Entre 2012 e 2021, um país mais preto e mais pardo, por Luís Nassif

A população parda representa 45,9% do país, mas 76,8% do Amazonas, 76,2% do Amapá e 74,1% do Pará.

O relatório do IBGE sobre a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio anual, mostra um país que está ficando mais pardo e mais negro.

Os dados de 2021 mostram a seguinte proporção

Em 2012, a proporção era outra.

O Brasil tem 43,4% de brancos na população. Mas os estados do sul têm uma proporção muito maior: 86,3% em Santa Catarina, 83,4% no Rio Grande do Sul e 70,8% no Paraná.

Já a população preta representa 7,4% do Brasil, mas 17.5% da Bahia, 14,4% do Rio de Janeiro e 9,6% do Maranhão.

A população parda representa 45,9% do país, mas 76,8% do Amazonas, 76,2% do Amapá e 74,1% do Pará.

Ou seja, há um Brasil branco no sul, um preto espalhado por várias regiões e um pardo concentrado no norte.

Comparando a população de 2012 com 2021, confere-se que a população branca decresceu 3,2%. O único esado que “embranqueceu” foi Alagoas, cujo percentual de brancos aumentou 4,9%. Em Roraima houve um crescimento insignificante de 0,4%.

Já a população preta registrou crescimento percentual de 1,7%, espalhado por várias regiões, liderado por Rio Grande do Norte(+5,6%), Tocantins (+4,8%) e Bahia (+4,2%).

A população parda também cresceu 1,5% ponto percentual, inclusive no Paraná (aumento de 4,1% na participação) e São Paulo (4,1%).

Luis Nassif

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Rearrumação genética, após 500 anos de invasão, branca celta e mestiça.
    Brasil racialmente rumo à Índia.
    Tomara que não com castas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador