Prognósticos para um jogo eleitoral que nem começou

No início de 2010, o presidente do IBOPE, Carlos Augusto Montenegro deu várias entrevistas assegurando que Dilma Rousseff perderia as eleições. Baseou-se em supostos “padrões históricos” das eleições brasileiras, uma baboseira que deve ter deixado de cabelo em pé seus estatísticos.

Após a redemocratização o país experimentara apenas cinco eleições, uma totalmente imprevisível (a de Fernando Collor), uma não repetível (a de Fernando Henrique Cardoso nos ventos do plano Real), uma do maior fenômeno popular da política brasileira (Lula) e duas reeleições. Qual o padrão?

Agora, sem o mesmo chutômetro de Montenegro, dá-se como favas contadas a reeleição de Dilma Rousseff. A ponto de jornais engajados com (qualquer) oposição sugerirem a candidatura de Joaquim Barbosa e Marina Silva, para impedir a vitória do primeiro turno.

Do lado da Dilma consolida-se a percepção de que basta deixar tudo como está para garantir a reeleição.

***

Devagar com o andor. O jogo não começou ainda.

Desde a redemocratização, apenas um fato tornou-se padrão: a criação de ondas alternadas, com a opinião pública indo de um a outro candidato até se consolidarem as posições dos líderes.

Em 1994 Lula liderou boa parte da campanha e acabou derrotado no primeiro turno. Em 2001 houve o fenômeno Roseana Sarney, fulminado por uma operação de espionagem do esquema José Serra com a Rede Globo. Houve o fenômeno Garotinho, Ciro Gomes.

Cada um desses movimentos desperta forças imprevisíveis, contra ou a favor.

Em 2010, a campanha obscurantista de José Serra, de repente, encontrou eco na Igreja Católica tradicional e nos evangélicos que, na reta final, quase desequilibraram o jogo.

Leia também:  Mito 2 da economia: a curva de Phillips, por Luis Nassif

***

No estágio atual, os pré-candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos apontam para a falta de um projeto de desenvolvimento de Dilma, os problemas operacionais do governo e o baixo crescimento. E julgam que durante a campanha, haverá suficiente espaço para desconstruir sua imagem.

Não levam em conta que, durante a campanha, Dilma terá também espaço para apresentar suas realizações, especialmente na área social, e sua equipe terá condições de pensar objetivamente em formas de criar expectativas favoráveis para o segundo mandato.

Do lado de Dilma, há a convicção de que nenhum dos dois candidatos têm um projeto alternativo de governo capaz de sensibilizar o eleitorado. E as pesquisas indicam diferença abissal entre ela e os demais.

Ignora-se que ambos têm também baixa taxa de rejeição, o que facilita o marketing da renovação, ainda que fundado apenas na imagem pessoal de ambos.

***

De lado a lado, há vulnerabilidades enormes a serem exploradas.

Do lado da oposição, a incapacidade de definir um discurso minimamente voltado para as classes C e D. Valorizam mais os almoços empresariais do que o desenvolvimento de um projeto que contemple os desassistidos.

Do lado de Dilma, o afastamento de todas as forças sociais relevantes, das organizações sociais e sindicatos ao meio empresarial. E o acúmulo cada vez maior de pepinos que irão estourar em 2015.

***

De qualquer modo, até começar o jogo, os dois lados já terão tempo para montar estratégias que levem essa conta todos esses aspectos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

65 comentários

  1. 2015 será pior

    Prognóstico do Rovai: 2015 será pior..

    http://revistaforum.com.br/blogdorovai/2014/02/23/joaquim-barbosa-e-candidato-a-presidente-da-republica/

    Joaquim Barbosa é candidato a presidente da República

    23/02/2014 | Publicado por Renato Rovai em Política

    No prazo limite de sua desincompatibilização do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa anuncia a aposentadoria da toga e a filiação a um pequeno partido político. Não terá mais do que 30 segundos. Sua decisão incendiará as eleições.

    Aécio dirá que se trata de uma postulação legítima, que o ex-presidente do Supremo é um homem de bem, como Eduardo Azeredo.

    Eduardo Campos dirá que é mais um candidato da nova política e que precisa ser respeitado.

    Dilma dirá que não comenta pesquisa eleitoral e nem a candidatura dos seus adversários.

    A Globo abrirá 10 minutos no Jornal Nacional para repercutir a decisão e fará um Globo Repórter para contar a história do menino que nasceu na pequena Paracatu, Minas Gerais, e venceu na vida. Amigos de infância, professoras, o primeiro médico, os tios e a o dono da padaria da rua onde ele morava darão depoimentos emocionados.

    Todos contarão belas história do Joaquinzinho.

    A Veja sairá com uma edição especial. Uma foto do ex-ministro tirando a toga com uma frase simples. Rumo a presidência.

    Os jornais que se acham grandes farão cadernos especiais.

    E todos os colunistas cravarão: o segundo turno agora é certo. E no segundo, serão todos contra Dilma e o PT.

    Lula dirá que é melhor assim, que a decisão de Joaquim Barbosa esclarece muita coisa do julgamento do mensalão.

    Os petistas que estavam mais sossegados, se sentirão desafiados a mais uma disputa histórica.

    O New York Times fará uma matéria comparando Barbosa a Obama.

    E o marqueteiro de Barbosa, mister W dirá que ele fará a campanha só pela internet. Que não irá a debates e que a TV será um mero detalhe. O slogan: O Brasil quer justiça.

    E redes espontâneas e não tão espontâneas serão construídas para fazer a divulgação dos 10 pontos do Brasil com Justiça, a carta de Joaquim Barbosa ao País.

    Haverá uma devassa na vida do ex-ministro realizada na internet. Aécio e Eduardo Campos se assustarão com o crescimento dos índices de Barbosa e iniciarão uma ação de desconstrução da candidatura dele por meios heterodoxos.

    O novo candidato perceberá que os ataques subterrâneos que recebe não são do PT. Que partem de outros cantos. De adversários que só lhe desejam como alavanca para o segundo turno.

    Mister W, seu marqueteiro, dirá que se quiser ir para o segundo turno, Barbosa terá que enfrentar Aécio e Eduardo. Terá que tratá-los como mais do mesmo. Como farinha do mesmo saco.

    A eleição entra na reta final. Dilma na frente, com aproximadamente 50% dos votos válidos nas últimas pesquisas. E os outros três candidatos embolados entre 20% e 14%. Mas Joaquim é o quarto colocado.

    De forma surpreendente, uma semana antes do pleito, Barbosa desiste da candidatura. Diz que a eleição no Brasil se tornou um vexame. Que não pode referendar um processo absolutamente viciado. E corrupto. E chama o povo a votar nulo.

    Dilma é reeleita, mas o índice de votos nulos e a abstenção é um pouco maior do que nas últimas eleições presidenciais. No dia seguinte a apuração, vários colunistas começam a abordar a “pouca legitimidade do pleito e do governo”. E passam a defender teses de que talvez fosse o caso de encurtar o mandato presidencial e fazer uma grande reforma política no país, aprovando, por exemplo, o voto distrital e acabando com a reeleição. E até o parlamentarismo volta a ser tratado como uma alternativa a um momento que todos chamarão de “crise democrática”. Sim, esse será a tag do assunto. Nos jornais, será o chapéu das matérias.

    Ouvi essa história de uma cartomante. Ela jura que leu isso nas cartas. E me disse, não pense em 2014, porque 2015 é que pode ser pior. Eu não sei se devo acreditar.

  2. Quer dizer que o Montenegro

    Quer dizer que o Montenegro já dá como favas contadas a reeleição de Dilma Roussef? Isso é muito preocupante. Motivo para o staff político da Dilma se reunir em caráter de urgência para verificar onde estão errando.

    Bem, brincadeiras à parte, o jogo político no Brasil, nisso concordo com o texto, sempre inclui algum imponderável. Nosso eleitorado vai muito pela “onda” do momento, ou paradoxalmente, se fixa no que ele acha ser bom e que por isso não merece ser mexido. No primeiro caso, tivemos Fernando Collor, um obscuro governador de um pequeno estado da federação, com um discurso histriônico e monotemático, e no segundo, Fernando Henrique Cardoso com o Real e Lula com os avanços na área social.

    Se seguirmos esse diapasão, a reeleição de Dilma, a meu ver, está a depender da “saúde” dos indicadores econômicos-sociais, a começar pela taxa de desemprego, o contrôle da inflação e a política de aumentos reais do salário mínimo. Isso, claro, se os demais indicadores não sofrerem abalos de monta. Em suma, torcer e trabalhar para manter a situação num mínimo de estabilidade. Nessa projeção não avalio como preocupantes eventuais protestos populares, induzidos ou não, pela Copa. A maioria do eleitorado é silenciosa.

    Já para a oposição em termos de perspectivas é só trocar o sinal com relação à candidatura oficial. Infelizmente, essa é a verdade. Pelo menos até agora, não vejo, sinto, qualquer empolgação digna de registro com relação a Aécio Neves e Eduardo Campos. O primeiro representando o “velho”, o segundo apenas a garantia de algum salto de qualidade do status quo que alegremente fez parte até recentemente. 

    Na realidade, nosso estamento político de certos tempos para cá foi acometido por uma inércia talvez inédita na história do país. Na área social, só tem vez os programas de transferências de renda. Na seara econômica o trio “sagrado”: câmbio, taxa de juros metas de inflação. Na gestão: salto de qualidade e otimização nos gastos. Na política: combate à corrupção. E por aí segue o lenga-lenga. Idéias, inovações, necas de pitibiribas.  

     

     

  3. Ótima avaliação.

    Eu não tenho dúvidas Dilma é a melhor. Agora a sim um sentimento de que tem algo faltando, talvez seja a péssima comunicação do governo. A eleição será duríssima, Aécio não tem proposta, Eduardo e Marina também não e ainda tem o encosto JB. Ou seja, dois ou três canditados para a mídia “investir”. Ela vai testa-los, investirá em todos, buscando o segundo turno e conseguirá. Não se tenha ilusões, haverá segundo turno. Dilma tem tudo para ganhar, mas vai ter que ralar pra isso. Junho trouxe o imponderável, as coisas ficaram confusas, os ditos coxinhas estão crescendo como erva daninha no facebook. O caminho pra Dilma é o governo mostrar suas realizações e fazer um novo acerto com os movimentos sociais. É preciso mais reforma agraria, é preciso uma etenção especial com os sem této, é preciso um discurso novo com o mov.LGBT. Enfim a Dilma tem que continuar dando atenção aos pobres que são os seus eleitores principais e que seguram o PT no poder, sem esquecer dos movimentos sociais organizados.

  4. A única coisa que se pode

    A única coisa que se pode dizer das eleições de 2014 é a seguinte: o povo não escolherá seu candidato segundo as preferências da imprensa. A esmagadora maioria dos brasileiros levará em conta a mesa farta ou a dispensa vazia. 

     

    As seduções da propaganda não serão capazes de fazer os brasileiros se desapegarem da realidade. 

  5. eleições

    Hoje no Brasil ELEIÇÃO é decedida através da distribuição de dinheiro,favores,cimento,tijolos,empregosetc… nunca pela boa administração ou pelo zelo do dinheiro público.Muitos do que hoje protestam pelas ruas do país,estarão votando por ter recebido algo em troca,infelizmente não podemos indentificar,mas existe sim essa  troca.ISSO É BRASIL.

  6. Prognóstico

    O meu prognóstico é que o PSDB vai entrar em extinção nesta eleição. Ninguem está percebendo que São Paulo (RM com 18 milhões de habitantes) vai, na melhor das hipóteses, ter racionamento de água durante as eleições. Na pior das hipóteses, e não é nenhum absurdo que aconteça, a água acaba antes das eleições. Se acabar, não existe plano B para abastecer 18 milhões de pessoas.

    Esses racionamento de água implica também num grande desemprego, porque parte da indústria na Região Metropolitana também consome muita água. Sem água a indústria de alimentos, têxtil, química, vai parar.

    Quanto mais for adiado o racionamento de água mais duro ele será. Já deveriam ter começado em janeiro, mas o Alckmin não que assumir a cagada.

    O PSDB conseguiu racionar energia no país com maior potencial hidrelétrico do mundo. Agora vai racionar água na “terra da garoa”. E não tem como botar a culpa no PT, no Lula ou na Dilma.

    • falta de agua

      Parece realmente fadado a faltar agua em SP, porém sem falta de energia, graças ao planejamento que houve nessa área, mas eles irão colocar a culpa na falta de chuvas, o que não deixa de ser vdd, porém só meia verdade, que o sistema cantareira chegue com 25-30% no final de março, não aguentar o periodo de seca sem um racionamento….. e acho bem pouco provavel que chegue a tudo isso. PSDB irá perder no paraná,  vai perder feio em GO, vai perder em Alagoas, MG o pario vai ser duro, ser perder SP, o PSDB ficará bem menor do que o PSB…..

  7. Nassif,
    “E o acúmulo cada vez

    Nassif,

    “E o acúmulo cada vez maior de pepinos que irão estourar em 2015.”

    Esse é o prognóstico que se completa no déficit público, como ambição do BACEN, para a série inteira da SELIC? 

    • Na verdade o Nassif nem

      Na verdade o Nassif nem precisa responder essa capa política.

      O BACEN será responsabizado pelo movimento de derrubamento do poder vigente, em medidas levadas a efeito continuado, não só porque o mercado logra a automudança de distribuição da realidade pela SELIC, como também decorre o ato político, em escalas, até a dissolução das relações anteriores da sociedade.

  8. A primeira e a última semana

    A primeira e a última semana do horário eleitoral gratuito tem grande audiência.

    Parece pouco, mas é a maior oportunidade de falar para tantos ao mesmo tempo sem intermediários.

    A oposição precisa bater na medida certa e apresentar boas propostas para um país melhor.

    O governo precisa mostrar o que fez e vai fazer para melhorar ainda mais a vida das pessoas.

    O primeiro programa do PT em 2010 foi arrasador. No segundo o Serra já se apresentava como “amigo” do Lula.

    O que poderá ser mostrado no de 2014?

    Quantas histórias emocionantes sobre a primeira casa própria, emprego estável, primeiro filho formado, carro, viagem, férias!? Grandes obras ficando prontas, diminuição da pobreza, da mortalidade infantil, do analfabetismo. Fora a grana do petróleo que vai começar entrar.

    Tá difícil para a oposição. Por enquanto.

    http://www.youtube.com/watch?v=z5Us_rDV1lc

    [video:http://www.youtube.com/watch?v=z5Us_rDV1lc%5D

     

     

  9. Com todo o apoio do PIG, a

    Com todo o apoio do PIG, a oposição, na verdade, tem tido pouca sorte. Há um ano eles estão apostando metade das suas energias (a outra metade vai para a inflação que não quer, porque não quer, explodir) em proclamar que vai ter apagão, muita apagão no Brasil. No momento, no entanto, o maior apagão está acontecendo no Estado mais rico do Brasil. Falta agua, muita agua e quem não viu foi o PIG. Quero ver as eleições em São Paulo, com o povo comprando agua no carro pipa, para poder dar descarga no banheiro, que há uma semana está phedendo que só…É muita azar minha gente, muito azar…

  10. propostas de reforma

    Nenhum deles vai falar o que o povo quer ouvir: reforma política já.

    Fim dos cargos de nomeação, fim da suplência, fim do voto de legenda, fim do cargo de 1ª dama, tempos iguais de propaganda, fim das regalias, aposentadoria única para servidor público e trabalhador da iniciativa privada, fim do voto obrigatório, fim das doações de campanha por pessoa jurídica, fim das emendas parlamentares, fim do senado, substituição do salário pelo seguro político, ou seja, o governante ou parlamentar ganha até um teto o valor de seu salário na iniciativa privada com a segurança de ter o seu emprego de volta, fim das reeleições, penas mais severas e exemplares para servidores públicos que erram, com dolo ou culpa, mais obrigações e menos direitos para os partidos e por aí vai. Política não é profissão. O pior político é aquele que tem passado político. Ocupar um cargo eletivo não pode ser um bom negócio.

  11. Mais do mesmo não será suficiente.

    Caro Nassif,

     

    Compartilho de sua opinião.

    A oposição está em dificuldades.

    Mas se a situação acha que só ressaltando os avanços sociais será suficiente para se reeleger, estão muito enganados.

    Consideramos os avanços sociais como a marca dos governos Lula e Dilma. Quem não garantir a continuidade desses avanços não se elege – aí o drama de uma parte da oposição.

    Mas também não aceitamos mais ver morrer todas as iniciativas de avanços institucionais, sistematicamente barrados por boa parte da base governista – PMDB à frente.

    E medidas básicas para o deslanche econômico, na área tributária, não podem continuar só na lista de promessas.

    Se algum opositor mostrar que pode satisfazer essas expectativas, votarei nele. Eu sempre votei no PT, desde as eleições de 1989.

     

  12. A única coisa que me motiva a

    A única coisa que me motiva a votar na Dilma é a manutenção das políticas sociais, da geração de emprego e o receio da volta do neoliberalismo e da predominância do capital especulativo representados pela oposição. De resto o governo Dilma é fraquíssimo. A presidente mostra-se centralizadora, lenta e titubeante. Para seus colaboradores é um inferno trabalhar com ela. Em compensação, ao primeiro grito das forças conservadoras foge e se esconde no seu casulo. Escolhe mal seus colaboradores, mantém incompetentes como o Zé Cardoso e Paulo Bernardo em postos chaves do seu governo. Não tem interlocução com a sociedade, expurgou os movimentos sociais de qualquer participação no governo, os empresários reclamam que não tem acesso a ela, sua articulação política no Congresso é muito ruim e o mercado não confia nela(o Lula tinha essa confiança). Por mim cerraria fileiras no “Volta Lula”, mas entendo a postura dele de não confrontar Dilma, porque no jogo do xadrez político isso seria interpretado como uma puxada de tapete. A única esperança que fica é a Dilma, mas experiente após esses 4 anos, dê um encaminhamento melhor ao seu governo. Ela tem uma grande chance de fazer isso, porque a oposição é ridícula e nula. Espero que não jogue essa chance fora.

  13. A falta de debate sobre propostas alternativas

    Não é por acaso que não se discute planos com políticas de governo e econômicas alternativas.

    Não é que estas políticas alternativas não existam ou não possam ser pensadas e debatidas.

    Acontece que a política profissional no Brasil está capturada pelo dono do dinheiro, que não quer agitação ou marola na sua mamata.

    Os candidatos são todos fantoches que estão ai para o jogo de cena, como são engraçados, têm no Tiririca a sua real expressão.

    Vai mal, muito mal a política Brasileira e o povo segue o fluxo.

  14. Continuo achando que a grande batalha de 2014

    será a “batalha de São Paulo”.

    1 – A mídia amiga / comprada não consegue mais evitar falar das propinas gigantescas de Metrô e CPTM (os números citados só incluem os anos Covas numa derradeira tentativa de culpar um morto), agora aparecem casos escabrosos com energia (CESP etc…), e SABESP.

    2 – A mídia amiga / comprada não dá cobertura honesta sobre os problemas operacionais quase diários de Metrô e CPTM , a não ser para repetir que é complô/sabotagem lulo-petista. Mas os milhões de “usuários” já entenderam do que se trata.

    3 – Deve faltar água na região metropolitana (mais se espera – pior será), e é bem provável que não tenha restrições na energia elétrica, o que pode (ainda não é 100% certo pois as chuvas voltaram) provocar o pior cenário possível para o psdb paulista.

    4 – São Paulo é a grande fonte de renda de psdb e partidos sócios, e das suas lideranças.

    • É Lionel, SP, RJ, MG

      É Lionel, SP, RJ, MG principalmente tem grande peso e hoje o nordeste em bloco contrabalança o sudeste. Como vimos nas recentes eleições. O segundo mandato do Lula foi todo envolvido na recuperação economica. Estabilidade. Do segundo mandato do Lula para a passagem da Dilma, já não foi fácil em minha opinião, pois tinha a estabilidade economica assegurada com os dois mandatos do Lula e escorou na continuidade destas politicas econômicas e da “nacionalização e os alcances sociais” quão grandemente pânico para outro candidato, não outros candidatos como vimos em Marina neste fogo cruzado.

      Muito importante é o que os candidatos trazem nas mãos e o que os eleitores querem e anseiam escutar estendendo suas aprovações, foi o caso das igrejas citadas por LN, sobrecarregam. Penso que na realidade a economia sentida no dia a dia que dita à eleição no Brasil, não a indústria mais a inflação, não o emprego mais a de dinheiro, penso que a economia estiver como esta ainda corre o risco por o eleitor pensar e não sentir diferença entre o que o Lula deixou e o que ela fez. Se o eleitor não sentir esta diferença entre o governo passado e o atual com o outro candidato do seu ventre diferencia ai estará o acionador. O que Serra colocou, com alguns erros, o que poderia fazer melhor no inicio da campanha.

       Concluindo, se a economia não for mascarada por mídia, se a economia estiver mais perfeita, se os eleitores sentirem que realmente a vida esta melhor e pode evoluir com ela, vence, caso contrario ainda dependera dos outros candidatos saberem usar os horrores do governo.

      Da distancia real entre candidatos LN disse. O que ele chama de onda eu chamo do efeito borboleta: um bispo do interior, um dossiê, uma bolinha de papel, uma copa que não traga beneficio econômico para ele, etc. PQ isto mostra que um leve vento ou onda pode virar o Barco.

      Repara que não falei de manifestação e movimentos públicos, que quase todos querem a liberdade de se expressar, inclusive os BB, os violentos, os tranquilos e a policia, não afetando diretamente o governo Federal se não se meter como tentou fazer e só aconteceram os mais médicos, afetara em muito as eleições estaduais.

      Tem vários comentaristas capazes das outras eleições que não comentaram e seria um bom termos a reflexão desta. 

       

  15. “…E o acúmulo cada vez

    “…E o acúmulo cada vez maior de pepinos que irão estourar em 2015…”

    Mas e os pepinos que ela herdou.?

    Quando o blog dirá alguma coisa a respeito.?

    Ou seriam só flores.?

      • O acúmulo desses dois (que de

        O acúmulo desses dois (que de fato aparecem no Blog com alguma frequência), as dificuldades para dirigir um sistema de conchavos (os quarenta ministérios, por exemplo) e a ausência de base de apoio político (inclusive dentro de seu próprio partido) não mereceriam ênfase um pouco maior sobre esses continuísmos não a permitirem ações mais ousadas.?

        A impressão que eu tenho tenho é da Dilma numa camisa de força…E que as críticas sobre ela não levam tanto em conta as questões que mencionei.

        De qualquer forma, obrigado pela resposta.

        P.s: quais seriam as forças sociais que já não possuem tanta consideração do Planalto.?

        Acha mesmo que é tão relevante para o sucesso de seu governo?

        P.s1: quais seriam os pepinos acumulados?

        Obrigado, forte abraço.

        • Acompanho o Chico nesta

          A Dilma não só está capturada pelo que de pior existe em nosso meio político, como lhe falta, na minha opinião, capacidade para se desvencilhar disto.

          Não adianta tentar tapar o sol com a peneira, para governar um país heterogêneo e continental como o nosso o ocupante da cadeira presidencial têm de ser alguém diferenciado, uma pessoa que não consegue coordenar três sentenças em uma oração é muito limitada para o cargo.

          • Se a oposição é o problema

            Se a oposição é o problema então você precisa de Políticos capazes de reduzir suas forças com os instrumentos de que dispõe.

            Essa é apenas outra questão que vocês tem dificuldade de interpretar.

            São adeptos da providência divina, de um milagre que faça na oposição uma auto-crítica para acordarem no outro dia pessoas do bem, sérios, inteligentes e honestos.

            Acorda cara.!

            Se o PMDB recebe tudo que pede alguma coisa precisa dar em troca, não apenas aquela farsa da governabilidade.

          • A oposição é formada por

            A oposição é formada por corruptos, entreguistas e elitistas.

            Em relação à formação de uma base aliada com partidos oportunistas, não tem nem o que comentar. Esses mesmos partidos estarão na base aliada de qualquer partido que vencer a eleição pois isso é uma consequência do sistema político do País. Só que enquanto o PT quer uma reforma política para valer, os oposicionistas não querem mudar nada. Isso ficou claro quando a Dilma propôs a reforma política ano passado e a proposta foi combatida pela oposição com as mais variadas (e esfarrapadas) desculpas.

            E como a frase te incomodou, vou repetí-la.

            A oposição É o que há de pior na política brasileira.

          • Vamos fazer uma política

            Vamos fazer uma política pública para os brasileiros todos se mudarem para a Escandinávia.

            Lá os governistas tem tudo o que pedem a Deus.: mídia séria e honesta, oposição pacata e respeitosa.

            Assim não nos damos ao trabalho de mudar a realidade das coisas.

          • Por mim você pode ir até para

            Por mim você pode ir até para a PQP que eu não estou nem aí.

            O PT já mudou muito a realidade das coisas. E continua mudando.

            Muda para melhor a realidade da vida dos trabalhadores e da população mais pobre.

            A oposição que vá à merda.

          • O que atesta contra sua
            O que atesta contra sua inteligência é o fanatismo messiânico, cidadão. Com ele a intransponível dificuldade de aceitar o que simplesmente não está em acordo com suas próprias ”ideias”. É um obtuso estúpido. Sinto muito.

          • Este chiquinho é o que tomou uma surra

            Outrodia quando disse que MG não recebia investimentos do governo federal. Perdeu o rumo das montanhas e deve ter ido padecer em algum deserto dos desesperados do PSDB. Se não fosse pelos investimentos do governo federal, Minas seria apenas pó!

          • Faça um desenho para o Chico

            Faça um desenho para o Chico Pedro entender a frase.

          • Governo e oposição

            O Governo e a Oposição, são coisas diversas. O Governo escolhe um caminho que tenha norte, rumo e estrela e por este caminho desenvolve suas políticas.

            A Oposição não pode ser classificada do mesmo modo, existem muitas oposições e abraçar um comportamento maniqueista para classificalas é dê uma singeleza comovente.

            Basta se ter em mente que se a ação do homem pode se desenvolver sempre em no mínimo oito direções, temos necessáriamente quatro eixos  por onde um caminho básico pode ser traçado e percorrido, logo, em grosso modo, quatro tipos totalmente diferentes de oposição no Universo Humano de Ação podem ser estabelecidas. É lógico que nuances podem ser acrescentadas a esses eixos e com isto se conseguir uma classificação mais apurada.

            Por outro lado e levando em conta principalmente o pragmatismo e a praxis do PT quando oposição, considero que o pífio desempenho a esta época era devido à falta de experiência de governar, o que me permite supor que quando voltar a ser oposição fará um trabalho diferente.

            Logo descobriremos.

          • Exatamente. Ela não tem

            Exatamente. Ela não tem condições de mexer no que está aí, suas mão estão atadas.

            Herdou uma estrutura anterior que não permite transformar, apenas medidas pontuais.

        • Mas quem articulou a base

          Mas quem articulou a base aliada da Dilma foi o Lula. Não é a ideal ? Nâo é. Mas foi ótima. Em 2010, no 1 turno ela elegeu mais de 300 deputados enquanto o Serra elegeu pouco mais de 100. Ora, cavalo dado não se olha os dentes. Acha mesmo que se fosse ela articulando teria feito melhor ? Duvido muito.

          Creio eu que os pepinos acumulados são referentes a questão energética, preço de gasolina, e claro, sempre a questão de inflação e baixo crescimento.

          • Que base aliada???

            Aquilo é uma bagunça “aliada”, se for considerar os deputados confiáveis para o governo é menos da metade dos 300, muito fácil alguns migrarem para a oposição.

            Sem dúvida, um dos grandes motores dessas manifestações foi a insatisafação das forças progressistas em ter na mesma base aliada gente com bandeiras políticas totalmente divergentes do governo que ajudaram eleger.

            É a política do dividir para governar, Dilma não percebe que seu governo tem dificuldades porque Lula ajudou a fortalecer uma parcela da direita?

          • O buraco é bem mais embaixo

            O buraco é bem mais embaixo quando se olham as perspectivas de longo prazo.

            Vocês – economistas ou jornalistas que olham apenas o mercado – não citam jamais a importância da educação, para ficar em apenas um item.

            Não olham para as deformidades políticas de um Congresso dominado por grandes interesses de construtoras a bancos, passando por telefonias, mídia e mineração.

            Desconsideram o niho de mafagafos que é a pesadíssima estrutura burocrática do governo central.

            E por aí vai.. Falta agenda clara e contundente de longo prazo e nossos peritos eleitorais tem visão que não ultrapassa dois anos.

            A Dilma vai se reeleger, logo depois se inicia a preocupação com o seu sucessor, e assim por diante.

            Estamos presos a essa lógica.

          • Mas eu respondo uma coisa e

            Mas eu respondo uma coisa e voce muda de assunto, ai fica dificil.

            Eu também concordo que existem problemas no governo, tenho criticado muito o governo Dilma.

            Agora, essa postura sua de culpar o Lula pelos problemas no Governo Dilma eu não considero correta.

            Ora, tudo que a Dilma é ela deve ao Lula. Ela tem é que resolver os próprios problemas e ouvir mais os outros.

            E eu não sou nem economista e nem jornalista. Apenas tenho por hobby ler noticias relacionadas a politica e economia.

      • Concordo com o Nassif

        Nos últimos tempos o blog têm sido o local mais democrático para se discutir política na rede e o Nassif têm se esforçado para abrir ao máximo a discussão que no meu entender, deveria ser entabulada pelos partidos políticos.

        A crise de representação está afetando a política da maneira mais perversa possível, não deixando que o livre fluxo das idéias possam desabrochar no seio da sociedade, infelizmente.

      • A bendita herança repassada por Lula a Dilma

        Os países que optaram pelo caminho do neoliberalismo galopante, dos acordos bilaterais de livre comércio e de apego às ‘vantagens comparativas’ são os mais afetados pelo Crash de 15 de setembro de 2008. O Brasil, ao contrário, optou por estimular uma política industrial interna (com destaque para os setores de autopeças, petróleo, gás, plataformas petrolíferas, compras governamentais e navios). 

         

        Mais do que isto, o Brasil optou por uma política antí-cíclica que preservou o pleno emprego, a distribuição de renda e a diminuição das desigualdades sociais e regionais, além de manter um diversificado mercado de países para nossas exportações (não ficando dependente de nenhum deles em especifico).

         

        E não é só isso. O Brasil mantém uma vigorosa política de criação, manutenção e aprimoramento de um amplo mercado interno de massas, longa aspiração dos desenvolvimentistas nacionais, com destaque, entre outros, para Celso Furtado.

         

        Este amplo mercado interno de massas, que ganhou destaque a partir de 2005, tem blindado a economia brasileira de choques internacionais, como o atual que por ora presenciamos e que é o maior desde o Crasch de outubro de 1929.

         

        A prova do sucesso do Brasil nestes últimos 05 anos, onde Crash de 2008 tem destronado várias economias ao redor do globo terrestre, é que em que pese a severidade da crise já referida, continuamos distribuindo renda e aumentando a proporção da massa salarial em relação ao PIB. Optamos pela acertada política econômica anti-cíclica, ao contrário da Europa e dos EUA. 

         

        A exitosa política anti-cíclica do governo federal, iniciada com Lula em 2009, e mantida a aprofundada por Dilma, tem vários aspectos. Para ficar apenas num deles, cumpre relembrar a questão do superávit primário da economia (utilizado para pagar juros e amortizações da dívida pública).

         

        Nos 04 primeiros anos do governo Lula, em função da colossal herança maldita herdada, o Brasil teve uma meta de superávit primário de 4,25% do PIB. É um número colossal. Este superávit começou a ser flexibilizado em 2007 (com Guido Mantega, logo após a saída de Palloci do Min. da Fazenda). 

         

        Depois do Crash de 2008, já em 2009, houve uma redução não muito significativa e, a partir do governo de Dilma Rousseff o superávit primário foi drásticamente reduzido para dar conta da política industril e anti-cíclica que se fazia (e que se faz) necessária para enfrentar a brutal crise econômica mundial. 

         

        Para 2014 o superávit primário está fixado em 1,9% do PIB. Esta é uma notícia alvissareira e amplamente positiva para o Brasil. Dilma Rousseff, em matéria de economia política, está à esquerda do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. 

         

        Por tudo o que foi exposto (e que é apenas uma pequena parte) é que se tem a confirmação de que o Brasil está no caminho certo, remando contra as teses neoliberais que legaram ao mundo a Crise de 2008. O Brasil está menos vulnerável que os hermanos latinos (aplaudidos dia e noite pela imprensa neoliberal) justamente porque optou por um caminho diverso dos mesmos.

         

        Para finalizar, é preciso dizer também que como proporção do PIB o Brasil exporta mais do que os EUA!

         

        Esta é a nossa salvação e o nosso colchão protetor. É isto que garante ao Brasil enfrentar as turbulências. É preciso manter e aprofundar a construção de um pujante mercado interno de massas. Este é o caminho correto. Este é o caminho atual. Este é o caminho defendido com ênfase por Luiz Inácio Lula da Silva e por Dilma Rousseff.

      • A política cambial fica

        A política cambial fica flutuando à deriva para o BACEN deixála-la ou associá-la, artificialmente, à extratos de domínio; mas, a SELIC tem dono, e o aumento dela retrocede as condições de produção.

        Para o mercado financeiro dono do mundo, mediocre antagonista industria e mercado, melhor conspirar seu plano temporal para quebrar o país, com juros altos, do que concentrar-se na tarefa de criar todas as reservas de valor – se expandisse a base monetária só pela própria variável de ser potencia – de cada crescimento da industrialização da economia. 

      • O problema maior é a

        O problema maior é a desnacionalização, o governo tem medo de desagradar o mercado e revogar a lei da empresa nacional do FHC.

        Essa medida recente do governo em tentar recuperar a confiança do mercado é desnecessária, pois o Dólar voltou a cair em vez de se manter acima de R$ 2,40.

        A política industrial é falha, não se pode incentivar empresas, mas setores da economia (Nelson Barbosa disse isso e foi voto vencido no governo).

        O Brasil desaprendeu a fazer incentivo, na lei de incentivo a cultura deveria incentivar os artistas diretamente e não as empresas a investirem em cultura.

         

         

        • Maioria no congresso.

          Essa mudanças que são necessárias, tem que ter o aval do congresso. Enquanto o PT e a esquerda for minoria isso é apenas um sonho. Infelizmente não será em 2014 que esse quadro mudará, gostaria que Dilma fosse para guerra no 20 mandato com uma proposta de reforma politica e da midia. Sonho!!!

          • Justamente aí que muitos não

            Justamente aí que muitos não conseguem entender, ou pior, não querem entender.:

            Sem reformas na estrutura do país não adianta colocar na presidência um misto de Bonaparte, Churchill e Miterrand que a coisa não vai!

            Entendam isso.

            Capital político é para usar, não para expor numa estante.

      • será?

        Caro Nassif, talvez desindustrilização no eixo sul-sudeste com sua historicamente cara produção voltada para si próprios e mercado puramente consumidor (Nordeste). Isso desde 1824 (leia o capítulo sobre a Confederação do Equador de 1824. A luta não era ´pele república, mas sim o nordeste querendo acesso aos mercados de produção americanos e vetado pelo Sul). Em Pernambuco (não sou eleitor de Eduardo Campos, já aviso) o número de indústrias só aumenta (faça um passeio na nova via expressa de Recife a Suape) apesar de menor produção industrial (esperada?) em 2013.

  16. Ok, Nassif. Mas faltou de sua

    Ok, Nassif. Mas faltou de sua parte a analise do porque o Aécio e o Dudu despencam nas pesquisas. Eu, mesmo sabendo da fragilidade da ambos, não consigo entender o fenômeno.

    O “desgaste da política” deveria colar mais na Dilma, que é a governante máxima do país. No entanto, se ela empacou pelo menos não cai. Ao contrário dos dois que almejam encarnar as insatisfações. Além de não conseguirem capitalizá-las, são vítimas delas

    Mesmo a Marina também se fragilizou. Essa desidratação da oposição precisa de uma analise mais acurada 

  17. Cada campanha, uma sentença

    Também não acho que sera facil a campanha. Primeiro que qualquer problema com a copa, usarão exaustivamente contra o governo, depois porque as manifestações mudaram um pouco o rumo das coisas, as pessos estão confusas com tanta informação desencontrada, patrocinada pela imprensa conservadora. Ouvi algumas pessoas, que votaram na Dilma em 2010, dizerem agora que ainda não têm candidato, não sabem em quem votar. Portanto, cada eleição é uma eleição,  e como todo jogo, as cartas nunca estão todas na mesa até o ultimo minuto.

    Quanto a Barbosa, para mim, é candidatissimo. Em 2018. 

  18. Dilma é conhecida por 100%

    Dilma é conhecida por 100% dos eleitores e tem 37% de rejeição.

    Dos 100% que conhecem Aécio, mais de 40% o rejeitam.

    Dos 100% que conhecem Eduardo , quase 50% o rejeitam.

    • Eu ia comentar justamente

      Eu ia comentar justamente sobre esse ponto.

      Aécio e Eduardo Campos tem baixa rejeição porque são desconhecidos.

      Um político conhecido ter baixa rejeição é bom, mas ter baixa rejeição por ser desconhecido é ruim.

      Primeiro porque os eleitores até votam em desconhecidos, mas em um percentual baixíssimo, que não afeta o resultado da eleição.

      E segundo porque mesmo que o candidato venha a se fazer conhecido, a rejeição sempre pode aumentar quando isso acontecer.

      Só se coloca baixa taxa de rejeição como algo positivo para um político que não seja bem conhecido do eleitorado, quando não se tem outra coisa para dizer a título de ponto positivo.

      Não sou adepto do “já ganhou”. Acho que a eleição vai ser dura e que a campanha da Dilma nõ pode bobear nem um pouco. Não subestimo os adversários da minha candidata de preferência, mas tampouco acho que a questão da rejeição seja um ponto significativo neste momento. Mais perto das eleições será, mas hoje isso indica ainda menos (muito menos) que o próprio índice de intenção de votos.

  19. Vai Batman

    Vai Batman, vai homem da capa preta de pernas ao ar, ergue suas forças naturais a um nível mais alto de justiça, para conter as avalanches cada vez mais irreconciliáveis dos choques de fetichismo financeiro nos assuntos econômicos – Por exemplo que surgiu com a abolição da escravatura, o país livre só pode desenvolver-se em proposição ao valor do trabalho.

    http://revistaforum.com.br/blogdorovai/2014/02/23/joaquim-barbosa-e-cand

  20. `´E fácil notar que todas  as

    `´E fácil notar que todas  as possibilidades disto ou daquilo depende  da capacidade de manipulação que a mídia sempre teve. Se o Brasil ganhar a copa meu voto é da Dilma, se perdermos a copa meu voto é da Dilma, se der zebra e a fifa cancelar o mundial no Brasil meu voto é da Dilma. O Aécio, dudu, marina, serra, o zezinho da farmácia etc…podem fazer e dizer o que bem entenderem meu voto é da Dilma, a quadrilha mafiosa da mídia pode anunciar e repercutir o que  acharem melhor meu voto é da Dilma, e sabem porque, se entregarmos o pais nas maõs dessa corja maldita de vampiros  , as crianças que nasceram  hoje neste país passarão boa parte de  suas  vidas da forma mais miserável que se  possa imaginar.

  21. Alternância do Poder

    Sou radicalmente contra a continuidade do governante no Poder. Por isso, vou votar (e torcer) pela alternância no cargo de Presidente da República.

    Por isso, DILMA em 2014, LULA em 2018, HADAD em 2022 e PADILHA em 2026, rs rs rs…..

     

     

  22. O mais interessante é que os
    O mais interessante é que os defensores do PT erguem suas vozes para falar da melhoria na vida dos pobres. Que melhoria? Vocês estão lábpra ver o dou o PT quem disse? Crédito e redução de IPI para comprar eletrodomésticos desenfreadamente como os americanos que tanto criticam, isso é melhoria?
    Enquanto isso a sociedade está cada vez mais degradada, conseguiram instalar definitivamente e descaradamente a lei de tirar vantagem.
    A economia é um e apenas um indicador, e o do Brasil nem é tão bom quanto pegam (quem trabalha duro para sustentar dia família dignamente é que sabe). Enquanto os políticos só invés de se reuniram para fazer planejamentos de longo prazo, se reúnem para lotear ministérios.
    Tenho certeza, que os pobres que os senhores falam, prefeririam hospitais públicos de qualidade, da mesma qualidade do sírio e libanês Onde nossos ilustres PTistrás se tratam. Escolas da mesma qualidade daquelas que vossos filhos estudam. Transporte tão eficientes e seguros quanto o daqueles que julgam saber a vida dos pobres.
    Vai pra vida real meu amigo. Sai da concha.

    • Não são dos “pobres que os

      Não são dos “pobres que os senhores falam”, e sim dos pobres que nós somos. E agora estamos invadindo a sua praia, vou te ver no aeroporto, meu filho tá lá na federal junto com o teu, a saúde (bom, na saúde tu tens razão, continua uma m…..), esse ano vou tirar férias no exterior, veja só. Pra ti, é capaz de ter piorado, ou melhorado, não sei. Mas falaz do que não sabes, pois claramente se trata de alguém abonado de pai e mãe, já que trata “dos pobres” na terceira pessoa. Mas aqui na “vida real”, pobre é tratado na primeira pessoa, sou eu e nós. Por isso nós votamos em quem queremos, cada um julga como a sua vida e a sociedade ao redor melhorou ou não, no seu caso deve ser mais díficil vendo tudo pela TV, eles (“os pobres”) lá comprando geladeira na Magazine Luiza, para ti deve ser um pouco deprimente, mas para nós é melhor qualidade de vida.

  23.    eu vou dizer uma coisa:

       eu vou dizer uma coisa: esse ano a Dilma ganha, e o Edu traira vai voltar nos bracos da Dilma com o rabo entre as pernas.

  24. desabafo

    Sou BRASIL e voto pela CONTINUAÇÃO da dignidade. da inclusão social, da melhoria das classes; voto pela  esperança dos jovens em sonhar e realizar seus sonhos, já que LULA criou 14 universidades, já que ele e DILMA criaram mecanismos que permitem a inclusão deles no DIREITO DE SABER (Enem, Prouni, Pronatec e tantos outros). VOTO em DILMA ROUSSEF. Voto por NAO VOLTAR a ficar de quatro para o FMI.  VOTO para continuar tendo a PETROBRÁS sendo nossa, com o PRE-SAL sendo investido na educação (75%) e na saúde (25%) – aliás, a Presidenta pediu  100% para a educação, lembram?  E só por isso, TODAS NÓS, MULHERES,  deveríamos votar em em peso na DILMA.  Os pais deveriam dizer para os jovens como eram suas vidas antes de LULA e depois de LULA. E que DILMA está CONTINUANDO.  Graças a Deus! E se Deus quiser, ela vai ser REELEITA. O Brasil, depois de 2002, com LULA, passou a ser respeitado mundo afora. Porque acham que a ELITE (leiam os nomes) se reunem na Ilha de Comandatuba(BA), jantares luxuosos em restaurantes caros de SP, na casa de artista famoso? Acordem! O grupo fhc, aécio, alckmin, serra… engana até um ao outro. Conseguem apoio de forma acirrada e estão nervosos: O mensalão não era bem um mensalão. ..  mas os erros (“mensalaozão” tucano, os muitos de SãoPaulo) são todos tratados com negligência, jogados para debaixo do tapete. Vejam: a PTEROBRÁS valia 15 bilhões e em 12 anos passou para mais de 90 bilhões.  Mas eles ATACAM. Porque deu certo? Sim. Porque há interesses de outros países em QUERER a PETROBRÁS? Que acham? Pensem: tem MUITA GENTE de olho no nosso pre-sal e a GARANTIA de que não irá parar nas mãos de OUTREM é REELEGENDO DILMA ROUSSEF. Querem imputar a ela o que ela não deve.  Mas imaginemos que fosse uma  única pessoa culpada pelo mau negócio  –  e os tantos outros ótimos negócios, não contam? Qual o executivo de uma grande empresa não “apostou” em alguma negociação e não obteve o lucro esperado?  A Presidenta da Petrobrás disse que à época, Pasadena não foi um mau negócio; passou a ser com a crise de 2008.  Apesar de estar começando a dar lucro, hoje seria um mau negócio.  A mesma coisa foi dita por Caveró.  E também por Gabrielli.   MAS,  a potente GLOBO estampa em seu jornal a manchete em letras garrafais: “Graça Foster diz que Pasadena foi um mau negócio” – imagino o que não disse na TV.  Distorções gigantescas, com objetivo definido.  Na verdade este grupo não pensa BRASIL, pensa raiva, inveja, desespero, vaidade, despeito.  Aliás, NESTE MOMENTO, os brasileiros não estão pensando no Brasil. Mas o povo não teve oportunidade de visitar Washington, a capital dos Estados Unidos. É bonito SABER que a maioria dos que visitam a capital é o povo americano… porque as escolas levam seus alunos para conhecer a capital de seu país, TUDO nos Estados Unidos é em prol do país, o americano tem orgulho de ser americano – um guia turístico que acompanha um grupo de outro país tem o hábito de carregar um guarda-chuva aberto para identificação de seu país com a bandeirinha do país(exemplo: a bandeira do Brasil); mas este guia não pode colocar apenas a bandeira do Brasil em seu guarda chuva – tem que colocar, TAMBÉM – a bandeirinha dos Estados Unidos. Isso é valorização e respeito pelo seu país.  Aqui no Brasil, a COPA era querida, era desejada, era sonhada.  Aconteceu: será aqui a copa de 2014.  O GOVERNO gastou menos do que precisava em infra-estrutura.  O governo gastou menos do que o povo, que não se informa, sabe.  Na verdade, o GOVERNO EMPRESTOU dinheiro para os estados. E isso gerará 4, 5 ou mais vezes de lucro. A PRESIDENTA é SÉRIA, competente, PREOCUPADA com os pobres… não permitiria que se tirasse dinheiro da boca e da auto-estima do povo para a Copa.  Talvez os ESTADOS não devessem ter a VAIDADE de construir um estádio MAIS GLAMOUROSO que o outro estado .  A responsabilidade de melhoria em educação, saúde e segurança não é da PRESIDENCIA, somente.  É das Prefeituras, dos prefeitos e vereadores,  dos ESTADOS, dos seus governadoresos,deputados, etc  com a AJUDA do GOVERNO FEDERAL. Ajuda nunca negada, como a que LULA deu a aécio, que lhe foi grandemente ingrato.  AJUDA que LULA e DILMA deram a eduardo campos, cujo agradecimento está sendo a ingratidão e o apunhalamento pelas costas. TRISTE ISSO.  Como BRASILEIROS, todos os candidatos deveriam estar trabalhando para que a Copa se realize em harmonia, de forma bonita… o suficiente para alegrar os corações dos brasileiros, que sequer sonham em viajar para ver uma Copa lá fora.  Mas, não. Esses candidatos APOSTAM e até INCENTIVAM,, leio isso, na desordem. Porque? Porque querm o bem do Brasil? Não!!! Então pensem se este comportamento é saudável, é patriota. Os estudantes, de modo geral, precisam PENSAR que o discurso de Marina Silva é “sustentabilidade” insustentável o tempo todo – ela não suporta a idéia de DILMA ser a Presidenta (vejam bem – ela se expressa melhor que a Dilma). Pra ser bom Presidente precisa ser INTELIGENTE e SENSÍVEL como foi o HOMEM LULA e como é a MULHER DILMA, mesmo que seu ar sisudo não aparente tanto a sensibilidade da qual sua personalidade está impregnada. Jovens, atentem para nossa JUSTIÇA social, para a JUSTIÇA JURÍDICA e cuidem para não perdermos os direitos que possuímos. ESTUDEM, vcs agora podem; mesmo que seus pais não tenham muitos recursos recursos. PROCUREM a PAZ.  Não votem naqueles que querem “perder” a Petrobrás, que querem “perder o pré-sal”.  VOTEM em DILMA para que seus direitos continuem assegurados. Para que todo o lucro do pré vá para a educação e a saude. Vcs jovens sabem que foram criados no governo LULA mais de 10 milhões de empregos e que os 05 presidentes antes dele (inclusive fhc que ficou 08 anos) só criaram pouco mais de 5 milhões? DILMA já criou outros MUITOS MILHÕHOES de empregos e vai CRIAR MAIS.  Vcs sabiam que LULA criou 14 universidades? Pois é, é este CARA, o LULA, que é inteligente, visionário, ESTADISTA, PATRIOTA  quem fez ISTO; é este CARA que colocou indicou e ajudou DILMA à Presidencia porque sabia que ela é séria, competente, correta… e não deixaria o País ANDAR PRA TRÁS.  Falam da inflação: a média da inflação com fhc era de 9,2%, LULA pegou o Brasil com 12,5% , a média de LULA doi de 5,4 ou coisa assim… houve a crise e LULA disse que aqui seria uma marolinha (e FOI MESMO!).  Agora a inflação, com toda a crise lá fora, com enorme desemprego lá fora… a inflação aqui está em 6,1 (mais ou menos), SEM DESEMPREGO.  E então???

     

  25. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome