Um estudo reforça as denúncias contra a licitação da Zona Azul, por Luis Nassif

A Estapar venceu a licitação oferecendo R$ 1,3 bilhão. Se o serviço continuasse sob gestão pública, a cidade poderia arrecadar mais de R$ 3 bilhões no mesmo período

Um estudo de um especialista brasileiro, ligado à Universidade de Columbia, confirma as denúncias do GGN sobre a licitação da Zona Azul em São Paulo, vencida pela Estapar – empresa controlada por controladores do Banco BTG Pactual.

João Melhado é economista pelo Insper e Mestre em administração Pública pela Universidade Columbia e foi analista sênior, de projetos das Parcerias Público-Privadas na cidade de São Paulo. O projeto “A Cidade Estacionada – Uma análise sobre a gestão do meio-fio e da Zona Azul em São Paulo” foi apoiado, entre outros, pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Columbia e Fundação Lemann.

O trabalho analisa vários ângulos da licitação.

Valor da outorga

A Estapar venceu a licitação oferecendo R$ 1,3 bilhão. Se o serviço continuasse sob gestão pública, diz ele, a cidade poderia arrecadar mais de R$ 3 bilhões no mesmo período. Bastaria ajustar os preços e montar uma política moderna, inclusive desincentivando o uso do carro privado, conforme têm feito as principais capitais mundiais. Cobrando 80% do preço dos estacionamentos localizados nos diversos bairros, seria possível conseguir esse resultado adicional.

A ideia de um preço único para vagas, independentemente do local e da procura, é irracional. Haveria a necessidade de precificar corretamente os locais, de acordo com a maior procura, e reajustar as tarifas. Não haveria lógica em manter tarifas defasadas, privilegiando o veículo individual.

Há duas formas de precificar as vagas. Uma, pelo horário. O período entre 09:00 e 15:00 representa quase 75% da demanda total.

A segunda forma é a localização do estacionamento. O trabalho levantou os preços de estacionamento privado nas diversas regiões.

“Ter preços flutuantes é a política pública de cidades globais, como São Francisco e Madri, onde a gestão do meio-fio é mais moderna e eficiente. É também exatamente o que se prevê no Plano Municipal de Mobilidade, de 2015”, constata o trabalho. 

Em relação às multas, o município já possui um sistema automatizado, com câmeras acopladas a veículos que capturar imagens de placas de casos estacionados.

No estudo, foram utilizadas as seguintes premissas:

* número de vagas, em torno de 40.500;

* número de horas disponíveis por ano: em torno de 3.400 por vaga;

* variáveis: demanda, respeitabilidade (isto é, percentual dos motoristas que pagam pela vaga). Hoje está em 57%; o cenário é de aumento para 75%, conforme se automatiza a fiscalização;

* preço: trabalhou com tarifas de 60 a 80% do valor cobrado pelos estacionamentos privados em cada região da cidade, com o mínimo definido pela licitação.

Diz o trabalho: Enquanto a tarifa da Zona Azul é de apenas R$ 5,00, a primeira hora em estacionamentos privados custa em média R$ 11,96 – 2,4 vezes a tarifa municipal.

A conclusão é:

A cidade poderia faturar mais de R$ 345 milhões se cobrasse em média R$ 9,20 por hora – equivalente a 80% do valor médio dos estacionamentos privados. Esse cenário considera que a demanda se mantém estável, mas a respeitabilidade aumenta com a fiscalização automatizada. Um aumento de preço desta proporção (84%) possivelmente levaria à queda na demanda. No entanto, mesmo que a demanda caísse 50%, a receita ainda seria superior à R$ 160 milhões (R$60 milhões a mais do que a arrecadação atual). Em 15 anos, isso representa mais do que a Prefeitura espera arrecadar com a concessão, e traria outros efeitos indiretos positivos: menos trânsito, poluição, desigualdade, risco de acidentes etc.

O uso do meio fio

Dado relevante no trabalho é o conceito de bem público. Segundo o Nobel Paul Samuelson, podem ser considerados bens públicos apenas aqueles disponíveis a qualquer pessoa, e o fato de uma pessoa usar não impede outra de fazê-lo.

Enquadram-se aí parques públicos e o meio fio.

Segundo o trabalho, o meio fio é um dos ativos mais relevantes de espaço público. Já o estacionamento na rua significa o uso indevido do meio fio. Somente a Azul Azul, com suas 43.940 vagas, ocupa 500 mil m2. Somando vagas de estacionamento gratuito, são 5 milhões de m2 – mais de três Parques Ibirapueras.

Estudos da Associação Nacional de Agentes de Transportes Urbanos dos EUA identificaram múltiplos usos para o meio fio.

* Faixas para bicicletas e ônibus (incluindo pontos de parada)

* Áreas de entrega e de carga e descarga (que ganham relevância com o aumento do consumo online)

* Zonas de embarque e desembarque de táxis e carros de aplicativos de transporte sob-demanda

* Estações de bicicletas, patinetes e outros meios de micromobilidade compartilhados

* Espaços para food trucks e vendedores de rua (famosos no centro paulistano)

* Espaços de convívio urbano, como os Parklets, as praias urbanas e as academias de rua E, claro, estacionamento para veículos.

Pelo contrato assinado com a Estapar, qualquer mudança que afete as vagas exigirá desapropriação e indenização ao concessionário. Ou seja, deixou-se nas mãos da Estapar o controle privado de um espaço público.

Aliás, a comparação entre tarifas de transporte coletivo e da Zona Azul deixa claro a prioridade dada ao transporte individual, um dos pontos centrais da gestão anti-social das prefeituras.

Como constata o trabalho,

De acordo com a Pesquisa Origem-Destino de 201718, do Metrô paulista, somente cerca de 25% das viagens diárias em São Paulo são feitas usando carro particular. Esse número é menor entre os mais pobres –10%, aproximadamente – e muito maior entre os mais ricos – 55%. Ou seja, o carro é um bem de luxo, e quando a Prefeitura subsidia a Zona Azul (como o faz hoje), ela privilegia a camada mais rica dos paulistanos, aumentando ainda mais a desigualdade.

O uso das bases de dados

Finalmente, chama atenção para o uso que se dará à base de dados de 3,5 milhões de cartões de crédito. Conforme alertamos aqui, o contrato permitirá à Estapar controle  não apenas sobre os veículos. Suas câmeras poderão filmar pessoas nas ruas, analisar a situação do comércio, e inclusive avançar sobre a privacidade das pessoas.

Em cima disso, o conselheiro Maurício Farias, do Tribunal de Contas do Município, sugeriu um conjunto de medidas que permita ao TCM corrigir um pouco do enorme desastre que poderá produzir, ao autorizar a licitação.

Sobre isso falaremos oportunamente.

202010 COMUNICADO GAB-MF – A Cidade Estacionada (1)

Leia também:  Chegando a extremos… é hora de “virar a chave”, por Antonio Carlos Quinto
fa5da1-113ca30aae1942dab9b7a0d5382c1b39

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. “…O Povo dorme enquanto as Privatarias passam…” E o Projeto da Redemocracia desta tal Constituição Cidadã segue a todo vapor. A foto de ontem era de Covas, Lula e Brizola. Mas o problema é atacar Bolsonaro?!! Bolsonaro está governando São Paulo (cidade e estado) há 40 anos? Privatizam o chão que o Brasileiro/Paulista/Paulistano pisa. Privatizam sua Liberdade. Privatizam seu Direito de Ir e Vir. Privatizam seu Direito de usar o Espaço Público. Privatizam seu Ar e sua Água. Privatizam Impostos que já não cabem em extorsiva Carga Tributária que beira 40%. Privatizam sua Cidadania. Qual será a evolução e melhoria da qualidade de vida privatizando e cobrando seu Direito de usar suas Ruas e Logradouros? NENHUM !!! Enquanto isto a fantasia vai acobertando a doutrinação que segue rumo a completar 1 século repaginando em farsante Redemocracia. Pobre país rico. Um pouco mais pobre, tendo que pagar por seu próprio chão. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome