Para entender o atual jogo político

Atualizado às 12:02, com dados que confirmam a aliança de Serra com a Lava Jato.

Poucas vezes a política mostrou-se tão adequada à definição do sábio Magalhães Pinto, que a comparava às nuvens do céu: agora estão de um jeito, daqui a pouco de outro.

Há dois tempos em jogo: o atual e o das eleições de 2018. Para 2018 habilitam-se os que têm votos; para 2015, os que têm poder. É a partir dessa dicotomia que se torna mais fácil entender os últimos lances políticos.

****

O potencial de votos distribui-se por três políticos: pela situação, o ex-presidente Lula; pela oposição, o senador Aécio Neves e o governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

Já o poder político funda-se na aliança mídia-Lava Jato, ambos sendo exaustivamente usados pelos dois lados.

Os vazamentos providenciados por procuradores e delegados reforçam politicamente a atuação do grupo, especialmente quando acontecerem os embates com as instâncias superiores. E a capacidade de pautar o MPF e a PF sustenta o poder de coerção da mídia.

Ao melhor estilo República Velha, centra-se fogo nas relações Lula-grandes grupos, para vê-los de joelhos vindo buscar proteção junto aos grupos de mídia. Qualquer notícia serve aos propósitos, desde a criminalização das tentativas de emplacar obras de empreiteiras brasileiras no exterior, financiamentos à exportação de serviços, até jantares sociais.

De certa forma, repete-se o modelo italiano da operação “mãos limpas” que, a pretexto de limpar a política, limpou a área para a ascensão de Berlusconi, imperador da mídia.

Esse grupo serve principalmente aos propósitos de José Serra, o candidato preferencial da mídia, especialmente depois que foi exposta a fragilidade política de Aécio Neves.

***

Os desdobramentos da crise afetam de maneira distinta os interesses dos quatro candidatos:

  1. A Lula interessa a recuperação de Dilma.

  2. A Alckmin, uma Dilma desgastada até 2018.

  3. A Aécio, a eventualidade de uma queda de Dilma com a convocação imediata de novas eleições. A sua fragilidade não permitirá que sobreviva até 2018.

  4. A Serra, a instauração do parlamentarismo.

***

Não se pense na conspiração clássica, com os conspiradores se reunindo à socapa na calada da noite. O pacto tácito se dá em torno de alguns eixos de atuação, presentes na parceria mídia-Lava Jato:

  1. Fogo total no esquema Lula, preservando Dilma Rousseff. A ideia central é a de que esticar o governo Dilma desmoralizado até 2018 é mais garantido do que um eventual impeachment agora, permitindo a volta de Lula em 2018. Aliás, é impressionante a disciplina de comentaristas políticos da mídia que conseguem pensar todos da mesma forma e mudar de opinião da mesma forma e no mesmo dia.

  2. Intocáveis são apenas a mídia e os principais caciques do PSDB. Aliados pontuais – como Eduardo Cunha, Renan Calheiros e Ministros do TCU (Tribunal de Contas da União) – são jogados ao leão, inclusive para reforçar o caráter democrático da Lava Jato.

Não se trata de um roteiro rígido, porque as nuvens da política ainda não se consolidaram. Trata-se de apenas um ensaio inicial de consolidação de alianças visando 2018.

Apenas uma questão poderá reverter essas estratégias: a hipótese (por ora distante) de recuperação de Dilma.

PS – A informação de que foi colocada uma tarja preta em cima do nome de José Serra, na relação de mensagens apreendidas no celular de Marcelo Odebrecht, e mantidos os nomes de MIchel Temer e Geraldo Alckmin, confirma plenamente as hipóteses acima. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Como a Lava Jato e o Itamarati destruíram as pretensões brasileiras na África, por Luis Nassif

147 comentários

  1. Nassif, tenho a impressão que
    Nassif, tenho a impressão que as eleições de 2016 irão realinhar as forças políticas para 2018. Como é sabido a correlação de forças no parlamento pendeu tremendamente para a direita. 2016 vai corrigir ou aprofundar esse movimento?

  2. O caso mãos  limpas é exemplo

    O caso mãos  limpas é exemplo clássico para provar que combater corrupção só traz desgraça, de fato é mais lucrativo punir severamente quem se recuar ser

  3. Nassif, tenho a impressão que
    Nassif, tenho a impressão que as eleições de 2016 irão realinhar as forças políticas para 2018. Como é sabido a correlação de forças no parlamento pendeu tremendamente para a direita. 2016 vai corrigir ou aprofundar esse movimento?

  4. A situação política do Brasil

    A situação política do Brasil sempre foi muito confusa. É certo que em todos os lugares do mundo, mesmo nos cantinhos, a política nunca é um mar de rosas. Maquiavel afirmou que, mesmo aparentando obedecer regras rígidas, por baixo do pano impera um tipo de caos que só pode ser dirimido pela vontade bem dirigida do governante. Cá, no Brasil, Maquiavel ficaria estupefacto e emudecido. E creio que ele só diria uma frase: Deixa estar, para ver como é que fica.

    Às vezes, penso que Dilma pode ter percebido isso. Com a eleição de congressistas, com raras exceções,  provindos da Idade das Trevas, e com organizações de imprensa controladoras da massa e atreladas à forças obscuras, dentre as quais alguns setores do Poder Judiciário, qualquer projeto político visando respaldar boas medidas de governo de curto e longo prazo encontraria uma parede mais potente do que os muros dos catelos medievais. Muitos do homens que tomaram assento na Câmara não passam de corruptos que se apoiam uns nos outros mutuamente. Calha de, se um perder o apoio do peito do um outro e decair, uma fila imensa, por efeito dominó, acabar desabando no chão frio e ser arrastada para o esgoto de onde, aliás, jamais deveria ter saído. Isso me faz lembrar do velho jogo de palitos, em que, quando um é retirado, pode ocsionar o desabamento de vários e, muitas vezes, da estrutura toda.

     

  5. O post do blogueiro doido.

    Este é o post do blogueiro doido. A história de um blogueiro que durante muitos anos acompanhou tudo que se escreveu sobre política e economia brasileiras. E tome de mensalão, petrolão, trensalão, impeachment, ajuste fiscal, petralhas e tucanalhas. E o coitado do blogueiro tendo que entender tudo isto para escrever um post a cada dia. Até que escolheu um tema complicado: previsões para o futuro do Brasil, a partir da atual conjuntura. Aí o blogueiro endoidou e começou a ter visões premonitórias

    Dilma chega a 2018 como presidente da República, mas muito enfraquecida.

    A economia mundial começa a melhorar a partir de 2016 e se resolve em 2018, mas não a tempo de salvar o governo Dilma. 

    A economia brasileira se estabiliza a partir de 2016, a inflação fica controlada e os juros caem em rítmo lento, mas, em compasso de espera para 2018, os empresários adiam investimentos, o que mantém o desemprego nos níveis atuais. 

    Cunha e Calheiros, indiciados pelo PGR, renunciam para escapar da cassação.

    Morrem por abandono o impeachment e as reformas patrocinadas por Cunha, incluindo a redução da maioridade penal, a terceirização para atividades fins e o fim da reeleição. Um destaque faz passar apenas o financiamento privado de campanha. A questão volta para o STF, onde o ministro Gilmar Mendes continua mantendo seu pedido de vista do processo sobre o assunto.

    O PMDB continuará no comandando da Câmara e do Senado.

    Forma-se consenso sobre o fim do ciclo petista no plano federal e isso reduz a pressão sobre Dilma. Não há mérito em chutar cachorro morto. 

    Lula dará força a esse movimento, com outros pronunciamentos do tipo “eu e Dilma estamos no volume morto e o PT está abaixo do volume morto”.

    Haddad será reeleito prefeito de São Paulo em uma eleição muito apertada, em 2016. Acabará vitorioso porque Marta, Russomano e Skaf dividirão os votos antipetistas. E Marta, terceira colocada, viaja para Paris e não dá apoio a Skaf no 2º turno.

    As chapas apoiadas por Pimentel levam Belo Horizonte e as maiores cidades mineiras.

    As Olimpíadas do Rio, fortemente apoiadas pela grande imprensa, são um sucesso. 

    Beto Richa termina melancolicamente seu governo.

    Nas eleições de 2018, Requião é o novo governador do Paraná.

    Haddad é o novo governador em São Paulo e Eduardo Paes no Rio de Janeiro. Pimentel é reeleito em Minas.

    Aécio obtém o segundo lugar em Minas e é reeleito senador. Patrus Ananias é o primeiro.

    Suplicy volta ao Senado.

    Alckmin será o candidato do PSDB e da coalização de direita turbinada pelo PSB.

    Marina será mais uma vez uma candidatura bissexta, daquelas aparecem de quatro em quatro anos.

    Lula não será candidato em 2018.

    A chapa adversária do PSDB será PMDB/PT – Michel Temer para presidente e Jaques Wagner de vice.

    Kassab e o seu PSD oscilarão em dar apoio ora a uma, ora a outra candidatura e, às vésperas do prazo para definição das chapas, apoiarão Temer/Wagner obtendo a promessa de ministérios de relevo em um futuro governo.

    Alckmin fracassa nos debates do 2º turno das eleições presidenciais, Temer vence e o PMDB volta ao comando do governo federal após 28 anos. O PT continua forte no governo Temer. 

    Lula começa a reconstrução do PT junto às bases, além de ser o fiel da balança do equilíbrio PMDB/PT tanto no Executivo quanto no Legislativo. As eleições de 2022 serão sempre lembradas como ponto de atrito entre os dois Partidos.

    Os desdobramentos da Lava Jato se tornam uma enorme dor de cabeça jurídica. Apesar da pressão da mídia mainstream, Temer não indica Sergio Moro para nenhuma das vagas que se abrem para Ministro do STJ ou STF.

    Dilma assume o cargo de professora convidada na UFRGS na cadeira de gestão de energia elétrica.

    O jornalista Luis Nassif é o novo Ministro da Fazenda.

     

    PS: com a benção e permissão do xará Sergio Porto.

  6. Eu acrescentaria o fator

    Eu acrescentaria o fator PMDB. Suponha que Dilma sofra impeachment ( hipótese que eu acho quase impossível, aliás). Assume Michel Temer – que é um político que vem sendo bem visto pela mídia, pois é o mais racional e competente nesse circo de loucos e desastrados que é o poder federal. Imagine que ele fique em 2016, 17 e 18 e faça com que o Brasil não chegue quebrado e até com um crescimento economico, mesmo pífio. Isso daria a Temer-PMDB a chance real do partido ter a presidência, se propondo como uma terceira via real – e não ilusória como é a de Marina Silva. 

  7. Pois é… complicado isso,

    Mas penso que o atual “jogo político” tem ainda outros matizes, talvez derivados da ditadura:

    Vinte anos de repressão formaram uma geração politicamente “frouxa”, que acha que Autoridade se conquista com caretas e que está chegando ao poder agora; Não temos Líderes dignos do nome e da maiúscula e, os que havia, bem… os que havia “morreram de overdose”, como diria Cazuza.

    Olhando o tabuleiro e a curto prazo, com os nomes e habilidades que estão postos, lamento dizer que só pode piorar.

    Se a eleição fosse hoje, e diante de tais candidatos, eu votaria no Chapolin Colorado; é o único que pode nos salvar!

  8. não é difícil, a inércia é forte, mas não custa sugerir caminhos

    Nosso sistema educacional continará muito ruim, a despeito de corporações, e seus mil e um encontros, congressos e docu- mentos, catataus de propostas masturbatórias (nada contra) que, na prática, pouco estimula e muito menos estimulou a curio- sidade, e muito repudiará ousadias de um Mangabeira Unger // A leitura é e será cada vez mais em tablets, smartphones, televi- são e blogs // FHC continuará (muito) influente (a despeito do desdém e desrespeito com que é tratado por blogs alternativos da esquerda relativa (óbvio): e tudo se resumiria a uma inveja sobre Lula // Marina Silva continuará recatada e sábia, e ágil (e cada vez que seu nome for trazido será uma heresia, um diversionismo de trolls, de coxinhas e de equivocados porque se quer pre- servar o que tanto assusta o status-quo de todos os matizes: os maniqueismos confortantes e simplórios

    • Lideranças combativas em todos os níveis

      // Lideranças com- bativas em todos os níveis tudo fizeram, fazem e farão pra não serem renovadas e sua santidade, é claro,  jamais compartilhou com essa prática, rasteiras aqui, rasteiras ali // Uma Frente de Esquerda ficará sempre adiada. Este que vos fala prefere uma Frente Democrática, não só pelo termo bastante desgastado, e por trazer uma (certa) esquerda arrogante e autoritária, mas por apostar num conjunto em que não se peça atestado ideológico a setores de centro e de direita inteligente, a quem não mais interessam golpes (um Delifm Neto, p.ex.). Inevitável não dar espaço a uma ou outra personalidade de tendência golpista  de esquerda – o silêncio com que as palavras de um seu representante foram recebidas foi / é sintomático aqui no blog, precisa-se de pista? Se sim, ‘tamos mal  // A tendência a um partido único tem que ser combatida, assim como os carreirismos com ou sem gravata borboleta // Aqui, misturo previsibilidade com a quase utópica mudança de rumo //

      • esqueci:

        das mil e uma reuniões, plenárias, encontros regionais e nacional com suas mesmices de longos documentos de análises de conjuntura, tática e estratégia. Dos mesmos pros mesmos. E as demagógicas propostas e jogos de cena de profunda limpeza e profunda renovação. Errei: onde se lê “Inevitável não darmos…”, leia-se “Inevitável darmos…”. Pelo andar da carruagem, esse espaço-título vai encher de ou puxa-sacos, ou de esquerdas de cartilhas, fervorosas, com seus rótulos ainda mais fáceis do que os meus. Irmandade.

  9. E nem sinal de terceira

    E nem sinal de terceira via,,, 

    Marina é mais do mesmo, talvez até pior. Muito mais teimosa de que Dilma, mais manipulavel e vaidosa, e sem gota de empatia com povão. 

  10. Tem que ir pra cima desse pessoal

    do PSDB. Será que ão tem nenhum promotor ou pessoal da PF que aceita equilibrar esse jogo e jogar no ventilador as várias suspeitas de corrupção desses principais nomes do PSDB? Manda prender também algumas peças chaves desse partido pra ver o que acontece. Quem sabe aí os ministros do STF dão as caras e tentam por ordem nessa bagunça. Porque acho que o STF só vai se mexer na hora que alguem tiver coragem de envolverr essa cambada do PSBD nesse jogo.

  11. Parlamentarismo

    O presidencialismo sempre me pareceu um regime problemático. Foi adotado pelos EUA em decorrência da cultura do herói solitário. Copiado pelo Brasil,levou a crises reincidentes, e ao paroxismo da governança por medidas provisórias. As restrições que vejo ao parlamentarismo no Brasil tentam se sustentar na qualidade dos nossos parlamentares, embora o caráter dos nossos presidentes não seja mais abonador.

    • Só…

      Também acredito que o parlamentarismo seria o regime político mais adequado ao nosso país. O argumento da falta de “qualidade” dos nossos políticos e/ou parlamentares não se sustenta diante do fato de nossos presidentes também serem políticos e a maioria ex parlamentares…

      Porém num parlamentarismo sério, eu até aumentaria um pouco a representação de nossos 200 milhões de habitantes. Diante de um Amapá com população de um centésimo de São Paulo, óbviamente não multiplicaria a representação por cem, mas um por 20 eu faria, mesmo porque o problema do alto custo individual dos nossos políticos não vem disso. Caso fosse um mínimo de 6 para o menor Estado, seriam 120 parlamentares para o maior (gosto do sistema de eleição misto, metade proporcional, metade distrital). Aumentaria o número total de parlamentares, mas a política ficaria concentrada numa câmara só, e por consequência certas irracionalidades teriam que ser resolvidas “no ato”… Eles que se entendessem e nos apresentassem um governo minimamente exequível!

      Um abraço.

    • O maior problema na política

      O maior problema na política do Brasil é o legislativo, que há décadas está infectado por parasitas que não deixam o país andar com as próprias pernas! Para acabar com esses parasitas só há um remédio, o voto consciente.

  12. Pelo cenário do Nassif, sem o

    Pelo cenário do Nassif, sem o PT, só sobram os bandidos (Serra e Aécio) ou os frouxos (Alckmin).

    Mesmo a alternativa que o Saraiva propõe para 2018 (Termer/Wagner) significará décadas de atraso, até esse país decidir de fato ser grande e, portanto, menos desigual.

     

  13. Outra coisa. A máquina do

    Outra coisa. A máquina do golpe continua à toda. Quem tiver estômago forte, tape o nariz e dê um rolê pelos grandes portais.

  14. O PMDB não estaria no núcleo

    O PMDB não estaria no núcleo do poder há 30 anos se os seus caciques fossem um bando de lunáticos do tipo Cunha. É claro que eles sabem que a mídia e a direita entreguista tem o PSDB como seu braço de atuação na política partidária e tudo fará para proteger os tucanos e atacar seus inimigos. Acho que o PMDB não deve ser desprezado como um dos atores capazes de influir no desenrolar do enrêdo da novela.

  15. Quem diria

    Quem diria,  um governo do PT destruindo de forma lenta, gradual e implacável o maior símbolo do PT: Lula. 

    • Afinal, o que o Grande
      Afinal, o que o Grande Estadista fez pra merecer tanto, não é?

      Passou oito anos de seu governo articulando os meios de estabilização do sistema.

      Aprovou no Congresso o fim da suplência, o financiamento público de campanha.

      Renovou as estruturas do PT conferindo a este dinâmica menos centralizada e agentes comprometidos.

      Reuniu no ministério os melhores quadros de diferentes partidos, montou uma equipe de trabalho pautada na eficiência e profissionalismo.

      Reduziu o poder do oligopólio midiático, pluralizou os canais de comunicação.

      O Grande Estadista é fenomenal!

      • 10 estrelas, lfmrodrigues !!

        se não fosse você, perderíamos essa recentíssima entrevista (20 julho 2015) e não saberíamos da existência deste canal no Youtube TV Conversa Afiada (não vejo o blog de PHA). O GGN, digo isso até cansar, e já cansei, não lembro de ter trazido Ciro Gomes como colunista ou como entrevistado no Brasilianas (que tem apenas 30 minutos e que deveria ser somente com ele, e não dividindo com outros 2 entrevistados). Acho estranho (e se uma hipótese que tenho com meus botões proceder, acho vergonhoso e triste, um desserviço à democracia e um empobrecimento).

        • As rasteiras que Ciro Gomes levou (pelo menos as públicas)

          Admiro personalidades de peito, de qualquer coloração. Uma das práticas do PT sempre foi a não renovação, de sindicatos a partido político, cortar asas, caluniar, isolar lideranças e idéias . Equipará-lo como um novo Collor foi uma amostra, em que bases e simpatizantes caíram, estimulados ou sob a omissão da direção nacional. Lula deu rasteira nele ao convencê-lo em transferir título pra São Paulo sob (depreende-se) promessa de apoiar candidatura a prefeito ou governador. Rasteiras também levou de um PPS e de um PSB. Não sou fiel, mas votaria na Presidente de novo, que fique claro.

  16. Bugs diversos:que tal ,se detectarmos, manifestarmos???

     Uma Obs. Bugs diversos, vírus? que tal ,se detectarmos, mais pessoas, se atingidas, manifestarmos?Assim como notificações que são vírus no facebook (quando se recebem notificações de que á mensagens lá), provavelmente vírus ou pragas semelhantes, malwares, phishings, etc, há um provável bug nas caixas postais pelo menos nas minhas, que antes funcionavam perfeitamente. Peço a irmã de Nassif e equipe técnica verificar .”PÁGINA NÃO ENCONTRADA” foi o que a tela mostrou em 2 oportunidades de notificações de que havia 2 mensagens de uma ativa participante pra mim. (Se houver outros bugs que desconheço, que tal listarmos).

  17. PRÉ SAL

    “4. A Serra, a instauração do parlamentarismo.”

    Discordo: A ÇERRA45 só interessa a entrega do pré sal à Chevron. Prova disto é a sua primeira gestão como senador dos paulistas. Está ai o Wikleaks que não me deixa mentir. Ele quer porque quer entregar o pré sal. Tem curriculo, já conseguiu doar a Vale.

    http://www.revistaforum.com.br/rodrigovianna/plenos-poderes/wikileaks-psdb-promoteu-americanos-rever-lei-pre-sal/

    E, como parece óbvio, a sua eleição em 2038, vice fegacê…….viiiiiiiiiiiixe!

  18. Mais social democracia, mais socialismo…

    No Brasil é assim: saem os socialistas que não sabem fazer conta e entram os social-democratas que também não sabem fazer conta.

    Bom, sendo uma democracia,  todos eles representam os anseios da população – que também não sabe fazer conta, como bem mostram os exames internacionais em que o Brasil, invariavelmente, fica entre os 10 piores.

    Enfim, nossos deputados, senadores, prefeitos, governadores e presidente representam o Brasil, em toda a sua glória.

    Deus é brasileiro, mas desconfio que ue mudou para Miami… Ora, e quem disse que ele tem bom gosto?

  19. a mudança imprevista
    no cenário político atual há um novo e imprevisto agente: a crise climática.

    embora esteja cada vez mais flagrante, a maioria ainda insiste em negar sua presença, mesmo que a estejam experimentando sob várias sintomatologias em seus próprios corpos. a crise climática recobrirá e agravará todas as demais crises em curso (não apenas no Brasil): econômica, social, política e cultural.

    é da perspectiva da crise climática que devemos analisar, formular e propor as saídas em busca de algum futuro para nós e nossa sociedade.

    nos vemos separados do meio-ambiente, não nos consideramos uma biosfera conectada a todas as demais. por isto a quase totalidade dos estudos da mudança ambiental abordam apenas seus impactos externos: estiagem em alguns lugares com chuva torrencial em outros; frio glacial em alguns lugares e calor mortal em outros; furacões e tornados, terremotos e atividade vulcânica; aumento do nível do mar com desaparecimento de nascentes e rios morrendo.

    mas o maior impacto da mudança climática será interno. será no funcionamento de nossos corpos que sentiremos com maior intensidade as mudanças globais no clima. isto já está acontecendo e sendo diagnosticado como “doença”:

    pressão e dor na cabeça e na nuca; zumbidos e pressão no ouvido; nariz entupido e dores no septo e na testa; náuseas e diarréias; tonteiras e fadiga súbita; suores noturnos; todo tipo de distúrbio do sono: sono picado, acordar de madrugada, por volta das 3:00 h e perder completamente o sono, deitar cansado e pegar rápido no sono, mas pouco tempo depois despertar sem nenhuma vontade de dormir; uréia e glicose ligeiramente acima do limite; problemas renais e no ciático; dores nos ossos longos e chatos.

    um hemograma mais simples ou uma dosagem hormonal complexa se baseiam em faixas obtidas por estatística. o resultado fora destas faixas indica uma tendência a se desenvolver processos patológicos. entretanto, assim como a água ferve a 100º C apenas nas CNTP, as faixas estatísticas utilizadas nos exames não são válidas sob novas condições ambientais. assim, como distinguir uma tendência à patologia, sob os parâmetros anteriores, do que já pode ser um processo de adaptação as novas condições climáticas? quais seriam as faixas de “normalidade” para as novas condições climáticas?

    a mudança não será nos Parlamentos, nos Governos e nos Tribunais de Justiça; a mudança não será detectada pelas pesquisas de popularidade; não será na macroeconomia, tampouco nos partidos políticos tradicionais; a mudança não será divulgada pela mídia convencional; também os grupos de discussão na web nada terão a dizer sobre ela.

    a mudança já está acontecendo. e a estamos sentindo como sintomas em nossos corpos. a mudança será um novo jeito de viver. porque do jeito que temos vivido será impossível sobreviver.
    .

  20. Eleições 2018
    Nassif,

    E se entrar uma nova peça nesse jogo político? Com todo respeito aos senhores supostos candidatos…nenhum traz algum alento, sopro de modernidade, lisura…

    Gostaria de ver outros nomes nessa parada…em especial, Joaquim Barbosa.

  21. Acho difícil a Dilma terminar

    Acho difícil a Dilma terminar o mandato com os atuais 10% de aprovação.

    Se não ocorrer impeachment, nem cassação , é possível que ela caia mais. Se a crise se agravar. Mas depois que atingir o piso (se já não tiver atingido), vai começar a se recuperar. 

    A recuperação será lenta, acompanhando a recuperação lenta da economia.

    Talvez se recupere até muito. Quando se tem uma aprovação ridícula, como é o caso dela, qualquer subida é muito. Se ela chegar a 20% de aprovação, foi um crescimento de 100%.

    Como 10 entre 10 analistas políticos acreditam que a situação econômica vai melhorar a partir de 2017, é natural uma recuperação do governo Dilma a partir daquele ano. 

    Como Dilma vai chegar em 2018.  Dela depende o Lula.

     

  22. Nassif, com esse ultimo

    Nassif, com esse ultimo evento envolvendo o Cunha, agora entendi a Dilma. Ela simplesmente se recusa a dialogar com a Camara sob o comando do dito cujo. Ela deixa o pacto Lava Jato-midia tomar conta do protagonismo político não apenas por inabilidade, mas porque tem certeza que sobrevive e o Cunha não.

    Dilma é cabeça dura até o paroxismo. Tem a ideía fixa de que só é possível governar com esse congresso sem o coisa ruim. Deixa correr solto até o limite da crise institucional porque só pensa nisso, “decunhizar” o parlamento. Ela paga para ver. Esse é seu estilo. E quem tiver nervos de aço aguenta, quem não tiver que vai cuidar de sua vida.

    PS: A manutenção do Zé só se explica por isso. O republicanismo pusilanime vaselina do sujeito blinda o governo contra acusações de usar investigações contra inimigos. Nesse sentido, deu certo, quem comprou o papo furado do Cunha?

      • É o que enriquece o Blog e torna sua leitura superior ao jornal

        Se cada um de nós acrescentar sua experiência, seu conhecimento e seu talento nos comentários construiremos um ambiênte de saber insuperável na internet brasileira.

        O Nassif deveria participar mais das discussões, como ontém no programa Brasilianas.Org, onde o Dr. Samuel Pessoa foi perquirido de forma inteligênte e astuta até confessar em público e na TV aberta brasileira, que para ele os seus, AS TAXAS DE JUROS PORNOGRÁFICAS PAGAS PELO BRASIL DESDE MUITO TEMPO, EXISTEM PARA NÃO CONTAMINAR OS ÍNDICES.

        Depois disso, fica a dúvida, quanto tempo vai demorar para estes criminosos pagarem por seus crimes contra o povo e a nação brasileira.

    • Pertinente
      Juliano, há muito tempo não leio comentário tão pertinente por aqui. Tenho criticado Dilma sempre que me manifesto por sua inação – e somente por isso, esclareço – mas esta tua avaliação faz sentido. Continuo achando que a aposta é de alto risco – só acredito num Cunha manietado e batido, vendo. Como disse bem um comentarista aqui, Cunha e o que ele representa aportou aqui no Descobrimento e muito antes disso, no Mundo, e se ele for derrotado, há uma legião para substituí – lo em busca dos mesmos resultados.
      Oxalá tenhas razão e os próximos 3 anos sejam de recuperação e de construção e fortalecimento de uma liderança voraz por ação, exercício político e democrático e defensora da ética que possa conduzir está nau em direção a uma sociedade e coletividade mais justa e fraterna na Pátria Amada, Idolatrada!

  23. Um bom começo seria Lula,

    Um bom começo seria Lula, Dilma e líderes governistas lerem os artigos de fundo do Blog do Nassif para ter uma visão de cima, não de dentro dos palácios onde vivem confinados, para entender o jogo de poder.

    Mas …

    1 – Li no Tijolaço que o atual assessor de imprensa do governo Dilma (que é tão competente que eu não encontrei o nome dele no Google) é fã do … Reinaldo Azevedo. Alguém imagina que ele ou sua equipe vai fazer um release com a análise do Nassif e por na mesa da Dilma?

    2 – O Mercadante morre de amores pela Folha de São Paulo (quando ministro da Educação teve a falta de caráter de defender o Otávio Frias de envolvimento com tortura no regime militar). E coincidentemente a presidente deu uma entrevista exclusiva pra Folha

    3 – A Dilma frita ovo na Ana Maria Braga e dá entrevista as 3 da manhã pra Globo. E impássivel mantém a distribuição de verbas através da “mídia tecnica” enquanto o Canal Brasil vive às moscas com traço de audiência.

    4 – O Lula deixou tudo desmoronar pra começar a reagir.

    5 – E o pior: não há um sinal sequer no horizonte de medidas corretivas na comunicação do atual grupo que está no poder.

    Então é bom esquecer. O que eu não vou esquecer é que, através do meu voto, confiei o Brasil ao Lula e a Dilma e eles falharam e se acovardaram e muito no poder. Vou mudar meu voto até agora destinado aos petistas? Não,enquanto não surgir uma opção mais corajosa de poder porque eles, Dilma, Lula e os petistas, podem respeitar a opinão da mídia brasileira. Eu não.

     

     

     

  24. 2018

    São sete, somente sete meses de governo e tudo isso aconteceu e está acontecendo. Perdeu-se o parâmetro jurídico do país. É como vemos acontecer costumeiramente no judiciário: O legislativo aprova as leis de liberdade de expressão, aí vai a polícia e reprime as manifestações e tem de haver uma ação no STF e um julgamento para se validar a lei que já foi feita.

    Esse exemplo é o da Marcha da Maconha, mas tantos outros ocorrem, pois não é de costume e cultural respeitar as leis ou contestálas, mas desrespeitálas de forma escondida e quando se pega o outro, cobrama  lei de forma farisaica.

    Então o policial mata na rua, o apresentador de televisão apóia o preconceito, etc. O juiz adota a prisão como remédio preferencial, e tudo o que foi conquistado por gerações é simplesmente desvalorizado em detrimento de convicções pessoais desprovidos de comprometimento com a ciência e com a verdade.

    A ação contra o Lula, então, é de um absurdo que causa tamanha confusão na população, que não acredita como podem instituições como MPF serem tão frágeis e insanas e como podem servir contra o país por interesses tão imediatos e mesquinhos.

    Enfim, que empresário estrangeiro ou nacional investiria tranquilo no país se a polícia e os órgão de justiça Ministério Público e  judiciário são tão suscetíveis de manipulação ?

    Se o país tem um problema hoje é de segurança jurídica. Não é político ou econômico como dizem.

     

  25. 1) A Lula interessa a

    1) A Lula interessa a recuperação de Dilma.

    Ou que ela caia o mais rapidamente possível e seja substituída por alguém da oposição, que irá administrar uma economia capenga até 2018, quando Lula poderá acusar tanto o golpe quanto a incompetência dos que a apearam do poder.

    2) A Alckmin, uma Dilma desgastada até 2018.

    Alguém imagina Geraldo Alckmin eleito presidente? Já foi muito além das suas sandálias sendo eleito e reeleito governador de São Paulo. A própria Dilma é uma paraquedista, mas pelo menos teve o empurrãozinho do Lula.

    3) A Aécio, a eventualidade de uma queda de Dilma com a convocação imediata de novas eleições. A sua fragilidade não permitirá que sobreviva até 2018.

    Cabe ao dono do blog explicar o que é “fragilidade política”. Se o PSDB não fosse um partido paulista e Aécio 2014 não tivesse sido, portanto, um “penetra”, o partido, hoje mais do que nunca, estaria fechado em torno dele como sua melhor aposta para voltar ao poder. Inclusive para convencê-lo de que é uma grande estupidez investir no impeachment da Dilma. Se por fragilidade política o dono do blog entende esse aspecto, digamos, bem paulista do PSDB, então Aécio faz seu cálculo político. Sabe que se não for agora não será em 2018, pois a preferência do PSDB sempre será por alguém de São Paulo.

    4) A Serra, a instauração do parlamentarismo.

    Qual a chance disso? Serra, que tem 73 anos agora e 76 em 2018, é realmente opção preferencial da mídia???

    • A meu ver, não sei se é isso

      A meu ver, não sei se é isso que o Nassif quis dizer, a fragilidade de Aécio é, principalmente, a sua própria biografia, recheada de eventos oportunistas e de nepotismo (no início ele sendo beneficiado e, agora, ao final, ele beneficiando vários parentes). Ta certo que antes nepotismo não era crime mas ainda sim sempre foi uma prática imoral, ainda mais quando se trata de empregar o filho, o neto, o pai, e irmaos.

       

      • Daniel, que biografia tinha

        Daniel, que biografia tinha Dilma para ser presidente da República? Foi guerrilheira na juventude e depois virou apaniguada de políticos por décadas, ocupando cargos na burocracia estatal até ser ungida candidada do PT pelo Lula. Aspectos, digamos assim, nebulosos na sua biografia, Serra também os tem. Alckmin tem perfil de um prefeito de cidade do interior que foi muito além do que poderia sonhar, sendo eleito e reeleito governador de São Paulo.

        Hoje, em nível nacional, entre os que estão no jogo, evidentemente, só quem pode dizer que tem uma biografia que os credencie ao mais alto cargo político do país são Lula e Marina Silva.

         

  26. PARA ENTENDER O ATUAL JOGO POLÍTICO

    OI, NASSIF

    Na sua análise você se esqueceu de posicionar a MARINA nese jogo político para 2018. Acredito que ela está no jogo e, a mídia irá apoiá-la, pelo menos nos primeiros momentos.

  27. > Apenas uma questão poderá

    > Apenas uma questão poderá reverter essas estratégias: a hipótese (por ora distante) de recuperação de Dilma.

    Dilma pode arrochar 2015 e 2016. Se sobreviver politicamente à recessão profunda, poderá meter o pé na jaca em 2017 e 2018, abrindo as torneiras do gasto público (mesmo comprometendo a economia novamente a partir de 2019). Se investir na irresponsabilidade fiscal (o que não falta é gente torcendo por isso e tentando provar por A+B que é possível mesmo a partir de agora, mandando às favas o superávit primário), poderá ostentar números vistosos de crescimento econômico após dois anos de PIB negativo.

    • Tenho certeza que é esse

      Tenho certeza que é esse mesmo o plano do Governo, arrochar agora e torrar em 2018. Mais um voo de galinha pra garantir mais uma eleição, e “depois a gente vê no que dá”. Estamos nessa desde 2011, sem sair do lugar, com o mundo voando lá fora… 

  28. Tempo, tempo, tempo…..

    A velocidade das mudanças em assuntos capitais para a tomada e manutenção do poder têm ocorrido no mundo e no Brasil à velocidade cada vêz maior. O tempo de reação dos que ocupam os lugares chaves de comando têm diminuido e a tendência é ficarem cada vêz menores.

    Poucos conseguiram perceber e entender o que ocorreu, a influência da AI e da IA foi olvidada e agora, vide operação Jade Helm nos USA, já comanda ações de Estado de forma impercepitíveis.

    O mundo mudou.

    Os políticos brasileiros, verdadeiros atores fósseis sociais não evoluiram e estão a atrasar o povo e a Nação brasileira.

    Em 2018 já teremos forças políticas organizadas dando suporte à políticos mais modernos, o quadro será muito diferente do de hoje e a cibernética social será muito mais visível e palpável, p. ex., o Armstrong está esta semana lançando os serviços do seu supercomputador o Sócrates, que é invenja em 10 entre 10 bancos e consultorias financeiras.

    Vivemos em tempos interessantes, onde o médio prazo é cada vêz mais curto.

  29. Um atraso: Meu único mêdo é a UNASUL.

    Lula, Maduro, Rafael Corrêa, Kirchner, Fernando Lugo, Dési Bouterse, Tabaré Vasquez, Evo Morales…….todos esses países vivem em plena democracia ?

  30. Um pequeno reparo:
    Fogo total

    Um pequeno reparo:

    Fogo total no esquema Lula, preservando Dilma Rousseff. A ideia central é a de que esticar o governo Dilma desmoralizado até 2018 é mais garantido do que um eventual impeachment agora, permitindo a volta de Lula em 2018. Aliás, é impressionante a disciplina de comentaristas políticos da mídia que conseguem pensar todos da mesma forma e mudar de opinião da mesma forma e no mesmo dia.

    Mesmo considerando que vivemos tempos de Internet, a homogeneidade dos comentários dos articulistas do chamado PIG sugere que pode haver, sim, um acordo mais explícito do que tácito no “aquário”. Além disso, por exemplo, Eliane Cantanhêde trabalha tanto no OESP quanto na Globo News.

     

    Intocáveis são apenas a mídia e os principais caciques do PSDB. Aliados pontuais – como Eduardo Cunha, Renan Calheiros e Ministros do TCU (Tribunal de Contas da União) – são jogados ao leão, inclusive para reforçar o caráter democrático da Lava Jato.

    Eu diria “para reforçar a imagem de democrática da Lava Jato.” E deixo aqui um protesto-lamento: Quando é que os caciques do PSDB, mesmo sendo protegidos da mídia, começarão a ser julgados pela Justiça?

     

    Além disso há que se diferenciar o Brasil urbano, mais afeto às mentiras e manipulações da mídia, da rural e da das pequenas cidades. E destacaria a atuação da TV Brasil e da EBC, que se ainda não são nem de longe nenhuma BBC, têm conquistado bastante terreno.
     

    • ¨E deixo aqui um

      ¨E deixo aqui um protesto-lamento: Quando é que os caciques do PSDB, mesmo sendo protegidos da mídia, começarão a ser julgados pela Justiça?¨                                                                                                                                                                                                    É verdade.Essa Justiça tem deixado a desejar,mas se te serve de consolo( a mim serve ) a justiça do voto tem sido implacável. E isso eles não suportam.

  31. Uebaaaa ! Há luz no fim do

    Uebaaaa ! Há luz no fim do túvel !

    Para quem, em post anterior, já tinha dado como encerrado o atual governo, pelo jeito está mudando de ideia, há esperança.

    “Apenas uma questão poderá reverter essas estratégias: a hipótese (por ora distante) de recuperação de Dilma”

  32. Esqueceu do poder dos

    Esqueceu do poder dos generais de campo: João Pedro Stédile; Wagner Freitas; Henrique Boulos & Cia Ltda, na sustentação de um governo democrático e legitimamente eleito…

  33. Dilma também terá que se

    Dilma também terá que se recuperar com os servidores federais.

    Esta semana começa com as reivindicações de reajuste salarial do judiciário e do executivo federal.

    Os caminhões de som dos sindicatos e as cornetas já rondam a esplanada. 

    O pedido de recomposição salarial traz impactos no ajuste fiscal, por outro lado, ignorá-lo pode trazer novos motins no funcionalismo, a exemplo da polícia federal que se desgastou com o governo desde 2010.  A resistência do governo em negociar criou revoltados, como o caso do agente federal e o alvo de tiro.

    O governo pode até acreditar que existem outras prioridades para se preocupar, mas terá que negociar com a categoria. Os sindicatos acusam a perda do salário, durante o governo Dilma, da  recomposição feita por Lula, depois de um longo tempo de austeridade com FHC.  O que o governo concedeu e o que oferece para os 4 anos não recompõe as perdas ocorridas com o aumento da inflação.

    • Direito trabalhista ou Penal?

      Funcionário público que desvia função tem que ser tratado segundo o regulamento de disciplina do serviço público que nada tem a ver com discussão sindical e trabalhista. Se o Governo está fragilizado, cedendo a chantagem se enfraquecerá mais ainda. Hay que endurecer!! Primeira coisa é preencher o cargo de Ministro da Justiça.

  34. ¨Aliás, é impressionante a
    ¨Aliás, é impressionante a disciplina de comentaristas políticos da mídia que conseguem pensar todos da mesma forma e mudar de opinião da mesma forma e no mesmo dia.¨
    Essa constatação do Nassif me chama à atenção,e para mim não é recente.
    Ficar olhando as nuvens é perda de tempo.

    • pois é, a impressionante e (Aaaargh…) disciplina e fidelidade

      tão comuns em conventos, e prisões (variantes de disciplina, ordem e fidelidades), e em sociedades (em graus variáveis, umas mais livres, outras como essa brasileira, dos jeitinhos opostos á civilidade, e de que tanto há quem se orgulhe. Das liberdades, dos piercings e tatuagens, trajes e trejeitos, e de vocabulários modernos de aparências). O quartel esté em nós.

    • Excelente apanhado, Unger de bom humor, lúcido e inteligível

      Valeu o vídeo, faz um bom apanhado dos problemas macros brasileiros, mas, como sempre, deixa de propor uma forma de vencermos estes problemas e criarmos dentro da sociedade as condições para que possam ser superados.

      Fica a minha sugestão, que se empenhe pela reforma ministerial em 14 pastas com 72 secretarias e se tiver dúvidas como eu sei que isto funciona, suspenda a dúvida. Eu garanto que funciona.

       

  35. GUERRA DE GANGSTERS

    Não é um jogo político. É UMA GUERRA DE GANGSTERS, e o maior deles é a IMPRENSA GOLPISTA.

    É uma disputa entre as MAFIAS, para assumirem o poder e o controle do PRÉ-SAL, do NARCOTRÁFICO, e de quebra reabrirem os CASSINOS.

    A GLOBO GOLPISTA, CAPO DE TUTTI CAPI, controla tudo. 

    E o pior dessa guerra, é que HELIOT NESS e os INTOCÁVEIS  são da MÁFIA  também. 

    É necessário surgir um PODEROSO CHEFÃO às avessas para virar essa mesa.

    Já que os homens e mulheres de bem, os que realmente estão do lado da LEGALIDADE, ainda estão impassíveis diante do GOLPE que já está ocorrendo.

    LULA e DILMA  não terão sozinhos  resistência para isso. Precisamos fortaleçê-los.

    Se faz necessário que se crie URGENTE um comando de combate, um foco de resistência, que entre imediatamente em ação reagindo na medida a todos esses tipos de ataques.

    TÁ NA HORA DO POVO SE UNIR AO GOVERNO SE NÃO QUISER SUCUMBIR COM ELE.

    SÉ NÃO QUISER QUE O PAÍS SE TRANSFORME  NUM IRAQUE  OU NUMA GRANDE MEDELLIN.

    Tá na hora de BOICOTAR a GLOBO a INCUBADORA de todos os GOLPES.

    –Corte de verbas.

    –Acelerar todas as cobranças judiciais sobre ela,  

    –Dar mais poder ao fisco.

    –Liberar os melhores canais concorrentes da tv paga para tv aberta, entre outros.

    –Dar força ao FBI nas apurações nos escândalos da FIFA.

    –Dar mais força a OPERAÇÃO ZELOTES,  e HSBC.

    –Demitir esse nosso ministro cagão.

    Sáo medidas possiveis de se tomar agora.

    JÁ PASSOU DA HORA DO GOVERNO ENTRA DE SOLA NAS ORGANIZAÇÕES GLOBO, E O POVO DEIXAR DE ASSISTI-LA.

     

    • ESCOLHAS DE DILMA

      Será que há toda esta articulação desvelada por Nassif? Para mim pura teoria da conspiração. O que estamos vivencviando é fruto das esolhas feitas pela Presidenta em relação à npolítica econÔmica. Sua popularidade ultrapassou o morto, 7,5%, e emtorno de 60% apoiam o seu impeachmente. Por que? Ora, o receituário econômico ora aplicado não foi ventilado na campanh, ao contrário. Esta é a crise. Se Dilma tivesse escolhidoi opções de política econômica não tão conservadoras, o cenário seria bem outro.

      • se não estivesse escolhido….

        Se Dilma não tivesse escolhido opções de política econômica conservadoras a inflação estaria maior.

      • FICHA LIMPA X FICHA SUJA

        Uma coisa é cometer erros. Utilizar estratégias consideradas por muitos, erradas.

        Outra coisa é cometer CRIMES.

        Que é o que consta na folha corrida de TODOS OS SEUS ALGOZES, TODOS, SEM EXCEÇÃO.

        Com relação a popularidade, se não houver o GOLPE, ela a recupera rapidinho.

    • Cyro Gomes numa entrevista

      Cyro Gomes numa entrevista para o Paulo Henrique Amorim, deu o seu grito de guerra que não ficará impassível diante de um golpe. Interessante entrevista.

    • Lula e a mosca azul
      Parceiro, fortalecer a Dilma e o Lula?

      Diga-me uma coisa:

      Quando o Lula alcançou níveis altíssimos de popularidade, houve a chamada “maré vermelha” na ocupação de executivos e parlamentos, a economia mundial bpmbava e o Obama o chamava do “cara dos caras”, O QUE ELE FEZ?

      O Frei Betto escreveu um livro inspirado no Lula, chamou-se “a mosca azul”.

      Pretendo, um dia, desfruta-lo. Conta a história de transformação que um poder gigantesco causa nas pessoas.

      Sei que para muitos o Lula é um ser divino incriticavel.

      Para mim, pessoas que ocupam tais posições políticas ditam o rumo de milhões de pessoas.

      Convém apurar o juízo crítico em relação a estes.

      • DIVINDADES

        LULA e DILMA não são divinos e nem incriticáveis. São apenas ESTADISTAS, DEMOCRATAS E HONESTOS.

        É que essas qualidades atualmete são tão raras, que quem as possui entra para a categoria das DIVINDADES.

      • as moscas mudam mas o cheiro permanece o mesmo

        “De repente, dei-me conta de que navegávamos para oeste, quando todos os planos orientavam-nos a leste. Não me restava alternativa: prosseguir no barco ou atirar-me no rio. Livrei-me da roupa e da bagagem e, abraçado a um cacho de valores, mergulhei. Nadei até a terceira margem do rio, esgueirei-me das piranhas e dos jacarés em busca de mim mesmo.”

        Frei Beto, “A Mosca Azul”

        mas o bondoso Frei sempre conviveu com o Lula desde o início, fazendo as suas apetitosas moquecas capixabas, e só depois de 2003 é que notou o enxame azul de moscas? e nos anos subseqüentes o que fez o Frei senão abster-se num silêncio obsequioso.

        então o que temos é uma derrocada da Esquerda sim. só que vem de longe. marcaria como data inaugural a última semana do segundo turno da campanha de 1989. ali, como o Syriza agora na Grécia, Lula e o PT decidiram capitular sem luta. e assim nasceu a estratégia lulista da “conciliação permanente” que ágora está na agonia de seus estertores.

        no auge de sua popularidade, antes das eleições de 2010, Lula e o PT preferiram deixarem-se embalar vaidosamente pelo próprio prestígio, em vez de aproveitá-lo, e à oportunidade aberta com a crise de 2008,  para dar um giro à esquerda.

        .

  36. O grande problema é o
    O grande problema é o enfraquecimento do poder de “definição de agenda” que a esquerda sofre causado pela inépcia do PT no poder.

    Cleptocratas dos mais diversos tipos e categorias comemoram a atual conjuntura de conservação do sistema tal como sempre foi com suas regras os privilegiam muito.

    Basta olhar a dificuldade de se falar sobre oligopólio da mídia, encarceramento massivo, falência horrenda do sistema penitenciário, massacre da juventude pobre e negra, legalização da maconha e do aborto, impostos sobre altas rendas e o patrimônio, reforma do judiciário etc.

    Numa balança, fica a dúvida se algumas conquistas sociais recentes compensam a derrocada da esquerda.

    Quem vence ou quem perde em 2018 não fará tanta diferença nesta mudança de atmosfera.

    • milagres que nunca se realizaram

      “Numa balança, fica a dúvida se algumas conquistas sociais recentes compensam a derrocada da esquerda.”

      mas é no marketing das “conquistas sociais”  que está o perigo, pois se trata de milagres sempre celebrados, contudo jamais realizados. a começar pela “nova classe média”, uma manipulação estatística criada por um economista conservador da FGV e adotada com gratidão pelo lulismo, que recompensou-o com um cargo de Secretário-Ministro (ou Ministro-Secretário, o que importa sempre é o cargo).

      .

  37. FP também estava encoberto

    Nassif, o nome FP também estava encoberto e obviamente se refere a Fernando Pimentel.

    Isso não desqualifica a hipótese? Visto também que nomes como GA estavam descobertos.

    • É obvio que FP não se refere

      É obvio que FP não se refere a Pimentel.por favor não somos idiotas se fosse Pimentel do PT estaria estampado com todas as letras!

      FP deve ser o Aecio Neves Filho da  P…

      • Sim, é obvio!

        Cara Eliane, temos uma lista aonde contam apenas figuras de primeiro escalão na politica, pelo menos se levarmos em consideração a força eleitoral.

        Quem mais figuraria entre Lula, Cunha, Serra, Temer e Alckmin se não Pimentel, governador mineiro?

        Me diga qualquer nome com as inicias F.P. que seja tão notável como os listados acima que admitirei que estou errado.

      • O nome de Fernando Pimentel
        O nome de Fernando Pimentel aparece por extenso no trecho censurado, Haddad idem, é só clicar em buscar para encontra-los. Foi assim que se comprovou a citação do Serra também.

  38. Essa é muito boa

    Comentário postado pela internauta Grace Diniz no Conversa Afiada:

    Deixa eu entender. O Lula, um brasileiro, ex-presidente, não ocupa cargo público algum, não pode defender os interesses de empresas brasileiras lá fora; o “Cerra”, brasileiro, Senador, ocupa cargo público, pode defender os interesses de empresas estrangeiras aqui dentro, ao apresentar um projeto no Congresso entregando nosso “pré-sal”; FHC, também brasileiro, pode denegrir a imagem do país lá fora. O errado é o Lula? Será que somos idiotas? Estão de brincadeira, né?

    • Kammel, a questão não é o

      Kammel, a questão não é o Lula promover as empresas brasileiras la fora, e sim usar sua influência para facilitar empréstimos via BNDES, à juros e parcelas maternais, e claro, receber muito bem pelo serviço. É isso que deve ser investigado.

    • está totalmente certo!

      Finalmente um comentário que faz todo o sntido pela simplicidade e pela profundidade de análise não explicitada.

      Sim, o Lula é o errado!

      Errado por escolher uma pessoa sem capacidade administrativa ou emocional para a sua sucessão, simplismente porque ela não teria capacidade de fazer sombra para sua imagem.

      Errado porque não aproveitou um momento econômico favoravel de valorização das comodites para desenvolver o país.

      Errado porque levou a corrupção a um nível nunca visto na história muito corrupta do nosso país.

      Errado porque abandonou a produção de etanol para fazer propaganda do pré-sal, que só faz sentido se o preço do barril estiver acima de U$80,00 no mercado internacional e atualmente não passa de U$60,00.

      Errado porque não se preocupou em destruir a indústria nacional transformando o Brasil em um país de cultura de soja e produção de minério de ferro.

      Errado porque em 2015 ainda insiste em dizer que não errou e que o problema é da crise mundial de 2008 quando todos os paises desenvolvidos crescem mais que o Brasil, exceto a Rússia que tem muitos problemas internos e uma guerra não declarada com a Ucrania e boa parte do mundo.

      E principalmente errado porque se preocupa em manter o poder e não em melhorar a vida do povo.

      Parabéns, finalmente uma pessoa que vê a verdade: Lula estava e está errado!

       

  39. Nuvens nebulosas sobre o Planalto

    Esse Governo que ai está age como um Maestro de péssimo gosto musical. Só coloca partituras com baixa harmonia, obrigando aos músicos sofrerem na hora de tocar. para consertar isso só tomando a BATUTA  Maestro. É o que acontece em Brasília. Não há diretriz, planejamento nem planilha de cálculo. É um bumba meu boi.

    Tá na hora do MP pensar que que cada um que representa o MP faz parte dos 200.000.000 de brasileiros insatisfeitos, indignado, decepcionados. Mas eles podem agir por todos nós e nós não podemos. Cada um deles deve trazer para si a indignação, insatisfação, a decepção e o desrespeito do Governo para todos nós. Nós somos o povo, somos os brasileiros e estamos pelos quatro cantos da Nação esperando que os componentes do MP faça crescer a vontade e esperança da maioria.

    SEJAMOS TODOS OS BRASILEIROS, DEFENSORES DE NO PÁTRIA, AINDA QUE FALIDA, MAS NOSSA! 

  40. cenários 2018

    E Marina Silva? ela nem aparece na sua análise porque não está sendo acusada de roubar ou receber propinas?

    • Acho que não é por isso. É

      Acho que não é por isso. É porque é inexpressiva. É um balão que meia duzia de amigos infla em epoca de eleições para juntar alguma grana. Tipo assim: sobra de campanha.

  41. A verdade mais trágica desse

    A verdade mais trágica desse texto: OS TUCANOS E A GRANDE MÍDIA SÃO INTOCÁVEIS. Moral da história: O HAITI SERÁ AQUI, Simples assim.

  42. Novamente a dicotomia entre o bem e o mal

    Há uma terceira via chamada Marina Silva com potencial de mais de 30 milhões de votos. Uma aliança Marina/Luciana Genro pode vencer sim. Tomara que a Dilma se segure pelo menos uns dois anos para o povo ver que a política econômica de direita do Levy só traz recessão e não resolve a inflação. Com o fogo cruzado do PT x PSDB x PMDB, há uma saída viável pela esquerda. Só não vê quem não quer.

    • Já é campeão!

      Mais suicidio político pra Marina? Chega né.

      Marina/Genro 2018, kkk, por favor…

       

      Daí só restara interná-la por bipolaridade aguda.

    • Já é campeão!

      Mais suicidio político pra Marina? Chega né.

      Marina/Genro 2018, kkk, por favor…

       

      Daí só restara interná-la por bipolaridade aguda.

  43. Marina: um Lula reloaded que já vem com bug no boot

    Marina Silva aonde está você? está de braços dados com Neca Setúbal desfraldando a bandeira de um BC independente da sociedade, privatizado para o mercado financeiro.

    Marina Silva não é opção. Ciro Gomes também não. Luciana Genro sozinha não tem densidade para tal.

    não há opção sob uma política econômica neoliberal (juros altos, câmbio flutuante com livre fluxo de capitais e superávit primário com carga tributária regressiva).  a saída passa por uma política econômica que promova desenvolvimento com inclusão social, uma frente progressista que de fato se comprometa com isto e um acordo social que garanta sua execução .

    chance disto acontecer? remota, para ser otimista.

    .

  44. Ciro?

    Sempre gostei do Ciro, mas ele é uma pessoa destemperada. Na entrevista acima estava muito bem, deve ter tomado seu rivotril, mas e quando não toma? Como política é algo muito sujo, mesmo quando as pessoas são decentes, é muito simplista da parte dele colocar o PT inteiro como ladrão, quando o que se olha e vê  é um mundo de gente do PMDB e do PP envolvido em falcatrua. É claro que teria sido ótimo o PT não ter feito aliança com essa gente. Mas como poderia governar sem maioria? Quanto ao Lula se meter e perder a eleição não acredito muito nisso não, especialmente se a economia puder se recuperar e é isso que a oposição apoiada  pela mídia, busca impedir a todo custo. A percepção que as coisas vão mal atua fortemente no ânimo das pessoas e é disso que vivem as crises: descrença. Ciro busca sua chance política no enfraqucimento de Lula, acho que se dará mal. 

  45. Olha, não duvido que estejam

    Olha, não duvido que estejam tentando essa “solução” Serra & Parlamentarismo. Nem mesmo que consigam instituí-la momentaneamente. Mas uma coisa que os engenheiros políticos de circunstância teimam em não aprender é que o conceito brasileiro de democracia passa, fundamentalmente, pela eleição direta de um Presidente da República dotado de muito poder legal. Qualquer outro arranjo institucional é ilegítimo por aqui, é visto como não democrático pela população. Para o bem e para o mal, essa é a cultura política brasileira. O parlamentarismo por aqui seria visto como uma usurpação do direito popular de eleger seus representantes. Podem tentar, podem mesmo conseguir o parlamentarismo. Mas arrumarão uma enorme encrenca!!! 

    • Exatamente. Tanto é que o

      Exatamente. Tanto é que o povo em geral acha que o presidente/a tem mais poderes do que realmente tem, daí esta decepção momentânea com Dilma (vide pesquisas) pela sua suposta falta de ação contra os acontecimentos recentes no congresso e na justiça.

      Continuo com meu ponto de vista de que este é um jogo de xadrez extremamente complexo e que as “posições das pedras” não nos é dado ver. Confio, contudo, que Dilma tem uma estratégia bem montada e que sairá vencedora ao final.

  46. “informação de que foi

    “informação de que foi colocada uma tarja preta em cima do nome de José Serra, na relação de mensagens apreendidas no celular de Marcelo Odebrecht, e mantidos os nomes de MIchel Temer e Geraldo Alckmin, confirma plenamente as hipóteses acima”:

    MACONS de merda!  QUerem saber o dia que a “casa grande” vai encostar as patas no pre-sal?

    O dia que o inferno congelar, cambada de trairas em serie.

    • Mangabeira Unger: um sotaque indefectível

      Pôr fim ao governo Lula

      15/11/2005

      Afirmo que o governo Lula é o mais corrupto de nossa história nacional. Corrupção tanto mais nefasta por servir à compra de congressistas, à politização da Polícia Federal e das agências reguladoras, ao achincalhamento dos partidos políticos e à tentativa de dobrar qualquer instituição do Estado capaz de se contrapor a seus desmandos.

      Afirmo ser obrigação do Congresso Nacional declarar prontamente o impedimento do presidente. As provas acumuladas de seu envolvimento em crimes de responsabilidade podem ainda não bastar para assegurar sua condenação em juízo. Já são, porém, mais do que suficientes para atender ao critério constitucional do impedimento. Desde o primeiro dia de seu mandato o presidente desrespeitou as instituições republicanas. Imiscuiu-se, e deixou que seus mais próximos se imiscuíssem, em disputas e negócios privados. E comandou, com um olho fechado e outro aberto, um aparato político que trocou dinheiro por poder e poder por dinheiro e que depois tentou comprar, com a liberação de recursos orçamentários, apoio para interromper a investigação de seus abusos.

      Afirmo que a aproximação do fim de seu mandato não é motivo para deixar de declarar o impedimento do presidente, dados a gravidade dos crimes de responsabilidade que ele cometeu e o perigo de que a repetição desses crimes contamine a eleição vindoura. Quem diz que só aos eleitores cabe julgar não compreende as premissas do presidencialismo e não leva a Constituição a sério.

      Afirmo que descumpririam seu juramento constitucional e demonstrariam deslealdade para com a República os mandatários que, em nome de lealdade ao presidente, deixassem de exigir seu impedimento. No regime republicano a lealdade às leis se sobrepõe à lealdade aos homens.

      Afirmo que o governo Lula fraudou a vontade dos brasileiros ao radicalizar o projeto que foi eleito para substituir, ameaçando a democracia com o veneno do cinismo. Ao transformar o Brasil no país continental em desenvolvimento que menos cresce, esse projeto impôs mediocridade aos que querem pujança.

      Afirmo que o presidente, avesso ao trabalho e ao estudo, desatento aos negócios do Estado, fugidio de tudo o que lhe traga dificuldade ou dissabor e orgulhoso de sua própria ignorância, mostrou-se inapto para o cargo sagrado que o povo brasileiro lhe confiou.

      Afirmo que a oposição praticada pelo PSDB é impostura. Acumpliciados nos mesmos crimes e aderentes ao mesmo projeto, o PT e o PSDB são hoje as duas cabeças do mesmo monstro que sufoca o Brasil. As duas cabeças precisam ser esmagadas juntas.

      Afirmo que as bases sociais do governo Lula são os rentistas, a quem se transferem os recursos pilhados do trabalho e da produção, e os desesperados, de quem se aproveitam, cruelmente, a subjugação econômica e a desinformação política. E que seu inimigo principal são as classes médias, de cuja capacidade para esclarecer a massa popular depende, mais do que nunca, o futuro da República.

      Afirmo que a repetição perseverante dessas verdades em todo o país acabará por acender, nos corações dos brasileiros, uma chama que reduzirá a cinzas um sistema que hoje se julga intocável e perpétuo.

      Afirmo que, nesse 15 de novembro, o dever de todos os cidadãos é negar o direito de presidir as comemorações da proclamação da República aos que corromperam e esvaziaram as instituições republicanas.

      .

      • Prezado,
        Preparei um

        Prezado,

        Preparei um contraditório pensando seres tu o autor desse emaranhado de sandices. Detectado o engano, o apaguei.

        Poderias, por favor, postar o link ou o que for para irmos ao original desse bestialógico? 

        Grato. 

        • susto

          só vi agora de manhã cedo e me assustei, não tinha nada a ver com o que postei. não entendi de que link você fala. Talvez de um comentário longo de outra pessoa: pra vê-lo, click em “ver mais”, pois aparece o texto pela metade, depois do click se expande. Mas não sei se entendi sobre qual link.

      • ARKX mente. Nassif, revele o nome desse político do PSDB.

        arkx afirma que o governo Lula é o mais corrupto da História do Brasil. Se isso fosse verdade, foi a partir de seu governo que houve inclusão de dezenas de milhões de brasileiros, que escaparam da miséria. Quantos ascenderam no governo FHC? Posso dizer que dezenas de milhões submergiram. Se FHC é honesto, por que o BNDES financiou uma empresa espanhola, de baixissima tecnologia para comprar a TELESP com juros de 3,25% AO ANO? Se o PSDB é um partido de gente honesta, por que seu candidato Aécio Neves fez constar como “investimento em saúde” as despesas do IPSEMG, órgão de previdência e saúde do funcionalismo mineiro, principalmente sabendo-se que é uma entidade fechada e portanto, não faz nem nunca fez parte da saúde pública do estado? Se o Geraldo Alckmin é honesto, como quer fazer crer esse comentarista, provavelmente um político do PSDB, por que nenhuma CPI foi aprovada na ALESP, principalmente o desvio de verbas do metrô? Por que os trens REFORMADOS em 2010 foram lançados na propaganda milionária de José Serra como “trens novos”? E por que custataram mais caro do que os trens novos? Se o governo FHC foi tão bom, por que na primeira pesquisa para prefeito em 2004, seu nome alcançou apenas 3% na cidade de SP? Por que naquele governo houve o maior arrocho salarial da história, superando por léguas os governos da Ditadura? 

        • Mangabeira Unger: um sotaque indefectível (2)

          o texto é do Mangabeira Unger, depois disso nomeado Ministro por Lula e agora Ministro de Dilma. para se entender o jogo político é preciso, antes de tudo, ler e conseguir interpretar o que se lê. vcs precisam praticar um pouco mais.

          http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1511200506.htm

          outra coisa: em momento algum disse que concordo com o texto do Mangabeira, eu o postei como um contraponto ao vídeo colocado pelo Nickname. Lula se esforçou bastante, mas o governo mais corrupto de nossa história segue sendo FHC, só que Lula perdeu a oportunidade de colocar isto a nu, fazendo a auditoria da privataria e da dívida interna.

          .

  47. Republicanismo fajuto

    E o gov. Dilma, para se mostrar “republicano”, permite que a PF prepare — totalmente à vontade, a ponto de censurar as partes de documentos que interessem ao esquema oposicionista — sua cova, de Dilma, e a de Lula, e do PT, e pavimente uma avenida larga, bem sinalizada, para a ascensão da direita neoliberal e entreguista em 2018.

    Não há nada mais falso que o pseudo-republicanismo de Dilma, Cardozo & Cia.

  48. Não acho que Lula tenha tanto

    Não acho que Lula tenha tanto interesse assim na recuperação de Dilma, tanto é que ele já não move uma palha por ela. Se ela cai, o discurso de vítima de golpe já está na ponta da língua, junto com o de que a culpa da crise é da oposição, agora governo, que esteve no poder nos últimos 3 anos. Imagino o filme do João Santana pra campanha de 2018: “Tudo estava muito bem com o Brasil, Dilma conduzia o país com maestria, até que a mídia diabólica se juntou com a oposição e um juiz do Paraná para planejar e executar um golpe de estado contra o PT. O golpe foi bem sucedido, e a partir daí tudo desandou no país, veio a inflação, o desemprego, e o país entrou em recessão graças à má gestão dos governantes que tiraram Dilma do poder. Agora Lula está de volta, para colocar o Brasil de volta nos eixos!” Vai ganhar fácil!

  49. Acrescento alguns pontos.

    _ a denúncia contra o cunha foi bolada para destruir o processo contra ele, mas deu errado, repercutiu de maneira não prevista;

    _ perdida, a globo, devido ao desastre do esquema cunha, só viu a alternativa de atacar de qualquer maneira o Lula. Mas ela, neste cado , está brincando com fogo. Será que o globo perdido não tem a ver com as delações realmente premiadas do processo FIFA? Já pensou um deles preso ao desembarcar em miami;

    _ o desgaste no futuro breve do psdb golpista que parecerá deu um golpe nele mesmo;

    _ A Dilma só tem a ganhar. Lembremo-nos que até o Lula nos decepcionou no início do seu governo  “liberal”,tanto que deu origem ao psol dos descontentes, e depois explodiu como a grandeza que até hoje irradia;

    _ De toda a trama do escandalo escandalizado da corrupção contra a petrobras que foi vendida como sendo do pt na petrobrás, não restará nada contra a Dilma, já não há, contra o pt, que talvez até  tenha, um detalhe apenas, mais um josé dirceu condenado “sem provas” para confirmar que o pt tem direito a um atestado de idoneidade;

    _ Ainda vamos inaugurar duas novas refinarias, uma enorme uhe, PRÉ-SAL bombando até 2018, a TRANPOSIÇÃO DO SÃO FRANCISCO, a FERROVIA NORTE SUL  completa, a br 381 de BH a Valadares, a energia a preço ainda mais baixo que foi em 2013; entre outras. 

    • pobre Pochmann…

      “Em síntese: entende-se que Não se trata da emergência de uma nova classe – e muito menos de uma classe média.”

      “Nova Classe Média? “, Márcio Pochmann

      Marcelo Néri, economista neoliberal da conservadora FGV/RJ,  cunhou um dos mais notáveis êxitos de marketing do lulismo: “A Nova Classe Média”. virou Ministro.

      o companheiro Pochmann escreveu dois livros analisando que não era bem assim. foi candidato derrotado à Prefeitura de Campinas. hoje esta na Fundação Perseu Abramo. melhor prá Fundação, pior para o Brasil, pois deveria ser Ministro.

      enquanto isto, Mangabeira Unger, depois de clamar para se “por um fim ao governo Lula”, virou Ministro de Lula e agora de Dilma.

      alguns subsídios para se entender o atual quadro político.

      .

  50. Primeiro:  Magalhães Pinto

    Primeiro:  Magalhães Pinto não era sábio, era apenas um oportunista inteligente.

    Segundo:  A política é  mesmo igual às nuvens. E não é preciso ser sábio para perceber isso.

    Terceiro e último: Quanta vezes as nuvens mudarão até 2018? E quem pode prever como estarão?

     

     

  51. Esse negócio Vicia: observações

    1 – O blog tá c/alguns provocadores(no sentido comum,negativo)ao estimularem a candidatura Lula,q acho um erro. 2 – O mesmo fazem,ainda q noutro sentido,os de boa fé. 3 – Há assuntos q devem ser guardados,e não expostos. Alguém já disse q grandes homens tb. cometem grandes erros. Me refiro a Unger e a Ciro,admiro ambos. Mas foi bom divulgar o discurso de M.U. Bem que podia mostrar o vídeo em q, na tv norte-americana,defendeu a derrota de Obama pra reeleição. 4 – Internet vicia,já há até doença assim diagnosticada. O blog vicia.E meu suprimento de Rivotril ( 😉 ) tá acabando,mas arranjo outro. 5 – Não confundamos informação com reflexão. E vamos valorizar mais as dúvidas do q as certezas – em tudo.

  52. Atualizando também.

    Todos estáo sendo “mo-bi-li-za-dos” pro golpe.

    Os políticos do “blocão” do Cunha e os da oposição sabem muito bem que se não aderirem ao golpe ou vão pra geladeira ou “o que é deles” sai da gaveta a qualquer instante.

    É um erro negligenciar que quem lidera o golpe é o partido da imprensa.

    Não se governa por decreto há muito tempo. O “Estado de Direito” “liberal” conquista sua “legitimidade” à base de cahantagem, manipulação e propaganda política.

    Repito: os políticos da “concertação” da “nova república” estão todos “na gaveta”. Por isso toda essa sêde de incinerar o “bode expiatório” representado pelos “penetras da festa’; o único partido que tem ou tinha alguma organicidade social…

    Acreditar que Serra, Aécio, Alckmin, ou mesmo FH pegam o telefone e “articulam” com a imprensa é inverter os papéis: eles é que estão sendo puxados pelos cordéis.

    “Presta atenção no serviço, héim!” É o qu eles ouvem toda hora…

    … E continua muitíssimo mal explicada a viagem pros EEUU pra reberem um “premio” de mérito de comércio em 2014…

    … O que eles fizeram?!

    Nada!

    Foram é tomar um piparote!

    … No mínimo…

  53. Faltou o STF nessa conta

    Caro Nassif, os cenários que você construiu acabam simplificando as coisas. Primeiro, não vejo como pensar em 2018 hoje. O cenário é extremamente abscuro. Segundo, o fato importante relacionado a Dilma tem a ver com as eleições, ou seja, com o fato dela ter frustrado seu eleitor. Lula tem relevância nessa crise política? Ele e seu legado são maiores que a crise? A articulação mídia-lava jato é importante até certo ponto, porque não dá para ficar inerte em relação a Cunha, presidente da câmara. As hipóteses de Dilma permancer e se desgastar e de Dilma ficar e se recuperar acabam funcionando do mesmo jeito. Tudo vai depender como o PT e o PMDB vão se resolver. Todo mundo sabe que em 2017 o PMDB abandona o governo, mesmo que Dilma se recupere. Acredito que a questão fundamental seja o esgotamento do presidencialismo de coalisão, com a manutenção da política econômica. A crise nasce, na economia, da repetição da fórmula através de Levy. A crise politica nasce do esvaziamento do discurso político feito por Dilma durante a campanha. Ela mesma o esvaziou. Nem teve discurso de posse, foi de despossessão. A percepção da população foi clara em relação a isso e não teve a ver com corrupção. A discípula deveria continuar o mestre (Lula), mas decidiu ir por um caminho não reconhecido pelo eleitor. Aéicio adotaria a mesma estratégia e por isso não foi eleito. A ideia de que Dilma traiu seu eleitor é forte simbolicamente. Eu não vejo apenas na conspiração dos setores midiáticos e empresariais o problema. Terceiro, o STF vem tendo desde Joaquim Barbosa um protagonismo político importante, capaz de mudar o cenário político. É preciso considerá-lo na análise para 2018. Se o STF esvaziar o papel de Sergio Moro, trará a crise para dentro das togas e haverá uma enxurrada de processos pedindo anulação de provas e condenações. Inviabilizará o prato que a mídia de jornalismo declaratório adora: as delações. Este é um jogo com limites. Finalmente, só há uma chance de Dilma e seu governo se recuperarem, se o PMDB ficar fraco com o afastamento de Cunha e Renan das preseidências das casas. Esse é o jogo que está sendo jogado agora. Cunha, para se manter vivo, precisa de crise e crises. Quem vai resistir, Dilma ou Cunha-Renan? Enquanto a crise política não estiver minimamente encaminhada, o que depende do STF, o cenário não ficará claro para 2018. O governo Dilma precisa vencer dentro de sua base. Contradição: o PMDB precisa de Cunha para chegar a 2018 e, ao mesmo tempo, este precisa da crise para afiançar tal opção. O protagonismo do STF tem a cada dia maior peso nessa tendência, pois ele é talvez o único poder que possa dar um basta objetivo ou pontual na crise política, modificando a balança do poder entre executivo e legislativo. A hipótese alternativa é: e se o STF for pró-crise e anular a investigação sobre o trio Collor-Renan-Cunha? Nesse caso, estaremos no deserto político radical, aguardando algum anjo-guardião.

    Abraço

  54. Não haveria a possibilidade

    Não haveria a possibilidade de JS ser implicado, mas como réu, não como maestro?

    Penso o seguinte: não há necessidade de esconder nomes de políticos com mandato, senão Alckmin e Temer teriam sido riscados dos autos.

    Por outro lado, se a operação avançar até senadores eleitos, como JS, contamina-se a operação, e a competência sobe ao STF, e o juiz fica sem o caso sobre o qual está se esforçando e dedicando boa parte de sua carreira. Sair dali sem uma sentença é como fazer um doutorado sem defender a tese.

    Risca-se o nome de JS, talvez por ter cruzado com algum indício contra o qual o primeiro grau não pode se bater. Preserva-se a operação, e a instância superior que cuide da sua competência, nos moldes tradicionais para esse tipo de julgamento. Quebra-se o paradigma de que aqueles que se juntam a senadores e deputados não são responsabilizados (esquecendo aqui da exceção da AP 470).

    A atenção do Serra com a Petrobrás é tão conhecida, que ele se deu a o trabalho de apadrinhar e defender esse projeto que reduz a participação no pré-sal. E ao que me lembre, estava envolvido na época da história da Petrobrax. Aparentemente a petrolífera é o seu pequeno feudo dentro do tucanato.

  55. Se Dilma!

    Tenho o maior orgulho de participar com você e os outros colegas aqui!

    Gostaria de fazer melhor.

    Mais reflito que você às vezes tem fé demais, acredita demais e esperançoso na ultima!

    Vou explicar contado as historias:

    . Meu querido jovem Manso, em uma discussão saltou: – você pensa que sabe o futuro! E respondi de imediato, algumas coisas tenho certeza! Como por exemplo: – quando tiver com quem for e se tiver seu filho será negro. Sim Manso é negro como eu!

    . Cris é de minha idade, lutou com sacrifício a sua vida ate hoje e também da sua esposa, ate que os outros dois filhos saíram de casa, uma moca e um rapaz, se casaram e são felizes. Tudo por ter um filho deficiente. Infelizmente não podem tomar conta do menino e foram obrigados a se separarem. Ano passado Cris teve um problema do coração. O caso do Cris é igual de milhares de outros que não aceita, não acha o “melhor” serviço, outra casa igual a sua e enfim o combate com a verdade que não querem ver.

    Agora:

    “Apenas uma questão poderá reverter essas estratégias: a hipótese (por ora distante) de recuperação de Dilma.”

    Você sabe, critica e aponta caminho, as possibilidades que nunca aconteceu ou vai acontecer com a Dilma. Acompanho você desde 2004. Não vamos nos enganar. Dilma é o que é, não passa disso. Sabe Luís, quando analisou a Dilma pessoal e institucional, a Dilma guerrilheira e a gestora e acredito que se colocarmos pressão é um risco ate para a Dilma como pessoa, guerrilheira, mulher. Perigoso. O cargo do presidente é politica e institucional infernizou a Dilma. Vamos apontar outro caminho para proteger a pessoa. Todo seu texto, analise e termina assim.

    Como soluções já deixaram ontem. Tudo foi abandonado no caminho e desequilibrou, se perdeu e enfim é a Dilma do companheiro Lula!  Espero que Dilma não esteja doente.

    Meu respeito!

  56. A guerra com a grande mídia

    A crise atual tem por pano de fundo uma barbeirada do PT com a Dilma.

    O partido insistiu em colocar na campanha e nas metas da Presidenta combater o cartel da grande mídia. Inicialmente ela nunca foi a pessoa com força política para fazer esse movimento, que com certeza acarretaria uma grande reação contraria dos interessados, defendendo seus ganhos e poder.

    Segundo, um movimento desse não é coisa para se discutir abertamente, tinham que chegar e fazer, ser um movimento de precisão bem planejado. Ser honesto com quem nunca foi é desnecessário. 

    A Globo, principalmente vai pressionar este Governo até conseguir no mínimo um armistício e com certeza vai combater o Lula com unhas e dentes, porque ele seria a pessoa adequada a travar essa batalha.

  57. A guerra com a grande mídia

    A crise atual tem por pano de fundo uma barbeirada do PT com a Dilma.

    O partido insistiu em colocar na campanha e nas metas da Presidenta combater o cartel da grande mídia. Inicialmente ela nunca foi a pessoa com força política para fazer esse movimento, que com certeza acarretaria uma grande reação contraria dos interessados, defendendo seus ganhos e poder.

    Segundo, um movimento desse não é coisa para se discutir abertamente, tinham que chegar e fazer, ser um movimento de precisão bem planejado. Ser honesto com quem nunca foi é desnecessário. 

    A Globo, principalmente vai pressionar este Governo até conseguir no mínimo um armistício e com certeza vai combater o Lula com unhas e dentes, porque ele seria a pessoa adequada a travar essa batalha.

  58. Não precisa pensar muito para

    Não precisa pensar muito para entender, a presidente jogou todo o PT no volume morto, afundou o partido inteiro, começou na bizarra “faxina” na qual pela primeira vez um governo admitiu ser corrupto, demitindo varios ministros seguidamente, cegueira politica imperdoavel; o Lula pediu para a presidente procurar o povo, para que? O que esse atual governo tem para mostrar? Corre o risco do pedido de impedimento sair de quem menos espera, fico chateado pelo Haddad, um politico competente mas que vai submergir junto com o PT, infelizmente até o datena acha que ganha para prefeito em sp, para se ver o nivel que será a proxima campanha, infelizmente no momento é isso: o glorioso Partido dosTrabalhadores jogado no volume morto, e descendo…………

  59. Não precisa pensar muito para

    Não precisa pensar muito para entender, a presidente jogou todo o PT no volume morto, afundou o partido inteiro, começou na bizarra “faxina” na qual pela primeira vez um governo admitiu ser corrupto, demitindo varios ministros seguidamente, cegueira politica imperdoavel; o Lula pediu para a presidente procurar o povo, para que? O que esse atual governo tem para mostrar? Corre o risco do pedido de impedimento sair de quem menos espera, fico chateado pelo Haddad, um politico competente mas que vai submergir junto com o PT, infelizmente até o datena acha que ganha para prefeito em sp, para se ver o nivel que será a proxima campanha, infelizmente no momento é isso: o glorioso Partido dosTrabalhadores jogado no volume morto, e descendo…………

  60. Magalhães Pinto, sábio?

    Magalhães Pinto, sábio? hum…

    Qual parte do çabio deveríamos colocar mais em destaque? A do golpista ( um post aqui do blog já ligou-o às conspirações dos EUA para derrubar Goulart), ou coautor de assassinatos da ditadura? Como banqueiro deve também ter muitos podres a serem divulgados.

    …”Magalhães Pinto entrou em rota de colisão com o governo Goulart praticamente desde o seu início. Em meados de 1963, envolveu-se diretamente nas articulações que visavam à derrubada do presidente. Em outubro, estabeleceu contatos com os generais Carlos Luís Guedes e Olímpio Mourão Filho, que comandavam tropas importantes em Minas. Os conspiradores aceleraram os preparativos do golpe após o comício realizado no Rio de Janeiro em 13 de março de 1964, com o objetivo de conseguir ampla adesão popular às reformas de base a serem promovidas por Goulart. No dia 28, Magalhães Pinto encontrou-se com o marechal Odílio Denis, Mourão Filho e Carlos Luís Guedes, ficando decidido que o movimento seria deflagrado no dia 31.”…

    …”Magalhães Pinto foi um dos subscritores do Ato Institucional nº 5 (13/12/1968), resposta dada pelo governo às greves operárias e às manifestações estudantis de repúdio ao regime militar ocorridas durante o ano de 1968. O AI-5 autorizava o presidente a intervir nos estados e municípios sem as limitações previstas na Constituição, cassar mandatos e suspender por dez anos os direitos políticos de qualquer cidadão, além de suspender a garantia de habeas-corpus para os crimes contra a segurança nacional. Em 31 de agosto de 1969, com o afastamento de Costa e Silva por motivo de doença, a presidência foi assumida interinamente por uma junta composta pelos ministros militares. Com a posse do general Emílio Garrastazu Médici na presidência da República no dia 30 de outubro, Magalhães Pinto deixou o ministério e retornou à Câmara dos Deputados.”…

     

  61. Fernando Morais comprovou o nome de Serra no documento da PF
     

    do Facebook de Fernando Morais 

    está disponível na internet um documento oficial da polícia federal do paraná, em papel timbrado, revelando o conteúdo de parte da memória de vários telefones celulares do presidente da construtora odebrecht, marcelo odebrecht, apreendidos pela operação lava jato.

    são 31 páginas.

    alguns trechos estão censurados, cobertos por tarjas negras.

    um atilado internauta me chamou a atenção para uma informação inacreditável.

    o nome do senador josé serra, do psdb de são paulo, aparece cinco vezes no documento.

    quer dizer: aparece, não.

    desaparece.

    porque todas as vezes em que o nome de serra deveria aparecer, ele está coberto pela tarja negra da censura.

    quem quiser comprovar com seus próprios olhos, entre no link
    http://politica.estadao.com.br/…/relatoriotelefonemarcelood…

    com a página da polícia federal aberta na tela, clique em editar/localizar (ou edit/find) e digite o nome “josé serra”.

    o indicador da pesquisa revelará que “josé serra” aparece cinco vezes no documento.

    todos eles – repito, todos os cinco registros de “josé serra” – estão protegidos pela tarja preta da censura.

     

     

     

     

     

     

     

     

    • Pimentel aparece 3 vezes,
      Pimentel aparece 3 vezes, Haddad outras 2, e Cardozo completa a trinca do PT “beneficiada” pela tarja preta junto com Serra. Se incluir outros nomes censurados fica pior ainda, todos são da base aliada. Em suma: vocês fizeram factoide em cima de nada mais uma vez, mas não precisam ficar envergonhados: neste exato momento milhares de frequentadores de blogs de esgoto da direita estão fazendo o mesmo, denunciando a “conspiração” da PF para livrar a cara do PT e de seus aliados, enquanto convenientemente se esquecem da “tarja preta” dos seus.

        • Ao contrário dos demais

          Ao contrário dos demais citados, Serra tem foro privilegiado, seu nome não pode aparecer num documento de investigação em andamento da PF publicado na imprensa caso contrário o processo inteiro é embargado. Seu nome, assim como o de qualquer outro congressista, deve ser levado ao PGR somente quando a investigação estiver concluída, e só ele poderá publicizar então o pedido de abertura de inquérito junto ao STF.

          Você precisa se esforçar mais Rosi. O problema nunca foi a tarja preta sobre o nome de Serra relacionado com as iniciais, pois até as pedras sabem de quem se trata. O problema são as trajas pretas escondendo tramoias dele abaixo, assim como coisas pra lá de esquisitas de petistas e aliados. Mas as informaçõe contidas ali tampouco permitem fazer qualquer juizo de valor sobre eles, na ausência de outras evidências relacionadas. Então talvez seja preciso ir além e perguntar quem levou esse documento à imprensa e porquê. Pois o autor deixou fácil demais pra gente ler enquanto fingia estar escondendo nomes para atender ao desejo de censura da chefia. Considerando que se trata de um profissional habilitado a coletar informações num smartphone, parece-me pouco provável que ele tenha cometido o erro primário de deixar os nomes “pintados” no documento como se isso fosse o bastante para escondê-los.

  62. Lembrando a Argentina nos tempos dos panelaços

    Fico imaginando se a oposição, caso decida bancar mesmo o impeachment, vai conseguir manter um presidente, ou vamos copiar a Argentina, que trocou vários presidentes em pouco tempo.

    O PMDB pode tentar colocar um boi-de-piranha durante a crise.

    Particularmente, acho uma aventura bem perigosa, porque o Lula tem 25% de intenção de votos hoje. Para ele agrupar a oposição não é difícil, estando na oposição e na manutenção da crise. E não se conseguiu nada contra a Dilma até agora. 

    A oposição também está numa encruzilhada…

     

  63. Belo ensaio.
    Só faltou explicar qual o interesse dos políticos tucanos e da mídia na proteção de Fernando Haddad e Fernando Pimentel, petistas igualmente beneficiados pela tarja preta que “blindou” Serra (para a imprensa que não sabe ler um PDF é claro). Acaso estes 2 políticos são do grupo de Dilma e não de Lula e por isso devem ser preservados? E ainda: quem garante que o relatório publicado da investigação não foi repassado à imprensa justamente para que descobrissem quem eram os nomes que a turma de cima da PF queria esconder? Sinceramente, duvido que o investigador que redigiu a peça seja mais néscio que os jornalistas que a receberam e sequer tentaram ler o que estava debaixo das tarjas pretas..

      • Isso não diz absolutamente

        Isso não diz absolutamente nada, pois é nos trechos que constam tarjas pretas que aparecem ações supeitas – mais especificamente, as contas de campanha de Haddad sendo negociadas com o tesoureiro Edinho e a ligação simbiótica entre Pimentel e Dilma (se ela cai eu caio). Se ninguém conseguisse ler as tarjas, como era o aparente propósito, ninguém ficaria sabendo disso e os petistas e aliados estariam blindados pois a única referência a eles no documento todo seria “FH se refere a Fernando Haddad”.

        O problema é que Serra é o único de todos os citados que tem foro privilegiado, só pode ser investigado mediante pedido formal da PGR ao STF. A razão da censura ao seu nome provavelmente se baseia nisso – se não o fizessem, ele poderia melar toda a investigação por meio de uma queixa ao STF. Mas ao que parece o investigador não gostou da enquadrada que recebeu da chefia para fazer isso e levou à imprensa um documento onde todos esses nomes vetados poderiam ser facilmente identificados.

    • Pimentel

      Fernando Pimentel não está blindado. Foi acusado em capa de revista e etc, com investigação da polícia por empresa de sua esposa. Desaforo demais, pois tratava se de empresa legalmente encerrada e principalmente pela execrável descoberta de rombos nas contas do Estado de Minas deixadas pelo governo PSDB.  esse merece a frase: ‘deixa o homem trabalhar!”!

       

       

  64. O fator Ciro

       Não votaria em Ciro a não ser por total falta de opção, não acho confiável  mas se ele vier candidato pode atrair os votos de Marina, Aécio ou Geraldo e sepultar qualquer chance de ocorrer uma catástrofe como a vitóra de qualquer um desses. Os barões da mídia tremem diante dele, talvez até o tomassem como inimigo número 1.

  65. “O potencial de votos

    “O potencial de votos distribui-se por três políticos.”

    Não importa os objetivos dos três políticos, a aliança com os banqueiros é dada pela promessa potencial dos votos para governabilidade.

    Ficou provado na eleição de 2014 que o eleitorado precisa conhecer com clareza as prioridades do mercado financeiro, e se o candidato preferido para chegar em primeiro lugar na reta final não está sendo atacado por intervenção da mídia ou polícia federal.

    Por isso, o custo do terceiro turno presidencial torna-se um grande buraco que o poder econômico prepara para os verdadeiros representantes dos valores da nação.

     

  66. Vítimas na Imprensa Brasileira

    O fla-flu faz vítimas sérias na imprensa brasileira. Merval Pereira perdeu toda sua exemplar elegância proselitista e hoje parece um mero torcedor de arquibancada vociferando palavrões contra o adversário. Ricardo Noblat parece seguir os passos de Aécio Neves, ora seguindo a turba da gasolina na fogueira do impeachment, ora recuando — parece não saber se seu caminho é tornar-se apenas mais um colunista estilo-Veja ou seguir algo diferente. Em termos de equilíbrio, o que não quer dizer que não haja posicionamento, somente Miriam Leitão se salva.

  67. Estamos em guerra!
    É isso. Estamos em guerra!Há golpistas por toda parte!GOLPISTAS!! São muitos e espalhados por aí tudo!

  68. Não acredito na recuperação

    Não acredito na recuperação da Dilma. Mesmo que ela pare de pensar que as coisas funcionarão do jeito que ela deseja que funcionasse e faça o que precisa ser feito. Suspeito que muito dos problemas existentes se deva a uma cultura machista que não aceita o comando de uma mulher.

  69. O que os golpistas não
    O que os golpistas não entendem é que o PT na oposição é muito forte, é aguerrido, e é partido que surgiu assim na oposição, e isso por mais que seja governo durante esses anos, não se desaprende. O PT vai recompor sua base. Ser oposição é mais fácil para o PT, sendo seu habitat natural. Por isso os golpistas , a midia tucana, o judiciario tucano querem destruir o PT impendindo que o partido concorra nas eleições. Se enganam aqueles que acham que podem derrubar o governo Dilma e que poderiam assim assumir o poder e governar numa boa. Não vão! Se derem o golpe eles os golpistas vão cair e vào cair em desgraça. O PT e toda a esquerda, movimentos sociais, sindicatos todos vão colocar a democracia de pé nem que seja na base da guerra.

  70. Na prática herdamos de FHC um protetorado dos EUA

    Publicado em 30/07/2015

    Mangabeira: o Brasil 
    é um protetorado americano !

    Se os EUA desligarem o GPS, a Marinha brasileira se guiará como Cabral e Colombo !

    “Sou pessoalmente um defensor de democratização da propriedade nos meios de comunicação”

    O Brasil precisa de um avanço tecnológico de vanguarda para ganhar protagonismo.

    Essa é a opinião do ministro de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Roberto Mangabeira Unger, em entrevista a Paulo Henrique Amorim.

    Unger é professor de filosofia na Universidade de Harvard e responsável por conceber um novo caminho de desenvolvimento para o país.

    No Governo Lula ele também foi ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, quando formulou um Plano de Defesa e contribuiu para a demissão da Bláblárina –aquela bagróloga.

    Lula decidiu entregar  a ele e não a ela formulação de uma política para a Amazônia – e ela foi embora (não sem tempo !).

    Na entrevista dessa quarta-feira, 29/07, Mangabeira disse a PHA que o Brasil tem que escolher que tipo de aproximação deve ser feita com os Estados Unidos: se dependente ou não em setores estratégicos, como o nuclear, o cibernético e o espacial.

    “Eu defendo há muito tempo a aproximação com os EUA. Entendo que teríamos muito a ganhar com uma relação estratégica com os EUA. Talvez uma inibição mais poderosa dessa aproximação é a dependência em que nos encontramos frente aos EUA. Quase toda a nossa comunicação de internet com o mundo, inclusive com a Europa e a Ásia, passa pelos EUA. Eu tenho dito que, se persistir essa situação, na prática, o Brasil é um protetorado dos Estados Unidos. O Brasil precisa decidir se quer ou não quer ser um protetorado dos EUA”, afirmou Mangabeira.

    (Clique aqui para ler “O Brasil tem cyber-segurança ? Não !”).

    E continuou: “O Brasil é um caso único na história moderna de um país da nossa dimensão que emerge sem pretensões imperais. O Brasil ascende sem imperar. Para que o Brasil possa se rebelar, precisa poder dizer não. E para poder dizer não precisa defender-se. E para se defender precisa ter tecnologia de vanguarda que não dependa das grandes potências do mundo”.

    Mesmo com a Operação Lava-Jato e o ajuste fiscal, o ministro acredita que esta seja uma oportunidade para mudanças no país.
    “A necessidade é a mãe da invenção. Agora, sim, na hora do aperto fiscal, da queda econômica e da confusão política podemos começar a persuadir o Brasil a se reinventar. Essa é a hora, esse é o momento mágico da transformação estrutural”, sugere.
    Na entrevista, o ministro fala em uma nova estratégia nacional de desenvolvimento.

    “O Governo está comprometido. É uma estratégia baseada em capacitações educacionais e oportunidades produtivas. A maior parte das nossas empresas continua afundada em um primitivismo produtivo, embora tenhamos uma cultura empreendedora vibrante. Uma parte dessa estratégia é tirar as empresas de seu primitivismo e fomentar o empreendedorismo de vanguarda no Brasil. Para isso, precisamos de um choque de ciência e tecnologia”, esclarece.

    Para completar: “E o complexo industrial de defesa, inclusive os setores estratégicos – nuclear, cibernético e o espacial – representa um terreno privilegiado para desenvolver o vanguardismo tecnológico”.

    Unger acredita que o Brasil deve ser uma potência revisionista, e crê que a educação necessita de um outro rumo, inclusive na questão dos currículos escolares:

    “O que seria melhor para nós seria fazer diferente no Brasil e introduzir cada área do conhecimento de pontos de vista contrastantes. De tal forma a formar uma nação de rebeldes e assegurar que os jovens cheguem à universidade imunizados contra o servilismo intelectual. Isso é o mais importante, a nossa auto-formação”, admite. 

    Segundo ele, a solução não é mais dinheiro. “Nós estamos acostumados no Brasil a resolver todos os problemas com dinheiro. A verdade é que ideias, traduzidas em inovações audaciosas, são recursos mais escasso do que dinheiro”, opina.

    Sobre o papel dos meios de comunicação em relação à estratégia do Governo, ele foi enfático: “Eu sou um defensor pessoalmente de democratização da propriedade nos meios de comunicação. Não se trata de regular, de vigiar a imprensa como ela se organiza hoje. Trata-se de multiplicar os passos para o debate coletivo. É disso que o Brasil já precisa. E isso não é nenhum devaneio”, sentenciou antes de alertar que essa era uma opinião dele e não do Governo.

    Leia a entrevista na íntegra:

    PHA: Setores estratégicos da Economia, como petróleo e agora a energia nuclear, correm o risco de ser desmontados por ação da Justiça e da própria Polícia Federal. Empresas como a Petrobras, a Odebrecht e a Eletronuclear podem virar, em pouco tempo, um pátio de escombros. O senhor faz parte de um Governo que aparenta incapacidade de impedir que isso se concretize. Por que o Governo age assim?
    Mangabeira: O Governo está comprometido com a construção de uma nova estratégia nacional de desenvolvimento. Uma estratégia baseada em capacitações educacionais e oportunidades produtivas. A maior parte das nossas empresas continua afundada em um primitivismo produtivo, embora tenhamos uma cultura empreendedora vibrante.
    Uma parte dessa estratégia é tirar as empresas de seu primitivismo e fomentar o empreendedorismo de vanguarda no Brasil. Para isso, precisamos de um choque de ciência e tecnologia.
    E o complexo industrial de defesa, inclusive os setores estratégicos – nuclear, cibernético e o espacial – representam um terreno privilegiado para desenvolver o vanguardismo tecnológico.

    PHA: O senhor lança a sua visão para um futuro grandioso, mas estamos diante de um fato concreto que é a possibilidade de termos uma obstrução do processo de construção da energia nuclear. O senhor não acha que o Governo deveria ser mais enfático na defesa?
    Mangabeira: O Governo tem um compromisso com esse vanguardismo tecnológico. O Governo não pode impedir o curso da Justiça. 
    Agora, o que eu vejo é que há um problema que tem a ver com a relação entre o nosso desenvolvimento interno, inclusive o desenvolvimento da tecnologia de vanguarda nesses setores, e a nossa posição no mundo.
    Veja a situação das nossas relação com os Estados Unidos. Eu defendo há muito tempo a aproximação com os EUA. Entendo que teríamos muito a ganhar com uma relação estratégica com os EUA. Talvez uma inibição mais poderosa dessa aproximação é a dependência em que nos encontramos frente aos EUA. Quase toda a nossa comunicação de internet com o mundo, inclusive com a Europa e a Ásia, passa pelos EUA. O governo americano pode ver todas as comunicações internas do Brasil. E estamos inteiramente independentes do GPS americano. Se os EUA decidissem desligar o GPS teríamos que conduzir os nossos navios de guerra por navegação astronômica. Essa é a realidade.
    Eu tenho dito que, se persistir essa situação, na prática, o Brasil é um protetorado dos Estados Unidos. O Brasil precisa decidir se quer ou não quer ser um protetorado dos EUA. As nossas Forças Armadas não são para serem uma força policial que mantenha tranquilidade na América do Sul, como um braço acessório da defesa americana. Nós queremos uma Defesa de verdade. Para isso, precisamos construir o avanço tecnológico, inclusive nos setores cruciais, e só com essa independência é que podemos ser parceiros dos EUA. Parceiros, sim. Satélites e protegidos, não.

    PHA: O senhor, durante o Governo Lula, ajudou a formular a Estratégia Nacional de Defesa, que virou lei em 2008. Quais são os pontos cardeais dessa estratégia?
    Mangabeira: Um dos eixos é a construção do Complexo Industrial da Defesa. Ali nós prevemos que o Estado, na produção de Defesa, deve operar no teto tecnológico em vez de ter aquilo que historicamente temos tido que é a produção primitiva desvinculada da pesquisa e pesquisa sem vazão produtiva. E, ao mesmo tempo, construir para as empresas privadas um regime jurídico especial de compras públicas que as exima das regras gerais de licitação, mas que, em troca, assegure ao Estado um poder estratégico nessas empresas.
    Outro elemento no Complexo Industrial da Defesa é o compromisso com o avanço nos setores estratégicos. Isto é um grande instrumento para o erguimento do país para que se defenda e se desenvolva. Eu não quero viver em um mundo onde só os meigos são desarmados e os beligerantes estão armados até os dentes.
    O Brasil é um caso único na história moderna de um país da nossa dimensão que emerge sem pretensões imperais. O Brasil ascende sem imperar. Para que o Brasil possa se rebelar, precisa poder dizer não. E para poder dizer não precisa defender-se. E para se defender precisa ter tecnologia de vanguarda que não dependa das grandes potências do mundo.

    PHA: Mesmo em relação aos Estados Unidos ? O senhor cita, por exemplo, que o Barão de Rio Branco e Joaquim Nabuco – “fundadores da política exterior brasileira” – perceberam o que o senhor chama de “nações irmãs”: o Brasil e os EUA que têm afinidades profundas. Ao mesmo tempo, o senhor disse que os EUA não permitirão que qualquer país ganhe em qualquer região do mundo uma ascendência tão incontrastável que sirva de base a buscar uma hegemonia mundial. Devo entender, então, que nessa aliança de “nações irmãs” caberá sempre ao Brasil um papel subalterno, de sub-potência?
    Mangabeira: Não. O que eu digo é que a política exterior dos EUA sempre repousou sobre dois princípios.
    O primeiro é que os EUA não permitirão que qualquer país ganhe, em determinada região do mundo, uma ascendência tão incontrastável que sirva de base para pleitear uma hegemonia mundial.
    O segundo é que no Hemisfério Ocidental os EUA exercerão uma ascendência incontrastável.
    Nós não podemos aceitar esses dois princípios, pois são incompatíveis com a nossa construção nacional. O que podemos fazer é construir uma teia de relações de iniciativas comuns, sobretudo iniciativas a serviço da democratização das oportunidades educacionais e econômicas nas Américas. Para que isso aconteça, a preliminar é que não sejamos um protetorado deles. E daí a importância da independência tecnológica.

    PHA: O senhor acha que essa associação do Brasil aos BRICS permitirá esse tipo de independência?
    Mangabeira: Os BRICS são um instrumento poderoso de mudança do quadro mundial, mas é preciso ter clareza a respeito das limitações e das oportunidades desse movimento.
    Os grandes países emergentes como o Brasil, a Rússia, a Índia e a China estão tentados a apenas pleitear uma posição melhor dentro da ordem mundial existente. A ordem de segurança,  monetária e a comercial.
    Eu entendo que o nosso interesse profundo é fazer mais do que buscar um lugar ao sol dentro da ordem existente. É mudar essa ordem.
    Vou dar um exemplo do regime comercial que está sendo construído no mundo sob a égide dos tratados da Organização Mundial do Comércio e dos novos blocos regionais como o Transpacífico, que os EUA estão organizando. Ali, a tendencia é construir um regime comercial baseado no que se pode chamar de “o maximalismo institucional”. Não é apenas aderir à economia de mercado. É aderir a uma variante especifica da economia de mercado. Por exemplo, uma variante que proíbe, sob o rotulo de subsídios, todas as formas de coordenação estratégica entre governos e empresas que os países hoje ricos usaram para enriquecer. Outro exemplo, uma variante que quer incorporar as regras do comércio, o odioso regime de propriedade intelectual, que foi desenvolvido no final do século XIX, o regime de patentes, que deixa as tecnologias mais importantes para a humanidade nas mãos de um pequeno número de multinacionais.
    O nosso interesse como potência emergente, que coincide com o interesse da humanidade, é ser uma potência revisionista. No caso da ordem mundial do comércio, é dizer que queremos o minimalismo institucional. O máximo de abertura econômica com um mínimo de restrição aos experimentos institucionais necessários ao nosso desenvolvimento.
    Projeto forte externo como esse só vai existir na medida em que tivermos um projeto interno forte. A minha preocupação maior é que o Brasil tenha um projeto interno forte, que dê braços, asas e olhos a nosso atributo mais importante que é a vitalidade do Brasil.

    PHA: A única novidade que a oposição apresentou nos últimos tempos é fazer com que o Brasil se integre à TTP, Transpacific Partnership (do Presidente Obama).
    (Clique aqui para ver as ideias mais “novas” do ex-professor e depois banqueiro Edmar Bacha).
    O senhor, portanto, considera que isso não é uma boa ideia?
    Mangabeira: Nós estamos engajados na América do Sul. Nós não temos nenhum lugar natural, inclusive por geografia, no Pacífico. O que devemos fazer na América do Sul é construir uma convergência profunda em direção a um novo rumo de desenvolvimento. O Brasil e grande parte da América do Sul cedeu à tentação de basear o seu desenvolvimento apenas na riqueza fácil da natureza. É preciso dizer que essa estratégia surtiu grandes benefícios, permitiu manter a maioria dos brasileiros empregada e resgatou milhões da pobreza extrema. Mas, dependia de circunstâncias que não existem mais no mundo, como a alta no preço dos produtos primários, o crescimento da China e a abundância de dinheiro fácil.
    Quando essas circunstâncias viraram, a estratégia se inviabilizou. E ao se inviabilizar revelou um defeito que ela tinha desde o início que era o de conviver com o nível muito baixo da produtividade na economia brasileira. 
    Produtividade baixa não é uma categoria apenas econômica, é também uma categoria moral. Significa condenar a maioria dos cidadãos a viver vidas pequenas. O que devemos buscar é uma nova estratégia de desenvolvimento, um produtivismo includente e capacitador, que busque a riqueza dentro de nós e não apenas dentro da natureza. 
    Aí estão as grandes vertentes com que estamos trabalhando no Governo.
    Primeiro, a prioridade da qualificação da educação básica, a Pátria Educadora, projeto prioritário do Governo.
    Em segundo lugar, um conjunto de ações que chamamos de produtivismo includente, destinado a qualificar e a democratizar o impulso produtivo no Brasil.
    E em terceiro a política regional. Estratégia nacional só se efetiva no Brasil quando traduzida em política regional.

    PHA: Eu tenho acompanhado as suas propostas à frente da Secretaria de Assuntos Estratégicos e percebo uma lacuna: o senhor não trata do bloqueio que a grande imprensa impõe ao Governo. O Governo não consegue sair de trás das grades que a mídia construiu no Palácio do Planalto. O senhor não acha isso relevante, estratégico?
    Mangabeira: Eu sou um defensor pessoalmente de democratização da propriedade nos meios de comunicação. Não se trata de regular, de vigiar a imprensa como ela se organiza hoje. Trata-se de multiplicar os passos para o debate coletivo. É disso que o Brasil já precisa. E isso não é nenhum devaneio. Eu venho andando o país, Estado por Estado, e eu vejo que, de forma geral, a mídia regional é relativamente muito mais aberta do que a grande mídia do Sudeste. 
    Agora, isso não é um projeto do Governo. Não falo em nome do Governo, falo como cidadão e pensador.

    PHA: Isso também não seria um objetivo a perseguir para quem quer uma Pátria Educadora?
    Mangabeira: Pode ajudar muito, mas o meu foco é o conteúdo e o método da educação. Vou dar um exemplo: estamos com a tarefa de definir um novo currículo nacional, a chamada Base Nacional Comum. No mundo em geral, os currículos nacionais costumam ser uma especie de infantilização das ortodoxias que prevalecem na cultura universitária. Projetam para baixo aquela ortodoxia.
    A economia, por exemplo, como se estuda nas universidades no mundo. Não é o estudo da realidade econômica. É o estudo de um método que os teóricos desenvolveram no fim do século XIX. Há então em cada área do conhecimento há o casamento do método com a matéria. Aquele casamento é naturalizado. E há a tentativa de fazer com que os jovens confundam as ideias predominantes com a natureza das coisas. E, como isso, cheguem à universidade emasculados e já preparados para uma vida de servidão intelectual.
    O que seria melhor para nós seria fazer diferente no Brasil e introduzir em cada área do conhecimento pontos de vista contrastantes. Para  formar uma nação de rebeldes e assegurar que os jovens cheguem à universidade imunizados contra o servilismo intelectual. Isso é o mais importante, a nossa auto-formação.

    PHA: O senhor disse recentemente no Instituto Lula: “Proponho ousadia, não copiar currículos de ensino estrangeiros; proponho nos colocar na vanguarda”. Eu lhe pergunto, falta dinheiro?
    Mangabeira: O problema maior não é nem dinheiro nem competência. O problema maior é a visão. É definir o outro rumo na educação brasileira e nos organizar de acordo. Nós estamos acostumados no Brasil a resolver todos os problemas com dinheiro. A verdade é que ideias, traduzidas em inovações audaciosas, são recursos mais escasso do que dinheiro. 
    A necessidade é a mãe da invenção. Agora, sim, na hora do aperto fiscal, da queda econômica e da confusão política podemos começar a persuadir o Brasil a se reinventar. Essa é a hora, esse é o momento mágico da transformação estrutural.
    Eu estou andando o Brasil e vejo que o país, fora da cultura política envenenada das elites, se move, quer aprender, construir, inventar e se reinventar.
    Agora, é a hora de dar asas, olhos e braços a essa vitalidade assombrosa, anárquica e quase cega que se movimenta no país.
    Eu vi isso em todo o país.
    Os governadores do Centro-Oeste se reuniram em julho em Goiânia e decidiram organizar uma instituição deles, chamada Brasil Central, para começar a formar uma estratégia de baixo para cima. A concepção da política regional no Brasil tem que mudar radicalmente.

     

  71. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome