O setor de serviços em ponto morto, por Luis Nassif

No mês, a alta foi de 0,2%. No ano, de 12,8%. A maior alta foi de Serviços Prestados às Famílias, com 1,9%

Foto: Agência Brasil

O setor de serviços continua em ponto morto. No mês, a alta foi de 0,2%. No ano, de 12,8%. A maior alta foi de Serviços Prestados às Famílias, com 1,9%; a menor alta foi Transportes, com queda de 1,7%.

Na variação acumulada de 12 meses, a maior alta foi de Serviços Prestados às Famílias, obviamente pelo fim do isolamento da pandemia. O mesmo ocorreu com Transportes.

Quando se compara com o período pré-pacote Joaquim Levy, percebe-se uma recuperação pífia do setor. O único crescimento foi de Transportes, devido ao avanço dos aplicativos, e de Comunicação, devido ao home office.

A estagnação fica mais nítida nos gráficos de linha.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador