Raio X da balança comercial mostra aumento das relações com a China

Em relação a abril passado, houve um aumento de US $13 bilhões no saldo comercial. . Desse total, US $6 bilhões foram de responsabilidade da China.

A China voltou a ampliar a participação no comércio exterior brasileiro. No acumulado de 12 meses até outubro, sua participação nas exportações brasileiras saltou de 30,4% para 34,01%. Nas importações, a participação aumentou de 19,75% para 21,63%. O saldo comercial caiu de 73,59% para 21,63%;

É expressiva a diferença em relação ao segundo parceiro comercial brasileiro, os Estados Unidos. No mesmo período, a participação americana nas exportações brasileiras caiu de 12,4% para 10,53%; e nas importações, de 17,59% para 12,56%.

A tendência das exportações é francamente descendente para os Estados Unidos e mostra recuperação para a China.

As curvas de saldo comercial, com e sem a China, mostram a ampliação das relações comerciais entre os dois países.

Em relação a abril passado, houve um aumento de US $13 bilhões no saldo comercial. O gráfico abaixo mostra a composição desse aumento do saldo. Desse total, US $6 bilhões foram de responsabilidade da China.

Nos dados acumulados do ano, até outubro, o maior crescimento de vendas foi do minério de ferro e a maior queda de óleos brutos de petróleo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Indicada de Biden para Tesouro pede que Congresso aumente gastos e se preocupe com a dívida depois

1 comentário

  1. O paquiderme esta nas maos da China e nao sabe. Em 2022, pouco antes das eleicoes, basta a China cortar 50% das importacoes do Brasil para nos lancar de volta a idade glacial. China tem o destino do paquiderme e do futuro politico do Brasil na palma das maos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome