O xadrez do novo normal jurídico

Começou a contagem regressiva para a votação fina do impeachment, no Senado. Haverá a necessidade de aprovação por dois terços dos senadores. Na votação de admissibilidade conseguiu-se chegar a esse número. Mas qualquer defecção eliminará a maioria qualificada.

Vamos dividir nosso Xadrez de hoje em três blocos:

1.     As megatendências: Os processos que irão evoluir independentemente das estratégias políticas.

2.     O butim dos vencedores: as bandeiras centrais de cada um dos condôminos do poder.

3.     A guerra pelo poder: cenários possíveis de disputa política.

As megatendências 

“Novo normal” é um termo que os economistas utilizam para definir um novo cenário no qual a crise altera os fundamentos que norteavam o cenário anterior.

Nosso novo normal significa uma ruptura com o período de relativa normalidade democrática que se seguiu à Constituição de 1988 e o início de uma era de arbítrio.

Tendência 1 — Dificilmente o governo interino se viabilizará politicamente.

Nos primeiros dias de governo interino, Temer conseguiu acumular enorme desgaste, inclusive perante o público pró-impeachment. Há uma autocrítica da parte de senadores, parlamentares em geral. Perante a opinião pública, o governo não conseguiu legitimidade. Há um pipocar de manifestações por todo o país que parecem não refluir.

Por outro lado, nem mercado, nem empresários, nem a própria mídia – parceria preferencial do golpe – parecem ter se convencido da viabilidade do governo Temer.

Portanto, por aí haveria espaço para a não aprovação do impeachment.

É um fato com muitos desdobramentos, que serão devidamente analisados no capítulo sobre A Guerra do Poder. Ante a impossibilidade de preservar o poder através das futuras eleições, poderão ser tentados caminhos arbitrários.

Tendência 2 – A estratégia de Dilma Rousseff e do PT está restrita à mobilização das ruas.

Após deixar o governo, Dilma Rousseff cresceu na mesma proporção da perda de legitimidade de Temer. Surpreendentemente, tornou-se uma figura amada pelas esquerdas, algo que não foi e não fez questão de ser em todo seu governo.

Há uma tendência de ampliação dos movimentos de rua. E nenhum movimento de articulação junto aos poderes de fato.

Mobilização sem articulação nos níveis maiores de poder ajuda a segurar tentativas de golpe. Mas não é condição suficiente para a retomada de poder.

Dilma precisaria construir uma narrativa eficaz sobre o que seria seu governo, em caso de queda do impeachment. E montar, desde já, um arco de alianças político-institucionais.

Leia também:  As arbitrariedades de um país canalha, por Assis Ribeiro

Não é tarefa fácil sequer para políticos experimentados. Com Dilma, beira o impossível. (Dica para os historiadores: como uma presidente durante seu governo insensível para movimentos populares tornou-se amada a posteriori).

Tendência 3 – A disputa se estenderá a outras instâncias de poder.

Ministério Público e Polícia Federal estarão cada vez mais partidarizados e se distanciando dos sistemas de controle democrático através da ação individual de seus membros.

Diálogo de Juca e Sérgio Machado publicado pela FolhaTenta-se, agora, colocar as Forças Armadas na jogada explorando uma bobagem do PT que, na sua autocrítica extemporânea, menciona o erro de não ter promovido oficiais progressistas. Por uma bobagem à toa, compromete anos de relacionamento sério e produtivo com um setor que, até agora, comportou-se de forma irrepreensivelmente profissional.

As cassandras se alvoroçaram e trataram de dar gravidade ao episódio.

Tendência 4 – haverá o crescimento gradativo do arbítrio.

O processo do impeachment foi a consagração do novo normal jurídico: a retirada do poder de uma presidente por uma razão banal.

Consumado o ato, rasga-se a fantasia. Os protagonistas deixam de lado os pruridos de isenção e não se dão mais ao trabalho de buscar álibis.

Historiadores têm à mão uma análise de caso online sobre a maneira como se instala o arbítrio em um país (Dica para os historiadores: Como o arbítrio impõe um novo normal jurídico).

No início do processo, políticos e operadores da lei são seguidores do “livrinho” (a Constituição). Ações como as de Gilmar Mendes, impondo sua vontade sobre o STF através de pedidos de vista, anunciando julgamentos antecipados, agindo de forma radicalmente partidária, são  encarados como pontos fora da curva.

O jogo político se inicia liberando a besta (o sentimento de manada nas ruas) e alimentando-a com meses e meses de escandalizações.

Para atender à fome da besta, quebram-se as primeiras regras em nome de um suposto bem maior. Como há um garantismo e um cipoal processual que protege os réus mais abonados, aceita-se a flexibilização dos princípios do direito de defesa e da presunção da inocência em nome do combate à corrupção. E como os réus têm um histórico de impunidade, admite-se o jogo.

A besta provou da carne fresca e quer mais. Aberta as comportas, os demais direitos vão sendo gradativamente removidos. Da meia virgindade democrática evolui-se rapidamente para a promiscuidade, com cada agente do Estado lambuzando-se no novo espaço conquistado.

Leia também:  Força Tarefa Amazônia realiza megaoperação contra grilagem e roubo de madeira na Terra Indígena Karipuna

À medida que a besta vai impondo, personagens que deveriam fazer a mediação – como os Ministros do STF, o CNMP, o CNJ – se intimidam ou aderem, de qualquer forma abdicam de suas responsabilidades e rendem-se à malta.

As primeiras tentativas de calar as críticas serão tratadas como extravagância, como eram os esbirros autoritários de Gilmar Mendes. Á medida que se consolidar o “novo normal”, se tonarão prática corriqueira.

É quando se consolida o “novo normal”, um mundo institucional novo no qual alargam-se os poderes individuais dos agentes da lei, em uma escalada que vai até o guarda da cadeia.

 Peça central desse processo é a manipulação das informações, visando impor uma narrativa que legitime os atos arbitrários. Daí a necessidade de calar qualquer voz contrária.

O butim dos vencedores

Grosso modo, o novo presidencialismo condominial (aquele em que os condôminos escolhem o síndico) é compartilhado por três grupos políticos: o de Eduardo Cunha, o do grupo Temer, o do PSDB. Além deles, há personagens associados, como o Procurador Geral da República e o Ministro Gilmar Mendes – associados ao PSDB -, o Ministério Público em geral e lideranças individuais, como a do presidente do Senado Renan Calheiros.

Cada qual tem uma agenda central, inegociável – e muitas vezes conflitante com os demais grupos.

Grupo de Eduardo Cunha

É o mais óbvio. Tem uma agenda moral conservadora e exige uma participação secundária no butim – indicação de cargos nos segundo e terceiros escalões e garantia de verbas para sua região, suas campanhas e seus bolsos.

Grupo de Temer

Não tem projeto mas tem perspectiva de poder. É um pessoal mão pesada que se valerá de todas as brechas para tentar se perpetuar. Seu ponto vulnerável são as ações na Lava Jato, o que poderá induzi-los a se aproximar do PSDB.

O PSDB

Quer controlar a agenda das privatizações aceleradas, patrocinar a flexibilização do pré-sal e consolidar a subordinação à geopolítica norte-americana.

Na privatização poderá haver conflitos com o grupo de Temer, através de Moreira Franco. No pré-sal, já há uma parceria selada entre Serra e Eduardo Cunha. Na questão geopolítica, o braço armado é a Procuradoria Geral da República. Aliás, a cada dia que passa ficam mais nítidos os sinais da participação norte-americana no desmonte de multinacionais brasileiras, em parceria com o MPF conforme matéria do Estadão mostrando o apoio do Departamento de Justiça norte-americano à Lava Jato (http://migre.me/tUic6).

Leia também:  Novos vazamentos e o silêncio ensurdecedor do STF e da PGR: ou se explicam ou reagem, por Tânia Maria de Oliveira

A guerra pelo poder

O poder foi empalmado por um grupo heterogêneo, tanto na base parlamentar quanto nas outras esferas de poder.  

Sem condições de se viabilizar até 2018, haverá uma guerra encarniçada pela preservação do poder, em um quadro de ampla instabilidade política, social, jurídica e econômica.

Em comum, PSDB e PMDB apostarão no fechamento político até o limite das suas forças. E esses limites são  dados pela reação da opinião pública, pelo maior ou menor sucesso em amenizar a crise e pela manutenção da parceria com a PGR – cujas ações continuam demonstrando uma notável coincidência com a agenda política tucana.

Já há bons indícios na perseguição implacável do Ministério Público Federal a Lula e da tentativa da Procuradoria Geral da República de cortar a possibilidade da volta de Dilma daqui a 6 meses ou de Lula em 2018 (Dica para os historiadores: como se dá a passagem de corporações do Estado, da defesa da lei ao exercício do arbítrio).

Daqui para frente, haverá o desenho de duas macro-estratégias de poder, uma conduzida por Temer e seu quarteto; outra pelo PSDB e seus aliados. Não se afastando a possibilidade de uma dobradinha entre os dois grupos.

A vulnerabilidade maior do PMDB são as ações da Lava Jato, alimentandas pela dobradinha MPF-mídia. A força maior do PSDB é justamente junto a mídia e a Procuradoria Geral da República.

Os dois grupos tentarão se aproximar do estamento militar, o PMDB com mais dificuldade devido à maior exposição à Lava Jato. A indicação de Raul Jungman para o Ministério da Defesa é sinal evidente dessa estratégia. Jungman é de um partido associado ao PSDB e foi participante ativo das conspirações pró-impeachment.  A resistência virá das ruas.

As próximas semanas ainda serão de uma generalizada caça às bruxas, até que a poeira baixe e se permita uma visão mais clara sobre as tendências que prevalecerão.

Assim como ficou nítido, desde o ano passado, o viés partidário da Lava Jato, não tenha dúvida sobre as intenções do novo grupo de poder de inviabilizar as eleições diretas de 2018.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

70 comentários

  1. Tudo irá aumentar.

    As manifestações irão aumentar. A repressão irá aumentar. A arbitrariedade juridica irá aumentar. 

    Isso pra mim é FATO consumado. 

    Se prenderem Lula e Dilma, as manifestações irão quadriplicar. A repressão também. 

    Se chegar a este ponto, todas o sucateamento, inclusive a CLT será fato consumado. Ou existirá um acordo em manter a CLT, em troca estabelecer uma ditadura, com Lula e dilma presos e a extinção PT ? Achoq ue isso não existe. Existe? 

    Há uma olimpíada e uma eleição no meio do caminho. 

    Imagine quando forem privatizar a transposição do São Francisco e a transnorte? Irão deixar? 

     

     

     

  2. Alguém em sã consciencia acha

    Alguém em sã consciencia acha que a Dilma pode voltar a presidir o país?

    Que ela tem condições de reorganizar o país?

    Que ela tem condições de pacificar o país?

    Que ela vai conseguir sair do lamaçal da Lava-Jato incólume?

    Julgar o governo Temer pela duas primeiras semanas é infantil.

    Na verdade FHC deu o tom do governo Temer: Arrume a economia que o resto o Brasil resolve em 2018.

    Pura besteira essa discução sobre a MinC, mulheres ministras e essas manifestações de rua nada espontâneas.

    Na verdade o Nassif esqueceu apenas da parte mais importante do Xadrez. O que é melhor pro PT, voltar ao poder e naufragar no governo, ou sair como vítima e preparar o discurso para 2018?

    Já deu pra ver que as esquerdas não apoiam a Dilma no governo, mas dão apoio ã Dilma na oposição. Um paradoxo total.

    Por isso a Dilma não volta.

     

     

     

    • O problema é se preparar ara

      O problema é se preparar ara algo que cada diz tem menos chances de acontecer, eleições diretas em 2018, e o PT ainda precisa sobreviver até lá…

  3. É preciso barrar o Impeachment para embaralhar as cartas

    e começar o jogo.

    O Brasil só sai da crise se enquadrar a turma do Cunha.

    Pra isso tem que haver grupos no PSDB , PSB , PSB, PTB ,PR e PMDB que aceitam um armistício com o PT pra criar condições mínimas de uma “pactuação de governança” ate dezembro de 2018.

    Um Plano B significa revolta popular, recessão, caos social econômico e politico.

    Temer acabou de morrer politcamente com a escolha do André Moura como lder do governo.

    Voltou a ser vice decorativo. Bebeu do próprio veneno.

     

  4. Fica claro que quem manda
    Fica claro que quem manda nesse momento na República das Bananas é o Excrementissimo Sr. cúnha…E Manda nos 3 “poderes”…
    Fica claro que nesse exato momento quem comanda o Supremo (com excessão do Ministro Marco Aurélio Melo) é o Cúnha…na câmara dispensa comentários… e no Senado o Renan tá 100% refém (Acredito eu, que se o Renan tonar uma decisão contrária ao que foi definido em ata de reunião do Cúnha+supremo+tvGOLPE/PIG ele será preso antes do cúnha…)
    Então acredito que para desmantelar esse GOLPE será necessário atacar o cúnha de todos os lados e em todas as frentes… Têm que CHOVER denúncias/desmandos/etc… Provocar uma ” briga ” de vaidades entre o cúnha e os SENADORES…o temer é só o Fantoche…QUEM manada é a TV GOLPE tendo como CEO dessa operação o cúnha…
    Começar a fazer as ligações do Cristovam Buarque com o cúnha… do Romário com o cúnha… e de outros possiveis…
    É entrar no jogo segundo as regras… Esquece esse supremo acovardado… + uma vez a Brilhante reflexão do Lula: “Suprema Corte ACOVARDADA”
    Agora é jogar no Sacrifício…
    É ir para a porta doda casa do Cúnha e não só do Temer…
    O cúnha tá se fingindo de cachorro morto…mas ainda não tá morto não.. Tem que se ligar…

    • Cunha tem muita gente na

      Cunha tem muita gente na mão… É uma biblioteca Nacional da corrupção, está metido em todos os esquemas, e tem quase todo mundo na mão… todos o temem, mas por outro lado, todos ficariam aliviados se ele fosse calado definitivamente. E muito bandido nesse meio.

      Um movimento nada impossível é alguem se cansar e não querer ficar mais nas mãos dele… Tem que se atacar Cunha, até que um dos outros jogadores se precipite e resolva tirá-lo do jogo de uma vez por todas. Cunha tem todas as instituições na mão. A saída é alguém se precipitar e dar um fim a ele, de forma não-institucional.

  5. Novo Ministério

    Não sei se é viável, mas a Dilma não poderia montar um grupo que repensasse saídas para a crise, e que depois, em caso de queda do impeachment, assumiria os principais Ministérios?

    Seriam nomes em absoluto contraste com os do ministério atual, de um espectro político o mais amplo possível. Acho que hoje muita gente de peso toparia.

    • Muito boa sugestão.
      Se eu
      Muito boa sugestão.
      Se eu entendi bem, seria como desde já montar um ministério paralelo com o que temos de melhor defendendo um novo pacto social/político e mostrar a sociedade o que será possível fazer quando o Golpe for desmantelado e enterrado…dando uma “guinada” realmente desenvolvimentista e readaptando e melhorando o projeto de inclusão social… É +- isso?

  6. Prioridade Máxima é BRECAR O
    Prioridade Máxima é BRECAR O cerra bolinha de jornal… Esse aí é yankee desde criança e vai dar de bandeja o pré sal / universidades / etc…para o papai, os Yankees…

  7. Também acredito que não

    Também acredito que não teremos eleições em 2018 e, assim como o Lacerda em 1965, muito golpista com pretensões eleitorais se frustará. 

    • Acho que seria uma saída

      Acho que seria uma saída imoral. Dilma tem uma reserva moral que os golpistas não tem… E a cada dia que passa do governo Temer, 2018 fica MAIS LONGE, e não mais Perto. 2018 pode ser, na verdade, em 2042.

  8. Se os jovens da periferia
    Se os jovens da periferia desligarem os PS4 que compraram Graças a inclusão Social que aconteceu nesses últimos 13 anos e forem oritestar nas ruas da Burguesia… Oscar Freire/ Pacaembu/Higienópolis/Moema/Morumbi…etc…enfraquecendo e colocando nas cordas esse governo Fascista do Geraldo Merendão… aí ele terá de ARREGAR e a Vitória por isso será da Juventude… Vamos lá juventude acordem… Desliguem o PS4 deçam os morros e vão para os Jardins… Parar São Paulo… #parar a burguesia de são paulo….é isso aí…

  9. Se os jovens da periferia
    Se os jovens da periferia desligarem os PS4 que compraram Graças a inclusão Social que aconteceu nesses últimos 13 anos e forem oritestar nas ruas da Burguesia… Oscar Freire/ Pacaembu/Higienópolis/Moema/Morumbi…etc…enfraquecendo e colocando nas cordas esse governo Fascista do Geraldo Merendão… aí ele terá de ARREGAR e a Vitória por isso será da Juventude… Vamos lá juventude acordem… Desliguem o PS4 deçam os morros e vão para os Jardins… Parar São Paulo… #parar a burguesia de são paulo….é isso aí…

  10. Discordo que a mobilização de

    Discordo que a mobilização de rua não impacta a volta do governo. A rua é central. Desde 2013 tem essa disputa. O pró-impeachment ficou na rua até derrubar a Dilma. Para ela voltar é ganhar a rua. Só que tem uma coisa: dezenas de milhares ainda é setorizado, o jogo só passa a valer a partir da centena de milhares, e começa a falar grosso na casa do milhão. Aliás, diga-se de passagem, Dilma caiu porque pouca gente a defendeu. E não voltou, porque pouca gente protestou. A rua é a chave. Chegar no milhão é que torna Temer insustentável e não colocar meia dúzia de gato pingado em frente à casa dele. 

    Mas não chega, porque pouca gente quer defender a Dilma. Tem outra coisa também: se o povão, aquele que o PT diz representar, realmente aparecer na cena, vai querer saber da superação de suas carências seculares e a coisa vai desandar. Se começa a mobilizar, crescer, você sabe como começa mas não sabe como termina: o movimento ganha dinâmica própria, fica incontrolável, e o PT sabe disso. . . encrenca feia. Algo me diz que o PT não quer comprar essa briga pra Dilma voltar. Até porque, depois o povão vai apresentar sua a fatura. O povão vai à rua apoiar o retorno da Dilma e depois vai pra casa? Pra ela voltar e vir com corte em cima dele? Nada disso, se ocorrer vai ter um preço, e o preço do retorno da Dilma é alto, e algo me diz que o PT tem dúvidas sobre se realmente vale a pena.   

    • A movimentação do PT sempre

      A movimentação do PT sempre vai ser menor porque seria formadas sua maioria por pobres e trabalhadores que não tem recursos para ficarem se movimentando para as manifestações por isso ela são dia de semana. Por isso não podem se domingo como as da Direita. Por isso acabam não tendo tanta visibilidade porque são à noite depois do trabalho. Nada de não que defender Dilma. Nada de encrenca. Isso é macropolitica. E por explicações iguais a sua é que vemos que a Direita é cruel e fascista (autoritária distorcesses impositiva). Só pensa no próprio umbigo com a desculpa da economia do dólar das ações. Quando vivemos debaixo do crivo do FMI décadas. Muita desfaçatez. Muita manipulação. O povo quer saúde educação casa e trabalho. Quem quer papéis na bolsa bolsa e rico. Rico e grandes empresários que eu presumo sejam a mesma coisa. Não digo que vc seja. Mas o pensamento da Direita é distorcido para o alcance do objetivo dos ricos e isso é ignorância. Esse objetivo fica kilometros de distância de 85-90% da população. Não há a mínima possibilidade de na atua conjectura do Brasil ou de qq país da AL atende a esses dois mundos. Lula foi o único que tentou isso. Não entrando no mérito da história pessoal desse grande presidente é inegável a tentativa de seu governo contemplar os dois mundos. Numa experiência ainda inédita na AL. Mas a oposição queria mais. Porque como já disse em cima umbigo é um buraco negro e ninguém Ásia volta está disposto a ceder nada para outro. Nem mega empresários nem mídia nem países “parceiros”. 

  11. O GOLPE DO PARLAMENTARISMO

    >>> Assim como ficou nítido, desde o ano passado, o viés partidário da Lava Jato, não tenha dúvida sobre as intenções do novo grupo de poder de inviabilizar as eleições diretas de 2018.

    Mais uma vez:

    O GOLPE DO PARLAMENTARISMO

    Paradoxo no(s) golpe(s) brasileiro(s): tempos esquisitíssimos e normalíssimos?, por Romulus                                                            

     ROMULUS                                                                                      TER, 17/05/2016 – 12:21ATUALIZADO EM 17/05/2016 – 12:23

    Por Romulus

    Vendo os acenos do Min. Barroso fico muito preocupado com o futuro do meu país. E começo a antever – como outros – um golpe dentro do golpe, com a instituição “malandra” (estou gentil hoje) do parlamentarismo.

    Começo a temer seriamente que aqueles que atualmente ocupam – legitima e ilegitimamente – nossas instituições estejam tramando tirar do povo, na mão grande, o direito de eleger diretamente o Chefe do Executivo nacional.

    Terá Dilma sido a última em 2014?

    Paradoxo brasileiro: tempos esquisitíssimos e normalíssimos?LEIA MAIS »

    • Mais “novo normal juridico”:

      Golpe mete a mão na TV Brasil: quer DIP do Séc. XXI                  

       ROMULUS               DOM, 22/05/2016 – 00:06ATUALIZADO EM 22/05/2016 – 01:48

      – Atualizado em 22/5 com novas considerações

      – Devíamos aproveitar sua luxuosa presença no gabinete do golpe e perguntar à CONSTITUCIONALISTA Flavia Piovesan o que ela acha, não é mesmo?

      – “Bem-vinda (ao golpe), querida!”

      * * *

      Claramente não há urgência, no sentido da CONSTITUICÃO, para um governo >>INTERINO<< mudar a lei sobre o funcionamento de uma TV Pública através da edição de uma medida provisória!

      É claramente uma “pedalada” constitucional para poder apresentar um prato feito ao Congresso e evitar o debate. Discussões no Congresso explicitariam o caráter ditatorial da iniciativa, qual seja: criar um novo DIP do Estado Novo varguista para o século XXI. Isso seria reverberado na internet fartamente e até em certa medida na grande imprensa, como vemos aqui. LEIA MAIS »

  12. Precisamos derrotar essa Hydra de Lerna

    Precisamos derrotar essa Hydra de Lerna, termo usado por Nassif tempos atrás, para referir-se ao golpe em andamento, comandado pelo tucano Janot sob supervisão e apoio do Tio Sam, o que nos leva a entender que o MPF é a cabeça principal do monstro,,,,.,, são vários tentáculos golpistas..,..que  Hércules decepará as cabeças do monstro..,,…o Brasil não estava preparado para o republicanismo do  implementado por Lula

    https://mitobook.blogspot.com.br/2011/04/hidra-de-lerna.html

  13. O termo “novo normal” e a BOMBA do grampo em Jucá

    Aliás, esse termo “novo normal jurídico” do Nassif traduz exatamente o que quis dizer com o título:

    Paradoxo no(s) golpe(s) brasileiro(s): tempos esquisitíssimos e normalíssimos?, por Romulus 

    A aberração vira a regra.

    Resta ver agora o que a “bomba” de hoje do grampo em Jucá fará.

    De onde veio a bomba?

    Hipóteses:

    Extorsão da Lavajato?

    Vingança de Cunha?

    Fogo amigo no gov?

    Reação do PT?

    Lavajato parte p/PMDB/Temer?

    Qual vai ser o impacto?

    O novo normal comporta um grampo desses no ministro do planejamento e um dos principais articuladores do governo – e do golpe?

    (imaginem se um grampo desse fosse entre Dilma e Lula…)

    Imaginem um audio desse no ar nas redes sociais!

    A veleidade de álibi sumiu a esse ponto no “novo” Brasil?

    E essa historia de Exercito acertado com a conspiraçao e monitorando o MST?

    O novo normal comporta Exercito monitorando movimento social?

    O STF sera o guardiao do “novo normal”?

    O povo – sem liderança – aceita o “novo normal”?

    Se nao aceitar e for pro pau definitivo, o PT vai se fazer de morto e jogar (o pouco que ainda restou) fora junto com esse sistema podre?

    Se fizer isso ja vai tarde.

    Se for o caso, prefiro ate votar ja em 2018 nos presidentes dos gremios estudantis dos secundaristas que fazem as ocupaçoes a votar nesse PT.

    Se errarem por sua imaturidade imberbe, os estudantes pelo menos erram pela primeira vez.

    Nao pela milesima vez como esse PT pragmatissimo.

    – Dilma Roussef:

    Vai continuar fazendo o jogo de cena que o PT pede ou vai aproveitar o palanque e a voz que tem – inclusive internacionalmente – para finalmente gritar que “O REI ESTA NU”?

    – DILMA – por favor nao deixe o seu sacrificio – se vier a se confirmar (espero que nao) – ser em vao. Pense no Brasil e nas novas geraçoes.

    – Derrube esses porcos junto!

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1774044-em-conversa-juca-afirma-que-caiu-a-ficha-do-psdb-sobre-operacao.shtml

     

    • república fratricida de patrícios

      http://jornalggn.com.br/comment/927766#comment-927766

      depois de Snowden expor a espionagem da NSA, de Dilma ser grampeada pela Lava Jato, do WikiLeaks revelar que Temer agiu como informante dos EUA e agora o STF estar grampeado estamos mesmo em tempos “esquisitíssimos” – e podem ficar ainda mais esquisitos. o que mais vem por aí?

      Por que hoje os dois cônsules e os pretores usam togas de púrpuras, bordadas, e pulseiras com grandes ametistas e anéis com tais brilhantes e esmeraldas? Por que hoje empunham bastões tão preciosos, de ouro e prata finamente cravejados? É que os bárbaros chegam hoje, Tais coisas os deslumbram.

      mas gente recém-chegada das fronteiras diz que não há mais bárbaros. sem bárbaros o que será de nós? ah! eles eram uma solução.

      abraços.

    • O problema é que aiu na

      O problema é que aiu na folha… isso só dá em alguma coisa se sair no JN. Se os interesses de Folha e Globo forem divergentes, isso será abafado.

      No máximo rolará a cabeça do Jucá para dar alguma satisfação a opinião pública.

      • Tesouro direto suspenso. WHAAAAAAAT???

        Olha, posso estar enganado, mas a merda no ventilador deve ser grande…

        NUNCA VI CIRCUIT BREAK NO TESOURO DIRETO!

        >> Nassif: Ja teve isso antes?? 

    • Uma especulação …

      Acredito que este vazamento pode ser pressão da PF, mas também pressão do MPF, seja para pressionar mudanças por parte do Temer (incluído aí um senhor endurecimento) ou pressão da Folha (em busca de mais verba oficial). De qualquer modo, o governo Temer leva mais pancada em pouco mais de uma semana. Como estará em um mês ou dois ? Como poderá se legitimar diante de uma série de escândalos ? Porque este não será nem o primeiro nem o único, acredite. A sucessão de escândalos pode levar o governo Temer à ingovernabilidade, e aí o país marca passo mais uma vez. 

      É muito sintomático que o Presidente não possa sair de sua faustosa casa em Sampa e tenha que retornar, escarreirado para Brasília. Ou seja, perdeu o controle das ruas… Acho que isso é só o começo, por isso, o apelo aos militares e ao judiciário, porque sabe que não tem condições de governabilidade. 

      Por outro lado, é desalentador ver o PT e partidos aliados sem se moverem, sem saberem o que fazer. Tirando o Lula, a maior parte das lideranças do PT parece ser composta de burocratas. Ainda nada convocaram que tenha peso ou impacto popular. Onde está o Lula que nada fala ? Por que não fazer um abraçasso no Alvorada, com alguns milhares e aí desmascarar o cerco que o governo Temer faz a Dilma ? Por que o PT não abre um processo formalmente em Haia ? Onde está uma grande greve geral ? Onde estão as obstruçoes legislativas ? Por que o PT e aliados não têm um gabinete permanente da crise ? Assim, sem a associação a outros movimentos populares, não dá pra virar o jogo.

  14. Excelente.Cada um dos atos
    Excelente.

    Cada um dos atos da peça de Nassif se concretizará, muitos como repetição do que ocorreu em 64, passando pelo golpe dentro do golpe, lutas internas fraticidas, traições, descontenramento crescente dos apoiadores, o pau quebrando nas ruas, a justiça desorientada, as polícias descontroladas, a mídia internacional divulgando o que a nossa imprensa esconde…

    Afinal, golpe é golpe .

    A diferença é que tudo isso está ocorrendo antes mesmo da derrubada de Dilma.

    Outra diferença é que o muitissimo apoio que Temer tem ainda é muito menor do que a força de um regime militar.

    Temer não governará

  15. dica

    Como se trata de nova eleição, desta vez realizada no senado e presidida pelo presidente do STF, 

    Dica para os democratas / progressistas:

    Quem vai escrever o programa do novo governo Dilma na hipótese dela sair vencedora? Em papel ou, preferencialmente, filme divulgado na internet?

    Esse programa de governo deve ser uma carta de intenções divulgada já, agora, para que o povo saiba o que será feito nos dois anos que faltam. E para que o povo tome partido e seja motivado a lutar pelo que for melhor para ele. Programa contrário à “pinguela para o passado” do golpe?

    Isso pode fazer a roda da sorte de Dilma / PT girar. Desde que se abandone a mídia tradicional, GOLPISTA!

    Dilma vai ter que escolher de qual lado fica. Vai escolher outro Levy? Vai fazer omelete na M. Braga? Vai dar exclusiva para a folha ou para o fantástico? Vai influir para despencar as taxas de juros ou vai obrigar os operários a pagar o pato? Vai garantir a retomada do pleno emprego distribuindo dinheiro na base da piràmide ou vai fazer desonerações e com elas a festa das matrizes das multinacionais? O que fará com os obcenos altissimos salários e vantagens de parte da administração e aposentadorias de marajás? Dará, ao menos, publicidade a esse roubo continuado? Fará a festa de quem produz dando meios para pobre consumir ou dinheiro só para quem já tem?

    Vai para a rua junto com os patriotas, democratas e a pobraiada? 

  16. Várias implosões intestinas
    Várias implosões intestinas continuam ocorrendo

    O butim se tornou pequeno para a enormidade de grupos e interesses.

    O governo usurpador já teve que desfszer várias ações,

    A fragilidade é visível

    A insatisfação aumentando exponencialmente

    O objetivo político do grupo de Cunha/Temer é fazer o golpe dentro do golpe que será aprovar a ideia de unificar as eleições, e neste caso, prorrogar o mandato até 2020 (eleição seguinte para prefeitos, etc).

    A defecção será total,

    dejetos por todos os lados .

  17. monstros

    como se o presidencialismo de coalizão já não fosse monstruosidade suficiente, o teatro de vampiros da política brasileira coloca em cena uma criatura ainda mais grotesca: o presidencialismo condominial.

    o termo expressa com exatidão um governo possuído por gangues patrimonialistas, tendo como objetivo  devorar o orçamento público num pic nic de abutres.

    embora o afastamento de Dilma ainda não seja definitivo, o governo usurpador de Temer ignora seu caráter de interinidade, em mais uma aberração política, e jurídica, do show de horrores gerado pelo golpe de estado em curso no país.

    coagido pela casta dominante a implementar um projeto de espoliação neoliberal derrotado 4 vezes consecutivas nas urnas, o golpista Temer já assume com uma reforma ministerial e sob a promessa de executar o Estado mínimo instantâneo.

    dado o volume de grampos e delações premiadas levantados pela Lava Jato e tendo em vista a total e profunda contaminação de absolutamente todo o sistema político brasileiro, não há a menor possibilidade de estabilização política nem para a continuidade de Temer, tampouco para o retorno de Dilma ou mesmo qualquer outro governo refém deste modelo.

    este golpe de estado jurídico-parlamentar é movido por práticas de arbítrio que tendem a se tornarem uma jurisprudência muda. marchamos para um Estado de Exceção permanente controlado pelos que odeiam a Democracia: uma Tirania financeira globalizada gerida por acordos transnacionais.

    neste monstruoso mundo novo, não existe lugar para a cidadania. seremos transformados em zumbis.

    .

  18. Conforme já era sabido o STF

    Conforme já era sabido o STF foi um dos adesistas à tese da saída de Dilma indicando o grau de putrefação da política nacional, sem meias palavras um sindicato de ladrões e associados tomaram o poder de assalto.

    Acho que se os golpistas não aguentarem a pressão das ruas aliado à falta de reconhecimento internacional jogarão tudo em novas eleições antes de 2018, o problema é como tirar Lula da disputa, se prenderem o homem será como jogar gasolina na fogueira com as manifestações aumentando, provavelmente utilizarão algum artifício jurídico com o auxílio do STF.

  19. Dilma nunca mais voltará. Se

    Dilma nunca mais voltará. Se em condições muito menos adversas ela só fez escolhas erradas, imagina ela voltar numa situação crítica dessa – e provavelmente sem contar com Lula, pois este vem enfrentando a fúria de Moro e corre o risco de ser preso ou ter alguém da família preso. 

    A questão é a economia = se o pmdb ter sucesso [o que não significa vantagens pro andar de baixo, mas sim pro andar de cima e a mídia golpista ] na economia, ele faz o que bem entender no resto. 

     

     

  20. Temer e a falta de autoridade

    O grande problema do interino é que ele se fez na política, não por ser um líder, mas por ser um segurador de mangueira. Que não se mete em conflitos e deixa cada área livre para fazer o que quiser. Se no governo FHC já tinha problemas para conviver com o PSDB e o nada saudoso PFL, agora que vai ter que conviver com o blocão de Cunha, André Moura e etc. No Congresso, o governo do golpe dificilmente aprovará as coisas, a menos que consiga destacar setores do baixo clero do controle cunhista. E para vencer na opinião pública, Temer talvez tenha que assumir explicitamente um acordo com setores mercadistas e privatistas no jogo contra os setores patrimonialistas do próprio PMDB. Aí ele vai ter a rua toda contra ele. Aí você terá uma ingovernabilidade até 2018 com toda certeza, a menos que Dilma volte.

  21. Temer e a falta de autoridade

    O grande problema do interino é que ele se fez na política, não por ser um líder, mas por ser um segurador de mangueira. Que não se mete em conflitos e deixa cada área livre para fazer o que quiser. Se no governo FHC já tinha problemas para conviver com o PSDB e o nada saudoso PFL, agora que vai ter que conviver com o blocão de Cunha, André Moura e etc. No Congresso, o governo do golpe dificilmente aprovará as coisas, a menos que consiga destacar setores do baixo clero do controle cunhista. E para vencer na opinião pública, Temer talvez tenha que assumir explicitamente um acordo com setores mercadistas e privatistas no jogo contra os setores patrimonialistas do próprio PMDB. Aí ele vai ter a rua toda contra ele. Aí você terá uma ingovernabilidade até 2018 com toda certeza, a menos que Dilma volte.

  22. Sobre uma narrativa alternativa a dos golpistas, a presidenta Di

    Sobre uma narrativa alternativa a dos golpistas, a presidenta Dilma deveria encampar de vez uma proposta de ampla reforma política junto à esquerda e à parcela da sociedade incomodada com a conjuntura nacional. Criar uma agenda política ampla que congregue diferentes forças políticas e que vá além da simples recondução da presidenta poderia ser uma forma de dar maior amplitude às mobilizações dos movimentos sociais.

    Existe um consenso generalizado no país de que a reforma política é necessária e urgente. Sendo assim, encampar a luta contra o governo golpista e avançar com uma proposta de reforma política seria o salto de qualidade que canalizaria toda a insatisfação do país para uma proposta concreta e viável.

    O brasileiro não se sente representado pelos políticos e deseja ter maior protagonismo nas decisões políticas. Tomar a iniciativa de iniciar uma ampla mobilização pela reforma política seria uma saída.

  23.  
    Pergunta necessária : alô

     

    Pergunta necessária : alô ministro Barroso ! Nossa Senhora, é esse o STF que temos ??? Não quero mudar de país, mas quero um outro STF !!!

  24. Com o vazamento(ou liberação,

    Com o vazamento(ou liberação, não sei ainda) do grampo entre o hoje Ministro do Planejamento e o ex-presidente da TRANSPETRO, acredito que essa análise já careça de uma “atualização”. A meu ver se trata do material mais explosivo até agora surgido depois da Operação Lava a Jato. Nada o supera, porque:

    1) Constata-se através de uma prova empírica que houve o que apenas se imaginava antes: duas conspirações simultâneas e com interesses entrelaçados: a primeira para derrubar um governo legitimamente eleito; a segunda para obstruir a Justiça. Dois delitos gravíssimas contra a Ordem Democrática e o Estado de Direito.

    2) Prova de que o PSDB sempre esteve no meio dessa trama e que seus líderes, a começar por Aécio Neves tem contas a prestar há muito tempo. E que a blindagem que os protegem implica, necessariamente, na desconfiança do próprio aparato repressivo(PF-MP). 

    3) A ser verdade as pabulações do ministro Jucá, entra em cena um personagem até então inédito: o estamento militar. Uma novidade realmente preocupante.

    4) Se também não passarem de jactâncias, as alegadas “conversas com ministros do STF”  e o teor das respostas dos mesmos não forem as citadas, aí sim, estaremos diante dos escândalos dos escândalos dos escândalos………MINISTROS DO SUPREMO, GUARDIÕES DA CONSTITUIÇÃO, TAMBÉM SUPOSTAMENTE COMPROMETIDOS COM UM GOLPE DE ESTADO.

    Nossa República, infelizmente, apodreceu de vez. Necessita de uma refundação. 

    PS: será que esses ministros do Supremo, A SER VERAZ ESSA DECLARAÇÃO DE ROMERO JUCÁ, serão os……..os….cala-te boca. 

    Se for, nenhuma surpresa para este escriba. 

     

     

    • Apodreceram faz tempo, e um

      Apodreceram faz tempo, e um stf que aceita o comportamento bizarro de um gilmar mendes e uma ministra que condena sem provas por que assim a literatura permite não pode ser levado a sério, ali poucos tem notorio saber juridico, ou o povo acordo ou venderão o país para os gringos e darão nossas carcaças de brinde.

    • Começo a achar que o PT só

      Começo a achar que o PT só criticou as FA em suas notas pq já sabia que ela estava no golpe até o pescoço…

      E agora esse audio é vazado, e o PT fica mei que justificado…

  25. Duas reflexões que se entrelaçam
    AS VERDADES

    “Determinadas leis podiam ser injustas, advogados podiam
    ser desonestos e tribunais podiam ser corruptos, mas a lei,
    alicerce da sociedade, era, por definição, um bem incontestável”.
    (Stuart Schwartz, Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial)

    Quando se extingue a gestão independente e específica para a cultura, faz-se muito mais do que deixar ao léu os museus, as produções artísticas e as pesquisas do folclore. Abrem-se ou, no caso brasileiro, reabrem-se as portas para o colonialismo, para a dominação moral, para a introdução das falsas verdades e imposição de mitos alienantes. Não tratarei aqui das artes, mas das falsidades. E começo tomando o exemplo da economia.
    O grande mote para o impeachment da Presidente Dilma, também usado para deposição do Presidente João Goulart e para levar ao suicídio o Presidente Getúlio Vargas foi a corrupção, o “mar de lama”, a “pandemia”. A corrupção, além do problema ético, é uma questão econômica.
    Todos lembram da “crise” de 2008, chamada de subprime americano. Os filmes, os documentários e as reportagens econômicas sobre este evento que arruinou famílias, empresas e países mostram claramente a corrupção dos agentes econômicos, do governo e dos congressistas norteamericanos além, e dou especial relevo, das “agências de classificação de risco”, que me espanta ainda serem citadas e acreditadas pela imprensa e instituições econômicas. Também não há menos corrupção na Wall Street, de Nova Iorque, e na City, de Londres, do que na Avenida Paulista. para não encher páginas, cito a manipulação do câmbio ocorrida em 2015, em Londres, sem outra punição que não fosse a de multa aos cinco (?) bancos envolvidos. Acaso a corrupção na reconstrução de Berlim teria sido menor do que a do metrô de São Paulo?
    O mar de lama de Getúlio, dito por seus acusadores, jamais existiu. O mesmo em relação a João Goulart, amplamente vasculhado após sua exclusão do País, e logo veremos que nem Lula nem Dilma cometeram qualquer ilícito. Mas o parlamento brasileiro, como o italiano, não escaparia de uma investigação séria, não midiática e parcial como a Lava Jato.
    Esta demonização nacional pela corrupção faz parte de um sistema de dominação colonial. Também faz parte deste sistema colonizador o mito da estrutura institucional neutra. Como uma estrutura de poder pode ser neutra? Já nem falo das condições sociais e econômicas que dirigirão as questões a distintos segmentos hierárquicos, mas da própria aplicação das normas e de suas exigências. Tomemos o caso recente das reivindicações operárias na Itália, na França e na Suíça. Os sindicatos foram aos judiciários na defesa de seus direitos, os mais elementares como do pagamento integral dos salários. Encontraram a justiça lenta, bem paga, colocando óbices processuais e pedidos de informação, fugindo de sua obrigação básica de fazer respeitar a lei e o direito às vidas mantidas por aqueles salários.Enquanto as empresas, constituídas para execução das obras, desvinculando-se das matrizes, muitas vezes em outros países e paraísos fiscais, fecham suas portas, falem e deixam de cumprir suas obrigações sociais e trabalhistas. Nem trato do Brasil, mas os avisados leitores terão suas próprias experiências e informações. Mas estes países tem instituições modelares, assim nos ensinam e reforçam os veículos de comunicação de massa.
    Ocorre, atualmente, em todo mundo, e como sempre, a luta pela dominação colonial, agora entre o sistema financeiro internacional, que denomino abreviadamente por banca, e os BRICS, que além dos países da sigla, representam a esperança de vários países no processo de conquista da soberania nacional e na construção da sociedade calcada em seus próprios valores e cultura.
    O interino ministério dos homens de terno que ora ocupa o Poder Executivo deixou muito clara sua opção. Coloca os recursos da previdência subordinado aos interesses fiscais, os quais, por sua vez, como demonstra o super déficit divulgado, obedece à banca. Mistura os desenvolvimentos industriais, com os agrários, com os sociais, com a previdência social numa única gestão para promover o caos e a paralisia conforme os interesses da colonização.
    Enquanto a USAID, em documento de 2015, afirma pagar “jornalistas amigáveis” para defender seus interesses em todo o mundo, do lado de cá, passa-se por um ideal político não ter posição, como se algum poder não tivesse sua ideologia. Mas com esta “verdade” faz os “conservadores”, os adeptos da submissão colonial, passarem por “técnicos” e os reformistas, os que procuram mudança e renovação, por “politiqueiros”, “fantasistas” ou “comunistas” ou ainda, na palavra da moda, “bolivarianos”.
    Jessé Souza (A tolice da inteligência brasileira, Leya, SP, 2015, pag 191) diz: ”a política dos tolos que imagina o centro do poder no Estado, na verdade mera teatralização do poder, esconde a realidade de dois modos: primeira é cega em relação ao jogo de interesses e influências que pré-decidem e antecipam aquilo que depois se torna política explícita …. e depois, no ato mesmo de concentrar toda a atenção ao teatro do poder e não a sua prática, se torna um dos elementos fundamentais para a opacidade e invisibilidade desta última para a consciência cotidiana”.
    Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado
    Nota: havia escrito este artigo quando tive a notícia que o provisório governo, não suportando a pressão da mobilização da classe artística, decidira rever a extinção do Ministério da Cultura. Evidentemente que será um ministério minúsculo, sem recursos nem poder. A definição prócolonial já está posta. Mas é importante para os movimentos sociais avaliarem o poder das mobilizações.
    CORRUPÇÃO

    “A corrupção sistêmica, o pagamento de propina como regra do
    jogo, não é assim tão comum” (Sérgio Moro, na revista Exame)

    Robert Parry, do Consorcium News, escreveu no último mês de abril: “Ano passado, a USAID distribuiu um fact sheet no qual resume os próprios serviços de pagar jornalistas amigáveis em todo mundo, inclusive para “formação e treinamento de jornalistas, desenvolvimento de negócios de mídia-empresa, construção de capacidade para instituição de apoio e reforço de ambientes legal-regulatórios para a livre empresa de comunicação em geral” (http://www.orientemidia.org/eua-contra-os-brics-corrupcao-como-arma-de-propaganda).
    O juiz Sergio Moro, como noticiado pelo Washington Post, foi beneficiado por formação, como descrita pela USAID e, se foi trainee aplicado, deve saber muito bem.
    Desde 1983, instituida pelo Congresso Norteamericano, existe uma Fundação Nacional pela Democracia (National Endowment for Democracy – NED) que subvenciona quatro estruturas autônomas para distribuir em todo mundo dinheiro para corromper associações, sindicatos operários e patronais, partidos polícos de todas as tendências ideológicas, com o objetivo de influir, em favor dos interesses dos Estados Unidos da América (EUA), as decisões de seus governos nacionais. Uma dessas estruturas é o Centro Americano para a Solidariedade dos Trabalhadores (ACILS), gerenciada pelo sindicato americano AFL-CIO, com recursos públicos e privados como da Smith Richardson Foundation, da John M. Olin Foundation, da Lynde and Harry Bradley Foundation, de financistas como george Soros e outros. Há também o Centro para Empresa Privada Internacional (CIPE), gerenciado pelas Câmaras de Comércio dos EUA, sempre com os recursos já mencionados.
    Nem vou tratar da violação das soberanias nacionais nem da corrupção das mentes. Basta verificar a desestabilização de governos e instituições políticas que vem ocorrendo nestas últimas décadas para se ter a noção desta ação: primaveras árabes, revolta na Ucrânia, deposição do governo egípcio, golpe em Honduras, no Paraguai, na Venezuela, no Presidente Jean-Bertrand Aristide do Haiti, e agora no Brasil entre outros.
    Uma distinção entre a NED e a CIA (Agência Central de Inteligência) é que a NED também presta, formalmente, seus serviços aos britânicos e australianos, como anunciado por Ronald Reagan, em Londres. Este pacto entre a MI6 britânica, ASIS australiana e a espionagem norteamericana já havia sido revelada com a divulgação das escutas clandestinas e a intercepção eletrônica da rede Echelon – os cinco olhos, pois inclui as antigas colônias canadense e neozelandeza.
    A ação da NED também avança na criação de organismos nos países estrangeiros para, a exemplo do antigo IBAD, no Brasil, financiar movimentos de rua e campanhas eleitorais.
    Como afirma em aprofundado estudo, Thierry Meyssan, no Réseau Voltaire (http://www.voltairenet.org/article166549.html), focando a atenção da imprensa na corrupção econômica, organismos como a Transparência Internacional mascaram a atividade da NED: “a corrupção política em proveito dos anglosaxões”.
    A Transparência Internacional funciona como uma ferramenta para constranger os Estados e a modificar suas legislações para a abertura dos mercados. Seus comitês, formados por personalidades, quase sempre associadas de algum modo ao Banco Mundial (WB), com base em informações falsas, orquestraram intensa campanha em 2008 contra a estatal petrolífera da Venezuela – PDVSA. O objetivo, além de denegrir a gestão da estatal, era atingir o Governo de Hugo Chavez em sua política nacionalista.
    A relação das ações conhecidas e comprovadas da NED pelo mundo encheria páginas e páginas. Mas procuro chamar a atenção para a quantidade de dinheiro envolvida nestas ações de corrupção e para enganar as pessoas.
    Provavelmente meu caro leitor, você pode estar considerando que este artigo exagera, que não pode ser assim, mas se ao invés dos EUA estivesse tratando do “comunismo internacional” você acharia mais viável. Isto apenas comprova que a colonização da mente é mais profunda e antiga. Desde sua alfabetização, com a inconsciência dos professores, você foi treinado a ver o hemisfério norte ocidental como o lugar das virtudes, da liberdade e da democracia. O hemisfério sul como o lugar da sexualidade e da preguiça. Antonio Gramsci dizia que o poder se exerce mais pelo espírito do que pela força. O que explica a importância do domínio das mídias, a imposição ilegal do governo provisório de um presidente para a Empresa Brasileira de Comunicações (EBC), que tem a única emissora pública de televisão no Brasil. Michel Foucault (Vigiar e Punir; Microfísica do Poder) chama a atenção que o poder não mais se exerce sobre o “corpo” (a punição espetáculo da inquisição) mas sobre a “alma”, a segregação por ser diferente, por não agir como preconiza a dominação colonial, a “legítima” ordem social, onde o terrorista de ontem se transforma no governante de hoje. E não estou exaurindo aqui os modos da corrupção.
    Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado

  26. É ho0ra de mudar o título da

    É ho0ra de mudar o título da série: “O Xadrez….” está ficando muito repetitiva!

    • Para não ficar repetitivo,

      Para não ficar repetitivo, que tal mudar seu nome para Geraldo Manguara? 

      (Perdoe-me caro Geraldo, nestes tempos bicudos e Bicudo quanquer chance de um pouquinho de humor deve ser aproveitada. Não resisti, não me leve a mal. Grande abraço.)

  27. O novo normal jurídico Nassif é isso…

     

    Um dos operadores da máfia, Mouro, no caso o Jucá, dizendo o que todo mundo já sabia, explicitando o plano todo desde o início. Vai ser a bomba do dia? Claro que não, o exército midiático já tá em campo pra neutralizar seu efeito, o Bom Dia Brasil já na dianteira… em menos de 24 horas vai virar pó, só não sabemos se vai ser cheirado. Como o STF tá enfiado até o pavio e o resto do pavio no golpe (a essas alturas desconfio até de Ricardo Lewandówski, infelizmente), tenho quase a certeza revoltante que nada vai acontecer, nada, nem com Jucá nem muito menos com a tramitação final da conspiração contra Dilma e contra o PT.

    A isso eu chamo “profissionalismo” Mouro, isso sim. Um ministro do planejamento profissional, de um governo proffissional e eficiente (afinal vai equacionar as mazelas que Dilma, a gerentona personalista, deixou), deixando à mostra um plano sórdido pra esculhambar com o Brasil, trucidar nosso Estado Democrático de Direito, e com aval de ministros de uma suprema corte pra lá de partidarizada, caolha (só enxerga malfeitos do lado esquerdo), cúmplice de golpistas que pousa de guardiã da Constituição.

  28. A tucaníssima falha de sp já

    A tucaníssima falha de sp já começou hoje mesmo a detonar o “governo” temer para favorecer o psdb. SE continuar, o “governo” gokpista seguirá se arrastando. O que não faltam são alvos para serem atingidos na campanha para detonar o pmdb.

  29. O Novo normal jurídico

    O Jucá está com medo do Moro? O Moro iria prender o Jucá? Por que não prendeu até agora?Não iria pender coisa nenhuma. Moro, Supremo estão no golpe. A meta é prender Lula, quem sabe Dilma e minar o PT. Feito isto a Lava jato atinge sua meta.

  30. Como o Nassif bem observou,

    Como o Nassif bem observou, as esquerdas que estavam brigadas com a Dilma Presidente, voltaram a se reaglutinar em volta da Dilma Cassada.

    Eureka, diria Arquimedes, embora eu esteja entediado pelo tanto de tempo que os comentarista e o Nassif estão demorando para descobri o óbvio.

    O PT não tem plano para tirar o país da crise. O PT como governo acabou, só restou ao PT voltar a ser oposição.

    Medidas duras e amplas reformas terão de serem implementadas, e o PT e as esquerdas simplesmente são ideologicamente contra essas medidas, embora sem elas é impossível se sair da crise. Estamos vendo na Venezuela o que acontece quando um país perde o trem das reformas, e agora só resta ver o nosso vizinho se esfacelar como nação, com todo o sofrimento que isso vai causar ã sua população.

    Alguém consegue imaginar o que será do Brasil se a Dilma voltar? O que será do PT e do Lula com a crise dando um terceiro mergulho?

    A troika Dilma, Lula, PT vão pedir aos brasileiros sacrifícios? Implementar as reformas? Pedir união? Perder definitivamente o discurso?

    Governar em tempo de bonança é fácil, mas governar em tempos de crise é que são outras. E o PT se mostrou absolutamente incapaz de colocar o interesse do pa[is acima dos interesses do partido.

    Por isso a queda da Dilma foi uma dádiva dos céus para o PT e para o Lula.

     

  31. Temer: o Presidente ilegítimo e sitiado.

    Temer: o Presidente ilegítimo e sitiado.

    Temer foi com muita sede ao pote.

    Uma sociedade nova se desenha no Brasil desde os primeiros anos da Era Lula.

    Passou-se a ter alguns direitos novos, que aos poucos foram sendo incorporados no cotidiano dos brasileiros.

    Os Ministérios da Cultura, da Saúde, da Educação, do Desenvolvimento Agrário, do Desenvolvimento Social, da Igualdade Racial, das Mulheres, dos Portadores de Deficiência, etc. foram providos de programas e ações que atendem os brasileiros de todas as classes sociais, sendo que milhões deles, antes eram desassistidos pelo Estado em coisas básicas: acesso à Cultura, à Saúde, à água, à Educação, à Moradia, ao Transporte, etc. E ai vem o Temer e quer desestruturar tudo de um dia para o outro e mercantilizar todos os programas e ações do Estado, e descontinuar muitos deles?

    Tornaram-se direitos adquiridos e que a população não quer que acabe.

    Imaginemos a situação real.

    Meu irmão, ontem, chegou à Drogaria Raia e foi adquirir duas caixas de remédio da Farmácia Popular e o sistema não funciona mais. Pagou 12 reais por caixa. E o sujeito que não pode pagar 24 reais para o remédio mensal da pressão, como é que faz? Fica sem tomar o remédio, que por anos seguidos tomou de graça?

    Imaginemos a avalanche de casos como este e em todas as áreas do Governo o que não acarretará.

    Vem um maluco e acaba com a Política de cotas, vem outro e acaba com os pontos de Cultura, vem outro e acaba com a Farmácia Popular, vem outro e acaba com o crédito para a Agricultura Familiar, vem outro e quer cortar o Minha Casa, Minha Vida, etc., é assim que funciona um Governo?

    Tem alguma coisa errada e desligada do tempo atual nesse Golpe de Estado.

    Enxergam o Brasil de 2016 como se fosse o Brasil colônia de Portugal, onde não se podia ter Universidade, nem Imprensa e havia a escravidão. E, o Governo era apenas voltado para favorecer e enriquecer o colonizador.

    2016 é outro Brasil.

    Quando as pessoas começarem a ver o que lhes afeta cotidianamente, economicamente e socialmente com este ultra neoliberalismo anti povo e anti Brasil não haverá força repressiva para conter a revolta popular.

    O episódio do Temer fugindo para Brasília mais cedo, ontem, com a manifestação da Frente Povo Sem Medo e do MTST nas imediações de sua casa no Alto de Pinheiros em São Paulo é um exemplo básico do que virá pela frente.

    Temer é um Presidente sitiado. Não pode olhar na cara de um brasileiro sequer, a não ser do pessoal da Rede Globo & Cia. e do Mercado Financeiro.

    Temer não tem como se apresentar perante a comunidade internacional. Temer não tem como falar à Nação pela TV. Temer não tem manifestações de Fica Temer! Só de Fora Temer!

    Somos 205 milhões de brasileiros. Se tiver 5 milhões apoiando o usurpador é muito.

    Imaginemos na hora que ele mexer na Previdência Social e na CLT de forma a ferrar a classe trabalhadora se sobra algum espaço para ele se manter no Poder. Claro que não sobra!

    Nós temos, é claro, uma população, em boa parte, alimentada pelo noticiário da velha mídia, e muita gente pode tê-la como fonte única de informação; agora, vamos ser sinceros, quando não der mais para ser atendido no SUS em uma operação de alta-complexidade, quando a CLT for terceirizada e não se tiver mais a segurança de receber férias, delas serem remuneradas em 1/3, de se receber o 13°, quando a Previdência Social der aquele presentão dos 65 anos para se aposentar e sem a remuneração devida, etc. quero ver que aparato policial, que discurso da velha mídia e do Governo segura a multidão nas ruas e na Internet: nenhum segurará!

    Que Governo é capaz de mexer em direitos adquiridos desta magnitude como é a CLT?

    Ainda mais hoje, 2016!

    Nós estamos sendo educados para reivindicar nas ruas o que queremos. Desde 2013 a população foi incentivada, pelos próprios golpistas, para ir às ruas e pedir a queda do PT ou pedir mais Estado (a mídia não se furtou de mostrar cartazes com os dizeres, que estádios novos poderiam ser trocados por hospitais padrão FIFA, certo?).

    Jornadas de Junho, Não vai ter Copa, Manifestações pró-impeachment, pró- Democracia e fica Dilma são exemplos incontestáveis de multidões, de certa forma, organizadas nas ruas e espontâneas, que estão para além da mídia e dos poderes constituídos.

    A classe média e médio-altas tradicionais de preto numa quinta-feira pré-impeachment na Câmara dos Deputados, lembram? Combinaram via Internet e viralizou nestes grupos sociais a ideia do vestir preto e vestiram. E foi, além, velha mídia, porque se não fosse no dia anterior a Paulista lotaria de gente, com a Globo no intervalo da novela das sete, lincando apresentador de Telejornal, convocando as pessoas para irem para a Avenida protestar contra o Lula, o Governo Dilma e o PT e apareceram apenas 300 gatos pingados.

    Hoje temos uma independência da população diante dos poderes constituídos. Temer não tem legitimidade nenhuma. Quando o carro novo, o smartphone e Miami ficarem muito mais distantes do bolso dos brasileiros, quem segura a turba ensandecida e despolitizada? Turba que até o primeiro mandato de Dilma se deliciava com esses consumos cotidianamente.

    Ninguém.

    Na Era da Internet você querer implementar um Regime de Exceção no Brasil? Em um País continental e urbano? Com malha rodoviária já estabelecida e com milhões e milhões de automóveis em circulação, sem contar os outros transportes coletivos de massas?

    Reunir milhões ficou fácil. Repressão? Não há como se generalizar.

    Podemos até reprimir os movimentos sociais, mas a turba desorganizada das classes média e médio-altas tradicionais e do povão ninguém controla. Só o bolso cheio controlará. E, este, quem ajudou a ter o bolso cheio foi justamente àquele partido e os seus governantes Lula e Dilma, e que querem, as elites deste País aliadas da velha mídia, extirpá-los da Vida pública.

    E, como faz para convencer o jovem desligado de tudo que o seu smartphone não dá mais para acessar a nova versão do androide e ele  não tem grana para comprar um novo? E, quando o sujeito alienado da Globonews e do JN descobrir que foi enganado e não pode mais ir para Miami, em definitivo, porque ficou caro demais para orçamento de menos, porque a mexicanização, programa real do Temer, propõe que seja, assim, para sempre? E, a escola particular subir de preço porque a procura diminuiu e o custo fixo do estabelecimento de ensino se manteve quase igual?

    Estamos trabalhando com a mentira e, Temer, Rede Globo, Moro & Cia. podem ser as vítimas, em breve, do que plantaram.

    Não era para acabar com a corrupção e voltar ao tempo de benesses até o primeiro mandato de Dilma, que o Impeachment serviria?

    E, de repente, a pauperização coletiva se constrói comandada pela casta política mais corrupta que há e muitos presentes nas delações e investigações da Operação Lava-Jato?

    Brincar com fogo em 2016 não cabe mais. Repressão e Ditadura não cabem mais. O povo brasileiro aprendeu que existe às ruas e a Internet para protestar e vai estar lá protestando contra retrocessos econômicos e sociais.

    Alguém vai reprimir uma manifestação dos “coxinhas” na Paulista?

    Se há uma demora da classe média e médio-alta tradicionais para ir contra/ ou de ficarem caladas diante o/do Governo ilegítimo de Temer, e, muitos dizem ser, porque estes brasileiros destas classes queriam a queda de Dilma, por não se sentirem à-vontade de pertencer a uma sociedade, onde, perderam a exclusividade nos shoppings, nas praias e aeroportos, não tardará a hora deles acordarem, também, para a realidade pretendida por este Governo do Mercado e dos banqueiros apenas, e protestarem, também. Assim, como o povão, menos engajado nas suas comunidades ou nos movimentos sociais existentes.

    As ruas já foram apresentadas e incentivada suas ocupações pelos próprios golpistas, como já sabemos.

    Todos os recuos de Temer e seu Ministério nas suas ações de desmonte de programas sociais e culturais em andamento, e com apenas uma semana de Governo, mostram que ele não pode fazer o que bem quer e nem fazer o que a Globo e o Mercado, seus patrocinadores, querem.

    A população está atenta aos atos de Temer e a cada dia mais.

    Não me causaria surpresa, se o Presidente sitiado no Palácio do Planalto vier a renunciar em pouco tempo.

    Estejamos atentos. Podemos passar o Brasil a limpo e muda-lo para melhor e de forma definitiva, e, tomara, tenho fé que será, seja breve, o Governo da usurpação!

    Continuemos na Luta para levar a informação verdadeira aos brasileiros sobre a tentativa de mexicanização do País, mexicanização que o Governo Ilegítimo do Temer, patrocinado pela Rede Globo e Mercado pretende, sem votos e sem aval da população para tal intento.

    • “Enxergam o Brasil de 2016

      “Enxergam o Brasil de 2016 como se fosse o Brasil colônia de Portugal, onde não se podia ter Universidade, nem Imprensa e havia a escravidão. E, o Governo era apenas voltado para favorecer e enriquecer o colonizador.”

      Concordo inteiramente com seu comentário. A frase em epígrafe é uma síntese perfeita do que está acontecendo atualmente. A tentativa de retornar ao passado, segundo a ciência, é uma viagem impossível, mas alguns experimentos científicos dão viabilidade a uma possível viagem ao futuro. Após os governos Lula e Dilma, só o futuro interessa. Conduzir o país de volta ao passado só é possível em filme de ficção científica. A realidade, conforme seu comentário, irá se impor aos golpistas. De certa forma, esse golpe possui um aspecto positivo. O país, mesmo em face dos governos progressistas de Lula e Dilma, tinha debaixo de si milhões de toneladas de merda em ebulição. De repente, esse barro todo começa a escapar por milhares de buracos cavados pelos próprios golpista. O dito popular afirma que “merda, quanto mais mexe, mais fede”. E os golpistas, com a finalidade de engendrar o golpe, não tiveram outro caminho a não ser mexer. Saíram lambuzados dos pés à cabeça.

      Num futuro não muito distante, uma nova classe de políticos irá surgir. Esperamos que mais limpa.

  32. .

    O melhor texto que já li sobre a análise do impeachment , por Cesar Benjamin na Revista Piaui.

    Texto completo : 

    http://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-golpe-e-outro/

     

    “O golpe, em curso, não será o afastamento de Dilma Rousseff. Será a formação de um governo comprometido com um programa que muito dificilmente seria aceito pelo povo brasileiro nas urnas. Estaremos expostos a um intenso fogo de barragem, com o mesmo grupo de economistas apresentando sua versão, reiteradamente, de modo a legitimar pela imprensa alterações constitucionais importantes, patrocinadas por um governo não eleito e realizadas por um Congresso que já perdeu legitimidade aos olhos da população.”

  33. a casa caiu

    na guerra de poder em curso, a quem interessa a divulgação do grampo? qual das facções se beneficia? qual sistema de poder está emergindo da Lava Jato? a República de Curitiba almeja reduzir o Brasil a mera reserva de recursos naturais, no reposicionamento geopolítico dos EUA frente a um cenário de conflito militar?

    1. com o vazamento do grampo de Romero Jucá a inviabilidade política do governo interino se torna fato. a casa caiu. as entranhas do golpe estão expostas. gangues e facções unificadas apenas pela desesperada tentativa de com máxima urgência salvar as próprias cabeças, sabidamente em bandejas para serem comidas;

    2. os vídeos da entrevista de Dilma a Greenwald e os dela no encontro dos blogueiros em BH, indicam termos dois grandes motivos para muita preocupação. o primeiro é a insustentabilidade do governo interino desembocar num Estado de Exceção. com a falência precoce de Temer, aumenta a possibilidade de Dilma reassumir. só que este é o segundo motivo;

    3. Dilma, Lula e o PT não tem plano, nem estratégia e muito menos capacidade de mobilização para o enfrentamento ao golpe. e nem poderiam ter, viciados na conciliação permanente, já não sabem como lutar. limitam-se a conclamar por manifestações populares, transferindo ao Povo sem Medo nas ruas a responsabilidade por liderar a resistência. justamente os movimentos sociais que o lulismo afastou das ruas, seja pela cooptação de suas lideranças ou pela execução da garantia da lei e da ordem, como nos protestos contra a Copa da corrupção da FIFA e da CBF;

    4. a Presidente afastada passa a ser uma forte referência, muito mais pelo que simboliza. contudo, a inaptidão de Dilma para o papel de Estadista que o momento exige, logo reduzirá seu protagonismo a sua real estatura. o que é lamentável e complica ainda muito uma solução para a crise. como o atual desempenho do governo golpista, uma simples volta de Dilma adicionaria mais crise à crise. para retornar, Dilma teria que se reinventar;

    5. além de envolver o STF, no grampo há referência a militares endossando a articulação para estancar a sangria das investigações. com a queda da casa do golpe, avançamos para um cenário de ingovernabilidade. os citados pela Lava Jato partem para o tudo ou nada. sonham com o pesadelo de uma intervenção militar para retirar suas cabeças na bandeja. repete-se a tragédia de 1964, com todas as principais lideranças civis sendo posteriormente degoladas pelo golpe que apoiaram.

    .

  34. a casa caiu… sai de baixo!

    6. seria o governo interino nada mais que instrumento ocasional e transitório? afinal, qual a congruência entre Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Michel Temer e a República de Curitiba? Boi, Bala, Bíblia e Bancos: os cavaleiros do Apocalipse da Democracia brasileira. também os valores fundamentalistas desfraldados  nas bandeiras dos cruzados messiânicos da Lava Jato. também o projeto de uma oligarquia que jamais deixou de ser colonial e escravagista: a lumpen burguesia brasileira;

    7. a implementação da destruição da Constituição de 1988, com o desmantelamento da rede de proteção social, o fim dos direitos trabalhistas e a total privatização dos bens públicos – inclusive a água – é o definitivo objetivo dos verdadeiros usurpadores golpistas. não lhes basta remover Dilma, esterilizar eleitoralmente Lula e inviabilizar financeiramente o PT. os artífices de uma pura casta de gestores tampouco tem quaisquer escrúpulos em se valerem da atual classe política corrompida. em sua agenda de horrores, a excepcionalidade das Olimpíadas fornece o pretexto para um monstruoso regime de exceção;

    8. 2018 permanece como um ano longe demais. só o que unifica a Esquerda e o campo progressista, respeitando as divergências, é a luta comum pela sobrevivência frente ao avanço do fundamentalismo: Boi (destruição do meio ambiente), Bala (destruição dos direitos civis), Bíblia (destruição da pluralidade cultural) e Bancos (destruição sócio-econômica).

    .

  35. Falência Moral e Ética do Brasil

    Vaza por todos os poros a falência moral e ética do Brasil e seus representantes.

    Não se analisou a motivação da ação do Presidênte da Câmara dos Deputados Federais, Waldir Maranhão, exigindo que lhe pagassem o pau para ele integrar ao script do processo de impedimento que está sendo urdido por ambas as partes, mas que se mostram velhacamente antagônicas. Farsa rocambolesca e circence.

    Só um ingênuo para pensar que num país onde 90% senão 110% dos envolvidos com o governo brasileiro estão enfiados até o pescoço em falcatruas penais e devem satisfações com a justiça não existe uma luta de vida e morte para escapar da punição e da cadeia, assim, mesmo a mídia e a net não falando, fica claro e evidente que o atual processo foi montado para que não desse em condenação a nenhum dos bandidos que assaltaram o povo e a nação, livrando-os de penas e punições.

    O Maranhão pegou o bonde andando e quis receber sua parte para manter a farsa do impeachment que irá absolver a todos, os articuladores não contavam com sua ousadia, e cá entre nós, se você quer vencer é preciso ser ousado, anulando a votação ele conseguiu o seu intento. Agora que já foi devidamente integrado e recompensado pode continuar na presidência.

    O roteiro do Golpe, que é útil para a pizza na esplanada, mas que sucumbe o Brasil nas trevas e liquida de vêz com o povo, esta sendo executado, como se vê, aos trancos e barrancos. Com surpresas de todos os lados, mas com um só intento, passar a conta de forma final e inexorável para o Brasil e sua população.

    O Nassif, dono do espaço colaborativo aqui, deve estar inteirado de alguns destes detalhes que estão sendo omitidos, mas que transparecem nestes momentos singulares, como a anulação de sessões pelo Maranhão e outros, mas colabora para o andamento da farsa. Os dois lados, tanto o governo da dona Dilma, como a oposição, vejam que existem condenados de todas as cores, remam para o mesmo objetivo. A democracia brasileira foi liquidada e enterrada, o que exigirá uma luta imensa para a sua retomada.

    Por outro lado, como a solução para os problemas reais do Brasil e sua população escapa ao alcance intelectual dos bandidos que estão fugindo da cadeia, ou seja, a formulação de política pública que entregue Rumo, Norte e Estrela para o Brasil, quando conseguirem o seu intento de absolvição, já terão destruído todas as condições anteriores de um desenvolvimento saudável e pacífico.

    O Brasil e seu povo não merecem isto, uma injustiça sem tamanho está sendo perpetrada contra nós, a vingança será maligna.

  36. A surpresa na minha opinião

    A surpresa na minha opinião não está no conteúdo da fita dita por Romero Jucá.

    Quem está no dia a dia da politica, já imaginava que alguns dos objetivos do golpe era abafar a Lava Jato, venda do patrimônio nacional e acabar com as ações sociais do governo, que tem a marca e a cara do PT.

    A surpresa está na divulgação do conteúdo da fita pela Folha, tucana até a medula.

    Por que a Folha devulgou a fita contendo informações do homem forte do governo interino ? A Folha poderia ter recebido a fita e não ter divulgado, abafando o caso.

    Será que a Folha quer desembarcar do golpe porque o PSDB não é protagonista. Talvez com o PMDB no poder a Folha não tenha as mesmas regalias que se o PSDB estivesse no comando.

    Está mandando recado/advertência para alguns senadores ?

    Ou estão pedindo a volta da Dilma para que ela “sangre” e enfraqueça mais o PTaté 2018, com chances do PSDB voltar ao poder.

    Está estranho a divulgação dessa fita pela Folha que pode implodir o governo interino.

    //////

    Em relação aos militares citados pelo Jucá, se de fato ocorreu esse diálogo, seria oponião de alguns milicos ou da instituição Forças Armadas. Se for opinião das FAs, o Brasil definitivamente mergulhou num caos de pelo menos uma geração.

  37. Postura seletiva – ação vs omissão – do STF

    Por muitíssimo menos (áudio vazado do Delcídio sugerindo possibilidade de lobby com ministros e áudio criminosamente vazado do Lula, este falando de um supremo “acovardado”, segundo sua avaliação subjetiva), levantaram-se vozes indignadas e graves no STF (inclusive, salvo engano, o decano), até num certo açodamento quanto ao mérito de ações vindouras (em boa medida pre-julgando o caso e legitimando provas espúrias). No presente áudio, o senador Jucá fala com todas as letras que estava sendo ACERTADO o apeamento da presidente do cargo máximo da República com ministroS do Supremo (mais do que simples plural, há indicativo de se tratar de acerto com a MAIORIA, no mínimo grande parte, dos juízes supremos, já que excepciona aquele que é “fechadão”), revelando evidências nada republicanas. E fica por isso mesmo, os ministroS assobiando para o alto… como se nao fosse com eles… rezando para “passar logo” essa notícia ruim… Com todo respeito, só posso chegar a conclusao de que o que foi dito por Jucá era a mais pura verdade! E se essa concertação se revela mesmo um golpe, está cada vez mais claro quem sao seus protagonistas!

  38. O Brasil acabou.

    O Brasil acabou e é só.

    Voltamos a estaca zero e é só.

    Esse golpe não será revertido e é só.

    No segundo semestre nossa gente não se lembrará de mais nada e é só.

    Virá o Natal, o Carnaval e é só.

    Ah, o Carnaval… o Carnaval… o Carnaval.

    E é só.

     

     

     

     

     

  39. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome