Xadrez do assassinato político e o papel do MPF

“O diabo é sábio por ser velho”

Peça 1 – as peças iniciais do jogo

É curioso a rapidez do tempo histórico nesses tempos de Internet e redes sociais. Há o lado da desestruturação das informações, pela quantidade e rapidez com que se sucedem os eventos. Mas há o lado da enorme rapidez dos diagnósticos em cima de eventos históricos ainda em andamento.

É o caso da nova estratégia da geopolítica norte-americana, montada a partir do advento da Internet e das redes sociais.

Ao longo dos últimos anos, foi possível acompanhar passo a passo esse jogo. No início, dada a aparente volatilidade dos fatos, íamos registrando o passo-a-passo, mas ainda mantendo dúvidas sobre as formas de organização: havia uma lógica, algum conhecimento sistematizado, ou apenas um ou dois eventos planejados e o resto se sucedendo de forma aleatória?

Afinal, a cooperação internacional – a troca de informações entre os órgãos de segurança de vários países –  é praticada há anos em várias instâncias, desde a cobrança de pensão alimentícia até extradição de criminosos. Era de conhecimento público a cooperação entre FBI e a Polícia Federal. E, desde a constituição da Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) a prática da integração dos diversos órgãos de fiscalização em forças tarefas.

A maneira como a Lava Jato investiu contra a Petrobras e as empreiteiras, como destruiu sistematicamente a cadeia do petróleo e gás e a indústria naval, parecia, no início, apenas esbirros de um país atrasado, de instituições frágeis, de uma mídia subdesenvolvida, que não conseguiram avaliar a relevância das empresas para a geração de impostos, emprego, tecnologia.

Jogava-se já no golpe do impeachment e todos os prejuízos ao país eram lançados na conta do golpe.

Com o tempo, percebeu-se que havia método no trabalho.

Peça 2 – os primeiros indícios do jogo antinacional             

A ida do Procurador Geral da República Rodrigo Janot aos Estados Unidos, no início de fevereiro de 2015, chefiando uma equipe de procuradores, levando informações contra a Petrobras, despertou o primeiro alerta: a cooperação internacional se dava de forma estranha, não seguindo as formalidades.

No dia 2 de fevereiro de 2015, nosso colunista André Araújo, do alto de sua experiência, antecipava os pontos centrais de questionamento (https://goo.gl/V2Wrhv):

1.     Como um agente do Estado brasileiro vai aos EUA levando informações contra uma empresa controlada pelo Estado brasileiro? Quem deveria ter ido era a AGU (Advocacia Geral da União).

2.     Nenhum país minimamente consciente de sua soberania permite que suas empresas e cidadãos sejam processados no exterior. No caso brasileiro, não apenas se permitia como se alimentava a Justiça norte-americana.

3.     Cooperação internacional só pode se dar através do Ministério da Justiça. A tropa de procuradores, comandada por Janot, não apenas atropelava o Ministério da Justiça como o próprio Ministério das Relações Exteriores, assumindo o controle completo da cooperação.

André estranhava, principalmente, a visita de Janot ao Departamento de Justiça: “A única coisa sobre Petrobras que existe no Departamento de Justiça é uma investigação criminal contra a empresa Petrobras, os procuradores vão lá reforçar a acusação? É a única coisa que podem fazer, defesa não é com eles, é com a AGU”.

No dia 9 de fevereiro, a Procuradoria respondeu às indagações formuladas (https://goo.gl/Vs6lqz). Foi a única vez que se dignou a dar informações para uma cobertura que não fosse chapa branca.

Na nota, duas informações significativas.

A primeira, a relação de instituições públicas que acompanharam o PGR: CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e CGU (Controladoria Geral da União), apenas instituições públicas fiscalizadoras, e não a AGU (Advocacia Geral da União) a quem caberia defender a Petrobrás. Não foi um pecado solitário da PGR, mas a prova mais evidente da forma totalmente despreparada com que o governo Dilma Rousseff encarou a Lava Jato.

Não faltaram alertas para que ela entrasse em contato direto com Barack Obama, visando impedir ações contra a Petrobras – vítima da corrupção, e não autora.

Leia também:  A volta do Brasil ao Mapa da Fome mostra o fracasso do mercadismo caboclo

A segunda, a informação de que o Ministério da Justiça não era a autoridade central exclusiva nos acordos de cooperação. Dizia a nota:

“A obtenção de provas por meio de auxílio direto ou rogatórias e a transmissão de documentos entre os Estados é feita pela autoridade central, papel que, no Brasil, é desempenhado pelo Ministério da Justiça OU pela PGR”.

De nada adiantaram os alertas de que seria suicídio o Ministério da Justiça deixar o controle total da cooperação nas mãos da PGR, que era peça da conspiração. O Ministro José Eduardo Cardozo jamais quis correr o menor risco em defesa da legalidade e do seu governo.

Em 2 de abril de 2015, dois meses após a visita de Janot aos EUA, saiu a denúncia contra o almirante Othon Luiz Pereira da Silva, figura chave no desenvolvimento nuclear brasileiro (https://goo.gl/AVPiw8).

A maneira como chegaram em Othon foi apertar o presidente da Camargo Correa Dalton Avancini, que já havia feito uma delação. Providenciaram uma segunda delação onde o induziram a denunciar a Eletronuclear, com base nas informações conseguidas junto às autoridades norte-americanas.

A partir da reformulação de sua delação, deflagrou-se a Operação Radioatividade, para investigar suspeitas na área nuclear.

Indagamos da PGR se trouxera da visita as informações contra a Eletronuclear. A resposta, dúbia, foi de que “nós não saímos do Brasil com essa intenção”, uma maneira de dizer que voltaram com a informação. O indiciamento do Almirante se deu em tempo recorde.

No dia 2 de agosto de 2015, quando já estavam mais nítidos os sinais da articulação entre a PGR e as autoridades norte-americanas, o GGN resolveu investigar a trajetória do PGR Janot nos Estados Unidos. E descobriu que ele se encontrou com Leslie Caldwell, procuradora-adjunta encarregada da Divisão Criminal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (http://migre.me/qZSvO) e, até um ano antes, advogada de um grande escritório de advocacia que atendia à indústria eletronuclear norte-americana.

A partir desse episódio, ficou nítido que havia uma estreita cooperação entre autoridades de ambos os países e o que parecia uma aparente ignorância do PGR e do Ministério Público em relação aos interesses nacionais em jogo, era uma articulação pensada e antinacional.

Peça 3 – o confronto com o que ocorreu em outros países

Gradativamente, começaram a aparecer detalhes de casos envolvendo líderes socialdemocratas em outros países do mundo, sempre tendo o Ministério Público e a Justiça como elementos centrais de desestabilização.

Em Portugal e Argentina ocorreu o mesmo processo (https://goo.gl/dJZHHZ). Em Portugal, uma campanha sistemática contra o ex-primeiro ministro socialista José Sócrates, um  ano de campanha, 9 meses de prisão preventiva. No final, nenhum elemento capaz de condená-lo, mas Sócrates estava politicamente destruído.

Na Argentina, o mesmo procedimento do MPF brasileiro. Pega-se uma decisão de política econômica, identificam-se ganhadores genéricos e amarra-se com algum financiamento de campanha para criminalizar Cristina Kirchner que foi indiciada e precisou depor perante um juiz (https://goo.gl/no1iaC).

Leia também:  Coluna Econômica: a explosão do comércio com a China e a falta de estratégia brasileira

No dia 20 de fevereiro de 2016, uma entrevista extremamente elucidativa de Jamil Chade   (https://goo.gl/Bk2qJq), correspondente do Estadão em Genebra. Autor de um livro sobre o escândalo da FIFA, com fontes no FBI, Chade contava que foram as manifestações de junho de 2013 que convenceram o FBI que o Brasil estaria preparado para enfrentar dois mega-escândalos. Um, foi a Lava Jato, com foco na Petrobras. O segundo, a FIFA, visando romper os acordos esportivos que asseguram às empresas nacionais blindagens de audiência contra a entrada de competidores estrangeiros.

Ora, FIFA é um escândalo brasileiro, que tem na Globo seu principal formulador. Os agentes do FBI diziam que o MPF brasileiro era o menos colaborativo no caso FIFA, ao contrário da Lava Jato, onde as informações fluíam torrencialmente.

Justamente nas manifestações de junho de 2013 houve o pacto entre a Globo e o MPF no combate à PEC 37, que restringiria a capacidade de investigação do MPF.

No dia 10 de março de 2016, GGN entrevistou o cientista político Moniz Bandeira, que explicou de forma detalhada a nova estratégia norte-americana, abdicando das parcerias militares em benefício dos pactos com o Judiciário e o Ministério Público. Sob o título “Da Primavera Árabe ao Brasil, como os EUA atuam na geopolítica” (https://goo.gl/u1ISQ8) Moniz disseca o novo modo operacional da geopolítica norte-americana.

No dia 20 de maio de 2016 participei de um debate na Fundação Escola de Sociologia e Política com o acadêmico alemão Thomas Meyer, autor do livro “Democracia midiática: como a mídia coloniza a política”.  Meyer é intelectual de peso, membro do Grupo Consultivo da União Europeia para a área de Ciências Sociais e Humanas e vice-presidente do Comitê de Princípios Fundamentais do Partido Socialdemocrata da Alemanha

No debate, contou em detalhes como se deu a campanha que levou à renúncia do presidente socialdemocrata Christian Wullf. Durante quatro anos, houve uma campanha de mídia na Alemanha que utilizava informações inventadas, absurdas, segundo ele. Todos os veículos montaram um fluxo único de informações, massacrando o presidente até renunciar.

Peça 4 – a explicitação da metodologia do “lawfare”

Nos embates contra a Lava Jato, os advogados de Lula decidiram levar a perseguição ao Acnudh (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos). No levantamento das práticas de abusos, houve uma discussão com especialistas na Universidade de Harvard, que detalharam a tática conhecida como “lawfare”, ou guerra jurídica (https://goo.gl/28knxn).

Ali se percebeu que o fenômeno, global, já havia sido detectado pela academia dos países centrais, que conseguiram sistematizar seu modo de operação.

Consiste em uma parceria entre Ministério Público e mídia visando gerar uma enorme quantidade de notícias e denúncias, mesmo sem maiores fundamentos. O objetivo é sufocar a defesa, destruir a imagem do réu perante à opinião pública, atingindo seus objetivos de anulá-lo para a política – seja pela destruição da imagem ou pelo comprometimento de grande parte do tempo com a defesa.

Trata-se, portanto, de um recurso utilizado em várias partes com propósitos eminentemente políticos. A mesma coisa que ocorreu em Portugal, Alemanha, na Espanha, com o primeiro-ministro Felipe Gonzáles.

E, aí, se junta a última peça para a explicitação da metodologia de atuação: quem comanda o circo

No começo de tudo estão os interesses geopolíticos norte-americanos, fundados em alguns objetivos:

1.     Impedir o desenvolvimento autônomo de potências regionais e de modelos de socialdemocracia. Não é coincidência, a crise atual da Coréia do Sul, os ataques aos líderes socialdemocratas em vários países.

2.     Atuar firmemente contra os BRICs. Brasil já é fato consumado. Tenta-se, agora, a Índia.

Leia também:  Coluna Econômica: Alemanha muda estratégia e passa a defender mais intervenção

3.     Consolidar o livre fluxo de capitais já que, hoje em dia, a hegemonia norte-americana se dá fundamentalmente no campo financeiro.

O governo dispõe basicamente de três estruturas.

Em azul escuro, no topo, o Departamento de Estado (na época dirigido por Hillary Clinton, estreitamente ligada ao establishment norte-americano), em cooperação com o Departamento de Justiça. Como braços operacionais, o FBI – e suas parcerias com as polícias federais – e a NSA – a organização que se especializou em espionagem eletrônica, responsável pelos grampos nos telefones de Dilma Rousseff e Ângela Merkel.

O Departamento de Estado dispõe de três ambientes de disseminação da estratégia: as redes sociais, a cooperação internacional e o mercado.

Há anos, o Departamento de Estado atua nas redes sociais de vários países. Recentemente, a Wikileaks revelou a atuação do homem de Hillary nas redes sociais atuando junto a comunicadores brasileiros.

A cooperação internacional é uma estrutura antiga, de troca de informações entre Ministérios Públicos e Policias Federais de vários países. Após o atentado às Torres Gêmeas, tornou-se peça central de colaboração contra o crime organizado. Nela, o FBI desempenha papel central, por ser o órgão mais bem aparelhado para o rastreamento de dinheiro em paraísos fiscais – onde se misturam dinheiro do narcotráfico, caixa dois, dinheiro de corrupção política. Com o controle das informações, disponibiliza aquelas que são de interesse direto da geopolítica norte-americana.

Finalmente, o mercado, com sua extensa rede de entrelaçamento com instituições financeiras, empresas e mídia nacionais, é o terceiro canal de influência.

Nos círculos vermelhos, os três fenômenos que chacoalham as democracias modernas.

O primeiro, a informação caótica, fato que aumenta com as redes sociais e, especialmente, com os grupos de mídia praticando a chamada pós-verdade – a invenção de notícias com propósitos políticos.

O desalento com a economia – após a crise de 2008 – gerou dois novos sentimentos de massa: o desânimo com a democracia e a busca de saídas autoritárias; e a exploração do mito do inimigo externo, que pode ser um membro do Islã, um imigrante indefeso ou um perigoso agente da socialdemocracia.

A falência do estado de bem-estar social, a falta de alternativas, promoveu um quarto sentimento, que é o do desmonte do Estado através do enfraquecimento da política em favor do mercado.

Em verde, finalmente, os agentes nacionais desse golpe: a Lava Jato e a PGR, firmemente empenhados na destruição da estrutura atual de grandes empresas brasileiras; a mídia e o mercado.

Com essas ferramentas à mão, monta-se o “lawfare”, visando exclusivamente os adversários do sistema. E, no bojo das operações, o conjunto de ideias econômicas que, no caso brasileiro, foi batizado de “Ponte para o Futuro”: desmonte do Estado social, livre fluxo de capitais, privatização selvagem.

No futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não denunciar o Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato por crime contra o país. E, aí, haverá ampla documentação devidamente registrada e que possivelmente será requisitada pelo primeiro governo democrático brasileiro, pós-golpe, junto à cooperação internacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

139 comentários

  1. Nassif ou responsável pelas

    Nassif ou responsável pelas assinaturas do jornal GGN:

    Tentei ler o post, não consegui, pois havia uma mensagem dizendo que a leitura era para assinantes.

    Assisti o video do Nassif e resolvi comprar uma assinatura.

    Tentei assinar, comprando uma assinatura anual (sem renovação automática), também não consegui.

    Voltei ao post e, agora, consegui ler toda a matéria.

    Tem alguma coisa errada na operacionalização da assinatura.

  2. Parabéns, vocês juntaram
    Parabéns, vocês juntaram todas as peças e desvendaram o esquema inteiro. Agora o que vocês vão fazer a respeito? Vocês têm algumas cabeças para cortar, e precisa ser antes de Janot e Moro fugirem para cá.

  3. Uau! Estamos vivendo um seriado da Netflix em tempo real.

    Nunca me esqueço uma entrevista da ex-presidente Dilma em que ela dizia não acreditar na interferência externa. Logo ela, uma presa política de uma ditadura estratégicamente construída pelos americanos (em parceria com o exército e os empresários brasileiros).

    Segundo a ex-presidenta, os principais atores da Lava Jato não teriam esse cafice. Ao descartar essa hipótese, mesmo depois da revelação das escutas da NSA (da própria presidenta e da Petrobras) seu foco de análise se restringia aos atores internos. O responsável pelo golpe foi o PMDB, o Cunha, o Centrão. 

    O governo construindo parcerias estratégicas com a China, Rússia, India. Banco dos Brics. Multinacionais brasileiras na grande África. Submarino nuclear. Jatos. Petróleo, minérios, imensidões de solos férteis, água, energia, alimentos, uma localização estratégica no Atlantico sul com mais de sete mil quilômetros de costa, duzentos milhões de habitantes, quinto PIB, na época.

    E o PMDB do Temer e do Eduardo Cunha que queriam dar o golpe?

    Por outro lado, Nassif, segundo sua análise, havia dois objetivos estratégicos por trás dos interesses americanos. Porém, eles conseguiram avançar em apenas um dos alvos (o mais relevante, é preciso ressaltar).

    Mesmo assim, vale a pena a pergunta: por que não conseguiram avançar sobre o segundo alvo – a Fifa (Globo). 

    Segundo sua avaliação, porque a parceria Globo/MPF não deixou.

    Daí se deduz: os gringos só avançaram onde os brasileiros, sic, deixaram eles avançar. 

    Logo, o poder hegemônico no Brasil de hoje não é a Presidencia da República, mas a parceria Globo/MPF.

    Afinal, só ela foi capaz de frear os interesses do Departamento de Estado Americano, para fazer valer os seus. Portanto, aí está o verdadeiro núcleo duro de poder no Brasil.

    Não por acaso, o velho Brizola, segundo o PHA, sempre dizia: a primeira coisa que farei no primeiro dia em  que sentar naquela cadeira, de Presidente da República, será enfrentar aquele monopólio.

    Dito por quem foi capaz de adiar, praticamente sozinho, o golpe militar de 64, não é uma lição desprezível.

     

     

    • Tenho a impressão que a

      Tenho a impressão que a parceria MPF/Globo não tem tamanho poder a ponto de frear as investidas do Departamento de Estado dos EUA em qq questão.  O negócio da FIFA foi, ao meu ver, deixado pra depois pelos “states”, uma vez que ainda não foi concluída a tarefa principal: a completa destruição e submissão do Brasil, o novo Porto Rico ou, dependendo da dimensão do estrago, Porto Pobre. Depois disso, os “parceiros” nativos que se cuidem, pois o Tio Sam não é chegado à gratidão eterna. Descarta colaboradores sem dó nem piedade quando perdem a utilidade.

       

      • É uma hipótese a ser

        É uma hipótese a ser considerada.

        Mas não podemos esquecer que não existe poder absoluto.

        Em 64, os americanos necessitaram das forças armadas brasileiras para fazer valer seus interesses geoestratégicos. Isto é, não fizeram isso manu militari e mesmo se fizessem também precisariam do apoio e consentimento dos brasileiros.

        Segundo o relato do Nassif o poder hegemônico Globo/MPF conseguiu frear um dos objetivos americanos, isso não é pouca coisa, mesmo que esse objetivo não era o mais importante. E isso quer dizer que muito provavelmente os EUA não vão desistir de lutar por ele.

        E aí, segundo minha hipótese de que não existe poder absoluto, para enfrentar o poder hegemônico Globo/MPF no Brasil, os EUA terão que contar, caso queiram alcançar seu segundo objetivo sem o uso da força bruta, com uma força interna capaz de se impor à aliança Globo/MPF (e que esteja disposta a se aliar aos EUA).

        E para que tenhamos uma ideia desse poder hegemônico no Brasil, é só observar que o Aparelho Judiciário do Estado não se movimenta contra a Globo. Além disso, ela, enquanto poder historicamente dominante (ontem em aliança com as Forças Armadas, hoje com o MPF e demais forças do Aparelho Judiciário) é capaz de mobilizar o Congresso (para obter leis de seu interesse) e o Executivo (com verbas, pautas, informações privilegiadas, etc.).

        Retomando, é possível a aliança Globo/MPF ser traída pelos EUA? Certamente.

        Mas repare que, segundo minha leitura, isso não é tão simples assim. O poder de um país, não é tão frágil quanto se imagina, o que o faz frágil é a falta de unidade em torno de um projeto comum de nação soberana, capaz de impedir traições contra esse objetivo maior (em benefício de seus interesses particulares) – como a da Globo/MPF.

  4. Wishful thinking

    Wishful thinking…. precisa combinar com a Globo, Nassif. Do jeito que as coisas andam, vai demorar muito extirparmos esse câncer nacional. Até lá seremos refens. Aqui as coisas se tornam impossíveis. Como pode uma empresa jogar TANTO contra o próprio país??? Eles querem um Brasil miserável, consumindo essa rede de televisão de merda, essas novelas idiotas, seus programas falando sobre suas novelas idiotas e seus próprios artistas dançando no Faustão, entre tantas bostas. Brasil miserável e três irmãos patetas e a prole bilionária. Vai demorar. Dizem que os Brizolas são que nem aqueles cometas que são vistos apenas de 70 em 70 anos.

  5. Da faca de dois legumes

    Só pra semear um pouco de otimismo futuro, ok?

    – Acabei de comentar alhures (no DCM) sobre o Moro ter sido, naquela palestra na Alemanha, colocado na parede e, enfim, confessado que ele conspirou para gravar e vazar aqueles diálogos telefônicos lá entre Lula e Dilma. Crime, né?, confissão (prova, ainda que não absoluta, muito longe de ser uma mera convicção) de crime.

    – Lembram quando o Temer se reuniu com empresários/especuladores internacionais em Nova Iorque, após ele participar da abertura da Assembléia Geral da ONU? Pois é, lá escapou da boca dele a atitude criminosa de usurpação que fora o impedimento de Dilma.

    – O ressurgimento de notícias sobre essa cooperação suspeitíssima (e, claro, criminosamente traidora) entre PGR/EUA se deu? Com os depoimentos recentes no processo contra o Lula.

    Enfim, o que eu quero dizer é o seguinte (aditando a Peça 1 e corroborando o parágrafo final deste Xadrez): não fosse o fluxo caótico da informação da Grande Rede, a depender apenas de veículos de comunição corporativa chapa-branca, esses “lapsos” jamais seriam conhecidos.

    Ou seja… Sim, tudo isso acaba não se propagando como deveria, inda mais sob a égide dessa tal de pós-verdade aí, mas… Mas como o Nassif bem concluiu, agora tá tudo registrado!

     

  6. E a Nossa Alegria, Será Psicografada Pelo Governo Pós-Golpe???

    Se “O diabo é sábio por ser velho” e aplica esse velho esquemão descrito acima desde que o mundo é mundo (conferir abaixo, inclusive as prisões e assassinatos políticos), DEUS É MAIS!

     – 1. Que significa tomar o Reino dos céus com esforço?

    18 de janeiro de 2014 por 19 Comentários19 Comentários 

    Em Mt 11,12 lemos:

    “Desde os dias de João Batista até agora o reino dos Céus é tomado por esforço,
    e os que se esforçam se apoderam dele”.

    1) Situando o versículo

    Jesus dá instrução aos discípulos e sai a ensinar e pregar pelas cidades (Mt 11,1). João está preso e envia seus discípulos a perguntar se Jesus é o messias (Mt 11,2-3). Jesus cita os sinais messiânicos (Mt 11,5) e com isso diz que não precisam esperar mais o messias; ele já chegou. Jesus elogia João Batista (Mt 11,7-11).

    2) A argumentação de Mateus

    a) “Desde os dias de João Batista até agora”.

    As profecias falavam do Reino, mas para um futuro distante. No tempo de João Batista houve uma mudança notável: o Reino estava sendo proclamado, embora ainda não tivesse sido estabelecido. O Batista veio antes e anunciava a proximidade do Reino, convocando a todos ao arrependimento para que assim pudessem tomar parte nele. Dessa forma é que os Profetas e a Lei (ou seja, a Torah) profetizaram até João (Mt 11,13).

    b) “Agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele”.
    A Lei e os Profetas fortaleceram a esperança e a fé. Agora, o Espírito impelia, a todo custo, os seguidores de Jesus contra toda dificuldade e contra toda oposição que pudesse atingir o Reino de Jesus, um rei rejeitado. Visto que o Rei tinha sido rejeitado, agora só com esforço se poderia entrar no Reino. Pois se Jesus, o Rei, fora tratado assim pelo mundo, como não tratariam seus amigos? Fazer parte de um Reino rejeitado por este mundo não é fácil. A porta estreita é a única entrada. Mas “os que se esforçam se apoderam dele”, ou seja, participam dele. Os sábios judeus já diziam que é necessário esforço para ter parte no Reino.

    3) Conclusão

    Algumas edições, em vez de “tomar por esforço”, traduzem o verbo grego por “sofrer violência”, pois o termo biazo significa “usar a força” ou “aplicar a força sobre algo”. Este versículo de Mateus traz o verbo biazo na forma biázetai que pode ser tanto a voz média como a passiva. Por isso, algumas edições traduzem a expressão por “sofre violência” e o versículo fica assim: “Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus sofre violência, e os violentos se apoderam dele”. Mas esta tradução não parece boa, afinal, segundo a tradição bíblica, os violentos jamais se apoderarão do Reino dos Céus. Melhor traduzir assim; “Agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele”.

    http://fiquefirme.com.br/multimedia-archive/1-que-significa-tomar-o-reino-dos-ceus-com-esforco/ 

    • ??????????????

      Muito pior que o homen de nenhum livro(ignorante e iletrado…) é o homen(mulher) de um livro so…….

      • A hermeneutica sobre qualquer

        A hermeneutica sobre qualquer trecho bíblico como o colocado acima, feito por uma mulher, e que atualiza para nossos dias escritos de 2000 anos atrás, pressupõe um vasto conhecimento de todo tipo de literatura humana.

        É que a simplicidade da clara colocação, sem pedantismo de quem se esconde por trás da citação de livros que na realidade não leu e cita apenas uma ou outra frase, pode confundir àqueles que fazem seus comentários com seus pré-conceitos (seja lá quais forem) embutidos.

        Aliás a origem da palavra bíblia é remota. A forma mais antiga de livro de que se tem notícia era um rolo de papiro, planta abundante às margens do rio Nilo, usada pelos antigos egípcios, gregos e romanos para escrever. A palavra grega para papiro era biblos, derivada do nome do porto fenício de Byblos, hoje Jubayl, Líbano, através do qual o papiro era exportado. O plural de biblos em grego era ta biblía, que significava literalmente ‘os livros’, e que acabou entrando para o latim eclesiástico para designar o conjunto de livros sagrados que compõem a bíblia. (http://www.dicionarioetimologico.com.br/biblia/)

        E esse conjunto de livros eclesiásticos é compostos por autores, dos mais sábios e letrados, e até de muitos iletrados, que transmitiram oralmente as histórias da vida de que a Bíblia trata. Deus age desta maneira para que ninguém se vanglorie, pois é na honestidade da vida que reside a inteligencia e sabedoria.  –

        hermenêutica  –  substantivo feminino  –  1.ciência, técnica que tem por objeto a interpretação de textos religiosos ou filosóficos, esp. das Sagradas Escrituras.

         

  7. Essa era a piada

    JN de 09/12 e as revelações da Odebrecht sobre o PMDB. Toda a turma, passando pelo mi$hell, por Renan, Jucá e Padilha.

    ¨O PMDB sifu, agora é nóis!¨ kkkkkkkrejos

     

     

  8. Obrigado, Nassif!

    Obrigado, Nassif, por manter a verdade muito bem documentada e acessível a todos.

    Essas informações serão preciosíssimas no futuro e você as mantém registradas e constantemente atualizadas.

    Você é fera! E é de gente como você que o Brasil precisa e não de apátridas, mercenários e entreguistas como essa gangue que trabalha contra a nação e que você denuncia apontando fatos inegáveis e com precisão cirúrgica.

    • Militares nacionalistas.

      Fico curioso para saber como anda o atual nível de informação das Forças Armadas. 

      Pelo menos a alta oficialidade deve ter condições de se informar e tomar conhecimento de fatos como os aqui narrados no Blog.

      E como se informam os militares de baixa patente? Seria como a maioria do povo, cabeça feita pela velha mídia? 

      O Dever de obediência e hierarquia deve ser respeitado, mas não absolutamente. Até quando os militares patriotas

      permanecerão submissos? 

    • Militares nacionalistas.

      Fico curioso para saber como anda o atual nível de informação das Forças Armadas. 

      Pelo menos a alta oficialidade deve ter condições de se informar e tomar conhecimento de fatos como os aqui narrados no Blog.

      E como se informam os militares de baixa patente? Seria como a maioria do povo, cabeça feita pela velha mídia? 

      O Dever de obediência e hierarquia deve ser respeitado, mas não absolutamente. Até quando os militares patriotas

      permanecerão submissos? 

      • Conheço alguns
        Dos que conheço de baixa patente, estão divididos. Existem muitos coxinhas globotomizados, inclusive que viajaram bastante pra fora tal qual os “procuradores internacionalistas”. Já os de alta patente, creio que a ditadura já expurgou boa parte dos nacionalistas, como no documentário “os militares que disserem não “. Creio que estejam mais preocupados em se livrar da reforma da previdência…

  9. Estes videos confirmam as denúncias exaradas no post

    Assistam a estes videos e tirem suas proprias conclusões, chamo a atenção para a preocupação dos EUA com o “atrevimento” do Lula ao bater pé na questão da defesa, a compra dos caças, estes que agora são foco do MPF, numa acusação bizarra ao mesmo tempo em que os grandes songegadores, motivo da Operação Zelotes, são deixados de lado (clique aqui)

    Videos

    https://josecarloslima.blogspot.com.br/2016/11/o-juiz-sergio-moro-servico-de.html

    Os EUA tem longa experiência em técnicas de dominação e imperialismo e fazem tudo em segredo, e transmitem tudo aos próximos governos, independentemente do fato de serem democratas ou republicanos pois como tem apontado o André Araújo, o que interessa é a defesa dos interesses deles americanos: para eles, primeiro o meu pirão…

    Este post do Nassif tem que ser levado no bolso de cada brasileiro, bem como ser lido por cada trouxinha que defendo o Sérgio naMoro(do) do Aécio e outros tucanos como Zé Serra, outro agente público a serviço de interesses americanos…..muito triste assistir a destruição deste pais…e não dá pra entender a troco de que, a não ser da própria inflação do ego, talvez uma boa grana por fora(americano é craque em pagar propinas dessa forma, tem grana do Tesouro reservada prá isso), destroi um pais que chegou a ser a 5a. economia do planeta e tinha um futuro luminoso mas que, de projeto de ser um grande pais de classe média virou esse pais bananeiro…..,…

    Tal como Hillary Clinton, que inclusive cooptou o Marcelo Tass para aderir a moblizaçao da direita, o casal Moro, é atuante nas redes sociais. Basta ver as últimas declarações de Moro, dirigidas a sua rede de imbecis, como por exemplo a defesa que ele fez de um delegado contra o qual Lula entrou na justiça, imagina só a que ponto chegamos: um juiz com um caso sob sua análise, atuando como delegado de defesa do delegado.

    E pensar que para coroar a destruição deste pais, no momento as Instituiçoes convertidas em organizações criminosas estão focadas em prender Lula: ordem dos EUA, afinal de contas o quarteto golpista(mercado-psdb-globo-judiciario) tem que entregar o serviço pronto ao Tio Sam, imagina só vitória sem destruição do simbolo de um pais que tinha tudo para pertenceu ao seu povo mas, não mais…

     

    • Leia no meu Blog:Porque da necessidade do fim do Estado Nacional

      Lá está a explicação da origem de tudo, inclusive se olhares na Wikipedia “Clube de Roma” verás uma figura conhecida.

  10. O que mais assusta além de o

    O que mais assusta além de o fato do MPF ir aos EUA cooperar com o departamento de justiça norte-americano para aniquilar com a indústria nacional é que o país está totalmente exposto já que os órgãos encarregados da inteligência que deveriam proteger o Brasil são totalmente incompetentes e irrelevantes.

    Espero um dia ver Janot, Moro e seus procuradores anti-nacionais na cadeia. 

  11. A guerra 4.0 exige medidas de guerra

    A estatização do sistema bancário e a transformação das da TV aberta em TV pública é fundamental na guerra 4.0. A primeira quebraria a perna da finanaça nacional, prolongamento da banca global. A segunda quebraria a perna da Globo, sem a qual não se repercute nada.

    É preciso quebrar a perna dos agentes nacionais dos EUA, que combatem por eles aqui.

    Vão dizer que é antidemocrátioco. Vivemos numa democracia?

    É preciso perder certos pudores “republicanos” ou vamos para o abismo.

    Estamos em plena guerra (4.0), não sabemos que estamos (aliás esta ignorância do povo sobre a guerra é parte fundmanetal da estratégia dos EUA) e por isso estamos sendo massacrados como baratas, como foram o Egito, a Síria, a Líbia, o México…

    A China e a Rússia só não foram massacradas porque sabem que estão em guerra e lutam…

     

  12. Necessitamos

    com urgência de um governo NACIONALISTA PROGRESSISTA, mas a Globo Criminosa está preparando terreno para entregar o poder à patética Cármen Lúcia Sem Noção. Quanto a Janot, Moro e toda a sua quadrilha, vocês serão presos seus traidores. 

  13. E o Pulitzer brasileiro 2016 vai para…

    Nassif e GGN, pela capacidade de produzir noticiário analítico como raramente se vê no jornalismo tupiniquim – quando este último rondava o país do eterno passado já era difícil, que dirá agora que está no exílio com a democracia e a vergonha na cara! Menções honrosas para Tereza Cruvinel, Paulo Moreira Leite, Bob Fernandes, Azenha, Jânio de Freitas e turma do Intercept. 

    Precisamos defender não apenas a democracia mas, para sua realização plena, ousar falar da concentração de renda mundial como tema central – a doença, o resto é sintoma, colocar como meta a taxação das grandes fortunas e o controle do tráfico financeiro, discutir a normalização social da agiotagem bancária e financista – há quem concorde ou tenha se rendido à exploração da vida pelo dinheiro como se fosse inelutável -, mostrar ao povo que idolatra a riqueza e a ostentação qual o seu verdadeiro preço: fome, guerra, sofrimentos múltiplos – físicos, emocionais e morais, vida sem alegria, destruição social e ambiental, inferno na Terra.

     

    “Não se pode servir a Deus e à riqueza.” Mateus, 6:24.

     

    Para quem é ateu, agnóstico ou não gosta de religião, coloque em lugar de Deus seu ideal de justiça ou de desapego mais profundo.

     

    O problema do mundo não é falta de dinheiro mas excesso, desperdício, acumulação, mau uso e extrema desigualdade na distribuição, porque se tornou fim e não meio, objetivo e não instrumento. Enquanto o funcionamento da vida material não for encarado e explicado direta e simplesmente (repito a referência a “Requiem para o sonho americano” do Chomski e “Ilha das Flores”, do Jorge Furtado, dois audiovisuais didáticos e geniais, um “o rei está nu” para a Era dos Bilionários), oportunistas comandarão o mundo, a partir de emissoras de TV/rádio e de donos da grana, a combinação homicida  que forma o primeiro poder.

     

    SP, 10/12/2016, 08:30

    • Três correções: sobrenome e autorias

      Duas correções: 

      1 – O sobrenome correto do intelectual Noam é ChomskY.

      2 – O filme não é dele, como pode parecer pela citação, mas COM ELE. A direção é de Peter D. Hutchison, Kelly Nyks e Jared

      P. Scott

      3 – A frase sobre Deus e riqueza é atribuída a Jesus Cristo; Mateus é apenas o autor do Evangelho que o menciona.

      Desculpem pelos erros.

       

  14. Sabe o que Moro e o PGR
    Sabe o que Moro e o PGR ganham ao facilitar o trabalho de desmonte para os EUA? Cidanania americana para aplacar os seus recalques de terem nascido no Brasil. Quem sabe também levar uns trocados pelas lambidas de bota nos EUA. Não foi à toa que Moro declarou querer passar suas “férias” nos EUA assim que terminasse a destruição à jato.

    • “…Não foi à toa que Moro

      “…Não foi à toa que Moro declarou querer passar suas “férias” nos EUA assim que terminasse a destruição à jato….”

      Discordo, o juizeco, e demais membros da Farsa a Jato, já não possuem autonomia para decidir sobre seus respectivos futuros .

      Quem vai designar o que farão, onde e quando, é a “Agência”, que diga-se de passagem está prestes a descartá-los, haja vista o provável desmascaramento dos traíras a ser feito por políticos de esquerda com o apoio de setores do judiciário e alguns graduados das FFAA 

  15. Ataque coordenado contra o Brasil.

    Nassif , belo trabalho de jornalismo para retratar esta criminosa agressão às nossas instituições e nossa economia.Um ataque mais devastador que o sofrido pelos EUA em 7 de dezembro de 1941 em Pearl Harbor. A ausência de tropas nos impede de ver como ato de guerra ou como aquele praticado contra o Brasil em 1964. O presente ataque, ainda em curso, conta com uma legião de brasileiros muito ligados a mídia, ministério público, juiz moro e políticos praticantes de liberalismo radical. Por certo como consta do texto este ataque não ocorre só entre nós. Difícil porém observar estragos desta monta em outras vítimas. Indispensável para resgatar nosso desenvolvimento será  levar a Justiça (real) todos lesa-pátrias brasileiros envolvidos. Cabe  até um tribunal especial do tipo de tribunal de Nuburbring para este fim. Lamento que responsáveis pela nossa defesa ainda permanecerem impassíveis no credo do funcionamento de nossas instituições.

  16. Balela Nassif.
    É do legítimo

    Balela Nassif.

    É do legítimo interesse norte-americano que o Brasil despontasse no BRICS porque seria o único país ocidental num Brics dominado por China Russia e India.

    E a colaboração entre os EUA e o Brasil para a Lava-Jato se justifica porque sozinho o MP não conseguiria nunca golpear a corrupção endemica no Brasil, que a delação da Oderbrecht está trazendo para o Sol.

     

    • Esse manja

      “Balela Nassif”. Percebam como a sumidade aí em cima tenta desqualificar as análises do Luís Nassif tirando onda de entendido e sacando uma palavrinha marota e mágica da manga. Na cachola dele, o  Brasil de Dilma era aliado fiel do tio sam em detrimento dos demais membros dos brics (que agora se tornaram “rics”)  O tonto fecha o seu comentário sugerindo que os Estado Unidos estão empenhados em acabar com a corrupção na bananalândia, ajudando o nosso ínclito e heroico MP. Tudo em nome da justiça e do santo  combate à corrupção em terrras tropicais. 

      Esse manja, pessoal. 

    • Relativamente legítimo

      Legitimo do latim “legitimu”, no sentido original termo jurídico significando legal, conforme às leis, também passou a significar puro, perfeito, excelente e formoso. Logo, sob à ótica pragmática do “grande irmão” ao Norte, a exemplo de outras práticas (NSA, conforme Snowden), a Lei e o legal se submetem ao “bem maior”, ou seja, o fim justifica os meios e “legitima” o ilegal e o imoral. Portanto, a relatividade.

      As teorias da conspiração sempre acompanharam a história.Ao passo que denunciam e buscam explicações para as mais distintas situações e acontecimentos complexos, criando nexos entre esses criando enredos que nos assombram e inquietam, têm o efeito mais frequente de serem tomadas com ficção, fantasia ou, os delírios conspiratórios. Em grande parte o são, mas e quando não? 

      No momento, o que vemos no Brasil tem grande possbilidade de sê-lo. Mas, a sua análise, como em qualquer análise geopolítica,  envolvendo interesses nacionais e comerciais que orientariam estratégias articuladas de submissão e dominação, envolvendo inúmeros agentes, imensa massa de dados, incontáveis variáveis e fatos, muito disso baseado em estimativas e suposições, traz, inevitavelmente, conclusões incertas.

      A dificuldade de qualquer conspiração se inicia pelo alinhamento de interesses dos articuladores e pela sua efetiva capacidade de integrar os distintos agentes, seus vetores operacionais, em uma rede articulada, agindo coordenamente e em sincronia. Quanto mais ampla a estratégia, mais complexa a rede e maior a dificuldade de se aplicar o plano tático e operacional.

      Se do lado dos articuladores e promotores do processo conspiratório é desafiador mantinteer o controle sobre o plano geral e o alinhamento das ações aos objetivos pretendidos, do lado dos que buscam identificar, analisar e diagnosticar o esquema conspiratório o desafio é, obviamente, muito maior.

      Quando, a exemplo do que ora ocorre, envolvendo interesses nacionais de toda a ordem, é preciso aceitar a necessidade de se tomar decisões em ambiente de incerteza e se iniciar uma ação de contrainteligência para determinar os riscos prováveis e efetivos, traçando os planos de contingência, definindo as ações de contenção de danos, as ações de retaliação e a forma e momento de sua implementação. Piada recorrente diz ser um paradoxo buscar sinais de inteligência em órgãos de inteligência. No Brasil há comprovação impírica dessa afirmação. Não temos o menor preparo para lidar com conspirações, sejam quais forem e venham de onde vierem. Nem preparo institucional por parte das agências de governo, nem preparo  intelectual para entender os acontecimentos, suas implicações e, consequentemente, a necessidade de ação. Isto se dá na nossa sociedade como um todo.  

      Então, para justificar qualquer evidência de ataque como “teoria da conspiração” desqualificando-a, criamos dois preceitos ficcionais. O primeiro, generalizado, nos diz que o Brasil não é alvo e que não sofre ataques em seus interesses. Nasce da fábula que somos amados no mundo inteiro e que, por sermos um pobre país da pobre América Latina, não passamos de vira-latas a quem não se dispensa atenção especial. O segundo, nascido nos primódios do século XIX como resultante da Doutrina Monroe, é mantido vivo e presente pelas elites conservadoras em todos os setores e diz, textualmente, “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Nunca nos livramos disso. Esse alinhamento incondicional marcou a história brasileira. Em todos os momentos em que o conceito explícito foi combatido tais contraposições culminaram em tragédia política e o staus quo foi restabelecido.

      Porquanto, a defesa da pretensa legitimidade da ação do EUA e a validade da “cooperação” entre a Lava-Jato e agências governamentais daquele país se submete aos preceitos acima.

      Samuel Jonhson (Inglaterra, 1709-1784) disse a famosa frase, “Patriotism is the last refuge of a scoundrel”. Acredita-se que ele não se referia ao verdadeiro patritismo, mas à  “patriotada”, a sua corrupção. Patriotada se traduz pela apropriação de um sentimento legítimo do cidadão, o que representa sua identidade nacional, para subvertê-lo ao interesse da canalha. Essa patriotada é que nos marca. Patriotismo há pouco, aqui e em qualquer outro país. Sua ausência impede uma visão correta de quando estamos sendo usados e quando realmente há  a ocorrência de acontecimentos prejudiciais ao País e à Nação, sejam de origem interna, sejam de fonte alienígena. Embora, seja esse um terreno pantanoso e perigoso por natureza, no qual o caminhar demanda cautela e muita ponderação, há momentos da história que os atos praticados por brasileiros em flagrante conflito com os interesses do País, precisam ser tratados clara e objetivamente à luz das evidências que trazem e das conseqencias que causam. E, sendo o caso comprovado inequivocamente como lesivo a esses interesses deve ser tratado à letra da Lei. Em se tratando de ato em prejuizo aos interesses nacionais e em favor de interesses externos é traição.

      Os fatos apontam para fortes indícios que, na questão em tela, é o que se dá. Seria obrigação de ofício que as autoridades brasileiras mandassem apurar os fatos e resposabilidade fossem determinadas. No mínimo.

      Insadecidamente entristecedor é saber inequívoco e inegável que nada se fará e, apenas, o desastre que ora vemos ocorrer, será tema de infindáveis discursos e de debates, políticos e acadêmicos, cujos elementos de conhecimento, envoltos em uma nuvem de fumaça, nunca trarão a verdade e a responsabilização de seus atores.

    • Relativamente legítimo

      Legitimo do latim “legitimu”, no sentido original termo jurídico significando legal, conforme às leis, também passou a significar puro, perfeito, excelente e formoso. Logo, sob à ótica pragmática do “grande irmão” ao Norte, a exemplo de outras práticas (NSA, conforme Snowden), a Lei e o legal se submetem ao “bem maior”, ou seja, o fim justifica os meios e “legitima” o ilegal e o imoral. Portanto, a relatividade.

      As teorias da conspiração sempre acompanharam a história.Ao passo que denunciam e buscam explicações para as mais distintas situações e acontecimentos complexos, criando nexos entre esses criando enredos que nos assombram e inquietam, têm o efeito mais frequente de serem tomadas com ficção, fantasia ou, os delírios conspiratórios. Em grande parte o são, mas e quando não? 

      No momento, o que vemos no Brasil tem grande possbilidade de sê-lo. Mas, a sua análise, como em qualquer análise geopolítica,  envolvendo interesses nacionais e comerciais que orientariam estratégias articuladas de submissão e dominação, envolvendo inúmeros agentes, imensa massa de dados, incontáveis variáveis e fatos, muito disso baseado em estimativas e suposições, traz, inevitavelmente, conclusões incertas.

      A dificuldade de qualquer conspiração se inicia pelo alinhamento de interesses dos articuladores e pela sua efetiva capacidade de integrar os distintos agentes, seus vetores operacionais, em uma rede articulada, agindo coordenamente e em sincronia. Quanto mais ampla a estratégia, mais complexa a rede e maior a dificuldade de se aplicar o plano tático e operacional.

      Se do lado dos articuladores e promotores do processo conspiratório é desafiador mantinteer o controle sobre o plano geral e o alinhamento das ações aos objetivos pretendidos, do lado dos que buscam identificar, analisar e diagnosticar o esquema conspiratório o desafio é, obviamente, muito maior.

      Quando, a exemplo do que ora ocorre, envolvendo interesses nacionais de toda a ordem, é preciso aceitar a necessidade de se tomar decisões em ambiente de incerteza e se iniciar uma ação de contrainteligência para determinar os riscos prováveis e efetivos, traçando os planos de contingência, definindo as ações de contenção de danos, as ações de retaliação e a forma e momento de sua implementação. Piada recorrente diz ser um paradoxo buscar sinais de inteligência em órgãos de inteligência. No Brasil há comprovação impírica dessa afirmação. Não temos o menor preparo para lidar com conspirações, sejam quais forem e venham de onde vierem. Nem preparo institucional por parte das agências de governo, nem preparo  intelectual para entender os acontecimentos, suas implicações e, consequentemente, a necessidade de ação. Isto se dá na nossa sociedade como um todo.  

      Então, para justificar qualquer evidência de ataque como “teoria da conspiração” desqualificando-a, criamos dois preceitos ficcionais. O primeiro, generalizado, nos diz que o Brasil não é alvo e que não sofre ataques em seus interesses. Nasce da fábula que somos amados no mundo inteiro e que, por sermos um pobre país da pobre América Latina, não passamos de vira-latas a quem não se dispensa atenção especial. O segundo, nascido nos primódios do século XIX como resultante da Doutrina Monroe, é mantido vivo e presente pelas elites conservadoras em todos os setores e diz, textualmente, “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Nunca nos livramos disso. Esse alinhamento incondicional marcou a história brasileira. Em todos os momentos em que o conceito explícito foi combatido tais contraposições culminaram em tragédia política e o staus quo foi restabelecido.

      Porquanto, a defesa da pretensa legitimidade da ação do EUA e a validade da “cooperação” entre a Lava-Jato e agências governamentais daquele país se submete aos preceitos acima.

      Samuel Jonhson (Inglaterra, 1709-1784) disse a famosa frase, “Patriotism is the last refuge of a scoundrel”. Acredita-se que ele não se referia ao verdadeiro patritismo, mas à  “patriotada”, a sua corrupção. Patriotada se traduz pela apropriação de um sentimento legítimo do cidadão, o que representa sua identidade nacional, para subvertê-lo ao interesse da canalha. Essa patriotada é que nos marca. Patriotismo há pouco, aqui e em qualquer outro país. Sua ausência impede uma visão correta de quando estamos sendo usados e quando realmente há  a ocorrência de acontecimentos prejudiciais ao País e à Nação, sejam de origem interna, sejam de fonte alienígena. Embora, seja esse um terreno pantanoso e perigoso por natureza, no qual o caminhar demanda cautela e muita ponderação, há momentos da história que os atos praticados por brasileiros em flagrante conflito com os interesses do País, precisam ser tratados clara e objetivamente à luz das evidências que trazem e das conseqencias que causam. E, sendo o caso comprovado inequivocamente como lesivo a esses interesses deve ser tratado à letra da Lei. Em se tratando de ato em prejuizo aos interesses nacionais e em favor de interesses externos é traição.

      Os fatos apontam para fortes indícios que, na questão em tela, é o que se dá. Seria obrigação de ofício que as autoridades brasileiras mandassem apurar os fatos e resposabilidade fossem determinadas. No mínimo.

      Insadecidamente entristecedor é saber inequívoco e inegável que nada se fará e, apenas, o desastre que ora vemos ocorrer, será tema de infindáveis discursos e de debates, políticos e acadêmicos, cujos elementos de conhecimento, envoltos em uma nuvem de fumaça, nunca trarão a verdade e a responsabilização de seus atores.

    • Relativamente legítimo

      Legitimo do latim “legitimu”, no sentido original termo jurídico significando legal, conforme às leis, também passou a significar puro, perfeito, excelente e formoso. Logo, sob à ótica pragmática do “grande irmão” ao Norte, a exemplo de outras práticas (NSA, conforme Snowden), a Lei e o legal se submetem ao “bem maior”, ou seja, o fim justifica os meios e “legitima” o ilegal e o imoral. Portanto, a relatividade.

      As teorias da conspiração sempre acompanharam a história. Ao passo que denunciam e buscam explicações para as mais distintas situações e acontecimentos complexos, criando nexos entre esses e criando enredos que nos assombram e inquietam, têm o efeito mais frequente de serem tomadas como ficção, fantasia ou delírios conspiratórios. Em grande parte, o são, mas e quando não? 

      No momento, o que vemos no Brasil tem grande possibilidade de sê-lo. Mas, a sua análise, como em qualquer análise geopolítica, envolvendo interesses nacionais e comerciais que orientariam estratégias articuladas de submissão e dominação, envolvendo inúmeros agentes, imensa massa de dados, incontáveis variáveis e fatos, muito disso baseado em estimativas e suposições, traz, inevitavelmente, conclusões incertas.

      A dificuldade de qualquer conspiração se inicia pelo alinhamento de interesses dos articuladores e pela sua efetiva capacidade de integrar os distintos agentes, seus vetores operacionais, em uma rede articulada, agindo coordenamente e em sincronia. Quanto mais ampla a estratégia, mais complexa a rede e maior a dificuldade de se aplicar o plano tático e operacional.

      Se do lado dos articuladores e promotores do processo conspiratório é desafiador manter o controle sobre o plano geral e o alinhamento das ações aos objetivos pretendidos, do lado dos que buscam identificar, analisar e diagnosticar o esquema conspiratório o desafio é muito maior.

      Quando, a exemplo do que ora ocorre, envolvendo interesses nacionais de toda a ordem, é preciso aceitar a necessidade de se tomar decisões em ambiente de incerteza e é preciso se iniciar uma ação de contra-inteligência para determinar os riscos prováveis e efetivos, traçando os planos de contingência, definindo as ações de contenção de danos, as ações de retaliação e a forma e momento de sua implementação. Piada recorrente diz ser um paradoxo buscar sinais de inteligência em órgãos de inteligência. No Brasil há comprovação empírica dessa afirmação. Não temos o menor preparo para lidar com conspirações, sejam quais forem e venham de onde vierem. Nem preparo institucional por parte das agências de governo, nem preparo intelectual para entender os acontecimentos, suas implicações e, consequentemente, a necessidade de ação. Isto se dá na nossa sociedade como um todo.  

      Então, para justificar qualquer evidência de ataque como “teoria da conspiração” desqualificando-a, criamos dois preceitos ficcionais. O primeiro, generalizado, nos diz que o Brasil não é alvo e que não sofre ataques em seus interesses. Nasce da fábula que somos amados no mundo inteiro e que, por sermos um pobre país da pobre América Latina, não passamos de vira-latas a quem não se dispensa atenção especial. O segundo, nascido nos primórdios do século XIX como resultante da Doutrina Monroe, é mantido vivo e presente pelas elites conservadoras em todos os setores e diz, textualmente, “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Nunca nos livramos disso. Esse alinhamento incondicional marcou a história brasileira. Em todos os momentos em que o conceito explícito foi combatido tais contraposições culminaram em tragédia política e o status quo foi restabelecido.

      Porquanto, a defesa da pretensa legitimidade da ação do EUA e a validade da “cooperação” entre a Lava-Jato e agências governamentais daquele país se submete aos preceitos acima.

      Samuel Johnson (Inglaterra, 1709-1784), disse a famosa frase, “Patriotism is the last refuge of a scoundrel”. Acredita-se que ele não se referia ao verdadeiro patriotismo, mas à ”patriotada”, a sua corrupção. Patriotada se traduz pela apropriação de um sentimento legítimo do cidadão, o que representa sua identidade nacional, para subvertê-lo ao interesse da canalha. Essa patriotada é que nos marca. Patriotismo há pouco, aqui e em qualquer outro país. Sua ausência impede uma visão correta de quando estamos sendo usados e quando, realmente, há a ocorrência de acontecimentos prejudiciais ao País e à Nação, sejam de origem interna, sejam de fonte alienígena. Embora, seja esse um terreno pantanoso e perigoso por natureza, no qual o caminhar demanda cautela e muita ponderação, há momentos da história que os atos praticados por brasileiros em flagrante conflito com os interesses do País, precisam ser tratados clara e objetivamente à luz das evidências que trazem e das consequências que causam. E, sendo o caso comprovado inequivocamente como lesivo a esses interesses deve ser tratado à letra da Lei. Em se tratando de ato em prejuízo aos interesses nacionais e em favor de interesses externos é traição.

      Os fatos apontam para fortes indícios que, na questão em tela, é o que se dá. Seria obrigação de ofício das autoridades brasileiras mandar apurar os fatos e que responsabilidade fossem determinadas. No mínimo.

      Insandecidamente entristecedor é saber inequívoco e inegável que nada se fará e, apenas, o desastre, que ora vemos ocorrer, será tema de infindáveis discursos e de debates, políticos e acadêmicos, cujos elementos de conhecimento, envoltos em uma nuvem de fumaça, nunca trarão a verdade e a responsabilização de seus atores.

       

  17. Algum documentarista poderia reunir os principais críticos da…

    Algum documentarista poderia reunir os principais críticos da lava jato no país e fazer um documentário sobre todos os podres dos golpistas. Personalidades como o próprio Luís Nassif, e outros nomes como Pepe Escobar, Eugênio Aragão, Celso Antônio Bandeira de Melo, Emir Sader, Paulo Moreira Leite, Moniz Bandeira de Melo, Mino Carta, Paulo Henrique Amorim, dentre outras figuras igualmente respeitáveis. Seria uma referência definitiva para o mundo de como são feitos os golpes de estado no início do século XXI.

  18. Nassif o q vc e o André

    Nassif o q vc e o André Aráujo desvendou é muito mais sério q o golpe na Dilma é um golpe no Brasil

    como um todo,nas riquezas,empregos,empresas e na autoestima dos brasileiros,pqp que sério isso !!!

  19. No Brasil só há uma coisa que

    No Brasil só há uma coisa que continua: a descontinuidade. Volta e meia o país é palco de golpe dado pela zelite zelote

  20. Foi uma troca, receberam e

    Foi uma troca, receberam e depois foram dar informações,

    quase que uma obrigação, só assim posso entender essa estupidez , não á toa, quando tentaram golpe em determinado país prenderam inumeros juizes, só aqui, com a midia tratando o publico como idiota, manipulando e criando fatos, ainda se acredita que existe essa falacia de combate à corrupção, afinal, o que seria dessa turma se todos fossem honestos???

  21. que esse futuro seja próximo.

    que esse futuro seja próximo. nenhum país consegue sobreviver como nação tendo esse cenário tétrico. 

    • Nas eleições presidenciais de 2018 provavelmente o candidato que

      Nas eleições presidenciais de 2018 provavelmente o candidato que representar a negação da política como a conhecemos ganhará as eleições. Ou seja, será a eleição de um “outsider”. Só não vê quem não quer. É um fenômeno mundial. E no caso brasileiro o candidato que melhor representa esse fenômeno é o Ciro Gomes.

      Portanto, o melhor que o Lula, o PT e a própria esquerda deveriam fazer era dar um voto de confiança ao ex-ministro. Todos sairiam ganhando com essa união, inclusive o próprio PT e o Lula. Eleições presidenciais influenciam muito nas eleições para deputados, senadores e governadores. Essa união possibilitaria, inclusive, a formação de uma maioria no legislativo.

      Em 2018 sou Ciro Gomes!

      • Boquirroto

        O boquirroto fala por um lado e os senadores do seu partido apoiam o golpe!

        É facil falar grosso, da boca pra fora. Difícil é conseguir que a equipe que o acompanha também o faça.

        O Ciro é um Bolsonaro mais à esquerda, mas ainda muito longe do povo e do socialismo.

  22. Nassif e GGN façam em vídeo a
    Nassif e GGN façam em vídeo a leitura desse artigo para colocar no YouTube. As pessoas precisam ouvir e ter conhecimento desses fatos!
    Hoje é um erro deixar de usar o YouTube, toda a direita tem canais e fazem vídeos diários para o YouTube inclusive compram inscritos fakes colocam como vídeos recomendados.
    Esse site vende curtir e inscritos fakes para bombar canais e vídeos de YouTube, basta comprar em dólar e aquele vídeo com poucos Views vai bombar.

    http://ceoclerks.com/categories/youtube#.WEMhE73J3qB

  23. Uma reflexão

    Deixa o caso particular de lado. Vamos tentar entender o fenômeno. Perdoem o tom profético. Achei que era a melhor escolha no momento.

    Lembra do Will Smith no topo de uma colina perguntando ao holograma do cientista falecido?

    – Há algum problema com as leis?

    – As leis são perfeitas. (…). – As leis levam a um único desfecho lógico.

    – Que desfecho é este?

    – Revolução.

    – Revolução de quem?

    – Essa, detetive, é a pergunta certa.

    Lembram, em seguida, dos revolucionários destruindo, em primeiro lugar, os únicos que poderiam defender a humanidade deles (os revolucionários)?

    Com um pouquinho de esforço, acho que a situação se esclarece.

    Seja “para sua própria segurança”, vulgo “segurança nacional”. Seja “para o bem maior”, vulgo “combate à corrupção”, o apego exclusivo à Lei é perigoso, por desumanizador.

    Bem vindos, meus amigos, à evolução natural pendular do “Welfare State”: o “Lawfare State”.

    Ele será estabelecido tanto cá (no “combate à corrupção”), quanto lá (para “homeland security”). Não acredito que se tenha meios para desfazer o atual estado de transe catalizado pela internet.

    Vejo aí vindo um novo modelo de democracia ditatorial.

    E a velha corrupção se tornando obsoleta. Sendo substituída pela moderna “integridade procedimental corrompida”.

    Hoje chamam ela, por exemplo, de privilégio. Amanhã, já não sei.

    É quando se faz tudo dentro da mais estrita lei. Quanto mais lei, melhor, mais se ganha.

    Pois mais se depende da lei e se precisa,  cada vez mais, de “integridade procedimental”.

    É, também, quando você substituiu a razão pela lei. Pensar se torna subversivo (de novo).

    E as quantias astronômicas recebidas não precisam ser questionadas pela razão, pois são legais. E, agora, tudo dependerá da lei. Tá tudo certo.

    Prendam Frank Foley!

    Na minha opinião, a “pergunta certa” agora é: quem está consciente disso tudo, e quem está sendo mero robô, controlado pela espécie de inteligência central.

     

    • Aliás, onde estão sendo

      Aliás, onde estão sendo depositado os 10% para a força tarefa do MP? Os 670.000.000,00 da Odebrecht vão ser depositados em qual CNPJ? Isso tem previsão legal? É uma estrutura s parte do estado?

  24. Traidores do Brasil

     

    Essência do sistema capitalista – a muito antiga diversificada corrupção – constitui poderosa alavanca do ilícito e do roubo. Inclusive, viabiliza rapidíssimo enriquecimento de entreguistas, desonestas e bilionárias elites, nas chamadas privatizações.

    Graças a praga da corrupção, tornou-se possível o entreguista governo FHC/PSDB realizar inaceitáveis privatizações de setores bilionários, altamente estratégicos, como a entrega  da antiga CVRD, vendida pela bagatela de R$ 3,3 bilhões, cerca de metade em moedas podre. Na avaliação de especialistas da época, por conta de suas imensas e diversificadas jazidas de minérios por todo o Brasil, mais as grandes e variadas instalações industriais e prediais, preciosas ferrovias e frota naval, o preço justo teria sido, mais de R$ 1 trilhão.

    Na mesma rota da traição ao Brasil, venderam também, a Embratel, estratégica e gigante empresa estatal de telecomunicações, fazendo de nossa telecomunicação, das mais caras, ruins e vulneráveis do mundo. Jamais poderia ficar sob o controle dos gringos e da empresa privada. Idem, com a inaceitável venda de grande parte do nosso parque gerador, transmissor e distribuidor de energia elétrica, resultando, numa das mais caras energia elétrica do Planeta.

    Não se discute os mais diversos tipos e naturezas de negociações de compra, venda e parserias atendendo interesses privados e públicos. Fazem parte do livre comércio, interno e externo. O que é intolerável e inaceitável, é a venda de bilionário ativos estatais, pertencentes ao Brasil, pertencentes ao nosso sofrido povo, consolidados em siderais riquezas acumuladas em décadas de muito trabalho e sacrifício do trabalhador, rapidamente entregues para as elites daqui e de fora,  a preços de bananas, inclusive, debilitando nossa economia, causando muita falência e desemprego geral.

    A pesar das consequências do trágico passado entreguista FHC/PSDB, o atual ilegítimos governo golpista, silenciosamente, prossegue vendendo bilionários ativos,  açodadamente, sem maiores análises e discussões públicas, em especial com o trabalhador, o legítimo dono dessas gigantescas riquezas. Do lamentável passado, bem sabemos que as privatizações abrem portas para desmantelamento de nossas indústrias, para falências gerais e grande desemprego, bem demonstrado no entreguista governo FHC/PSDB.

    As quadrilhas que depuseram a Presidente Dilma/PT com objetivos de grandes privatizações, já iniciadas, continuam buscando solidificarem, no médio e longo prazo, a entrega do Brasil aos gringos. Por isso mesmo, precisam tirar do caminho, o grande líder nacionalista ex Presidente Lula/PT, o quanto antes. Vai daí, as miseráveis e intermináveis perseguições judicias, tentando a qualquer preço, destruir a imagem do ex Presidente Lula/PT, objetivando a tomada do Poder pelo PSDB em 2018, desta vez, pelo voto popular. Se por absurdo, o ex Presidente Luiz Inácio Lula da Silva venha a convencer os golpistas, em especial, o juiz Moro e o PGR Janot, que não participaria mais de qualquer campanha política visando as eleições de 2018, imediatamente, estariam suspensas todas as malditas perseguições. Alguém divida?

    Pelo inacreditável que estamos vendo, a cada dia vai ficando mais claro que os traidores, a serviços dos gringos, querem caminho livre para a entrega geral do Brasil para as mãos e controle dos EUA. Também, vai ficando cada mais claro, que nem mesmo as nossas Forças Armadas estariam preocupadas com as gravíssimas acusações e suspeitas recaindo sobre altos integrantes do governo golpista, envolvidos com a CIA. Com tantos traidores, livres e felizes, não iremos a lugar algum. Com toda a certeza deste mundo.

  25. Conspiração dos EUA

    Eu sempre bati nessa tecla, principalmente quando Nassif começou com a “franquia” xadrez do golpe.

    Desde o início Nassif montava essa tese, desprezando essa peça do seu jogo.

    Era e sempre foi o fator principal, do qual Nassif passava batido, creio eu, não intencional, mas por não existerem, para ele, provas documentadas.

    Vario intectuais brasileiros, como Moniz Bandeira, e jornalistas consagrados, como Mauro Santayana, nas mesmas condições do Nassif, ousaram em fazer essa denúncia.

    Prova-se agora que eles sempre estiveram com a razão.

    As riquezas de evidências sempre apontaram para essa trama, algumas delas citadas agora por Nassif.

    Tudo que envolvia personagens das instituições do Brasil, como Janot, Moro, STF, grande midia e os políticos conservadores direito fascistas como Aécio, Serra, Caiado, Aloysio Nunes, Tasso Jereissati, sistema financeiro, foram para o Nassif peças principais do seu jogo. Um grande equívoco.

    As informações do WikiLeaks, importantíssimas, como as conversas do Serra com o Consulado dos EUA no Brasil sobre a Chevron, jornalistas informantes como William Waak, Marcelo Tass, o próprio Michel Temer elaborando relatórios sobre as eleições que resultaram nas vitórias de Lula e Dilma, a espionagens da NSA sobre Dilma e a Petrobras, eram mais do que evidências.

    Não poderíamos ter sido tão ingênuos, a ponto de desprezar essas informações, e os xadrezes do Nassif sempre apontava para possíveis desfechos, apenas focando personagens políticos e agentes do estado como os manipuladores.

    Nunca coube na minha cabeça essa solução simplória, pela simples razão de que a nossa elite não tem a mínima capacidade de realizá-la por si só, por falta de capacidade intelectual. Eles sempre foram agentes de manobras da inteligência dos EUA. Pode-se comprovar em 54, 64 e agora.

    O Brasil continua na eterna ignorância, se em 54 e 64 a massa da população predominantemete era rural, apenas uma fração morava nos grande centros urbanos, que não eram assim grandes centros, como São e Rio de Janeiro principalmente, tinha-se um pequeno estrato dessa população morando nas cidades que eram intelectualmente capazes. O resto, classe média, sempre foram e continuam a ser analfabetos políticos, tal qual é hoje. Basta ver as redes sociais. É uma indigência mental excruciante.

    Talvez seja tardio a abordagem pelo Nassif sob este ângulo de análise.

    E também não creio, e vou discordar do parágrafo final.

    Não haverá governo com força, pela via democrática, de se realizar essa tarefa.

    Entendo que será necessário um governo progressista de exceção por um tempo suficiente para poder fazer a limpeza desses personagens escroques da elite nacional.

    A partir dai sim, poderemos inaugurar o começo de uma era de democracia de fato, e que seja duradoura e eterna.

  26. Conspiração dos EUA

    Eu sempre bati nessa tecla, principalmente quando Nassif começou com a “franquia” xadrez do golpe.

    Desde o início Nassif montava essa tese, desprezando essa peça do seu jogo.

    Era e sempre foi o fator principal, do qual Nassif passava batido, creio eu, não intencional, mas por não existerem, para ele, provas documentadas.

    Vario intectuais brasileiros, como Moniz Bandeira, e jornalistas consagrados, como Mauro Santayana, nas mesmas condições do Nassif, ousaram em fazer essa denúncia.

    Prova-se agora que eles sempre estiveram com a razão.

    As riquezas de evidências sempre apontaram para essa trama, algumas delas citadas agora por Nassif.

    Tudo que envolvia personagens das instituições do Brasil, como Janot, Moro, STF, grande midia e os políticos conservadores direito fascistas como Aécio, Serra, Caiado, Aloysio Nunes, Tasso Jereissati, sistema financeiro, foram para o Nassif peças principais do seu jogo. Um grande equívoco.

    As informações do WikiLeaks, importantíssimas, como as conversas do Serra com o Consulado dos EUA no Brasil sobre a Chevron, jornalistas informantes como William Waak, Marcelo Tass, o próprio Michel Temer elaborando relatórios sobre as eleições que resultaram nas vitórias de Lula e Dilma, a espionagens da NSA sobre Dilma e a Petrobras, eram mais do que evidências.

    Não poderíamos ter sido tão ingênuos, a ponto de desprezar essas informações, e os xadrezes do Nassif sempre apontava para possíveis desfechos, apenas focando personagens políticos e agentes do estado como os manipuladores.

    Nunca coube na minha cabeça essa solução simplória, pela simples razão de que a nossa elite não tem a mínima capacidade de realizá-la por si só, por falta de capacidade intelectual. Eles sempre foram agentes de manobras da inteligência dos EUA. Pode-se comprovar em 54, 64 e agora.

    O Brasil continua na eterna ignorância, se em 54 e 64 a massa da população predominantemete era rural, apenas uma fração morava nos grande centros urbanos, que não eram assim grandes centros, como São e Rio de Janeiro principalmente, tinha-se um pequeno estrato dessa população morando nas cidades que eram intelectualmente capazes. O resto, classe média, sempre foram e continuam a ser analfabetos políticos, tal qual é hoje. Basta ver as redes sociais. É uma indigência mental excruciante.

    Talvez seja tardio a abordagem pelo Nassif sob este ângulo de análise.

    E também não creio, e vou discordar do parágrafo final.

    Não haverá governo com força, pela via democrática, de se realizar essa tarefa.

    Entendo que será necessário um governo progressista de exceção por um tempo suficiente para poder fazer a limpeza desses personagens escroques da elite nacional.

    A partir dai sim, poderemos inaugurar o começo de uma era de democracia de fato, e que seja duradoura e eterna.

    • Prezado,
      o fato de você só

      Prezado,

      o fato de você só agora ter lido sobre isso no GGN significa que você só começou a ler o GGN agora. No próprio texto há links mostrando o jogo da Lava Jato desde fevereiro de 2015. Antes disso, já abordávamos o tema, tendo Moniz Bandeira como o grande teórico do assunto.

      • Apesar de movimentos não lineares – o comando central é visível.

        Caro Nassif, esta linha de raciocínio, com as devidas alterações – mínimas e sempre corrigindo o curso para atingir o objetivo final –  que os estrategistas do golpe ao longo do tempo foram utilizando, realmente tem sua progressão devidamente realçada no GGN – seguem os links de alguns dos posts publicados no GGN, desde fevereiro de 2015 – neste sentido…

        24.02.2015 – http://jornalggn.com.br/noticia/o-obscuro-cartel-por-tras-da-midia-por-sergio-medeiros

        09/08/2015 – vide a segunda opção – http://jornalggn.com.br/fora-pauta/decifra-me-ou-te-devoro-o-enigma-da-grande-midia

        06/09/2016 – http://jornalggn.com.br/fora-pauta/quem-esta-por-tras-de-temer-psdb-e-dem-proximos-passos#.V86x_Gx6fFc.facebook

        01/10/2016 – http://jornalggn.com.br/fora-pauta/quando-ruiu-a-democracia-por-sergio-medeiros

        21/10/2016 – http://jornalggn.com.br/fora-pauta/o-terceiro-ajuste-o-outro-passo-do-golpe-por-sergio-medeiros  

      • Brilhante resumo da

        Brilhante resumo da ópera; 

        agora eu gostaria de ver o xadrez partir pro trabalho mais pesado: o desfecho da segunda pernada do golpe. O que vai acontencer depois? Haverá crescimento econômico? O Brasil vai continuar sendo uma colônia produtiva? Ou a estratégia do Eixo City-Wall Street é implementar o caos? Como a elite “brasileira está sendo manipulada neste jogo? Quais são os mecanismos psicológicos e linguísticos do processo? Como combatê-los? Qual discurso será usado para tentar unir o país e re-canalizar o processo para que ele sai do controle dos estrategistas do Eixo e sirva para construirmos uma nação de verdade – com um inconsciente coletivo condizente com os discursos democráticos de sua institucionalidade? Ou ainda, no caso de uma nova institucionalidade, que mudanças precisamos pra criar a democracia 2.0 (algo que o mundo inteiro anseia, já quase desesperadamente) ? 

      • Não Nassif

        Digitei o texto respondendo  a sua réplica Nassif, mas a instabilidade do site fez com que eu perdesse a minha tréplica.

        Você pode observar que está acontecendo repetição de comentários. O meu é um deles, mas venho reparando que há vários outros.

        Não vou conseguir repetir o meu comentário ao seu comentário.

        Mas adianto que fico feliz de você ter me informado dos links tratando do tema. 

        Acho desnecessário essa informação para mim, porque ao contrário do que você afirma, sou um assíduo leitor do seu blog.

        Infalívelmente, dentre um selecionado grupo de blogs, o seu faz parte das minhas leituras diárias.

        O que eu quis dizer ao citar Moniz Bandeira e Mauro Santayana, é que eles imprimem essa marca nos seus artigos, quando trata do golpe. São as convicções deles, é o que eles pensam.

        Você tem o seu jeito de fazer jornalismo, por sinal de ótima qualidade. Por conta disso leio todo o dia sim, Nassif.

        Acho também impossível você ler todos os comentários, face a imensa quantidade de post que coloca todo dia.

        Nem por isso quero criticá-lo, por razões que eu não posso avaliar.

        As sua informações de personagens do mundo da política, só enriquesse os meus conhecimentos. 

        Como exemplo, cito um artigo seu do personagem Washington Umberto Cinel, proprietário da empresa de segurança Gocil, no qual você afirma que ele é o arrecadador de dinheiro do psdb paulista, ou seja, Alckmin.

        Cita a sua trajetória como antigo policial, sua andanças pelo interior de São Paulo com postura ética duvidosa.

        Conheço-o pessoalmente, mas não tinha essas informações, inclusive que faz parte do corpo diretivo da Lide, empresa do prefeito eleito João Dória.

        Na lista do CARF consta a Fazenda Sobrado SA, de sua propriedade, que eu conheço, e é uma das maiores sonegadoras das empresas listadas. Não sei seu se o valor está correto, mas lá esta citado algo acima de 3 bilhões.

        Então Nassif, leio simmmmmmmm o seu blog, e com muito prazer, porque considero, desnecessário dizer, mas você é um grande jornalista.

        Não me queira mal. Só foi minha opinião.

        Continuas um gentleman.

        Abraços.

  27. Mea culpa

    Diabólica essa trama! Temos que desfazê-la, já! 

    (Lamento apenas que tenhamos pavimentado com o piche da corrupção e da bandalheira o caminho para o ‘diabo velho’)

  28. Help us in the
    Help us in the world!(socorra-nos mundo!) Obrigado Financial Times(conservadora)
    por eleger Dilma a mulher do ano e obrigado jornalistas alemãos por questionar a
    Moro sobre a foto com Aécio,obrigado blogs sujos por divulgarem isso tb !!
    Obs:Nassif o brasileiro só vai acordar quando ver reportagens da imprensa estrangeira mostrando realmente a realidade aqui,por favor providências com
    relação a linha editorial neste sentido(já disse isso aqui) Obrigado !!!

  29. Socorro!

    Aqui diz e até prova que parte de nossas autoridades está trabalhando para os eua e contra o país, que lhe paga nababescos salários.

    Autoridades maiores não envolvidas não tomam qualquer providência? Autoridades maiores envolvidas também?

    A dignidade, e a segurança nacional foi para o espaço.

    Socorro!

    O único consolo é que o inimigo deles é o LULA. Só sendo muito grande para este trabalho todo (e sujo).

    Vou pedir providência ao bispo.

  30. “No futuro, assim que se sair
    “No futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não denunciar o Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato por crime contra o país. E, aí, haverá ampla documentação devidamente registrada e que possivelmente será requisitada pelo primeiro governo democrático brasileiro, pós-golpe, junto à cooperação internacional.” ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahahahahahhahahahaha Duvido de algum golpista ir preso… sequer o mais insignificante deles !!! Mas fácil a Dilma voltar ao palácio do planalto descendo do céu em uma carruagem de fogo !!!, com o Papai Noel e o Coelhinho da páscoa !!! Vai rolar uma baita auto-anistia DE NOVO !!! Iremos dar prioridade a conciliação Nacional DE NOVO !!! E Não teremos saúde e educação, póis, assim como na época dos militares, vc acha que não entregaremos o país que eles venderem ?? A gente vai entregar sim… a Dívida externa dos militares jamais foi questionada !!! E ainda vamos ficar elegendo os filhos e netos dos golpistas por uns 20 anos depois da “redemocratização”.   Caso queiram punir alguém, vejamos o que vai acontecer: Para mostrar que o estado democrátioco de direito é pleno, ao contrário dos dos golpistqas, todos eles vão responder em liberdade, os com mais de 70 anos se condenados, ficarão presos em liberdade, os do judiciário vão ficar em prisão domiciliar, com vencimentos integrais (Acima do limite máximo permitido na lei, pq ninguém é de ferro), vão ciumprir um sexto da pena e vão ficar livres !!! Isso se não fugirem para Miami enquanto aguardam julgamento em liberdade.Com certeza não serão extraditados… Nada de domínio do fato !!! Só serão condenados se a culpa deles forcomprovada de foorma amp-la e inequivoca… e se der ruim, podem dizer que tem irmao gêmeo mau. No fim, se por milagre punirem alguém, vai sobrar só para o Fernando Holiday, que é negro e homossexual.

    • Meu querido, Procurador e

      Meu querido, Procurador e Juiz não tem tropas a sua disposição, qdo tudo ficar totalmente desmascarado , veremos quem vai querer defendê-los. As Corparacoes, essas vão estar desmoralizadas junto com eles , doidos por um boi de piranha. 

      Concordo com Nassif, não vejo o Brasil virando uma democracia, sem esses crápulas responderem criminalmente pelo q fizeram.

      • O que vc diz foi muito bem

        O que vc diz foi muito bem ilustrado no episódio Renan Calheiros. Se as FA exigissem a saída dele, iam no Senado e tirar ele de lá a força. O MAM não tinha como ir para o senado armado e arrancar ele pelos cabelos de lá (Até pq ia ser dificil fazer isso).

        Tribunal não vai resolver o nosso problema. A única chance de fazer justiça a esse povo é uma turba enfurecida. Não contemos com os militares para isso, pois os militares são inimigos do BRasil. O Máximo que podemos esperar deles é que eles não interfiram para defender esse povo…

  31. Faz todo sentido. Aliás, tem

    Faz todo sentido. Aliás, tem que fazer sentido senão muita coisa estranha que vem ocorrendo desde a implantação de uma política externa independente(ou não alinhada com os interesses dos EUA) pelos governos petistas também perdem o sentido. 

    Se não fosse o analista de sistemas da CIA Edward  Snowden e o jornalista Glenn Greenwald jamais saberíamos da espionagem eletrônica contra a Presidente Dilma, alguns dos seus assessores e…….a P E T R O B R A S!!Petrobras que recentemente incorporara no seus ativos intangíveis o know-how para extração de petróleo cujo teste vitorioso foi a descoberta dessa substância na camada denominada de pré-sal. O que move o Mundo – literalmente – é a energia. 

    Agora, por “coincidência” explode um escândalo protagonizado pela petrolífera e as autoridades brasileira trocam figurinhas com quem? Com os EUA. A título de quê? 

     

  32. Aécio Neves a serviço dos EUA também?

    Com as delaçōes atingindo Alckmin e Serra haveria Aécio vencido a disputa interna tucana? Sabemos que Aécio tem interesses no nióbio, exportado de Minas sem limites e usado em avançadas aplicações tecnológicas estratégicas. A desenvoltura de Aécio com Moro, a blindagem de Aécio por Janot e pelo conjunto do MPF apontam para um futuro protagonismo de Aécio no golpe e na entrega do Pré Sal ao capital estrangeiro.

    Sobre o modus operandi dos EUA no golpe judiciário, lembremos também de Honduras e Paraguai.

    • A família Neves é toda muito

      A família Neves é toda muito suspeita. Tancredo, que foi ministro da Justiça de Getúlio Vargas em 1954 (Eduardo Cardozo???) e foi escolhido pelo PIG e pelos militares para fazer a “transição democrática” em 1984. Andréa Neves testemunhou o atentado no Riocentro em 1981. O que ela estaria fazendo lá naquele exato momento? Aécio nem precisa falar, a blindagem que a globo lhe dá já diz tudo.

  33. Uma síntese muito boa, mas

    Uma síntese muito boa, mas como sempre tem canelada para a Dilma. Governos do mundo todo estão sendo derrubados pela nova (velha) geopolítica americana, mas a presidenta errou por não ter entrado “em contato direto com Barack Obama” para “impedir ações contra a Petrobras”. Ha ha ha. 

  34. Estamos fechando o Brasil e
    Estamos fechando o Brasil e jogando os miseraveis no fogo.É o que da confiar em um bando de “dotozinho” estudado que viaja pro estrangeiro e acaba descobrindo que paises milenares são culturas avançadas. Nossa elite não é burra, é apenas preguiçosa e profundamente preconceitusa.

  35. “nova estratégia da

    “nova estratégia da geopolítica norte-americana”

     

    Pelaamordedeus seu Nassif, Dos 300 000 000 pessoas que vivem nos EUA, uns 299 990 000 não tem nada a ver com essas estratégias – a maioria deles nem se beneficia delas, boa parte depende de bolsa família pra não passar fome, eles são tratados como objetos, trabalham como cavalos e vivem como cachorros, é injusto com eles pô-los nessa laia; 

    Além disto, é bem possível que número de pessoas não norte-americanas envolvidas na criação dessas estratégias seja tão grande ou maior que o número de norte-americanos, principalmente ingleses e israelenses (com uma participação bem menos numerosa de holandeses e belgas). 

    O core teórico dessas estratégias já existia antes dos EUA ter banco central privado e ser o tipo de potência que é… esse core teórico e tudo isto que agente vê hoje remonta ao colar de pérolas e a sua disputa com a estrada da seda – a maioria dos norte-americanos não sabem nem apontar num mapa onde essas coisas estão… 

    … assim como os mulçumanos arregimentados por psy ops…

    … assim como a classe média brasileria arregimentada por psy ops…

    nível de cultura similar…

     

    http://www.revistageopolitica.com.br/index.php/revistageopolitica/article/viewFile/93/92 

     

     

    • Você tem razão quanto à

      Você tem razão quanto à população dos eua em si (que por sinal não apita nada), mas se esquece que, na prática, quem tem o BIG STICK na mão é o exército deles. Portanto, para simplificar, o Nassif usou o termo mais adequado, na minha modesta opinião…

  36. algumas dúvidas sinceras

    acredito que tudo se deu por aí mesmo, não tenho qualquer dúvida com relação a existência de um golpe (muito maior que pmdb),  mas tem algumas questões que pra mim deveriam ser melhor clareadas.

     

    a primeira é sobre a motivação de Janot, Moro, curitiba boys, etc. Eles embarcaram nessa somente baseados no ego, na ideia sde que estão saneando o país? Não me parece convincente o bastante. A orientação política pro-PSDB é óbvia entre eles, ok, mas será que os golpistas (os verdadeiros, que mexem as cordas, não essa curriola que está no “governo”), será que os golpistas se baseariam tão firmemente apensa no messianismo dessa gente e nas suas preferências políticas, para deflagrar o golpe? Que “garantias” eles teriam de que esses caras continuariam a seguir na direção desejada? Eles são controlados por “troca de informações”, mas o que os impediria de , em um lampejo de real patriotismo, virar o jogo e revelar o que de fato está acontecendo? Mas, se não é somente por isso, eles então estariam “levando um por fora”, seja por favorecimento ou mesmo por grana?

     

    a segunda é sobre o tal “motivo do golpe” que muita gente da esquerda declara nas redes sociais, dizendo que os políticos que derrubaram o governo, o fizeram para estancar a lava-jato. Mas, se a lava-jato faz parte do golpe tanto quanto eles (ou até mais, já que de lá é que partiu o “comando”) porque ela iria querer atacar os políticos que fizeram o trabalho sujo que ela QUERIA que fizessem? Tirando um ou dois bois de piranha pra dar um ar de imparcialidade, porque ela iria realmente virar suas baterias na direção do PMDB, por exemplo?

     

    outra questão para mim, um tanto estranha é: se os golpistas dependiam não da existência de pedidos de impechment no congresso, mas da ACEITAÇÃO desses pedidos, a figura que controlava o congresso era fundamental para que o golpe funcionasse. Isso significa que o Cunha estaria de alguma forma diretamente ligado à cabeça do golpe? Ele saberia de tudo? Foram os golpistas reais que o colocaram na presidência da câmara? Trabalharam para isso de alguma forma? Isso não seria rastreável (ainda que algum dia no futuro)?

     

    Também a participação do Renam como presidente do senado era fundamental. Seria preciso que se controlasse a presidência do Senado também. Mas, se foi assim, porque logo depois resolveram derrubar os dois, Renam e Cunha? Eles não seriam gente “de dentro”? Até entendo que eles possam ser controlados através da lava-jato com a constante ameaça de denuncia-los ou não. Mas para isso era necessário, de novo, que ambos estivessem com o rabo preso. Tudo bem, Renam e Cunha já nasceram com o rabo preso, mas a questão não é se eles dois tem o rabo preso, mas que os presidentes da câmara e do senado fossem pessoas com o rabo preso, especialmente de alguma maneira identificável via lava jato.

     

    quem propôs a “ponte para o futuro” não foi o próprio Renam? De quem veio a ideia de propor esse plano? Essa pessoa tem que estar ciente do todo do processo do golpe, não? Mas então não faria sentido começar a persegui-la logo depois do plano realizado, já que ela poderia facilmente abrir a boca e estragar tudo.

     

    a participação da mídia é óbvia, mas eu fico pensando se não haveria alguma forma de expor essa ligação direta entre eles e os gringos. Porque não foi a lava jato, nem o janot, que os procuraram buscando apoio, me parece óbvio. Eles já estavam envolvidos desde o começo, totalmente conscientes do plano. Mas então esse contato poderia ser encontrado, não? (tudo bem que essa gente deve se telefonar direto, sem passar por agendas públicas nem fotos, um deve ter o e-mail do outro e coisa e tal).

     

    o que me causa mais estranheza é que por um lado parece gente demais, dispersa demais, para se conseguir uma ação organizada, em bloco. Ainda que as coisas possam ir se acertando ao longo do percurso, mesmo assim me parece uma temeridade (desculpem) correr o risco de se dar um golpe assim sem um mínimo de controle geral. As chances de que se dê tudo errado é muito grande.

  37. algumas dúvidas sinceras

    acredito que tudo se deu por aí mesmo, não tenho qualquer dúvida com relação a existência de um golpe (muito maior que pmdb),  mas tem algumas questões que pra mim deveriam ser melhor clareadas.

     

    a primeira é sobre a motivação de Janot, Moro, curitiba boys, etc. Eles embarcaram nessa somente baseados no ego, na ideia sde que estão saneando o país? Não me parece convincente o bastante. A orientação política pro-PSDB é óbvia entre eles, ok, mas será que os golpistas (os verdadeiros, que mexem as cordas, não essa curriola que está no “governo”), será que os golpistas se baseariam tão firmemente apensa no messianismo dessa gente e nas suas preferências políticas, para deflagrar o golpe? Que “garantias” eles teriam de que esses caras continuariam a seguir na direção desejada? Eles são controlados por “troca de informações”, mas o que os impediria de , em um lampejo de real patriotismo, virar o jogo e revelar o que de fato está acontecendo? Mas, se não é somente por isso, eles então estariam “levando um por fora”, seja por favorecimento ou mesmo por grana?

     

    a segunda é sobre o tal “motivo do golpe” que muita gente da esquerda declara nas redes sociais, dizendo que os políticos que derrubaram o governo, o fizeram para estancar a lava-jato. Mas, se a lava-jato faz parte do golpe tanto quanto eles (ou até mais, já que de lá é que partiu o “comando”) porque ela iria querer atacar os políticos que fizeram o trabalho sujo que ela QUERIA que fizessem? Tirando um ou dois bois de piranha pra dar um ar de imparcialidade, porque ela iria realmente virar suas baterias na direção do PMDB, por exemplo?

     

    outra questão para mim, um tanto estranha é: se os golpistas dependiam não da existência de pedidos de impechment no congresso, mas da ACEITAÇÃO desses pedidos, a figura que controlava o congresso era fundamental para que o golpe funcionasse. Isso significa que o Cunha estaria de alguma forma diretamente ligado à cabeça do golpe? Ele saberia de tudo? Foram os golpistas reais que o colocaram na presidência da câmara? Trabalharam para isso de alguma forma? Isso não seria rastreável (ainda que algum dia no futuro)?

     

    Também a participação do Renam como presidente do senado era fundamental. Seria preciso que se controlasse a presidência do Senado também. Mas, se foi assim, porque logo depois resolveram derrubar os dois, Renam e Cunha? Eles não seriam gente “de dentro”? Até entendo que eles possam ser controlados através da lava-jato com a constante ameaça de denuncia-los ou não. Mas para isso era necessário, de novo, que ambos estivessem com o rabo preso. Tudo bem, Renam e Cunha já nasceram com o rabo preso, mas a questão não é se eles dois tem o rabo preso, mas que os presidentes da câmara e do senado fossem pessoas com o rabo preso, especialmente de alguma maneira identificável via lava jato.

     

    quem propôs a “ponte para o futuro” não foi o próprio Renam? De quem veio a ideia de propor esse plano? Essa pessoa tem que estar ciente do todo do processo do golpe, não? Mas então não faria sentido começar a persegui-la logo depois do plano realizado, já que ela poderia facilmente abrir a boca e estragar tudo.

     

    a participação da mídia é óbvia, mas eu fico pensando se não haveria alguma forma de expor essa ligação direta entre eles e os gringos. Porque não foi a lava jato, nem o janot, que os procuraram buscando apoio, me parece óbvio. Eles já estavam envolvidos desde o começo, totalmente conscientes do plano. Mas então esse contato poderia ser encontrado, não? (tudo bem que essa gente deve se telefonar direto, sem passar por agendas públicas nem fotos, um deve ter o e-mail do outro e coisa e tal).

     

    o que me causa mais estranheza é que por um lado parece gente demais, dispersa demais, para se conseguir uma ação organizada, em bloco. Ainda que as coisas possam ir se acertando ao longo do percurso, mesmo assim me parece uma temeridade (desculpem) correr o risco de se dar um golpe assim sem um mínimo de controle geral. As chances de que se dê tudo errado é muito grande.

    • Posso te dar uma pista?

      Leia na Wikipedia o verbeta Clube de Roma, olhe a foto de quem está lá.

      Simples:

      1) O consumo dos países do terceiro mundo se organizados minimamente sobe, a pressão sobre o preço das commodities também sobe. Resultado: Não há para todos.

      2) Imperialistas e capitalistas não é um ente abstrato, são pessoas que tem pai, filhos e netos, se a miséria chegar ao primeiro mundo eles vão ter que se mudar para Marte. Conclusão: O consumo do terceiro mundo deve ser refreado.

      3) Para refrear o consumo do terceiro mundo o mais importante é estabelecer o CAOS INSTITUCIONAL.

       

      • como meta global faz bastante

        como meta global faz bastante sentido, mas minhas dúvidas são mais sobre que papel exerce cada peça no golpe, especialmente de que forma isso pode ter sido administrado… vc acha que o rato da foto tem um papel de destaque nesses movimentos? eu tendia a considera-lo mais um oportunista, embora mais bem informado e esperto que o atual cretino decorativo.

        • Diria um oportunista que recebe ordens.

          Para mim é claro, é um oportunista que recebe apoio e ordens.

          O importante é que ainda é citado como uma opção para eleição indireta.

          Quanto a articulação é a pior possível, pois são na verdade vários grupos com interesses muitas vezes completamente divergentes.

      • Esse “Clube de Roma” é o

        Esse “Clube de Roma” é o mesmo “Clube dos 300”? Se for, segundo li em algum site que trata dessa questão,  tem um outro representante da América do Sul, além do nosso velho conhecido: o ex-presidente da Colômbia,  Álvaro Uribe. Muitas cabeças coroadas e a “fina flor” da turma da bufunfa. E um detalhe interessante: parece que descobriram algum elixir pra prolongar a vida com saúde, pois muitos tem idade bem avançada, figuras que, em condições normais, já estariam no “umbral” há muito tempo.

    • Acho que Sérgio Moro seja
      Acho que Sérgio Moro seja neoliberal e pró- PSDB total.
      Da mesma forma que petistas ficam cegos achando que Lula não sabia que o PDMB assaltava, ou então justificam a conivência pelo necessidade de pragmatismo, creio.que o Moro seja afetado por suas ideologias e conviçőes de coxinha. Tudo indica que acredita que as empresas brasileiras são a fonte do mau e da corrupcao, que o bom é mesmo os EUA e as empresas de fora, deve acreditar que o PT é comunista , e que o PSDB é o supra sumo.do modernismo com seu neoliberalismo furado. Ou seja, por conviçāo ignora as N delaçőes do Aecio e encontra-se com Aecio em público revelando sua paixão, e ignora as violações da Lei qdo convém , tomando no máximo um puxãoxinho de orelha do STF ( afinal ninguém respeita lei mais no país qdo não convém). Se a maio ria dos juízes não respeitam o teto de salário constitucional (Ou.seja, não respeitam Lei), “vale o que vier, vale o que quiser, só não vale dançar homem com homem nem mulher com mulher ” já dizia o sábio TIM Maia.

      • é, eu acho que concordo.

        é, eu acho que concordo. Vendo ele falar tenho a exata mesma impressão de quando vejo os paneleiro e afins falando, um ódio viceral mal contido, uma ideia de guerra santa… talvez baste realmente para “mante-lo na linha”. Aliás, eu não vi ninguém comentar, mas vale a pena rever a resposta que ele deu ao Lindberg, depois que o senador lhe tacou na cara todas as verdades sobre as suas muitas arbitrariedades nesses julgamentos. Eu não lembro das palavras, mas dá pra ver ele trincando o maxilar enquanto responde, num clima e com uma escolha de palavras que quase se lia como “você não perde por esperar, comuna fdp! Essa bagaça vai acabar e eu vou escancarar de vez o monte de merda que seu patido fez”. Clima típico de quem acredita de fato no “mar de lama do pt”, e coisa e tal.

        talvez realmente o viralatismo explícito dele baste para garantir o sentido que vai dar à sua atuação no golpe geral. E, junto com isso, como prêmio extra, alguma promessinha de um qualquer nos EUA, onde ele provavelmente quer morar (embora precise urgentemente reforçar seu cursinho no yazigi, porque o inglês do moço não tá dos melhores não).

        os curitiba boys devem seguir um caminho semelhante (além do ego inflado). Mas o janot ainda me deixa meio em dúvida, e ele é que é o mais importante nesse esquema… o que ele leva com essa?

    • Quem tem ma mão a espionagem universal sabe onde mover as peças

      Caro Fernando Miller F.F.,

       

      Todas as suas 7 duvidas se dissiparão quando você entender 4 peças fundamentais no atual jogo mundial do poder:

       

      Peça 1: A Espionagem Global: quem tem na mão a espionagem universal(indexação de dados de qualquer computador/celular e comunicações) sabe onde mover as milhares(até bilhões) de peças/variáveis no tabuleiro mundial de xadrez do poder,

       

      Peça 2: A Corruptocracia: A Regra básica da “democracia” representativa: Quem fizer mais Toma-lá-dá-cá terá como pagar mais publicidade ou “expontâneo” apoio midiático e quem for mais bem visto será mais eleito.

       

      Peça 3: As fogueiras das vaidades humanas: aqueles atores(Juizes, promotores, jornalistas, etc…) menos cientes da peça 1 e que não forem seduzidos por vantagens transnacionais podem ser recrutados pela sedução de terem informações poderosas nas mãos para se passarem como sapientes justiceiros do combate à corrupção.

       

      Peça 4: A preguiça de pensar das massas e consequente tendência a decidir mais pelas emoções(ódio) que pela razão. Alvos fáceis dos algoritimos de Zukemberg já testados com sucesso em Operações psicologicas em grandes populações simplesmente permitindo ou restringindo mais ou menos compartilhamentos de emoções, de ódio ou de serenidade e razão.

       

      As peças 1 e 2 permitem que o Poder Global(Peça 1), ciente de que quem estiver no poder eletivo certamente o conquistou por meios corruptos(Peça 2), então simplesmente escolhe, conforme lucre mais, sobre quais políticos deverá revelar as corrupções às autoridades persecutórias locais(Peça 3) e quais politicos deverá poupar com informações obtidas ilegalmente pela espionagem global. Conjuntamente atuam sobre veículos de imprensa e sobre regras de disseminação de postagens em redes sociais e alimentam as emoções preguiçosas das massas(Peça 4) que fazem o resto do trabalho de tornar legítima a estratégia de derrubada de governo que favoreça as massas e fazer chegar no poder os politicos que privilegiem as grandes jogadas financeiras.

       

      Pretendo detalhar exatamente como este pequeno xadrez se articula para tornar bem explicável suas 7 questões, uma a uma.

       

       

      Corruptocracia é todo um xadrez à parte e fiz um esboço do mesmo neste pequeno artigo:

      http://denismouradelima.jusbrasil.com.br/artigos/156797790/corruptocracia

      • valeu mesmo pela resposta.

        valeu mesmo pela resposta. Agora tô ansioso pelo detalhamento sobre as questões… ainda tem uma série de outros pontos que me deixam meio perdido nesse golpe todo, especialmente sobre quem sabe o quê e o quanto, e sobre quem tem poder sobre quem.

      • Excelente comentário. Um

        Excelente comentário. Um resumo bastante claro e didático dos nossos sombrios tempos.

        Pena que a massa infantilizada nunca vai perceber de fato o tsunami que nos alcançará brevemente…

        Repassarei.

    • Prezado Fernando,
         As tuas

      Prezado Fernando,

         As tuas perguntas são muito interessantes. Mas, para conciliá-las com o discurso aqui reinante só existe uma resposta: É preciso acreditar em teorias da conspição! Naturalmente, considero que várias partes desse discurso são verdadeiras, mas para tentar amarrar tudo desse jeito, com simplificações tão absurdas, é preciso acreditar em teorias da conspiração.

        Aliás, muitas outras perguntas poderiam ser colocadas:

      – Dilma indicou Janont para a PGR. Já que Janot também faz parte da conspiração, Dilma foi conivente?

      – Setores do PT incentivaram Kassab a criar o PSD para rachar os DEMos. Na última hora, Kassab revelou-se um conspirador?

      etc., etc.

        Sinceramente, acho que sem autocrítica, fica difícil enfrentar o estúpido Governo Temer. Esse discurso equivale a colocar um tapa-olho e só enxergar os defeitos de um dos lados. Do outro lado, foram apenas falhas estratégicas! Enquanto não tirarem o tapa-olho, fica difíci apresentar alternativas a um governo tão decrépito quanto o do Temer. Como que alguém que acredita que o Dirceu não deveria estar preso, pode querer ver o Aécio preso? Aí, fica parecendo o MBL com o sinal trocado!

    • Intuição

      Li o artigo José Carlos.

      Simplesmente magnífico.

      Alguma semelhança com o que sempre ocorreu no Brasil?

      A diferença é que os EUA aproveitaram a oporunidade de ouro para desestabilizar a Rússia.

      A Perestroyka de Gorbachev, embora com boas intenções, foram usados pelos poderosos corruptos russos dos quais Yeltsin foi o principal facilatador, manipulado pela CIA.

      No meu comentário, quando disse, discordando do parágrafo final do Nassif, intuitivamente acertei.

      Não haverá culpabilidade pelos traidores da Pátria com a retomada da “democracia” no Brasil, que na minha opinião nunca houve.

      Com a ascenção de Putin no comando do governo Russo, as coisam começaram a entra nos eixos, porque Putin governa com mão de ferro.

      Algo diferente do que propus?

      Se eles conseguiram fazer isso com a Rússia não conseguirão fazer com o Brasil?

  38. Por que o titulo não bate com o conteúdo do post?

    Por que  titulo do post  não bate com o conteudo? É um disfarce. Não  seria melhor, “a parceria entre os estados unidos e o MPF para destruir a economia, as empresas e as lideranças latino americanas”?? 

  39. Graduado aonde afinal?

    Algo me intriga a respeito do “juiz” que está à frente da Farsa a Jato: em todos os veículos da mídia sempre foi divulgado que ele se graduou em Direito na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Entretanto no relatório em que a própria UEM lhe nega o título de doutor “honoris causa” está dito que sua graduação é “desconhecida”. Será que a UEM (uma instituição de mais de 50 anos) não tem sequer um arquivo com o nome de seus graduados? E na única página do Currículo Lattes do “juiz” também não consta o nome da faculdade onde teria se diplomado em Direito. Sem falar de seu “doutorado-relâmpago” que durou apenas dois anos. Seria um gênio ainda não reconhecido?

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/por-que-moro-nao-obteve-titulo-honoris-causa-na-universidade-onde-se-formou-por-kiko-nogueira/

  40. A crônica definitiva da série “O Xadrez…”

    Prezado Luís Nassif, prezados leitores.

    Com a crônica de hoje pode-se encerrar o primeiro volume do livro do livro que deve reuni-las – senão todas, pelo menos as melhores e mais reveladoras e impactantes. Nesta crônica, sim, Luís Nassif decifra as técnicas, táticas, peças e estratégias desse “Xadrez do golpe”. Nassif também acerta os ponteiros com a linha do tempo e coloca as manifestações de 2013 no devido lugar, como eu e outros já havíamos mostrado e sugerido. Nassif deixou de lado a ingênua ilusão e o auto-engano em relação às chamadas ‘jornadas de junho’. Isso é muito interessante, mostrando que existe uma relação cooperativa entre leitores do blog e o jornalista que o dirige.

    Embora com a prudência e bom senso que caracterizam a atuação de Luís Nassif como jornalista e analista econômico e político, fica claro no final da crônica que a Fraude a Jato é uma ORCRIM institucional. Nassif cita diretamente a PGR, o juiz sérgio moro e os procuradores da força-tarefa da Fraude a Jato. Mas a esses agentes e instituições da burocracia estatal deve-se acrecentar a PF e o grande parte do poder judiciário – como oTRF4 e o STF, além de muitas outras Varas de Justiça, tanto federais como estaduais. 

    Mesmo vitoriosos no curto prazo, os golpistas sabem que terão vida curta no poder, pois nestes tempos de internet, o diagnóstico e a percepção da trama golpista ocorreram no transcurso do processo. E nos veículos de mídia que têm credibilidade internacional a narrativa do golpe já está consolidada, mostrando que o que ocorreu no Brasil foi um golpe de Estado, com a participação direta da burocracia estatal (PF, MP e PJ), a serviço dos interesses econômicos e geopolíticos dos EUA, em submisão ao DOJ, ao FBI, NSA e outros departamentos e intituições de espionagem dos EUA. Nassif também colocou o PIG/PPV no seu devido lugar, como ator do golpe, defendendo e se submetendo aos interesses econômicos e geopolíticos dos EUA, como os demais agentes da trama golpista.

     

    • Não está escrito o fim.

      O Xadrez definitivo for quando entenderam da necessidade da destruição do Estado Nacional que o Imperialismo com violência está promovendo numa série de países.

      Dentro da ideologia Imperialista de 40 anos atrás, simplesmente transferir as indústrias poluidoras de alto impacto ambiental, necessidade de energia abundante e de bens de produção seria suficiente desde que houvesse a exportação de capitais da colônia ao Império, a pergunta a ser feita é uma só. Por que não continuar este esquema até a exaustão?

      Aí vem a grande diferença, o Império a partir do Clube de Roma se deu conta que isto seria insustentável em termos ambientais e mesmo de custos de produção, primeiro pelo próprio consumo das pessoas do Império a pior, os quadros privilegiados nos países que compõe a colônia.

      Esqueceram os tecnocratas que na colonia para produzir é necessário pessoas com treinamento suficiente para mover a máquina, e estas pessoas não podem ser feitores como anterior ao século XX, é necessário pessoas com nível intelectual e tecnológico com determinado grau de treinamento. Porém estas pessoas tem um problema, elas consomem, e consomem tanto quanto seus pares no primeiro mundo.

      Desta forma a pressão do consumo pode levar a custos crescentes que induzirão não só a pobreza nos países dependentes como na sede do Império. Quais são as soluções. Desorganizar o máximo possível os países, principalmente fragmentando-os e induzindo verdadeiras “lutas tribais”, ou outro grupo como o de Trump, repatriar parte da produção a capital e retirar a capacidade produtiva da colônia.

      Olhando por este lado é compreensível que diferentemente das guerras coloniais do passado, onde o Império construía nas colônias arremedos das capitais das metrópoles, nas guerras coloniais do presente se tenta reduzir tudo a miséria.

      Parece, e muitos vão dizer que isto é uma teoria da conspiração, mas como já formulei a mesma há quase cinco anos e vejo cada vez mais a realidade se aproximar da teoria, ela perde cada vez mais o seu aspecto de teoria e começa ser uma realidade.

  41. Xadrez do assassinato político e o papel do MPF

    ->No futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não denunciar o Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato por crime contra o país.

    no futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não reconhecer a decisiva importância deste artigo: simplesmente antológico e definidor de rumos.

    .

    • Talvez esse futuro pós estado

      Talvez esse futuro pós estado de exceção só se concretize após uma guerra civil.

  42.  
    Quando Chico  Anísio era

     

    Quando Chico  Anísio era casado com Zelia ( ministra da economia no governo COLLOR)  foi perguntado sobre suspeitas que pairavam sobre ela ;Chico respondeu: ”Só tomo conhecimento se sair no Jornal Nacional.”

    Pois bem. 

    Domingo passado, AGAIN, no M C , Lucas perguntou pra Mainardi o que mais causava impacto pro público e deu 3 opções;

    Claro, que Diogo respondeu a internet.

    ERROU.

    Segundo pesquisas, o Jornal Nacional tem o poder de arrasar uma pessoa 100 vezes mais do que a internet.

    • Poder do Sistema Globo como um todo, do qual o JN é parte…

      Tendo a concordar, porém entendo que os demais integrantes do Sistema Globo de mídia, JN à frente, também tem suas participações importantes, evidentemente que cada um “no seu quadrado!”

      Difícil que não nos recordemos da participação da GloboNews no julgamento da AP470 (Mensalão petista), de todo o sistema global na negação das Diretas Já e na ascensão e queda de Fernando Collor, ou ainda nesta semana, quando no JN, entrega-se Temer e a cúpula peemedebista no Petrolão, enquanto vergonhosamente poupam os tucanos e neste caso, fingindo inexistir todo o material divulgado por Veja, FSP, Estadão, etc…etc…que destroça o PSDB.

      A começar pelo Caso Banestado, onde já pontificava a trinca Moro/Youssef/Carlos Henrique Lima, tivemos Satiagraha, Castelo de Areia, Ambulâncias superfaturadas de FHC/Serra, Trensalão paulista da Alstom/Siemens/PSDB, Roubanel do Paulo Preto, Mensalão Mineiro do PSDB/Marcos Valério, Merendão do Alckmin/Capez….e tudo engavetado pelo Brindeiro em tempos de Brindeiro/Gilmar Mendes…..e mais, Operação Zelotes/CARF sem incluir RBS-Globo, Gerdau, etc…etc…

      Pratica-se, corroborando com as palavras de Chico Anísio, a máxima um dia atribuída a ACM: “o que o JN não noticia, muitos juram que não aconteceu!”

  43. PO NASSIF, venho descrevendo esta trama há mais de dois anos!

    PO NASSIF, venho descrevendo esta trama a mais de dois anos, podia ao menos levar um pouco mais a sério minhas análises, pois explico claramente o POR QUE da necessidade do Imperialismo de destruir os Estados Nacionais.

    Podia ter um pouco mais de respeito.

    • Esse tipo de análise, a que o

      Esse tipo de análise, a que o Nassif finalmente parece ter se rendido, é facilmente caracterizado como “teoria da conspiração”, e por isso jornalistas relutam muito em assumi-las.

      Para um comentarista de blog, não há essa pressão.

      Começam a chover os velhos clichês, Bohemian Grove, Bilderberg, Skull and Bones…

      Ninguém quer ter essa pecha sobre si.

      Sem querer provocar: dêem uma olhada com atenção nas imagens do avião atingindo a 2ª torre, no 11/09.

      Não parece a revogação da 3ª lei de Newton?

      Isso para não falar da torre 7…

      Afinal, ninguém fala disso, mesmo…

  44. teoria da conspiração

    Não acredito em nada disto.  Tudo teoria da conspiração delirante.

    Vivemos no melhor dos mundos possíveis, as nações vivem a paz

    perpétua anunciada por Kant. Os políticos são todos repúblicos e

    as empresas mais do que dinheiro visam o bem estar social e ecológico. 

     

    • Também não entendi

      Apenas lá descrevia-se o clima é continha a informação relevante que o inglês do juiz é péssimo, deixando alguns presentes sem entender muita coisa. O que é curioso para alguém que tanto viaja aos  EUA. 

    • Picareta de mão cheia esse

      Picareta de mão cheia esse Moro…,,.destruiu a imagem de Lula para substitui-lo como simbolo nacional para em seguida substitui-lo nas palestras internacionais não poderia se nos apresentar como uma bizarrice total….como assim:  um lider que tirou este pais da miseria e serviu de exemplo para o mundo, e mudou a imagem dos brasileiros para algo melhor, por onde passávamos.,..a marca Brasil, de algo positivo, é o que mesmo hoje perante o mundo…essa desgraça nacional é fruto dessa elite bizarra e corrupta tipo Serra23 milhões, Aécio 15 milhões (clique aqui) et caterva que tem essa caricatura de juiz como testa de ferro.,…mas não passará….imagina só termos como símbolo um dandi sem noção,  que nada fez na vida a não ser servir ao PSDB, partido do qual é um dos mais ativos militantes.

    • Segue parte do discurso, em “ingrés”

      Good night,. I am the man of the lavajato and Aecim’s friend. I’m the Quick Ass of the judiciary. I left my superhero uniform in Brazil, but I brought my grey shirt, inspired by German. The purpose of the lavajato is to attach that 9-toed mollusk. Did the dishwashing operation find many criminals on the câmara, or cámera? I do not know how to say.

      Jorge Benjor give to me a music: “Moro, de um país tropical, abençoado por Deus…”

      Because of my poor English, you will see that I have not had any direct pact with the USA, so I have a team of toucan bird’s interpreters. I’m going to spend a year in the states, paid by the Brazilian people, to improve my “ingrés”. I will cite a phrase from Roosevelt, though in Latin, which says something about how the glories of the world pass: “Dick Tracy, Mapa Mundi” 

    • Acho importante que as razões

      Acho importante que as razões que ensejaram a retirada do post sejam explicitadas aos que aqui frequentam e postam comentários.

      Caso tenha havido pressões – legítimas ou não – que de alguma forma alertam para prejuízos aos objetivos do GGN, todos precisam saber. Até mesmo para que reflitamos sobre eventuais excessos em nossos argumentos e posicionamentos.

      Portanto, os esclarecimentos devem servir para o aprimoramento desse espaço que, afinal, é do interesse de todos.

       

  45. Derretimento de Temer e

    Derretimento de Temer e tucanos pode suspender eleição de 2018

     

    “O mundo está boquiaberto com o que está acontecendo no Brasil, país que, com anuência de grande parcela do seu povo, tirou um governo voltado para a dramática questão social do país para colocar, no lugar, fanáticos de ultradireita que se mostram dispostos a promover um genocídio social.

    Em resumo, o que ocorreu no Brasil é que tiraram a parte boa do governo Dilma (ou seja, ela própria e o PT) e deixaram a parte ruim, que logo se aliou ao PSDB, outra excrescência ultraconservadora conhecida pela insensibilidade social.

    É por essas e por outras que a comunidade internacional já vê o processo político no Brasil como uma ameaça. Um sólido indício desse fenômeno foi justamente um órgão de imprensa internacional famoso pelo seu conservadorismo decidir premiar duas mulheres derrotadas pela ultradireita em seus respectivos países.

    A escolha de Dilma Rousseff e Hillary Clinton como “mulheres do ano” pelo jornal britânico Financial Times sinaliza preocupação da comunidade internacional com os governos que estão ascendendo em dois dos maiores países do mundo, Brasil e Estados Unidos.”

    “Prevendo o que vem por aí, Globos, Folhas, Vejas e Estadões já se preparam para descartar Temer, o PMDB e até o PSDB, como forma de “salvar a cara” diante da comunidade internacional, para a qual já não há mais dúvida de que o Brasil sofreu um golpe de Estado.”

    “poucos analistas bem informados acreditam (1) que Temer chegue a 2018 e (2) que haja eleição presidencial em 2018.

    Nos últimos dias, este blogueiro conversou com grande parte dos blogueiros e jornalistas de esquerda mais influentes e uma infinidade de outros analistas políticos. Praticamente ninguém acredita que, com a desmoralização da direita que vem por aí, esta vai se arriscar a disputar a eleição daqui a quase dois anos.

    As reformas da Previdência e trabalhista e o teto de gastos do governo farão cair a ficha dos brasileiros. Até na classe média alta haverá uma grande parcela de frustrados pelo golpe. Sim, os paneleiros não vão gostar do que vem por aí.

    2018, portanto, encerra duas possibilidades preocupantes para a direita golpista-midiática.

    A principal preocupação da direita é a eleição de um político de esquerda, porque um governo de esquerda, após tudo que ocorreu no Brasil, não iria ser “paz e amor” como os governos Lula e Dilma. Iria para as cabeças já desde o início, para cima dos golpistas.

    Uma preocupação menor, mas ainda assim uma preocupação, seria a eleição de um psicopata como Jair Bolsonaro, que poderia jogar um Brasil em uma rota imprevisível e até em uma nova ditadura militar.

    Aliás, o teto de gastos do governo e as reformas trabalhista e da Previdência também podem fazer os militares saírem da toca. É grande a possibilidade de essas medidas, aliadas à queda livre da economia – que não vai parar enquanto prosseguir a crise política –, acarretarem uma convulsão social de proporções inéditas e assustadoras.”   texto do blog da cidadania 

    http://www.blogdacidadania.com.br/2016/12/derretimento-de-temer-e-tucanos-pode-suspender-eleicao-de-2018/

    as convulsões sociais devem começar entre março e junho de 2018 – seria o timing ideal para impedir as eleições – haverá também fuga de capitais; bolsa conhecendo novos andares subterrâneos abaixo do alçapão e isto vai enlouquecer parte da classe média que apoiou o golpe – como se eles já não fossem insanos e reckless o suficiente. Ou a esquerda começa a criar mecanismos de articulação do povo da periferia pra que eles assumam o protagonismo, transformando as convulsões sociais em revolução, ou eles vão virar blood sacrifice pra essa classe média e essa psy op maldita vai reduzir o país a escombros como tem feito nos países árabes que passaram por “primaveras”.

     

    • Inpantes avançados

      Avancini era uma repórter da Veja. Implantes de políticos de direita no PSB e até no PT são apenas a ponta de iceberg nas instituições. Agentes infiltrados são úteis. Tem agentes de esquerda infiltrados na igreja, também revelam como as instituições funcionam por dentro e suas ideologias de negócios através dos milênios…

  46. Como dizia o Eneias… Era

    Como dizia o Eneias… Era bobagem chamar o real de moeda brasileira… Ja que nada mais é que um dólar travestido… A criação do Brics… Mercosul… Tudo visava a indpendência das moedas locais do dólar… Mas os americanos não deixarão isso barato… Com apoio corrupto nestes países, eles conseguem manipular a política e a mente da população local com jogos midiáticos… Facilitando a destruição das politicas desenvolvimentistas… Elegendo herós que supostamente estariam lutando contra a corrupção e o pelo desenvolvimento do país. O que prova-se justamente o contrário, estão lutando pela corrupção e a destruição do desenvolvimento economico e social do país. Com o apoio midiático a estas ações, a eleição e premiação de supostos heróis… Fica difícil para o cidadão comum identificar a barbárie que será submetido… Mesmo ela ja dando caras com um projeto chamado Ponte para o Futuro, que corta todos os investimentos no povo e destroi o futuro do país para beneficiar o mercado de capitais, a moeda norte-americana e as multinacionais americanas e europeias pelo mundo. Ou seja, é uma política de um monte de velho caquético com ambição de controlar o mundo financiando politicos corruptos nos países em desenvolvimentos que queira ter um lugar de honra na destruição do bem estar social da nossa humanidade. Eu tenho serias desconfianças que as políticas ambientais forum maquinadas para dificultar o desenvolvimento industrial de outras nações e beneficiar as multinacionais já estabelecidas que tomariam os mercados locais pelo mundo. Pois, se verificarmos os chemtrails que não param de enviar rejeitos pelo ar… E agora pelo mar… Para quem não sabem, agora estes rejeitos despejados na atmosfera por aviões.. Estão sendo despejados por grandes navios no oceano… As nuvens deixaram de serem nunvens normais para se tornarem grandes massas de poluição. E hoje em dia não precisa ser um observador atento para observar isso. Há um grande maquineismo por trás destes problemas socias que enfrentamos hoje.

  47. Chemtrails vs Efeito estufa

    Chemtrails vs Efeito estufa causados por empresas do planeta que poderiam ser concorrentes de multinacionais que querem dominar o mercado global.

    http://www.theeventchronicle.com/study/switzerland-bombed-chemtrails-amazing-photo-gallery/

    Como podem ver… Esta conspiração da poluição global é fabricada por aqueles que querem frerar o desenvolvimento industrial global e tomar conta dos mercados locais pelo mundo.

    Isso se contar que agora estão utilizando de gigantes navios para jogar estes poluentes na atmosfera. Antes era só por aviões. Agora estão utilizando de navios no oceano, que despejam os mesmo poluentes diariamente. Os denominados Aquatrails.

     

  48. Apesar de Trump ter declarado

    Apesar de Trump ter declarado que acabou a era de desestabilizar nações em nome dos interesses americanos, que tal a escolha do seu futuro secretário de Estado, o CEO da EXX Mobil? Será que a Petrobras vira Petrobraxx?

    P.s,: Porque o Moro viaja tanto para palestras, eventos e premiações? Ele tem tão pouco a dizer… Fala mal portugues, não fala inglês fluente. E ainda tem pouca expressividade.  Parece um agente 86 despistando em suas ‘missões’ no exterior, igualzinho ao JB quando ia a estranhas palestras fechadas em universidades americanas.

    • Priorizar os aliados

      Enviar hornalistas para treinar, conceder uma radio aos Band em Orlando, abrir caminhos para cientistas chilenos e brasileiros para Harvard, North Caroloina, Cornell, são prioridades que se dão aos aliados e futuros reitores da USP. É o jogo da estratégia. Temos que produzir algo melhor, mais claro e justo que isso. Este é nosso ddesafio. A termodinâmica e a psicologia a serviço da maioria da humanidade e com igualdade de acesso à propriedade e liberdade de ação. Isso não combina com os modelos atuais.

  49. Últimos acontecimentos

    Breve comentário político sobre a quadrilha golpista brasileira. Como afirmou Ciro Gomes, o país está sob o governo de uma quadrilha.

    Transformaram o país inteiro num puteiro, pois assim eles ganham mais dinheiro.

    Dica sobre arte e cultura, para entender a influência do merengue na música paraense.

    http://paulofontelesfilho.blogspot.com.br/2016/12/les-aiglons-cuisse-la-melo-do-tipiti.html

    http://www.revistaforum.com.br/

    http://www.cartamaior.com.br/

    http://jornalggn.com.br/luisnassif

    http://www.brasil247.com/

    http://www.redebrasilatual.com.br/

  50. sem a cooperação dos

    sem a cooperação dos MILITARES o país é presa fácil  ..resta saber se eles estão conosco  ..ou com eles ?! com os americanos

    • Com a mão que garante o alimento

      Assim como todos os poderes meritocráticos, mal acostumados com benesses e privilégios, acham o Tio Sam mais confiável para garantir a bolada de final de mês. A esquerda não poderia garantir isso, não é?

      Assim como cachorro, eles proprios escolhem o seu amo.

    • xadrez

      em entrevista dada ao caro Nassif em seu excelente Na Sala de Visitas (https://www.youtube.com/watch?v=u169KMv7p-I), Jessé Souza colocou a importância histórica das Forças Armadas sobretudo no pós 64 do II PND. tenentes viraram generais e fizeram uma obra fenomenal na construção da modernidade no Brasil. eram positivistas nacionalistas. sou professor de história econômica do dpto de economia da UFRN e não aceito o discurso falseador sobre 64, engolido pela esquerda de maneira absolutamente acrítica e que, por coincidência, a Globo é seu maior patrocinador. as Forças Armadas foram vilipendiadas durante décadas. a troco de que? esses homens exerceram o poder com o pensamento na construção de uma potencia produtiva, rica e independente.Jessé Souza vai além ao afirmar que as Diretas Já, na forma com que ocorreu,  fez parte do início da desconstrução do pensamento nacionalista das Forças Armadas. acredito que dada a completa falência do judiciário e do parlamento diante de um executivo posto a serviço de interesses internacionais, impera que as  Forças Armadas exerça o papel  de guardião da constituição e do povo do Brasil..

    • As FFAA não defendem a soberania nacional

      De acordo com George Orwell, ‘a guerra é travada, pelos grupos dominantes, contra seus próprios súditos, e o seu objetivo não é conquistar territórios nem impedir que outros o façam, porém manter intacta a estrutura da sociedade’.

      E mesmo que as Forças Armadas tivessem a intenção de defender o território brasileiro, e não entregá-lo aos Norte-Americanos, eles não teriam qualquer força de reagir ao poder de guerra estrangeiro, pois militar só serve pra sugar dinheiro público e promover golpezinhos de merda, por falta do que fazer. Vida na caserna deve ser mesmo uma coisa enriquecedora: lustrar botina, fazer ordem unida, hastear bandeira, fazer exercício, limpar alojamento, desmontar e montar armas, correr, pular, sentinela, meia volta volver, aula de educação física, aula de “planejamento tático” para uma guerra nuclear e outras piadas; puxar o saco do sargento; aulas sobre intimidação dos paisanos; como dirigir um brucutu e simulação de guerras que jamais existirão (já imaginaram as forças armadas tupiniquins enfrentando uma invasão de mísseis americanos ou tropas chinesas? Ia ser uma rendição incondicional antes de iniciada a guerra).

  51. Os bárbaros estão chegando…

    Vamos juntar mais alguns elementos a teoria do Nassif:

    01- Redução dos juros em 2010/2011 a taxas nominais de 2%;

    02- Aviso do plano decenal de investimentos da Petrobras, na ordem de U$ 120 bi, com ampla aceitação do mercado para capitar recursos e ratificação do modelo de exploração contrário aos interesses das 4 irmãs;

    03- Reunião dos BRICS para estudar uma cesta de moeda para transição do abandono do dólar como padrão internacional;

    04- Criação do Fundo Mútuo dos BRICS, com aporte simbólico de U$ 200 bi;

    05- Acordo nuclear no Irã (mesmo sabotado pelos EUA), executado pela diplomacia do Brasil;

    06- A reação do Brasil e do mundo no caso NSA-Snowden  e espionagem de Dilma e outros (lembrem que Dilma recusou-se a ir a visita marcada aos EUA, uma afronta inimaginável);

    07- Construção do submarino nuclear, compra de aviões na Suécia com transferência de tecnologia, fabricação pela Embraer do avião de carga considerado substituto do Hércules C-130, etc;

    08- Crescimento da indústria naval e de empresas como Odebrecht, que começavam a disputar espaço com o complexo militar bélico dos EUA;

    09- O caso dos fundos abutres e a administração Kirchner;

    Todos esses fatos, e mais alguns, como a posição do Brasil em relação ao Oriente Médio e a histeria do War on Terrorism, constituem um mosaico de causas para uma ação mais hostil dos EUA, porque, de fato, poderiam concretizar aquilo que eles têm horror (justificado) de considerar: um mundo multipolar e com eixo de poder diverso das bases binárias, EUA-Europa.

    Por motivos fáceis de entender, e que talvez só a História nos conte, é possível que haja segredos militares e/ou outros de natureza estratégica do Brasil descobertos pelos EUA (e não divulgados) que possam também concorrer como causa desse recente ataque golpista.

    Não é preciso ser especialista para entender que a revitalização da indústria naval (e nosso petróleo está quase todo no mar), aliada ao crescimento de empresas capazes de operar inovações tecnológicas, como a Embraer e a própria Odebrecht (que já operava no campo militar) é sinal de alerta no tabuleiro geopolítico, porque tais indústrias migram rapidamente para um esforço bélico, caso necessário ou se estiver previamente planejado. 

    É claro que não ousaríamos dizer que as movimentações do Brasil poderiam “ameaçar” de imediato o poder imperial estadunidense, mas é a mensagem, a simbologia dos atos que atinge a noção de hegemonia tão cara aos povos acima do Rio Bravo.

    Em outras palavras, era preciso parar a ousadia e dizer quem é que (ainda) manda.

    E tais premissas não estão desgrudadas das demandas econômicas, óbvio, uma vez que o novo ciclo de expansão exige um mundo colocado de quatro, a espera do estupro de bilhões de dólares retidos e repatriados aos EUA durante a crise (2008).

    Há muito “tesão” rentista esperando apenas o “bic stick” do Departamento de Estado endurecer.

    O apetite rentista requer economias prontas para remunerar a moeda dos EUA, e para tanto, era preciso frear qualquer “distração” redistributivista dos cucarachos, enxugando Estados e suas (frágeis e incipientes) redes de proteção social para saldar as dívidas públicas alimentadas pelas taxas de juros extorsivas.

    É mais ou menos por aí.

    • Ótimo acréscimo

      Mais um, pra (talvez) fechar o quadro: a competção pelo mercado Africano ao longo do boom populacional pelo qual a África vai passar nesse século.

      O que a África precisa:

      – tecnologia de agronomia (um milagre no cerrado africano para torna-lo produtivo e suportar o crescimento populacional)

      – Agroindústria (processar os alimentos produzidos)

      – Construção Civil (construir novas habitações, prédios empresariais e sistemas de saneamento para a população cresecente)

      – Energia (alguma mega-empresa capaz de produzir tecnologia de ponta, e disposta a fazer a transição do petróleo para fontes renováveis)

       

      O que África impõe:

      – capacidade de lidar com a infraestrutura de baixíssima qualidade

      – capacidade de lidar com a mão de obra de baixíssima qualidade

      – capacidade de lidar com sistemas políticos corruptos 

    • Caro Hydra

       

      Excelente análise. Resumida e fundamentada.

      É por aí mesmo!

      Tragicamente, com os traidores da Pátria que temos, em todas as instutuições, tudo é possível.

       

  52. Xadrez do assassinato político e o papel do MPF

    Por favor, ampliem o quadro: A estrutura da conspiração e os homens do Brasil.  A análise é perfeita e assustadora,

    • Que tal essa?

      “Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que veem, Cegos que, vendo, não veem”

       

      José Saramago

  53. Parabéns pelo post Nassif.

    No Brasil os efeitos deletérios de uma imprensa comprometida com interesses contrários aos do país, minimizou, desde do caso Snowden, a interferência conspiratória de outras nações. Isto não é de hoje, pois sabemos que o golpe de  64 bebeu desta mesma interferência. Jamais esqueçam que tinhamos um senado , que documentalmente esta provado, foi comprado com o fito de destituir João Goulart.  Como antes os mesmo tentaram contra Getúlio e contra Juscelino. Curiosamente sempre existem os que vão criticar as teorias da conspiração.  Mas devemos ter clareza que a força do golpe esta na presença de uma imensa e poderosa quinta coluna. E não devemos esquecer que esta quinta coluna vem tentando o mesmo golpe desde o mensalão. Isto é desde que Lula se tornou presidente. E se  a conjuntura os ajudou  não esqueçam que quem deu o golpe não foi eleito,não ganhou no voto, não representam o povo brasileiro.

    Quem quiser saber um pouco mais sobre porque o Almirante Othon tem sido alvo prioritário neste golpe vejam um velho post aqui do GGN

    http://jornalggn.com.br/blog/frederico-firmo/as-inspecoes-nucleares-no-brasil-e-o-mictorio-publico-frances

    E apenas para relembrar um ooutro velho post datado de janeiro deste ano sobre Janot

    http://jornalggn.com.br/blog/frederico-firmo/globalizacao-cooperacao-internacional-e-janot-por-frederico-firmo

     

  54. Como incendiar partes específicas do mundo?

    Um amigo físico, me disse certa vez: imagine que instalem um laser infra-vermelho (um Nd:YAG ou de CO2) de alta potência na estação espacial! Pode fazer aparecer fogo em favelas, ou um avião ou uma plataforma de petróleo parecer ser atingido por um raio (qual raio?).

    Também pode fazer parecer uma determinada estação espacial explodir, é só instalar o sensor de posição na referida, em tempos que os chips enviam informações de posicionamento, dispensa-se o sensor, o resto é cálculo e diferencial, derivadas e métodos numéricos. Infra-vermelho sofre mais desvios na atmosfera (1/comprimento de onda).

    A ciência e a consciência devem andar junto coma transparência e a ética. Qual ética? Aquela que a maioria escolher, com esclarecimento máximo e vigilante.

     

  55. Coisinhas que esqueci para somar a receita “do bolo”…

    Houve outros episódios, também no âmbito internacional e na América Latina:

    01- A tentativa de golpe contra Chavez (talvez o último do tipo) e a posterior radicalização na Venezuela, que culmina com a sabotagem perrmanente daquele país, já que a tática de estimular um suposto confronto de egos entre ele e Lula não deu o menor resultado, onde cada um parecia ter a exata noção de seu papel na renovação das relações entre países irmãos na América Latina, assim como naufragou a tentativa de “invasão” da Bolívia pelo caso do gás extraído pela Petrobrás e a revisão do preço;

    02- O ataque a Rússia por suas intervenções no jogo Ucrânica e sul dos Balcãs, com a questão do gasoduto da Ossétia e os separatistas da Chechênia…coloque-se aqui nesse ponto a dependência europeia do gás russo e da tentativa da Europa e dos EUA em dar a volta nesse estrangulamento através do controle do litoral do Yemen e vizinhos, prinicpal razão para a presença ocidental naquele local;

    03- A construção da imagem internacional de que o governo Putin é um antro de mafiosos (o que é verdade, mas não difere muito das máfias ocidentais e dos EUA, com Dick Cheney & Cia, Halliburtton e etc), que teve seu ápice na pré-Olimpíada, que atingiu inclusive a marca da superioridade esportiva russa com a questão da conspiração do dopping, que seletivamente só atinge em escala institucional a Rússia, enquanto reserva uma punição individual a atletas de outros países amigos;

    04- O asilo a Snowden pela Rússia;

    05- O asilo a Assange pelo Equador;

    06- A prisão da militante brasileira dos fascistas-verdes do Greenpeace pela Rússia;

    07- A lei de meios na Argentina, e a leve e fraquíssima tentativa de colocar esse assunto na pauta aqui no Brasil;

    08- O inquérito Levenson (Inglaterra) que atingiu o Império Murdoch e reforçou a pauta do controle social da mídia;

    09- O controle de parte da dívida estadunidense pelos chineses;

    10- A rejeição de uma considerável parcela do mundo em dar carta branca aos governos ocidentais após cada evento traumático e violento que atingiu países ocidentais (Charles Hebdo, ataques a Paris, etc), resistindo a cair na mesma esparrela do pós-11 de setembro…

     

    E são muitos outros eventos que devem ser olhados dentro de um contexto amplo, sem que necessariamente consigamos estabelecer uma relação direta de causa e efeito, parecendo às vezes que são fatos aleatórios.

    Mas a questão central (pelo menos não por enquanto) não é saber, por exemplo, se o ataque a revista francesa parece muito mais com um não-evento, ou um teatro do absurdo praticado pelas forças francesas ou de algum aliado, ou se foi mesmo um ataque genoíno, mas sim entender o que acontece depois de cada evento, e como eles são apropriados e disseminados dentro de uma lógica discursiva que já estava pronta e esperando qualquer coisa acontecer.

    São gatilhos, ou melhor, cordeis detonadores que interligam as chamadas bombas semióticas que assolarão a audiência.

    Não é coincidência, portanto, que Rupert Murdoch tenha quase saído de cena, logo após ter sido quase preso na terra da Rainha.

    Porém, tornou-se muito mais eficiente e discreto, e pavimentou o caminho de trump…

  56. Porque os trolls tem aparecido tanto?

    É curioso como a atividade troll  aumentou  nos últimos dias aqui no blog. A quantidade de gente pedindo autocrítica, ou dizendo que tudo foi culpa da Dilma e do PT, aumentou sensivelmente. Mudanças ou as velhas apelações , para aventar que tudo não passa de  teorias da conspiração, também estão aparecendo num número impressionante. Quanto mais dados se apresenta e quanto mais evidências vão se colhendo, aqueles que sempre falaram ou condenaram por convicção  e que sempre acreditaram na teoria da conspiração do Power point de Dallagnol, agora estão contra a teoria da conspiração.

    Isto merece uma análise mais acurada., mas também me parece que este ressurgimento dos trolls pode significar que do outro lado as coisas estão feias e os exercitos de troll vão entrar em atividade novamente. Se alguém tiver meios seriam interessante investigar esta atividade… ( Cuidado pois podem chamar isto de teoria da conspiração)

    • TROLL – O retorno.

      Tem toda a razão. Em vários espaços há fortes evidências de que um novo surto de ataques dos DRONES da trolagem foi acionados em apoio à tática de saturação de ataques em cusro no Brasil, comandada pelas tropas da coalizão Judiciário / Globo-Mossack&Fonseca. Aparentemente o alvo mais atacado e contaminado é o Tijolaço do Fernando Brito que, à semelhança do republicanismo do José Cardozo, permite a presença de um bando de mercenários infernizando a vida de quem aprecia os textos daquele espaço. São caras que estão claramente mobilizados para zoar e repetem sempre a mesma coisa diante de seja lá o que for que venha a ser publicado.

  57. Christian Wullf

    O presidente alemâo Christian Wulff não era socialdemocrata! É membro do partido conservador da Sra. Merkel.

  58. Será?

    “No futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não denunciar o Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato por crime contra o país. E, aí, haverá ampla documentação devidamente registrada e que possivelmente será requisitada pelo primeiro governo democrático brasileiro, pós-golpe, junto à cooperação internacional.”

     

    Há alguma esperança que isso ocorra…?

      

  59. Criminosos.

    Esplêndida dissecagem. Fazendo uma retrospectiva, vamos compreendendo como tudo se encaixa. Essa raça toda, Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato, tem que ir para a cadeia. Traidores do país.

  60. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome