Xadrez do pacote econômico alternativo

Corre no Senado um estudo, ainda em análise pela liderança da oposição, que, pela primeira vez, traça um diagnóstico realista da crise e das medidas para impedir o aprofundamento da recessão.

O pacote é interessante por dois motivos.

O primeiro, por abordar de forma objetiva razões e saídas para a crise. O segundo por demonstrar claramente a influência de ideologia nas formulações econômicas.

A boa gestão econômica consiste em uma análise objetiva da realidade, um diagnóstico preciso e o uso das ferramentas necessárias para enfrentar os problemas que se apresentam. Nenhum dos instrumentos óbvios para superar a crise é acenado pela equipe econômica, porque afronta a ideologia a que ela está atrelada.

Na gestão do dia-a-dia da economia, os grandes economistas se destacaram pelo pragmatismo. O viés ideológico se apresenta em questões pontuais, até no desenho de um modelo futuro de economia. Não na administração dos problemas imediatos, especialmente quando a economia enfrenta crises graves: nas contas externas, quando a inflação sai do controle ou, como agora, quando a economia ameaça mergulhar em depressão.

Celso Furtado e Raul Prebisch – principais nomes da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina), teóricos da industrialização – aplicaram planos de estabilização convencionais para enfrentar a inflação. Pai da ortodoxia econômica, Eduardo Gudin defendia uma maxidesvalorização cambial (seguida da unificação do câmbio) para dotar o Brasil dos anos 50 da mesma competitividade recém-adquirida pela Coreia. Outro ícone do liberalismo, Roberto Campos, defendeu a encampação de empresas elétricas estrangeiras, quando se deu conta de que não teriam condições de investir para acompanhar o desenvolvimento brasileiro.

Hoje em dia, a discussão econômica virou conversa de botequim e de editorias de economia de jornais. Alguém diz que a equipe econômica é competente, ou que determinados baluartes da escola econômica A ou B são brilhantes. A Globonews diz e o Ministro Luís Roberto Barroso repete. E, como ele, a multidão dos homens massa, que se guia apenas pelos slogans.

Em outros tempos, media-se o conhecimento de um economista pelo currículo Lattes, pelas obras acadêmicas, pelas grandes descobertas teóricas, pelo conhecimento multidisciplinar. Hoje em dia, é pelo espaço em jornais e programas de TV e pela capacidade de repetir bordões de boa procedência.

Qualquer economista de fôlego, independentemente da linha de pensamento seguida, não sairia muito das medidas propostas pelo pacote, descritas abaixo. Mas a guerra ideológica transforma em anátema mesmo medidas essenciais. Ela se manifesta na questão tributária – nas discussões sobre quem paga a conta -, na questão orçamentária – quem se apropria do orçamento público.

Vamos a um apanhado das medidas propostas pelo pacote e os obstáculos de ordem ideológica.

Introdução – o diagnóstico da crise

Sobre o falso diagnóstico da crise

Os defensores da PEC 55 argumentam que a piora nos indicadores fiscais decorre de um aumento descontrolado da despesa pública e que o resultado fiscal levou à queda do nível de atividade. Foi a piora no crescimento econômico que levou a uma piora no resultado fiscal e tal piora não decorreu de um aumento descontrolado da despesa, mas sim de uma queda da receita.

Essa dinâmica nos colocou em um círculo vicioso, onde novos cortes de despesa só têm piorado os resultados fiscais.

Sobre as causas reais da crise

As razões do baixo crescimento estão na queda de investimentos da Petrobras, na quebra de grandes, médias e pequenas empresas da construção civil; no corte dos investimentos da União, dos Estados e dos municípios e, finalmente, da redução de crédito por parte dos bancos públicos.

Estes fatos, em conjunto, provocaram a redução do emprego e da renda e, em consequência, da demanda. A queda de atividade econômica em geral fez cair a arrecadação tributária e aumentar o déficit.

O governo de Michel Temer aumentou os juros e contraiu as despesas públicas o que agravou a crise das empresas e do emprego e fez cair as receitas tributárias e aumentar o déficit fiscal. Enquanto isto, os ganhos do setor financeiro aumentaram vertiginosamente.

Sobre o cenário econômico

Não há, no cenário próximo, qualquer ambiente de recuperação do crescimento e o crescimento do PIB do 3º trimestre só reforça esse entendimento.

A queda do PIB no terceiro trimestre em relação ao trimestre anterior foi de 0,8%, uma queda maior do que a dos dois trimestres anteriores, 0,5 e 0,4%, no 1º e 2º trimestres respectivamente.

Quanto à confiança, a partir de maio, o mercado passou a melhorar as expectativas negativas de crescimento da economia brasileira, mas, desde outubro, as expectativas tanto para 2016 quanto 2017 têm caído a cada semana.

Estamos vivendo uma das piores recessões da nossa história e sem perspectiva de melhora. E o que o governo tem feito: aumentado o ajuste fiscal e amarrado as mãos do setor público pelos próximos 20 anos.

Leia também:  Recessão e o terraplanismo de economistas e empresários, por Luis Nassif

Os programas anunciados para retomar o crescimento, como o cartão reforma e concessões, são pífios em termos de impacto macroeconômico. No caso das concessões, sem resolvermos o problema das empresas do setor de construção, não há saída.

A crença de que a aprovação de uma lei irá levar a uma onda de investimentos, quando há uma grande ociosidade da capacidade já instalada, só pode ser mesmo por uma crença em algo fora do normal (“fada da confiança”).

Proposta 1 – Proteger os trabalhadores

Estimular o crescimento da renda dos salários e o investimento público em programas sociais em habitação, emprego e transferência de renda para os mais pobres.

·      Aumento real do salário mínimo

É preciso ampliar o salário mínimo em termos reais, pois os trabalhadores que recebem salário mínimo têm uma propensão a gastar tudo o que ganham, estimulando a economia.

Observação: se no agregado o princípio acima está correto, no desagregado, não. Há um impacto do aumento em toda a cadeia de salários, afetando setores que não conseguirem os ganhos de produtividade e de escala proporcionais aos aumentos salariais. Se não vier acompanhado de uma política cambial competitiva, tende a impactar também as exportações. Daí a necessidade de estar inserido em uma política maior de emprego e renda.

·      Aumentar o Bolsa Família e qualificar as famílias beneficiárias

É importante o reajuste de 20% nos valores do Bolsa-Família e alterar a faixa de pobreza (renda familiar per capita) do Bolsa Família para incorporar mais famílias, assim como, ampliar a política de formação profissional visando o emprego para os beneficiários do programa Bolsa Família. Instituição do 13º no programa Bolsa Família.

·      Programa de investimento em obras sociais nas regiões da seca no Nordeste

Essas obras têm alto potencial de empregar a população, além de ampliar a qualidade de vida da população.

Observação: frentes de trabalho sempre se constituíram em saídas lógicas para a crise. O New Deal é um exemplo.

·      Ampliação do Programa Minha Casa, Minha Vida

Retomar as obras destinadas à faixa de rendimentos mais baixos do programa, que estão paralisadas, a que compreende o maior subsídio e ampliam o patrimônio, além de instituir plano para financiamento a longo prazo de reformas residenciais.

·      Aumentar as parcelas do benefício do seguro desemprego

Há uma previsão legal para ampliar as parcelas em momento de alto desemprego. Em 2009, essa previsão foi utilizada com muito sucesso.

Proposta 2 – fortalecer as empresas brasileiras

·      Linhas emergenciais do BNDES para refinanciamento de dívida e capital de giro

Ao invés de devolver os R$ 100 bilhões para o Tesouro, o BNDES deveria fazer, como em 2009/2010, uma linha de crédito de giro e renegociar as dívidas das empresas em pior situação financeira.

Observação – o ideal é amarrar uma operação envolvendo também o setor privado, com o BNDES atuando como agente coordenador e indutor.

·      Recuperar as empresas de construção civil

É preciso urgentemente separar o tratamento da pessoa jurídica daquele à pessoa física, por meio de acordos de leniência e outras medidas, para permitir que esse setor volte a ser dinâmico e empregador.

Observação – funciona desde que o governo recupere a capacidade de investimento.

·      Câmbio competitivo

Recentemente, tínhamos voltado a ter um câmbio competitivo, mas tudo indica que novamente o BC voltou a utilizar esse artifício, mantendo enormes diferenciais de taxas de juros em relação ao resto do mundo. E o que é mais grave, não há, para os empresários, qualquer forma de prever a trajetória cambial. É preciso, portanto, estabilizar o câmbio em patamares mais competitivos, garantindo competitividade e previsibilidade para as empresas. 

Observação – o trabalho evita abordar a questão estrutural do controle de fluxos de capitais.

·      Reduzir as taxas de juros básicas e às empresas

Não há qualquer incentivo à atividade produtiva com taxas básicas de juros reais próximas a 6%, ainda mais quando o custo de crédito às empresas é proibitivo. Diante do cenário de convergência da inflação para meta e da forte recessão, é importante se reduza rapidamente as taxas de juros e que se controle os spreads no crédito, principalmente para capital de giro.

Observação – Há um burocrata alucinado no comando do Banco Central. Com a economia caminhando para a recessão, a única flexibilidade sussurrada é a de aumentar o ritmo de redução da taxa Selic para 0,5 ponto por trimestre.

·      Fortalecer o BB e expandir o crédito agrícola para investimento e com refinanciamento de dívidas

Um aumento das linhas de crédito, em especial para investimento, permitiria uma recuperação dos investimentos estimulando o setor de máquinas e implementos agrícolas. Para os agricultores mais endividados, poderia ser feito uma renegociação das dívidas para recuperar a capacidade de voltarem a expandir a produção.

·      Apoiar os setores de alta tecnologia e defesa

Leia também:  Embora "balão de ensaio", embaixada para Eduardo Bolsonaro já mobiliza governistas

O Brasil possui setores de ponta tecnológica na cadeia de petróleo e gás, eletroeletrônica, biotecnologia e equipamentos de defesa. Essas são as indústrias nacionais de maior valor agregado e que precisam ser estimuladas, principalmente, por compras públicas e recuperação do setor de petróleo e gás.

Proposta 3 – recuperar a capacidade de investimento do Estado

·      Aumento da carga tributária por meio de tributação progressiva

É preciso uma medida emergencial de aumento da carga tributária, apenas para recompor as perdas dos últimos anos. Se voltarmos ao nível pré-crise, 2008, já recuperaríamos a capacidade de investimento do Estado brasileiro. Esse aumento deve ser feito sobre aqueles que, apesar de sua alta renda, não pagam imposto, tais como a taxação de lucros e dividendos e o fim da isenção tributária de juros sobre capital próprio.

Observação  – a CPMF seria a linha de menor resistência para um plano emergencial. Tributação progressiva nesse momento é apenas livre-pensar. Não há força política nem para medidas de menor impacto.

·      Aumento da carga tributária por meio de combate à sonegação e recuperação de dívida ativa

Acelerar as medidas de combate à sonegação e recuperação da dívida ativa para ampliar a arrecadação sobre aqueles que devem ao Estado brasileiro. Estima-se R$ 500 bilhões de sonegação e a dívida ativa está em torno de R$ 1,3 trilhão.

Observação – em geral, de baixa eficácia. Na dívida ativa entram empresas em liquidação ou que já desapareceram. Com a crise, nem os parcelamentos estão sendo honrados.

·      Meta fiscal para o crescimento econômico

É preciso urgentemente estabelecer uma nova regra fiscal que seja ajustada ao ciclo econômico para evitar o caráter pró-cíclico da política fiscal, crescimento dos gastos na expansão e cortes na recessão. Com essa nova regra, seria possível estabelecer um plano de médio prazo para estabilização da dívida pública que permitiria metas mais baixas nesse período de baixo crescimento econômico, que, combinadas com aumento da carga tributária, recuperariam a capacidade de investimento do setor público, o grande dinamizador do crescimento.

Observação – medida de racionalidade econômica, mas de ordem estrutural. Seria um bom contraponto a essa maluquice da PEC 55.

·      Redução dos encargos da dívida pública

Para garantir uma taxa de juros real, próxima aos nossos vizinhos, em torno de 2 a 3% real, deveríamos instituir o duplo mandato do Banco Central e alterar o sistema de metas de inflação para ampliar o período de cumprimento da meta e mudar o método de cálculo para ao invés de IPCA cheio, estabelecer meta para o núcleo de inflação.

Observação – duplo mandato significa definir metas de inflação e de emprego para o Banco Central. No entanto, a manutenção do sistema de metas inflacionárias – ainda que mitigado – é uma temeridade. Trata-se de um sistema que tem imposto custos altíssimos para o país e de eficácia duvidosa, conforme atestam inúmeros trabalhos acadêmicos.

·      Fundo Nacional de Desenvolvimento e Emprego

Esse fundo seria destinado a obras de infraestrutura, saneamento, habitação, Petrobrás, mobilidade urbana, energia renovável. Há várias fontes para isso, como os R$ 100 bilhões que o BNDES irá devolver, o FGTS que irá reduzir a multa e vai passar parte do lucro para os trabalhadores poderia adiar essa medida e utilizar esses recursos para investimentos. E ainda se poderia pensar em utilizar parte das reservas internacionais

 

Proposta 4 – Investimento em infraestrutura

·      Concluir com urgência absoluta a Transposição do São Francisco

As secas prolongadas, cada vez mais, são uma triste perspectiva para o Nordeste em razão das mudanças climáticas. A economia e a vida social moderna das suas grandes cidades e de suas regiões de agricultura irrigada poderá ficar inviabilizada se essa obra não for concluída até meados de 2017

Observação – sem reduzir a relevância da obra, parece mais uma isca para atrair as bancadas nordestinas.

·      Recuperar e duplicar as principais rodovias de acesso a todas as capitais e principais cidades brasileiras

A razão dessa medida é econômica, social e humanitária. Ela tem o poder de diminuir êxodo populacional e o congestionamento das grandes cidades em favor das regiões mais próximas, reduzir o custo e tempo de transporte e reduzir significativamente as mortes nas estradas.

·      Redução o custo de energia elétrica

A energia elétrica brasileira é a mais cara do mundo entre os grandes países em desenvolvimento. É o dobro ou o triplo do custo de alguns concorrentes internacionais, apesar do custo de geração médio brasileiro ser um dos menores do mundo, graças à predominância de fontes hidroelétricas. A razão disso é o ineficiente modelo de regulação. A solução é adotar o modelo de regulação pelo custo, usado na maioria dos estados norte-americanos e na maior parte mundo.

Observação – proposta estrutural importante, mas para um segundo momento.

Leia também:  Maia articula apoio à "PEC paralela" para reforma da Previdência em Estados e Municípios

·      Expandir a produção de energia elétrica focada em energias renováveis baratas

Temos os menores custos em potencial do mundo para produção de energia renovável principalmente eólicas, solar (que está barateando internacionalmente e aproveitando que Brasil tem uma combinação única de insolação, alto consumo, ampla rede de transmissão e perfeita complementariedade com o sistema hidroelétrico de grandes reservatórios) e bioeletricidade (queima de subprodutos da agroindústria e lixo)

Observação – misturam-se propostas de política industrial com programa de estabilização.

·      Completar as obras ferroviárias de integração nacional

Estão paradas as obras das ferrovias Norte-Sul, Transnordestina, leste-oeste entre outras. Elas são fundamentais para reduzir o custo de transporte e de alimentação em todo o país. Elas podem gerar milhões de empregos em razão da maior competitividade que proporcionam a indústria e a agricultura

Proposta 5 – Salvar a Petrobrás e o Pré-Sal

·      Concluir as obras paradas da Petrobrás, especialmente plataformas e refinarias

Parar centenas de obras quase concluídas foi o grande erro do país nos últimos anos. Equipamentos de bilhões de dólares estão se enferrujando, a empresa está deixando de faturar centenas de bilhões de reais acumulados por não ter investido uma pequena fração disso para concluir essas obras e equipamentos. O primeiro passo será a realização de um acordo de leniência.

Observação – medida de efeito imediato, inclusive para reverter expectativas;

·      Reestruturar a dívida em moeda nacional e estrangeira da Petrobrás

No caso das dívidas em moeda estrangeira, basta que os bancos públicos, como agentes do Banco Central, usem as reservas cambiais para comprar esta dívida, que possui taxas de juros até 10 vezes superiores ao rendimento dessas reservas.

·      Impedir e reverter a fragmentação, destruição e privatização da Petrobrás

Estabelecer regras na legislação que impeçam a privatização disfarçada e a preços vis de ativos da Petrobrás e a entrega de blocos gigantes do Pré-Sal, que estão sendo realizadas por este governo

·       Fortalecer a política de conteúdo nacional e compras da Petrobras

Nos últimos 2 anos, centenas de milhares de empregos foram perdidos nas empresas que fornecem à Petrobrás. Vamos restabelecer e reformular os programas de conteúdo nacional.

·      adequação da tributação federal sobre a exploração do pré-sal

A tributação sobre a exploração de petróleo no Brasil é certamente uma das menores do mundo entre os países exportadores. Os parâmetros internacionais de tributação para campos equivalentes é superior a 75% para o óleo-lucro. É possível fortalecer o financiamento da educação brasileira por meio da adequação da tributação federal sobre a exploração do pré-sal. Essa medida permitirá cumprir o objetivo histórico de financiar o investimento de 10% do PIB em educação e, assim, termos educação gratuita de Primeiro Mundo para todos os brasileiros.

Proposta 6 – Salvar estados e Municípios

·      Renegociação das dívidas dos estados e plano emergencial

Há consenso que a taxas de juros que vigoraram sobre a dívida dos estados foi abusiva e que é preciso renegociá-la. O projeto aprovado no Senado Federal está exigindo contrapartidas que irão colocar os estados na mesma trajetória de medidas recessivas da PEC 55 e da desestatização. Portanto, uma solução importante é garantir o recurso, sem condicionalidade.

·      Rateio da multa da repatriação sem condicionalidades (tipo FMI)

A arrecadação com repatriação foi de quase R$ 50 bilhões, dos quais apenas ¼ irá para estados e municípios. Uma forma de aumentar rapidamente o repasse para eles é também repassar parte da multa (50% do valor arrecadado). No entanto, para isso, o governo está exigindo contrapartidas que irão colocar os estados na mesma trajetória de medidas recessivas da PEC 55. Portanto, uma solução importante é garantir o recurso, sem condicionalidade. Ainda assim, o recurso da multa não será suficiente e deveria ser complementado por:

a)     Crédito para estados e municípios mais ricos

b)     Repasse a fundo perdido para estados e municípios mais pobres

·      Adequar a tributação estadual sobre o Petróleo e outros minerais

Aumentar os royalties do petróleo de 15% para 20%. 2,5% ficariam para os estados produtores; 2,5% seriam divididos entre todos os demais, segundo as regras do FPE, caso o petróleo fique abaixo de 55 dólares. Esses 5% de aumentos dividido para os estados não-produtores, segundo o FPE, caso o petróleo fique acima de 55 dólares. Reestabelecimento do princípio constitucional que estabeleceu o ICMS de até 13% para exportação de matérias primas minerais em estado bruto (25% vai para os municípios). Para tornar os estados produtores mais preparados para as oscilações dos preços do petróleo e os estados não-produtores melhor atendidos em termos de justiça federativa

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

102 comentários

  1. Caro Nassif,
    Estas propostas

    Caro Nassif,

    Estas propostas são TUDO QUE O GOLPE NÃO FARÁ… nem o GOLPE DO GOLPE DO PSDB.

    Acusaram por anos o PT de “ideologia”, mas são estúpidos demais para notar, ou se importar, com os próprios erros puramente ideológicos.

  2. “Parar centenas de obras

    “Parar centenas de obras quase concluídas foi o grande erro do país nos últimos anos. Equipamentos de bilhões de dólares estão se enferrujando, a empresa está deixando de faturar centenas de bilhões de reais acumulados por não ter investido uma pequena fração disso para concluir essas obras e equipamentos”:

    Ah, claro, evidente, mas a putaiada da LavaBunda deixou meio bilhao pra Petrobras, e isso somente depois de tentar tirar uma “porcentagem” do dinheiro de corrupcao pra si mesma.

    Nao era o bastante pra salvar o Brasil?  Hei, a putaiada da LavaBunda pegaria o credito, nao seria assim?

    So que…  nao foi.

  3. Faltou combinar com os russos…

    Prezado Nassif,

    Sem desdizer de uma linha do estudo, com o qual também concordo, te pergunto: para implementar tais propostas, quem vai combinar com os russos? Ora, todo o modelo que você sugere tem por base o reforço da produção como geradora de emprego, enquanto um dos pilares deste modelo teórico é o de precarização do emprego como forma de garantia da espoliação sem contrafação. Não quero nem me reportar ao conceito de doutrina do choque, da Naomi Klein (que me assusta porque ela está longe de ser oportunista de crise, torço muito pra que desta vez ela tenha se enganado nos vaticínios), mas basicamente ao conceito de economia de espoliação, dos franceses Dardot e Laval, segundo a qual o novo modo de resolução do conflito entre produção e regulação, dentro do modelo capitalista pós-neoliberal fordista, seria baseado na espoliação máxima da categoria assalariada, através do desmonte das estruturas de comando tradicionais (por meio da separação entre unidades elaboradoras e produtivas da cadeia de produção, o tal outsourcing, esvaziando o poder de negociação do sindicalismo e dos trabalhadores) simultaneamente ao desmonte do aparato legal de proteção ao trabalho (pela tratoragem do amparo jurídico ao trabalho nos países periféricos e geradores de mão de obra barata). Você acha realmente que os mentores do golpe, que estão tocando a aprovação de medidas efetivamente espoliadoras na velocidade da luz, aceitariam uma proposta econômica que os remeteria de volta ao que pretendem destruir? E nem quero entrar na questão ideológica que passou a contar bastante, no mar de ignorância rasa que inunda as Casas Legislativas. Confesso dificuldade em ver gente do naipe do Caiado ou qualquer membro da gangue peessedebista apoiando algo que fuja do receituário (neo)liberal de Chicago. Acho até que nem poderiam fazê-lo, para não ofender quem realmente dá as cartas neste golpe vagabundíssimo (in english, of course). Em sua opinião, como poderia viabilizar-se tal proposta? Saudações!

  4. É um plano que vai de encontro não só as tendências modernas….

    É um plano que vai de encontro não só as tendências modernas da economia, mas também uma adaptação a um novo cenário internacional que rapidamente se avizinha.

    Além de tudo atrai os governadores e também os militares.

    Deveriam desenvolver mais e colocar em discução, me parece que este é o momento.

    • Sonha Pirajibe, sonha…

      Concordo que em linhas gerais o plano abre uma possbilidade concreta de reversão da recessão. Concordo que alguns pontos precisam de aprofundamento. Por exemplo, como financiar o fluxo de caixa desses gastos com programas sociais e investimentos consiederando que haverá, necessariamente, um gap entre o desembolso e o aumento das receitas.

      Mas esse plano carrega um pecado mortal, é o plano que qualquer governo progressita poria em prática e deve gaurdar estreita relaçção com o que seria feito por Lula, estivesse ele na presdência. Traz o rótulo made by Lula.

      Assim, esqueçam.

  5. Finalmente voltamos a nos dar conta de que it’s economy, sutpid!

    Há muito tempo que já deveriámos ter feito isso. Porém, antes tarde do que nunca.

  6. Nassif, a forma é importante,

    Nassif, a forma é importante, concordo, mas o principal problema são os atores desse jogo político e econômico.

    Falta bom caráter. Alias, falta bom caráter aos seres humanos.

  7. Uma correção e alguns acréscimos

    “Há um burocrata alucinado no comando do Banco Central” Não, não tem: ele já disse explicitamente que desemprego e recessão servem bem para reduzir a inflação – isto é insanidade, mas sem alucinação. 

    Sobre duplo mandato do banco central; temeridade é ter banco central. Isto não presta – só cria mais problemas, exceto pra àqueles que lucram com os processos de oligopolização da economia durante os pós-crises. 

    Sobre impostos novos; este é o tema pra desarmar a aliança entre Globo & plutonato rentista e a classe média sado-masoquista – esta se sente no mesmo barco daqueles porque todos pagam as mesmas alíquotas para investimento em renda fixa, venda de ações ou na hora de receber juros e dividendos. Seu tão sonhado pacto, seu Nassif, passa por dar isenção de impostos para a classe média e subida progressiva das alíquotas, especialmente quanto a renda fixa pública de modo a inviabilzar que as mega empresas façam caixa aplicando no tesouro.

    Mais um último acréscimo: a cultura escravocrata da “burguesia” “brasileira”, principalmente do sudeste e nordeste, inviabiliza qualquer ambição de que essa burguesia possa liderar o desenvolvimento tecnológico do país – na cabeça deles, produtividade não tem nada haver com tecnologia e o tipo de trabalhador mais produtivo que existe é o escravo. Somente o Estado pode liderar o desenvolvimento tecnológico e o modo de fazer isto é desenvolvendo a ideia dos colégios tecnológicos criados em Goiás – conceder máquinas de última geração para os arranjos produtivos locais, mas também produzir pesquisa científica nesses colégios para gerar as novas tecnologias de última geração a serem utilizadas pelas empresas mediante participação do Estado nos lucros. 

  8. Previsível quem ganha com a bagunça politico-econômica fomentada

    “O governo de Michel Temer aumentou os juros e contraiu as despesas públicas o que agravou a crise das empresas e do emprego e fez cair as receitas tributárias e aumentar o déficit fiscal. Enquanto isto, os ganhos do setor financeiro aumentaram vertiginosamente”.

     

    Previsível quem ganha com a bagunça politico-econômica fomentada no Brasil:

    Quem patrocina a corruptocracia representativa brasileira(e no mundo) senão predominantemente os tubarões da jogatina financeira(principais financiadores de campanhas eleitorais e investidores de propinas ainda impunes) que agora lucram absurdamente enquanto os menos representados politicamente(os eleitores) pagam a conta?

     

    O que impede que o povo se revolte e guilhotine novamente seus políticos como na França de 1779 diante, hoje, da redução dos direitos sociais(PEC55) e perda de direitos previdenciários enquanto maior fatia dos tributos vão para o sistema financeiro que suborna os políticos que deveriam representar o povo é o poder da mídia.

    Após a revolução francesa algum pensador(creio que Tocqueville)(1) teve a genial idéia de manter os mais ricos cada vez mais ricos e com suas cabeças preservadas da ira do povo dilapidado simplesmente fazendo este mesmo povo ser o culpado por votar elegendo seus futuros algozes sem se tocarem que quem tinha mais dinheiro pagou mais sua publicidade e se fez conhecer mais que os outros candidatos e, portanto, teria garantido sua eleição. O financiamento de campanhas eleitorais garantiria que o poder continuasse na mão dos mais ricos e funcionasse prioritariamente a favor dos mais ricos. PRONTO: ASSIM NASCEU NOSSA DEMOCRACIA REPRESENTATIVA ou pelo seu verdadeiro nome: CORRUPTOCRACIA(2): Quem oferecer mais toma-lá-dá-cá à quem lhe pagar mais garantirá sua eleição e a devida contrapartida em vantagens pra drenar recursos da coletividade e privilegiar seus investidores. E isto tudo com a legitimidade da soberania popular, afinal todos foram eleitos pelo povo! GENIAL!!!

    Então o que assistimos no Brasil é a exacerbação desavergonhada desta regra corruptocrática onde várias forças financeiristas podem ter agido em conjunto pra engolir a maior parte dos recursos do povo brasileiro:

    Os grandes tubarões americanos como a J.P.Morgan(Um dos que fomentaram e lucraram com as bolhas financeiras da crise de 2008) que certamente financiaram a espionagem americana em troca do poder de chantagear politicos(já que certamente todos que chegaram ao poder o conseguiram via corruptocracia) ao redor do mundo para obterem vantagens financeiras nestes países; A J.P.Morgan Private Bank foi um dos apostadores da entrega da previdência brasileira ao mercado financeiro que esteve reunido com o secretário da previdência Marcelo Caetano junto com outros tubarões predadores como Fitch Ratings, Gap Asset Management, Banco BBM, Bradesco e Wellington Management.

    Os grandes bancos privados brasileiros Bradesco e Itaú que estão entre os maiores doadores de campanhas eleitorais(4);

    Os grandes rentistas que doam pra campanhas e recebem lucros com as promessas cumpridas de almentar os juros pagos aos mesmos atraves dos tais serviços da dívida que já só em 2014 já superaram 45% do Orçamento Federal Executado(5).

     

    Resta saber até quando o dinheiro conseguirá financiar a mídia pra manter narrativas de pós-verdades suficientes para afastar da mente do povo as idéias jacobinas de acabar com esta farsa da corruptocracia representativa travestida de democracia e implantar métodos de democracia direta que possibilitem ao povo deliberar diretamente sobre as medidas necessárias para garantir o bem comum em lugar das atuais que privilegiam apenas minorias que jogatinam as vidas humanas em suas cirandas financeiras cujas regras eles mudam ao bel prazer pra dilapidar a coletividade.

     

    (1) Fonseca, Francisco: Mídia, poder e democracia: teoria e práxis dos meios de comunicação. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522011000200003

    (2) Lima, Denis: Corruptocracia – Governo dos mais corruptos. Disponível em: http://denismouradelima.jusbrasil.com.br/artigos/156797790/corruptocracia

    (3) Wikipédia, a enciclopédia livre: Crise do subprime. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Crise_do_subprime

    (4) UOL, em São Paulo: Juntos, Itaú e Bradesco doaram R$ 10,2 milhões para partidos nas eleições. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/11/05/juntos-itau-e-bradesco-doaram-r-102-milhoes-para-partidos-nas-eleicoes.htm

    (5) Auditoria Cidadã da Dívida: Confira os gráficos do orçamento de 2014, 2013 e 2012. Disponível em: http://www.auditoriacidada.org.br/blog/2013/06/20/e-por-direitos-auditoria-da-divida-ja-confira-o-grafico-do-orcamento-de-2012/

     

     

     

     

  9. PELO MENOS 10 ANOS DE ATRASO

    Esse plano devia ter sido posto em prática no início dos governos petistas, quando havia capital político para implementá-lo. Essa esquerda chegou ao governo e passou 13 anos aplicando a receita neoliberal – liberdade total ao BC, altas taxas de juros, real sobrevalorizado, apologia da tal LRF,  descaso com a desindustrialização em curso – apenas com alguns remendos de políticas compensatórias no campo social e intervenções pontuais no processo econômico, principalmente via BNDES. O núcleo da política econômica nunca foi alternativo ao arcabouço neoliberal, embora em alguns momentos tenha agido no sentido contracíclico. O lulismo foi desenvolvimentista na margem. Fiel à sua visão católico-sindicalista, o lulismo imaginou poder ser totalmente “inclusivo”, trazendo os pobres pra dentro do orçamento público, mas sem tirar os ricos, representados pelos rentistas da dívida. Deu no que deu: revolta da classe média tradicional, a única “não incluída”, que teve seus bens simbólicos (acesso à universidade, ao capital escolar superior, sua via principal de ascensão social, aos espaços públicos distintivos, como aeroportos e shoppings ) profanados pelos novos emergentes, estes mesmos ostentando, ao invés de algum reconhecimento às políticas petistas, a máxima “foi Deus que me deu” como explicativa da sua nova condição.

    É o comportamento típico de uma certa esquerda. Fora do poder almejamos o universo. Chegando ao governo, nos basta uma melhorazinha aqui, um programinha social acolá. Enfrentar a classe dominante, pra quê? A Globo não ia ser a TV do Dirceu? Pra que fazer enfrentamentos se nos sobram possibilidades de arranjos não traumáticos.

    Agora é tarde. Caminhamos para uma ciclo de estagnação econômica duradouro, cujos resultados vão levar água para o moinho da direita. O povo vai atrás da liderança, de quem dá o tom da música política a ser dançada. Neste momento, o partido no poder é o PIG. O que ele disser será seguido. Bovinamente.

     

    • Leitura perfeita!. Estagnamos
      Leitura perfeita!. Estagnamos por inércia acomodativa — da esquerda. Criou-se um clima de perenidade paradisíaca, o céu estava próximo. Como oráculos, pensaram que seriam ouvidos e aceitos por todas as classes sociais. Pecado mortal! Seu texto revela “tal sentimento/analise”. Cabendo citar e ressaltar a visão infantil sobre o poder de fogo das forças externas – potencias estrangeiras – que com seus setores de inteligência, simplesmente deram(?) as cartas para os algozes do nosso Brasil. Deu no que deu. Para tocarmos o fundo do poço, hoje, temos que levantar o braço acima da cabeça.

  10. Isso tudo seria feito se

    Isso tudo seria feito se houvesse um pouco de bom senso… Está ficando escancarado a ignorância destes políticos para com a economia e a população deste país… Qualquer cidadão, o mínimo esclarecido que esteja, saberia verificar que estas medidas não lhe beneficiam em nada. Muito menos o seu país. Estas medidas só foram aprovadas em um país como o Brasil… Aonde há grupos midiáticos comprometido com uma agenda destrutiva e anti-população brasileira e desenvolvimento nacional. Já está mais que escancarado que o problema do brasil não é o brasileiro e muito menos os seus recursos naturais… Os mais abundantes do mundo. Mas em grupos de mídia comprometidos com a destruição de todo este patrimônio e riqueza. E portando destruindo o povo brasileiro e o futuro deste país tão rico nos mais variados recursos.

      • A questão não é ficar no

        A questão não é ficar no derrotismo… A questão é que estamos sendo derrotados de 10 a 0… Este é o problema… Estamos perdendo todas as nossas riquezas… As crianças que estão nascendo não podem esperar mais duas décadas para ver este país se desenvolver… Este desenvolvimento está para ontem… Quanto mais tempo perdemos nestes discussões, maior será o tempo que teremos de esperar para assistirmos o desenvolvimento deste povo e de todo o planeta. POis o desenvolvimento deste país… também significa o desenvolvimento do planeta… Pois diante de tantas riquezas materiais e humana… Poderemos descubrir curas que não ficariam nas mãos de conglomerados… Novas formas de cultivos de alimentos… Tecnologia gratuita e barata… Energia renovável… Etc… Na minha visão… O Brasil irá representar o avança social e tecnologico do mundo… Pois temos tudo… Se já estivessemos usandos toda esta riqueza e nosso dinheiro não estivesse sendo roubado… Já estariamos na vanguarda de muita coisa neste mundo. Mas por enquanto nossas riquezas estão indo tudo para fora e nosso dinheiro todo para o ralo… Por isso eu digo que não se trata de derrotismo… Mas de urgência na retirada desta “inhaca” que insiste em nos deixar pra trás… Que nos impede de andar… Que tenta nos segurar…. Estou cansado… É preciso que todos nós nos cansemos e tomemos uma providência… Este sitio é uma delas… Mas aquele que têm mais poder têm de levar estas idéias para frente e ajudar a acabar com esta “inhaca” que insiste em nos atrasar. Evidenciar esta inhaca para todos, e evidenciar aqueles que estão nos envolvendo nesta inhaca e como eles estão fazendo isso… Evidenciar para toda a sociedade… Acabar com esta palhaçada que tanto nos aflinge e nos tira a coragem de nos desenvolver. Eles querem a nosso derrota… Eles querem que fiquemos no derrotismo… Nós não… Muito pelo contrário! Por isto que estamos aqui. Nós queremos a vitória! E nós queremos a vitória, pois nós sabemos que ela é possível. E eles também sabem… Por isso querem nos desencorajar e nos ver no derrotismo… Mas eles fazem isso, pois sabem que a derrota está próximo deles… Está no encalço deles… Na espreita… Em todas as portas e janelas para lhes espreitarem… Eles estão no centro da sujeira… Os holofotes estão acessos… E estamos vendo a sujeira escorrer por entre os dedos deles…  Como se os dedos deles fossem o nosso… Mas os dedos deles não são os nossos pois eles simplesmente escolheram o lado errado para lutar… Escolheram o lado egoista… O lado individualista e egocentrico… Nós escolhemos o lado de toda a humanidade… eles escolhem o lado deles… Estão contaminados pelo egoismo e pela ignorância social… Não têm consciência social… Não possuem respeito pelo outro… Pois talvez não se respeitem também… Não podemos destruí-los, pois eles são uma parte de nós que está contaminada pela ganância e o poder… Mas podemos combatê-los e deixá-los renegados a própria miséria até que aprendam a repartir e viver em sociedade.

  11. Vamos viver um dia de cada

    Vamos viver um dia de cada vez cabeção, a eficiência do mercado, quanto ao ajuste fiscal, é que manda no futuro.

    Hoje, pela Rede Globo de Economia, chegou mais um  índice de inflação já rebaixado como liberação da meta para investimentos do governo em 2017.

    A contração da inflação/investimentos, neste momento, visa sobrar menos diheiro para o pagamento da divida externa, mas justificando perdas sociais permanentes.

    Tudo inidica que, só depois que os travos aos investimetos forçarem todas as privatizações que o mercado quer que aconteça no tamanho do Estado, haverá um alívio para o desenvolvimento privado e equilíbrio com o emprego. 

    Até o terceiro semestre de 2017 a ordem para equipe econômica de Temer é sabotar o país.

  12. Estudos, papers, propostas……..

        Os srs. Senadores da ” oposição “,  seus competentes e doutos assessores, podem elaborar seletos planos/pacotes, e leva-los a discussão no Senado federal e debater com o atual governo – obvio que só após o Carnaval estas proficuas tertulias serão iniciadas, e tempo é o que não falta para recuperar a economia brasileira da “razzia” temerosa, aliás neste digno e estudado “pacote” falta um preambulo básico :

        Substituir o governo Temer, Meirelles, Goldfajn, intervir na midia de massa, e outras cositas más.

        Sem este ponto de partida, estudos, pacotes, propostas, debates, serão  apenas  discursos, discussões academicas, enquanto o País continuara quebrando, as empresas sendo negociadas a um quilo de mel coado – se acharem algum comprador -.

         Lembrei agora do artigo do AA, que ele comenta sobre Morghentau, que em sua insanidade queria reduzir a Alemanha a uma “herdade agricola e pastoril ” após o fim da 2a Guerra, e parece que Temer e sua troupe vão conseguir aplicar o um “Plano Morgenthau ” no Brazil.

          P.S.:  Sobre a “industria de defesa ” ( cadeia industrial ), já circula em BSB, irá “estourar” em fevereiro, uma mudança na Lei 12.598/12 , que irá equiparar as empresas consideradas EED ( Empresas Estratpegicas de Defesa ) nacionais, com as de capital estrangeiro, inclusive permitindo que o limite maximo atual de 40% do capital externo, seja ilimitado.

    • “Lembrei agora do artigo do

      “Lembrei agora do artigo do AA, que ele comenta sobre Morghentau, que em sua insanidade queria reduzir a Alemanha a uma “herdade agricola e pastoril ” após o fim da 2a Guerra, e parece que Temer e sua troupe vão conseguir aplicar o um “Plano Morgenthau ” no Brazil”.

      Nao li o artigo do AA a que vc se refere, mas lembrei algumas vezes do Plano Morghentau nas ultimas semanas.

      Estou em viagem pela Europa Central e do Leste neste mês e vira e mexe me deparo com referências à II GM.

      Não por outra razão meu inconsciente se saiu com este tuíte ontem:

       

      O plano Morghentau não viu a luz do dia porque não havia como sustentar 80 milhões de pessoas com uma economia pastoril.

      Será que hoje, com a evolução do agronegócio, já há como sustentar 200 milhões?

      Ah, o progresso!

      Abraços da Cracóvia

       

    • E a midia aplaude,
       
      ontem

      E a midia aplaude,

       

      ontem mesmo o jornal do homem do bau fez uma reportagem sobre o assunto com um viés otimista mascarando que as causas são o empobrecimento do trabalhador e da propria classe média. Midia safada e quadrilheira…..

  13. Um enorme sol no final do túnel

    O que Nassif escreve acima é muito mais do que uma luz qualquer no final do túnel, mas uma verdadeira aula para quem, com verdadeiro interesse nacional, deseje mesmo retomar a economia do Brasil neste cenário de crise.

    Apenas gostaria de agregar alguns aspectos, os quais seguem o raciocínio geral feito pelo Nassif.

    O diagnóstico da crise

    A crise é principalmente política e ideológica, onde a destruição do Estado desenvolvedor feita pelos golpistas está acabando com as tentativas nacionais de desenvolvimento e colocando o Brasil dentro do processo de metabolismo de nações desenvolvidas, notadamente os EUA.

    Sobre as causas reais da crise

    Falta aqui citar o fim do superciclo de preço das commodities, incluindo petróleo e minério de ferro, principalmente, que gerou uma queda brutal da receita do país. O Governo golpista aprofundou este problema somando as ações desastradas da Lava-jato (para acabar com Lula e o PT) e as ações neoliberais adotadas, reduzindo investimentos e paralisando o país. Enquanto isto, os ganhos do setor financeiro aumentaram vertiginosamente, o que é próprio da ação neoliberal em relação a qualquer economia. O mesmo está acontecendo no Chile e noutros países que dependem muito de exportações.

    Sobre o cenário econômico

    Paradoxalmente, todas as ações do governo visando ganhar alguma “confiança” de investidores têm saído pela culatra. Ninguém confiaria em presidente traíra e governo golpista.

    Aumento real do salário mínimo

    Esta é uma das chaves neste conjunto de medidas “anticíclicas”, que criam massa circulante dentro do território nacional. Como jogo de “Mercado Imobiliário”, é colocado circulante na mão de cada jogador, mas, apenas para gastar neste tabuleiro do jogo: o Brasil. Botar dinheiro na mão de rico é perdê-lo para Miami.

    Nassif cita um conjunto de ações nesta direção, incluindo ações e obras sociais.

    Fortalecer as empresas brasileiras

    ·         Recuperar as empresas de construção civil

    ·         Câmbio competitivo

    ·         Reduzir as taxas de juros básicas e às empresas

    ·         Fortalecer o BB e expandir o crédito agrícola para investimento e com refinanciamento de dívidas

    ·         Apoiar os setores de alta tecnologia e defesa

    Recuperar a capacidade de investimento do Estado

    Há um conjunto de boas medidas levantadas pelo Nassif tendentes à recuperação da capacidade de investir

    Investimento em infraestrutura

    As seguintes ações são lembradas pelo Nassif:

    ·         Concluir com urgência absoluta a Transposição do São Francisco

    ·         Recuperar e duplicar as principais rodovias de acesso a todas as capitais e principais cidades brasileiras

    ·         Redução o custo de energia elétrica

    ·         Expandir a produção de energia elétrica focada em energias renováveis baratas

    ·         Completar as obras ferroviárias de integração nacional

    Neste conjunto de ações eu incluiria a participação mais ativa das FFAA e as universidades Federais:

    ·         Serviço cívico-militar obrigatório (com as exceções de praxe). Os profissionais fazem assistência cívica em regiões carentes do Brasil, na sua respectiva especialidade (médicos, engenheiros e etc.). Os jovens com educação incompleta concluiriam curso técnico no exército (elétrico, mecânico, etc.) e participam do conjunto de obras públicas ao longo do Brasil;

    ·         As Universidades federais assumiriam o esporte amador do Brasil, criando Departamentos de Desportes e Recreação, assumindo controle de obras da copa e olimpíadas, e levando professores e monitoramento de esporte a escolas e colégios de cada região de influencia da respectiva universidade;

    ·         Criação de polos de desenvolvimento interno com base na verticalização industrial, começando pelo aço, montando 4 ou 5 altos fornos em lugares chave do país, abrindo poder comprador para pequenos produtores locais e estimulando industrias locais (incluindo a Santa Matilde), para fabricação de vergalhões, trilhos, vagões e locomotivas, principalmente.

     

    Salvar a Petrobrás e o Pré-Sal

    Nassif cita um conjunto de boas medidas

    Salvar estados e Municípios

    Nassif cita um conjunto de ações mais no plano da recuperação financeira.

    Haveria que somar ações do plano em estados e municípios relativas ao serviço cívico-militar e os polos de desenvolvimento, onde as prefeituras de localidades mais pobres e afastadas serão anfitriãs destas equipes de serviço comunitário.

    Grato Nassif por nos permitir sonhar neste Brasil melhor. Tenhamos paciência de retomar em 2018, a mais tardar, não apenas para retomar o controle das nossas riquezas, mas também para fazer o que deixamos de fazer anos atrás: estatizar a rede Globo e recuperar a VALE, dentre outras coisas.

  14. Poucos congressistas querem

    Poucos congressistas querem um plano para melhorar o país. O Projeto dos golpistas é acabar com o país e entregar toda a estrutura construída nos ultimos anos, aos gringos. Estão recebendo muito bem para fazer isso. “Nós não vamos pagar nada. È tudo free, tá na hora de mudar, pros gringo entrar.”

    •  
      Os merdas vira-latas são

       

      Os merdas vira-latas são catequisados para amar os EUA acima da própria mãe. Imagine se iriam dedicar ao Brasil alguma consideração. O que mais almejam é se posicionar de quatro e oferecer tudo que subtraem do próprio país aos gringos, Como recompensa, se comprazem com uma autorização para terminar os dias de sua servil vidinha de traíra, num apartamentozinho próprio em Miami.

      Orlando

  15. Nassif, o plano que você

    Nassif, o plano que você detalhou é perfeitamente válido. Mas como eu li em alguns comentários “faltou combinar com os russos”. Nenhuma parte desse plano poderá ser posta em prática enquanto vocês continuarem tendo no comando um grupo que está ativamente sabotando a economia brasileira e que está claramente direcionando todos os recursos do país para o mercado financeiro.

    Você ainda não parou para pensar que os conspiradores podem não ser só incompetentes, que eles na verdade estão propositalmente destruindo a economia?

  16. EUA deixou a esquerda em xeque
     Nassif, me perdoe de fazer o papel de adevo do diabo, mas acredito que os EUA colocaram o pré-sal em xeque-mate [por enquanto] em que outrora fora o devaneio maior da geopolítica do Presidente Lula, crer que os norte-americanos iriam deixar o Brasil se agigantar “petrolificamente” foi pior que dar fé ao pacto esquerda-direita-globo  engendrado por Dirceu.Por isso, quando o Brasil voltar a ser dos brasileiros, será necessário hipertaxar as empresas multinacionais futuras detentoras do pré-sal, além do que, dogmas esquerdistas de nacionalismo competitivo, os países desenvolvidos  já estudaram de-traz pra-frente-e-de-frente-pra-trás, haja vista, o vôo de galinha do projeto etanol.———–dedo na ferida: Se o sistema lava jato por o dedo na ferida da sonegação do IPRPF vai ter muito dinheiro saindo pelo ladrão, por ora, prefiro confiar em 2 alternativas de senso comum brasileiro para melhoria da economia: Desvalorização do câmbio e investimento maciço em agronegócio, este é sem dúvida é a finalidade intrínseca do Brasil, (quer queira quer não) aliás é o antídoto real ante a habilidade dos Países ricos em manusear marionetes nacionais subdesenvolvidas.

  17. ok….

    Mas qual é o Xadrez?

    Quais são os aspectos ideológicos a serem enfrentados, afinal?

    Fiquei com uma sensação de … so what?

  18. Ninguém,absolutamente ninguém
    Ninguém,absolutamente ninguém na blogosfera suja,limpa ou mal lavada,me conhece como Luís Nassif.Assim sendo peco sua devida vênia mais vez,para lhe me permitir fazer uma pergunta:O que houve com o texto,sem nenhuma inverdade,bom que se diga,que versa sobre o decrépito Ruy Castro.Por que foi retirado?Por que desapareceu como por encantado e nenhum cadastrados daqui se deu conta?Tomou Doril por que?Por situações como essa,me considero sempre me considerarei “diferenciado”.E Nassif,tem a convicção que sou,pois fatos como esse não pode passar desapercebido.Vigilante desde aurora,bem diferente dos quê aqui aportam,alguns diuturnamente,e sobre fatos tão importantes como esse,nenhuma simples observação.

    • As questões acima

      As questões acima mencionadas,já foram respondidas por Da.Lourdes.Fica portanto,minhas desculpas a todos.

  19. Chance zero.

    … E o Nassif ainda querendo debate racional com fascistas…

    Ora, ora,o golpe foi dado CONTRA todas essas propostas. Qualquer uma delas, mesmo que isoladamente, será considerada “retorno do lulopetismo”.

    Chance zero.

    É um erro dizer que a UDN “não tem projeto”. Será que não está claro que o projeto É o desmonte do estado social e o entreguismo infantil? Alguém realmente adredita que toda essa reação furibunda vai simplesmente dar meia volta? Destruiram a democracia e salgaram a terra pra depois dizerem “ok, passamos do ponto”, é isso?

    Não adianta: daqui a 20 anos, não importa a quantidade de injustiça e sofrimento humano causadas por essas mesquinharias ideológicas, a desculpa vai continuar sendo o Lula e o PT, PT, PT. É pra isso que serve bode expiatório.

    Enquanto isso cientistas e analistas políticos repetem que a lava jato é uma operação “moralista” de combate a corrupção e que os ativistas envolvidos “não têm projeto”…

  20. Você é uma commodity!

    Nassif, bom dia. 

    Lí ontem mesmo o seu novo xadrez.

    Concordo com suas propostas.

    Todavia, maxima venia,  vamos combinar  r. jornalista!

    Vamos  “cair na real”  !

    Enquanto estamos aqui tentando debater alguma solução razoável para o país, o governo federal está aí, exatamente hoje, emitindo mais uma “medida provisória”  que certamente será inconstitucional, em busca da ‘flexibilização” das regras trabalhistas.

    Já congelaram os gastos. Agora estão reformando a CLT. Breve reformarão a previdência social dos BABACAS, TROUXAS, IDIOTAS de sempre, a galera do RGPS, sob alegação de tentar gerar emprego com carteira assinada.

    Ora, que se dane a carteira assinada! Isso só serve para ENGANAR os que já são enganados, ou seja, os DESAVISADOS de sempre!

    Francamente, senhores debatedores, minha torcida ( aposta) nesse momento é para que a tal “crise ” se aprofunde!

    Isso mesmo! Estou querendo ver o circo pegar fogo , paralelamente,  com os bombeiros em greve.

    Espero que nesse ambiente,  nesse cenário “econômico e social”, “racional”, aí sim, possamos fazer algumas” reformas” de USO E ABUSO do poder extrativista instalado nessas terras apelidas de “brasil”.

     

      • Solidariedade é coisa para otários! É melhora a “pilantropia”

        rsrsrsrs, 

        você está me provocando, certo debatedor?

        Pois bem, já me sinto  “provocado” há tempos. E lhe digo o seguinte:

        Quero o meu, o resto é que se dane!

        Sindicatos que não resolvem NADA nesse país estão aí, mamando nas tetas. Empregadores que se aproveitam da “crise construída” para aumentar suas respectivas margens de lucro, sobretudo, agora, na época em que o representante comercial-mor ( vulgo papaí noel) está à solta.

        Por isso e por mais centenas de outras razões, digo-lhe alto e em bom som: 

        Estou torcendo para o país quebrar de vez! É sério.

        Tó querendo ver a bancarrota geral,  pois assim,  abocanharei  a minha parte no meio dos destroços, como populares que saqueiam caminhões acidentados nas estradas.

        Demorei muito para aprender essa lição. Hoje não tenho dúvidas de que essa é a regra do jogo aqui.

        Ficar falando disso, defendendo direitos destes ou daqueles enquanto outros estão aí, mamando nas tetas da viúva, é pura perda de tempo!

        Pra mim, pode implodir toda a superestrutura, como disse acima.

        Só quero o meu. 

        Meu umbigo agradece sem qualquer mimimi. Pode ter a certeza total, absoluta e irrestrita  disso.

        Essa “divisão de trabalho” brasileira é estúpida!

        Eu tive a paciência de ver um pouco, na hora do almoço, essa gente cínica  do governo que tomou o poder, falar em “reforma  trabalhista” com uma cara de pau, que deu nojo!

        O PT recebeu o meu voto. Mas dormiu demais no ponto e tomou um pé na bunda.

        Vi o meu voto indo para o espaço, assim como o programa de governo que escolhi em âmbito federal.

        Então, fazer o quê? Nada, exceto, ficar atento para pegar o meu e que se dane o resto.

        Viva a crise! E quero que o número de desempregados ( otários) aumente exponencialmente! 

        “Empresas” quebrando e tudo que um boa crise possa nos oferecer!

        Por fim, a tal de soliariedade é de fato e de direito, coisa para otários! 

        Melhor é a filantropia( pilantropia) sobretudo com o auxílio de OSCIP, OS, enfim, essa novas formas de saquear o bolso dos celetistas vulneráveis consumidores bobocas na terra do bolo do delfin!

         

         

         

         

          • Olá pessoal,
            respondendo:

            Olá pessoal,

            respondendo:

            – Não se trata de criancice de minha parte, conquanto, mesmo com uma mente de um adulto,   não pretendo perder  meu lado criança. 

            – Não se trata de negar a luta ou se afastar dela, ou de se “acorvadar” . Notem bem, a ideia é justamente o contrário. Imagine-se  numa “briga” de criança ( já que não devemos,penso, perder o lado criança)   e seu  adversário ” xinga sua mãe”? Ato contínuo, você, suponho, diria: Mexeu com a minha mãe então vai ter porrada.

            – De fato, em momentos de crise (oportunidade) podemos mudar as regras do jogo. Esse é o ponto!

            Notem bem, não é possível viver em sociedade pensando apenas e exclusivamente no “próprio umbigo” ligando o “dane-se” para o restante. É ilógico, vez que “sociedade” nos remente a algo coletivo. 

            Minha provocação acima vai além do conteúdo literal contido no texto.

            Portanto, volto a repetir: estou preocupado com o meu umbigo! E o resto que se dane!

             

             

        • Caro Mogisenio vc não é essa
          Caro Mogisenio vc não é essa pessoa tão egoísta,pare de ficar revoltado com TD e todos ,isso é criancice !!!

  21. O Brasil está estruturalmente desorganizado,
    Esqueçam um pouco o debate acadêmico.

    O Brasil está estruturalmente desorganizado, não é a economia que vai organizá – lo.

    A intenção da derubada do governo Dilma não foi para melhorar economia como um todo.

    Foi, e foi dito claramente, para deslocar os ganhos para setores específicos.

    Uma passagem de texto confirma, diz Nassif:

    “O governo de Michel Temer aumentou os juros e contraiu as despesas públicas o que agravou a crise das empresas e do emprego e fez cair as receitas tributárias e aumentar o déficit fiscal. Enquanto isto, os ganhos do setor financeiro aumentaram vertiginosamente.”

    A intenção era clara. Quebrar as reformas estruturantes – sociais, econômicas, políticas – que ainda que lentas, estavam redistribuindo a riqueza.

    Exatamente a mesma matiz do golpe de 64, feito para impedir as reformas de base de Jango.

    Reformas de base ou reformas estruturantes servem para reestruturar o quadro social, econômico e político, portanto, essencialmente cultural e ideológico.

    Da mesma forma que a – RUPTURA – que levou o atual grupo ao poder

    foi intencionalmente clara de ROMPER com o silogismo dos princípios econômicos de esquerda, cujo pensamento é:

    A economia cresce pelo consumo. O homem é consumidor. Logo, é preciso que todos consumam (redistribuição).

    A ideológica da direita é pensada por fora das base, é no topo, na riqueza individual do investidor, portanto tome-lhe concentração de riqueza para, na sobra, virem os investimentos.

    Essa é a forma que a economia, na prática, é vendida nas prateleiras.

    No fundo a guerra é mais rasteira.

    Para uns riqueza do país deve ser distribuída com equilíbrio e o mais isonomicamente possível. Por isso, esse grupo acredita em investimentos direcionados à inclusão, tais como educação e saúde; há um foco no social.

    Para o outro grupo, a riqueza do país deve ser destinada a quem tiver mais esperteza para tal. Por isso, e por coerência, têm pavor em tudo que crie uma condição de equilíbrio mínimo para uma partida mais justa. Daí, serem contra políticas públicas inclusivas.

    Qual a ideologia, qual a lógica, quais os princípios mais corretos?

    A história conta qual a ideologia foi utilizada por países que praticam democrática real (não fictícia) para quebrar os seus padrões de vida – econômica, social e política – primitivos.

  22. Observações sobre as Propostas 4 e 6

    A Proposta 4 ganha uma urgência ainda maior porque, volto a repetir, o PAC trilionário de Trump envolve a recuperação da problemática infra-estrutura dos EUA e, quanto mais tempo demorarmos para recuperarmos a nossa infra-estrutura (e estamos em quase-2017 discutindo coisas que outros países fizeram nos anos 90 ou na década passada, tipo criar uma rede nacional de rodovias duplicadas), menos capital haverá para fazer os montantes necessários.

    A Proposta 6 é absolutamente essencial neste momento; os Estados e Municípios segurarão o rojão das demandas sociais (e, neste primeiro momento, de repressão a distúrbios) a partir da transformação da União em um bordel rentista, então é necessário recuperar sua capacidade de pagamento e de investimento. Felizmente a Câmara deu um tranco na proposta de inviabilização de Estados e Municípios (que já tinham o chicote da Lei de Responsabilidade Fiscal).

    • Esse país MORTO é o que o

      Esse país MORTO é o que o nosso povo CRETINO queria !!!

      Estão é orgulhosos !!!

      Toda desgraça sobre o Brasileiro é pouca.

      99% dos Brasileiros pertencem as seguintes categorias. Os maus-caratéres(elite), os ingratos, e os boizinhos acomodados. 

      Quem não lutou contra o golpe merece toda essa desgraça !!! O pessoal do Bolsa-família não lutou pelo próprio prato de comida, o que é impensável em qualquer país do mundo, menos no Brasil, é claro…

       

        • Desilusão, só amorosa!

          Meu caro quem se desilude da política é simplesmente porque não entendeu exatamente o que é política assim como todos os processos sociais.

          Vou fazer uma analogia daquilo que conheço, política e outros processos sociais são um FLUXO não algo fixo e imutável, mas algo que muda dia a dia, hora a hora.

          Desilusão é para aqueles que olham a hitória como um album de fotografias, não como um filme que a cada quadro a imagem é mudada.

          Se acreditasse em heróis vivos estaria perdido, só os mortos que já terminaram o seu filme e olhando a obra como um todo nos admiramos, porém os vivos são mutáveis são dinâmicos fazendo erros que nos irritam e acertos que nos alegram.

          Se esta balburdia não terminar, se tudo de pior aumentar, mesmo assim sei que um dia isto muda.

          Há uma passagem de Guerra e Paz que o grande Tostoi explica o movimento das massas devido a sua vontade, procure e leia.

  23. Sugestões muito boas, mas alguém ainda

    acha que a cambada de golpistas quer melhorar a economia? Chega de ingenuidade da dita “esquerda”, a turma que tomou a presidência só quer saber de roubo e pilhagem, nossa única chance de mudar nosso triste futuro é paredão em praça pública. 

    • MIMIMI em dobro.

      Ingenuidade? Não tem a mínima visão histórica, quem está acuado só tem duas soluções ficar mais retraído no canto para que te devore ou tentar reagir com o que tem, até com a ingenuidade.

  24. COMI$$ÕE$

    O diagnóstico e as soluções apresentadas são cristalinos, a principal resistência às suas implementações encontram-se nos intere$$e$ inconfe$$aveis dos entreguistas, que anseiam em nos transformar em colônia novamente, o viës ideológico existente não é fator preponderante.

  25. O plano que salva a economia brasileira

    Como descobrir qual o plano salvador?

    Pelo nome do autor, ou pela eficiência das previsões e histórico de resultados?

    Puxando a sardinha para o meu lado, sou o único aqui no forum com 100% de acerto nas previsões de curto, médio e longo prazo, basta verificar minhas mensagens.

    O único com bala na agulha para mandar fazer algo e não fugir do penico.

    Acreditem, sem um plano holístico que reintroduza harmonia, equilibrio e paz de espírito para a população economicamente ativa não coseguiremos resultados que possam nos socorrer, é no campo da psicologia econômica de massas, não faz parte do repertório destes empregadinhos de banco que comandam a economia sem ter nunca produzido um prego sequer na vida.

    Sou do ramo da advinhação, provavelmente um dos poucos aqui no forum.

  26. Ainda sobre Ruy Castro,espero
    Ainda sobre Ruy Castro,espero que Nassif entenda.Fiz a minha parte.Se ele conseguiu judicialmente que blog suspendesse o artigo,se se pediu a rego a Nassif,se entraram em entendimento,não é problema meu.O que tinha fazer,fiz.Simples assim.

  27. Xadrez do pacote econômico alternativo

    Semelhante proposta é arrojada e muito interessante.  Em princípio, tudo pra dar certo. Sem dúvida alguma.  Entretanto, é bom nunca esquecer, que os atuais mandatários chegaram ao Poder no sujo golpe contra a Presidente Dilma/PT, mulher honesta, humana e nacionalista. Estarrecedor e verdadeiro, é que os golpistas, possuem elementos da pior espécie moral, altamente suspeitos e ou comprometidos com o que há de pior e termos de direcionados arbítrios, roubalheiras, e ou, traição à Pátria.

    Possuem indivíduos padrão Cunha, Temer, Renan, Moro, Janot, FHC, Mendes, Aécio, Serra e outros tantos de semelhante nível moral, que possivelmente, fariam de tudo para sabotar semelhante proposta econômica. Afinal, não possuem a menor afinidade com o trabalhador, nem a menor vocação nacionalista. Portanto, não teriam a menor intenção em reerguer o Brasil, em fortalecer nossa economia, nossa tecnologia e nossa Defesa.

    Por tudo que já foi publicado, dito e mostrado sobre o golpe contra a democracia depondo a Presidente Dilma/PT, os principais objetivos dessa turma estão nas amplas privatizações, principalmente, na área do Pre Sal e da energia elétrica. Privatizações a preços de bananas, como no entreguista governo FHC/PSDB que deixou as telecomunicações, energia elétrica e saúde, das mais caras e piores do Planeta. Além disso, os golpistas continuam com o firme propósito de enfraquecer e desmantelar, não só a conhecida grande Petrobras, como importantes empreiteiras brasileiras, de alta tecnologia. Querem ainda, repor o Brasil na antiga submissa decadente órbita econômica, tecnológica e militar dos EUA. Só traição a Pátria. Grande problema a ser resolvido. 

    • O problema é que a pátria

      O problema é que a pátria Brasil não existe. Se formos matar os traidores da pátria nesse país, matamos 2/3 da população FÁCIL !!!!

  28. Absurdo ! Absurdo ! Amaurose

    Absurdo ! Absurdo ! Amaurose do Nassif ! E as consequências de um plano desse ? : Queda do desemprego, aumento da renda, crescimento econômico, estabilidade nos diversos níveis, recursos para a Educação e Saúde, que provocariam diminuição de mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida, mais comida na mesa, retorno da gentalha viajando de avião e cursando faculdade. De repente poderíamos até cair numa Democracia ! 

  29. DEUSES DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO E DINHEIRO DIGITAL

    Deuteronômio 32: 32-43  – “Porque a sua vinha é da vinha de Só-DOMA e dos campos de Go-MORRA; as suas uvas são uvas de veneno, seus cachos amargos; de répteis e peçonha terrível de víboras. Não está isto guardado comigo, selado nos tesouros?

    A mim me pertence a vingança, a retribuição, a seu tempo, quando resvalar o pé; porque o dia da sua calamidade está próximo, o seu destino se apressa em chegar. Porque o Senhor fará justiça ao seu povo e se compadecerá dos seus servos, quando vir que seu poder se foi, e já não há nem escravo e nem livre.

    Então dirá: Onde estão os seus deuses? Deuses que comiam gordura (seu crescimento) de seus sacrifícios e bebiam o vinho das suas libações?

    Levantem-se eles e vos ajudem, para que haja esconderijo para vós outros!

    Vede, agora, que Eu sou, Eu somente, E MAIS NENHUM DEUS ALÉM DE MIM; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há ninguém que possa livrar alguém da minha mão.

    Levanto a mão aos céus e afirmo por minha vida eterna; se eu afiar a minha espada reluzente, e a minha mão exercitar juízo, tomarei vingança contra meus adversários e retribuirei aos que me odeiam. Embriagarei as minhas setas de sangue (a minha espada comerá carne), dos sangues dos mortos e dos prisioneiros, das cabeças cabeludas do inimigo.

    Louvai, ó nações, o seu povo, porque o Senhor vingará o sangue dos seus servos, tomará vingança dos seus adversários e fará expiação pela terra do seu povo.”

  30. Não à CPMF

    Por quê voltar a CPMF – um tributo que não existe em lugar nenhum do mundo – e ignorar a aberração da isenção dada à distribuição de dividendos aos acionistas – coisa que igualmente não existe em lugar nenhum do mundo ?

    O mundo inteiro está errado e os brasileiros é que são os iluminados ? 

    Por quê não se cria um fundo educacional – ou para a saúde – vinculado às receitas oriundos da tributação dos dividendos distribuidos aos acionistas, cujos estudos realizados pelo IPEA apontam para uma arrecadação potencial em torno de R$43bi anuais ?

    Num momento em que se esta adotando uma série de medidas em que se exige sacrificio da maioria da população , não é a hora de também se trazer essa questão para o centro do debate , exigindo que aquela parcela da população que não é afetada pelos cortes no SUS , no ensino público e na previdência pública , também contribua com uma restrição aos seus privilégios ?

    • Tribular dividendos é

      Tribular dividendos é bitributação.

      Além do que muitos vão tirar por fora da empresa, para não ter que pagar impostos. Isso vai dificultar o ambiente economico e impedir pequenas e médias empresas de crescerem ou mesmo negócios por fora de se tornarem legais.

      Jà a CPMF é o melhor tipo de imposto que existe. Insonegável, custo baixíssimo de arrecadação, e super eficiente. Deve ser com aliquota baixa, mas é um excelente imposto sim.

      Mas de qualquer forma, em determinado momento, pode ser feito os dois, por que não ?

      • E daí ?

        Certo , e qual o problema se é ou não bitributação ? É a primeira coisa que o pessoal do mercado financeiro grita quando se toca no assunto .  Uma coisa é o lucro tributado na pessoa jurídica. Outra coisa é a renda na forma de dividendos tributada na pessoa física. Tudo isso é passível de discussão , apesar de irrelevante . 

        Me diga uma coisa : ICMS , IPI , PIS , COFINS sobre as vendas é o quê ? Quadritributação ! Tem alguém gritando contra?

        Tirar “por fora” da empresa , subfaturar , criar despesas fictícias para maquiar os lucros , tudo isso já é feito antes de eu nascer. Não é justificativa para não se implantar uma tributação. Cabe aos agentes fiscalizadores desenvolverem os mecanismos de inibição.

  31. Desculpe Nassif

    Mas após as mudanças nas leis trabalhistas via MP atropelando o artigo 7 da CF/88 o seu artigo parece piada natalina.

    a chance desse pacote é menor que a da eleição de Lula em 2018 que já é 0%

    • Deus pode reverter.

      JACÓ FEZ CESSAR O PODER DE ISRAEL PARA LOUCA NAÇÃO, MAS NÃO A MEMÓRIA DO DEUS VIVO.

      Deuteroômio 32: 2-21 – “Goteja minha doutrina como chuva, desfila minha palavra como orvalho, como chuvisco sobre a relva, e como gotas de água sobre a erva. Porque proclamarei o nome do Senhor. Engrandecerei o nosso Deus. Eis a Rocha!

      Suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são juízo; Deus é fidelidade, e não há nele injustiça; é justo e reto.

      Procederam corruptamente contra ele, já não são seus filhos, e sim suas manchas; é geração perversa e deformada. É assim que recompensas ao Senhor, povo louco e ignorante?

      Não é ele teu pai, que te adquiriu, te fez e te estabeleceu? Lembras-te dos dias da antiguidade, atenta para os anos de gerações e gerações; pergunta a teu pai, e ele te informará, aos teus anciões, eles to dirão.

      Quando o Altíssimo distribuia as heranças às nações, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou limites dos povos, segundo o número dos filhos de Israel. Porque a porção do Senhor é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. Achou-o numa terra deserta e num ermo solitário povoado de uivos; rodeou-o e cuidou dele, guardou-o como a menina dos olhos.

      Como a ÁGUIA desperta a sua ninhada e voeja os seus filhotes, estende as asas e, tomanado-os os leva sobre elas, assim, só o Senhor o guiou, e não havia com ele deus estranho. Ele o fez cavalgar sobre os altos da terra, comer as messes do campo, chupar mel da rocha e azeite da dura pederneira, coalhada de vaca e leite de ovelhas, com a gordura dos cordeiros, dos carneiros que pastam em B,A-sã e dos bodes, com o mais escolhido trigo; e bebeste o sangue das uvas, o mosto.

      Mas engordando o meu amado, deu coices; engordou-se, engrossou-se, ficou nédio e abandonou a Deus, que o fez, desprezou a Rocha da sua salvação. Com  deuses estranhos o provocaram a zelos, com abominações o irritaram. Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram a pouco, dos quais não se estremeceram seus pais. 

      Olvidaste a Rocha que te gerou; e te esqueceste do Deus que te deu ser. Viu isto e os desprezou, por causa da provocação de seus filhos e suas filhas; e disse: Esconderei deles o rosto, verei qual será o seu fim; porque são raça de perversidade, ffilhos em quem não há lealdade.

      A zelos me provocaram com aquilo que não é Deus; com seus idolos me provocaram a ira; portanto, eu os provocarei a zelos com aquele que não é povo; com louca nação os despertarei à ira.

       

  32. Presentes diários do “governo federal”

    Prezados, na iminência da chegada do Natal, e do Ano Novo, quantas e quantas pessoas, não devem estar sofrendo!

    Mais que revolta, dá muita tristeza, observar que tantas pessoas, que começaram a comer, viajar, passear, ter tranquilidade, sorriso no rosto, sem desespero da falta do que comer, de como pagar mínimas coisas do dia a dia, e com isso puderam impulsionar a economia, para um pujante desenvolvimento brasileiro (passando de PIB de pouco mais de 350 bilhões de dólares anuais, de sistemas anteriores de governo, para quase 3 trilhões de dólares atualmente), com reservas financeiras internacionais de cerca de US$380 bilhões de dólares, apenas com os míseros ganhos, do Bolsa família e quetais de ordem social, de direito inalienável da condição humana de sobrevivência, com o projeto de desenvolvimento do pais implantado , inlcuindo desenvolvimento de vários setores considerados fundamentais para o país.

    E estamos apenas no início, apenas e tão somente no início.

    Com um mínimo, mas distribuído entre milhões de pessoas, essas passaram para uma situação de solvência e “salvância” das próprias vidas e de famliares, em busca de alguma forma decente de vida, mesmo que apenas discretamentes melhorados em suas capacidades de vida, de trabalho, de alimentação, de saúde, de educação, muito longe do que é direito e do que é o ideal e já há anos, com ligeira melhora nos governos anteriores, evidentemente não o atual, que apenas iniciaram a inclusão social.

    Antieméticos são necessários para suportar essas ações destruidoras da infraestrutura nacional, desnacionalizadoras, desorganizadoras do bom funcioanmento institucional, entregadoras do enorme potencial e de realidade do que já existe de grandes empresas e de riquezas incomensuráveis, tanto estatais, naturais e de inovação, quanto privadas do Brasil, que sabemos, LONGE ESTÁ DE ESTAR QUEBRADO, mas muito longe mesmo. Observe-se  “RÁPIDA RECUPERAÇÃO DA PETROBRÁS”. Nunca esteve quebrada, dado o enorme potencial de recuperação. Desvalorizar para entregar a preço de algo muito barato. E de peças, insturmentos , para o país, que são chave de desenvolvimento sustentável e de longo prazo.

    Erros ocorreram, sem nenhuma dúvida, então constitucionalmente, acertem-se as contas, de acordo com o estrito cumprimento da lei, e não esse assalto que está ocorrendo, acabando com direitos duramente conquistados há tempos. e acabando com as empresas também.

    A todos que se comunicam por esse Blog, às vezes bravos, mas sempre cordatos, o debate de idéias é crucial, pois devemos primar pela elegância, pelo cordialismo sempre, e mesmo nas piores situações, pode-se mostrar que caminhos podem e devem urgentemente ser construídos, antes que maiores tragédias de destruição, sejam potencializadas  e que de forma ireemediávelmente irrecuperáveis possam ocorrer em nosso país.

    União de pessoas de bem de qualquer matiz e espectro político devem ser benvindos, para propor uma urgentíssima agenda de recuperação do nosso país. Que NÃO ESTÁ QUEBRADO  e tem muito combustivel a ser queimado.

    Abçs e bom Natal e um Ano de 2017 com muita esperança!

  33. Caro Nassif,
    Sou um grande
    Caro Nassif,

    Sou um grande admirador dos seus artigos que sempre trazem um pouco de luz e esperança à nossa tragédia.

    Com a devida “venia”, vc espera que os golpistas irão levar em consideração alguma destas propostas pra recupera a economia do País? O Temeroso foi colocado lá exatamente pra não fazer isso, pra adotar uma política econômica, trabalhista, previdenciária que foi rechaçada pelo voto popular por 4 vezes seguidas no âmbito federal, me espanta muito o seu grau de ingenuidade, estou morando fora há um bom tempo e já apertei a tecla F#&&#, não depuseram a Dilma pra isto?

    Não saíram às ruas batendo panela pra isso? Então nada mais justo que sintam na pele todo o peso dá política dos golpistas.

    Não existe mais pacto possível pela governabilidade ou pela salvação com estes políticos que estão no poder, esse fato é tão cristalino como o sol que brilha no Nordeste.

    Deixem todos os feitores do golpe se humilharem, inclusive grande parcela dá população que desferiu o golpe contra a nossa democracia, terá não só um efeito emblemático como educador.

    Abs

  34. Desculpe-me os detratores do programa, mas vão todos a merda.

    Se o programa deveria ser implementado há 13 anos, se o programa está incompleto, se falta isto ou falta aquilo é desta forma que se luta na direção da derrota, por isto digo em alto e em bom tom vão todos a MERDA.

    Temos que parar de ficar na defensiva olhando e com o mimimi. Temos que parar com o derrotismo que fica a relatar somente as derrotas:

    -Olha passau a PEC XXX,

    – agora passou a PEC YYY,

    – também a lei XXX/2016.

    Tem-se demonstrar da melhor forma possível que se tem um PROGRAMA, um programa que exclui o monte de lixo que pulhas e canalhas passam nos canais competentes, e lutar para que estas leis, PECs e adendos no futuro sejam enfiadas nos “canais competentes” dos pulhas e vendilhões da pátria.

    Temos que demonstrar que a VIDA INTELIGENTE está do nosso lado e não deles.

    Um programa mínimo é a base para qualquer discurso, pois contrapor em todos os meios algo estruturado, viável e que colocorá o país na direção correta é um instrumento de propaganda REAL fantástico.

    A discução deve ser trazida para as luzes e não para as sombras que são características deste governo.

    Chega de se comportar como cadelas corridas que fogem do bando de cachorros que tem um único objetivo, e todos sabem qual é.

    O derrotismo é um resultado da inação, e ficar fazendo somente discursos que provam que qualquer oporário sabe quando se propõe uma aposentadoria aos 90 anos, não acrescenta nada.

    Chega de recuar, chega de choramingar, temos condiçõs com as centenas de cérebros que rodeiam o nosso lado de propor algo bem mais viável, científico e real do que assalto aos bens públicos.

    Quam não gostou que passe açucar.

    • Gaúcho você foi ao ponto, e

      Gaúcho você foi ao ponto, e para quem não gostou um recado que seria dado pela grande Piaf: – No cú, pardal!

  35. O que falta nesse programa,

    O que falta nesse programa, que no geral é muito bom, são as medidas de médio e longo prazos de contençaõ de despeas que são também necessárias.

    – Eliminação dos super-salários

    – Perdas de autonomia financeiras das diferentes áreas do Estado – Tribunais, universidades, MPs, TCUS da vida e quetais. Dai perderiam a caneta para fazerem demandas corporativas ou o popular “gozar com o pau dos outros, no caso o nosso”.

    – Pente fino em terceirizações, alugueis de prédios, etc.

    – Pente fino em isenções tributárias mil que existem em nossa economia tipo: isenção-deficiente, virou moda, todo mundo compra carro com isenção, tenho um dedinho a menos ou sendo paralítico, qual o critério, qual a lógica ? Há quem teve cancer há anos, ganha muito bem e não precisa de isenção alguma. Outro ponto são as isenções para “entidades”, isso deve também ser revisto.

    – Enfim, essas medidas que o Nassif propoem são de curso prazo e seriam interessantes e necessárias, mas sem medidas de médio e longo prazos de conteção e racionalização de despeas as medidas ficam incompletas.

    Claro que essa segunda parte poderia ser tocada por outra área e serviria até para legitimar a outra parte, que é crescimento da economia.

    Enfim é um ótimo programa, porém de muito dificil realização com o monopólio Global sobre a “ciencia economica”.

  36. Plano interessante, maaaaaaaaas…..

    O plano em linhas gerais é bom, tem um ou outro ponto a se considerar… ao menos mostra que ações efetivas seriam tomadas, diferentemente do que o (des)governo do vampiro está fazendo, que dia após dia só age em favor dos rentistas e do desmonte (a preço de bananas) do Patrimonio Estratégico da Nação em favor do abutres internacionais.

    O que faltou em minha opinião, e que de forma incrível NINGUÉM coloca em pauta quando se fala na retomada do crescimento do Brasil: AUDITORIA DA DIVIDA PUBLICA BRASILEIRA!! 

    Mais de 40% do que produzimos vai para o pagamento praticamente só dos JUROS de uma divida nebulosa, onde até dividas privadas foram incluidas no passado… isso praticamente impede que o estado tenha capacidade de investimento em um pais continental como o Brasil.

    Não se trata de “dar calote” e sim de auditar detalhadamente o que procede e o que não procede nos números conhecidos, como fez a professora Maria Lucia Fatorelli no Equador.

    Mas, claro, há interesses IMENSOS em manter o nosso país de joelhos como está hoje e com certeza um governo ilegítimo como este (ou um governo fraco, covarde e sem estratégia como o anterior), JAMAIS iria tocar neste assunto…

    Enquanto Meirelles, Ilan Goldfajn (“professor de economia ISRAELO-brasileiro”…. rsrs – fonte: wikipedia), e outros tantos servos do sistema Bancário comandarem a economia, banco central, etc, esqueçam…. NADA será feito para reverter o quadro de prostração de nosso país, cujo desejo dos protagonistas econômicos mundiais é transformar (e estão conseguindo) exclusivamente numa fonte de fornecimento de matéria-prima… Opa! Commodities…, é mais chic!!!!

  37. Xadrez do pacote econômico alternativo

    RDMaestri comentou:

    -> Temos que demonstrar que a VIDA INTELIGENTE está do nosso lado e não deles.

    concordo 101%! está demonstrada a mais completa e absoluta incompetência dos golpistas para qualquer outra coisa que não seja pilhar, espoliar, parasitar, roubar e destruir o Brasil como nação soberana, condenando o povo a uma condição de trabalho semi-escravo.

    esta é a principal virtude de programas como este: delinear claramente que um outro rumo é possível.

    e mais: é da apresentação e debate sobre programas deste tipo que se formalizará o programa de governo de uma Frente Ampla de Esquerda (sim, ela é absolutamente necessária, mas não exatamente os termos propostos pela Ex-querda).

    há um ponto de honra em qualquer pacote econômico de reconstrução do Brasil: Dessa vez, não faremos prisioneiros.`

    o golpe foi dado por uma plutocracia viciada em se apropriar dos recursos públicos. qualquer programa deve conter medidas para que isto não volte a ocorrer. ou ao menos se mantenha sob controle, dentro de determinados limites por uma severa regulação do mercado. como no caso da corrupção, intrínseca ao Capitalismo, mas que deve ser mantida “sob controle”. quanto a isto, vide Carta Aberta de Aragão a Dallagnol.

    para cada setor da lumpenburguesia usurpadora, uma grande empresa/órgão públicos atuando para regular o mercado:

    – banqueiros -> BB e CEF;

    – rentistas -> BC (Proposta 2 acrescida de controle de fluxo de capitais);

    – exportadores de commodities -> é inadmissível uma Vale privatizada com recursos públicos não estar sob controle público. também é preciso contabilizar as externalidades (grave impacto ambiental) provocada pelo agronegócio. exportação de metais raros precisa ser revista e ser colocada sob controle público;

    – empreiteiros -> reestruturação do setor sob controle público, já que ficou patente que apenas se viabilizam com recursos públicos (mesmo assim haverá ainda grande margem para ganho dos acionistas privados);

    – mídia–empresários -> zero de qualquer tipo de repasse de recursos públicos. consolidaao de uma grande EBC, inclusive capilarizada e multiplataforma, como o grande instrumento de comunicação e produção autônoma de conteúdo, sem o quê fracassa qualquer projeto de desenvolvimento com inclusão social.

    a VIDA INTELIGENTE está do nosso lado! só a antropofagia nos une! desta vez, não faremos prisioneiros!

    p.s.:

    “Quero me tornar adulto e forte. Vou prender todos os terroristas que mataram pessoas sem razão. Eles mataram o meu pai porque ele não quis combater contra o exército sírio”.

    vozes da guerra: crianças de Aleppo

    as ruínas de Aleppo e os escombros da Democracia no Brasil

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=yAf2CZVVSvc%5D

    .

      • Xadrez do pacote econômico alternativo

        mas é claro que concordamos em muito! temos também algumas divergências. mas isto é saudável e necessário.

        o que importa é que estamos do mesmo lado! e vamos colocar todos esses golpistas no inferno! o “capitalismo brasileiro” e seus “capitalistas cleptocratas” não tem salvação! Dracarys.

        grande abraço

        .

        • Não posso dizer aqui a vontade que tenho de fazer com todo…..

          Não posso dizer aqui a vontade que tenho de fazer com todo este pessoal. Estes cleptocratas, pois nem capitalistas no sentido clássico do termo podem ser chamados como tal. Eu diria que eles estão mais próximo de uma oligarquia monarquista do que qualquer coisa, com a diferença que lhes falta a cultura. Domingão do Faustão é o máximo!

    • Nossos espíritos não

      Nossos espíritos não sossegarão, nem nossas estruturas ontológicas se darão o repouso necessário enquanto não tivermos sua resposta ao fato de você só assistir ao ”France 24” em francês. É prioridade máxima…

  38. bem…

    de economia só sei o seguinte:

    quando o dinheiro começa a desaparecer, sair dos cofres públicos, não há economia que dê jeito

    o propósito do golpe foi para poucos ganharem muito mais dinheiro

  39. tudo e todos da lava jato e do golpe…

    já adquirindo um certificado de autenticdade americano e seguimos acreditando que há salvação

    deve ser porque sempre acreditamos que quem salva ou pune é o Padre, ou o presidente da vez ou o economista da globo,

    e não a confissão

    e são todos traidores e golpistas confessos

  40. Não sei se terá

    Não sei se terá plateia,contudo,mais uma vez, terei feito a minha parte,cumprindo o meu dever.Ninguem me conhece e compreende-me melhor na blogosfera afora de que Luis Nassif.Nenhum outro blogueiro me concedeu espaço,como o Moreno de Poços de Caldas.Sem nenhuma obrigação,permitiu-me a gentileza impar de aqui contar algumas historias de um intelectual de primeira grandeza,invulgar inteligencia do sertão da Bahia,professor,advogado e poeta,não necessariamente nesta ordem,a pessoa que marcou a minha vida,para o todo e sempre,Dermeval Santos Lopes,o Papai.Com o coração apertado,os olhos molhados,e a dor incomensurável pela perda de um filho aos 17 anos de idade,deixo a Nassif e toda sua familia,meus mais sinceros votos de um Feliz Natal,um ano novo de paz,saúde e prosperidade,almejando a Deus que continue com a marca indelevel de ser do maior jornalista de sua geração.É o pouco que tenho a obrigação de fazer.Forte abraço.

    • Constato com tristeza e
      Constato com tristeza e decepção que as pessoa que aqui praticamente vivem,em sua maioria,não se dignaram a prativar um gesto de grandeza,diria até de obrigação,desejar a Nassif,sua família,Da.Lourdes,votos de Feliz Natal e um Ano Novo de felicidades.Quanto ao comentário acima da minha lavra,quando abro meu coração e revelo uma situação tao devastadora para mim e qualquer pai de família que passou pela mesmas tristezas que a vida,fria,cruel e miserável ,por vezes nos impõe,nenhuma manifestação de apreço e solidariedade.Olha-se para todos os lados,independente de coloração política e se constata,sem a mínima sombra de dúvidas,que nossa sociedade esta doente ,apodreceu,está enferma,quiçá em estado terminal.Mais uma vez quando a mesquinhez se manifesta,o velho ditado bíblico toma contornos de verdade incontestável:”Quem sai aos seus,não degenera”.Encaixa-se como uma luva em um País chamado Brasil,e deixa todos os seus habitantes refém de um verdade tão deprimente e totalmente impregnada de maldade,pela perda do sentido da coletividade,razão ímpar de dar sentido a nossas vidas.

  41. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome