Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato, por Luís Nassif

É curiosa a maneira como porta-vozes midiáticos da Lava Jato justificam a ausência de provas que têm marcado os inquéritos, depois que viram denúncias.

Alegam que crimes financeiros são mais complexos, organizações criminosas são mais estruturadas, por isso mesmo não se pode esperar provas simples, como no caso de um homicídio.

Fantástico! Significa que em outros países as investigações também chegam ao final sem a apresentação de provas substanciais porque, por princípio – segundo eles – crimes complexos não têm soluções racionais, mas apenas convicções?

Justamente por não ser uma investigação trivial, a Lava Jato contou com um conjunto de facilidades inéditas na história das investigações criminais do país.

Contou com o poder de pressionar mais de uma centena de delatores, dispostos a entregar até a mãe por uma redução da pena. Premiou os maiores criminosos com a quase extinção da pena. Contou com ampla colaboração internacional, do Departamento de Justiça dos Estados Unidos aos Ministérios Públicos suíço e espanhol, rastreando contas em paraísos fiscais. Internamente, teve acesso integral aos bancos de dados da Receita Federal, do COAF, dos cartórios, das remessas ao exterior. Ganhou até o poder de torturar psicologicamente suspeitos, afim de pressioná-los a delatar. Provavelmente apenas a luta contra o terror, nos EUA, conseguiu suspender tantas normas constitucionais de direitos individuais.

Nenhum dos álibis da má investigação – má vontade do Judiciário, excesso de recursos – vale para a Lava Jato. Certamente foi a investigação que consumiu mais recursos do Ministério Público Federal e da Polícia Federal e que dispôs de mais poder institucional, mais influência, em relação aos juízes e advogados de defesa.

Leia também:  Ministério Público pede que TCU apure atuação do governo na área ambiental

Depois de todo esse aparato, surge a cândida explicação: a opinião pública cobra provas por ser desinformada e não saber que, em investigações de crimes de colarinho branco, não é fácil levantar provas.

O que a Lava Jato expõe, com a falta de provas, é a supina incompetência tanto dos procuradores quanto dos policiais federais da força tarefa, em trabalhar com eficiência os dados levantados.

Entraram na investigação com viés ideológico, mais preocupados em alimentar a imprensa com declarações de réus confessos, sem a preocupação de conferir as provas, porque para a imprensa só interessa a perfumaria. E havia a preocupação de gerar manchetes diárias, de acordo com a receita formulada em 2005 por Sérgio Moro ao analisar a operação “mãos limpas”.

A preocupação em transformar a Lava Jato na “maior investigação do planeta”  – como a definiu a procuradora deslumbrada de São Paulo – engoliu a capacidade de investigação da turma, que já não deveria ser das mais experientes.

Em vez de concentrar nos casos centrais e formular narrativas condizentes com os dados delatados  e levantados, comportaram-se como repórteres principiantes, primeiro criando a narrativa, depois juntando declarações que coubessem nela, sem a preocupação de checar a consistência dos fatos ou reformular as narrativas à luz dos dados levantados.

Será conhecida, no futuro, como uma operação malcuidada, cujo único objetivo foi contribuir para um golpe de Estado e conferir fama – e os ganhos provenientes dela – aos seus protagonistas. E tudo isso se vangloriando de estar enfrentando as forças mais temíveis da Nação – na verdade, um governo mais indefeso do que freira carmelita em cabaré. Quando finalmente estiveram frente a frente com o poder, dançaram. Estão sendo comidos com pão e farofa.

Leia também:  Mutirão Lula Livre esclarece Fake News da Lava Jato este fim de semana

Nem se culpe a arrogância de procuradores e delegados da Lava Jato, quando se consideraram donos da cocada preta. São apenas funcionários públicos que se deslumbraram da mesma maneira que um anônimo quando contemplado pela loteria.

A culpa é de um país que, em nome de um combate a um partido, aboliu regras jurídicas, respeito à democracia e às instituições.

73 comentários

  1. Análise perfeita.

    Só faço um reparo.

    “E tudo isso se vangloriando de estar enfrentando as forças mais temíveis da Nação…”

    Isso foi para “jogar para a plateia”. Dar discurso à turba.

    “Quando finalmente estiveram frente a frente com o poder, dançaram. Estão sendo comidos com pão e farofa.”

    Eles nunca estiveram frente a frente com o poder, eles sempre estiveram lado a lado com o poder. Eles cometem uma ilegalidade institucionalizada ao receber valores acima do teto constitucional, entre outras cositas mas – grampos ilegais, etc. Logo, são aliados na corrupção (desvio da norma legal).

    A corrupção que eles combatem, lado a lado, é a inclusão dos pobres no orçamento da união.

    Fazem isso porque, quando milhões de brasileiros ficam menos pobres, sua riqueza relativa se reduz. Algo inaceitável, independentemente da distância que os separa. Sua mediocridade e egoismo os cega.

  2. O golpe

    Nesse golpe,  justiça, MPF e PF fazem o papel de proxenetas de escusos interesses nacionais e internacionais (principalmente).

  3. A ilegalidade que virou legalidade

    Estes promotores (na sua maioria) não estão nem nunca estiveram comprometidos com o levantamento de fatos irrefutáveis, bastam as convicções, e o ilegal vira legal (segundo a visão dêles). Estamos presenciando a total subversão de qualquer princípio jurídico, a começar que um suspeito, é inocente até que se prove o contrário. Para eles bastam as convicções que um suspeito vira réu, ai surgem os juízes de última hora e dizem, “não temos provas mas temos convicção”, como esta novela irá terminar, se termina ? Na minha humilde opinião não terminará enquanto não desmontar todo e qualquer estado de direito, e ai meu amigo, voltamos não ao século XIX mas à idade média.

  4. Preguiça de se informar = preguiça de pensar

    “A culpa é de um país no qual, em nome de um combate a um partido, aboliu regras jurídicas, respeito à democracia e às instituições.”

     

    É o tal do “anti”; anticorinthiano, antipetista, anticomunista etc.

    É muito mais fácil ser “anti” alguma coisa, do que propor algo inteligente que seja A FAVOR de algo que seja útil a todos.

  5. inocente não tem

    Não que tenham contribuído para um golpe de Estado.

    Essa turma é o golpe, não entraram nessa de inocentes e gaiatos.

    Essa galera deslumbrada sabe a parte que lhes cabe no desmanche ao Brasil que deu (dava) certo.

    Já foi dito algo parecido aqui, não são homens, são como adolescentes peraltas cientes de que qualquer mal-feito terá a cobertura de seus pais. Sentem-se numa redoma, numa casta acima do cidadão brasileiro comum sujeito aos rigores da lei.

    Lacan diria que faltou a lei.

    Pois é, Lacan, falta-nos a lei.

  6. Um home do povo para a cruz

    Sensacional esta matéria do Nassif. Objetiva, curta e definitiva.

    Percebo apenas que não há necessariamente uma orquestração criminosa consciente na turma de Curitiba (embora acredite que isso é parte de plano com influencia dos EUA), mas o reflexo natural de uma classe contra outra, do preconceito que é aprendido desde criança, nas escolas, nas famílias coxinhas, na GloboNews (está parecendo “Venezuela News”), na BandNews e outras.

    Brasil está dividido e segue dividido, pois não há conceito de nação entre as elites, não há conceito de “together”, mas apenas uma escalada individual para Miami: o “Olimpo coxinha”. Odeiam Lula e o PT por conta dessa educação cívica enviesada que recebem e receberam. A elite se sentirá mais suja e corrupta se o Lula for inocentado. Não é possível inocenta-lo sem gerar uma vitória moral do proletariado e um sentimento de culpa dos coxinhas. Isso deve sentir o próprio Moro ao emitir a sua sentença.

    A elite toda sentirá cair um peso na consciência, pelo que tem feito, pelo que roubou, pelo que traiu, pelo que mentiu, pelo que prejudicou o Brasil e por muitas outras coisas, se o Lula for condenado. A condenação do Lula servirá até de desculpa para marido infiel.

    Por isso, Lula preso é uma declaração de inocência das elites através da exaltação da culpa do outro lado em disputa, assim com Venezuela ou Cuba destruídas ou desprestigiadas é o fim do sonho de fazer uma nação autônoma na América Latina.

    O mal de fundo neste país são as suas elites e ele começa numa simples e despretensiosa viagem a Disney, na primeira conversa com alguém do andar de cima, na inveja que nasce ao ver um coleguinha com camisa de grife ou tênis novo, nos programas de TV, nas conversas banais em rodadas de uísque num clube chique de São Paulo, ou ao ganhar um concurso para “Deus” no serviço público.

    O julgamento do Lula é tudo isso, uma falsa lavada de consciência da elite corrupta ao entregar um homem do povo para a cruz.

    • Faço minhas cada palavras

      Faço minhas cada palavras sua. Mas eu tenho fé e creio que esse galera da direita ainda engolirá o Lula inocente, memo que seja na marra !!!!

    • Alexis, desculpe-me,

      Alexis, desculpe-me, considero que anotações sobre erros de digitação, sintaxe, concordância e outros são impertinentes e desnecessários, a não ser que levem a um entendimento contrário à idéia que se quer dar. Isto posto, não seria “A Elite toda sentirá sair um peso da consciência..” em vez de  “…cair um peso na consciência…? E posso subscrever junto o  seu escrito ?

    • Concordo!!! A esposa do

      Concordo!!! A esposa do Eduardo Cunha, inocentada pelo juiz de primeira instância vs Marisa esposa do Lula: questão de identificação de classe. São primários e incultos. E preversos. Ótima análise. Os chamo de “geração disneilândia”. Quando jovens iamos para MachuPichu no trem da morte, viajar para o Nordeste de barco no Rio São Francisco, dormindo em redes, acampar pelos matos, ir para Marakech, “viajando de navio, descascando batata no porão”…

    • Amanhã…

      Parabéns, isso exatamente explica o ‘phenômeno da não preocupação’ dessa gente com o que andam escancaradamente fazendo para atingirem o objetivo extase, em relação a história.

      Olhar para os processos contra Lula, é como olhar as históricas fotos de Elizabeth Eckford, caminhando em direção a escola, na manhã de 04 de setembro de 1957 em Little Rock, Arkansas, e não chocar-se com o tamanho da anomalia cidadã nelas presente e explicitamente não presente à percepção dos anoma-los ali retratados e revelados. 

      Hoje, informa JNS, em seu post no GGN de 22/11/12 e no qual as fotos podem ser vistas, ‘Little Rock Central High School abriga um museu que registra os eventos racistas e ratifica a sua política contra a discriminação.’

      Amanhã, no Brasil… espera-se que junto não fiquem impunes os “neo-torturadores jurídicos-midiáticos”, tal qual feito com os torturadores da ditadura de 64.

      •  Seus comentarios não são de

         Seus comentarios não são de todo inaproveitaveis,mas muito longe de atender as agruras do solo consolidado patrio.

        “Tenho sessenta anos/De sonho e de sangue/E de America do Sul/Por força desse destino/Um tango argentino/Me vai bem melhor que um blues”.Veja quanta falta nos faz um Belchior.A mim e a você.

         

        • Por imperioso dever de

          Por imperioso dever de justiça,devo informar que o comentario acima foi postado em local indevido.Ele deveria estar abaixo do comentario do cadastrado Fr@ncisco,02/08/2017,às 12;15,fã ardoroso de Zé Cardozo,que estavam tão à toa na vida que não viram a banda passar cantando coisas de amor.Devia abdicar do direito,e tocar pandeiro.Não ganha uma.Nem para Torquato Jardim.

  7. O modelo desses fdps é a

    O modelo desses fdps é a operação Mãos Limpas da Itália. Com muita sorte, o futuro do Brasil será o de ser a Itália hoje, um país que teve sua elite política destruída, deixou espaço prum bufão como Berluscone (mistura de Silvio Santos e João Dória), que saiu deixando um país desmoralizado e quebrado e que a maior contribuição foi introduzir a palavra bunga-bunga (rs).

    Enfim, a Itália hoje é vista pelas potências europeias como um cordão sanitário pra evitar que os imigrantes desesperados entrem na Europa – ou seja, o mesmo que faz a Grécia. Que ironia da história = as duas regiões onde nasceu o ocidente – Grécia e Itália(Roma) – são quase extras no teatro político atual.

    Mas lembrando = o Brasil virar uma imensa Itália ainda será lucro, mostrará que deus é brasileiro (rs). 

     

     

  8. Estamos na encruzilhada ou num beco sem saída?
    Matrix e a Pós -Verdade
    Adjetivo diz respeito a circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos importância do que crenças pessoais

    A palavra é usada por quem avalia que a verdade está perdendo importância no debate político. Por exemplo: o boato amplamente divulgado de que o Papa Francisco apoiava a candidatura de Donald Trump não vale menos do que as fontes confiáveis que negaram esta história.

    É um caso típico de aplicação da teoria da “cognição preguiçosa”, criada pelo psicólogo e prêmio Nobel Daniel Kahneman, para quem as pessoas tendem a ignorar fatos, dados e eventos que obriguem o cérebro a um esforço adicional.

    A pós – verdade é aquela na qual o debate se enquadra em apelos emocionais, desconectando-se dos detalhes da verdade pura, e pela reiterada afirmação de pontos de discussão nos quais as réplicas fáticas -os fatos- são ignoradas. A pós-verdade difere da tradicional disputa e falsificação da verdade, dando-lhe uma importância “secundária”. Se resume como a ideia em que “algo que aparente ser verdade é mais importante que a própria verdade”.

    Diante das dificuldades crescentes para materializar a verdade por conta da avalanche informativa, especialmente na politica e na econômica, criaram-se as pós verdades, ou factoides (no jargão brasileiro), onde a repetição e a insistência passam a ocupar o espaço das evidências.

    Os meios de comunicação, principalmente a imprensa, ganharam um papel protagônico no fenômeno da pós-verdade porque a circulação de mensagens passou a ser o principal mecanismo de produção de novos conhecimentos numa economia digital movida a inovação permanente. A relevância conquistada pelos meios de comunicação os transformou em agentes fundamentais no processo que prioriza uma forma de descrever a realidade. Quando a imprensa norte-americana endossou a tese da existência de armas de destruição maciça no Iraque de Saddam Hussein, ela deixou de lado a verificação dos fatos e foi decisiva na transformação de uma possibilidade em certeza acima de suspeitas.

    Por outro lado, plataformas como Facebook, Twitter e Whatsapp favorecem a replicação de boatos e mentiras.

    http://assisprocura.blogspot.com.br/2017/01/matrix-e-pos-verdade.html?m=0

  9. Desestrutura institucional e
    Desestrutura institucional e a ditadura do judiciário

    Bom ver setores da sociedade, principalmente jornalistas, que ousam demonstrar e peitar o desordenamento institucional. Nassif tem demonstrado detalhadamente a falência do modelo de democracia no solo brasileiro.

    O texto expõe a supremacia de entidades, públicas, como o Ministério Público e Poder Judiciário, e privadas, como a Rede Globo, sobre o poder da população.

    Não é por acaso que todas as Constituições de democracias define que

    “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”

    Não existe nos estudos acadêmicos, nem na constatação da história, sociedades que possam vivenciar um mínimo de democracia com os poderes supremos fora do exercício direto das populações ou pela delegação do poder para representantes eleitos pelo voto direto.

    O movimento no tabuleiro de Xadrez para a derrubada da representação popular do mandatário maior já prenunciava a desorganização da democracia brasileira.

    Se uma entidade privada como a Globo já demonstrava um poder além de uma influência de opinião, ficava claro que as rédeas do país estariam fora do poder do povo; poder do povo é a condição que define um País no regime democrático.

    Essa desorganização da democracia ocorre pelo exercício diário, e massificado, da imprensa em denegrir a imagem da política ao ponto de formar um sentimento na população de que todo o político é corrupto, e, ainda além disto, de que todo o mal advém dos políticos.

    A cultura formada pelo bombardeio diário negativo contra a representação popular destruiu o poder presidencial e adestrou para dominar o outro setor de poder por delegação da população, que é o legislativo.

    Ora, destruindo os poderes da população, que o exerce através dos seus representantes eleitos, cria – se o chamado vácuo de poder.

    É pelo vácuo de poder dos representantes que o poder cai nas mãos alheias à população e desemboca em todos os regimes ilegais, descontrolados e violentos contra a própria população.

    As vezes essas violências são demonstradas de logo, ou atingem apenas a alguns segmentos da população, mas, a história demonstra, termina por ser perceptível e atingir a amplos setores da sociedade.

    Assim, se formam todas as ditaduras.

    Ou seja, fora do princípio de que “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”, como está estabelecido logo no início da nossa constituição, estaremos fora do que se definiu como democracia.

    É aí que se encontra a desorientação filosófica jurídica do Ministro Roberto Barroso ao pretender justificar a extrapolação de poder do juiz Moro.

    O Ministro Barroso parece ter se esquecido do mais elementar proferido em suas aulas de que o poder emana do povo através de seus representantes eleitos(…) , e a importância do ” check and balances ” como sustentáculos ” sine qua non ” das sociedades democráticas.

    O Ministro Barroso em suas posições mais recentes contribuiu para enfraquecer o sistema de equilíbrio (pesos e contrapesos) , colaborou para a criminalização da política, e endossou o “estado leviatã” contra o estado garantista, pontos cruciais a todos os que ouviram as suas aulas de outrora.

    http://assisprocura.blogspot.com.br/2016/11/desestrutura-institucional.html?m=0

  10. sem palavras  ..mas falando

    sem palavras  ..mas falando tudo (ou quase)

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  11. Escolas americanas de
    Escolas americanas de doutrinação e a formação das novas ditaduras no continente.

    O modelo meritocrático e elitista engabela os nobres jovens que partem para a matriz, ops!, para o berço do conhecimento, ops!,acreditando que por lá avançarão em seus conhecimentos.

    Como já estão treinados desde o berço para seguir em linha reta que é o trajeto mais rápido e prático para se alcançar os objetivos traçados pelo modelo, vestem a indumentária e se acomodam no papel de títeres.

    Esse modelo, que não admite dissidência de pensamento, coopta facilmente os nossos “brilhantes” jovens e os torna, eficazmente mascarados pelo brilho, sabujos dos interesses dos refletores da madrasta hollywoodiana.

    O que se pretende ensinar nessas extensões de aprendizado não são apenas técnicas científicas que poderiam vir em compêndios.

    A função principal é a doutrinação.

    Tal como feito na economia pela escola de Chicago, nas Forças Armadas pela Escola das Américas, os atuais “instruídos” estão na área de Direito. Trata-se do novo modelo de propaganda e dominância.
    Portanto, é doutrinação, é ideológico, e por isso mesmo pode-se denominar parte da geopolítica soft de domínio de mente e submissão de ideias.

    Estes cursos atuais não são atualizações meramente acadêmicas, orientados por universidades. São patrocinados pelo governo dos EUA e por corporações privadas com altos interesses nas riquezas dos países de origem dos aprendizes.

    O objetivo é claro, mesmo que em segundo plano, que é a de exercer o comando direto com orientação “full time”, ou indireto através da cooptação doutrinária e ideológica determinante de um modelo.

    Não é à toa que as ações da Força Tarefa burlou a normatização pátria utilizada nas demandas judiciais. Também, misteriosamente, não encontrou um agente estrangeiro nas extensas investigações, enquanto todas as grandes empresas brasileiras caíram na malha. Não foi em vão a descoberta que o governo americano fazia escutas telefônicas ilegais ao governo brasileiro, à Dilma, e na Petrobrás.

    Para que sejam alcançados objetivos de dominância, controle e exploração, derrubam-se Presidentes, se assim for necessário. É o que eu chamo de justiciamento da política em países rebeldes ao modelo traçado.

    Por isso podem também ser entendidos como ações de conspiração no sentido de “Maquinação; ação de construir um plano que prejudica alguém, geralmente um governante ou uma pessoa poderosa: conspiração contra a presidente.

    Conluio; ação de quem busca prejudicar alguém, com a ajuda de uma outra pessoa.”, como definido pelo Dicionário Online de Português.

    http://assisprocura.blogspot.com.br/2016/07/escolas-americanas-e-doutrinacao.html?m=0

  12. Nada pior em uma sociedade
    Nada pior em uma sociedade que uma justiça “salvadora da pátria”; uma justiça justiceira – perseguidora e carrasca.

    E é a própria sociedade, no desespero de uma cultura do medo, induzida intencionalmente, que escolhe esta justiça mastodonte na ânsia de nela encontrar a segurança.

    Reles engano.

    Em nenhuma sociedade conhecida, o estamento do judiciário como regulador maior da sociedade funcionou.

    Uma sociedade não se equilibra por imposição repressiva, nem pela liderança fascista.

    A propósito, uma das origens do termo fascista vem da palavra “fasces”. De acordo com o Dicionário Informal, “ fasces, nos tempos do Império Romano era um símbolo dos magistrados: um machado cujo cabo era rodeado de varas, simbolizando o poder do Estado e a unidade do povo. Os fascistas italianos também ficaram conhecidos pela expressão camisas negras, em virtude do uniforme que utilizavam.”

    Estranhas coincidências.

  13. Depois que o ‘grande jurista’

    Depois que o ‘grande jurista’ joaquim barbosa aboliu a necessidade de prova para a condenação no processo penal foi aberta a porteira para a entrada da ideologia no judiciário brasileiro.

    Hoje, qualquer cidadão que cause incomodo à globo e à casa grande em conluio com um juizinho qualquer afeito aos holofotes da mídia pode ser denunciado e condenado sem ter cometido nenhum crime.

    moro é a versão 2.0 desse câncer que se apodera do judiciário dia-a-dia: o uso do processo penal para fins políticos, pode parecer prático e eficiente mas a conta será cobrado no futuro quando o judiciário cair em completo descrédito. 

  14. Complexidade e sutileza da pornochanchada nacional

    Como são “complexos” os crimes financeiros brasileiros: Cunha vendia carne pra África, Aecio tinha 3 contas em paraísos fiscais, Serra com 23 milhões na Suíça. Realmente é pura complexidade… enganam todo mundo. 

    É tanta sutileza que Aecio falava abertamente em matar o primo se ele delatasse. Construiu logo 2 aeroportos em suas terras… 

    Os crimes são tão difíceis de desvendar que a Polícia Federal não percebeu tentativa de estancar a Lava-Jato quando Juca falava em “estancar a LavaJato”. É muito complexo para o entendimento comum. 

    É a sutileza de 500kg de cocaína, a sutileza de ministros do STF servindo de advogados de políticos. 

    Os crimes são realmente muito complexos… o cidadão comum pode ser levado a acreditar que os verdadeiros criminosos tinham offshores ou contas recheadas… nada disso ingênuos! Os criminosos de verdade são os que recebem reforma em triplex que nem era dele, anos depois… lógico! 

    É o Brasil na vanguarda, lançando tendências que em breve serão copiadas pelo mundo. 

    • Complexidade e sutileza da pornochanchada nacional

      Concordo Rei. O óbvio passa despercebido, o inverossímel é aceito como verdade absoluta. Os ignorantes com diploma universitário (estudo não é sinal de cultura propriamente, nem de visão política) repetem as mentiras da Veja e Globo com jactância, pois dá um status de falsa inteligência. E vemos um país destroçado economicamente como castigo aos anos de pujança que não interessavam ao grande senhor do norte. Com uma sociedade cada vez mais primitiva, arcaica, preconceituosa e violenta, baseada no individualismo que se consagra como a  grande ferramenta de imposição do capitalismo. Me sinto como aquele menino da fábula “a roupa nova do rei”. O rei (o Brasil) está completamente pelado, por mais que Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi, William Boner e companhia digam que o guarda roupa está melhorando.

  15. Nao sei porque motivos Nassif
    Nao sei porque motivos Nassif omitiu.Entao,falemos de flores,e de a Cesar o que e de Cesar.O maior responsavel por detonar essa finada Operacao Lava a Jato,por cima dos panos,foi o Ministro da Justica,Torquato Jardim,de atuacao bem diferente do Ze Cardoso,uma infelicidade,segundo Papai.

    • Um Piano ao Cair da Tarde, Coisas do Brasil

      Infelicidade sim, mas não podes negar, como seu papai, que um piano ao cair da tarde, Jardim não toca como Zé Cardozo.

      Coisas do Brasil.  

      • Não toca?Você que pensa.E

        Não toca?Você que pensa.E nós’outros,inclusive você,não estariamos passando por essa meleira toda,se Zé Cardozo soubesse “afinar” instrumentos como o Papai.Tocar,aí tu já está querendo demais.Coisas do sertão da Bahia.

        • Por mais que vocês se

          Por mais que vocês se escondem,mais eu boto a cara na tela.Explico:Dentro da minha intelectualidade,saber como poucos dos mais importantes fatos da politica nacional e internacional e minha intimidade impar com a arte de escrever,solto meus misseis com endereço certo.Geralmente aparece um engraçadinho,sempre movido por uma especie de coceira na testa,e me provoca.A manada vem  com tanta sede ao pote,que o firmamento fica pequeno para tantas estrelas.Devolvo as amabilidades na maior categoria.Moral da historia:Quanto mais vocês somem,mais eu apareço.

  16. Dias desses estava pensando

    Dias desses estava pensando sobre a lava jato, juizes e procuradores.

    Cheguei a seguinte conclusão: no serviço público em geral sempre exixtiu e sempre existirá servidores desse estilo, bem preparados tecnicamente, voluntariosos, se achando a última bolacha do pacote e imaginando que vão mudar o País, quiçá o mundo, com suas atitudes. A grande maioria totalmente sem noção do todo e do seu papel e lugar.

    O que tem de ser feito para enquadrá-los ? O próprio sistema tem de fazer isso.

    Imagine se for uma empresa privada. Um gerente, um supervisor, ou um diretor que seja comece a fazer gracinhas, e tomando atitudes que não sejam prioritárias à empresa, o que acontece ? Cortam a cabeça  dele rapidinho.

    Em um País, os interesses são mais difusos, é verdade, porém, também deve haver mecanismos de enquadramento.

    Se for um fiscal da receito, cabe à chefia.

    Se for um PF, á chefia e ao Min. da Justiça.

    Se for um juiz, cabe aos tribunais superiores, ao STF e ao CNJ.

    Se for um procurador, cabe ao PGR e ao CNMP.

    E claro, em todos os casos cabe ao Presidente da República atuar, política, tecnicamente, seja as claras, seja nos bastidores, via AGU, via MJ, ABIN, etc, etc, etc.

    Ou seja, quem errou foi o SISTEMA que não conseguiu frear esses deslumbrados e sem noção que estão ainda a destruir o País em sua cruzada louca.

    Nâo adianta colocar a culpa em figuras toscas e menores.

    Se o SISTEMA não se reformar, se não consegur se contrapor a estes abusos, o País poderá vir a passar por isso novamente.

     

     

    • Sistema

      Dentro do sistema somos outros.

      Ou seguimos a corrente ou somos triturados.

      Entre os utilizados e os  utilitaristas só resta ao  agente, servidor ou servido  a ética e a consciência.

      Se o utilitárista  também  aceder a ambas  –  a ética e a  consciência, o servidor, ainda que utilizado,  servirá no bom caminho.

    • Eu discordo de você.
      O

      Eu discordo de você.

      O sistema funciona como um relógio suíco tamanha a precisão.

      O problema em questão é que tal “sistema” possui objetivos muito pouco repúblicano ou grandiozo.

      Para vermos que tal sistema funciona bem:

      – Protógenes Queirós foi praticamente caçado como bicho após botar as mãos em banqueiro, mesmo praticando algo bem semelhante ao que fazem seus ex-colegas da Lava Jato.

      – O que aconteceu com as celebridades da PF que faziam parte desta organização para-institucional chamada Lava Jato depois que o PT rodou?

      – Que destino teve aquele policial civil mineiro que vivia denunciando Aécio Neves nas redes socias e no Youtube?

      – Qual o cálvario enfrenta aquela juíza que liberou presos que estavam em prisão por um período maior que a preisão de pena deles?

      O sistema funciona muito bem, o problema não é funcional, e sim direcional.

  17. Paralelo 1…..

     

    Digamos que se Moro e Dallagnol fossem medicos, o primeiro teria conseguido um alto cargo no ministerio da saude com um ano de formado…….

    Moro começou a estudar Direito na Universidade Estadual de Maringá.Durante seus estudos, estagiou em um escritório de advocacia por dois anos.Em 1995, terminou sua graduação em Direito.
    Em 1996, começou a lecionar na Universidade Federal do Paraná.No mesmo ano, tornou-se juiz federal e iniciou carreira no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.E

    E o segundo,algo como diretor de um grande Hospital com dois anos de formado……

    Deltan Dallagnol é filho do procurador de justiça Agenor Dallagnol. Protestante da igreja Batista,é formado em direito pela Universidade Federal do Paraná (2001)e mestre em direito por Harvard.
    É procurador do MPF desde 2003.

    Eu acho assim fica clara a falta de nivel e de experiência dos “lideres” da lavajato……Sairam da casa do papai diretamente e sem escalas, para postos de prestigio e responsabilidade…..sem ter a minima ideia de coisa nenhuma…….E são esses apaniguados que vão resolver a corrupção no Brasil…..nasceram e cresceram tomando leite de “elite” reforçado com “benesses de casta”……

    PS:”palavras são palavras, nada mais que palavras” ou A “meritocracia”……………

    Levei um tempo, mas entendi qual é a “meritocracia” que a elite nativa defende…….

    Não é a meritocracia do capitalismo/liberalismo ,a ideia suprema do self made man,como eles querem fazer crer aos incautos…., mas uma meritocracia que eu chamaria de “monarquica”, algo baseado na vontade divina……. que passa de pai para filho e com o unico objetivo de defender privilegios de casta…..e essa “meritocracia” que eles defendem……….

  18. São tantas as “coincidências”

    São tantas as “coincidências” que será difícil acreditar em coincidências.

    Vai anotando Nassif, para não esquecer de nenhuma.

    Eu já perdi a conta de quantas vezes a dobradinha MORO/MÍDIA criou notícias sobre o Lula para desviar a atenção sobre o governo Temer/Aécio/Cunha.

    Teoria da Comunicação em Massa ou Teoria da Conspiração ?

    Acho que nem sei mais o que esperar do Brasil. Minha única esperança é que tudo isso fique bem registrado, para ser compreendido pelas próximas gerações. Se tudo isso servir de aprendizado, ainda assim, valerá a pena. 

     

     

  19. Que se pode falar desta falange judiciária?

    Que agem fora das leis, respaldados por cargos públicos. Que são causa de vergonha nacional. Que praticam crimes. Que destroem a economia brasileira. Que são os inescrupulosos mais bem pagos do planeta. Que atentam contra os mais desprotegidos, Robim Hood s despirocados? Que destroem os melhores empregos brasileiros. Que moro é a renecarnação  de Torquemada.

    Chegamos ao estágio civilizatório da idade média, graças a groubo

  20. Canalhas

    “A culpa é de um país no qual, em nome de um combate a um partido, aboliu regras jurídicas, respeito à democracia e às instituições.”

     

    Sem essa grade mídia ACANALHADA que temos em nosso país, nada disso teria acontecido.

  21. Vamos tentar ampliar o debate.

    Nassif, creio que a cada dia fica mais escanrada a pós-verdade da Lavajato e sua ligação com um projeto destruidor mais amplo. Nesse sentido, as análises de um tal de Romulus são essenciais.

    Ainda ontem, li sobre um convite oferecido ao filho do B. Fausto (IFHC) por um ”instituto” sediado nos EUA para uma tal mesa redonda com objetivo de discutir a América Latina. Isso em pleno governo Lula.

    Ou seja, a constante infiltração dos EUA na A.L por meio de militares, empresas, jornalistas, políticos e agora o judiciário.

    A Lavajato, assim como o golpe de 1964, vai demorar a ser entendida como o que relamente é: uma operação externa (EUA) contra a possibilidade de surgimento de uma potência menos dependente, menos rentista – ou voltadas a estes.

    Num ponto a Lavajato é diferente da ditadura: hoje sabemos com mais rapidez das ligações de Moro com o Dpartamento de Justiça dos EUA e agentes de informação americanos. No caso da ditadura, esperamos anos para termos certeza, pois as informações não nos chegavam como atualmente.

    Assim, desde cedo, percebemos a seletividade da operação e seu objetivo: apoiar um golpe contra um partido que ousou um projeto de país – alvo de toda operação – dentro de um sistema político completamente viciado. Bataram algumas operações para confirmar que o inimigo interno seria reanimado e apresentado como responsável por todo nosso mal. E, como tal, deveria ser combatibo a qualquer custo (MAS, preservando aqueles que não vem ao caso). No fundo, nunca passou de cortina de fumaça. Mas teleguiados, assistimos a mais uma marcha pelas viúvas.

    Janot, Moro, Dalangnol e etc sairão como os milicos após cumprir o seu papel. E renascerão em novos herois da pátria quando o Brasil ousar a levantar a cabeça diante do nosso ‘irmão’ que não tolera nos ver caminhado longe de sua guia.

  22. Hoje teremos uma verdadeira

    Hoje teremos uma verdadeira lição de cidadania:

     

    veremos o mesmo congresso e suas figuras atrozes, que cassaram uma presidente eleita, tentar salvar o ilegótimo, primeiro presidente-golpista a ser denunciado no cargo. Didático……

  23. Tudo voltando ao normal

    Tudo voltando ao normal após a lava jato

    Os corruptos da era FHC e Sarney voltaram ao poder e as elites políticas e judiciária pilhando o país de forma descarada, voltando com a força da privatização pra entregar nossas riquezas a quem der menos

    Até a imprensa côcô (globo) afirma em pesquisa que metade dos brasileiros não acreditam na lava jato, só quem acredita nela são os ricos no país

    Os brasileiros já sabem que a juztissa nesse país não funciona, foi usada de maneira mal elaborada pra retirar um partido do poder e entregá-lo a outro que tem sede do poder

    A impunidade dos grandes políticos (Sarney, Jáder, Renan, Aécio, etc…) 

    A caça à empresas envolvidas na corrupção sem a garantia de punição adequada e preservação dos empregos

    Ministros do STF trocando ligações e reuniões com políticos e soltando gente que o MP quer que prenda e que todo mundo sabe que rouba, e ainda faz elogios à pessoa, contribuindo para a impunidade

    São tantas atrocidades cometidas pela lava jato que dará trabalho por décadas aos historiadores, filósofos, sociólogos e economistas que terão de explicar toda essa marmota às gerações futuras

    Mas o que me envergonhou mesmo foi a burrice da nossa classe média, esse zumbis globais que saíram às ruas seguindo o MBL, que discutem em mesa de jantar dizendo que tem de prender o Lula mesmo sem provas, que não admitem terem sido usados pelos canalhas pra dar um golpe no poder, que têm de vender o almoço pra comprar a Veja e agora colhem o que plantaram

    E o mais absurdo de tudo é o judiciário dando aumento a si mesmo  em detrimento de milhões de desempregados e da crise no país, com isso acabaram de fundar a República Judiciária do Brasil, um país à parte do Brasil real, o Brasil do conto de fadas e da galhofa com os negros, mulheres, crianças e adolescentes que aguardam a Justiça ser feita no Brasil, porque justiça nesse país é como diz o Zé de Abreu: só vale pra Preto, Puta, Pobre e Petista

     

     

     

    https://www.brasil247.com/pt/247/poder/304051/Marco-Aur%C3%A9lio-diz-que-A%C3%A9cio-tem-%E2%80%9Ccarreira-pol%C3%ADtica-elogi%C3%A1vel%E2%80%9D.htm

    https://oglobo.globo.com/brasil/51-nao-acreditam-que-corrupcao-diminui-apos-lava-jato-diz-datafolha-21292748

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/video-no-jo-dallagnol-pergunta-a-plateia-quem-acha-que-a-lava-jato-vai-mudar-o-pais-e-tem-resposta-inesperada/

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/procurador-admite-que-lava-jato-foi-usada-para-derrubar-dilma/

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/02/1861440-um-a-cada-tres-presos-no-brasil-aguarda-julgamento-mostra-relatorio.shtml

    https://twitter.com/zehdeabreu/status/778948568317067264

  24. Claro que está tudo muito

    Claro que está tudo muito certo: não existem provas contundentes contra muitos dos acusados, mais ainda, digo, contra José Dirceu e o ex-Presidente Lula. Agora, a meu ver não é por incompetência que acontece, mas certeza de impunidade dos procuradores e outros golpistas no campo da Justiça, que surfam com o apoio da mídia, nas ondas de combate à corrupção, ao crime de colarinho branco, que soa como música para seus apoiadores, não importam os meios de que se utilizem para atingir os desafetos políticos. É isso mesmo: o golpe de estado contra Dilma Rousseff para afastá-la, o PT e aliados do poder, já que não foi possível esse intento, através de eleições limpas e dentro das regras democráticas, ainda em evolução, foi deflagrado com os golpistas atuando em núcleos. Há o Núcleo dos Golpista Procuradores, o Núcleo Golpista da Justiça (Supremo Tribunal Federal à frente), o Núcleo dos Golpista da Segurança e Inteligência (na sombra, como se estivessem mortos), além de outros núcleos menores quer atuam desde 2006, quando fizeram um arremedo de ensaio de golpe contra o então Presidente Lula, passando a agir mais coesos e organizados no chamado Mensalão, estando agora no auge, na vigência da Lava a Jato. Claro, tudo com apoio da golpista de sempre, a maioria das empresas de mídia atuando no país, porque aliada e defensora do domínio de nossa economia pelo capital multinacional e seus aliados no Brasil, que jamais aturaram as ações políticas e econômicas dos petistas e seus Presidentes.

  25. Lava Jato: a maior empulhação de todos os tempos

    O medíocre Torquemada da Rede Globo é a grosseira personificação da “Justiça” da Casa Grande. A Lava Jato, com os seus vazamentos seletivos, grampos ilegais, conduções coercitivas ilegais, prisões preventivas a rodo, delações premiadas à la carte, condenações sem prova e destruição da economia nacional, é a mais fina flor da  empulhação já praticada em solo brasileiro. No futuro, quando o Brasil for uma democracia, a História fará jus aos Silvérios do Reis togados que impuseram essa empulhação ao país.

  26. Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato

    -> Provavelmente apenas a luta contra o terror, nos EUA, conseguiu suspender tantas normas constitucionais de direitos individuais.

    -> O que a Lava Jato expõe, com a falta de provas, é a supina incompetência tanto dos procuradores quanto dos policiais federais da força tarefa, em trabalhar com eficiência os dados levantados.

    -> Será conhecida, no futuro, como uma operação malcuidada, cujo único objetivo foi contribuir para um golpe de Estado

    -> Quando finalmente estiveram frente a frente com o poder, dançaram. Estão sendo comidos com pão e farofa.

    -> A culpa é de um país que, em nome de um combate a um partido, aboliu regras jurídicas, respeito à democracia e às instituições.

    “Tendo ou não Berlusconi alguma responsabilidade criminal, não deixa de ser um paradoxo que ele tenha atingido tal posição na Itália mesmo após a operação mani pulite.”

    “Além disso, a ação judicial não pode substituir a democracia no combate à corrupção.”

    Considerações sobre a operação Mani Pulite, Sérgio Moro, 2004

    a única prova produzida pela Lava Jato & Associados foi confirmar, com imensa riqueza de elementos reconheça-se, que o Judiciário brasileiro está podre e é o prioritário problema a ser enfrentado.

    como se não bastasse, os caras agora se auto concedem reajuste salarial de 16% (MPF), num quadro de avassaladora perda de direitos para a população em geral.

    se a Lava Jato & Associados é venal, seletiva, classista, corporativa e partidarizada, como a maior parte do Judiciário brasileiro, aquilo que ela investiga e as revelações que surgem de fato aconteceram, e prosseguem acontecendo.

    mais uma vez os fatos tristemente comprovam: quando a Esquerda abafou a Satiagraha, celebrando então mais uma Pacto à la Brasil, abriu o caminho para que a Direita operasse a Lava Jato.

    agora para “estancar a sangria”, o país e a população pagam o pato com seu sangue.

    .

    • A esquerda aprendeu com seus erros?

      Sim, a Esquerda no poder foi inocente, incompetente, fez acordos demais, confiou demais em inimigos da direita. Ter tido a Globo na mão, à beira da falência e ter salvado ela acreditando que a cooptaria foi de uam imbecilidade a toda prova.

      A dúvida é: Um dia, nem que leve 50 anos, a esquerda vai voltar ao poder federal. talvez mais rápido, pois o empobrecimento e injustiça social devem disparar tanto que em poucos anos a direita será odiada.

      Quandoa  esquerda voltar ao poder, será mais malandra e esperta? Criará e bombará um sitema de mídia estatal? Acabará de exterminar empresas inimigas declaradas? Sei lá…

      • Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato

        -> A esquerda aprendeu com seus erros?

        a maioria não aprendeu. se tivessem aprendido não teriam repetido 1964. o mesmo cenário, os mesmo equívocos. a mesma dificuldade com a autocrítica. espero que agora não se repita 1968…

        -> Quandoa  esquerda voltar ao poder, será mais malandra e esperta?

        as tarefas que se impõe são imensas. o que precisamos é de um outro jeito de viver. uma mudança radical de paradigmas. o que vai acontecer de um jeito ou de outro. tanto pelo lado da economia global quanto pelo agravamento da crise climática e mesmo pela guerra.

        .

         

    •   Geralmente discordo de seus

        Geralmente discordo de seus comentários, muitas vezes em silêncio.

        Dessa vez não, e expresso minha concordância: o começo do fim foi a amarelada de Lula na Satiagraha. O atual jogo teve início quando, ao ser chamado “às falas” pelo imundo Gilmar Mendes, Lula respondeu exilando o chefe da PF Paulo Lacerda para ser adido em Portugal.

      • Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato

        ->   Geralmente discordo de seus comentários, muitas vezes em silêncio.

        críticas sempre são desagradáveis. nenhuma de minhas críticas vem desacompanhadas de dados e fatos. não me agrada nem um pouco ser desagradável. mas me agrada menos ainda viver esta situação em que estamos, enquanto poderia ter sido muito diferente. este filme de horror não foi obra de amadores, foi sendo elaborado desde uma redemocratização inacabada.

        não se trata também de ser contra a conciliação. quem é contra qualquer pacto é a cleptocracia (são aves de rapina) brasileira.

        abraços.

        vídeo: às falas

        [video: https://www.youtube.com/watch?v=HJGqMu4L6gM%5D

        .

    • Fatos & Razões

      Quem abafou a Satiagraha foi o judiciário, tendo no vocal o Toga Falante, atendendo a reclamos de parcela política e empresarial da direita.

      Quem cuidou de ‘estancar a sangria’, em estágio final, foram os golpistas incidentalmente atingidos pelo chifriboi Odebrecht, não a ‘esquerda’.

      André acerta-se com contumaz antipetista, errando, mas acerta, solo, na veia e com absoluta razão, quanto a trágica solução dada ao ‘grampo sem áudio’ do Toga Falante (olha ele aí de novo).   

    • Satiagraha foi o começo da PF midiática

      Fala sério! Um delegado da PF chamar o César Tralli para gravar um flagrante de suborno em ação controlada? Logo a Globo, que ligava para o Gilmar Mendes perguntando se tinha manchete? É pedir para anular a operação.

      Protógenes pode ter tido lá suas boas intenções, mas foi o antecessor na PF dos atuais delegados midiáticos e vazadores da lava jato.

      O procurador da Satiagraha era Rodrigo de Grandis que depois engavetou “em pasta errada” pedido de informações da Alstom, o que favoreceu tucanos.

      E depois do que eu vi na lava jato, se Daniel Dantas ficasse preso até delatar, advinhe quem ele seria “convencido” a deletar para a delação ser aceita? Com esse judiciário que está aí nunca teve como o PT se impor. E não me venha dizer das nomeações para o Supremo, porque presidente precisa combinar primeiro com o Senado para depois indicar alguém.

      Os erros politicos do PT foram outros: não promover nenhum plesbiscito, o principal. Outra coisa não sei se foi erro. Lula não ter usado sua alta popularidade em 2010 para construir uma maioria progressista no Congresso, rompendo com parte do PMDB se necessário. Mas por outro lado é preciso olhar a conjuntura da época. Neste caso o PMDB iria para a candidatura de Serra e infernizaria o fim do governo Lula em 2010, quando o Brasil saía da crise econômica de 2008/2009 com louvor. Era difícil mexer em time que estava ganhando. 

  27. Triste Brasil

    Um pais onde a mídia PLIMPIG transformou os pobres numa boiada de direita não pode dar certo.Treme já comprou na bacia da xepa os deputados que se ofereceram para livrá-lo da cadeia. Hoje veremos a antítese dos discursos vociferados contra a Dilma e contra a kurrupissaum. Ficaremos famosos, em todo mundo contarão a “sabe a última dos brasileiros?”. Alguma parte das classes médias começa lentamente desconfiar que foi feita de pato amarelo. Isso ao ver os filhos perdendo o emprego, os netos doutores indo trabalhar no estrangeiro, ao lembrar que no tempo de Lula quase não havia população mendiga de rua, ao ser obrigada a suspender o pagamento do plano de saúde, ao optar pela compra de genéricos e “falsier’s” por falta de verba.

    Pena que a maioria destes perguntada onde estão as provas contra Lula afirma com plena convicção: -Não tem prova por que ele é malandro, ou pior, -Está cheio de provas, eu vi na veja!

  28. Mas esta tudo fora de lugar

    As condenações de Dirceu, Vaccari e Lula por Sergio Moro são resultado das convicções ideologicas dos operadores da Lava Jato. A Lava Jato pelo tudo que apresentou até aqui, quer ser um novo paradigma juridico, mas os produradores e o juiz criaram antes de tudo um não mans’land do Direito muito mais que propriamente um novo Direito penal no Brasil e, quiça, no mundo, como pensa um e outro procurador deslumbrado.

    E agora vem o ‘insuspeito’ Gilmar Mendes dizer que o STF precisa colocar ordem na quizumba. So de ver as caras e bocas do seu Gilmar, a gente ja sabe que la vem a Margarida fazer proselitismo em prol de seus protegidos. Aqueles de sempre. Sera que tem um so néscio no Pais que ainda acredita que Gilmar Mendes é juiz comme il faudrait ? Sobre isso, meu palpite é que deve haver muito mais conversas registradas com o ministro Gilmar Mendes entre as escutas telefônicas da Lava Jato.

    Enquanto isso na Sala de Justiça, melhor dizendo, na Procuradoria Geral da Republica, Janot mostra-se de muita ma vontade com sua sucessora. Agora esta fazendo aquele jogo do advinha se “gosto pouco, muito, loucamente ou nada de você”. E assim as intrigas vão correndo [corroendo] soltas pelo edificio de vidro do MPF em Brasilia. 

    Diria Cazuza se ca estivesse “mas esta tudo fora do lugar” e, ao que parece, nos resta sair às ruas pedindo Justiça para Lula para que ele possa se candidatar em 2018. Porque o STF perdeu o respeito e a dignidade face ao Judiciario. E não sera de la, Gilmar, que vira a real possibilidade de apaziguamento entre os poderes e em consequência de todo o Pais.

  29. Nassif são excelentes os

    Nassif são excelentes os seus “Xadrezes”, mas a meu ver, falta ainda narrar o papel lamentável de Dilma Rousseff, o que essa mulher queria? Se salvar e os outros inclusive aí Lula e o povo brasileiro que se danassem? Por  que manteve a nulidade do Zé da Justiça até o amargo fim? Ela foi avisada do Golpe de Estado por Putin e por Erdogan, por que aquela nulidade não se mexeu? Por que Lula ainda tolera a presença dela, Dona Marisa segundo eu li não queria mais ve-la nem pintada de ouro. Tenho muito desprezo por Dilma e a considero uma colaboradora da queda do Brasil e do povo brasileiro….

    • Erro de Lula
      Dilma e sua reeleiçao foi o maior erro de Lula. Ela não tinha a menor competencia para enfrentar o que vinha pela frente. O seu Zé da Justiça, que muitos como eu criticavamos dia e noite, e tinhamos que suportar sua imensa teimosia. Cheguei a postar se não era ele seu amante, tal a contradição de sua permanencia no cargo.
      Hoje a esquerda está destruída por um golpe sujo, o sonho de um Brasil grande foi destruído tambem. Dilma é em grande parte a responsável.

      • Infelismente Dilma foi o maio

        Infelismente Dilma foi o maio erro de Lula, eu votei duas vezes na Dilma, mas na verdade nunca votei nela, votei sempre em Lula. Hoje ouvi num programa de rádio que reuniram  um grupo de Senadores para almoçar com Dilma, por que para variar a base estava se desfazendo tamanha a imcopetencia politica de Dilma, era um dia de jogo de seleção brasileira, Dilma ao invés de conversar com os Senadores, simplesmente fazia um daqueles discuros chatos que só servem para aborrecer quem escuta. Três Senadores consultavam o relógio toda hora  por causa do jogo, Dilma então interrompe o discurso e pede para os Senadorez A B e C se retirarem, alí na lata, de graça arranjou três inimigos. Dimaaa Vai sifu….

  30. Um milhão de estrelas

    Um milhão de estrelas amarelas para o Nassif. Mas como não sou mineiro como ele, pego mais pesado. “Viés ideológico” é pouco para descrever a república de curitiba. Como demonstrou o articulista do GGN, o Fernando, essa república é uma teia de relações familiares e de conveniência, onde misturam-se interesses financeiros, políticos e partidários.

    Não há o mínimo resquício de justiça e direito na atuação dessa turma. Nem sequer a tal “meritocracia”, já que a maioria deles e delas são fillhinhos de papai que contam com todas as artimanhas do poder de influência paterna que garante “um futuro promissor” para seus rebentos bem nascidos.

    Aprofundando a analise do Fernando, certamente daríamos de cara com um grupo, uma casta que praticamente constitui uma organização, criminosa quando convém, inscrustada no estado com uma agenda política e de interesses de classe. A lei, a constituição e o código penal são apenas instrumentos para essa organização, criminosa se necessário for.

    Diante disso, não há conciliação possível. É como tentar conciliar com o CV. É preciso combatê-los com todas as armas possíveis. Para o Brasil voltar a ser uma democracia essa dita república tem que ser banida e devidamente punida. Para meu gosto paredão, mas deixa para lá. Cassar o diploma de todos eles já ajudaria bastante

  31. Provas

    Entre provas simples e provas complexas  optou-se por prova nenhuma, instaurando-se o tão oportuno tribunal de exceção tipico das perseguições políticas e religiosas.

    Tão repetitivo e tão histórico que chega a ser monótono.

    Como não conseguimos superar essas infâmias ainda?

  32. Tem mais.Dias desses,postei

    Tem mais.Dias desses,postei comentario sobre essa peitica infernal que o GGN dedica a  essa tal Lava Jato,pela manhã,pela tarde,pela noite,com direito a  sobremesa nas tres refeições.Para não fugir a regra fui mal interpretado.Aos meus olhos,é humanamente impossivel reunir em um determinado espaço,uma raça tão vagabunda como esses bandidos vestidos de toga,que compoem essa Operação.Daí,cheguei a conclusão não tão dificil assim,usando a simples equação,das duas duas,noves fora tres:1)Eles são movidos por odio,vingança,raiva,ressentimento,rancor,ira,colera,alimentam-se de restos putrefatos e quejandos,ou:2)São movidos pela safadeza,molecagem,semvergonhice,mau-caratismo e,sobretudo,imponência,isso tudo regado com aquilo que a galera do mal alcunha de “verdinhas nas veias”,ou 3) 1 + 2,noves fora 3.Ora,se de burro nada tenho,basiei-me nas afirmações citadas anteriormente,e decidi,peremptoriamente,de não perder meu tempo lendo o que diz respeito a esta raça de FDP.Tão simples como amanhã é quinta-feira.

  33. Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato, por Luís Nassif

    Arkx tocou na ferida.

    O grande erro dos governos Lula/Dilma foi a ingenuidade.

    O exercício do governo foi feito sob medida para o desenvolvimento de diversos atores, pseudo protagonistas, a mostrar a tradicional cara de pau dos canalhas.

    Uma frase, ao que consta, da tia Carminha é ilustrativa: a necessidade de ousadia de uns à semelhança dos canalhas, ou algo assim.

    A esquerda quando empolga o poder ainda sente o peso da canga milenar.

    De Lula, criado na arte da política de conciliação trabalhadores/patrões, se podia esperar alguma coisa do tipo. Acostumado a confiar na acertado, deu-se mal quando confiou em políticos mais para bandidos que outra coisa.  Lula foi temerário ao aceitar a companhia do infame temer. Corrupto emérito.

    Dilma foi uma surpresa negativa no quesito.  Lutadora reconhecida, não se deu conta, ou não quiz, do perigo em governar com apenas uma parte do executivo.

    O básico em qualquer hierarquia é o exercício do comando dentro de seu campo de atuação. 

    Órgãos importantes, vitais, foram deixados ao sabor dos chefetes loucos para o deslumbramento traiçoeiro da mídia e seus interesses.

    Foi mamão com açúcar.

    BC, MPF e PF ficaram livres, leves e soltos. 

    Trabalhando descaradamente contra as políticas governamentais.

    A indicação de juízes para o STF foram horrorosas, salvo alguma exceção.

    Deu no que deu.

    Lula e Dilma fizeram governos muito melhores do que os períodos anteriores.

    Sem dúvida.

    Vemos que ambos já manifestaram-se sobre novos caminhos para a esquerda. Sem aprofundamento das políticas, com o apoio da massa de eleitores, de lideranças consequentes e engajadas nos objetivos definidos nos tornamos carne para moer, mão de obra barata, bois cangados.

  34. O Brasil é um filme de

    O Brasil é um filme de bandidos e mocinhos. Mocinhos que têm o discurso correto, que, apesar das falhas, acertaram mais do que erraram, mas que não liquidaram os bandidos quando estavam comandando as ações. No final, os vilões venceram, tomaram o tribunal, a delegacia e todos os postos de poder, encarcerando os mocinhos. Restou a lei do mais forte, do poder econômico que esmaga seus inimigos. Tudo o mais são cenas da pós-verdade. 

  35. Juro que no auge dos meus 33

    Juro que no auge dos meus 33 anos e da minha “inocência” pensei em ver tudo isso que está acontecendo somente em livros de história.

    Eu me envergonho da minha geração que nada fez ou faz para combater este golpe.

  36. p { margin-bottom: 0.1in;

    p { margin-bottom: 0.1in; line-height: 120%; }

    Tanto a Lava-jato, quanto o Mensalão, parecem usar o tamanho dos processos para ocultar a falta de substancia. O mensalao tinha quarenta réus, foi televisionado por meses como uma novela onde seus ministros liam seus votos como quem lê script para a camera, escrito pelos mesmos tentando causar máximo efeito possível para sair bem em 10 ou 15 min de TV. E ali já dava para ver o desperdício e a incompetência, juízes importando novidades, inventando jurisprudência, até atropelar o básico do direito, até parece mesmo que desconhecem o que é, e o que é seguir, uma lei. Cada ministro mostrando mais despreparo para julgar que o outro, suplantando isso com a kilometragem da sentença desses mega-processos volumosos, e caindo muito bem em um judiciário que no Brasil é uma maquina de condenar pobres e absolver gente diferenciada. Assim queriam condenar Lula:

    Juiz: As testemunhas dizem que viram você dentro de um apartamento que não é de sua propriedade.

    Lula: Fui visitar.

    Juiz: O senhor pagou pelo apartamento?

    Lula: Não .

    Juiz: Condeno por furto e roubo, invasão e por tentar mentir para o juiz.

    As dispendiosas acoes da lava-jato de tentar levar mais pessoas presas ao mesmo tempo, em um sistema carcerário super-lotado diga-se de passagem, parecem mais ações Policia-TV para gravar pirotecnia em cena de novela, aquelas cenas que gastam milhões para filmar tipo Hollywood. Para a Lula tinham que colocar até um avião na cena decidiu um diretor com acesso a bufunfa, mas que depois ninguém sabia o que fazer. Só a pirotecnia toda não faz um filme. O poder da camera pode ser grande, mas maior ainda esta no de se poder escolher os atores, que para bem ou mau ainda esta com o povo. A ação definitiva da midia no impitimam foi ter prometido os 30 segundos de fama para cada deputado em troca de um voto furado, a midiona achou mesmo que tinha criado a crise, porque foram anos torcendo pela crise,  e depois só vinham céus de brigadeiros como quem troca uma palavra em manchete de jornal.

  37. Primeiro, não consigo

    Primeiro, não consigo concordar quando dizem que o Lula errou com a Dilma, pois, o contrário – o acerto – seria a Dilma fazer o jogo dos bandidos, principalmente, a partir da eleição do acunhado como presidente da câmara; Ela até tentou, colocando o temerista de elo-de-ligação, mas, ficou pior, pois, o temerista passou todo o tempo achacando e tentando extorquir a PresidentA; de mais a mais, o problema, sim, foi criado pela Dilma, quando ela “fechou as torneiras” e mandou demitir a súcia roedora da Petrobrás, por exemplo. Algo imperdoável para o “apetite” dos quadrilheiros.

    Segundo, o mpfezista (nazista, por suposto) só ficou (mal) afamado porque teve na outra ponta o poliça-investigador-procurador-traidor e juizeco do desMoronado e, pior, o desembarga-quartanista de cumpadrio e, ainda, os quartanistas da “exceção criminosamente aposta em seus atos bandidos”.

    Terceiro, ainda sobre os mpfezista (argh!), porque ganharam holofotes-merdiáticos-moronistas, “se acharam” não precisar de qualquer comprovação testemunhal eou documental, aliás, como costumam não-trabalhar na diversidade dos processos que lhes caem no pé (?). Não fosse a cumplicidade demoronística, o assunto teria sido arquivado por inépcia e inaptidão desde 2014.

    Quarto: resta a dúvida sobre o grampo da conversa da PresidentA, pois, regularmente, o juiz oficia a operadora não só sobre o prefixo a ser grampeado, quanto, e importante, até quando: dia e hora. Portanto, quando venceu o período (dia e hora) constante do ofício judicial, a operadora simplesmente desmancharia o grampo e ponto final. Mas, no caso, a operadora descumpriu a determinação desMoronada? Se cumpriu, que raios de grampo foi aquele? Não seria bom chamarem a operadora para dizer sobre isso, pois, até hoje, ela só ficou naquela de que havia avisado o juizeco… Ora, ora e ora, quer dizer que o grampo não é armado pela operadora? E se não é, quem arma? E se ela cumpriu a determinação temporal, como houve aquele grampo? Quem o fez? A CIA? O guardião da ABIN? O guardião da PF?

    Três pontos muito estranhos, coisa de quadrilheiros profissionais, aí incluídos os ministrecos do stfezinho e as tais omissas-acumpliciadas corregedorias, né, dona carmencita?

     

  38. no que me concerne espero

    no que me concerne espero ainda ver uma ditadura stalinista implantada no Brasil…vai ser mil vezes melhor que essa “democracia” que existe hoje

  39. Quer dizer…

    “A culpa é de um país que, em nome de um combate a um partido, aboliu regras jurídicas, respeito à democracia e às instituições.”, como assim?

    Quem garante, ou deveria, as regras jurídicas, o respeito a democracia e às instituições, tem nome e sobrenome: s t f.

    Só há um moro que fez o que fez porque o stf avalizou. Não há outro responsável. Terrível verdade.

     

  40. Um post histórico

     

    Luis Nassif,

    Excelente post. Não sei se ele saiu assim sem tir-te nem guar-te ou precisou de muita lapidação. Fosse eu nem após um ano de acerto conseguiria fazer algo parecido.

    Dois pontos aqui eu gostaria de mencionar. Primeiro quando você fala das investigações em outros países eu lembrei da entrevista de João Villaverde a você que pode ser vista no vídeo junto ao post “Sala de visitas: Pedaladas, o delito de Dilma Rousseff” de sexta-feira, 21/07/2017 às 06:39. O endereço do post “Sala de visitas: Pedaladas, o delito de Dilma Rousseff” é:

    http://jornalggn.com.br/noticia/sala-de-visitas-pedaladas-o-delito-de-dilma-rousseff

    Lembrei-me deste post porque João Villaverde para fazer o livro andou pesquisando e comparando a história das legislações pertinentes de vários países. E eu gostaria que você lhe tivesse perguntado se a Contabilidade Pública e as Finanças Públicas nos outros países tratam os juros moratórios pagos a uma instituição financeira estatal pelo ente da Federação que a controle como operação de crédito.

    E lembrei-me também de como eu gostaria que você tivesse perguntado a João Villaverde se a Lei de Responsabilidade Fiscal (Fiscal Responsability Act, de 1994) da Nova Zelândia que a nossa copiou prevê penalidade ou é apenas uma norma visando assegurar maior transparência nos gastos públicos. Tudo isso para deixar claro que no impeachment da Dilma Rousseff não é só a inconstitucionalidade da penalização do inocente que salta aos olhos. O mais grave foi a inexistência da tipificação.

    E o segundo ponto diz respeito ao seu excepcional parágrafo que transcrevo a seguir:

    “Será conhecida, no futuro, como uma operação malcuidada, cujo único objetivo foi contribuir para um golpe de Estado e conferir fama – e os ganhos provenientes dela – aos seus protagonistas. E tudo isso se vangloriando de estar enfrentando as forças mais temíveis da Nação – na verdade, um governo mais indefeso do que freira carmelita em cabaré. Quando finalmente estiveram frente a frente com o poder, dançaram. Estão sendo comidos com pão e farofa.”

    Mais preciso, impossível. A vitória do presidente antes provisório agora definitivo às custas do golpe, Michel Temer é a vitória da direita. Que é maioria no Congresso. A vitória dele, que é o que eu desejava, pois ninguém espelha mais a direita do que presidente antes provisório agora definitivo às custas do golpe, Michel Temer, serve para mostrar como a direita é em toda a sua dimensão,

    O que eu quero observar aqui como segundo ponto é outra coisa. A esquerda deve-se supor como uma força que caminha na mesma direção do processo evolucionista civilizatório. É um processo longo e o mundo ainda vive na barbárie. No mundo todo a esquerda é minoria. Apenas em momentos excepcionais ela chega a representar 30% da população. No longo percurso até chegar a ser maioria a esquerda precisa reconhecer que ela terá que usar a operação básica da matemática: a soma.

    “E um dia, . . . . quando aos beijos dos sol, sobrarem as colheitas,

    Quando, aos beijos do amor, crescerem, as famílias”,

    e a esquerda for maioria, e estiver no comando do poder ela terá que perceber que não poderá agir como age a direita diante dos mais fracos.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 02/08/2017

    • Um adendo sobre a esquerda segundo Gilles Deleuze

       

      Luis Nassif,

      Não deixei o link para o poema “O caçador de Esmeraldas” de Olavo Bilac de onde tirei o trecho reproduzido mais uma vez a seguir:

      “E um dia, . . . . quando aos beijos dos sol, sobrarem as colheitas,

      Quando, aos beijos do amor, crescerem, as famílias”,

      Ele pode ser visto no seguinte endereço:

      http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/OlavoBilac/ocacadordeesmeraldas.htm

      E antes de terminar meu comentário anterior para você aqui neste post “Xadrez da prova que sumiu da Lava Jato, por Luís Nassif” de quarta-feira, 02/08/2017 às 00:35, era intenção minha deixar muito claro o que eu entendia como papel da esquerda e mostrar o quanto é limitado o espaço que ele pode usar do mundo político, não só porque é minoria, mas porque os valores da esquerda são tais que, ainda que ela fosse maioria, ela não pode agir como maioria.

      E para deixar minha intenção bem clara eu pretendia remeter para o post “Para Deleuze, esquerda ou direita é uma questão de percepção” de segunda-feira, 18/04/2016 às 11:04, aqui no seu blog com chamada por sugestão de Jair Fonseca para vídeo de Gilles Deleuze falando sobre o que seria a esquerda. O endereço do post “Para Deleuze, esquerda ou direita é uma questão de percepção” é:

      http://jornalggn.com.br/noticia/para-deleuze-esquerda-ou-direita-e-uma-questao-de-percepcao

      Recentemente eu fui ao post e verifiquei que o link para o post já não mais existia. Em comentário que enviei sexta-feira, 26/05/2017 às 01:09, para Jair Fonseca, junto a comentário dele enviado segunda-feira, 18/04/2016 às 16:18, lá no post “Para Deleuze, esquerda ou direita é uma questão de percepção” eu deixei o link para outro vídeo que só traz parte da exposição de Gilles Deleuze. Em buscas posteriores que eu fiz eu acabei encontrando se não em vídeo, mas em transcrição, a segunda parte da exposição de Gilles Deleuze que deveria ser mais bem assimilada pela esquerda.

      Em comentário que eu enviei sábado, 03/06/2017 às 00:24, para Zé Sergio, junto ao comentário dele de quinta-feira, 01/06/2017 às 17:26, lá no post “Canja de galinha não faz mal a ninguém, por Fernando Horta” de quinta-feira, 01/06/2017 às 16:33, aqui no seu blog e de autoria de Fernando Horta, eu deixei o link para a segunda parte do vídeo da exposição de Gilles Deleuze que não estava mais disponível no link deixado lá no post “Para Deleuze, esquerda ou direita é uma questão de percepção”. Vou transcrever então a seguir trecho do meu comentário para Ze Sergio que avalio como pertinente aqui. Disse eu lá:

      – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

      “O que me interessava aqui era fazer referência a segunda parte da entrevista de Gilles Deleuze. Não sei onde há um vídeo disponível, mas há o texto a seguir que apresenta parte da segunda parte da exposição de Gilles Deleuze. O texto denomina-se “De Gauche” e é datado de 22/05/2004 e pode ser visto no seguinte endereço:

      http://1libertaire.free.fr/Deleuze04.html

      E trago a seguir a definição de Gilles Deleuze na segunda parte em que o conceito de ser de esquerda é com base não mais no problema da percepção, mas com base no problema de ser minoria. Transcrevo o trecho a seguir:

      “Deuxièmement, être de gauche, c’est un problème de devenir, c’est ne pas cesser de devenir minoritaire. La gauche n’est jamais majoritaire en tant que gauche. La majorité suppose un étalon. En occident l’étalon que suppose toute majorité c’est: homme, adulte, mâle, citoyens des villes… Par nature la majorité , c’est celui qui à tel moment ou l’ensemble qui à tel momment réalisera cet étalon. C’est à dire l’image sensée de l’homme adulte, mâle, citoyen des villes. Si bien que à la limite la majorité ce n’est jamais personne mais c’est un étalon vide.” [Traduzindo utilizando o Google Tradutor: “Em segundo lugar, ser de esquerda é um problema de se tornar, não é de parar de se tornar uma minoria. A esquerda não é jamais majoritária, sendo esquerda. A maioria supõe um padrão. No Ocidente, o padrão que assume toda maioria é: homem, adulto, macho, cidadãos das cidades … Por natureza, a maioria é aquele que em tal momento ou todo o conjunto que em tal momento realizará esse padrão. Ou seja, a imagem sensível do homem adulto, macho, cidadão das cidades. Assim, no limite, a maioria nunca é alguém, mas é um padrão vazio.”]”

      – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

      É dentro desse contexto do entendimento da esquerda exposto por Gilles Deleuze que eu defendi em meu comentário anterior que a esquerda não pode agir como a direita.

      Clever Mendes de Oliveira

      BH, 04/08/2017

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome