Joaquim Barbosa e Moro, as faces diferentes do punitivismo, por Luis Nassif

Se os excelsos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) quiserem conhecer a natureza real das delações premiadas, devem convidar delatores para uma audiência privada, sigilosa, para que relatem o ambiente da prisão de Curitiba e o papel dos procuradores – não apenas os de lá mas aqueles ligados à Procuradoria Geral da República.

O medo os mantêm calados, Mas, daqui a alguns anos, depois de cumpridas as penas, essas histórias virão à tona e mancharão definitivamente a imagem da Justiça nesse período.

Não se sabe se o fato de ter sido exposto na delação da JBS, mas o nome de Marcelo Miller sempre é citado como o batedor, o sujeito incumbido de espalhar o terror nos prisioneiros para induzí-los a delatar.

E não havia preferências. De criminosos óbvios e executivos sem nenhuma noção das ilegalidades cometidas, todos  recebiam o tratamento da tortura psicológica até abrir o bico para dizer o que os procuradores queriam que dissessem.

Havia as conversas preliminares, nas quais os procuradores infundiam terror, os anos de condenação a que estariam sujeitos.

Se o prisioneiro tivesse noção de direito e alegasse que sua atuação nada tinha de criminosa, era contestado. O procurador alegava mudança na jurisprudência, dizia que a Justiça sempre ficaria do lado da Lava Jato e apontava o vingador Sérgio Moro segurando a corda da giulhotina.

As condições eram as mesmas. Especialmente no caso da delação maciça da Odebrecht, a condição para uma delação favorável seria admitir que cometeu crime e, de alguma forma, envolver Lula.

Os peixes mais graúdos tinham outros caminhos, através dos advogados que integravam a milionária cadeia produtiva da indústria da delação.

Nenhum governante minimamente informado trata de dinheiro. Fernando Henrique Cardoso sabia dos financiamentos de campanha, assim como Lula, Fernando Collor e outros presidentes. Não há um caso sequer de presidente negociando propinas ou financiamentos. O caso mais explícito conhecido até agora é o do inacreditável Michel Temer indicando o seu caixa para Joesley Batista. Assim, os candidatos a delatores tinham que se virar ou fazendo afirmações inverossímeis, ou afirmações óbvias não acompanhadas de provas.

A pressão maior era sobre familiares. Se o prisioneiro tivesse uma empresa limitada e colocasse um filho como sócio – por exigência da legislação -, ainda que com participação irrisória, o procurador chantagearia, ameaçaria envolver o filho. Várias delações foram obtidas dessa maneira.

O juiz que entendia de medicina

Os exemplos desses tempos de terror não se esgotam na Lava Jato. Ainda há muito a se escrever sobre o período em que o espírito de Torquemada assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal, na figura de Joaquim Barbosa, na AP 470, do “mensalão”.

O sadismo de Joaquim Barbosa beirava o desequilíbrio. Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato exercem suas arbitrariedades friamente, têm método, sabem quando usar a mídia, sabem quando atender os advogados mais próximos, usam o terror para fins políticos explícitos, sempre de um olho na repercussão midiática.

Já Joaquim Barbosa não atuava por motivação política nem para atender à demanda de escândalos da mídia. Era pelo prazer, pelo orgasmo de infligir sofrimento, em uma revanche diuturna contra a vida. É o exemplo maior do espaço que a guerra midiática abriu para as figuras mais desequilibradas, da malandragem explícita do MBL, às personalidades mais sádicas do Judiciário.

O episódio mais emblemático envolveu a figura unanimemente reconhecida como a mais inocente, de José Genoíno.

Na condição de presidente do PT, Genoíno assinou contratos de empréstimo do partido com o Banco Rural. Até Ministros que votaram por sua condenação reconheceram que a assinatura foi de boa fé.

Condenado, remetido à papuda, Genoíno ficou sob a guarda do juiz Ademar Silva de Vasconcelos, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal. Barbosa o considerou condescendente demais e pressionou o presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, Dácio Vieira, para transferir o processo para o juiz substituto Bruno André Silva Ribeiro.

Leia também:  O Brasil dos 3 patetas não tem maneira de dar certo, por Luis Nassif

A atuação conjunta de Barbosa e Ribeiro é a repetição de movimentos psicológicos similares em torcidas de futebol ou no efeito-manada que une linchadores, a estranha solidariedade que junta personalidades desequilibradas em um ritual sádico.

Certa manhã, na Papuda, o médico José Ricardo Teixeira examinou Genoíno e notou alteração no seu eletrocardiograma. Genoíno havia sido transportado do Hospital Sirio Libanês para a Papuda, logo após uma cirurgia de alto risco.

Telefonou para a gerente da administração penitenciária, Larissa Feitosa, responsável pela Papuda, que imediatamente informou o Secretário de Saúde do Distrito Federal da necessidade de transferir Genoíno para um hospital, já que o presídio não tinha condições de atender a emergências cardíacas.

Estava a caminho da Papuda, quando o juiz Bruno lhe telefonou:

  • Que história é essa de encaminhar o Genoíno. Ele é o MEU preso!

  • Doutor, estou indo para lá para ver a situação dele.

E Bruno::

  • Pois eu também.

Chegando a Papuda, o juiz Bruno entrou na cela de Genoíno. No corredor, ficaram Larissa, o médico, o vice-diretor, os seguranças.

Bruno saiu da cela com o diagnóstico pronto:

  • Basta uma dieta.

E apregoou seus conhecimentos de medicina: tinha sido técnico em enfermagem.

Saiu de lá, e o médico José Ricardo insistiu com Larissa

  • Minha conduta é encaminhar.

Foi-lhe recomendado para ficar de olho em Genoíno e reavaliar.

No dia seguinte, quando Larissa chegou na Papuda, o médico tinha feito outro eletro eletrônico, e o quadro tinha piorado. Havia agora três alterações.

Larissa não vacilou. Ligou para o Secretário de Saúde informando que iria encaminhar Genoíno para uma clínica especializada. Imediatamente o Secretário ligou para diretora do Incor. Larissa ligou em seguida, informando sobre o quadro de Genoíno. A médica não vacilou:

  • Não pense duas vezes, traga o paciente.

Quando chegou o coordenador do sistema penitenciário, para coordenar a reunião que deveria decidir sobre a transferência. Nada havia a decidir.

  • A decisão não é de vocês, é decisão médica, informou Larissa.

Entrou na cela para comunicar a decisão a Genoíno.

  • Pode ser que o senhor chegue lá e não tenha nada ou que esteja infartando. Estamos tratando o senhor do mesmo modo que trataríamos qualquer cidadão.

Genoíno concordou com a transferência.

Foi colocado em uma viatura descaracterizada. Larissa ia no banco da frente, ajudando a driblar os cones da penitenciária.

No caminho, ligou o técnico em enfermagem Bruno.

  • Que história é essa?

  • Doutor Bruno, deu três alterações.

O juiz Bruno  rumou, então, para a Papuda e informou que ele havia dado autorização para retirar Genoíno. Assim que terminou o atendimento, Joaquim Barbosa ordenou sua volta à prisão.

Daqueles tempos cabeludos, restam demonstrações inesquecíveis de coragem e algumas exceções de bom jornalismo. Como a do advogado Luiz Fernando Pacheco, que ousou enfrentar Barbosa no próprio STF, em um episódio que descompensou de tal modo a personalidade complexa de Barbosa, que apressou sua aposentadoria; do jornalista Felipe Recondo, que ousou fazer jornalismo em plena tempestade midiática. E Larissa Feitosa, exemplo maior.

Cada qual, em determinado momento, cumpriu com suas obrigações em relação à profissão que abraçaram.

A repetição indefinida de casos similares no Judiciário mostra muito mais que coincidência. É resultado direto de uma epidemia social cujo vírus foi o ódio alimentado diuturnamente por uma campanha midiática irresponsável.

 

44 comentários

  1. Joaquim Barbosa e Sergio

    Joaquim Barbosa e Sergio Moro, as duas faces diferentemente iguais do punitivismo.

    Ambos cumplices? Ambos corruptos? Sim, com certeza.

    Achei uma diferença entre ambos. Joaquim Barbosa pelo menos até esta data não aparece em fotos

    com suspeitos do tráfico ou viciados em entorpecentes. Como Aécio Neves (que pode mandar matar

    antes que delate) ou integrantes do grupo Skank. Sabiam que skank é o nome pelo qual é conhecida

    determinada qualidade de maconha? Pois é, né?

  2. e no futuro, qdo houver o

    e no futuro, qdo houver o “esclarecimento tardio” destes episódios  ..por acaso a Justiça será feita ?  ..prejuízos serão compensados ?  ..VIDAS, pelo amor de DEUS, vidas serão recompostas ?  ..ou as vítimas estarão mortas ?

    Odeio esse papo comformista que joga pro futuro o ASCO que devemos ter do nosso presente

    Só quem tangenciou um dia o Poder Judiciário desse país sabe muito bem que ele é o PIOR dos três  ..o mais abusivo, imexível, de direitos e de benefícios exclusivos, o que tem estabilidade e vitalicidade garantidas  ..UMA VERGONHA pra qq sociedade que se julga civilizada

    E a unica saída pra isso seria a existência duma Forças Armadas comprometida com a Constituição, com as leis, com o RESTABELECIMENTO imediato do respeito à cidadania e a Democracia,  com a construção duma sociedade mais fraterna e HONESTA ..o que convenhamos, esta longe de ser o nosso caso aonde vemos este poder tb mancomunado com interesses estrangeiros e constrários aos nossos

    nt – faltou vc incluir o Bretas, Fux, Barbosa, Rosinha da LITERATURA, Agilmal Mentes, Celso de Melo, Barrozinho e tantos outros

    • …”a unica saída pra isso

      …”a unica saída pra isso seria a existência duma Forças Armadas comprometida com a Constituição, com as leis,”…

       

      Esqueça Romanelli. Nossas Forças Armadas, na verdade, nunca foram nossas. A rigor, os oficias das corporações militares são, em sua maioria, recrutados nas adjacências da Casa-Grande. Ou seja, no que há de mais reacionário entreguista e vira-latas, é impossível encontrar. Além do mais, a partir do pós II Guerra Mundial onde as tropas brasileiras serviram de bucha de canhão para os comandantes americanos na Itália, ai desandou tudo. O patriotismo dos nossos (lá deles) milicos (oficiais), se tornou de segunda mão. Lembrem-se que Soldado Raso, o nome já indica, não é porra nenhuma. Ou melhor: presta pra engraxar botinas de oficiais e para se utilizar como bucha de canhão.

      Aqui no Brasil? Nem pensar em contar com o exercito para dar um basta na baderna, no entreguismo deslavado dos golpistas. Ficar ao lado do País e de seu povo? Esqueça. Impossível fazeram o mesmo que fizeram as  Forças Armadas da Venezuela. Ali sim, os venezuelanos podem bater no peito e dizer com orgulho, amar suas Forças Armadas.

      O Exército da Venezuela, mesmo tendo que enfrentar a ira do governo norte-americano e de seus lacaios internos da rede globo dos americanos deles. Não se acovardaram. Enquanto aqui, na  Bananolândia, as Forças Armadas ao que se vê, foram feitas pra massacrar camponeses pobres, sequidores de Antonio Conselheiro, ou, montar centro para torturar políticos e estudantes contrários ao golpe de 64. Até nas Guerras das quais participou, sempre foi a reboque de interesses e cumprindo ordens externas.

      Ainda haveremos de construir Forças Armadas do, e sobretudo, para o Brasil e seu Povo.

      Orlando

      • A Lente de Clausewitz

        Seria preciso deixar de lado a lente arranhada de Clausewitz. Ele “e outros conservadores reformistas prussianos temiam que as guerras, envolvendo todo o povo, poderiam conduzir este mesmo povo a uma participação efetiva em outros “grandes empreendimentos”. (Novas Dimensões da História Militar, vol. I, Antologia – Organizada por Russel F. Weigley – Tradução General Octavio Alves Velho; As Forças Armadas e a Sociedade — Algumas Hipóteses, Theodore Ropp, Universidade de Duke, p. 65; Biblioteca do Exército Editora, Rio de Janeiro, 1981)

        Pronunciar o nome do verdadeiro patrono do Exército brasileiro é quase como evocar um espírito.

  3. Joaquim Barbosa e Sergio

    Joaquim Barbosa e Sergio Moro, as duas faces diferentemente iguais do punitivismo.

    Ambos cumplices? Ambos corruptos? Sim, com certeza.

    Achei uma diferença entre ambos. Joaquim Barbosa pelo menos até esta data não aparece em fotos

    com suspeitos do tráfico ou viciados em entorpecentes. Como Aécio Neves (que pode mandar matar

    antes que delate) ou integrantes do grupo Skank. Sabiam que skank é o nome pelo qual é conhecida

    determinada qualidade de maconha? Pois é, né?

  4. Por vias tortas, JB, Moro e

    Por vias tortas, JB, Moro e os seus fazem um serviço inestimável à nação: mostram o lixo chamado judiciário brasileiro. Passados estes tempos horríveis – e eles sempre passam – a sociedade vai se dar conta do mal que é um sistema de poder tripartite onde um dos três é auto-centrado e auto-regulado.

  5. Nassif, você sabe quando

    Nassif, você sabe quando estes onze covardes do stfinno vão realizar o seu primeiro parágrado deste post?

  6. É verdado, durante o

    É verdado, durante o julgamento do Mensalão do PT o Min. Joaquim Barbosa distorceu a teoria do domínio do fato para agir como se fosse um carrasco.

    Todavia, ninguém pode esquecer que vários outros carrascos endossaram as condenações absurdar impostas a José Dirceu e José Genoino. 

    Luis Fux condenou Zé Dirceu porque “o réu não provou sua inocência”.

    Rosa Weber endossou a condenação apesar da ausência de provas “porque a literatura permite”.

    Sempre expedido e conciso ao defender a liberdade de Aécio Neves, o Ministro Gilmar Mendes proferiu votos quilométricos condenando ambos os petistas.

    Ayres Brito, porém, é o verdadeiro culpado da asceção do punitivismo. Foi ele que pautou o Mensalão do PT antes do Mensalão do PSDB.

    Nenhum tucano acusado no Mensalão do PSDB foi condenado. Portanto, nenhum petista deveria ter sido fuzilado diante das câmeras de TV. 

    • A condenação era midiática e

      A condenação era midiática e contra os representantes do PT. Como se faz desde sempre com pobre e pretos, Quando o judiciário deve que usar da mesma bravura, os representantes do mercado e o do psdb, tudo ficou mais suave. 

       

  7. Vivemos um regime de

    Vivemos um regime de exceção, 

     

    ou acatamos as arbitrariedades dos golpistas e usurpadores, ou vamos pra rua demonstrar a revolta, como paraguaios e argentinos fizeram, esperar que militares, ministros do stf ou alguma alma do congresso faça algo é sonhar com o impossível, quem não está no golpe é leniente, medroso ou se esconde.

     

    Quanto ao judiciário, quando teve serventia para o povo????? Até nisso Lula tinha razão quando disse que eras uma caixa-preta, tralvez por isso mesmo o perseguem tanto, a confraria dos lojistas só serve a eles mesmos…..

    • É ditadura!

      Não existe “regime de exceção”. Saíu do Estado Democrático de Direito, chama-se DITADURA, midiático-judicial no nosso caso. Não existe meia-democracia ou meia-ditadura como não existe meia-gravidez. É simples assim.

      DITADURA: Governo que se utiliza da autoridade para suprimir e restringir os direitos individuais. Sistema antidemocrático em que o chefe de Estado não é escolhido por votações populares.

  8. Caro Nassif
    Não há como

    Caro Nassif

    Não há como diminuir Moro, diante de um outro monstro.

    Os dois ocupam o topo da safadeza, da malandragem, da tibieza, da trairagem.

    Jogo ambos no inferno, com dó do capeta.

    Sem perdão, ou diminuir o perdão de um monstro, diante do outro.

    Se, um dia, o povo se revoltar, com apenas um bilionésimo da maldade de ambos, não sobra atomo para contar história. 

    Saudações

       

  9. O Brasil simplesmente acabou

    O Brasil simplesmente acabou como nação.

    A nação está profundamente rachada, o ódio paira no ar.

    Paira, sobretudo, a indignação por parte dos legalistas que são quase que caçados com o beneplácito da polícia, da justiça, etc.

    Quem não é coxinhas e/ou fascista não tem a quem recorrer.

    Alguém acha que irei esquecer os ataques que recebi por redes sociais de ex-colegas de escola que hoje são verdadeiros fascistas?

    Alguém acha que o agredido se esquece do sofrimento causado pelo agressor?

  10. A questão maior não é o

    A questão maior não é o punitivismo, mas o que está por trás dele. Juízes e magistrados podem, e em certas ocasiões ou contextos até devem, ser extremamente rigorosos. No caso em tela, entretanto, o que tivemos, caso do ministro Barbosa, e o que temos, Juiz Sérgio Moro, são motivações de ordem não jurídicas, mas POLÍTICAS e PESSOAIS. Por essa última, o ponto de tangência é a vaidade, vezo dos fracos de caráter.  

    Acrescente-se, ainda,  para o ministro Joaquim Barbosa a necessidade de auto-afirmação dado as condições enunciadas, ou mesmo só supostas, para a sua nomeação. Talvez imaginava que se voltando contra seus patrocinadores, que nas circunstâncias já se constituiam a “Geni” da política nacional, tanto iria mitigar, ou até mesmo apagar, um dos critérios usados por Lula(afora, é claro, a competência) que foi a singularidade da cor da pele. 

    Já para o Juiz Sérgio Moro os fatores políticos sobrepõem os pessoais. A vaidade e a necessidade de auto-afirmação ficam em segundo plano. Encarnou, não se sabe em nome de quê ou de quem, o papel de “restaurador da República”. Um “cruzado” que iria, finalmente, limpar as cavalariças da política. 

    Tipos psicológicos como esses via de regra sufocam até mesmo suas humanidades em razão do que avaliam como missão ou coisa parecida. 

     

     

     

    • a questão…..

      A censura é maravilhosa delatora. Pois querendo impor o silêncio, expõe todas as verdades. Esquerdopatia não tem cura, mas deve ter tratamento. Moro é Juiz (juizeco) concursado de 1.a Instância. Todos seus erros poderiam ser revistos e revisionados nas outras 3 Instâncias, acima da sua. E o tal, poderia ser punido por todas estas Instâncias Superiores. Quem dá tanta força e poder a Moro, que nossa Imprensa e Esquerdopatia não revelam? Por que seus supostos erros não são corrigidos? Por que Moro, na função judiciária, foi transformado em Agente Político? Joaquim Barbosa é figura do povo, escolhido a dedo. Primeiro negro no STF, Progressista, uma história de vida para guiar uma sociedade aprisionada ao seu passado escravocrata. Daí a relés Punitivista foi um belo salto. Constituição, Leis, Estruturas, Biografias escolhidas peos réus. A Justiça escrita e praticada era muito boa, desde que não atingisse quem sempre se enxergou acima das leis? Elite que nunca se vê Elite? Amadores e criminosos, tropeçando nas próprias pernas. Olha nas mãos de quem colocamos o nosso destino por 40 anos? O Brasil é de muito fácil explicação.   

      • Primeira a non sequitur: se

        Primeira a non sequitur: se os erros e as extrapolações do juiz de 1ª instância não foram retificados pela instància superior não implica necessariamente que deixaram de ser erros. Na realidade, alguns foram retificados, outros não. 

        Poderia ser punido, sim, mas não foi. Então estendamos o raciocício: onde se leia “Juiz Moro” subtenda-se Judiciário politizado e comprometido. Negar isso também é uma patologia. 

        “Quem dá tanto Poder a Moro?” Perguntinha retórica. Responderia com outra: quem premia Moro e lhe dá capas de revistas? Quem foi elevado à categoria de semi-deus? Conjectura-se até uma suposta parceria além fronteira. 

         A ironia para a escolha de Joaquim Barbosa é gratuita. Sim, Lula não o nomeou somente por critérios técnicos, mas pelo simbolismo também. Agora por isso o nomeado para todo o sempre deveria ser aplaudido, mesmo quando demonstrasse cabalmente uma personalidade punitivista, vaidosa, atrabiliária, truculenta e ambiciosa? 

        Outro apelo retórico, além de baixo e mentiroso, é esse “….quem sempre se enxergou acima das leis”. Como assim, se desde 2005 o que assiste é uma perseguição implacável a um partido e seus membros? Como se achar acima da Lei um ex-presidente da República que tem sua casa “arrombada” e vasculhada como um reles bandido de terceira categoria em cumprimento a um mandato de condução coercitiva sem que antes nunca tenha sido convocado para depor?

        Poderia citar as inomináveis perseguições à família(filhos e esposa), a CRIMINOSA liberação das escutas telefônicas expondo Lula e familiares, inclusive com diálogos íntimos. Tudo para o gáudio de uma imprensa parceira de um público degenerado. E o que dizer dos processos sem provas cabais com base apenas em delações suspeitas, porque direcionadas pelo sistema repressivo?

        Se quem se “enxerga acima da Lei” recebe um tratamento desse, imagina se fosse o contrário. Talvez só as galés ou mesmo a pena de morte.

        O que vocês querem mesmo, prezado, é que suportemos tudo caladinho. Se preocupe não, isso jamais ocorrerá. 

        PS 1: esses fatídicos 40 anos remete a que? Nostalgia de ditadura? Não entendi.

        PS 2: SE essa “elite” se referir a parte do estamento empresarial atingido, insisto: mesmo que se achassem acima da Lei isso justificaria qualquer tipo de arbitrariedade? Os recorrentes excessos e eventuais humilhações? Transformar processos judiciais em catarses; quando não em teatro de quinta categoria, é aceitável num país que se quer civilizado?

         

         

         

    • Mas tem stf

      Mas tem orgãos como o stf que logicamente tomou as decisões…, não? Desculpe, é que eu pensei que… Deixa pra lá….

      No caso da violência conta univerdidades também o stf… que…, não fez nada? 

      É que eu pensei que… Deixa pra lá.

      Depois do golpe o caos.

      Agora que eu vou fazer de comparecer nas aulas inaugurais de 2018 das universidades, vou. Algum ministro será sequer convidado?

       

  11. Só cortando cabeças desses
    Só cortando cabeças desses porcos do judiciário, e destruindo a Globo e seus apêndices que esse país melhora.

  12. É

    por isso, se antes tinha dúvida, agora não tenho mais, o Lula será preso e posivelmente assassinado. O que fará o PT? Além de uma suposta indignação, nada. O PT é um partido formado por profissionais que adoram frequentar os salões da Casa Grande.

    • Simples

      Faça, realize, concretize, lute, vá para as ruas, candidate-se…

      O que fará o PT? Ora, ora, ora…

      Uma piada. Todos querem saber o que fará o PT.

      Afinal, é e foi o único a fazer e a acontecer!

      hilário

      O que farão o psol, o pstu e o resto do bando todo?

       

  13. Judiciário e Justiça
    Ao judiciário caberia zelar pela aplicação e respeito às leis, e através desse caminho fazer a justiça prevalecer. É evidente que a cultura do linchamento, da justiça pelas próprias mãos, dos fins que justificam os meios, do poder dos holofotes da grande mídia (partidária e sem crítica) levaram ao estado policialesco, ao terrorismo judicial à precariedade dos direitos mais básicos e fundamentais (ir e vir, presunção da inocência, etc). Existe um processo de barbárie e ódio contínuo há anos, incentivado na mídia, executado pelas polícias e finalmente encampado pelo judiciário. A pergunta que não quer calar: não caberia uma revisão profunda do judiciário e seus mecanismos de controle e atuação? Assim como a democracia é incompatível com a rede Globo e a mídia partidária, com esse judiciário autocrático não há que se esperar possibilidade de democracia e de direitos humanos e civis. Sou da opinião de que o maior erro dos governos petistas foi contruir esse STF inacreditável, ceder ao corporativismo judicial e policial, e como cereja do bolo parir essa nefasta lei das delações premiadas, que terminou por fazer do Brasil a república dos delatores e justiceiros moralistas. O judiciário assumiu a rédeas da república, torcendo a leis e a constituição, se auto justificando e se auto legitimando. Até quando? A elite econômica, o poder financeiro, e seu braço midiático incentivam e apoiam essa anomalia, ainda que já haja sinais de temor sendo emitidos nessa própria mídia. Um novo terror se instalou no poder, uma verdadeira ditadura judicial é o que vivemos. Como derrotá-la e como redenir seu campo democrático é toda a questão.

  14. E … não esquecendo tb …

    das coincidências , que a vida nos trás.

    A “xeretagem ” do “moço bonito” chamado Obama , que após uma reuniãozinha com o rei da Arábia Saudita, por uma coincidência, o preço do Petróleo foi ladeira abaixo, dificultando enormemente a vida da “terrorista” Venezuela, do Brasil , da terrorista Dilma e da Rússia.´que não é terrorista pq tem uma homem inteligente na sua condução.

    E,  no governo do Chile (Brachelet) , onde o preço do Cobre também foi ladeira abaixo,  dificultando seu governo e fazendo com que seu candidato perdesse as eleições .

    “São demais os perigos desta vida” , já dizia o Vinicius de Moraes. Ainda bem que pode ser para ambos os lados.

    O juiz Moro só tem como acompanhantes os morto-vivos do PSDB e Globo (a mais “amada” do país). Já o Joaquim Barbosa, após gastar o seu “saco de maldades” , vive tomando chope sozinho no Rio, enquanto o  Pueta transformou-se num Office Boy da rede de TV, apoiadora de tudo o de ruim que acontece no Brasil.

    • Falando da “amada”,
       
      e o

      Falando da “amada”,

       

      e o processo sobre a compra da tv paulista, canal 5?  Ninguém fala mais nisso?????? São como os 5 bi do vendedor de carnê???? Ninguém sabe ninguém viu???

  15. barbosa et moro

    Basta ver o desempenho de Barbosa e de Moro em público para perceber, de imediato, que as alegadas teorias que usam para aplicar as penas ao seus desafetos tem uma outra origem que não os seus cérebros ou aqueles dos autores, alemão e americanos, que um e outro gostam de citar. Não sou estudioso do direito, um assunto pitoresco ao extremo. Prefiro estudar a história e a política de meu país e do mundo, sempre segundo uma periodização já consolidada.

    Dito isto, quero dizer que o alemão e os americanos que são os vade-mecum destes dois,que sem poderem se valer de coisa mais explícita no direito ocidental, surrupiaram os procedimentos das magníficas Tchká, do GPU e do NKVD, sistemas repressivo-judiciários que operaram, sucessivamente, nos períodos mais duros do longo processo revolucionário na URSS.

    Recomendo àqueles que duvidem do que digo, que leiam o imenso catálogo de lamúrias chamado Arquipelago Gulag, de A. Sholzenitsin, escrito de orelhada, apenas. Está tudo lá, desde o decantado domínio de fato ao julgamento por analogia, passando por outros achados, rebatizados por estas vestais, sob formas mais neutras. Não cito páginas, porque o indicado é ler todo o calhamaço do amargurado autor e porque, também, não oriento idiotas.

    Os métodos da Tchká são próprios do povo na perseguição aos seus inimigos. Já o contrário, não seaguenta …          

  16. Nuvem Passageira

    O General Kelly é uma pessoa rara, um homem inteligente, simpático, calmo e muito experiente. Ele sabe o que está fazendo. Todas essas atribulações são passageiras. Ele gosta da gente, é um militar sensível, que admira e preza nossa cultura, nossos valores. Ele vem trabalhando numa ponte para o futuro de toda a América do Sul. Colaborar intensamente com o General Kelly para avançar em direção ao futuro que ele nos aponta, que é tudo de bom. Além do mais, verdade seja dita, é um grande democrata, boots made made for walking. Quem ouve atentamente e conversa com o General Kelly tem vontade de votar. Mas ele responderia com aquele jeitão simples e camarada Nope! I’m a military guy. Keep watching.

    [video:https://youtu.be/uXWuUE5qZMg%5D

  17. Inacreditavel,inaceitavel e

    Inacreditavel,inaceitavel e impensável ler um artigo desse.Não é possivel,incluindo todas as alternativas de engano ou auto-engano,que os governos petistas não tivessem a mais insignificante informação do carater de Joaquim Barbosa,Carmen Lucia e Luiz Roberto Barroso.É simplemente chocante,perverso,de cortar o coração e valioso para a historia o que nos acaba de relatar o mais digno e brilhante jornalista de sua geração,Luis Nassif,sobre os bastidores da prisão do cidadão José Genoino Guimarães Neto.Até em seu Blog não é reconhecido como o grande jornalista que él.Afora o acima assinado,eu nunca li  de qualquer dos componentes do que eu identifico como ACCEBLON-Associação dos Comentaristas Cadastrados Estrelados do Blog do Nassif,um elogio maior,o respeito devido,a contribuição fundamental,a coragem sem limites,que Nasssif nos brindou com O Caso de Veja.Aqui e ali,uma palida lembrança,uma nota no pé de pagina.Reconhecimento digno,nada,nadica de nada.A Editora Abril,a Revista Veja,a menina dos olhos verdes da marginal Pinheiros,teve seu Atestado de Óbito assinado,no primeiro Capitulo da seriie que Nassif editou.E acho que muito pouco cadastrado ou cadasstrada daqui conhece por inteiro O Caso de Veja na sua intregralidade,daí ficam sem as menores condições de levar um debate comigo adiante.Haja estrelas.

    • Desculpem-me a redundância
      Desculpem-me a redundância que utilizei por equívoco no texto acima,por inteiro e integralidade,mas cada dia fica mais evidente da incapacidade da grande maioria daqui de confrontar-me naquilo que mais sei,política partidária brasileira,a qualquer tempo em qualquer época.As vezes causa espanto e pena,salvo honrosas exceções,o desconhecimento granítico de certos comentários em relação aos problemas macros do Solo Consolidado Pátrio.Segundo aquele pestilento Boca Mole III,isso é uma vergonha.Fazer o que.Que volte o MOBRAL.

  18. “Aqui não é o Brasil” gritam argentinos

    O que mais espanta é a passividade da sociedade brasileira face as arbitrariedades. São tantas, todos os dias, e seguimos de cabeça baixa. Foi a colonização, a escravagem ou a ditadura que nos fez tão passivos? Infelizmente a real historia da Lava Jato so saberemos, se estivermos vivos, quando a maioria dos protagonistas não estiverem mais aqui. Nos precisamos de Justiça em nosso presente, senão seremos um Pais de fracassados e à mercê de arbitrios. 

  19. EXISTE UMA EPIDEMIA DE
    EXISTE UMA EPIDEMIA DE “HITLERISMO” NO JUDICIÁRIO/MPF CONTRA OS JUDEUS DAQUI!
    Obs:Finalmente aprendí q Judiciário é uma coisa e MPF é outra mas para o povão é tudo uma coisa só, igual quando dizem “casa grande e senzala,naaada do povão ter discernimento q é sobre a escravidão q se escreve !!!
    Obs2:Pq eu escrevo estas coisas? Desse jeito eu acabo com a minha boa reputação!(?) Melhor q a do Temer garanto q é !!

    • Qual a reputação pretendida?

      Não me lembro de ter lido no GGN uma asneira tão monumental! Trata se de ironia ou  trollagem?

      O judiciario é pró  judeu até a raiz do cabelo, até mesmo no nome. Pretende se  com a

      caixa alta superar a trollagem do ZS ? Superar a indecência do Temer?

  20. Nessa materia sobre

    Nessa materia sobre punitivismo nao podemos nos esquecer dos PGRs Roberto Gurgel e Rodrigo Janot. Ambos participaram com um grande arsenal de maldades contra os petistas, especialmente contra Jose Dirceu. Espero que algum dia sejam chamados a responsabilidade pelos desvios.  

  21. Joaquim Barbosa e os Juízes

    O processo do Mensalão já tinha endereço certo, e a falta comprometimento destes juizes do STF com a justiça, se mostrou clara quando proferiram suas sentenças, quando iniciaram ali o golpe que viria anos mais tarde. Aquele momento foi uma tentativa de golpear o governo do PT. Para isto não se incomodaram de cometer os maiores arbítrios. Condenaram Genoíno, condenaram Dirceu, condenaram até mesmo Pizzolato. Utilizaram o tal forum privilegiado para desprivilegiar. Assim com seus direitos roubados, Pizolato um gerente da visa net foi condenado apenas porque era necessário para a construção do enredo. Barbosa como é frequente no STF ,quis os holofotes, e o teve, para depois sumir. Jamais foi aceito por seus pares e isto ficou muito claro em diversas ocasiões. Talvez por isto,   logo se retirou. Mas nada disto teria importância do ponto de vista judicial se ele e todos os seus pares agissem em conformidade com a justiça.As idiossincrasias de cada um dos juízes é por demais manifesta em vários dos seus atos. Barbosa não é o único. Cada um deles foi escolhido por alguma razão, e a escolha de Barbosa, foi por uma razão meritória, isto é por sua competência e também por sua origem racial. O que apenas o deveria engrandecer, afinal sabemos por tudo que passa um negro em nossa sociedade. Mas suas idiossincrasias  são suas idiossincrasias e não me dizem respeito, pois todos temos as nossas,  e todas tem a ver com a nossa história de vida. Assim o ministro Barroso ,os Mellos,  Gilmar Mendes ,Fux, Facchin, a suprema Carmem,etc… todos manifestam diuturnamente suas idiossincrasias, portanto não há razão para  culpar as posições e atos injustos por conta de idiossincrasias. Todos sem exceção agiram em detrimento da Justiça, com maior ou menor proeminência, criaram o ambiente para o golpe que viria. E durante o golpe todos se acumpliciaram , e ainda hoje se calam diante de tanta violação.

    Devido a idiossincrasias de classe ou de casta os Mellos, em diversas ocasiões demonstraram  por palavras e atos o seu alinhamento. Basta recordar o cuidado com as palavras no tratamento dado a Aécio e outros, e as  palavras usadas no tratamento de Lula e de outros. Estas também são idiossincrasias que indicam a origem social e que transpareceram nos autos. Não sei quais crenças e convicções fizeram Barbosa agir como agiu, e talvez sua posição seja mais notável, pois a principio não deveria estar associado a visão classista e preconceituosa contra Lula, mas seja como for votou e trabalhou para o que está aí. Mas quem sabe ao longo de sua formação e percurso profissional Barbosa foi sendo absorvido pela casta jurídica.

    O que talvez estranhe é que todos os demais membros parecem ter votado de acordo com suas origens de classe, mas  Barbosa e mais alguns outros  votaram segundo a  classe que adotaram.

    Quanto ao punitivismo de Barbosa, não é diferente do punitivismo dos que negam pomposamente  habeas corpus a Vaccari e outros. Não é diferente do punitivismo de Barroso violando os direitos de Pizollato,quando simplesmente o manteve na prisão além da pena. Não se trata de punitivismo apenas, mas sobretudo demonstração de poder, a busca de agradar aos seus, e finalmente uma pitada de ódio inveja e outros sentimentos. Punir é uma coisa diferente do relatado contra Genoino. Barbosa sabia da inocência de Genoíno. E como sempre para o algoz a vítima é testemunha ocular do crime.

  22. Bravo, Nassif!

    É sempre necessário lembrar que lá atrás, em 2002, quando o golpe que hoje nos infelicita dava seus primeiros passos, a ferramenta maior foi o Sr. Joaquim Barbosa. E que pessoas como Lázaro Ramos e Caetano Veloso, que eu tanto admirei um dia, ajudaram e ajudam a incensar esse homem. Recentemente, Caetano promoveu uma tertúlia em sua casa para, junto com outras personalidades do meio artístico, tentar convencer o iracundo Joaquim a se candidatar á Presidência da República. O mesmo Caetano participou de tertúlia com Deltan Dallagnol. NÃO TEM PERDÃO!  

    • Caetano é fà do ACM. Nunca me enganou
      Como confiar em Caetano Veloso, fã de carteirinha de ACM? Sinceramente, esse sujeito NUNCA teve idéias claras, sempre se deslizando, escorregadio, sem osição ideológica definida. Nós pensamos que ele pensasse. A bolha evaporou, a espuma se desmanchou. Admirar Joaquim Barbosa mostra o que é ele sempre foi: ANALfabeto político por conveniência, ecletismo inútil, o nada grita por admirar o vazio…

  23. A culpa não é do Juiz Joaquim é das ´cotas raciais´.

    Tenho afirmado em artigos e debates nas universidades que a maior perversidade das ´cotas raciais´ é a condenação do beneficiário a um estigma que carregará para o túmulo. Foi esse estigma as circunstância que nortearam o ex-Ministro Joaquim no julgamento do Mensalão. Ele, mesmo que inconsciente, pelas circunstância de sua escolha queria comprovar ser um Juiz na íntegra e não ser um Juiz de ´2a classe´.

    Esta também era o estigma dos alforriados, sistema jurídico apenas utilizado de forma extensiva no Brasil, a partir das leis de proibição do trafico e da pressão da Inglaterra para o fim da escravidão. O alforriado era condenado a ser um cidadão de ´2a classe´ e tinha o dever de absoluta lealdade ao benfeito dentre elas a de legitimar a escravidão. A maioria deles tinha  também de ser donos de escravos. 

    A alforria não se destinava a acabar com a escravidão. Se destinava a dar-lhe sobrevida. As cotas raciais tem o mesmo papel, não se destina a destruir o racismo, destina-se a prolongar a convivência com o racismo e as crenças em ´raças´ seu núcleo propulsor.

    Por considerar aquelas circunstâncias que o conduziram no julgamento do ´Mensalão´ e por considerar a idoneidade moral do homem e jurista Joaquim Barbosa, e seu potencial de credibilidade para ser uma liderança política importane, sou um defensor do nome dele no PSB, até mesmo para ser considerado como o Vice ideal da candidatura LULA, a despeito do espanto dos petistas, de quem o ex-Ministro afirmou diversas vezes ter votados nas duas eleições. JB ser aliado de LULA emprestará ao lider petista a credibilidade junto a setores da sociedade que o PT já não desfruta.

    A questão do Ministro naquele julgamento é das suas circunstância, aquela ensinada por ORTEGA y GASSET.

    Reproduzo um parágrafo de post de 2014 em que debatemos aqui, a questão Joaquim Barbosa. Concluia meu post com o seguinte parágrafo, aparentemente considerado nas razões elencadas por Luis Nassif, ele o Juiz, é o homem e suas circunstâncias, inclusive a circunstância de o terem feito Ministro do STF em razão da ´cota racial`.

    Então, em 2014 concluia meu post:

    ” Julgar de forma desleal para com seus benfeitores – os antigos dirigentes do PT partido que o indicou ao STF como exemplar da ´raça´ – tem sido a tônica do Ministro: de forma inconsciente ele está afirmando não se tratar de um simples alforriado, cidadão de 2a classe,  que tenha o dever da eterna lealdade e gratidão.

    Mas o que faz o Ministro é dar cabo e vida ao que ORTEGA y GASSET nos legou: ” O homem é o homem e suas circunstâncias” ou na forma originalmente formulada pelo filósofo catalão: “Eu sou eu e minhas circunstâncias. Se não salvo a ela, não salvo a mim.” 

    No caso a circunstância que o Ministro levará até o túmulo, sem salvação, é a circunstância de terem abreviado sua carreira e chegado ao STF, prematuramente, em razão das perniciosas cotas raciais praticadas pelo governante em nome do estado.

    Para GASSET  ” não é possível considerar o ser humano, em sua individualidade, sem levar levar em conta todas as circunstância que o circunda chegando ao contexto histório em que esá inserido.”

    Na integra aqui: https://jornalggn.com.br/fora-pauta/joaquim-barbosa-a-gratidao-e-a-lealdade-presumidas-em-cotas 

    O mesmo tema foi tratado em 2012, aqui: 

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-problemas-no-modelo-de-indicacao-de-nomes-para-o-stf

  24. Não foi por coincidência que

    Não foi por coincidência que Joaquim Barbosa elevou-se à condição de algoz do PT. A meu ver, seus planos estavam à mão desde seu ingresso no STF. E o desejo latente de externar publicamente seu sadismo coadunou-se com perfeição ao serviço que prestaria. Dariam o que pedia, que lhes traria alegremente as cabeças das lideranças do PT, inclusive a de Lula. Tal qual Salomé, sobrinha de Herodes, Barbosa entregou-lhes as cabeças. Várias, aliás.

    Não é mero acaso, portanto, que os desígneos de Barbosa e de Moro hoje mostram-se em perfeita consonância. JB é o legítimo precursor do juiz de Curitiba. Embora Barbosa, se comparado a Moro, saiu perdendo escandalosamente. Pelo menos, é o que se supõe, pois Moro, segundo Tacla Dúran, pode estar se locupletando regiamente. Barbosa, ao contrário, recebeu seu soldo minguado e, com galhardia, montou em seu belo cavalo branco.

  25. Vi uma fala do Rui Pimenta,
    Vi uma fala do Rui Pimenta, do PCO, explicando que a zelite zelote de
    Pindorama assustou-se quando viu o risco de o PT tomar o lugar do PMDB como partido entrando nos grotões, ou seja, nos mais de 5.000 municipios brasileiros, motivo pelo qual deu-se inicio a conspiração da Globo e Instituições convertidas em ORCRIM que a partir daquele momento forjaram o processo do “mensalão”, sendo a Lava Jato, no começo chamada de “petrolão”, a continuidade da conspiração contra o campo progressista.

    Chegou-se ao ponto em que o STF, em conluio com a Globo, como parte da perseguiçao a Lula, eliminou a 3a. instancia de recursos, como se sabe, tão logo Lula seja eliminado do cenário politico, não pelo voto e sim por tres reles togados, volta-se ao garantismo.

    Vara é coletivo de porco.

    Quem são os três porcos da vara do Moro….

    Nenhum desembargador da Silva
    Sabe-se são 7 os desembargafores do TRF4 mas, para que não exista divergencia com as decisoes do juizeco da Globo, escolheram esses três….assim não há decisão q caia na guatánamo do mouro
    Lenz….Laus….Gebran…..
    Esses caras odeiam os da Silva
    Eles odeiam o Brasil
    Odeiam a democracia, o progresso e a justiça
    Esses caras vieram de onde mesmo

  26. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome