Os economistas iluministas e a hipocrisia fiscal, por Luis Nassif

Sem uma forma de justificar as iniquidades fiscais, eles teriam que deixar os holofotes dos cargos políticos, dos convites para palestras para públicos leigos e levar a disputa para o terreno pedregoso dos trabalhos acadêmicos aprofundados.

Há uma hipocrisia generalizada nas discussões econômicas nacionais.

Surge um fato novo, a pandemia, escancarando a extrema vulnerabilidade de populações brasileiras, a iniquidade do sistema fiscal, a loucura de amarrar o orçamento à Lei do Teto.

Imediatamente espalha-se o pânico nas hostes neoliberais – aquele conjunto de economistas incumbido de defender a iniquidade a qualquer preço e contra qualquer argumento racional. Principalmente porque o discurso torna-se global

A crise escancara dois objetivos lógicos, que seriam acatados por qualquer grupo racional e bem-intencionado: como combater a miséria e como recuperar o dinamismo da economia.

Mas eles não vieram para pensar o Brasil nem descobrir soluções. Uma sociedade organizada demanda diversos tipos de especialistas. Cada qual precisa justificar sua existência, seus ganhos, seu maior ou menor prestígio. O deles é justamente o de justificar as iniquidades fiscais e a concentração de renda. É esse discurso que legitima sua atuação, confere prestígio profissional, alarga o mercado, abre espaço para consultorias e palestras.

Sem uma forma de justificar as iniquidades fiscais, eles teriam que deixar os holofotes dos cargos políticos, dos convites para palestras para públicos leigos e levar a disputa para o terreno pedregoso dos trabalhos acadêmicos aprofundados. Aí se separaria o joio do trigo, o pensador do papagaio. E seria uma luta inglória especialmente com a entrada no jogo de uma nova geração, uma rapaziada dominando a ciência dos dados, enveredando pelas picadas abertas por Thomas Piketti.

Eles se lembraram assustados do dia em que um técnico do IBGE juntou os dados da PNAD (Pesquisa Nacional da Amostra de Domicílios) e comprovou que, em 55% dos lares de aposentados e pensionistas, eles eram os arrimos de família. Ou seja, o aumento do salário mínimo garantia a criançada na escola, a compra de remédios, a alimentação e, por consequência, a blindagem contra os atrativos do crime organizado. E se viesse algum tresloucado e calculasse a economia futura em saúde, segurança, e comprovasse que aumentar o salário mínimo, no médio prazo, beneficiaria as contas públicas? Eles perderiam a pulga no umbigo do cliente (lembrando a história do médico que formou o filho tratando do fazendeiro cujo único problema era uma pulga no umbigo, que sempre era mantida viva para não perder o cliente).

Leia também:  O cenário da economia depende do Covid de Bolsonaro, por Luis Nassif

Aí tentaram, com um dos seus, um trabalho para comprovar que o aumento do salário mínimo – naqueles lares em que garantia vida digna aos seus – era um estímulo à vagabundagem dos jovens. O trabalho não conseguiu provar nada, mas criou um argumento para ser repetido para públicos leigos.

Inspirados no estratagema, o pelotão dos neoliberais experimentou a receita em um debate recente na Globonews.

Primeiro, derramaram lágrimas insinceras sobre a iniquidade fiscal, a concentração de renda, o Estado que não atende às necessidades básicas da população. Alvíssaras!

Depois, buscaram as razões. E delas emergiu… a velha ideia, falsa como uma nota de 3: a causa disso tudo é um Estado inchado. Para reduzir as iniquidades fiscais, em vez de uma reforma fiscal, cortes de gastos, especialmente nos gastos que retornam para as vítimas das iniquidades fiscais.

Fizeram mais. Recorreram ao sofisma de Paulo Guedes e, para estimar a relação dívida/PIB somaram a dívida ao déficit primário, fruto da enorme depressão que se abate sobre a economia.

Qualquer aluno mediano, mas intelectualmente honesto, sabe que o Estado é essencial para a distribuição de renda. Aos que não dispõem de renda, é o Estado que garante educação, saúde, segurança. E, em momentos em que não existe demanda das famílias, nem das empresas, é o Estado que garante os gastos necessários para turbinar o setor privado e recuperar a economia.

No entanto, tem-se um Estado que remunera mal professores, profissionais de saúde, procedimentos do SUS. Na outra ponta, um Estado que ainda conta com marajás. Mas os marajás são aliados, emulam seu modo de vida, gostam de vinhos finos, admiram o discurso neoliberal da moda. Então, nada de separar o joio do trigo, o Estado improdutivo do que gera benefícios sociais. Para reduzir a iniquidade fiscal, não se mexa no modelo fiscal, utilize-se genericamente os marajás para deslegitimar o Estado – mas nada de mexer diretamente nos seus privilégios – e se reduzam os gastos que retornam para a população.

Leia também:  As estatísticas do setor automobilístico ainda não mostram fundo do poço, por Luis Nassif

Recentemente, o economista David Dacache levantou os dados da OCDE (que junta os países mais desenvolvidos) para efeito de comparação fiscal com o Brasil.

Os dados são acachapantes para o país. Dentre os 34 países, o Brasil ficaria em 24o lugar na carga tributária como proporção do PIB, com 32,29% contra média de 34,30%.

Na tributação de renda, lucros e ganhos de capital, no entanto é p último colocado, com insignificantes 6,5% do PIB, contra média de 11,4% da PCDE. Na tributação sobre Bens e Serviços (que atinge proporcionalmente os mais pobres) é o 3o colocado, como 15,4% do PIB, contra 11,20% da média OCDE.

Mas eles não vieram para explicar. São economistas celebridades, do show bizz, que tem uma missão especificamente, de justificar o injustificável e dizer que, cortando dos pobres, se chegará à Justiça social. É o iluminismo à brasileira.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

    • EUGÊNIO GUDIN. Do Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista até o ápice do Entreguismo Nacional que foi o Governo JK. De 1930 a 1960 entre Imbecilidades e Mediocridades do Fascista, seu Nepotismo e Lacaios. Matéria de André Motta Araújo há alguns dias, explica em muito seus projetos e consequências. Jânio começa uma reestruturação mas é sabotado e ‘caçado’. Governo Militar reestrutura os Fundamentos da Economia em Princípios e Estruturas Nacionais e entrega todo este Poderio Financeiro e Econômico para a Redemocracia. Toda esta Estrutura entre Empresas e Reservas Naturais 100% Brasileiras. Tal Redemocracia, patina na ‘ lavagem de rastros ‘ do Governo Sarney, para emplacar novamente na mesma Escola Entreguista de EUGÊNIO GUDIN, durante a Globalização de Collor e Privatarias de FHC. Uma Nação sem Industrias. Então sem Industriais e sem Classes Médias Fortes construídas a partir de Salários. AS ELITES DO ESTADO ABSOLUTISTA TOTALITÁRIO nadando de braçadas em plena continuidade, inflando os Princípios Abjetos da Escola Gudiniana e PUC/RJ. Pobre país rico. E Privatarias é alguma novidade? 90 anos de rumo errado, mas alguns dizem não compreender. Mas de muito fácil explicação

      1
      2
      • Zé Sérgio, pelo que entendi do seu texto confuso, o período que se salva dessa história é durante o regime militar?

  1. O debate econômico no Brasil tem a profundidade de um pires. Só têm assento na mídia os que defendem o deus mercado e todas as suas iniquidades. Equilíbrio? Passou longe.

  2. O Sr. Nassif é muito educado…..
    A mídia é assassina-genocida, mafiosa, corrupta até a medula, por esta razão dá voz a larápios-safados que defendem o rentismo podre, tanto os de fora, como os de sua própria equipe, formada por economistas tão pilantras quanto……
    Aliás, espanta a inércia da oposição incompetente e preguiçosa com relação as patifarias do tal auxílio emergencial, já deveriam ter aberto uma cpi, e não apenas por causa do tal auxílio, com certeza, se puxar sai mais…..vamos lá, seus preguiçosos…..

  3. Alem de toda essa impostura economica, tem o cinismo político. O sedizentes “liberais” aliaram-se a fascistas desvairados na maior cara de pau.

    Só a ideologia explica isso.

    E não é de agora, não. Desde a eleição do Collor que a direita vem cultivando e contabilizando o voto da fascistada no primeiro e no segundo turno de todas as eleições. No período “lulopetista” não deram uma treguazinha sequer na litania acerca de Cuba, Venezuela, Stalin…

    Agora que perderam a “cabeça de chapa” estão aí falando de democracia, depois de ajudarem a vandalizar tanto a economia quanto as instituiçoes, o Direito, a politica, etc.

    Iguaizinhos aa UDN dos tempos de Lacerda e outros: apoiaram o golpe achando que o poder cairia no colo deles. Logo, logo, eles é que caíram do cavalo.

  4. Nassif, focando apenas nas nossas desigualdades econômicas, em grande parte decorrência de um sistema tributário “patrimonialista”, que se usa do Estado para transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos, como os estudos de Piketty e David Dacache mostraram, qual seria o papel de uma Inteligência Artificial para compilar os dados propostos por você?

    Não é hora de usar a tecnologia para desarmar a bomba armada pelo neoliberalismo?

    Veja a China, que em 30 anos saiu da insignificância para a maior potência econômica do mundo utilizando planejamentos de médio prazo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome