Raio-X das exportações brasileiras para os EUA, por Luis Nassif

Dos 10 produtos de maior peso nas exportações brasileiras, a China lidera as compras de 6 - manufatura, soja, ferro, petróleo, celulose e frango. Só não lidera em farelo de soja, semimanufaturados de aço, bovinos e café em grão.

Esta semana veio à tona a queda das exportações brasileiras para os Estados Unidos. De fato, no acumulado de 12 meses, as exportações para os EUA foram de US$ 22.743.907.140. É o menor valor desde agosto de 2016.

A queda não foi apenas em valores absolutos.

Uma comparação com os maiores parceiros comerciais do Brasil mostra que a maior queda de participação  ocorreu com os Estados Unidos. De setembro do ano passado para setembro de 2020, a participação nas exportações brasileiras caiu de 13% para 10,7%, ao mesmo tempo que a China ampliava de 28,4% para 34,1%.

Considere-se que os manufaturados brasileiras ocupam a maior parte da pauta de exportações para os Estados Unidos. E é um setor que tem perdido participação constante na pauta comercial brasileira. Dos 10 itens mais exportados para os Estados Unidos, apenas um deles – motores e transformadores elétricos – registrou alta.

Os indicadores de curto e médio prazo para as exportações não mostram nenhum tipo de vitalidade. As 3 curvas abaixo representam a variação acumulada de 12 meses, de 6 meses e de 3 meses em relação ao mesmo período do ano anterior. Apenas a curva de 3 meses tem uma pequena reação no último mês.

Dado relevante é que os manufaturados representam a maior parte da pauta de exportações para os EUA. Mas, em termos absolutos, as exportações de manufaturados para a China são maiores.

De qualquer modo, dos 10 produtos de maior peso nas exportações brasileiras, a China lidera as compras de 6 – manufatura, soja, ferro, petróleo, celulose e frango. Só não lidera em farelo de soja, semimanufaturados de aço, bovinos e café em grão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A autocrítica da voz mais abalizada do capitalismo, por Luis Nassif

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome