Porque a renda básica vai ajudar na recuperação do PIB, por Luis Nassif

Pelos cálculos, três meses de renda básica promoveriam um desvio de 0,45 no PIB do trimestre. Ou seja, se o PIB cair 1 ponto, haverá a mitigação de 0,45 por efeito da renda básica.

Uma das grandes fragilidades do mainstream econômico brasileiro, nas últimas décadas, foi a absoluta incapacidade de desenvolver visões sistêmicas da economia. A análise superficial de mercado viciou a mídia a energar a economia apenas a partir dos grandes agregados, sem a menor preocupação em analisar relações de causalidade ou de enxergar a economia a partir da soma das avaliações setoriais e interdisciplinares.

Quanto custou ao país o aumento de juros que desviou recursos do orçamento que poderiam ser aplicados em infraestrutura? Quanto a economia perdeu em produtividade com a estrada que não foi construída, a pesquisa que não foi financiada, o estaleiro que parou no meio do caminho?

Essa pobreza analítica permitiu a consolidação da visão falsamente simplificadora da realidade econômica, na qual qualquer gasto público foi colocado na conta do desperdício, todo corte de despesas na conta das ações virtuosas, independentemente de qualquer análise de externalidades positivas ou negativas.

Agora, com o avanço das grandes bigdatas, de sistemas mais complexos de tratamento estatístico dos dados, cada vez mais jovens economistas passaram a enxergar a economia a partir de visões complexas, contemplando relações de causalidade mais relevantes do que a mera análise dos grandes agregados.

É o caso do trabalho “Capital e Trabalho no Brasil do Século 21: o impacto de políticas de transferência e de tributação sobre desigualdade, consumo e estrutura produtiva”, da economia Débora Freire, da Economia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Prêmio BNDES 2018.

Débora se baseou no modelo de equilíbrio geral computável, teoria consolidada em outros centros, a partir de estudos de um modelo da escola australiana.

Com base na metodologia desenvolvida em sua tese, Débora decidiu analisar os impactos da renda de emergência no desempenho do PIB em 2020.

Leia também:  GIRO GGN: As notícias do Brasil e do Mundo

Analisou 11 faixas de renda das famílias, o impacto das famílias até 3 salários mínimos, que receberiam a renda básica, através de dois cenários: pagamento por três meses ou até o final do ano. E incluiu, na ponta da oferta, 56 setores produtivos, a partir das contas nacionais do IBGE.

Até 3 SMs, qualquer renda é consumo na veia. Todo o dinheiro recebido vai para o consumo. Assim, o consumo das famílias até 3 SMs – beneficiárias da renda básica – se espraia pelas demais faixas de renda, através do aumento das vendas dos setores, especialmente aqueles com classificações maiores no consumo as famílias: alimentos, bebidas, artigos de vestuário, calçados, produto farmacêuticos. E setores mais voltados para o mercado interno, especialmente setor de serviço. Há impactos, então, na produção, no emprego, no consumo das famílias, nos investimentos e na arrecadação.

Pelos cálculos, três meses de renda básica promoveriam um desvio de 0,45 no PIB do trimestre. Ou seja, se o PIB cair 1 ponto, haverá a mitigação de 0,45 por efeito da renda básica. No caso de benefício até o final do ano, o impacto será de 0,55 do PIB. O mpacto positivo nas receitas fiscais cobririam 45% do custo da renda básica.

Aqui, a entrevista com Debora.

 

 

 

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Sem duvida essa analise põe uma luz no problema e deixa claro quem precisa ser beneficiado.
    A população com faixa salarial de ate 3 salários mínimos, não tem como poupar ou retrair qualquer ajuda financeira com valores dentro dessa faixa.
    Porque isso não fica claro pra quem deveria agir e ajudar a população, seria despreparo ou omissão.

  2. A ideologia escravagista trava* um entendimento óbvio, observável empiricamente, e um trabalho de tamanha sofisticação como o apresentado, méritos para a autora, redunda em espasmos irracionais, porque, leigamente opinando, a desagregação é uma tática profissional avoenga de lesa pátria.
    *trava não, rechaça mesmo entendendo, se me faço entender, haja visto o estrebuchar histriônico que desde o Tucanistão elevou o escravismo ligth** ao protagonismo, vide o próprio Kandir, Casa das Garças, parentes, laraquiris, pérssimos, francamentes,,, Por último, o pau no guetis (como diria o Mussum).
    ** os herdeiros da escravidão juntaram-se aos imigrantes na administração e usufruto da riqueza produzida e criaram um modelo concentrador com exclusão severa dos setores populares. Para tanto, nunca compartilharam um ideal de nação brasileira e remetem, aqui herdeiros dos mazombos, sua origem para um híbrido que incomoda, mas inevitável:europeísmo/judaismo/sirianismo/orientalismo/xenofilismo, enfim,distante. Vivem “de frente para o mar, de costas para o Brasil” (Fernando Brant/Milton Nascimento)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome