Aos meus olhos e de posse da minha intelectualidade,jamais vi na figura do Ministro Barroso qualquer traço de luminosidade.É o chamado enrrolao de frases de efeito.A comparação do Ministro Barroso com o ex Ayres de Brito,feita pelo Moreno de Poços, é de uma perfeição ímpar.Brito é um expertise em Literatura de Cordel.Barroso um expertise em Literatura de Cordel Barroca.Mesmo assim,ainda enxergo um ponto fora da curva,isto é,esse assunto não está completamente eluciidado.Mais um episódio em que honro as 5 estrelas do meu sobrenome e, me sinto recompensado de ter adentrado no Universo da Literatura Mundial aos 13 anos de idade.Nem todos teve o Papai que eu tive.

    • Se o Moreno de Poços eu

      Se o Moreno de Poços eu fosse,destacaria o meu comentario,enveloparia,e remeteria ao Supremo Tribunal Federal,em atenção do Exmo.Sr.Ministro Dr.Luis Roberto Barroso.Eu duvido que ele não me desse 5 estrelas.De caso pensado,fiz até um de reserva.

  36. Enfim, temos então um Barroso

    Enfim, temos então um Barroso feito de barro. Sem espinha, sem consistência. Se desmancha nas intempéries e se molda em peças de pouco valor.

  37. Chamar esses “bundinhas” de

    Chamar esses “bundinhas” de intelectual é que é exagero. São só asseclas dos GOLPISTAS da GLOBOGOLPE. Não serv em para mais nada.  Até prova em contrário. 

  38. Este é o “Seo” Nassif.

    De minha autoria, viu Naldo kkkkkk. Porém , como não ligo p/ dinheiro não cobrarei royalties, nem te processarei.

    Mas o “Seo” Nassif é dimaisdaconta. Penso ser ele o único mineiro que nos orgulha, no momento.

    Parabéns conterrâneo !

  39. Seu problema Turco é ter um

    Seu problema Turco é ter um coração bondoso com as otoridades.Como dizer ser probo um bordel onde os cafetões e cafetinas das leis dizem não contrariar decisões de seus pares?Tudo bandido,olhe a história e verá que a suprema cortesã avalizou todos os golpes contra o Brasil.

  40. A minha despedida de Luís Roberto Barroso

    Caro Nassif, aprendi aqui no Sul do Brasil em que se diz que: “cachorro que come ovelha so matando”, então não tem jeito, ou seja não sobra mais nada – “esta tudo dominado”, os tres poderes nos trairam, assim so tem uma saida e certamente não sera o “Lulinha paz e amor”, infelizmente deixamos os sabujos e gendarmes IMPERIALISTAS armarem todo o GOLPE, e nos governados por uma Sra. defensora da DEMOCRACIA OCIDENTAL & REPUBLICANA, ficamos imobilizados como ovelhas – agora o loba faz a festa !!!

  41. Desde que começamos a

    Desde que começamos a discutir Justiça q cheguei a uma conclusão e disse aqui algumas vezes. Para ser Ministro em um poder como o Supremo Tribunal Federal, o candidato para  defender a constituição acima de tudo, não precisa ser o papa em Saber Jurídico, o grande saber fica por conta de uma banca de ” sábios ” q colocará ao seu dispor.  Esse cargo é para um Homem ou Mulher de fibra, bom senso, despreendimento, muita coragem e caráter, para conseguir carregar o peso dele sem se dobrar às pressões espúrias. Estão aí os sabidos pavões q todos exigiam. Floreiam sem corar, o assassinato da nossa constituição cidadã.

  42. Em 2012 afirmava: falta-lhe compromissos com ideais iluministas

    Nassif, meu caro, demorou!!!

    Em 2012, aqui no portal: http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/as-cotas-e-o-direito-de-ser-diferente – já denunciava o prof. Barroso – então aclamado candidato a Ministro do Supremo –  por sua falta de compromissos com os ideais iluministas – em especial com os ideais da centralidade republicana sintetizada na máxima da “todos nascem com iguais direito à vida, à liberdade e à igualdade” – contida na Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, a expressão máxima da revolução francesa, pois o então jurista emitiu um parecer a favor da segregação de direitos raciais – cotas raciais – e então ousava afirmar naquele artigo:

    ”  O festejado jurista LUIS ROBERTO BARROSO em alentado parecer a favor da segregação de direitos pelas cotas raciais, não encontrou outra convincente base constitucional nem razões na filosofia jurídica para justifica-las, que não fosse discutível, senão esse duvidoso direito ao reconhecimento de ser diferente que será ainda mais pernicioso se aplicado pelo estado pela consideração de diferença ´racial´ conforme tem sido empregado nas leis e políticas públicas no Brasil. Desde o fim da 2a guerra mundial, a luta contra o racismo estatal, impõe aos estados nacionais a abstenção em políticas públicas raciais.

           A despeito da decisão unânime do Supremo Tribunal, de abril passado, que veio impulsionar os defensores de políticas raciais segregadas continua valendo a expressão do sentimento nacional outorgda pelo povo consittuinte que está inscrito como uma cláusula de direitos humanos, portanto, não passível de emenda supressiva:

    no art. 19 da CF/88: “É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: …. III – criar distinções entre brasileiros ou preferências entre sí.      

           Ao contrário do que muitos pensam, esse é um debate que não terminou. Ele apenas começa. A unanimidade do plenário do STF, onde deveria imperar a sabedoria e o dever de honrar, cumprir e fazer cumprir a Carta Cidadã, apenas confirma a máxima de Nelson Rodrigues. Algum dia no futuro teremos uma composição da Corte Alta comprometida com os ditames expresssos na Carta que tem sido, reiterada e sistematicamente violada por seus membros que não receberam essa incumbência do constituinte originário: o povo. “

     

     

     

  43. Só a revolta popular muda

    Se uma coisa foi boa do televisionamento do STF foi ver um juiz em toda a sua expressão, digo, vê-lo em sua inteireza, mais do que num livro por exemplo. A palavra precisa estar num corpo para ser inteira. Eu não acredito mais em juízes como guardiães de qualquer processo civilizatório, eles olham com olhos de classe, não de onde vieram, mas do que pensam atingir através dos seus salários, de marajás, o que os colocam fora de suas realidades. Atendem aos poderosos, do qual são os únicos que podem salva-los no dia em que o povo questionar de verdade seus altos salários, em um País que gosta de fabricar miseráveis. 

  44. barroso

    Tive um sensação boa quando da sua chegada no STF enfrentando, com tranquilidade, o feroz JB. Mas depois vi que se tratava apenas de um Rolls Royce equipada com motor de um FIAT 147.

  45. Os Fatos e os Argumentos

    Nassif: sua “indignação” é só sua. Eu não a tive, sobre o referido ministro.

    É que você, como diz, esperava dele alguma coisa “objetiva”, digna de um membro da (antiga) Corte Suprema. Até concordo e acho justo. Eu, nada esperava dele.

    Não que o conhecesse ou desabonasse (quem sou eu?) sua atuação jurídica, até àquela altura. Aqui e ali, rápida leitura de artigos seus, dos menores.

    Porém, também aqui e ali, umas referências contrárias, como que alertando sobre “os pés de pavão” do dito cujo, o que sugeriam à minha intuição de receber com muita reserva a nomeação. E parece que não deu outra. Por isto, não vejo novidades em seu agir jurídico.

    Estou, inclusive, analisando essa deportação que autorizou da brasileira Cláudia Cristina Sobral (também chamada Claudia Hoering). Até porque o fato de acha-lo pequeno para o posto que ocupa, com óptica míope em seus julgados, não pode atrapalhar a análise deste particular, que mais parece fusão do processo de Olga Benário Prestes com o de Battisti.

    Se mesmo quando era Suprema a Corte errava, imagine agora que não passa de um mero Çu-premu (de frango?). E com figuras antológicas…

    Por isto sua indignação não é menor que minha tristeza ao constatar tal estado de coisas.

    • Oportunismo

      Cumpre lembrar que Barroso foi advogado de não outro que…

      – … Cesare Battisti!

      Oh!!

      Não sendo por necessidade financeira, terá feito isso para ficar “bem na fita” com o Persidente Lula, que concedeu o asilo a Battisti, e com a sua sucessora, dona da “caneta” que indica Ministro do STF??

      ¬¬

  46. Perfeito! E divertido ao

    Perfeito! E divertido ao mesmo tempo. Junt,o-me, sinceramente, ao coro dos desistentes que dão bye, bye, Barroso! Não há nada para esperar desse daí.

  47. Caros,
    Nosso problema é

    Caros,

    Nosso problema é acreditar nas pessoas, no ser humano. Apesar dos erros cometidos por nós, partimos de um princípio correto, mas teremos de pensar duas ou mais vezes antes de confiar em alguém. As experiências não tem sido felizes para nosso país.

    Tivemos expectativas positivas com relação ao ministro Fux. E sabemos o resultado! Depois apareceu o Luís Roberto Barroso que era constantemente convidado para os jornais da tv globo e quem aparece por lá é muito bem escolhido, ou não são mais “convidados”.

    Hoje, nosso país, e não só o Brasil, tem problemas graves com o sistema judiciário. O STF deveria “garantir” o cumprimento da Constituição. Entretanto não foi o que vimos essa e outras instituições fazerem. O PGR, Moro, procuradores, PF, estão unidos para implantar um Estado de Exceção, que viola a Constituição do país. E como você bem disse, são um punhado de funcionários públicos, sem voto e sem capacidade que procuram assumir a condução do país e para tanto o estão destruindo!

    Apresento abaixo um trecho da tese para o 6º Congresso do PT apresentada pela chapa Unidade pela Reconstrução do PT que aborda algumas questões sobre as ações do nosso sistema judiciário.

     

    https://militante.petista.org.br/2017/03/26/tese-nacional-ao-6o-congresso-do-pt/

     

    Da Ação Penal 470 à Lava-Jato

    Na realidade, o golpe foi construído desde a Ação Penal 470 (mensalão), 10 anos antes, a que o PT não respondeu. E construído não por “setores” do Judiciário, Procuradoria e PF, como se diz, mas pela condução da cúpula destas instituições, até obter, de fato, o alinhamento geral da classe dominante.

    A Operação Lava-Jato aprofundou o processo de ataque que visa ao PT e ao companheiro Lula, mesmo se inevitavelmente toque setores de classe dominante. Ninguém deve se confundir sobre o que está em jogo, que é a instalação de “regime de exceção”.

    Por outro lado, para o PT a raiz do problema aparecido nas denúncias, a questão de fundo pela qual a alta direção do partido tem responsabilidade política, é a sua adaptação ao padrão de financiamento das coligações eleitorais existente no país. Já foi fartamente demonstrado que o PT fez o que demais partidos institucionais das outras coligações fazem.

    Adaptação – tornada central por um processo criminal persecutório – que vem, por sua vez, da adaptação às instituições de representação herdadas, que deveriam ter sido reformadas numa Constituinte, mas com as quais se preferiu conviver ampliando alianças sem limite em coligações eleitorais.

    É o que a própria base do partido percebe como a “conciliação”, cujo ápice foi o “acordo nacional com o PMDB”. Seu desenlace de “traição” do PMDB era historicamente previsível (atitude padrão de setores da classe dominante que na ‘hora H’ seguem a maioria da sua classe; que outra coisa esperar de Temer, que como presidente da Câmara engavetou o projeto das 40hs de trabalho do deputado Vicentinho?).

    O co-governo com o PMDB e assemelhados, desgastou o partido na base social, afastou movimentos populares e prejudicou sua autonomia, com graves danos internos (ver ao final).

    Uma conclusão que se impõe, retornando aos fundamentos do PT, é a de governar apoiado nos trabalhadores e nas organizações populares, buscando aliados políticos, sim, mas identificados com explorados e os oprimidos, não a representação da classe dominante como tal.

    A hora é a da mais ampla unidade pela reconstrução do PT!

     

    • Pois é Veloso, mas o que

      Pois é Veloso, mas o que esperar quando há um Rui Falcão tomando conta? Todo o histórico que li desse senhor sempre indicou um carreirista e, no entanto, lá está ele, com as rédeas nas mãos. Os históricos são falsos ou o partido tornou-se pusilânime?

    • Pois é Veloso, mas o que

      Pois é Veloso, mas o que esperar quando há um Rui Falcão tomando conta? Todo o histórico que li desse senhor sempre indicou um carreirista e, no entanto, lá está ele, com as rédeas nas mãos. Os históricos são falsos ou o partido tornou-se pusilânime?

    • Companheira Ritinha,veja como

      Companheira Ritinha,veja como andam as coisas.Você escreveu um comentario com apenas uma linha e nove palavras,e disse o que o comentarista “Rommullus”,tenta explicar em pelos menos,1000 mil comentarios e 2000 mil gravuras,só as que eu vi.Até agora sem sucesso.Vivemos tempos sombrios minha querida,muitos sombrios.

    • Sim o PT cometeu vários erros

      Sim o PT cometeu vários erros e não teve mais grave que as indicações para o STF. Começando com Dirceu e a indefectível indicação de Fux… o  resto sem comentários. No judiciário não existe grandes nomes?

    • O ´iluminismo´ de vosso ´Mestre´ é falacioso…

      Rômulus,

      Vejo que teu conceito de ´iluminista´ emprestado ao Min. Barroso é tão defeituoso quanto o apreendido de vosso mestre.

      O jurista Barroso, ao conferir legitimidade à segregação de direitos em bases raciais – que não se equivale às boas políticas de Ações Afirmativas – vosso mestre negava a base nuclear do iluminismo e se entregava à obscuridade da tese do ´direito à diferença racial´, o que, d.v., renega a máxima iluminista: todo homem nasce com iguais direitos à vida, à liberdade e à igualdade.

      Oras meu caro, políticas de cotas raciais segregadas em bases ´raciais´, não encontra nenhum paralelo em qualquer pais que tenha adotado políticas públicas de Ações Afirmativas, nem mesmo nos EUA, não há lei alguma em que o estado outorgue direitos em bases raciais. O último país a edificar tais normas foi a África do Sul, logo após a 2a guerra mundial, e, a luta antirracista fez a ONU lhe impor pesadas sanções políticas e econômicas que resultou na destruição do estado do ´aphartheid´.

      O que fez o dr. Barroso foi emitir pareceres favoráveis às leis de segregação de direitos raciais, sob a falsa designação que seriam ´politicas afirmativas´.

      Eis vosso alinhamento ao pensamento não iluminista se não for obscurantista, de vosso ´mestre´: 

      “O Brasil a ser legado para as próximas gerações, incluindo os seus filhos, ainda me angustia muito.

      Mas o Sr. tem muito claro o seu papel como Ministro do STF. Por um lado, ser ousado e iluminista em temas que são unânimes entre a parcela humanista da sociedade, como casamento gay, interrupção de gravidez de anencéfalo, políticas afirmativas e outros tão relevantes quanto. Por outro lado, deve exercer a autocontenção no momento em que  a ordem constitucional de 1988 é completamente subvertida e ameaçada mesmo de implosão, quando o PGR resolve derrubar todo o sistema político da Nova República…”

      Espero que vc também reveja o que seja o iluminismo em especial para as vítimas do racismo que somos sabedores que direitos ´raciais´ implica na legitimação das teses dos ideais do racismo do século 18.

      No mais, teu artigo é deveras racional e emocionante, embora sem efeito algum sobre o Mestre que já antes de chegar ao STF se entregava a princípios filosóficos disntintos do que pregava, tal como, deixar de cumprir a Carta Magna que jurou defender e ensinou que devia ser o papel do Supremo, em razão que questões fáticas e políticas subjacentes.

      abç

      • Mal entendido

        Desculpe-me… creio que interpretei erradamente o seu primeiro comentário.

        (e desconfio que o Nassif tb)

        Para esclarecer:

        – Voce censurava o Min. Barroso por ser A FAVOR das cotas? Ou o contrário?

        Lendo este seu novo comentário e voltando ao seu anterior, concluo que você é contra a politica de cotas.

        É isso mesmo?

        • Em 2012 afirmava: sem compromissos com ideais iluministas

          Romulus,

          Ele, em 2010 e 2012, deu ´pareceres´ favoráveis às leis de segregação de direitos raciais – cotas raciais – sob falacioso argumento que são Ações Afirmativas que, de fato, não são.

          Agora vi que você relata que no inicio, o professor Barroso era contrário às tais leis que o Garotinho implantou na UERJ – também o Joaquim Barbosa – e depois ambos mudaram de posição para defende-las. A toda vista são políticas populistas e reacionárias, infelizmente, patrocinada pelas Foundacion´s norte-americanas, foram acolhidas também pelos partidos de esquerda e pelo ´movimento negro´ profissionalizado nas academias – carentes de uma clientela estável e rennovada a cada ano pelas cotas compulsórias, sem maiores debates e reflexões.

          A oposição às leis de segregação acabou ficando por conta de ativistas não orgânicos e, na política pelo DEM, por oportunismo, apenas pelo fato de ser oposição ao PT.

          A acusação que fiz ao jurista e as reafirmei agora, foi em razão da tardia constatação pelo Nassif dele não ser tão fiel às teses iluministas como se fazia crer.

          Como apontei isso, em 2012, antes de ser Ministro, considerei relevante dizer isso: não tem compromisso com tais ideais.

    • Seguem duas recomendações de leituras

       

      Romulus,

      Se você tiver tempo, eu recomendo duas leituras de matérias que eu já escrevi e que de certo modo ajudam na compreensão de mais um post de Luis Nassif sobre o Luis Roberto Barroso e também na compreensão do comentário de José Roberto Militão que você demorou a entender.

      Eu enviei dois comentários para Luis Nassif junto ao post “Xadrez da democracia e do neo-brasilianista Barroso” de quarta-feira, 29/03/2017 às 06:55, de autoria dele. O endereço do post “Xadrez da democracia e do neo-brasilianista Barroso” é:

      http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-da-democracia-e-do-neo-brasilianista-barroso

      No primeiro comentário enviado quarta-feira, 29/03/2017 às 13:36, eu disse o seguinte que acho importante ou pelo menos pertinente aqui neste post e também aqui neste meu comentário para você:

      “Além de retirar no título a referência a Luis Roberto Barroso, também avalio que não faz parte do post os poucos outros trechos em que você menciona o ministro do STF. Você deve ter lido o Romulus e se emulou em criticar também o Luis Roberto Barroso, mas como não tinha muito a criticar você fez um outro post e nele você colocou o que já havia escrito sobre o ministro. Ficou mal-ajambrado.”

      Os seus comentários aqui neste post “A minha despedida de Luis Roberto Barroso” de domingo, 02/04/2017 às 17:31, mostram que a minha referência a você, aparentemente aleatória não foi sem propósito.

      E ainda do primeiro comentário transcrevo também o último parágrafo que é a minha explicação para considerar despiciendo fazer críticas ao ministro Luis Roberto Barroso. Disse eu ao finalizar o comentário para Luis Nassif:

      “Enfim, post excelente que pecou sobremaneira pela relevância dada ao ministro do STF Luis Roberto Barroso a quem você, se compreendesse, ou melhor, se aceitasse a natureza medíocre (aqui no sentido de mediano) do ser humano, não daria tanta relevância. Reconheço que para quem vive a cata de estadistas ou como você dizia no passado recente à cata de Jatenes, aceitar a nossa mediocridade é mais difícil do que consertar a desigualdade brasileira.”

      Antes de Luis Roberto Barroso ser indicado ministro eu transcrevi aqui no blog de Luis Nassif ou talvez em Na Prática a Teoria é Outra (Blog de Celso Ribeiro Barros que ficou em letargia desde 2010 e de repente desapareceu em 2017) um texto dele (Luis Roberto Barroso) encaminhado ao Marvel Pereira sobre modelos de Tribunais Superiores em diversos países. Era um texto para ser publicado em jornal e não tinha nada de especial. Não é nenhum demérito juriosta fazer textos para jornais, ainda mais quando tenha caráter propedêutico, mas que fique claro, alguém que se mete a escrever na coluna do Merval Pereira não me merece nenhuma atenção. Enfim, além dos truísmos não considerei que aquela manifestação de Luis Roberto Barroso sobre as formas de indicações de ministros ao órgão superior de justiça em diversos países fosse ruim a ponto de que ele bem merecesse ser levado para o “rez de chaussée”.

      No segundo comentário que eu enviei para Luis Nassif, eu optei por fazer uma relação de posts que mereciam uma leitura mais atenta seja dos posts seja dos comentários, incluindo os meus. E do segundo comentário retiro o terceiro e o quarto parágrafos que complementam o que eu tinha a dizer sobre a indicação de Luis Roberto Barroso e os transcrevo a seguir (Editei apenas para deixar o texto mais fácil de compreensão):

      “O que predominou em meu comentário foi a intenção de criticar o destaque que você dá ao ministro Luis Roberto Barroso e [tanto minha crítica como] ele [Luis Roberto Cardoso] não têm relação com os itens 5 e 6. Em meu entendimento não há entre os ministros do STF nem agora nem antes nada [ou ninguém que possa ser considerado] de fenomenal que o fizesse superior aos demais tanto de agora como de antes. Assim em relação aos outros ministros do STF não considero Luis Roberto Barroso grande ou pequeno.

      Penso até que nem é bom que os indicados para o STF sejam o que de melhor exista no país no que diz respeito ao entendimento jurídico. Aliás expus essa minha concepção de modo rápido em comentário que enviei quarta-feira, 26/08/2015 às 13:36, para LACosta, junto a comentário dele enviado segunda-feira, 24/08/2015 às 16:36, lá no post “Constituição é contra impeachment de Dilma por fato do mandato anterior” de segunda-feira, 24/08/2015 às 14:57, aqui no seu blog contendo artigo de Lenio Luiz Streck “Constituição é contra impeachment de Dilma por fato do mandato anterior” publicado originalmente no Consultor Jurídico. O endereço do post “Constituição é contra impeachment de Dilma por fato do mandato anterior” é:

      http://jornalggn.com.br/noticia/constituicao-e-contra-impeachment-de-dilma-por-fato-do-mandato-anterior

      A primeira leitura que eu pretendia recomendar é a exposta acima além dos links que estão presentes lá nos comentários. E a segunda leitura diz respeito ao comentário de José Roberto Militão que você não entendeu de imediato e equivocadamente supôs que Luis Nassif também não entendera por elevar para o alto da página o comentário de José Roberto Militão. Que fique claro, Luis Nassif conhece José Roberto Militão de longas datas e sabe que José Roberto Militão é contra as cotas. O que ocorre é que Luis Nassif gosta de polêmica e sabe o quanto ela é importante para a sobrevivência do blog dele. Aliás, segundo o José Roberto Militão, o Luis Nassif sempre colocou em dúvida a política de cotas segundo a cor (pois raça é uma só) e que José Roberto Militão chama de política de segregação.

      Pois bem, indico então o post “A questão da escolha de Barbosa, por J. Roberto Militão” de quinta-feira, 19/06/20147 às 11:10, que foi publicado aqui no blog de Luis Nassif e que pode ser visto no seguinte endereço:

      http://jornalggn.com.br/noticia/a-questao-da-escolha-de-barbosa-por-j-roberto-militao

      A minha recomendação de leitura não é tanto pelo texto de José Roberto Militão, que ainda assim tem aqui neste contexto duas importantes serventias: primeiro faz menção a questão das cotas e assume uma postura crítica a elas e segundo possibilita rememorar a atuação como relator na Ação Penal 470 no STF do ex-ministro do STF Joaquim Benedito Barbosa Gomes.

      Faço uma leitura crítica não só das posições de José Roberto Militão, seja em relação às cotas seja em relação a Joaquim Benedito Barbosa Gomes, como também do entendimento que a maioria aqui no blog tem em especial sobre o julgamento da Ação Penal 470 e considero que vale a pena dar uma olhada nos argumentos que eu apresento nos comentários que enviei para José Roberto Militão.

      Em meus comentários há ainda links imperdíveis de que eu a muito custo consegui os endereços. O post mais importante de todos porque foi o pioneiro em apontar o novo entendimento do STF sobre o crime de corrupção é o de autoria de Jotavê, ou JV, ou João Vergílio Gallerani Cuter, professor de filosofia na USP e comentaristas nos blogs quando e onde lhe apraz. Aqui no blog de Luis Nassif, o post dele oriundo de um comentário recebeu o título “Lewandowski expõe hipocrisia dos “garantistas” do STF” de sexta-feira, 21/09/2012 às 19:44, sendo que o endereço do post é:

      http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/lewandowski-expoe-hipocrisia-dos-garantistas-do-stf?page=1

      Depois tentarei trazer textos mais recentes em que volto a levantar a particularidade do julgamento da Ação Penal 470 que transformou o crime de caixa dois em crime de corrupção quando o corrupto (vale também no caso da corrupção ativa) tem na sua esfera de atribuições poderes muitos amplos, como no caso de deputados e senadores.

      Este comentário acima sem algumas correções que fiz posteriormente e sem a informação sobre o post de João Vergílio Gallerani Cuter foi enviado ontem para você, mas não apareceu neste post “A minha despedida de Luís Roberto Barroso” de domingo, 02/04/2017 às 17:31, aqui no blog de Luis Nassif e de autoria dele. Pode ter havido erro de envio ou outro problema qualquer. Isso me deixou praticamente impossibilitado de vir aqui para acrescentar mais alguma informação complementar como eu havia prometido.

      Então em vez de deixar um comentário em acréscimo com a indicação de posts que eu recomendo a leitura, ou menciono dois posts em que eu mandei comentários abordando a falta de compreensão que houve por parte da esquerda em relação ao julgamento da Ação Penal 470. Um post é “Chico e Francisco: como Moro trata vazamentos contra Lula e Toffoli” de segunda-feira, 14/11/2016 às 17:17, e que pode ser visto no seguinte endereço:

      http://jornalggn.com.br/noticia/chico-e-francisco-como-moro-trata-vazamentos-contra-lula-e-toffoli

      O segundo post é “Moro segue investigando bens pessoais de Lula apreendidos em cofre” de terça-feira, 29/11/2016 às 15:14, produzido pelo Jornal GGN e que pode ser visto no seguinte endereço:

      http://jornalggn.com.br/noticia/moro-segue-investigando-bens-pessoais-de-lula-apreendidos-em-cofre

      No primeiro post “Chico e Francisco: como Moro trata vazamentos contra Lula e Toffoli”, eu discuto com o comentarista Rui Ribeiro que foi um dos poucos em que eu percebi ter compreendido o novo entendimento do STF sobre a corrupção. Vale ler tanto os dois comentários dele, um enviado terça-feira, 15/11/2016 às 14:39 e o outro enviado quarta-feira, 16/11/2016 às 09:31 junto ao meu enviado quarta-feira, 16/11/2016 às 00:12, como também ler o meu comentário e se tiver muito tempo disponível acompanhar alguns dos links que eu vou deixando pelo caminho.

      E no segundo post “Moro segue investigando bens pessoais de Lula apreendidos em cofre” eu chamo atenção para o comentário que eu enviei quarta-feira, 30/11/2016 às 00:36, para junto do comentário de JB Costa enviado terça-feira, 29/11/2016 às 16:40. Faço essa remissão ao segundo post em razão de JB Costa, sendo um frequentador do blog de Luis Nassif e que discutiu sobremaneira a Ação Penal 470 no STF, ainda não deu conta do novo entendimento da nossa Suprema Corte. Entendimento que eu considero como um grande avanço para que se possa dar um enfoque mais legalista a Administração Pública brasileira.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 04/04/2017

      • Barroso: cera fria na virilha

        Oi, Clever.

         

        Obrigado pelo extenso comentário.

        Nao o veria se nao tivesse voltado aqui por acaso…

        Como vc nao é um usuario cadastrado, nao sou notificado por email quando voce responde a um comentario meu… entao o “controle” fica um tanto aleatorio.

        Assim, em respeito à sua atençao, peço que vc me de um toque – quer como off topic na caixa de comentarios de qqr post do meu blog, quer por email – quando enviar comentarios dirigidos a mim.

        Do contrario, corremos o serio risco de nos desencontrarmos.

        Quanto ao Min. Barroso, creio que tanto eu como o Nassif venhamos a discordar de vc quanto à pertinencia ou nao de uma atençao “especial”.

        Como advogado e ex-aluno, posso te dizer que havia uma grande expectativa na comunidade juridica – estimulada pelo proprio – quanto ao dia em que “a profecia” seria realizada e “Barroso – o maior advogado constitucionalista da geraçao” chegaria ao STF, “para redençao geral do Direito brasileiro”.

        Bem Sebastianista mesmo, como o Brasil adora…

        A primeira tentativa “séria” dele de concorrer foi quando Ayres Britto acabou nomeado.

        Houve movimento – iniciado por proximos a ele – e tudo.

        Nao deu: Lula queria “um nordestino”.

        (imagina o que nao pensou internamente o “principe do constitucionalismo”, campeao da “meritocracia”…)

        Lembro em sala de ele agradecer o apoio de todos na campanha e observar – com falsidade palpavel – como era importante a “diversidade”… e a “riqueza” que era ter, a partir daquele momento, alguem no STF que chegava usando ditos como  “com o andar da carroça é que os cocos se ajeitam”, como fizera Ayres Britto em Brasilia.

        (quanta falsidade…)

        Como nao eh dificil de notar, o maior defeito de Barroso eh a vaidade extrema.

        Eh ela quem faz com que ele aquiesça ao golpe de Estado sim, mas diga, cinicamente, “Meu Deus, eh essa a nossa alternativa de poder?”.

        Ou seja:

        – Ele deixa o “bando” passar sim, mas faz questao de dizer que “nao faz parte dessa gente nao, senhor…”.

        Ora, pois mil vezes fico eu com “essa gente”, autêntica, no lugar dele, dissimulado:

        – Mesmo pq o resultado pratico, como vemos, eh o mesmo, nao?

        E ao menos ha menos tapeaçao…

        Por isso, penso sim ser valida toda a lembrança de que ele está no “bando” sim… malgrado todos os seus melhores eforços retóricos (ainda assim sofriveis) para tentar vender o contrário a incautos.

        Não cola, Barroso!

        E nos estaremos lá para ~descolar~ mais ainda…

        Que nem depiladora com cera fria na virilha!

        • Para mim, você erra sobre Barroso e reforço o pedido de leituras

           

          Romulus (quarta-feira, 05/04/2017 às 19:56),

          De antemão corrijo o título que eu dei a este meu comentário que se pudesse ser mais longo teria sido: “Para mim, você erra sobre Barroso e reforço as recomendações de leituras”.

          Grato pela resposta e mais ainda que você o respondeu mesmo sem que eu o tenha avisado de que tinha escrito um comentário para você. E você tem razão de querer ser avisado de comentário para você. Era minha intenção. O tempo escasso e minha tendência a prolixidade e o detalhismo impedem que eu faça as duas coisas ao mesmo tempo. Escrever o comentário e avisar. As vezes tento, mas estou sempre chegando atrasado. De qualquer modo, qualquer dia ou qualquer ano eu iria lá no seu blog só para avisar do meu comentário anterior para você.

          O meu interesse é do convencimento embora tenha o pressentimento que, salvo o professor no convencimento dos seus alunos, ninguém convence ninguém. No meu comentário anterior eu tinha dois objetivos. Primeiro convencê-lo que o seu entendimento sobre o ministro Luis Roberto Barroso estava equivocado. E o segundo era apresentar para você um modelo diferente de entender a Ação Penal 470 no STF.

          Eu considero equivocado a sua percepção do ministro Luis Roberto Barroso porque parto dos seguintes pressupostos: 1) não há o maior constitucionalista brasileiro; 2) todos os grandes constitucionalistas brasileiros são só isto: grandes constitucionalistas, principalmente para os seus alunos e assim existem no Brasil nas Universidades Federais e nas Universidades Católicas muitos grandes constitucionalistas e 3) Os grandes constitucionalistas brasileiros são maiores fora do STF do que dentro do STF (dai eu indicar em meu comentário anterior comentário meu para LACosta que enviei quarta-feira, 26/08/2015 às 13:36, junto a comentário dele enviado segunda-feira, 24/08/2015 às 16:36, lá no post “Constituição é contra impeachment de Dilma por fato do mandato anterior” de segunda-feira, 24/08/2015 às 14:57, aqui no blog de Luis Nassif contendo artigo de Lenio Luiz Streck “Constituição é contra impeachment de Dilma por fato do mandato anterior” publicado originalmente no Consultor Jurídico).

          Em meu comentário para LACosta eu avalio que não traria bons frutos a indicação de Lenio Luiz Streck, que eu considero grande constitucionalista, para o STF, pois a indicação dele iria apenas podar as percucientes análises que ele poderia fazer fora do STF.

          E os textos que eu indico sobre a Ação Penal 470 são imprescindíveis. E alguns que eu indiquei serviriam também para mais bem entender José Roberto Militão, embora você, quando eu tinha enviado o comentário, já o havia compreendido. De todo modo, vale a pena para quem tem formação em Direito e para quem interessa sobre a política brasileira entender o que juridicamente aconteceu no julgamento da Ação Penal 470 no STF.

          Fiz questão de fazer referência para o texto de João Vergílio Gallerani Cuter pelo fato de ele ser professor de filosofia na USP e também porque foi um texto que embora bastante lido poucos o entenderam e poucos também inteorizaram o que foi dito ali. Eu mesmo no início manifestei contrário ao que João Vergílio Gallerani Cuter. Só depois assistindo ao vídeo no You Tube com a exposição de Ricardo Enrique Lewandowski é que eu modifiquei meu entendimento. O línk para um dos vídeos com exposição de Ricardo Enrique Lewandowski e que está disponível no You Tube pode ser acessado nos posts para os quais eu recomendo a leitura.

          Clever Mendes de Oliveira

          BH, 06/04/2017

          • Comentário só para fazer duas correções

             

            Romulus (quarta-feira, 05/04/2017 às 19:56),

            Um tempo curto que me sobrou agora à tarde permite-me duas pequenas correções no meu comentário anterior. Nem era necessário fazer as correções porque o sentido ficou subentendido, mas as farei assim mesmo.

            A segunda frase no texto tem um “que você o respondeu” bem impreciso. O certo seria:

            “Grato pela resposta e mais ainda por você ter me respondido mesmo sem que eu o tenha avisado de que tinha escrito um comentário para você. . . .”

            E no parágrafo final o verbo interiorizar foi digitado errado e não precisava que João Vergílio Gallerani Cuter dissesse alguma coisa, mas ele precisava pelo menos dizer. Assim corrigindo esses dois lapsos as duas frases ficariam assim:

            “Fiz questão de fazer referência para o texto de João Vergílio Gallerani Cuter pelo fato de ele ser professor de filosofia na USP e também porque foi um texto que, embora bastante lido, poucos o entenderam e poucos também interiorizaram o que foi dito ali. Eu mesmo no início manifestei contrário ao que João Vergílio Gallerani Cuter diz”.

            Bem, eu tinha tempo para o avisar desse meu comentário, mas a mim mais bem pareceu corrigir primeiro e o avisar depois.

            Clever Mendes de Oliveira.

            BH, 06/04/2017

  48. Não foi só esse, mas todos os

    Não foi só esse, mas todos os ministros escolhidos pela dupla lula/dilma não horraram o lado que escolheram. Não é assim com a direita. Todo ministro nomeado pela direita fica até ao final do mandato servindo quem o nomeou. É assim em todo o mundo.

    A esquerda brasileira definitivamente não entendeu o jogo do poder e por isso estão amargando as piores consequencias…

  49. E foi nomeado pelo governo do

    E foi nomeado pelo governo do PT.

    Depois o PT não sabe porque foi defenestrado do poder.

    Penso que o STF atual, qanse todo nomeado pelo governo do PT não tem mais salvação. É horrível e deveria ser fechado.

  50. Não conseguirá.

    Nassif, você, embora queira, não conseguirá esquecer do barroso. Acontece que o stf depois do golpe entrou em um caminho complicado e a cada dia será obrigado a lhe deixar ainda mais bravo. Começou com o mensalão que era só um agradar a globo e atacar o pt. Depois o caso ficou mais sério e eles tiveram que impor um rito no processo que não tinha crime da Dilma. Totalmete inconstitucional mas para a felicidade da mídia e em quem (speak inglish) manda nela. 

    Parecia que aí, o “mercado” voltaria a ter confiança no país e tudo iria muito bem e o desastre seria esquecido.

    Mas… mas os burros foram à agua, e agora a globo e o mercado terão a cada dia uma nova demanda para ser atendida, uma exigência a mais, cada dia mais ilegal e grosseira, mas agora sem saída.

    Aceitaram o desaforo do renan, a prisão do acusado sem condenação final, a nomeação do ministro para fugir da justiça, aceitaram o gilmar como chief in command, tudo bem, depois o ministro indicado pelo reu indiciado, depois terão que cassar a Dilma e livrar o temer, aceitaram tudo de errado do juiz inimigo do réu, moro, etc, etc. E 2018, como impedir a eleição do LULA? Terão que inventar algo muito pior do que o desastre que fizeram até agora.

    Tudo indo para o buraco e o povo vendo que a única solução é o Lula. E eles sem ninguem. Ninguem. No máximo o gilmar para rei gilmar I e único.

    E o povo vendo esta desmoralização, sofrendo e vendo o país afundar e cada dia mais sem rumo e sem lei?

    Ou o stf anula o golpe ou vai ser. para ele, um desastre ainda mais colossal. Pior que para ele só para o país.

    E ai…?

    • Escolhas felizes possíveis.

      Entre as poucas escolhas felizes possíveis ao mandatário, que não tem o poder para mandar em nada, em meio às terras áridas de talentos e valores constituintes das castas judiciárias, o Barroso, junto com mais uns três ou quatro indicados, era um cara dotado de todas as qualificações exigíveis para o desempenho da função que deveria assumir com a nomeação. Não assumiu? Por que será que não o fez? A culpa é do Lula e da Dilma?

  51. Expressáo curta que define o atual golpe

    Bravo Nassif!

    “… intelectual do eixo Rio-Miami”.

    Em tempos de comunicação concisa a expressão mostra bem o que é a obra dos golpistas, sua mídia de suporte e todo o aparato institucional que o cerca.

    É preciso resistir à ação rastaquera dos usurpadores, seus apoiadores, arrazoadores omissos e intelectualóides.

  52. Nassif,você fechou o post
    Nassif,você fechou o post para comentários.Minha irrestrita solidariedade,conte comigo para no que entender necessário.Meu email está aí.

  53. Tempos tenebrosos onde o Judiciário persegue e cerceia

    Não estamos numa democracia, estamos numa ditadura midiático-jurídica, onde bandidos togados que estão nos cargos mais importantes do Judiciário partem para cima de pessoas  que lutam pelo desenvolvimento social do Brasil. Esse tal de Luís Barroso é daninho pois se veste de moderno e nada faz contra o  bandido togado (o que se encontra na calada da noite com outro bandido que usurpou o poder de uma mulher eleita pelo voto popular).

  54. O que me espanta é que esse

    O que me espanta é que esse Senhor é mais um da lista dos que foram indicados nos governos democráticos. Onde estava o PT que não ouvia o conjunto das correntes democráticas desse país. Como puderam fazer tudo isso ao país e não indicar ao menos UM para contrapor a ação do homem visivelmente partidário na suprema corte. Como tudo isso aconteceu e ninguém chamou a atenção. 

    • Ninguém chamou a atenção?

      Onde é que estavas tu, modesto cidadão, nas diversas ocasiões em que ministros foram indicados para o $TF, hein?

  55. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome