Xadrez de tempos incertos, por Luis Nassif

O jogo político está cada vez mais embolado.

Há dois fenômenos novos, em movimento, em favor de Lula. E a força inercial do antilulismo em direção oposta,

Peça 1 – a desmoralização da Lava Jato

Hoje em dia há três tipos de atitudes em relação à Lava Jato. Os anti-Lula apoiam a operação, mas sabem  que é uma jogada política. Os lulistas a condenam e denunciam que é jogada política. E, nesses tempos de polarização, a legião dos independentes está cada vez mais convencida de que é uma jogada política.

Mídia e Lava Jato estão perdendo a batalha da opinião pública internacional, com a luxuosa contribuição de Michel Temer e, internamente, estão sendo cada vez mais questionados. A Lava Jato e a Globo adotaram a política do lawfare, a publicidade opressiva contra os “inimigos”.

Em um primeiro momento, entupiram os jornais de rumores, vazamentos, denúncias de diversos calibres, atordoando os adversários e atingindo o objetivo final: no caso da Lava Jato do Paraná, o objetivo final foi derrubar Dilma Rousseff e entronizar Michel Temer na presidência. Obviamente, em nome do combate à corrupção.

Acontece que nem mesmo a Globo consegue sustentar o priapismo das manchetes com os escândalos. No caso brasileiro, em cima do esgotamento previsível do ciclo Lava Jato veio o episódio trapalhão de Rodrigo Janot com a delação da JBS. A maior contribuição foi ter estabelecido um parâmetro entre as denúncias contra Lula e aquelas contra seus dois maiores antípodas: Aécio Neves e Temer e suas malas de dinheiro.

Ali começou a ruir toda a narrativa sobre a maior corrupção do planeta. Inverte-se, então, o ciclo do lawfare e cada factoide levantado no período anterior, cada abuso cometido no transcorrer das investigações, torna-se munição nas mãos dos adversários, para desnudar o caráter partidário e suspeito da Lava Jato.

Hoje em dia, já há uma quantidade substanciosa de indícios de malfeitos do lado da Lava Jato, que vão além das acusações apressadas, das narrativas fantasiosas, da incapacidade de aprofundar investigações para além das delações. As suspeitas são mais graves,  permitindo inclusive prever o grande best seller dos próximos anos – a verdadeira história da Lava Jato – para o qual se candidatarão escritores de todos os níveis.

Contarão como foi o aprendizado no caso Banestado, que permitiu o planejamento minucioso da Lava Jato, garantindo a um juizado de Curitiba capturar uma operação de uma empresa sediada no Rio de Janeiro, tendo como principais personagens políticos vicejando em Brasília.

Haverá muita história sobre o triângulo formado por Sérgio Moro, a esposa Rosângela e o primeiro-amigo Carlos Zucolotto Júnior, os advogados amigos, a indústria da delação premiada, as informações provindas do Departamento de Justiça etc. E até a informação do procurador Celso Três, do caso Banestado, que a Sra. Moro distribuía cartões de visita ao longo da operação.

A desmoralização da Lava Jato significará o enfraquecimento da condenação de Lula. Portanto, viverão ainda alguns períodos de imagem heróica. Mas já acende luz amarela nos escalões externos à Lava Jato, a quem caberá a convalidação ou não das denúncias aceitas em primeira instância.

Não se tem mais dúvidas de que o TRF4 é um tribunal político. Resta saber até onde irão com a farsa.

Peça 2 – o custo Lula

“Mercado” supostamente é o local onde todas as informações são processadas racionalmente, e a resultante é preço.

No caso brasileiro, o “mercado” é extremamente mal informado, formando convicções de afogadilho, indo atrás de clichês, sendo influenciado pela superficialidade padrão Globonews.

Analistas mais lúcidos já se deram conta que a solução Lula é a “mais barata”, para se obter a paz social. A razão é simples. O impedimento de Lula e a eleição de um candidato sem o menor fôlego político – se houver um, que se apresente – tornarão extremamente custosas qualquer solução extra-Lula. Haverá um duro aprendizado e o prolongamento perigoso da polarização política.

A tentativa de apresentar Lula como o alter ego de Bolsonaro, colocando ambos na categoria de populistas radicais, é ridícula, assim como as sucessivas tentativas de encontrar o campeão branco ou recorrer ao cadáver político de Fernando Henrique “El Cid” Cardoso.

Apesar do esforço ingente da mídia, nenhuma reforma sem consenso despertará a confiança de investidores. Como está ocorrendo, aliás, em outros países, em situações de crise de legitimidade menores que no caso brasileiro, no qual se tem as reformas sendo implementadas por uma organização criminosa.

Um dia cairá a ficha que de que não haverá saída for a do consenso. Pode ser que o bom senso chegue antes; pode ser que demore.

Peça 3 – o fôlego do antilulismo

De qualquer forma, a tendência dominante, ainda, é o de se tentar inviabilizar politicamente Lula e promover o milagre da ressurreição de quem nunca foi, Geraldo Alckmin.A radicalização do anti-lulismo foi tão intensa que dificilmente mídia e Judiciário se permitirão algum assomo de bom senso.

Significaria acabar com os sonhos do Ministério Público Federal de se transformar em poder autônomo, abortar o ativismo do Judiciário, reduzir a margem de manobra da mídia. E quem irá largar o osso?

A volta à normalidade será um trauma para os deuses do punitivismo. É só conferir o que a síndrome da abstinência de poder está produzindo no ex-Procurador Geral da República Rodrigo Janot.

Resta acompanhar, então, o desenrolar dessas três tendências, para saber se em algum momento promoverão o consenso ou o dissenso definitivo.

 

116 comentários

  1. No caso brasileiro, o

    No caso brasileiro, o “mercado” é extremamente mal informado, formando convicções de afogadilho, indo atrás de clichês, sendo influenciado pela superficialidade padrão Globonews.

     

    Talvez alguns participantes. Mas a maioria dos operadores sabe o que está fazendo e usa a superficialidade Globonews como arma para influenciar na direção que lhes interessa mais (privatizações, reformas, cortes de gastos sociais, etc)

    • Então tá,

      Mas aonde estarão os empresários que ganharam dinheiro(produzindo!) nos governos Lula e no primeiro mandato de Dilma?

      Pequeno desemprego e muita gente recém incluida comprando de tudo!

      Acho que se trata de algo mais de “Talvez alguns participantes.”

  2. Em junho o Comitê de Direitos

    Em junho o Comitê de Direitos Humanos da ONU condenará o Brasil, o juiz Moro e a força tarefa da lava jato pelas arbitrariedades cometidas contra o Lula. Com essa condenação o golpe será desmoralizado não só em relação aos brasileiros, mas perante o mundo.

    Ficará claro para todos que a lava jato foi forjada como instrumento de um golpe de estado que derrubou uma presidenta honesta e só terminaria com a prisão do maior líder popular do país. O objetivo da operação foi implantar o neoliberalismo a mando dos interesses de Washington e do mercado e destruir todos os direitos sociais e as empresas públicas brasileiras.

    Sem a lava jato não haveria a destruição da maior empresa privada brasileira e da Petrobrás e a entrega do pré-sal. Sem a lava jato não haveria reforma trabalhista e PEC do teto de gastos e a provável reforma da previdência. A operação foi responsável, não apenas por entregar o poder a uma quadrilha, mas responsável pela destruição do Brasil como nação.

    Qualquer brasileiro de bom senso reconhece os prejuízos causados pela operação. Um dos exemplos mais didático foi o acordo da Petrobras com a justiça americana no valor de R$ 10 bilhões de reais.

    • E vão desmoralizar a

      E vão desmoralizar a política  externa americana inteirinha ???

      E Vão incluir Lula na eleição ???

      Ou vai desmoralizar, e is golpistas vão se comprometer com a ONU aceitar Lula na eleição de 2022 Pq não há mais tempo hábil para em 2018 ??? Ou que tal extender o mandato do Temer mais dois anos e Lula entrar em 2020 ??

      Esse país está morto.

  3. Janot
    Janot “””trapalhao””””…
    *Muitas aspas pra poder rir.
    Ps: Só faltou citar Miller, o lambanceiro.
    Deveriam estar na cadeia junto com Dallagnol, Carlos Fernando e Moro

  4. Não creio que os tempos são
    Não creio que os tempos são incertos.
    De fato, a crise em que vivemos é construída por certezas absolutas.
    Os idiotas que acreditam na Lava Jato tem certeza de que não gostariam de ser vítimas de processos conduzidos por Sérgio Moro. E mesmo assim o defendem enquanto ele conduzir processos apenas contra os petistas.
    Os idiotas que defendem Bolsonaro não ostariam de ser torturados. Muitos deles serão torturados de uma maneira ou de outra se aquele imbecil for eleito presidente.
    Os idiotas que defendem o neoliberalismo clamam por salários mais baixos. Desde que os salários deles possam ser mais altos, como se não soubessem que o encolhimento da economia afetará todos os brasileiros. Uns porque não terão nada e se tornarão violentos outros porque não terão segurança para desfrutar o que tem.
    Os petistas acreditam que a vitória de Lula resolverá a crise, como se a crise não fosse alimentada pela irracionalidade evidente dos anti-petistas na imprensa e no Judiciário.
    Os idiotas togados querem mandar no passado (julgando processos), no presente (excluindo candidatos que eles consideram inadequados) e no futuro (garantindo seus salários acima do teto), mas se esquecem que a respeitabilidade dos juízes é o maior patrimônio do Judiciário. Para controlar o passado, o presente e o futuro os juízes desperdiçam o que eles deveriam considerar mais precioso.
    Todos estão encastelados nas suas certezas. É assim que a crise seguirá crescendo até que uns comecem a matar os outros.

  5. Luis Nassif, peço o favor de

    Luis Nassif, peço o favor de informar como está o dr. Janot com a crise de abstinência de poder, este botocudo aqui não sabe de nada. Pode ser? Por favor?

    • Abstinência?

      Também não faço a mínima ideia do que seja esta “síndrome de abstinência” do poder que está afetando o ex-pgr da cúpula golpista.

      • Então C. Poivre, será pelo

        Então C. Poivre, será pelo fato de termos aquele dinheirinho para publicidade ou, talvez, sejamos o que há de desimportante e assim não merecemos uma resposta, por curta que seja! Será isso?

  6. Só isso?

    E o custo econômico de um país sem futuro. Gasolina a 5, 13 milhões de desempregados sem espectativa, empresariado burro acumulando prejuiso, obras paradas em todo o país, segurança pública a zero, aécio e assemelhados tucanos sem condenação nem processo, a população vendo que quem pagou a conta foi o povo, falta total de projeto de país, etc, etc.

    A reformas(?) trabalhista e previdência causando danos e em um ambiente caótico.

    E a desmoralização do stf que tudo vê e nada faz? O grande responsável. Perdido.

    O judiciário pós desastre revelado?

    Quem segurará, e como, o resultado da desgraça que estes golpistas fizeram? E não é para o futuro, é já.

  7. Uma suspeita para a “Verdadeira história lavajateira”

    Uma suspeita para a “Verdadeira história lavajateira”

    Acordos informais de bandidos delatores da Operação Lavajateira, com vistas à obtenção de benefícios judiciais extremamente caridosos levantam uma enorme e pesada nuvem de suspeitas da participação, direta ou indireta, do juiz lavajateiro de Curitiba nesses acordos espúrios, pois feitos na sombra, entre bandidos e agentes públicos do mp e do judiciário.

    O exemplo mais gritante disso é o caso de Léo Pinheiro. O MPF, em alegações finais, pediu, em virtude da colaboração informal desse bandido, que o juiz lavajateiro lhe reduzisse a pena pela metade, e APENAS na ação do triplex. A própria defesa do bandido Léo Pinheiro, em alegações finais, pediu ao juiz lavajateiro que lhe reduzisse a pena em dois terços, e APENAS na ação do triplex. No entanto, o juiz lavajateiro, na sentença do triplex, GRACIOSAMENTE reduziu para apenas 2 anos e meio em regime fechado (mais 2 anos e meio domiciliar em mansão) TODAS AS PENAS DO BANDIDO, não apenas na ação do triplex, MAS EM TODAS AS AÇÕES A QUE RESPONDE o bandido, o que já chegava na época A MAIS DE 50 ANOS DE CADEIA. Como assim, pode um juiz, do nada (pois nada foi escrito), informalmente, dá um benefício desse porte a um bandido, extrapolando totalmente a ação em julgamento, e apenas condicionando o presentaço ao bandido à concordância de instância superior, uma condição que acrescentou apenas depois de ter sido repreendido em público pelo TRF-4, por ter presenteado com benefício similar outros bandidos, como Renato Duque e um laranja de Youssef, ambos apenas com acordos de boca, feitos nos porões de cadeias lavajateiras?

    Ora, nenhum desses bandidos faria um jogo desses, falando o que lhes mandaram falar para subsidiar condenações sem prova de Lula, em troca APENAS de dois terços da pena, e somente NA PRÓPRIA AÇÃO EM JULGAMENTO, como pedido por escrito pelas defesas. Seria ou não um perfeito idiota aquele que acredita que os presentaços do juiz lavajateiro foram “apenas uma boa surpresa” da sentença, e que não soubessem antes, os bandidos, que o acerto era esse mesmo? Que adiantaria ao bandido Léo Pinheiro, por exemplo, reduzir 6 ou 7 anos na sua pena do triplex, se teria que cumprir mais de quarenta anos nas outras ações?

    E o fato é esse: nenhum membro do MPF poderia garantir a priori o presentaço de Léo Pinheiro (e de Duque e outros) sem um acordo formal por escrito, apenas o juiz lavajateiro poderia garantir tamanho prêmio, ou então alguém com enorme proximidade do juiz lavajateiro, que falasse (mentindo ou não) em seu nome. O que é muito estranho é que saia no final uma sentença nesses termos, com benefícios escrotos como o de Léo Pinheiro, e aí sim, num ato de ofício diretamente assinado pelo juiz lavajateiro.

    A questão vem a propósito da suposta negociação bandida de Zucolloto com Tacla Durán, denunciada por este. E a suspeita vem da proximidade afetiva de Zucolloto com o juiz lavajateiro. Ora, se Zucolloto é altamente suspeito de uma “negociação” criminosa envolvendo Tacla Durán e membros do MP, com os quais não consta haver afetividade de Zucolloto mas apenas um suposto interesse “negocial”, por que não seria também suspeito Zucolloto de traficar influência com o próprio juiz lavajateiro, com o qual tem tamanha proximidade afetiva, a ponto de ser inocentado em público, sem nem precisar falar nada, pelo próprio juiz lavajateiro em notas oficiais para jornais?

    Tudo muito estranho.

  8. Existe uma pergunta chave em

    Existe uma pergunta chave em toda esta celeuma que é a seguinte: quando eles vão recuar ? Desde que Dilma colocou os pés pelas mãos e chamou Levy para seu ministério, as esquerda brasileira só faz recuar e disseminar pânico entre si. Age desesperadamente, sem planejamento, sem estratégia e na base do voluntarismo. A direita vê isso e sente o gosto de sangue na boca e se vê tentada a ir mais longe porque a tarefa parece cada vez mais fácil. Tal qual um cachorro que começa a latir assim que percebe o cheiro de um humano próximo que está com medo. Assim é que foi feito o impeachment (Por que não fazer ? Por que olhar para o futuro ? Está tão perto o poder… É como tirar doce de uma criança…) e todas as demais medidas malucas que o sucederam. Ocorre que a direita não vai recuar enquanto não se ver ameaçada. Tal qual o cachorro inebriado pelo cheiro de medo que sente, ela não age de maneira racional. Só que até agora a esquerda não fez nada nesse sentido, pelo contrário. Ao optar por uma saída “legalista”, apostando todas as suas fichas na eleição de 2018, ela apenas reforça a percepção da direita de que a esquerda é irrelevante e pode a qualquer momento ser posta de lado. Enquanto a esquerda não provar o contrário, vai continuar esta sanha de perseguição.

    • Não vão recuar…….
       
      Essa

      Não vão recuar…….

       

      Essa lenga-lenga de que Lula é candidato do consenso bla bla bla é para retomarem as rédeas da História, afinal, se não conseguem moldar o futuro conforme seus interesses se aliam e tentam influenciar ou mesmo manipular. Foi o que aconteceu no mensalão, e o que acontece na vaza a jato em que politicos mais canalhas que todos os petsitas juntos sequer são incomodados.

      Esse malandros de santos e desinformados não têm nada, são um bando de larápios que nunca vão se conformar com o butim que amealharam, sempre vão querer mais, se pudesse reduziriam o povo á condição de escravos, enquanto sentariam em suas salas cheias de livros posando de “intelectuais”……..

      O descaramento é tanto que a situação é a seguinte: ou o povo acorda ou se conforma em ser escravizado….

  9. Se o tal “mercado”é
    Se o tal “mercado”é desinformado e mesmo assim abocanham metade do orçamento as custas do empobrecimento dos demais, imaginem se fossem bem informados? Acredito que no final os maiores desinformados somos nós, propositalmente.

  10. Vivemos o período mais maluco

    Vivemos o período mais maluco desse país, começando pelo mensalão, passando pela lavajato e terminando não sei quando.

  11. Um fedor tão grande …

    O lavajatismo permitiu abrir parte da caixa preta do judiciario. Uma fresta que exalou um fedor tão grande, mas tão grande, que tá dificil respirar.Promotores e  Juizes com salarios estratosfericos, claramente orientados  e a serviço do Departamento de estado dos Estados Unidos, usando os poderes que possuem para usurpar mais poder e perseguir seus animigos politicos. Conduzem investigações dividosas, fazes acordos duvidosos, destroem empresas e reputações, só por que podem, e por que se comportam como divas das redes sociais a serviço da midia mais abjeta de todos os tempos. Sim tempos incertos e bicudos. Não temos mais nada a perder. Vão todos a merda. Agora é guerra.

    • Casta abjeta

      Judiciário brasileiro sempre foi essa latrina… Corrupto, vendedor de sentenças, parcial, elitista, e defensor de castas. Promotores de guerras, desigualdades e misérias, quando deveria ser ao contrário.

      No mundo inteiro é asim, e neste pais medieval, com maior ênfase.

      Se há algo do qual agradeço diariamente aos governos petistas é o de que, com a sua ascenção, obrigou a expor todas as mazelas nacionais, encobertas e dissimuladas, nos diversos níveis da nossa sociedade.

  12. Estão subestimando o

    Estão subestimando o governador do Tucanistão. Na ausencia de Lula ele cresce, e a alternativa progressista pode não decolar aí ele vence. Lembrem-se, a sociedade brasileira é fortemente conservadora.

    • Na ausência de Lula cresce o voto de protesto no 13

      Seja qual for o nome que for herdeiro do lulismo vence. O fato de ser desconhecido da maioria da população pode até ajudar como renovação na política.

      Alckmin está muito mal nas pesquisas até dentro do estado de SP. Entre leitores da Folha só 23% é caso de perda total. Nem deveria sair candidato.

  13. Os tempos estão incertos mas
    Os tempos estão incertos mas as coisas estão ficando claras a todos,Nassif o JN estes dias todos da semana se esforçou desesperadamente p passar uma imagem q o Brasil estava melhorando,a Band e Record tb, só q em um nível mais baixo,levaram um banho de água fria com o rebaixamento da nota do Brasil pela S&P, não sei se foi combinado com ela pois o PIG não conseguiria esconder a tremenda depressão neste mês de Janeiro,piorou tudo mais 50%,a Globo no JN ontem já mudou de estratégia, fará igual as manifestações de 2013,mudará/manipulará todos a seu favor,com o rebaixamento, dirá que o caos na economia é pq não aprovaram a mudança na previdência,distorcerá e fará lavagem cerebral em todos,mais ou menos o que fazem dizendo q Cabral acabou com o Rio,estão desesperados, vamos ver a quantidade de anunciantes no JN hj(ontem foi um fracasso)se houver poucos, ela está mesmo se descabelando!

    • O JN hj TB foi um fracasso de
      O JN hj TB foi um fracasso de anunciantes,eu afirmo,a Globo cai,e ainda neste ano, me chama a atenção o logotipo da novela(aparece sempre momentos antes do JN)”Deus salve a rainha”,isto é uma heresia,mexe muito com as forças ocultas superiores,quem não se lembra do Titanic e seu “Este navio nem Deus afunda”,pois é afundou,tchau Globo!

  14. “As informações provindas do
    “As informações provindas do Departamento de Justiça”, do irmão do norte. Paizinho chulé!

    Sobre o dr janot?

    Se a solução for mesmo o Lula, só quero ver se a sangria parará.

    Virou desespero?, mas essa saída está mais é para manter o centralismo político em São Paulo. Mesmo assim, estou pagando para ver se, tendo ido tão longe com essa palhaçada, essa gente não dará a tacada final.

    Tempo dirá!

  15. Tempos incertos num pais sem rumo.

    De golpe em golpe as esperanças de um país rico, livre e soberano, descem ladeira abaixo. Nos anais da história  ficarão gravadas para sempre as tragédias sofridas pelo povo brasileiro com a ditadura militar, e agora, sob a falsa bandeira de combate à corrupção, a infame lava jato e seus prejuízos incalculáveis ao Brasil, Em comum, sabemos que os dois gojpes chocaram no mesmo ninho, o império do norte.  

    • e não só do Brasil…

      como deu certo no brasil, Trump passou a declarar que vai usar o combate à corrupção como a principal arma dos estados unidos para destruir seus “adversários”………………………

      repete Nixon quando elogiou nossos milicos:

      para onde caminhar o Brasil, ou for jogado, caminharão todos os países vizinhos

      • é por isso que a mídia detesta povo bem educado…

        vocês ficam aí perdendo tempo com a certeza de que não somos bem informados

        mas questão principal não é essa, é a de não serem, povão, bem educados……………………………

        se a mídia educasse, com informação, para ser bem entendida, já teria sido destruída há muito tempo

        mas se a sentença for confirmada, talvez seja, e tomara que sim

        não há como sair dessa de outra forma

  16. não vejo nada de bom…

    estou vendo soldados

    estou vendo policiais, civis, militares e federais praticamente sem nenhum controle

    estou vendo uma sentença da qual se apagarmos o nome Lula dos autos ela perde completamente o sentido

    estou vendo uma sentença na qual se colocássemos qualquer outro nome certamente não seria confirmada

    não estou vendo uma nova ditadura, apenas jovens aprendizes de generais do MPF e do Judiciário

  17. Xadrez ou tornozeleiras de ouro?
    Nassif, a pergunta que não consigo responder é simples. Até quando irá essa pasmaceira?

    Quando é que a desesperança de vivermos num país sem futuro para os jovens, sem

    perspectiva de vencer a recessão e sem pessoas confiáveis nos três poderes irá deflagrar a

    revolta coletiva? Ou será que a maioria da população vai permanecer no atual estado catatônico,

    aceitando essa falta de boas perspectivas enquanto amarga o recrudescimento da insegurança

    atrelada à miséria, ao ganha-pão intermitente e um desemprego generalizado? Como nossos

    jovens aceitam as fakenews por não terem tido acesso à sociedade bem informada e educada,

    será que a saída da crise depende do instante em que seus pais e avós perderem o poder

    aquisitivo residual de aposentadorias que ajudam a manter as aparências? Para não continuar

    com as interrogações indefinidamente, ouso rebatizar essa Peça 1 de tua análise como “A

    desmoralização do Judiciário”, aí incluindo esse MPF destrambelhado e partidarizado, bem como

    um STF farsesco e co-responsável pela situação calamitosa que nos assola. A quem seus

    expoentes julgam que enganam ou será que pensam que a novela televisiva de que são

    protagonistas é campeã perpétua de audiência? Não vêem que o péssimo enredo, entronizando

    vilões como mocinhos, desmoralizou seus ministros e seus atos discricionários em favor de

    quadrilhas filmadas recebendo malas de subornos & achaques? Sem uma instância moderadora,

    já que o CNJ é cúmplice da bandidagem, o retrato de nossa justiça é um Joaquim Barbosa e sua

    mansão de dez dólares nos Estados Unidos, é um Gilmar Mendes livrando a máfia dos ônibus da

    merecida punição ou um Moro bronco e tosco, sacrificando a economia nacional para locupletar-

    se em seu facciosismo público e notório. Sem justiça digna desse nome, o que esperar? Na

    Peça 2, brilhante, surge a deixa para a indagação: será que o mercado brasileiro é formado

    apenas por sócios de petroleiras estrangeiras ou por empresários que não suportam mais, como

    todo mundo, esse clima de insegurança que paralisa a economia? De quê adianta uma reforma

    trabalhista que revoga todas as conquistas sociais para quem não tem vocação para

    escravagista neoliberal e aspira apenas os lucros de um capitalismo sustentável em um país

    aonde todos possam viver e bem encaminhar seus descendentes? Ah, há o estigma de FHC e

    de um tucanato que deposita em Bolsonaro a esperança de impunidade, sem olhar para sua

    faixa média de idade, todos oitentões ou setentões e, como tal, com seus crimes prescritos por

    decurso de prazo. Com Lula reeleito, é certo que um Zé Eduardo Cardoso continuaria a seu lado,

    garantindo a impunidade tucana, motivo pelo qual talvez seja necessário FHC intervir na questão

    e proibir Aécio e seus pares etários de continuar a alimentar a guerra, pois, afinal, até seus

    saques serem julgados, todos já estarão salvos pela idade avançada. Na pior das hipóteses,

    confinados em mansões e resorts de luxo por tornozeleiras de ouro, o que vale para os Alckmins

    e demais figurantes da Peça 3. Ou será que estes últimos não percebem que Lula não é

    Bolsonaro e jamais irá confiscar seus botins ou exigir sua partilha? Sobre o Executivo e o

    Legislativo, os dois poderes restantes, só o voto popular pode depurá-los, desde que o fim da era

    Moro-Dalagnol-Gilmar Mendes-Pig o permita, mas isso fica para outro xadrez.

  18. Não sei de onde você, Nassif,
    Não sei de onde você, Nassif, concluiu que a lava-jato está mal vista pela população. Mídia não é povo.

  19. O Lance Esquecido

    Nessa longa estrada da vida enxadrística brasileira, com o próximo movimento no tabuleiro agendado para o dia 24 de janeiro, ontem, 11 de janeiro, passou despercebido, de propósito pela mídia e por falta de informação por muitos, um interessante lance que nos remete e ajuda a entender melhor outro grande lance do tabuleiro, as tais jornadas de junho de 2013.

    Lembram das tais jornadas de 2013, as do, “não é pelos vinte centavos”, que transformou-se no, “Não vai ter Copa”?     

    Pois é, provavelmente os muitos continuem não sabendo, mas ontem, em São Paulo, aconteceu o 1º ato da temporada 2019, promovido pelo MPL, com os mesmos 1.800 tradicionais manifestantes concentrando-se no mesmo Teatro Municipal, no mesmo horário, ás 17 hs, e encerrando-o com a mesma tradicional confraternização, regada a bombas, cassetetes, balas de borracha e lixo incendiado, com a Polícia Geraldina.

    Enfim tudo na mesma normalidade de sempre, sem novidades, com a mídia mais uma vez ignorando e não divulgando o ato, para não inflá-lo, daí tantos ignora-lo, com a Globo comportando-se como sempre, não transmitindo o 1º ato ao vivo na globonews, durante todo o tempo, quanto mais no JN e nos intervalos das novelas, também ao vivo, como estranha e inéditamente fizeram em 2013 e até hoje não explicado o por que, por ninguém.

    Por que será, pergunta-se a ‘intelectuais revolucionários’ que permanecem achando que 2013 foi um movimento espontâneo.

    Afinal, o que estava fazendo a Globo lá, estranha e inéditamente transmitindo ao vivo no JN e nos intervalos da novela, ajudando a inflar os atos seguintes e por que estavam forçando em uma direção, na qual os manifestantes eram vândalos, e depois do imprevisto massacre da tropa Geraldina nos noviços manifestantes, seduzidos pelas transmissões ao vivo da Globo, no 4º ato, mudaram radicalmente, passando a chama-los de cidadãos manifestando-se, levando o movimento para o rumo tomado, que todos sabemos?

    Analisem o lance e respondam, basta pesquisar, são fatos fartamente registrados e disponíveis, não podem ser negados e sim explicados sob a luz da realidade e não do desejo e da ficção política.

    Mãos e mentes, à obra, no tabuleiro. 

    • Xadrez de tempos incertos

      -> com os mesmos 1.800 tradicionais manifestantes

      esta avaliação foi fornecida pela PM-SP (na verdade, avaliou em 1.500). aquela mesma que anunciou que às 15:40h de 15-MAR-2015 havia 1 milhão de pessoas na Av. Paulista.

      os manifestantes estimaram em 10.000 participantes.

      sejam os 10 mil ou os 1.500, algo é certo: Fr@ncisco não estava, nem nunca esteve, entre eles. preferindo participar e formar sua opinião pelo JN e via dados da PM-SP.

      enquanto isto, até os cadeirantes estão nas ruas…

      • O Convicto Moro Faz Escola: Dane-se a Realidade dos Fatos
        Digamos que nesse meu tempo de vida, figuras que se colocam à vanguarda, ‘certeiras’ e de ‘prosa decidida’, iguais a ti, no meio da luta política que travamos contra a classe dominante, conheci muitas, pessoalmente ou não, e que normalmente ao ajeitar das melancias na carroceria do caminhão, mudam de lado e se ‘ajeitam’ na vida a ponto de terminarem plantonistas ou funcionários na GloboNews e congêneres, para quando necessário atacarem, frontalmente ou dissimuladamente o ‘inimigo’, hoje o PT. Alguns exemplos: Alvaro Moisés, Francisco Weffort, Demétrio Magnoli, Reinaldo Azevedo, etc. Vossa convicta certeza é que permite-me escrever o que acima escrevo, pois o número de 1.800 manifestantes tradicionais do MPL é fruto de observações feitas ao comparecer a diversas edições do movimento em anos anteriores e consta em vários comentários meus, inclusive no GGN, após o junho de 2013, onde graças a transmissão ao vivo da Globo desde o 1º ato, dobraram no segundo ato, idem no terceiro e passaram dos dois digitos no ‘fatal’ quarto ato, estando presente em todos atos para conferir o que a Globo ali fazia, pois ao chegar em casa após observar a saída do movimento no 1º ato de junho de 2013, espantei-me com a inédita transmissão ao vivo no JN, prosseguindo nos intervalos da novela. Não apenas estava lá em 2013, como estive o ano passado e estava agora dia 11 de janeiro, embaixo de chuva, em frente ao Teatro Municipal, participando do ato, até a saída da passeata, sabe-se lá ‘por que’, dessa vez não transmitida ao vivo pela Globo no JN e intervalos da novela. Portanto, você não sei, mas não ouvi falar, participo de todas manifestações que posso, como participei do 1º ato em São Paulo, em junho de 2013 e acompanhei toda aquela estranha reversão do movimento, em cada lugar do Brasil, pesquisando informações de tudo quanto é jeito e lado e desafio-o a provar que, a Globo estava lá inéditamente por acaso, transmitindo ao vivo desde o 1º ato, a Fiat lançou a campanha do ‘Vem pra Rua’ por mera coincidência e a mídia não deu um ‘cavalo de pau’, mudando de rumo, no transcorrer dos acontecimentos, bem como desmentir factualmente que as tais jornadas, em termos de massas, não duraram mais que duas semanas (restando o PSOL no Rio e em São Paulo), não chegando sequer ao final de junho, tempo suficiente para que todos os jovens, de todos os locais do Brasil, preponderantemente colegiais, pudessem curtir dar uma ‘passeadinha cívica’ pelas ruas, retornando rápidamente às suas rotinas virtuais, pelo jeito mais agradáveis que andar pelas ruas sem saber bem a que servia (colocar o governo sob pressão e adestrar a direita em construção, para a eleição de 2014 e ao serem derrotados, o golpe de 2016).  Acredite, tu não é o sal da terra, no máximo, digamos, um espirro de ketchup do Lemman, os fatos estão aí registrados para ajuda-lo a sair dessa ilusão ficcional.

        • Xadrez de tempos incertos

          -> bem como desmentir factualmente que as tais jornadas, em termos de massas, não duraram mais que duas semanas (restando o PSOL no Rio e em São Paulo), não chegando sequer ao final de junho

          não adianta dar faniquito e ficar com ofensas pessoais como de fosse um adolescente brigando por causa de time de futebol no pátio da escola.

          os fatos estão na cronologia que postei acima. é da análise deles que devemos tirar algumas conclusões. e não ficar tagarelando versões tão confortáveis quanto duvidosas.

          – até 17-JUN a grande mídia estava em bloco contra o “vandalismo” das manifestações, mesmo tendo ocorrido uma mudança de enfoque especificamente por conta da violência sofrida por jornalistas em 13-JUN;

          – quando Dilma foi vaiada, na abertura da Copa das Confederações, algo mudou. não que a vaia em si representasse grande coisa. Lula já fora vaiado no Maracanã em 2007, na abertura do Pan. também o que mudou não foi que o tico e o teco da elite do atraso conspiraram algo. aí sim tem não só o dedo, como as mãos e os braços da CIA. mas disto Dilma já fora avisada desde 05-JUN, com os vazamentos de Snowden;

          – com 1 milhão ocupando a Av. Pres. Vargas de ponta a ponta em 20-JUN, foi no Rio a maior e mais emblemática manifestação de Junho de 2013. ao chegar à frente da prefeitura, a manifestação foi brutalmente reprimida pela cavalaria e pelo Caveirão, os manifestantes foram literalmente caçados por toda a região central da cidade;

          – os desdobramentos de Junho de 2013 prosseguiram fortes no Rio, como o “Fora Cabral” e o “Cadê o Amarildo”. culminando com a greve dos professores e as grandes manifestações na Cinelândia em 04-OUT e 07-OUT, sempre com muita repressão e sob forte ataque da grande mídia.

          .

          • Tergiversando

            Não tergiversa, não me interessa o que pensa que é, foi ou o que ‘acha’ de mim ou da torcida do Jabaquara, ignoro provocações, falo de fatos, registrados, comprováveis, que goste ou não, mostram que após junho de 2013, restaram reduzidos movimentos no Rio e São Paulo, e as manifestações nos dias 04 e 07 de outubro citadas, não passaram de dez mil manifestantes, substancialmente relativos ao movimento dos professores em greve.

            Basta para isso, verificar que a própria organização dos mestres, nessa primeira data, após a assembléia, informa que em número de cinco mil sairam em passeata em direção a prefeitura, que juntando-se a possíveis três mil outros remanescentes de junho que permaneciam em protestos contra Cabral, chega-se aos até dez mil, que o fato na maior boa vontade apresenta. Prove o contrário com fatos. 

            O que restou foi o projeto bem sucedido da mídia( certo que tão rápido, não esperado), para desgastar o governo Dilma, para vencer a eleição em 2014, sobretudo com o lançamento da operação jurídica Lava Pato, em março de 2014. Não acho, são fatos, goste ou não.   

              

          • Xadrez de tempos incertos

            -> mostram que após junho de 2013, restaram reduzidos movimentos no Rio e São Paulo,

            -> as manifestações nos dias 04 e 07 de outubro citadas, não passaram de dez mil manifestantes

            continua perdido no tempo e no espaço das versões confortáveis e duvidosas. persiste falando do que não sabe, não quer saber e tem raiva de quem sabe.

            – a greve dos professores no Rio em 2013, como desdobramento de Junho, foi repleta de grandes manifestações (sempre reprimidas com violência pela PM e pela grande mídia);

            – em 01-OUT uma Cinelândia repleta com manifestantes, não apenas professores e alunos, na votação do PCS da categoria, foi atacada brutalmente pela PM, numa chuva de bombas de gás e de efeito moral;

            – em 07-OUT a multidão ocupou a Av. Rio Branco até a Cinelândia. ao final, veio o acerto de contas: a Câmara Municipal por pouco não foi incendiada;

            – as manifestações no Rio prosseguiram até a Copa de 2014, inclusive com a memorável Greve dos Garis durante o carnaval;

            – além disto, Junho de 2013 não se restringiu ao eixo Rio-SP. na verdade, começa em Porto Alegre e tem suas raízes em Natal (Revolta do Busão). as manifestações foram enormes por todo Brasil, principalmente também em BH e Fortaleza;

            – mais: as narrativas sobre o Black Bloc também são totalmente distorcidas. a Esquerda vai precisar fazer um enorme trabalho de se resgatar frente a todo este processo.

            vídeo: Ave, Black Bloc

            [video: https://www.youtube.com/watch?v=caTDdA9HuJY%5D

            .

          • Fortes Convicções, é da Moda…

            É bem isso aí, GRANDES manifestações, nenhuma além de dez mil participantes, sendo bastante expansivo no teto. Só rindo!

            Foge da realidade nua e crua dos fatos, como da cruz o diabo e da verdade o Doria.

            Desisto, ‘fugas’, aprecio-as na ‘clássica’ e em filmes, tu pelo jeito, não, insiste na certeza de vir determinar, com desejos e convicções, numa só tacada, o futuro despertar, ao estalido, das massas.

          • Xadrez de tempos incertos

             

             

            seus comentários demonstram um arrogante desconhecimento quanto à greve dos professores no Rio em 2013. os vídeos que postei são um bom início para superá-lo. continue a pesquisa por conta própria. depois, se envergonhe da quantidade de besteiras que aqui escreveu a respeito.

            vídeo: 7 de Outubro Negro: 50 mil vão às ruas em apoio aos professores

            [video: https://www.youtube.com/watch?v=252RMDt-ygg%5D

            .

          • Entre Ficção & Desejos: FIM

            Muita calma e não perder as estribeiras jamais, para não ficar ainda mais exposto nessa fixação ficcional devota de junho de 2013, sem considerar que não colam cá, desconsiderações adultas, quanto mais juvenis, pois o que conta são fatos e não ficção e desejos.

            A realidade crua que evita ver, tentando desqualificar quem tenta mostrar-lhe isso com fatos, é que fatos não mentem, inclusive fotos dos fatos quando vistas do alto.

            De uma conferida no link (https://educacao.uol.com.br/album/2013/10/08/confira-o-que-aconteceu-nos-protestos-de-professores-de-ontem.htm) e veja se consegue enxergar os 50.000 anunciados, no movimento dos professores em greve, adensado por bombeiros e bancários, em 07/10/2013, para onde deslocou-se para tentar enxergar ainda resquícios das tais jornadas de junho, que massivas duraram exatamente 12 dias, goste-se ou não, pois são fatos registrados e disponíveis que mostram isso. 

            Lembra do “isso nunca aconteceu no primeiro ato”, pois é, aproveita e descubra também a realidade que a Globo transmitiu cenas ao vivo no JN e nos intervalos da novela, em 06/06/2013, do primeiro ato do MPL em São Paulo, registrado e disponível não apenas nos arquivos da Globo, como faz parte e está registrado em várias teses acadêmicas que abordaram a atuação do JN e Globo naqueles dias. Basta pesquisar. 

            Aceita que dói menos, antes à realidade que sonhar a realidade, afinal, por que a Globo ineditamente transmitiu ao vivo?

          • Xadrez de tempos incertos

            -> De uma conferida no link (https://educacao.uol.com.br/album/2013/10/08/confira-o-que-aconteceu-nos-protestos-de-professores-de-ontem.htm) e veja se consegue enxergar os 50.000 anunciados

            mas por que diabos o UOL (a FSP) iria corroborar este número de participantes (50 mil)? mas por que diabos vc está usando o PIG, o qual tanto é criticado por vc mesmo, como fonte de informação?

            como se não bastasse antes já ter usado avaliação sobre a quantidade de manifestantes no último ato do MPL (11/01/2018) feita pela infame PM-SP…

            vc deveria se envergonhar disto. assim como deveria pedir desculpas pelo seu grave desrespeito pelo movimento dos professores em 2103 no Rio.

            o Lulismo reclama o tempo todo da Globo, mas está sempre ligado nela. critica o PIG, mas vive frequentando suas páginas.

            na obsessão de fincar pé numa posição indefensável, acaba tropeçando nas próprias pernas.

            – seu foco já está errado desde o começo. o atual protesto contra o aumento da passagem é legítimo. além disto, é excelente oportunidade para dinamizar a luta contra o Golpe de 2016. e também fazer a conexão com a luta pela democratização do Judiciário, o que articula com a defesa de Lula frente a 24-JAN;

            – portanto: não se trata da capacidade da Globo, e sim de nosso próprio poder, enquanto frente de Esquerda unida na luta concreta, de apoiar, amplificar e disseminar os atuais protestos;

            – em Junho de 2013 a grande mídia sempre conclamou os governos a expulsarem os manifestantes da rua. e quando isto foi feito, os psicopatas da PM começaram a vazar olhos com balas de borracha, e agrediram também equipes de jornalismo. só então houve uma reação da grande mídia;

            – o único momento em que Junho de 2013 foi amplificado pela grande mídia se deu em 17-JUN, inclusive arrefeceu a repressão. o resultado deixou a todos apavorados, Direita e Esquerda tradicional: em 20-JUN o movimento explodiu;

            – agências externas de inteligências que monitoravam Junho de 2013 tinham plena consciência do caráter eminentemente anti-institucional das manifestações. caso não fossem reprimidas, e 20-JUN comprova isto, viria tudo abaixo, e não apenas o governo Dilma. por isto voltou a porradaria, ainda mesmo em 20-JUN;

            – se fosse objetivo da grande mídia amplificar as manifestações até a derrubada de Dilma, por que ela não o fez? porque era claro ser impossível controlar manifestações daquela magnitude.  a grande mídia atuou para canalizar o movimento para as bandeiras que lhe interessavam: corrupção e PEC-37.

            há vários motivos para o refluxo de Junho de 2013 (muito embora tenha havidos desdobramentos importantes até a Copa de 2014). entre eles:

            – o recuo dos governos no aumento da tarifa, que foi a bandeira de origem das manifestações;

            – o movimento foi constantemente expulso das ruas na porrada, com selvagem repressão;

            – o natural esvaziamento de um movimento com pauta difusa, após a reivindicação principal ser conquistada.

            mais um vídeo produzido pela mídia alternativa e independente, aquela que o Lulismo nunca quis estruturar, preferindo doar bilhões à Globo, e à toda grande mídia, na forma de patrocínios e verbas publicitárias.

            vídeo: Voz das Ruas – 07/10/2013

            [video: https://www.youtube.com/watch?v=Ez5MSn0qnO0%5D

            .

    • Não é assim que funciona

      Meu caro, enquanto petistas, lulistas e esquerdistas simpáticos ao Lula e ao PT, entre os quais me incluo, continuarem achando que junho de 2013 foi uma grande conspiração orquestrada por forças estrangeiras malvadas, petistas, lulistas e esquerdistas simpáticos ao Lula e ao PT vão continuar sem entender o que aconteceu na cara deles: o solo social brasileiro rachou e mostrou que o modelo de conciliação de classes não rola mais. O que as forças políticas progressistas brasileiras vão fazer a partir desse quadro, aí ainda não dá pra saber, por enquanto.

      Muita gente acredita que é possível um Lulismo 2.0 (e o próprio Lula tem dado todos os sinais nessa direção). Com mais do mesmo e nova conciliação. Os que acreditam nisso e torcem pro Lula ganhar uma eventual eleição acreditam nisso também. Eu, no entanto, acho que isso não é mais possível: o dinheiro acabou. Vai ter que tirar do rico pra poder dar pro pobre. O Lula será capaz disso? Quem será capaz disso na sociedade mais desigual, violenta e assassina do planeta, a nossa?

      Pois é, durma com esse barulho…

      P.S.: É óbvio que de todo lado há forças, nacionais e estrangeiras, tentando a todo momento influenciar o curso político das nações (isso é assim desde que se formou o Estado nação, diplomacia é uma forma disso combinada e aceita por todos), mas junho de 2013 é algo muito maior do que historinha de conspiração de cinema. Milhões de pessoas não vão pras ruas porque um Think Tank conservador financiou grupelhos vagabundos num determinado lugar. Não é assim que funciona…

      • Xadrez de tempos incertos

        esta é a abordagem que interessa, que enriquece, que faz a roda da História se movimentar! e não apesar de todas as nossas diferenças, mas sobretudo por causa delas.

        estamos perdendo tempo precioso. e perder tempo em tempos incertos é um perigo!

        insisto:

        “O diálogo não é a conversa entre iguais, mas sim a conversa real e concreta entre diferenças que evoluem na busca do conhecimento e da ação que dele deriva. Diálogo é resistência.”

        olhai para o Irã. qualquer semelhança com o Brasil não será mera coincidência.

        vídeo: Iran’s massive protests, explained in 4 minutes (legendas automáticas)

        [video: https://www.youtube.com/watch?v=WKfVxoPO_Qc%5D

        .

      • Não Respondeu:

        Afinal, o que estava fazendo a Globo lá (no 1º ato de 2013), estranha e inéditamente transmitindo ao vivo no JN e nos intervalos da novela, ajudando a inflar os atos seguintes e por que estavam forçando em uma direção, na qual os manifestantes eram vândalos, e depois do imprevisto massacre da tropa Geraldina nos noviços manifestantes, seduzidos pelas transmissões ao vivo da Globo, no 4º ato, mudaram radicalmente, passando a chamá-los de cidadãos manifestando-se, levando o movimento para outro rumo, que todos sabemos, pavimentou o golpe de 2016?

        • Xadrez de tempos incertos

          -> Afinal, o que estava fazendo a Globo lá (no 1º ato de 2013), estranha e inéditamente transmitindo ao vivo no JN e nos intervalos da novela, ajudando a inflar os atos seguintes

          isto nunca aconteceu no primeiro protesto! vc apenas reproduz uma narrativa conveniente, para criar o enredo que Junho de 2013 foi obra da CIA.

          Junho de 2013: sumário de cronologia

          06: primeiro protesto organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL), reúne entre 2 e 4 mil pessoas, termina duramente reprimido pela polícia. há protestos também no Rio, em Goiânia e Natal;

          07: segundo protesto do MPL, também duramente reprimido, termina com 15 manifestantes presos;

          11: terceiro protesto do MPL, agora com cerca de 12 mil manifestantes. Ônibus são depredados; mais de 20 manifestantes detidos. O Globo diz que São Paulo virou uma “praça de guerra”:

          12: No Jornal Nacional, Arnaldo Jabor dá sua famosa declaração: “Não pode ser por causa de 20 centavos!”, compara os manifestante ao PCC e defende a PM;

          13: Em editorial, a Folha de São Paulo afirma que os manifestantes são “jovens predispostos à violência por uma ideologia pseudorrevolucionária”. ”. Termina exortando o poder público (“É hora de pôr um ponto final nisso”) a agir com rigor contra o vandalismo. o quarto protesto do MPL mais uma vez acaba em conflito, com mais de 200 detidos. Surgem os primeiros registros de violência policial contra jornalistas.

          15: Dilma Rousseff é vaiada durante a abertura da Copa das Confederações, em Brasília.

          17: Protestos explodem em diversas capitais brasileiras. Em São Paulo, a manifestação reúne 65 mil pessoas; repúdio à Rede Globo leva a hostilização da equipe de reportagem de Caco Barcellos, expulso da manifestação. Em Brasília, manifestantes ocupam no final do dia a cobertura do Congresso Nacional. No Rio de Janeiro, o movimento reúne 100 mil manifestantes. O final do protesto foi violento: uma multidão ataca a ALERJ, inclusive acuando policiais. A equipe de jornalistas da Globonews, em transmissão ao vivo de horas, repete ad nauseam que os protestos são “contra o aumento da tarifa e a PEC-37”.

          .

          • Desculpe, mas o botocudo aqui

            Desculpe, mas o botocudo aqui até hoje não sabe de onde saiu esse tal de MPL de 2013, nem se o que aparece agora é o mesmo. Se alguém me ajudar, agradecerei muito. Ah, desconfio que o assombroso crescimento daquelas manifestações se deva ao PiG, certamente financiado por alguém.

        • A muleta Rede Globo…

          Meu caro, em primeiro lugar, sua narrativa está equivocada como o Arkx escreveu abaixo. Em segundo lugar, essa é outra ilusão de muitos petistas, lulistas e esquerdistas simpáticos ao PT e ao Lula: a Rede Globo tem o poder de manipular o povo de um modo contra o qual nada há a fazer a não ser fechá-la… Quanta bobagem!

          Essa foi a forma que o PT encontrou de “explicar” o golpe que levou, mas é uma explicação muito fácil, simplória e falsa.

          Se fosse verdade que a Rede Globo tem o poder que vocês dizem que ela tem, o PT não teria ganho 4 eleições seguidas! Parem de se apoiar nessa muleta, comecem a refletir sobre a política conduzida ao longo dessa década e meia e entenderão porque foram golpeados.

          Tem um outro ponto muito, mas muito problemático na muleta Rede Globo: um elitismo atroz que considera o povo completamente estúpido. O povo não é idiota! Ninguém acredita nas abobrinhas da Globo como vocês imaginam que as pessoas acreditam. Todo mundo sabe que a imprensa tem lado e manipula as informações.

          As pessoas não defenderam o governo que caiu porque não se sentiam nem conectadas nem representadas por ele. Por que nós deixamos isso acontecer é que é o problema, não tem nada com a ideia de um grupo de 5 ou 6 pessoas numa sala com ar condicionado no Jardim Botânico conseguindo controlar 200 milhões de pessoas.

          É claro que a mídia tem poder, pauta debates e influencia opiniões, mas nós também temos essa capacidade. Oras, o Lula fala o tempo todo, dá o recado dele o tempo todo, as pessoas não estão impedidas de ouvir o que ele e muitos outros dizem…

          O mais lamentável é que o Lula, esperto como só ele, sacou que a militância se apoia nessa história de golpe midiático. Movimento seguinte? “Quero fazer a regulação da mídia e disputar com o candidato que tenha o logotipo da Globo colado na testa!” Gênio político! Não tem outro nome, o cara é f… Mas, infelizmente, tá vendendo ilusão. O problema não é hegemonia de informação, é o capital em crise! Se um estado como o brasileiro quiser mudar o lamentável quadro social do país vai ter que fazer uma revolução fiscal tão inédita que, aí sim, enfrentará resistência de verdade, não editorial do Estadão ou do JN…

          Vou te contar uma coisa para você não sofrer muito lá na frente: se o Lula ganhar (ou o candidato que ele indicar caso seja impedido de participar das eleições, e se tivermos eleições…), ele vai pegar o projeto de regulação da mídia que o Franklin Martins fez uma década atrás (e o Lula deixou na gaveta por que mesmo?) e vai desfigurá-lo de uma tal maneira para aprová-lo que você vai se sentir tão decepcionado, mas tão decepcionado, que talvez pare de se apegar à muleta Rede Globo. O quanto antes melhor, no entanto, pois só quando a esquerda parar de se agarrar a essa muleta é que ela vai pensar em voltar a fazer o que deixou de fazer desde que chegou ao poder: política nas ruas, não nos gabinetes com ar condicionado de Brasília…

          • Uma Coisa e Outra Coisa, Não São a Mesma Coisa, Segundo Neném

            Não é minha narrativa que está equivocada, são os fatos, diante de vossa e de terceira narrativa, certeiras e convictas, à moda.

            Como dizia o filósofo Neném Prancha, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

            Vamos a uma coisa primeiro, sobre as jornadas de junho de 2013, você e ninguém, responderam ainda sobre o que a Globo queria e por que, ao transmitir ao vivo, inéditamente, cenas desde o 1º ato do tradicional movimento do MPL , realizado em todos os anos anteriores, há muito. 

            Contrariando-o quanto a capacidade de influência da Globo, no caso, esse movimento, nunca conseguiu no mais bem sucedido ato catalisar na cidade de São Paulo, mais que 3.000 manifestantes, a qualquer tempo, antes e pós junho de 2013, como acabou de ocorrer também agora, no dia 11 de janeiro.

            Em junho de 2013, no primeiro ato (como o MPL denomina-os) compareceram os tradicionais 1.800 e a novidade foi a Globo transmitir ao vivo, no JN e nos intervalos da novela, cenas do dito e foi isso que, naquele dia, ao assistir em casa, vindo do inicio do ato, me deixou de orelha em pé, o estranho investimento antevisto.

            Não deu outra, basta conferir os fatos, no segundo ato já eram o dobro, no terceiro eram em torno de 6.000 os manifestantes e os black blocs (lembra-se? Por onde andam?) deram as caras e botaram para quebrar, no quarto e ‘fatídico ato’, eram mais de 12.000 e aí, juntando-se o noviciado em manifestações em maioria e a profissionalidade da tropa de repressão, virou ‘carnificina’  a tradicinal confraternização MPL e Polícia geraldina, ao fim dos atos, virando o jogo e arrastando multidões a partir de 17 de junho até o final do mês, quando o ‘footing cívico da juventude’ cessou, restando às ruas os manifestantes de sempre. 

            Uai, se a única novidade foi o fato da Globo ineditamente transmitir ao vivo, será que dá para concluir o por que do fato do incrível incremento no número de manifestantes, justo naquele ano em que a Globo resolveu transmiti-lo, sabe-se lá…, pra valer?

            E aí, chegamos novamente no tal lance e a pergunta a procura de resposta: Por que?

            Quanto a outra coisa, para onde deslocou-se para não responder a pergunta, substimar o outro nem sempre é caminho não acidentado, sem pedras, sobretudo quando não se está a justificar golpe e sim analisar um ‘simples’ lance inobservado no ‘tabuleiro de xadrez’ do LN: O que a Globo estava fazendo lá, ineditamente, em junho de 2013. Entendeu, não se tratar do roque do rei e menos ainda do cheque-mate?

            Quanto aos lances mais nobres, declino vossa oferecida sabedoria para entende-los, pois no momento aprecia-se cá o pão, enquanto nos transmite a vinda do trigo.

            Grato. 

          • Xadrez de tempos incertos

            na obsessão de fincar pé numa posição indefensável, acaba tropeçando nas próprias pernas.

            – seu foco já está errado desde o começo. o atual protesto contra o aumento da passagem é legítimo. além disto, é excelente oportunidade para dinamizar a luta contra o Golpe de 2016. e também fazer a conexão com a luta pela democratização do Judiciário, o que articula com a defesa de Lula frente a 24-JAN;

            – portanto: não se trata da capacidade da Globo, e sim de nosso próprio poder, enquanto frente de Esquerda unida na luta concreta, de apoiar, amplificar e disseminar os atuais protestos;

            – em Junho de 2013 a grande mídia sempre conclamou os governos a expulsarem os manifestantes da rua. e quando isto foi feito, os psicopatas da PM começaram a vazar olhos com balas de borracha, e agrediram também equipes de jornalismo. só então houve uma reação da grande mídia;

            – o único momento em que Junho de 2013 foi amplificado pela grande mídia se deu em 17-JUN, inclusive arrefeceu a repressão. o resultado deixou a todos apavorados, Direita e Esquerda tradicional: em 20-JUN o movimento explodiu;

            – agências externas de inteligências que monitoravam Junho de 2013 tinham plena consciência do caráter eminentemente anti-institucional das manifestações. caso não fossem reprimidas, e 20-JUN comprova isto, viria tudo abaixo, e não apenas o governo Dilma. por isto voltou a porradaria, ainda mesmo em 20-JUN;

            – se fosse objetivo da grande mídia amplificar as manifestações até a derrubada de Dilma, por que ela não o fez? porque era claro ser impossível controlar manifestações daquela magnitude.  a grande mídia atuou para canalizar o movimento para as bandeiras que lhe interessavam: corrupção e PEC-37.

            há vários motivos para o refluxo de Junho de 2013 (muito embora tenha havidos desdobramentos importantes até a Copa de 2014). entre eles:

            – o recuo dos governos no aumento da tarifa, que foi a bandeira de origem das manifestações;

            – o movimento foi constantemente expulso das ruas na porrada, com selvagem repressão;

            – o natural esvaziamento de um movimento com pauta difusa, após a reivindicação principal ser conquistada.

            .

  20. E o stf?

     

    Aqui não foi citado o stf por que dá vergonha.

    O que o stf deixou acontecer neste indefeso país….???

    E vai ter que supremamente dirimir a briguinha cristiane/r jeferson/temer. Quebrar o galho do temer que não tem autoridade para dizer que agora(?) não dá mais para indica-la ministra. Vai ao stf para sair dessa.  A que nivel caimos!

  21. Dia 24 será o divisor de água
    Dia 24 será o divisor de água para o país.

    Para o bem, ou para o mal

    Para o mal – radicalizando e destruindo a Democracia e Constituição, placar de 3 x 0. Resultados futuros,só Deus sabe.

    Para o bem. Restabelecem à Democracia e Constituição.Lavam as mãos e ainda fazem um afago ao Moro. Algo do tipo: ” Valeu garoto, você tentou.” Placar 2×1.

    Nesse caso fingem que julgam, mas não condenam. Porque cabem vários recurso, os tais Embargos Infringentes.Mais na frente, Lula eleito,se for caso, duvido que o STF ratificaria um segundo golpe condenando o Lula .

    Os Desembargadores devem está no maior dilema. Se dão um chocolate, 3×0, ou se ganham o jogo por 2×1.

    • Acho improvável um

      Acho improvável um 2×1.

      Entretanto, apesar da gravidade da situação, não deixa de ser curisoso imaginar em uma hipotetica combinação de placar entre os 3 magistrados, a briga que seria quanto a quem proferiria o voto à favor.

      Considerando que nenhum dos 3 desejaria dar o voto à favor com medo das reações do MBL e da lojinha, como eles definiriam o boi-de-piranha?

      2 ou 1?

      Palitinho?

      Roleta?

  22. Acho não,tenho certeza que o
    Acho não,tenho certeza que o centro do artigo de Nassif eu repercutir em comentário da minha lavra há duas semanas,quando o jornalista Mino Carta afirmou em palestra no Teatro Vila Velha em 17/07/2007,que o único político brasileiro que tinha as condições de interlocução necessárias quando o Morro descesse ao asfalto com caras de poucos amigos,é Lullla.E abriu o jogo “na eminência de uma convulsão social Lullla e o único político brasileiro para sentar a mesa para negociar um acordo com a Casa Grande”.Em outras palavras,o Editor optou por escrever de outra forma,senão vejamos:”Analistas mais lúcidos já se deram conta que a solução Lullla é a opção mais barata para se obter a paz social”etc etc.No mais não conseguir detectar nada de novo ou diferente que já não tivesse abordado pelo autor em diversos artigos anteriores.

    • Que me permita meu amigo
      Que me permita meu amigo Nassifão,ate o titulo do Xadrez seria merecedor de serios reparos:”Xadrez de tempos incertos”.Ha exatamente quanto tempo saimos da era dos certos para os incertos?Alguem se habilita a me responder?O “efeito manada” foi a maior patifaria criada pelas redes sociais,e sem duvida alguma,foi a mola mestra a conduzi-la para o maior ponto de prostituição do Solo Consolidado Patrio.

      • O FDP do tal efeito
        O FDP do tal efeito manada,liquidou sumariamente com uma frase que Millor Fernandes levou decadas para construir e legou para a posteridade:”Livre pensar e so pensar”.Ate Sergio Saraiva,que nao costuma respeitar as Avos dos outros,entrou na onda e produziu uma barbaridade tipo “liberdade de expressao se combate com mais liberdade de expressao.Pareo durissimo.

        • Rendo-me a reconhecer uma
          Rendo-me a reconhecer uma coisa.Se o efeito manada se esvair-se por si,95% dos comentaristas asssociados a ACCEBLON teriam que procurar alguma coisa para fazer.Podes crer.

        • A de SS que tambem faz parte
          A de SS que tambem faz parte do patrimonio do efeito manada parece ser assim:Ouso pensar que ouso pensar por que ouso pensar.E isso mesmo meu amigo Duduoutro?Com certeza essa foi encontrada com o providencial auxilio da Laterna de Diogenes na noite mais escura.

  23. Dia 24 não haverä julgamento
    Dia 24 não haverä julgamento de um crime, pois os 3 desembargadores sabem que o processo è uma fraude: o que haverá é uma guerra de classes: de um lado os Thompsons e, do outro, os Da Silva…

  24. Desmoralização da Lava Jato

    Acredito que esta situação da lava Jato é a que afeta principalmente as outras duas tendências. Esta guerra está sendo ganha por Lula e os seus advogados. Ainda, a Lava jato já não consegue mais esconder os podres que surgem a toda hora pelo lado golpista. A viagem do Moro para os EUA estava marcada para 2017, mais o “timing” furou rotundamente. A pedra que vai sepultar a Lava Jato está na recente sentencia de Juíza de Brasília (noticias de hoje no Blog Brasil 247), que penhora o Apartamento triplex de Guarujá por conta de assunto pendente da própria OAS, numa ação movida por credores. Nessa ação, a Juíza entende que o Apartamento é mesmo da OAS. E aí Moro!

  25. Infelizmente pedir

    Infelizmente pedir compreensão, moderação e que “caia a ficha” para as tais “elites” é querer demais. Nunca acreditei nisso. Se bem que, durante os 12 anos de PT, me iludi ao acreditar por um momento que isso fosse possível… 

    Não. Definitivamente, não. 2016 provou por A+B-C que não.

    A história é implacável. Ela mostra claramente que quando uma sociedade chega a uma encruzilhada decisiva como a que vivemos só existe uma solução aceitável: a guilhotina.

  26. Data simbólica a escolhida
    Data simbólica a escolhida para guilhotinar Lula, o presidente de origem operária que fez esse pais orgulhar-se como povo e ser respeitado mundo afora no concerto das nações, o que era inaceitável para essa elite que nunca se libertou do seu DNA escravista e colonial.

    Do simbolismo da data.

    Foi num 24 de janeiro que a Constituição de 67 do golpe de 64 foi outorgada.

    Não por coincidência os Thompson se locupletaram daquele regime, tendo sido dos seus prefeito biônico de Porto Alegre.

    Por isso Thompson quis homenagear sua linhagem num 24 de janeiro, com ingredientes de AI 5 gestados na CF de 67: essa elite do atraso não dá ponto sem nó: só mesmo a guilhotina pra dar um jeito nessa corja.

  27. Sobre incertitudes

    Na semana que passou a noticia que chamou atenção foi justamente a de que o Ministério Publico Federal vai redobrar os recursos para a Operação Lava Jato. Não sei exatamente o que esta se passando nas entranhas da LV – e eu diria que estão eliminando tudo que os comprometa – mas para todos os meios, a PGR e o STF continuam apoiando a Lava Jato e eles terão ainda mais tempo de vida pela frente. Portanto a Lava Jato não termina agora segundo o calendario dos processos que foram transferidos para Curitiba. Não obstante toda esse aparente estado de legalidade da operação Lava Jato de uma coisa tenho convicção, assim que se passar esse periodo, muita coisa vai emergir sobre o que foram os anos Lava Jato. Muita gente tera o que contar.

    Quanto as eleições de 2018. Também chamou a atenção a volta do nome Luciano Huck na midia como candidato à presidência. isso quer dizer que Alckmin vai muito mal e que apostam na condenação de Lula pelo TRF-4. Não sei se ha um desenho claro para o Mercado, mas apostaria que na atualidade ninguém sabe muito bem ainda, quais serão os candidatos com potência para a presidência.

  28. Acho que a condenação por 3×0

    Acho que a condenação por 3×0 tá no script do golpe. E não vai ter nenhuma reação relevante por parte das massas, elas estão preocupadas com assuntos mais relevantes: fome, desemprego, violênia policial, prisões arbitrárias por “tráfico”, que a “democracia” (burguesa!) não resolveu para elas. Tem uma ótima explicação aqui: http://www.revistapunkto.com/2015/12/porque-e-que-hoje-nenhuma-revolucao-e.html

  29. Xadrez de tempos incertos

    vivemos os tempos mais perigosos de toda a História: o colapso do maior e mais poderoso de todos os Impérios.

    antes da hegemonia da web, a Microsoft era o grande Satã. com seu monopólio impunha as regras no mundo da TI. atualmente FaceBoook e Google deixam claro como tudo sempre pode piorar ainda mais.

    a China emerge como um novo hegemon? ou ao menos como o eixo em torno do qual a ordem global se realinhará?

    muito provavelmente um mundo sob esta reconfiguração será ainda pior do que o atual. basta para isto uma analogia entre a sociedade norte-americana, com todas as suas anomalias cada vez mais acentuadas, e o Big Brother chinês.

    ainda assim, não se trata de optar pelo menos pior. pois o cerne da questão não está sendo atacado: não existe nenhum futuro sob um capitalismo financeirizado. e como a roda da História não se move para trás: não haverá retorno a um capitalismo industrial keynesiano.

    talvez seja esta a grande lição: estamos à beira de um precipício. ao olhar para trás, o caminho que nos trouxe a este impasse também desabou. ou caímos. ou, por algum milagre, aprendemos a voar.

    este impasse global se expressa também na encruzilhada em que estamos hoje no Brasil.

    Lula seria o candidato do consenso, de uma repactuação nacional, para implementar uma reedição de algum jogo ganha-ganha (no qual sempre uns poucos ganham muitíssimo mais do que todos os demais), aquele que além de não querer incendiar o país é o único capaz de negociar o abrandamento das chamas…

    sem dúvida! com toda certeza!

    só que este tempo não existe mais… e não vai tornar a existir. a rigor, jamais existiu: o Golpe de 2016 deveria ser disto a prova definitiva.

    estamos numa guerra de extermínio. ou lutamos, ou não sobreviveremos. ou derrotamos nosso inimigo: um setor dominante neo-colonial e semi-escravocrata. ou seremos extintos.

    .

    • arkx,com todo respeito a quem
      arkx,com todo respeito a quem de direito,mas convenhamos, esses assuntos ja deram o que tinham que dar.Vou resumir:Esta todo mundo tampado em uma panela de pressão prestes a explodir,e esta situação e do conhecimento ate do mundo mineral.O nos vamos fazer com o Pavao Misterioso?Ele nao vai sair do lugar ou teremos que agir?

      • Xadrez de tempos incertos

        -> Ele nao vai sair do lugar ou teremos que agir?

        acho que vamos ter que caçar o bicharoco.

        mas nestes tempos de incerteza, também estamos sendo caçados. daí, não foi sem algum espanto ter encontrado reproduzida aqui matéria sobre aviso do governo sueco: preparem-se para ficar uma semana por conta própria.

        em MG os trabalhadores em educação (Sind-UTE) tinham sido a ponta de lança na luta contra as contra-reformas. isto até o meio do ano passado. então resolveram recuar. afinal, estavam pressionando demais o “nosso governo” do companheiro Pimentel.

        agora o Pimentécio ferrou com eles. até adiou o início do ano letivo, prá fazer resultado fiscal em cima de professores e alunos da rede pública. enquanto permite que os Moreira Salles continuem fazendo a farra do nióbio de Araxá.

        a coordenadora do Sind-UTE despontava como uma das novas e promissoras lideranças nacionais, foi até convidada para ter uma coluna na Mídia Ninja. acabou enquadrada pela tropa de choque do Lulismo. hoje tem que ficar se explicando pelo FaceBook…

        isto pode dar certo?

        façamos como no Havaí. dispara um aviso de ataque nuclear prá essa gente sentir como é a vida.

        .

    • Oi, Arkx! Concordo com você
      Oi, Arkx! Concordo com você nesse ponto: “vivemos os tempos mais perigosos de toda a História: o colapso do maior e mais poderoso de todos os Impérios.”

      E também aqui: “este impasse global se expressa também na encruzilhada em que estamos hoje no Brasil.

      Lula seria o candidato do consenso, de uma repactuação nacional, para implementar uma reedição de algum jogo ganha-ganha (no qual sempre uns poucos ganham muitíssimo mais do que todos os demais), aquele que além de não querer incendiar o país é o único capaz de negociar o abrandamento das chamas…”

      A parte que discordo segue sendo a mesma: mesmo que sua solução ou visão de seja a mais correta e “plena”, não me parece hoje, minimamente viável. E não sou contra as utopias – como enxergo algumas de suas propostas para o Brasil, HOJE, mas diante de um paciente em coma, cheio de feridas dolorosas, levá-lo para um quarto, curar-lhe as feridas mais graves, muitas vezes, de imediato, é tudo o que podemos fazer, para só então pensarmos na cura total.

      Perdoa a pobreza da metáfora – rs – queria que tentasse compreender (não “para você”, mas como minha opção…) que uma visão às vezes não é boa o bastante para determinado tempo, em determinada sociedade. Mesmo que seja a mais legítima.

      Abraço!!!!

  30. Lembro-me que dias atrás, o
    Lembro-me que dias atrás, o Dr. Machado, respeitado advogado me disse:

    Amigo, isso só vai ter jeito quando a Senzala fizer uma coisa que nunca fez neste país: rebelar-se…

  31. Vaza Jato

     O povo não acredita na Lava Jato pois Lula tem quase metade dos votos em pesquisa,ninguem votaria em um corrupto chefe de quadrilha como diz a Vaza Jato, portanto, o povo cre em perseguição politica.Moro condena por delação sem provas  que é a unica maneira do delator nao apodrecer na cadeia e ainda por icima curtir as benesses da corrupção, eu também delataria ate a minha mae se fosse o casoO tucano Moro bate no PT e quem apanha é o Psdb que não consegue passar dos 7%.No momento quem esta queimando é Bolsonaro na midia e esta só começando.

  32. E bota incerto nisso, Nassif.

    E bota incerto nisso, Nassif. Como apontou o comentarista Jakson da Viola, logo abaixo, o tal triplex que seria do Lula acabou de ser penhorado. Numa ação de cobrança de dívida, a juiza decidiu que credores da OAS receberão a penhora do imóvel como pagamento. Ele está arrolado entre outros três, parece.

    E aí como fica? Os credores da OAS vão receber o valor correspondente ao tal triplex, a empreiteira quita a divida com o ap. que é do Lula, e o tal bem ainda sim continua sendo a propina paga ao “chefão”? 

    Só vejo duas saídas para o Moro. Ele amite que está usando a jurisprudência “minority report”, ou seja condenando porque o Lula “ia” receber o triplex como propina, só não recebeu porque deu tilt no meio do processo. A Globo descobriu, o porteiro falou, sei lá. Fico imaginando o paciente no divã lidando com seu complexo de Édipo. Se ele no fundo deseja matar o pai, mas não o faz, mesmo assim pode ser preso por assassinato. A jurisprudência pode levar a isso, em tese.

    Ou então Moro manda conduzir coerxitivamente os credores, os mantém presos, até que confessem ser na verdade os laranjas do Lula. Tranquilo, eles delatam logo, ficam em prisão domiciliar com tornozeleira, coisa rápida, e ainda mantém os outros três imóveis. Mas tem que dar uma gorjetinha para o primeiro amigo, tá?

    Na verdade a saída pode ser simplesmente ligar o “foda-se”. É um caso inédito, que exige decisões inéditas. Então condena o Lula assim mesmo e pronto. Não precisa explicar muito não

  33. aos desembargadores do trf4

    só resta anular o processo do LULA, depois que a juiza Luciana de BSB penhorou o apartamento que criminosamente o amigo do traficante e esposo da ladra teima em dizer que é do LULA.

     

    Se não  o fizerem, Lula ao assumir ou seu indicado ao assumir, deve demitir todos estes pseudo juizes

  34. Até ontem contava como certa,

    Até ontem contava como certa, mas certa mesmo, a segunda condenação de Lula e uma possível impossibilidade de concorrer a um terceiro mandato. Hoje, sopesadas as diversas variáveis e projeções envolvidas no processo, já não tenho certeza de absolutamente nada. Os fatos, alguns novos outros apenas reconfigurados, se atropelam de forma a ser impossível um juízo definitivo. 

    O que mais se consolida dia após dia é consciência de boa parte da população acerca da farsa dessas ações judiciais a desfavor do ex-presidente. Cresce de forma espontânea uma corrente pró-Lula ao revés da frente (política, midiática) que tanto torce como pressiona o Judiciário pela condenação. Talvez nunca na história do Judiciário um Tribunal decidiu uma causa num contexto tão sensível e imprevisível. 

    Quanto à desmoralização da Lava Jato: já é fato, não conjectura. Resta saber quando os prepostos irão responder, judicialmente e/ou perante a História, pelos desatinos. Abusaram da parcialidade ao tempo em que se lambuzaram na popularidade fácil e no oportunismo político. Instrumentalizaram as instituições para, de forma acintosa e irresponsável, saciarem projetos políticos, ideológicos e pessoais. 

    Ficasse só nisso até que seria suportável. Aos aspectos intangíveis citados, somam-se as concretas e deletérias intervenções na economia do país via destruição de cadeias produtivas que por sua vez induziram a mais dramática, porque desumanas,  das consequências: a perda de milhares(talvez milhões) de empregos. 

    Tudo isso sob a desculpa esfarrapada de “combate a corrupção”. Que necessitava, sim, de enfrentamento, mas jamais da maneira como foi realizado. 

    Suponho que parte do establishment já se curva ao que parece evidente: Lula, mesmo com os percalços de ordem política e jurídica  que o afligem, agregados a uma baixa aceitação nos estamentos localizados no topo da pirâmide social, ainda é a solução mais racional e pragmática. O que há em troca? Alckmin, um político provinciano e sem visão de país, refém de um esquema político esclerosado e apodrecido? Marina Silva uma simplória teleguiada, cujo único cacife é ter passado incólume por essa purga recente nos quadros políticos? Ciro Gomes, um voluntarioso de temperamento mercurial, “qualidades” opostas para quem precisa intervir num conjuntura de total desagregação política e social? Jair Bolsonaro, um extremista despreparado até para ser prefeito de uma cidade do interior do Brasil? 

    Restam as mais renitentes das cidadelas anti-Lula que são os nichos conservadores e as corporações midiáticas. O que não significa que façam leituras diferentes do contexto. Tanto é que as últimas, Organizações Globo, se esfalfam na tentativa de apresentarem um outsider palatável ao eleitorado, a exemplo do apresentador Luciano Huck, mesmo que a única credencial seja…….não ter nenhuma credencial. 

    • Prepostos de interesses
      Prepostos de interesses americanos, diga-se de passagem. Fico sö assuntanto essa catrevagem de sobrenomes europeus que nāo renegam sua matriz, que nunca aceitaram se misturar com os Da Silva….separatistas de carteirinha, sim, por isso Moniz Bandeira alertou para o risco de fragmentação do Brasil, o que pode estar nos planos do mercado, como ocorreu noutros paises destruidos pelas tais “primaveras” conservadoras como o foram as jornadas de junho de 2013 levadas a cabo por Globo, MBL e CIA.

      Zuculoto e sua troupe tipo Moro, Dalahnol et caterva deveria mesmo se separar do Brasil: que criem o tucanistāo com essas provincias judicais midiática, atė quero ver se esses magistrados terão gordos salårios como esses que lhes pagamos. O resto do Brasil ficarå com o pre-sal…parques eilicos, muita agua…nordeste de povo lindo e feliz….
      Que se vå…

      •  ”Fico sö assuntanto essa

         ”Fico sö assuntanto essa catrevagem de sobrenomes europeus que nāo renegam sua matriz, que nunca aceitaram se misturar com os Da Silva….separatistas de carteirinha, sim, ”

        Sim até porque ”Da Silva” é sobrenome português e como sabemos, os tugas não fazem parte da europa…

         

  35. A melhor saída.
    A melhor opção no julgamento no TRF4 é o segundo juiz a votar pedir vistas do processo é guardar esse processo até baixar a poeira. Será crucificado, mas pelo menos dois deles podem salvar as suas biografias no julgamento histórico.

  36. REFLEXOES SEM DOR.Desde
    REFLEXOES SEM DOR.Desde Marlon Brando interpretando Don Vito Corleone,eu nao vejo uma atuacao tao magnifica como Gary Oldeman no papel de Winston Churchill.Extraordinaria,magnifica e exuberante.O Oscar parece que ja tem dono.

  37. REFLEXOES SEM DOR.Desde
    REFLEXOES SEM DOR.Desde Marlon Brando interpretando Don Vito Corleone,eu nao vejo uma atuacao tao magnifica como Gary Oldeman no papel de Winston Churchill.Extraordinaria,magnifica e exuberante.O Oscar parece que ja tem dono.

    • Claro,cada um tem o seu

      Claro,cada um tem o seu gosto.Mas obsevando a distancia deixa-nos transparecer que aqui está repleto de apreciadores e conhecedores da sétima arte.A cada dia conveço-me que é muitissimo mais facil passar pela banca examinadora para entrar na Universidade Harvard,do que conseguir essas benditas estrelas daqui.”Pai,perdoa-lhes,eles não sabem o que fazem”.Lucas-23,24.

  38. “Resta saber até onde irão

    “Resta saber até onde irão com a farsa.”

    Bem, trata-se a toda evidência de uma lide estrangeira deduzida na justiça criminal brasileira contra uma liderança política nacional, com objetivos geopolíticos e estratégicos. A origem da demanda (lead from behind), CIA/NSA. Feito comemorado por altos escalões de potência estrangeira, narrado como caso de sucesso do serviço secreto. No Brasil, os verdadeiros promotores da cena ficam blindados. Mas vejam a ameaça a Poroshenko na Ucrância, pelo atraso no andamento das imposturas judiciárias deflagradas por lá, na esteira desta mesma estratégia de anulação por lawfare de lideranças políticas virtualmente contrárias à ofensiva globalitária ultraliberal:

    Senior Fellow at the Atlantic Council’s Eurasia Center: “Poroshenko is running out of time. The Anti-Corruption Court must be operational in time to adjudicate, and convict, at least three high-profile cases brought to it by the National Anticorruption Bureau of Ukraine before the spring 2019 election. […] If these transformations are not embedded, another street protest in the months leading up to the elections is likely, and it will garner mass international support” (US gives Poroshenko ultimatum, threatens with new Maidan).

  39. lance 1 P4BD

    Nassif: enganam-se os que pensam que defendo o ex-presidente Lula ou seu Partido. Ou que endossaria qualquer “comprovada” atitude ilícita de qualquer deles. Porém, não vejo provas robustas. Só blábláblá e inconsistências. Assim, não posso deixar de protestar, dentro das lições maiores desde Rui Barbosa e Barbosa Lima Sobrinho, ao rumo que estão imprimindo ao caso.

    Principalmente quando se constata que as acusações se fundam, juridicamente, em falácias industriadas por um grupo de Promotores e Policiais de onde brotam claras amostras que não passam de um antro do PSDB/DEM/PPS (e cercanias), instituidos no período 1994/2002.

    O caso BANESTADO, bem colocado por você, foi balão de ensaio, uma das primeiras mostras das garras dos que hoje sufocam a Nação. Naquela “oficina” foram ensaiadas as manobras que juridicamente hoje presenciamos.

    No particular de Curitiba e na Corte de Suplicação dos Pampas, seria interessante ir mais longe, iniciar um levantamento desde a década de 90, quando Juiz e Relator da Lava Jato iniciaram suas trajetórias (dizem que quase paralelas), lá por Cascavel – PR. Sigam tais rumos, cruzem casos, analisem aproximações políticas e geográficas (Pato Branco – SC fica pertinho). Não foram os tais ao acaso designados para a “missão”. Um deles chegou até a treinar no Çu-premu. Pois, na verdade, a casa foi construída pelo telhado. O baldrame curitibano foi mera consequência da cumeeira brasiliense, berço desta trama. Não esqueçam da cônjuge, engajada no grupo do presidente parisiense. Do Dr. Zucolotto e seus amigos, inclusive o Dr. Durán. Vale conversa com militares e com governos estrangeiros. Dessas moitas hão de sair cobras e lagartos.

    Mas a solução para este Judiciário quem nos dá é Drummond — “A mão está suja. Não adianta lavá-la. O sabão é podre, a água, imunda. Melhor cortá-la”. Bardo ou profeta? 

  40. Máfia em Curitiba.

    Há uma sensação olhando mais detidamente para  o Caso Lula  que em Curitiba se formou uma Máfia da pior espécie. Os seus mal feitos começam pouco a pouco a aparecer. Aqueles que até outro dia eram considerados cidadãos acima de qualquer suspeita, ídolos e exemplos para a opinião pública começam a mostrar sua verdadeira face. Não bastassem os delitos que pipocam, seus estilos de vida cemonstram ser de pessoas altamente preconceituosas e racistas.

  41. As referências necessárias a

    As referências necessárias a símbolos históricos e da mitologia mundial vão desde o Cavalo de Tróia, passam pelo Minotauro agora global e desaguam na estranha colcha de retalhos mal estruturados da mídia que serve à nova lógica da destruição dos Estados soberanos.  Operação Mãos Limpas virou Mãos Sujas  ou Mãos de Judas, os que se vendem por vinténs. Somos, no momento das trapalhadas trumpianas a bola da vez, o novo Chile ou  todo o continente africano, ou na melhor expressão de Trump , os ‘países de merda’ usados como exemplo dos neoliberais e das suas guerras materiais e imaginárias. O caso Lula e a operação Lava Jato são o frankstein moderno, eles se fundem já que são uma farsa e atentem, não é o Lula que é uma farsa , é o caso Lula e lava jato. Caso Lula é igual ao mensalão  julgado pelo protótipo de Moro, o JB ,e que deu notoriedade aos meganhas do MPF, desde Gurgel, Janot e vai atingir Dodge.  A imprensa forjou seu frankstein na justiça do STF, aparelho máximo de todos os golpes modernos,  e não há mais volta. Da terra do tio Sam, veio o sinal de emergência  para acabar com a farsa logo, o desfecho  que, segundo fontes mais recentes, darão o aval legal para destruição da petrobrás com mais uma série de processos internacionais de ressarcimento aos acionistas, coisa que nunca foi feita na crise de 2008 naquela terra imperial. A crise salvou os monstros – os bancos, os criminosos bancos e seus agentes da bolsa de valores. Os juízes agem aqui e o juiz de lá acelera o processo do desmonte do Estado brasileiro. O primeiro de muitos. E todos baseados em crimes contra o Estado por mercenários locais, que são chantageados  por seus próprios crimes pelo poder financeiro global. Estão nus e sua humilhação é pública, porque precisam mentir para salvar suas próprias peles. Iludiram-se nos acordos  e na subserviência mal calculada. E a FSP de hoje já antecipa a urgência de mais privatizações. Patética!

  42. Fico triste e indignado pela

    Fico triste e indignado pela vergonhosa situação de nosso partido,  TEMOS QUE LUTAR PELOS IDEAIS DO PARTIDO, PARA QUE ELE TENHA VIDA LONGA , desse jeito o pt estará  fadado a desaparecer ,nossos membros vão destruir o partido , por causa de seus égos , precisamos precisamos voltar  a  ser  como era antes de chegarmos ao poder , tudo mudou , nossos companheiros de partido e aliados politicos estão completamente sem direção , completamente perdidos , infelizmente querendo ou não , Lula  e  a  alta cúpula do nosso partido , só olham para seus próprios interesses, falhamos em não construir um novo nome durante o periodo da gestão lula . Sinceramente , não acredito na absolvição de lula , e  lula é passado, estamos dando murro em ponta de faca, temos que oxigenar o partido , e recomeçar  do zero, hoje estamos cercados por mamadores oportunistas querendo tirar vantagem da sigla PT , estamos cheio de senadores , deputados, prefeito , governadores  e secretarios envolvidos em escandalo, e o  pior !!! o partido é conivente e omisso, não expulsa ngm , infelizmente temos uma presidente do partido( gleyse hofmann e seu esposo paulo bernardo envolvidos em escandalos comprovados e o partido não faz nada ,ainda  a elege como presidente do partido, me sinto traído , pois nosso discurso antes de chegarmos ao poder era um depois virou nisso que estamos vendo, o  pt e seus ideais são mais importantes que qualquer égo pessoal .

    • Cabra safado.Devia trocar de

      Cabra safado.Devia trocar de nome.É só substituir por i o primeiro t.Esses são os mais perigosos,agem à socapa,ficam atrás de uma moita para dá a mordida fatal.

  43. Aragão e a dança dos juízes famosos

    Aragão detona os juízes tagarelas que vivem no PiG

    Bretas é um alterego do Judge Murrow no Rio
     Publicado no DCM e no Conversa Afiada

    Vai uma pipoquinha aí, Judge? (Reprodução)

    O Conversa Afiada reproduz do DCM artigo do ex-Ministro da Justiça Eugênio Aragão:

    Ainda sou de uma época em que juízes despachavam em autos e costumavam ser sisudos, pouco falantes. A satisfação que davam à sociedade estava na fundamentação de seus julgados. Não era preciso mais. Nunca se via Célio Borja, Paulo Brossard, Sepúlveda Pertence, Aldir Passarinho e tantos outros externarem palpites sobre tudo e sobre todos, apaixonando-se narcisistamente por suas próprias palavras.

    O comedimento e o decoro público eram as marcas de um judiciário que podia ser falho, afinal era humano, mas que não era falastrão e nem espalhafatoso. Um judiciário que se dava o respeito e, de um modo geral, não infenso a crítica, mas respeitado.

    Digo isso numa época em que juízes, eventualmente suas esposas ou esposos e seus auxiliares mais próximos mantêm perfis em rede sociais, onde, além de se exibirem de calção ou biquíni de férias, falam pelos cotovelos, seja para jogarem confete ou criticarem atuação de pares, seja para assumirem posição política em relação a fatos que estão ou podem vir a estar sob sua jurisdição.

    Outros adoram ser procurados pela imprensa e apreciam ser por ela pautados. Falam para receberem aplausos. Fazem biquinho e cara de inteligente. Vão a estreia de filme sobre si e recebem galhardamente prêmios de empresários ou empresas de comunicação. São juízes tagarelas, boquirrotos ou simplesmente sem decoro. Juízes que não têm respeito pelo cargo e nem pelos jurisdicionados. De alguns pode-se dizer mesmo que são moleques.

    Pois bem. Marcelo Bretas, o alterego de Sérgio Moro no piso do Rio de Janeiro, quer, em seu gorjeio virtual, que a justiça seja reverenciada por todos e temida pelos criminosos. Diz isso a propósito de declaração do presidente parlapatão do TRF da 4ª Região a parlamentares que o visitaram para tratar do julgamento da apelação de Lula no dia 24 vindouro, de que, com medo, juízes estariam a retirar suas famílias de Porto Alegre.

    O mais curioso nisso tudo é que, quando o discreto e circunspecto Ministro Teori Zavascki vinha sendo ameaçado e tendo a casa de seu filho na mesma capital gaúcha cercada por fascistas celerados, não se ouviu uma única palavra de solidariedade ou, ao menos, de preocupação desse hoje presidente do tribunal.

    Teori, o relator dos processos da operação Lava-Jato no STF, foi escrachado porque se recusava a ser juiz por graça da malta barulhenta, para se submeter silencioso a seus misteres constitucionais, com o decoro que o cargo lhe exigia. Seu filho não se mudou de Porto Alegre por causa disso e nem deixou, Teori, de manter sua rotina de vida entre Brasília e aquela cidade.

    Aliás, resistia o magistrado enormemente a qualquer medida que lhe garantisse segurança às custas do erário. Foi preciso o não menos discreto Ministro Ricardo Lewandowski, então na presidência do STF, convencê-lo a aceitar a vigilância de sua casa e de seus passos no Rio Grande do Sul, bem como usar, para sua locomoção, o avião da FAB posto a sua disposição, dentro da lei e para salvaguarda de sua integridade, pela Presidenta Dilma Rousseff.

    Não se via, jamais, Teori choramingando por aí, dizendo-se ameaçado. E olha que os tempos eram difíceis e estava, ele, no olho do furacão.

    O tempora, o mores!

    A dignidade com que juízes devem ser tratados, Sr. Bretas, não dá em árvore. A reverência de jurisdicionados muito menos. Elas podem vir a ser um prêmio, um galardão para a conduta exemplar, longe das controvérsias públicas e a uma vida dedicada à Justiça com jota maiúsculo, sem estrelismos e com profundo respeito às leis, à soberania popular que elas materializam e às instituições.

    Dignidade não se cobra, Sr. Bretas, se pratica. Não é um direito potestativo de magistrados, mas um dever de caráter sinalagmático. Recebe-se tanto quanto se dá aos circunstantes, respeitando-os, tratando-os com a mesma dignidade com que se gostaria de ser tratado.

    A reverência, por sua vez, não é prerrogativa majestática de julgadores. Não se obtém como a bela carteirinha preta de couro e brazão de alumínio da República que lhes é entregue na posse, após passarem em concurso público. A reverência é a homenagem que se presta aos bons, aos que sobressaem por seu exemplo de cidadania e de generosidade no cumprimento de seus deveres. Juízes ou não.

    O ser humano que Teori foi, quando entre nós, merece ser reverenciado, mesmo sem nunca nos ter cobrado tanto. Sua generosa modéstia não lhe permitia tamanho arroubo. Era um justo e seu exemplo mostra-nos que reverência e dignidade têm isso em comum: resultam da modéstia e são avessas à exaltação, à vaidade, ao orgulho. Aquele que, mesmo supondo-se modesto, se gaba dessa qualidade, deixa de sê-lo, pois a autorreferência elogiosa elimina qualquer chance da modicidade recatada e decente.

    Já o disse alhures que juízes precisam se submeter a rigorosa liturgia do cargo. Não se cuida de frescura. Trata-se de medida essencial para resguardo da própria segurança de quem julga os outros.

    Magistrados julgam centenas de processos por mês e, em cada decisão, sempre há quem ganha e quem perde. Para o sentenciante pode cada caso ser apenas um número em sua estatística de produtividade, mas, para as partes no processo, o que é decidido pode ser o sentido de suas vidas. E o que faz um perdedor não reagir com despudorada violência contra aquele que decidiu contra si? É a aura de respeitabilidade que emana da obediência à liturgia do cargo. É a consciência da parte de que aquele que julgou seu caso o fez dentro de sua melhor técnica e longe de qualquer parti-pris. Só esse respeito é que faz o perdedor se conformar.

    Já o juiz que gosta de aparecer, dá mostras de se achar o mais iluminado entre os seres do planeta, um eleito, um salvador ungido por graça de seu maravilhoso destino, provoca repulsa. O juiz que controverte com suas opiniões públicas sobre o que está para ser julgado se torna parte do conflito que deveria apaziguar. Por isso, pode se tornar alvo de bronca e de maledicência. Juiz que fala sobre as partes fora dos autos, toma posição preferencial sobre seus interesses, vira saco de pancada. Deixa de cultivar recatada distância da arenga e nela se intromete como mais um brigão.

    Se distribui sopapos verbais, não pode se queixar de levá-los de volta. Não será jamais reverenciado, mas, sim, tratado como qualquer um que se imiscui partidariamente na vida alheia. É pau na certa. E se a corporação bate palmas para esse juiz brigão, como se fosse um agrupamento de alunos expectadores que se deleitam com uma ”porrada” entre coleguinhas no recreio da escola, também ela será tratada como um clubinho de meninos mau comportados, a merecem não reverência, mas puxões de orelha.

    Deu para entender, Sr. Bretas? Ou quer que eu desenhe?

    Mesmo para muitos iludidos que inicialmente viam na Operação Lava-Jato alvissareira novidade no trato das instituições para com o fenômeno das relações políticas e econômicas viciadas entre agentes públicos e a iniciativa privada, já está claro que juízes nela têm se excedido pela falta de tato num ambiente partidariamente contaminado.

    Longe de cultivarem a modéstia, passaram a gostar de seu protagonismo inflado pela mídia. Para afirmarem suas posições políticas, passaram a patrol sobre garantias processuais da defesa, fizeram pouco caso da presunção de inocência, expuseram ilustres investigados à execração pública como troféus de uma guerra sem trégua, deram publicidade a informações sigilosas de seus processos, bateram boca com defensores e não mostraram respeito nem a decisões de instâncias superiores. Portaram-se feito símios ensandecidos numa loja de louças, uma ameaça à incolumidade pública.

    E agora querem ser reverenciados por todos. Revoltam-se com o medo de seus familiares que sequer foram tangenciados pelas críticas aos magistrados (talvez com exceção daquela que se gaba de Morar com Ele). Nenhum desses senhores passou pelo que Teori e seu filho passaram com a serenidade que lhes é peculiar. Mas acham que merecem salamaleques. Merecem porque a seu ver lhes são incondicionalmente devidos. São belos, são fantásticos, são concursados. De joelhos, cidadãos!

    Não é assim que se constrói um judiciário respeitado e digno. Assim se produz tão e só um estado falido, como a unidade da federação onde o Sr. Bretas exerce sua jurisdição de piso. Parece que esses juízes não estão à altura dos desafios que nossos tempos têm imposto aos tribunais.

    Está na hora de o judiciário se superar, abandonar seu narcisista burocratismo autoritário e se democratizar, reconhecendo seu papel de guardião de direitos, muito mais do que de incentivador do conflito político. Quem sabe assim poderá um dia conquistar a admiração pública, não por fazer o que não deve, mas por cumprir rigorosamente com os deveres que a Constituição lhe impôs.

     

  44. A frase (sobre perceberem a

    A frase (sobre perceberem a necessidade de algum consenso): “pode ser que o bom senso chegue logo, pode ser que demore”, infelizmente é mais retórica do que uma dúvida concreta. 

    Como as reações ao golpe nunca saíram de uma timidez surpreendente, e a classe com força política segue em sua ojeriza a Lula e ao PT, temos um paradoxo aparentemente irremovível a curto prazo e que joga a favor dos golpistas: uma sociedade nque percebe aos poucos ter sido ludibriada, mas queda-se PREGUIÇOSAMENTE numa espécie de catatonia.  Sabem que o governo Temer é uma máfia, intuem, desconfiam, que há “excessos de distorção e politicagem” nos processos contra Lula, mas ao mesmo tempo, como a inserção de suas mentes e corações no NOJO e no ÓDIO a Lula foi muito profunda, é como se pensassem/sentissem o seguinte: “qualquer porcaria, mesmo o Temer, é melhor do que a volta de Lula”.  Não nos enganemos quanto a isso: as altas de Lula nas pesquisas devem-se muito mais à nostalgia do “povão”, que sente na carne a recessão, o desemprego, a fome, do que a uma “conscientização” de nossas elites sociais e classes médias – apesar da diminuição da rejeição a Lula também nesses segmentos.

    Um outro problema é como resolveriam a questão do VEXAME, da vergonha absoluta, se numa reviravolta tão improvável quanto surpreendente, os desembargadores do TREF4, “Gebran-amigo-de-Moro” à frente, absolvessem Lula, ou o que seria ainda mais correto, ANULASSEM a sentença, o processo em si, por descabidos.

    Não o farão, por índole pessoal – eles têm lado político e seguem suas ideologias internas, sendo desonestos por isso… – e também por COVARDIA – como se explicariam aos amigos, familiares, ao próprio Moro e à mídia?

    Portanto, tudo leva a crer – hoje! – que não só não haverá a tão necessária busca ao consenso, como seguiremos num jogo viciado e cínico de cartas marcadas.  Até que o país se encontre de tal modo intoleravelmente inviabilizado política e socialmente, para que eles entendam que atirar um país nesse pântano de mentiras e farsas só poderia ter como consequência o abismo em que fomos atirados.

     

    • Concordo

      Infelizmente, sou obrigado a concordar com o comentário de Eduardo Ramos, embora torça para que que os acontecimentos futuros se passem de maneira diversa. 

  45. Nassif,por favor não me
    Nassif,por favor não me entenda de maneira errada.O efeito manada é um fato dos mais cretinos que veio à tona nesses tempos de canibalismo,certo.Inclusive foi citado por por você em inúmeros comentários da sua lavra condenando esse maldito expediente,certo.Quando um comentarista se contrapõe o artigo da ordem do dia,ele não pode ser penalizado por questiúnculas menores,e você é um esteio contra a adoção desse tipo de procedimento.Tive nesse Post o maior numero comentários,me desculpe,censurados pelo Blog o que me leva a pensar de forma incontestável,é que nunca é bom contrariar o statuo quo,sobre pena de ser tratado com deselegância e indiferença única e simplesmente por que não optou pelo amém.O castigo é imerecido e vai de encontro frontalmente o que ensina um jornalista do seu quilate.

    • Já que como bom democrata que
      Já que como bom democrata que é,gostaria que me permitisse registar em absoluta primeira mão,o refrão do Hino do Efeito Manada,extraído da música de João da Praia,sucesso entrondosso nos meados dos anos 70.Ei-lo:”Aonde a vaca vai o boi vai o boi vai atrás/Aonde a vaca vai o boi vai atrás/Eu não vou na sua casa/Pra você não ir na minha/Você tem a boca grande/Vai comer minha galinha/Aonde a vaca vai o boi vai atrás/Aonde a vaca vai o boi vai atrás”.Pode anotar no seu caderno,a utilização do Efeito Manada cairá a índice do Presidenciável Henrique Meirelles.

    • Otimo Nassif que você
      Otimo Nassif que você entendeu que não houve excesso nos meus comentários,assim sendo,você deveria te-los publicados.

  46. Nassif a cada dia cresce no
    Nassif a cada dia cresce no meu conceito,como jornalista,homem e pai de família.Devo-lhe e peço-lhe desculpas pelos excessos cometidos por ocasião de alguns comentários da minha lavra oriundos desse Post.A dona Lourdes minha admiração,respeito e meu abraço fraterno.Dificil gostar de uma pessoa como gosto dela,sem sequer conhece-lá nem por fotografia.

  47. Civilização vem de Civil

    A questão que junto por linha a seguir exigiria de minha parte uma qualificação e uma capacidade para discussão que apenas consigo admirar nas intervenções que acorrem costumeiramente ao GGN. Escusem subjetivismos, apelos à metafísica, alusões a mitos, o tom panfletário; paciência, escrita de campanha. Quem tem obrigação de ser criterioso, verdadeiro e sincero é o inimigo. Compreensão, por favor. Isto posto:

    1. Todo o Poder emana sagrado das armas, financiadas pelo mito civil.
    2. O eixo estruturante da vida institucional dos países nas Américas, militar. Os atos e entreatos da cena política civil no interior das nações americanas, num theatro operacional terrivelmente vasto, rigorosamente sólido, cruelmente inflexível e milimetricamente militar.
    3. Este eixo militar estrutural da vida política das nações americanas, consolidado no pós-guerra e garantido pelos Estados Unidos, parecia que durava um século. Sua obsolescência porém já não é de agora luminosa, a fadiga de seu material cada vez mais crepitante, a ruptura inadvertida, para além de preocupante e perigosa, mas sua ultrapassagem afigura-se, inobstante, inafastável a rogo, portanto, inexorável.
    4. As nações americanas, reconhecendo a si mesmas como civilizações, assim também como a dimensão militar de suas existências, haverão de encontrar espaços apropriados e interlocutorxs suficientes e habilidosxs para atuar nessa dimensão, aperfeiçoando e sintonizando percepções, filosofias e doutrinas em direção às aspirações comuns, sublimes, convergentes e harmoniosas de seus povos.
    5. Civilização vem de Civil, um bom lema para mais de um século de fraternidade e paz desde as Américas para o mundo.

  48. O consenso é Lula, que fará

    O consenso é Lula, que fará uma série de reformas para recolocar o país no trilho?

  49. Mais um xadrez brilhante

    Nassif, aguardo com ansiosidade textos da sua série Xadrez e nunca me decepciono. Parabens mais uma vez. Com relacao ao blog sugiro mais videos seus atualizados. Como vc bem disse a lava jato esta desmoralizada. A liderança de Lula nas pesqiisas depois de toda sanha inquisitória da parceria justica-midia é uma prova irrefutável disso. A onu vai julgar Moro e o TRF 4 e vao tomar uma surra, caso o TRF 4 acompanhe a condenação de Moro. Vazamentos seletivos para criarem um clima inquisidor, grampos ilegais da Dilma, grampos ilegais em escritorios de advocacia, impedir a oitiva de Tacla Duran… A sentença de Moro de condenação do Lula só merece a reforma completa. O Moro diz que o Lula recebeu em 2014 um apartamento como contrapartida de corrupção no seu governo. Ou seja, quatro anos apos o fim do seu governo. Contratos na petrobras, onde o presidente nao tem nenhuma atuação.  Isso é ridiculo. Como nao existe ato de oficio, Moro criou a figura do ato de oficio “indeterminado”. Onde fica a segurança juridica do pais se essa sentença for confirmada? Quem viverá neste pais com tranquilidade? Ato juridico indeterminado é uma estrategia bizzara, mas a bizarrice não acaba nisso. Moro criou tambem o termo propriedade de fato. Como nao tem escritura com o nome de Lula, não tem posse do presidente no imóvel e todos os documentos do processo mostram que a propriedade é a da OAS, o Moro diz que o presidente é proprietário de fato. Isso é violar a defesa, o direito brasileiro não prevê ato juridico indeterminado e propriedade de fato. Ou o TRF 4 barra esse ativismo judicial ou mergulha o pais de vez num estado de exceção. Simples assim. 

  50. Cadê a transição?

    Em 1985, apesar de sabermos todos que a historieta sobre transição foi só mais um arranjo para criar um grande “deixa disso” institucional, permitindo às forças conservadoras o controle da cena política mesmo depois da chamada redemocratização, o fato é que, ao menos simbolicamente, houve um marco que devolveu a administração aos civis…

    Apesar de tutores da “ordem e segurança”, os militares foram devolvidos aos quarteis…

    E agora?

    Quem fará a transição?

    Não faremos, e continuaremos a viver como se nada tivesse acontecido, um tipo de lei de anistia ainda pior, com juízes, promotores, policiais e mídia incólumes frente aos crimes que cometeram…

    Sim, sequer os consideramos criminosos…

    Nos idos de 1985, e depois com a promulgação da Carta Magna (algo como o Tratado de Versalhes, que só empurrou a conjuntura belicosa para um conflito ainda mais sangrento), a impressão que se tinha era que, ao menos nas aparências, haveria uma reforma institucional que permitisse ao país e seus habitantes viverem em um Estado de Direito…

    E agora?

    Estarão todos intactos, stf, mídia, trf, mpf, power points, zuccolatos, o clã dos moro, serra, etc…

    Como pretender alguma normalidade com essa arquitetura?

    Com ou sem Lula, vivemos sob a égide do golpe, e uma importante atora dessa cena (Dilma Roussef) foi alijada, à força, e se quando foi torturada pelos gorilas das casernas, pode-se recuperar e ouvir em alto e bom som que aquilo foi um crime, agora, essa reparação está pendente, como uma espada sobre o futuro brasileiro…

    Lula terá 4 anos para desmontar os efeitos do golpe, com um Congresso certamente conservador (o PMDB e sócios ainda controlam os arranjos paroquiais estaduais, que só os tolos imaginam terem sido atingidos pela inquisição togada), e talvez tome posse com o pior tipo de situação: a precariedade da legitimação de sua candidatura e seu possível futuro mandato por uma decisão judicial de última instância…

    Impossível, senhoras e senhoras…

    Essa situação, per si, já o impede de alterar qualquer parafuso dessa máquina pantagruélica chamada judiciário…

    Assim como ficará de mãos amarradas para alterar o outro pilar dessa monstrengo, a mídia…

    Se eu fosse quem manda nessa porcaria toda (o capital), determinaria que Lula fosse candidato sub judice, e postergaria a decisão até o quarto ano de seu mandato…

    Com isso, manteriam ele sob os cordeis, como uma marionete, a claro, dissolvendo todo o espetacular capital político que ele arrecadou com o tempo…

    Seriam mais 100 anos de atraso para qualquer tentativa de trazer algum avanço civilizatório (progressista) para esse país…

     

    O preço alto não é para Lula ser candidato (como disse Nassif, ele é a mais barata das opções)…

    O preço alto é o que NÓS temos que pagar para desmascararmos a farsa desse processo eleitoral de 2018, que nasce marcado com a insígnia do GOLPE…

    Quem está disposto a pagar esse verdadeiro preço?

    Nada, ficamos no “deixa-disso”…

    • A bem da verdade é uma das
      A bem da verdade é uma das poucas vezes que constato o acerto dos comentaristas daqui com relação aos dois comentários de alguém que se identifica como Hydra.Paraguaia talvez,falsa quem sabe.Orfao do talvez e do quem sabe.Um emaranhado de palavras desconexas,sem sentido,soltas ao vento,uma mistura de ritmos onde se consagra o axé com o bolero mexicano,ligando o nada com com coisa nenhuma.Em algum lugar do passado teve o desplante de mandar-me estudar.Nesses tempos de canibalismo puro,com o nome com o qual se apresenta,deveria aprofundar conhecimentos e emitir opiniões sobre antropofagia.

  51. Kafka?

    O problema que se tornou inssolúvel é:

    Não interessa se Lula será ou não condenado…ele NUNCA deveria ter aceito e legitimado esse processo…!

    Se era para execrá-lo e puní-lo sem provas, ele deveria manter-se revel, inerte…

    Quando apresentou suas razões, disse a todos, mas principalmente ao judiciário, que DEVE aceitar a decisão do juiz da causa!

    E depois que participou da farsa, não há como “gritar” contra o resultado ruim…

     

    Mesma coisa com Dilma, se aceitamos as eleições de 2018 como desfecho que “apaziguará” (ou ao menos tentará) os ânimos, então concordamos com o golpe…

  52. Julgamento midiático

    Possivelmente o julgamento se dará sob influência da mídia, tendo em vista as eleições. Uma confirmação da sentença é a derrocada da justiça e da democracia.

  53. Golpistas podem pagar muito caro por justiçamento de Lula.

    Condenação sem provas de Lula é certa.

    Caso a manifestação de militantes vire rebelião das massas, o Inominável Golpista vai colocar os tanques nas ruas. Tudo com o apoio tácito, que virará explícito do STF quando chegarem ações aos borbotões questionando a quartelada “branca”.

    Fechando o cerco ao povo estará a mídia golpista, com a overdose de mentiras tentando criar o “efeito saturação”. Não esqueçamos que estará assessorada o tempo todo pelo Instituto Millenium, “think thank” do “Império”. Desinformação e violência. Choque e pavor.

    Acontece que a mídia golpista também tem a sua credibilidade corroída pela direita, via “bolsominions” e a necessidade dos fascistas de terem total controle sobre a informação. O “traseiro” da Anitta, o discurso (falsamente) a favor da diversidade do “Encontro com Fátima Bernardes”  e outros choques contra costumes da massa evangélica que segue pastores mercenários também tiram o poder de controle da mídia sobre a sociedade.

    Com a corrosão da credibilidade da famigerada “Operação Lava-Jato” através da disseminação pela internet das gravíssimas denúncias de Tacla Durán contra os “heróis” dos “coxinhas”, o discurso moralista vai ficar confinado a camada média de direita que apóia tudo o que for contra Lula. Mesmo com o boicote da mídia ao assunto, muita gente ficou sabendo dos subterrâneos das delações premiadas.

    Assim, com a perda do fator mídia para o controle social restará ao Golpe e seus apoiadores recrudescerem a violência. Quando em 2013, a PM “tucana” de SP deu uma demonstração prática para os frequentadores de barzinhos nos Jardins de como agia nos botecos do Parque Santo Antônio foi o estopim para a rebelião “coxinha” daquele ano.

    Hoje, o aumento da repressão viria contra as classes populares. E a reação de milhões de pessoas, escaldadas por terem sido enganadas em 2013 e 2016 seria como mexer contra os elementos da Natureza. Seria o dia do Juízo para os algozes do Brasil.

    Seria “paredón” demais para muros de menos. 

  54. Xadrez Global de Muitos Tabuleiros

    Tempos atrás, o professor Joe Nye (Harvard) referia a um xadrez de três tabuleiros. Imagino que de lá para cá o número de tabuleiros pode ter aumentado. Movimento pouco notado, quase não repercutido, no grave tabuleiro militar.

    Primeiro decêndio de novembro do ano passado, era grande a inquietação provocada pelos exercícios militares na Amazônia, que ganhavam espaço na pauta, suscitando muita crítica. Deu-se então um fato curioso, que restou ignorado pela grande mídia e passou praticamente despercebido pela imprensa verdadeira. Em um veículo de comunicação conhecido do campo progressista, apareceu na Argentina entrevista surpreendente. Um intelectual brasileiro, historiador, acadêmico, atendeu solicitação de Página12, que assim o apresentou: “Para conocer más en detalle de qué se trata esta operación que es difundida como de logística humanitaria, pero despierta sospechas de injerencia norteamericana en una zona sensible de la región, PáginaI12 entrevistó a un especialista brasileño. Se trata del coronel de infantería y estado mayor retirado y también historiador militar…”. Em linguagem diplomática, aparando arestas, experiente em questões de inteligência militar e operações psicológicas, pontos estratégicos espalhados nas respostas:

    – La Amazonia tiene una superlativa importancia estratégica, en todas las expresiones del poder nacional, máxime el militar.
    – … De ahí la codicia internacional por el Campo de Lanzamiento de Alcántara, en Maranhão, ubicado en la Amazonia Brasileña.
    – Las naciones hegemónicas necesitan tierras fértiles y habitables, materias primas y recursos naturales como el agua, el petróleo o la biodiversidad. Esto es histórico e inexorable. Todo está hecho para que esos insumos sean obtenidos: inicialmente, por el uso de acciones económicas y político-diplomáticas (softpower) y, si es el caso, la manu militari (hardpower). Añada que los países centrales anhelan, además, lugares para la instalación de bases militares y de lanzamiento de artefactos aeroespaciales, para la proyección internacional de su poderío bélico.
    – … estrategia de disuasión, o llamada estrategia de la resistencia. El tema es vastísimo y complejo, pero se basa en un inmemorial concepto de SunTzu, en el Arte de la Guerra: “Si no puedes vencer la guerra contra un enemigo mucho más fuerte, que al menos sepas no perderla”.Sería la prolongación de la guerra con el desgaste del enemigo por medio de acciones de guerra irregular, básicamente, hasta que él constate que no valga la pena proseguir en el conflicto, como ocurrió en Vietnam.
    – Brasil tiene plena conciencia de que la defensa de la Amazonia propia (sin que se considere la Panamazonia), es un problema exclusivo de los brasileños.
    – no se puede concordar con las tesis de soberanía restringida, limitada o compartida, dando lugar a que instalaciones militares extranjeras se instalen, en tiempos de paz, en el territorio nacional…
    – La soberanía no tiene precio o ideología.

  55. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome