Xadrez do PMDB jogado ao mar

Atualizado às 9:20

Primeiro, alguns flashes da estrutura de poder no país e de suas derivações para o jogo político-partidário.

Desde a redemocratização, apenas dois partidos se tornaram alternativas efetivas de poder, o PSDB e o PT. Os demais – PFL/DEM e PMDB – sempre se comportaram como partidos secundários que ajudavam a construir a base parlamentar de apoio ao governo.

Mesmo com a perda de dimensão eleitoral, por falta de alternativas o PSDB se manteve o partido com melhores ligações com as estruturas máximas de poder: o poder econômico paulista, os grupos de mídia, o Judiciário e o Ministério Público (que, a partir da liberdade concedida pelos governos do PT, tornou-se poder de fato), além das relações internacionais.

O PMDB representa apenas poderes regionais e uma malta que emergiu do Brasil profundo no bojo das distorções criadas pelo sistema de coligações partidárias.

Quando se menciona um Alto Comando do processo do impeachment, pensa-se necessariamente em setores do PSDB ligados a FHC-Serra, na Procuradoria Geral da República, na Globo e em parte do Supremo Tribunal Federal (STF) influenciado por Gilmar Mendes.

Este é o eixo central.

Entendido esse ponto, ganham lógica informações aparentemente contraditórias – como a continuação dos vazamentos e as ameaças da Lava Jato sobre personagens que tiveram papel ativo na derrubada de Dilma, além da defenestração de Aécio Neves.

A Lava Jato não vai parar. Ou melhor, só irá parar quando bater no centro de poder do PSDB.

Entra-se agora na segunda fase do jogo, que consiste em impedir a volta de Dilma e, ao mesmo tempo, jogar ao mar as lideranças do PMDB que participaram do golpe.

Os fatores condicionantes do jogo político

Primeiro, vamos a um balanço dos fatores que condicionarão os cenários políticos:

Fator 1 – Derretimento da legitimidade do governo interino.

A cada dia que passa mais se amplia a perda de legitimidade. Longe de refletir a inexperiência inicial de um governo novo, a sucessão de desastres políticos mostra a prepotência de uma horda de bárbaros que ainda não entendeu o tamanho do país.

Fator 2 – O derretimento da banda peemedebista do grupo de poder.

Parte relevante do desgaste se deve aos Ministros suspeitos do governo interino. Sem fatos novos, não haverá como o governo interino conviver com a narrativa cada vez mais sólida de que o golpe visou blindar o grupo de poder. O fato das investigações estarem centradas nessa banda apenas é elemento central do nosso cenário final.

Leia também:  Dodge chama procuradores de Curitiba para discutir vazamentos da Lava Jato

Fator 3 – Dificuldades no Legislativo com a base política heterogênea.

Como resultado da não conquista da credibilidade, haverá dificuldades de monta em aprovar o pacote de maldades planejado pelo Ministro da Fazenda Henrique Meirelles. No início, parecia que as resistências seriam contra a mudança de regras na Previdência. Mais rapidamente do que o previsto, está caindo a ficha do Congresso sobre os impactos da desvinculação orçamentária sobre saúde e educação.

A retirada dos subsídios para as faixas de baixíssima renda do MCMV (Minha Casa Minha Vida) foi uma sinalização eloquente da falta de mínimo verniz político e social da área econômica do governo interino. Por dez mil réis escancaram a bocarra anti-social em cima do setor mais vulnerável da sociedade.

Fator 4 – A ofensiva seletiva da Lava Jato e da mídia, com o uso de gravações.

Está nítido que o pacto para conter a Lava Jato passa pelo Ministro Gilmar Mendes. Mas o leão não se contentou com a carne fresca dos petistas. O próximo prato será das lideranças peemedebistas e de parlamentares da base.

(Nos comentários, o leitor que assina Onkoto traz uma ótima análise para completar o entendimento sobre o momento)

Fator 5 – a inviabilização de Aécio Neves.

Aécio Neves nunca teve papel relevante junto ao Alto Comando. Faltavam-lhe fôlego, envergadura política, capacidade de análise e de formulação. Seu trunfo era o recall das eleições de 2014. As sucessivas menções em delações e a inacreditável blindagem penal garantida por Gilmar Mendes, na prática inviabilizaram sua candidatura pela exposição de seu passado político – mesmo que seja penalmente blindado. Tornou-se dispensável. Esse fato tem desdobramentos nas estratégias do Alto Comando, na medida em que deixa o PSDB sem candidato competitivo para novas eleições.

Fator 6 – a possibilidade de reversão do impeachment.

A imagem de Dilma Rousseff está passando pelo estágio do terceiro perdão. Trata-se de um fenômeno característico do mercado de opinião, a reavaliação dos ídolos caídos. No poder, o estilo seco de Dilma era lido como arrogância; apeada do poder por um golpe, passa a ser visto como altivez. Dilma ainda é beneficiada pela comparação com o esquema de poder que ascendeu. Mas não lhe garante a governabilidade, caso caia o impeachment.

Leia também:  Dodge pede aos procuradores da Lava Jato avaliação do impacto dos vazamentos

As alternativas políticas

Os cenários abaixo não se baseiam em informações objetivas, mas em indícios e deduções. Logo, precisam ser relativizados.

No momento, vê-se duas estratégias políticas sendo esboçadas, ainda de forma embrionária.

Alternativa 1 – adiamento das eleições de 2018 e ampliação do golpe com o judiciário

Junte e consolide as seguintes informações que apareceram esparsamente na mídia.=

1. Reunião de Temer com o general Sérgio Etchegoyen, Gabinete de Relações Institucionais (GSI) e os três comandantes militares.

Até agora não foi dada uma explicação lógica para esse encontro. 

2. Entrevista do novo Ministro da Defesa desqualificando o Congresso e defendendo a Lava Jato até “as últimas consequências”.

É a retórica que se enquadra nessa noção de golpe parlamentar com aval do judiciário (http://goo.gl/CZJd6w).

Na entrevista, Raul Jungman (PPS, partido auxiliar do PSDB) diz que “o Congresso chegou no fundo do poço”. O que explica um Ministro de um governo que diz depender desesperadamente do Congresso desancar dessa forma o parlamento?

No decorrer da entrevista, aparece uma lógica clara. Jungman enfatiza a posição legalista das Forças Armadas e diz que nada pode ser fora da Constituição.

Na sequência, define a Constituição de 1988 como “a Constituição do Ministério Público, das prerrogativas do Poder Judiciário e de um aumento inédito da autonomia da Polícia Federal em relação à política”.

Diz que qualquer crise tem que passar pelo Congresso. Mas espera que a Lava Jato faça uma limpeza na casa para que a “parcela regeneradora” do Congresso ajude o presidente interino a tirar o país da crise.

Alguma dúvida? Sendo tudo feito dentro da lei, inclusive a inabilitação ou até prisão de Lula, caberá às Forças Armadas garantir a ordem e a Constituição.

3. Encontro noturno entre Gilmar Mendes e Michel Temer

Não há tema administrativo que justifique encontros noturnos, em fins de semana e fora do ambiente de trabalho e do regiustro na agenda, entre um presidente interino, provável réu de processos no STF, e um Ministro do Supremo que, nos últimos dias, empenhou-se em bloquear investigações da Lava Jato, justamente contra Aécio Neves.

Leia também:  Um salto no escuro, por Izaías Almada

Até agora, Gilmar tem sido o goleiro para impedir qualquer gol da Lava Jato que fuja do script por ele defendido.

Esse conjunto de evidências amplia a possibilidade de uma estratégia visando permitir ao PSDB assumir o governo Temer – pelo afastamento da banda do PMDB – e trabalhar pelo adiamento das eleições de 2018.

Ou – o que é mais provável – pela implantação do chamado semiparlamentarismo, como lembrou o comentarista PauloBr.

Alternativa 2 – eleições gerais

Em função do desastre inicial do governo Temer, das ousadias antissociais, do atrevimento em promover mudanças constitucionais sendo apenas interino, e da recuperação da popularidade de Dilma, há a possibilidade do impeachment ser derrubado na votação final do Senado.

O maior empecilho é a constatação de que Dilma poderá recobrar o cargo, mas é quase impossível que recobre as condições de governabilidade. Ela não tem interlocução mínima com nenhum dos centros de poder, nem com o STF, com o MPF, com setores empresariais e com o Congresso.

Dificilmente ela conseguiria produzir um cenário minimamente factível sobre o que seria seu governo, em caso de queda do impeachment.

A única maneira de derrotar o golpe seria levantar a bandeira das eleições gerais. Não se trata de desejo, proselitismo, mas de avaliação do cenário político e das possibilidades de Dilma.

Seria a maneira mais objetiva de desarmar o golpe e permitir uma retomada do jogo político, com a decisão voltando novamente para os eleitores, já que até o Supremo parece ter se esquecido do princípio básico da Constituição de que “todo poder emana do povo e em seu nome será exercido”. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

147 comentários

  1. Putz…

     histórico do PMDB na administração pública é tétrico!…Onde meteram a mão é uma escumlhambação!…

     

    Eles quebraram São Paulo – roubando, claro, – na Era Quércia/Fleury; o Pará, com Jáder Barbalho e agora o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul!. Podres!…

  2. Luta vai ser longa

    A última fala da Dilma como chefe presidenta em exércicio foi muito assertiva, talvez a mais assertiva de suas falas. Gostaria que tivesse essa lucidez e clareza em outros momentos. Bem desejos sobre o passado não fazem a história. O central a luta pela democracia será uma luta longa e dura. O bloco de forças que tomou de assalto o poder abriu mão do jogo democrático e de qualquer forma de legitimação social. Pode-se esperar de tudo.

    Serenidade, clareza e disposição para resistir e persistir nessa luta serão cobrados de nossa geração. O Brasil é f… de tempos em tempos é preciso voltar e defender o obvio, o elementar como a democracia.

    Esse blog é uma boa referrência nessa horas, não costuma sucumbir as paixões, ajuda a pensar e compreender a batalha a ser travada no curto, médio e longo prazo.

  3. As ditas “Instituições” em
    As ditas “Instituições” em especial o STF/MPF/PGU estão em estado de PUTREFAÇÃO…os Meliantes de Toga não têm mais pudor…Fazem as Piores Declarações contra o estado de direito, contra os princípios constitucionais que eles foram escolhidos como “Guardiães”
    Ficou Nítido/Cristalino o DOLO Conspiratório desses Sujeitos…
    O que resta é o sentimento de Desilusão Total com a Instituição que deveria ser “A última trincheira da Democracia” e se transformou no QG ou “Bunker do GOLPE…
    O Contra Ataque:
    1°Escracho Geral aos MINISTROS DO SUPREMO com exceção do Marco Aurélio Melo (Apesar de fazer parte da ” instituição ” por mais de 3 vezes se manifestou contrário ao pacote GOLPISTA que estava sendo colocado… Foi contra a Prisão do Lula no Aeroporto de Congonhas…se posicionou publicamente contra a Delação Premiada com o sujeito preso considerando até mesmo como uma espécie de tortura…)
    2° BOICOTE TOTAL AS MARCAS PATROCINADORES DA TV GOLPE…isso geraria um impacto imediato nas contas da TV GOLPE…
    3°Esculacho nos Repórteres da TV GOLPE e em todos os do PIG…
    4°Ocupacao e Paralização das escolas estaduais/ETCs/FATECs/Universidades Públicas/
    5° Greve Geral assim como está havendo na França que já dura mais de semana…

    Isso iria despertar uma onda de fúria que esse governo GOLPISTA ilegítimo não iria conseguir deter…
    É isso…

  4. Alternativa 2

    Não tenho dúvidas de que a alternativa 2 seja a melhor para o país. Minha dúvida é: como viabilizar isso? Um plebiscito? O plebiscito teria o poder legal de encerrar mandatos de deputados e senadores, além do de presidente e criar novas eleições? Isso cria um novo xadrez. O xadrez das eleições gerais.

  5. Mas… mas… mas

    Mas, novas eleições com o Lula ainda podendo competir?

     

    Um dos assuntos da conversa entre Temer e Gilmar pode ter sido este: acelerar a prisão ou inabilitação do Lula para possibilitar a chamada de novas eleições. Se tentarem desabilitar o Lula depois de a campanha já ter começado e as pesquisas o apontarem como forte competidor, a situação pode ficar pior do que agora, com aí sim o povo se revoltando contra todo o sistema e armações.

     

    Nesse meio tempo, o Temer e pessoal dele roubarão o que lhes for possível. Não vai ter PGR, PF ou CGU para brecá-los.

     

    Um “mandato tampão” do Lula talvez não lhe seja arriscado. Bastaria ele equilibrar as coisas, o sistema, para entregar o país ao próximo governante se virar. Fazendo um trabalho mediano, consegue emplacar um sucessor.

     

    As manifestações de hoje em frente ao STF, com direito a pixação e tudo, e a opinião pública caindo em cima do STF por conta dos áudios, emparedaram o Gilmar dentro do STF. O cheiro do suor do povo chegou ao elitista olfato do judiciário Federal que, diferentemente dos demais poderes, não está acostumado a isso, a sair às ruas para ganhar votos e simpatia suadamente. É provável que os demais Ministros do STF agora assumam sua responsabilidade de impor limites ao correligionário do PSDB que se traveste com a Toga Suprema. Para tudo há um limite.

     

    Pesa também agora nos ombros dos demais Ministros do STF toda a expectativa e cobrança dos juízes e deesmbargadores estaduais. Esses agora já devem estar atemorizados pela escalada popular também contra o judiciário, provavelmente temem que tal movimento possa se alastrar pelos Estados. Lembrando que o judiciário de primeira instância está acostumado sim ao suor do povo e que é ali naquele ambiente em que se resolvem quase todas a contendar sa sociedade. Diferentemente do Executivo e Legislativo regionais, casas onde o povo principalmente  tem estreito relacionamento durante as eleições, casa onde se prima pelo consenso e camaradagem, no judiciário o relacionamento com o público é constante, além do que é um ambiente de richa e conflitos que exigem um rigor do magistrado que não pode ser questionado em seu empoderamento. Um derramamento da crise no STF para as instâncias regionais inferiores seria o caos.  

     

    Agora é esperar para ver o que acontece. Cabe ressaltar que finalmente o FHC conseguiu ser reconhecimento internacionalmente por algum grande feito. Agora vai passear pela Av. Foch sob o alarido de “GOLPISTA”.

     

     

  6. Zé Serra, aquele que atua nas sombras,,,gente do dem sic bem…

    Honduras teve Porfirio Lobo para limpar o golpe…aqui teremos Zé Serra…os EUA querem defenestrar o PMDB e empoderar (empoleirar) o Serra, nosso Porfiirio…e vamo que vamo…

    EUA reconhecem vitória de Porfírio Lobo

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1397993-5602,00-EUA+RECONHECEM+VITORIA+DE+PORFIRIO+LOBO+NAS+ELEICOES+DE+HONDURAS.html

    Tereza Cruvinel, via Pepe Escobar: Anatomia do golpe: as pegadas americanas

    http://www.brasil247.com/pt/blog/terezacruvinel/234933/Anatomia-do-golpe-as-pegadas-americanas.htm

  7. É incrivel a ingenuidade dos politicos da setima potencia

    OS GRAMPOS QUE JA REVELARAM A INOCENCIA DE LULA E DILMA, revelam agoram a do PMDB.

     

    Os fatidicos Grampos de Lula e Dilma mostravam dois credulos nas Instituicoes, esperando atitudes de cavalheiros de Janot e dos nefastos ministros do Supremo, ou ainda a declaracao ingenua de Lula em achar que as Olimpiadas seriam um bom palanque para Paes, e que isso lhe daria uma onda pra surfar, mostram que ambos enxergam a politica por uma velha otica, onde realizacoes, acordos, e palanques a sustentavam.

    Nao aprenderam nada com os Grampos da NSA, com as Jornadas de Junho, o Niilismo Anti-copa, a eficacia do odio e do escracho nas redes sociais como politica, o Julgamento Midiatico do Mensalao. Nao entendem nada dos rumos da nova politica que elevou Bolsonaro  e Trump a Gloria, nao sabem mas a subsecao /pol/ do forum 4chan se tornou o mais influente irradiador de opiniao politica deste seculo. Isso mesmo, um forum de anonimos, adolecentes, fans de games e quadrinhos, desajustados sociais que compartilham pornografia infantil.

    Revolucoes Coloridas? Unconvencional Wayfarer? Marketing Viral? Bombas semioticas? Cyber Armys? Seguranca de dados?8

    Como podem politicos de uma pretensa superpotencia nao enxergarem estas coisas?

     

    O PT tse demonstrou extremamente incompetente em nao enxergar as novas armas das guerra politica, sem elas pra manipular a opiniao publica jamais veriamos a ousadia do Alto Comando.

    Foram as Redes Sociais que abriram o Flanco, nao estariamos aqui se nao fosse o trabalho de PROFISSIONAIS atuando nestas redes nas tais Jornadas de Junho.  Uma Revolucao Colorida difusa e semiotica.

     

    MAS O PMDB CONSEGUE IR ALEM NA INGENUIDADE.

     

    JUCA É UM TOLO EM ACHAR QUE A LAVA A JATO ATINGIRIA O PSDB, O PMDB É MAIS TOLO AINDA EM NAO  REUNIR O SENADO E CASSAR O JANOT E O GILMAR.

    E ataca-los de toda forma possiveis, reunir seus filiados e cupinchas pra ganhar as narrativa nas redes Sociais.

    O mesmo PMBD que menosprezava o esforco do PT em tê-lo como aliado, será humilhado e escravizado pelo PSDB e pelo Alto Comando.  Correm o risco de cair em seus ombros a culpa pelo caos social e a repressao que surgirá do fracasso de um Governo ilegitimo e frouxo.

     

    QUANDO O PMDB VAI CONTRATACAR?

    O PT é resiliente e cercado de idealistas. O PMDB nao vai aguentar a Maquina de Guerra que agora se volta contra ele. E melhor nem pensar que sairao ilesos por terem Pedigree, Marcelo Odebrecht tinha e caiu em desgraca, OU O PMDB ANIQUILA O PSDB E O ALTO COMANDO DO GOLPE, OU É ANIQUILADO.

     

  8. Primeiro derrotar o Golpe

    Primeiro a Dilma deve ser restituída plenamente ao poder Executivo, pois é necessário derrotar o GOLPE.

    Em seguinda, a própria Presidente Dilma, num gesto de estadista em defesa do poder Soberano, decide por eleições neste ano.

    É fundamental derrotar os golpistas: são todos criminosos e inimigos do Estado Democrático de Direito. E é preciso ter força política para fazer as necessárias reformas Judiciária e Política.

    Dentro da crise existe a oportunidade de mudanças. Afinal, nossas instituições são comprovadamente uma Merda !!!

    Primeiro: Fora Temer.

    Depois: Diretas Já.

  9. Eleições Gerais?

    Significa congresso nacional: Câmaras alta e baixa. Certo ? 

    Sem alguns milhões de brasileiros e greves generalizadas nas ruas acho impossível.  

    Quando eu falo em milhões é pra cima de 1 milhão em cada capital por semana junto com a bandeira de reforma política.

    Acho que se chegar nesse ponto, virão/tentarão com a via parlamentarismo que o povão também não engolirá pois fácil derrubar essa alternativa.

    E não sei como ainda não apareceram os separatista pois é só o que falta pra chutar o pau do circo. 

    Ah, e sem $$$$ de campanha vai ser “lindo” de ver a mídia golpista trabalhando 25 horas por dia para o Psdb paulista.

    Como dizem na periferia ” o bagulho é louco, o processo é lento e o advogado é nóia mano”

     

     

     

     

     

     

     

  10. Nassif, vc diz que tem um

    Nassif, vc diz que tem um comando central que controla o golpe.

    Se esse comando quer destruir partidos e políticos, inclusive o Aécio, quem eles pretendem que governe o país.

    Não acredito que o golpe final será dado pelas FA, até porque, dizem,  tem mão dos USA por detrás do golpe. Não acredito hoje que os milicos se subordinariam aos gringos contra os interesses nacionais, por ex. o pré sal.

    Eleições gerais, com quais partidos e políticos, se todos estão envolvidos na lava jato.

    Não consigo ver hoje uma terceira via, viável, que seja aceita por todos. Principalmente pelos eleitores(maioria), PIG, judiciário e FAS.

    Está confuso o jogo.

    Eu ainda acredito que a Dilma reverta alguns votos no Senado e volte ao governo. Agora com o apoio da ala democrática do pais, da esquerda unida e principalmente com o apoio do povo, levo fé  ela consiga tocar o barco até o final do governo.

    • Quem manda?

      Essa é fácil, não importa. Porque o objetivo é que ninguém consiga mandar para ficar mais fácil passar reformas “sem pai” como a da previdência, privatização do pré-sal, da Petrobrás, dos Correios, BB e Caixa.

      Como LF bem colocou, o PT deu asas ao MP e a PF, entidades que assim como o judiciário, não sofrem escrutínio das urnas e se acham no direito de fazerem o que bem entendem sem prestar contas a ninguém, *nem a presidenta da república*!!!

      Nos EEUU, país que os golpistas amam, as FA são subordinadas ao poder do presidente. Na volta de Dilma ela poderia talvez decretar estado de defesa e fechar o congresso, o STF, prender os seres partidários do MP e PF, pois é fácil saber quem são (alo alo postagens em redes sociais!), mas ela faria isso? Acredito que por ter sido presa e torturada, não faria.

      Se Dilma não fizer uma limpa em sua volta, os problemas continuarão, ou abrirá espaço para um candidato a presidente aventureiro como Marina, o próprio inquisidor Moro, ou pior ainda, uma EC do parlamentarismo ignorando a decisão soberana do povo contra esse sistema, no plebiscito sobre o assunto.

      Pense na desgraça, parlamentarismo com José Serra (ou Cunha!) como primeiro ministro. Ninguém merece…

  11. Nassif,  concordo com você

    Nassif,  concordo com você que a melhor opção seria uma nova eleição presidencial .Dilma não tem interlocução  com qualquer canal, nem mesmo com os movimentos sociais. Ela própria se inviabilizou. Mas novas eleições seriam somente uma forma de protesto? Como você mesmo já afirmou, é impraticável pelo fato de ter que passar pelo Congresso e porque os partidos não teriam candidatos. O cenário  está imprevisível. Nos próximos dias é possível a queda d emais ministros senão do próprio Temer com alguma gravação nevando ao esfacelamento do governo
    No caso da queda de Temer, Maranhão assumiria ? Não tem que haver novas eleições para Presidente da Câmara ? Quamto tempo Maranhão pode ficar como interino ?

    • Quanto tempo

      Se Dilma e Temer forem impichados antes de metade do mandato (ou seja, até o fim do ano), o Presidente da Camara precisa convocar novas eleições em até 90 dias

      Se for depois da metade do mandato, eleições indiretas pelo congresso (é, esse que está aí)

      Ao meu ver vão esticar a corda de Dilma até o final de outubro (seis meses de 11 de maio será 11/11/16), para em seguida dar entrada no impichment de Temer, de forma a levar para a segunda metade do mandato e permitir a eleição indireta. E antes de 2018, uma EC do parlamentarismo.

       

  12. Acho que o Aécio está
    Acho que o Aécio está queimado mas não vejo ele como uma pessoa tão defenestrada assim.
    O Aécio é menino do Rio. A Globo é Rio.
    É não podemos esquecer quem comanda a CNI hoje.

    De qq forma a saída é mesmo eleições gerais.
    Uma dúvida: porque o STF sustenta tanto o Gilmar?
    Que poder absurdo é este que ele tem?

    Obrigado. E um abraço

  13. Eleições só se forem gerais
    Só aceito essa de eleições se forem para renovar o câmara e o senado também.
    Não dá para governar com esse congresso que está aí.
    Qualquer um que ganhe para presidente teria muitos problemas.

  14. o golpe dentro do golpe

    A armação do golpe fica exposta e queima nomes graúdos do Congresso, como Aécio, Renan, Jucá. > Junto com a opinião pública, alguns senadores mudam de ideia e Dilma volta. > TSE caça a chapa Dilma/Temer, mas só em 2017 > Eleições indiretas. > Com os nomes graúdos inviabilizados, sobra quem com grandes chances de se eleger? Dica: tem influência sobre o presidente do TSE e o jornal que está soltando as escutas.

  15. Boechato
    Nassif, semana passada o Boechato comentou na rádio que essa história de golpe midiático era bobagem, pq a mídia estava liberando os áudios contra o governo Temer.
    O que ele “esqueceu” é que a mídia não é só anti-PT, mas TUCANA também.
    Vão atacar até que sobrem só tucanos no ninho do jaburu.

  16. A Dilma tem que voltar, e a

    A Dilma tem que voltar, e a ala progressista para de mimimi e ajuda-la a terminar o seu mandato; eleições só se a ala podre do congresso aceitasse eleições gerias, como ninguem irá querer perder a boquinha, que a Dilma fique. O mp e seiu pgr e o judiciario cairam de podre e deram na vista, estão mal vistos tambem, já não enganam , haja vista a manifestação de domingo na frente do stf, e deveria aumentar va pressaõ em cima da turma, o povo deu muita liberdade enquanto a midia os apertou para defender seus interesse, a hora é do povo organizado dar um chega pra lá nessa turma e lembra-lo que todo poder emana do povo e por ele será exercido, inclusive o deles.

  17. Deixem o golpe avançar. Agora é revolução!

    Novas eleições presidenciais só servem para limpar o golpe ao legitimar um governo pró-americano que garantirá a boa vida dos rentistas.

    Se vencermos as eleições, o governo novo será tão inútil quanto o governo da Dilma.

    O presidente continuará refém do Congresso que não aprovará nem o orçamento e pode recriar o impeachment sem crime de responsabilidade. Até porque já seria algo consolidado. Não adianta o Ciro falar que faz e acontece. Esta bravata não comove os golpistas. Lula também não resolveria a situação: sua estratégia de dialogar com o PMDB apenas garantiria ser atacado todos os dias como aliado da quadrilha do PMDB… Quando precisar do Congresso para aprovar qualquer coisa, ele recusará. O presidente também não conseguirá deter a sublevação da classe média de procuradores e delegados muito bem pagos…

    A única esperança ao país é o golpe. Porque acontecendo o golpe já desmascarado como golpe e fazendo os golpistas o que se espera deles, não demorará para que o povo tenha consciência do circo no qual entrou como palhaço. Esse é o primeiro passo: deixar claro para todo mundo que é o “status quo” está nos palácios do governo roubando o povo e que não sairá sem que o povo lute. O efeito conscientizador do golpe será muito produtivo para a juventude, principalmente para a geração da virada do milênio que acredita que o PT é que domina completamente o poder desde que nasceram. 

    Lula e Dilma devem preocupar apenas com suas biografias. Não voltarão ao governo nesta república, mas devem ser os símbolos da resistência. Os acervos presidenciais podem ser vendidos para financiar os futuros think tanks da esquerda e a resistência. E para a segurança deles, devem pedir asilo político na Europa – Rússia inclusive. A riqueza deles pode ser um marketing ruim, mas em um cenário onde as empresas serão constrangidas a nem mesmo contratar funcionários de esquerda, é preciso uma fonte de recursos mínimos e independentes.

    Neste ponto é urgente pacificar uma pauta de movimentação popular de modo a permitir mesmo a participação dos coxinhas arrependidos… Um discurso dos extremos contra o centro de poder. Uma definição de mudanças concretas para estabelecer uma democracia popular e entregar o povo efetivamente ao povo.

    Mas lembrando que algumas medidas devem ser tomadas para impedir o pior cenário possível: guerra civil com intervenção americana. Isolar a massa dos coxinhas ao cinturão SC-PR-SP para que a maior parte dos militares em caso de intervenção não optem por eles. Um golpe financiado pela elite paulista, mais cedo ou mais tarde, irá promover prejuízos para o resto do país, de modo a unir até mesmo as autoridades locais. Há uma divisão histórica, econômica e racial que coincide com a divisão do país entre a hegemonia dos eleitores do PSDB e do PT: De Rio e Minas Gerais  para o Nordeste, os coxinhas não têm vez, mas precisam ser derrotados nas capitais do Centro-Oeste. E apesar do interior dos estados reacionários, as capitais São Paulo e Curitiba podem ser conquistadas pela esquerda. 

    O governo do consórcio MDB-PSDB irá desmoralizar-se sozinho, mas é preciso a população nas ruas para que a impressão de caos seja generalizada. Greve geral. Bloqueio de estradas. Sem trégua. Sem pacto. A insubordinação da classe média alcançará o povo e todos focados no verdadeiro inimigo significa a derrota inevitável deles. 

     

  18. Esta estória de eleições

    Esta estória de eleições gerais está parecendo a estória dos coxinhas de que tirando a presidenta legitimamente eleita com mais de 54 milhões de votos tudo se resolveria.Não resolveu.Piorou!

    Dentro do atual quadro político e,principalmente com as modificações feitas pelo bando do ocupante da cadeira da presidência da câmara afastado,que beneficiam sobremaneira os detentores das cadeiras na câmara e no senado,a situação em nada mudará.

    Não existe nenhuma hipótese de eleição em que o quadro políco se reverterá através do legislativo. Vamos lembrar: Todos os ocupantes do legisltivo e do executivo foram eleitos. Todos,sem exceção.Até aqueles que usurpam o poder mas que fizeram parte de uma chapa vencedora e os suplentes empossados.

    Qual a perspectiva de mudança com este quadro? Nenhuma!

    A única alternativa seria a eleição de uma liderança forte que pudesse lidar com esta horda incrustada na política brasileira e com modificações que transferissem maior poder as decisões diretas da população.

    Esta liderança,hoje,tem nome: Luiz Inácio Lula da Silva.

    Não tem ninguém melhor do que ele para andar neste lamaçal que é a política brasileira.

    O resto,com todo o respeito,é trocar seis por seis.

  19. Sem mexer no sistema eleitoral

    continuaremos renovando um congresso ruim por outro pior, com crise contínua de governabilidade e toma-lá-dá-cá, balcão de negócios, etc…

    Quando um Tiririca, Maluf, Enéas de 1 milhões de votos puxarem 10 meliantes cada para dentro do congresso, esse sistema não tem como se autodepurar.

    O sistema eleitoral tem sido um dos temas muito bem ocultos nesta crise, indicando que ele serve ao poder “de facto”.

     

     

  20. Xadrez de agenda positiva

    O jogo atual poderia também ser colocado noutra perspectiva, um xadrez bonito de se jogar, que não seja apenas aguardar jogadas do adversário, legitimar o golpe ou insistir em renuncia de Dilma e novas eleições..

    Vejamos:

    Judiciário

    Nestes próximos dias haverá um fato da maior importância, qual é a delimitação de ações pela parte de um governo estritamente interino, e ainda eleito com base num programa cuja titular ainda ostenta o cargo efetivo de Presidenta. Está nas mãos do Ministro Barbosa definir este assunto. Qualquer podada de assas ao Temer faria este governo ilegítimo perder força nas suas ações radicais no caminho neoliberal e, por tabela, fazer perder expectativa aos seus apoiadores do mercado. Não haveria ações “irreversíveis”.

    Lava Jato

    O relógio da lava-jato, embora sempre procurando pegar Lula, avança contra os golpistas e em favor de Dilma. Cunha, mais dia menos dia irá entrar no xilindró. Muitos caciques do PMDB, PP, PSD. PTB e outros políticos começarão a sofrer o rigor das investigações. Até o PSDB e o DEM já estão sentindo o fio da espada de Dâmocles no seu pescoço. As delações premiadas de Pedro Correia, do Delcídio, do Machado e, principalmente, a esperada eventual delação premiada do Eduardo Cunha (esta deverá entrar no livro dos recordes), delimitarão uma nova correlação de forças em ambas as câmaras, onde se espera um ganho do PT, tendo em vista que já foram os primeiros devassados.

    Impeachment

    Lewandowsky coloca ordem na comissão e a pergunta que não quer calar (há ou não há crime?) terá que ser respondida pelo STF, considerando que as ações atribuídas a Dilma foram cometidas em governos anteriores, pelo seu vice-presidente Temer, e pela grande maioria de governos estaduais e municipais. Ao tirar o crime do pedido de impeachment, vai ficar claro que a decisão do Senado seria apenas política e haverá alguns senadores que poderão mudar o voto. O povo fará pressão nas ruas e nas redes sociais, exaltando os avanços em favor da Dilma e, ainda, o aparecimento de corruptos pelo lado golpista, enfraquecendo a posição do impeachment.

    Eleições Municipais

    Chapas limpas e coerentes, com PT, PCdoB, PSOL, PSTU e PDT, com participação eventual de políticos que apoiaram Dilma nesses momentos difíceis. Ganhar o máximo de prefeituras, mas, mesmo poucas, que estas sejam representativas da nova união programática dos movimentos e partidos populares.

    A volta de Dilma

    Dilma volta levada pelos braços do povo. O congresso já não será tão hostil. Mesmo assim, junto com restabelecer medidas em relação a perdas de direitos retirados pelo Temer, terá que trabalhar em duas frentes: a) recuperação do emprego mediante programa radical de obras públicas com uso intensivo de mão de obra, e b) Deflagar um processo de reforma política abrangente, começando pela chamada de assembleia constituinte. Tudo antes de 2018.

    Esse é o nosso xadrez. Novas eleições só em 2018.

  21. Convescote militar
    Sabado, 28 de maio, pela manha, encontrei um comboio militar vindo do Sul de Minas, pela BR 267, em direçao a Juiz de Fora. O comboio continha varios veiculos pequenos, parecidos con jipes encapotados e alguns maiores, modelos SUV. Quando voltei no domingo, avistei um micro-onibus, aparentemente vazio. Nao sei se e comum este tipo de movimentaçao, pois ha muito tempo nao trafego pela 267, mas conhecendo o papel de Juiz de Fora no Golpe de 64, fiquei desconfiado.

  22. Nassif, no seu item 3, você

    Nassif, no seu item 3, você diz que não há assunto que justifique uma conversa entre um possível réu no STF e um Ministro do STF.

    Mas vamos lembrar que o Gilmar Mendez é PRESIDENTE DO TSE E O TEMER PRESIDENTE DO BRASIL E NESSE ANO TEREMOS ELEIÇÕES PARA PREFEITOS E VEREADORES.

    E outra, um presidente da república não pode ser processado por atos cometidos estranhos à sua função, assim o que ele fez ou deixou de fazer antes da sua posse não tem importância alguma e não pode ser motivo para um processo.

     

     

  23. Eleições Gerais no pior

    Eleições Gerais no pior momento possível para os Partidos Políticos? Ai surge o PSDB como Salvador da Pátria? Nem pensar, é golpe. Dilma ganhou Dilma leva. Chega de FHC, Serra, Aécio e Alckmin. Queremos uma verdadeira reforma politica, que todos do STF renunciem e que os Ministros Militares que garantiram o golpe vão pra casa sem soldo algum. Auditoria na divida pública interna é imprescindível, se até num restaurante a gente confere a conta…!!!

  24. Eleições Gerais no pior

    Eleições Gerais no pior momento possível para os Partidos Políticos? Ai surge o PSDB como Salvador da Pátria? Nem pensar, é golpe. Dilma ganhou Dilma leva. Chega de FHC, Serra, Aécio e Alckmin. Queremos uma verdadeira reforma politica, que todos do STF renunciem e que os Ministros Militares que garantiram o golpe vão pra casa sem soldo algum. Auditoria na divida pública interna é imprescindível, se até num restaurante a gente confere a conta…!!!

  25. Exercito

     O que me chamou a atenção é a questão dos militares, para eliminar o Lula das proximas eleicoes é preciso prende-lo, fazendo isso haverá revolta dos esquerditas, que não são poucos, nem a policia federal ou militar conseguirá conter a desordem a seguir, somente as Forças Armadas, então estão preparando a prisão do Lula.

  26. Sou contra  novas eleições.

    Sou contra  novas eleições. Vai dar poder a esses golpistas e qualquer fuzuê, convoca novamente eleições. Que é Raul Jungmar para falar que o congresso está no fundo do poço, sempre esteve. Jucá, Sarney, Maluf,  e aqueles que herdaram do pai, mendonça filho, sarney filho. Newton cardoso filho, espero que esses senhores pare de procriar.

  27. Nenhuma alternativa é melhor

    Nenhuma alternativa é melhor do que se aguentar o Temer até 2018.

    Voltar a Dilma é o caos total. É acender um fósforo para procurar um vazamento de gás. Combater um incendio com gasolina. Soltar um elefante numa loja de cristais. Apertar o botão de auto-destruição. Vai quebrar tudo e jogar o país no caos.

    Eleições gerais para a presidência e Congresso? Mais fácil um Aiatolá renegar o Islamismo e se tornar católico do que um congressista eleito renunciar ao seu mandato.

    Nassif, admita que a causa está perdida. Deixem o governo Dilma morrer em paz. Tudo tem um fim.

    Se tornem oposição ao governo Temer, mostre os erros, façam sugestões, mas não cometam o erro de querer derrubá-lo.

    Em 2018 tudo vai voltar ao normal. É só seguir a constituição e deixar a criança birrenta trancada no quarto até se acalmar.

     

     

  28. ELES APOSTAM NO PARLAMENTARISMO
    Nao sei por qual motivo Nassif, sempre tao atento, nao incluiu no seu “xadrez” a pregacao parlamentarista. Pra mim ta’ ficando a cada dia mais claro que nao se trata de adiar as eleicoes presidenciais de 2018: trata-se de tornar irrelevante o cargo de presidente.

    O que o exercicio do golpe vem exaustivamente mostrando e’ que, com a atracao de uns poucos procuradores e de uns poucos juizes, a Mafia das 4 Familias Donas da Midia consegue exercer forte controle sobre o parlamento, levando o congresso a tomar decisoes do jeito que ela quer, na direcao que ela quiser. Com a ajuda de meia duzia de procuradores e meia duzia de juizes consegue criar fatos, manipular informacoes e impor narrativas. Consegue mobilizar uma massa de manobra para ir ‘as ruas quando for preciso. E com isto poe o parlamento de joelhos, erguendo ou demolindo reputacoes de acordo com seus interesses.

    Fica a cada dia mais claro pra mim que e’ o parlamentarismo o alvo. Um sistema de governo totalmente sob o controle dessa Mafia.

    O presidencialismo e’ o obstaculo a ser removido. Nele a Mafia das 4 Familias Donas da Midia toma surra atras de surra eleitoral, perde todas em serie, simplesmente nao tem chance de futuro. Foi o que os ultimos 13 anos lhe ensinaram.

    No parlamentarismo essa Mafia da’ as cartas. Faz e desfaz maiorias parlamentares, monta e desmonta gabinetes so’ na base de manchetes explorando a acao daquela parte do MP e do Judiciario que ela enche de premios, contemplando vaidades.

    Entao o esforco da turma reunida no Instituto Milleninum me parece ser nao apenas derrubar o PT, mas levar o pais a um impasse politico intransponivel dentro do atual sistema presidencialista para, no bojo do aprofundamento de sua crise, forcar a mudanca da constituicao e a implantacao do parlamentarismo.

    Projeto no congresso pra isso ja’ tem.   

     

  29. Não é despropositada a tese

    Não é despropositada a tese do adiamento das eleições até um cenário em que a direita tenha um candidato competitivo e se sinta segura disputar eleição à presidência da república, como sabemos não existe meio golpe.

    A turma que usurpou o poder faz o estilo maçonaria em ação, trabalha na cúpula, são poucos e por isso tem ampla capacidade de articulação, todos sabemos quem são, o defeito da sua estratégia é imaginar que podem decidir os destinos do país sem consultar ninguém, sem justificar nada… a arrogância irá enterrá-los.

    Uma das heranças do PT é (pelos menos em tese) a participação de muitos atores nas decisões de estado: conselhos, associações, movimentos sociais, sindicatos, coletivos… essa é uma das razões de o golpe não ter vingado, a legitimidade que vem debaixo não existe. 

  30. Só agora que vocês se deram

    Só agora que vocês se deram conta de que o objetivo dos conspiradores é colocar o partido PSDB no comando custe o que custar? E reafirmo quantas vezes for preciso: Vocês estão correndo um sério risco de se tornarem uma ditadura novamente, e não vão conseguir evitar isso fingindo que a sua justiça funciona. Vocês não têm mais justiça, get over it!

    • Concordo.
      O objetivo sempre

      Concordo.

      O objetivo sempre foi tirar o PT e colocar o PSDB.

      No meio do caminho foram atropelados pelo PMDB que percebeu que eles seriam as próximas vítimas da lava jato. E, foram obrigados a dar o golpe para tentar se proteger.

      penso que a Dilma não volta e a lava jato agora deverá atuar em duas frentes: prender o Lula e inabilitá-lo e fazer com o PMDB o mesmo que fizeram com o PT.

      Nós já estamos dentro de uma ditadura e o judiciário derreteu. até mais do que o parlamento.

  31. A bala de prata de Dilma

    A bala de prata de Dilma contra Temer e todo o bando de retrógrados que estão no poder seria ela, antes do impeachment, ir em rede nacional e falar que o menos traumático seria eleger um novo presidente. E para isso bastava que o presidente e o vice renunciassem. Temer derreteria na hora, pois dúvido que ela iria entrar na história como o político que não permitiu o povo votar. Mas ela não usou a bala. Enfim, se Getúlio tivesse a habilidade política de Dilma, em 1954 ele não teria se matado e provavelmente acabaria sendo preso e o Brasil teria como presidente em 55 Carlos Lacerda, o corvo. A sorte de Dilma é que os inimigos dela, comparados aos de Getúlio e JK, são caricatos como o coringa George Romero, da série Batman[rs] 

  32. Dilma não abrirá mão de tentar governar

    Se o impeachment cair, Dilma não abrirá mão de tentar governar. Ela não tem o menor jeito de quem irá desistir. Se tivesse, nem teria se metido a tentar em a reeleição em 2014 – o que teria sido muito sensato de sua parte. Caindo o impeachment, ela lutará para governar. Será em vão, pois conhecemos as características de Dilma e do congresso. E viveremos problemas similares aos de 2014, 2015 e 2016 até que ela seja definitivamente afastada. Estamos longe de uma saída.

  33. As percepções e vontades

    As percepções e vontades políticas das sociedades brasileiras são muito influenciadas pelas práticas violentas físicas e psicológicas remanescentes do do golpe militar e ditadura ainda sem análise, reflexão e correção de condutas inaceitáveis e dos nazismos que ainda perduram nas classes gestoras, nas famílias e instituições, principalmente nas escolas, universidades, polícias, prefeituras, igrejas e imprensa.

    O culto à violência e os suscessos do Datena e outros programas semelhantes dos Bandeirantes, da Record, do SBT e da Globo são sinais claros de que nossas leituras do que queremos e aceitamos como sociedade é ainda muito próximo à barbárie. Por isso São Paulo elegeu Aloysio Nunes (com apoio massivo de professores da USP), Geraldo Alckmin e José Serra (65%). A reativação da idéia de Força Pública Paulista e o reforço da cutuação do 09 de julho, o modo de agir de todas as polícias (inclusive as dos governos minimamente progressistas como do PT), a repressão às opiniões minimamente livres (mesmo dentro das universidades e escolas) ainda matém um perfil ideológico favorável à derrubada de governos que aceitem pensar na taxação das grandes fortunas, na taxação da distribuição de lucros (zero de imposto) e com juros absurdamente altos levando ao maior gasto público de 400 bilhões ao ano.

    Gilberto Carvalho na Folha (página de opinião no dia do segundo turno de 2010) fez uma expressão que definiu muito bem a visão das elites brasileiras que prevalescem na ideia do “ponha-se no seu lugar”. Uma sociedade que ainda permanece com essa ideologia de alguém superior a determinar que lugar é o seu ainda tem muito que criar em termos de pensamentos e ações. Um estado que percebe a necessidade de casa própria para popoulação pobre é um avanço, mas ainda ser refém das doações de campanha e deixar as empreiteiras tomar conta dos projetos de casa popular ao invés do próprio cidadão fazer isso, é um atraso muito grande (ainda que seja muito melhor que PSDB, PMDB, e a amior parte dos partidos conservadores que até o Lula ajudou manter e crescer: vide o senador Aelton suplente do José de Alencar, e seus poderes da época e de agora como presidente do PR). O PMDB, os PR, PL e PSC da vida deram os 15,1% de votos que faltavam para Lula e Dilma chegarem ao poder. Sem isso também jamais seriam eleitos (e eles cobra um preço nojento que a mída ajuda esconder quando o governo é do PSDB).

    Quando nós conseguirmos sermos sociedades mais maduras em termos de pensamento e expressão, então teremos condição de fazer uma constituição que mude o hino nacional, que mude o nome para República Popular do Brasil. Infelizmente o presidente foi FHC e não o Florestan! Quando proclamamos a Res_Públique (conceito de coisa pública e sua extensão e domínio) e quando proclamamos a Indenpendência, continuamos dependentes. Mesmo a CF de 1988 manteve o direito dos rentistas ganharem muito mais dinheiro do que quem trabalha. O conceito e o valor do trabalho ainda é próximo da escravidão. Falta muito para avançar…. Quando a Maçonaria e o Rotary deu sinal verde para o golpe, então lembrei da proclamação da república!

    Por enquanto as práticas de violência física, psicológica e inclusive o silêncio ainda é muito forte.

    Mas isso vai mudar! Ah vai! A criação de universidades pelo governo federal foi a maoir diferença de todos governos anteriores. A outra mudança foi a grande quantidade de briquedotecas e creches públicas criadas. Só agora (na entrevista para Folha) vi a Dilma realmente defender a política de mátria educadora. Nós filhos da Mátria queremos sim um educação libertadora! FHC, Serra, Aécio, Alckim e a maior parte do PMDB querem criar uma nação sem controle das riquezas. Esses ganham para entregar nossas empresas, BB, CEF, universidades para as 5 grandes famílias do mundo. Serra quando se elegeu governador de SP, nada falou sobre ampliação da USP, UNESP ou Unicamp. Educação na cabeça destes senhorios resume à Escola Técnica. E as escolas técnicas são sim importantes, mas precisa ser crítica para ser criativa (a merenda é a criatividade)!

    A mudança virá! Ela será demorada, pois as universidades privadas de baixa qualidade ainda são maioria e dominam as mentes e grupos formadores de pensamento e conhecimento.

    Lutaremos por esta mudança! Não por outra!

    Este blog e outros similares ajudam muito nesse sentido!

     

    “Um índio descerá de uma estrela colorida, brilhante
    De uma estrela que virá numa velocidade estonteante
    E pousará no coração do hemisfério sul
    Na América, num claro instante
    Depois de exterminada a última nação indígena
    E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida
    Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas das tecnologias…..”

  34. Considerando indícios e deduções…

    Novas eleições é cenário quixotesco. Além de ser um golpe pois votei na Dilma para governar 4 anos, tal proposta nunca passaria no congresso.

    A continuar neste ritmo, a solução está clara: o golpe perde força no senado e Dilma volta.

    Terá, sim, total capacidade de governar. Seus índices de aceitação já se encontram em 33%. Sua aprovação estará mais alta ainda ao retornar. Voltará como heroína.

    Não podemose esquecer que este congresso é medroso. Que o STF é covarde e a PGR é sem carater, como disse Renan – motivo pelo qual continuará a caça ao Lula.

    O mundo inteiro está em crise. Não é só o Brasil.

    Dívida pública dos 10 maiores países do mundo é maior que a dívida brasileira. O Brasil possui em valores absolutos a quarta maior reserva do planeta perdendo apenas para China, Japão (com dívida púbica de 229% do PIB!!) e Rússia.

    Como o próprio Nassif á disse, a economia bateu no fundo. A volta de Dilma, além de promover políticas de emprego, coincidirá com a recuperação lenta e gradual da economia.

    E no fritar dos ovos, toda esta lambança da direita golpista nos trará muitas coisas boas:

    – fortalecimento dos movimentos sociais

    – política econômica keynesiana

    – enfraquecimento considerável dos partidos golpistas com a morte de lideranças como Aécio, Alckmin, FHC e Serra e destruição das estruturas de um presidencialismo fisiológico

    – profilaxia na formação do próximo congresso em 2018. Além da aprendizagem forçada do eleitor com o processo do golpe onde seus candidatos tiraram a máscara, teremos as primeiras eleições sem financiamento privado de campanha.

  35. Discordo quanto a chamar novas eleições

    Oi Nassif, como de costume o seu texto eh muito sobrio e embasado. No entanto, discordo da bandeira de novas eleicoes. Acho que seria uma capitulacao tremenda da Dilma. Segundo que, mesmo na remotissima possibilidade de ambas as camaras aprovarem novas eleicoes, que nao estao previstas constitucionalmente, serao eles mesmos a definir as regras do jogo. Do que adiantaria ter novas eleicoes, tendo como opcoes Marina, Bolsonaro e Aecio? Os golpistas nao vao abrir novas eleicoes pra deixar o queijo nas maos do Lula ou do Ciro… acho que temos que exigir a volta da Dilma, e continuar a queimar o governo Temer. A popularidade dela ta subindo, se continuar assim nas proximas semanas ela atinge a aprovacao dos eleitores de 2014, os 51 %. Principalmente em cima dos mais pobres. 

     

    Se a Dilma aproveita a oportunidade pra correr todo o Brasil junto com o Lula, acho que a correlacao de forcas na sociedade tende a mudar bastante. Mesmo que ela nao fique numa posicao confortavel, melhor do que o Temer esta hoje, com certeza ficara. Ateh pq se ela voltar, voltara fortalecida. Acho que o problema eh tentar imaginar um retorno imediato dela. Se fosse, digamos, amanha, voce teria razao Nassif. Mas muitas aguas ainda vao rolar

  36. Um contraponto
    É preciso se ter coragem para deixar o circo pegar fogo, e ficar nítido quem é incendiário.

    A mídia solidificou a imagem de que a baderna no país é culpa do “bolivariano”, MST do PT e por aí vai.

    Vários comentários aqui no blog identificaram que se o governo Dilma não fosse tão republicano, não cairia.

    A convocação de eleição apenas dará, de maneira falsa e consequentemente passageira, a imagem de normalidade.

    Qual seria o partido ou político que lideraria tal solução?

    Nenhum

    Este “Alto Comando do processo do impeachment, pensa-se necessariamente em setores do PSDB ligados a FHC-Serra, na Procuradoria Geral da República, na Globo e em parte do Supremo Tribunal Federal (STF) influenciado por Gilmar Mendes” brilhantemente identificado por Nassif, conseguiu, além de diminuir o único partido que poderia liderar o “pacto ” de classes, enfraquecer o último líder que temos, capaz de conduzir o país para uma saída saudável.

    Dentro do abismo criado pelo “alto comando do processo do impeachment”, novas eleições antecipadas e na atual fervura favorecerá personagens como Bolsonaro ( basta ver a Itália e Berlusconi).

    Dilma e o PT não devem endossar o golpe com a convocação antecipada de eleições.

    O menor prejuízo é permitir que Temer continue à deriva, que o barco irá naufragar em breve.

    Nesta condição Dilma voltará com certa força, para junto com Lula na Casa Civil , tentar resgatar um mínimo de ordem democrática rompida pelo grupo que Nassif identificou como
    “Alto Comando do processo do impeachment, pensa-se necessariamente em setores do PSDB ligados a FHC-Serra, na Procuradoria Geral da República, na Globo e em parte do Supremo Tribunal Federal (STF) influenciado por Gilmar Mendes.”

  37. A coisa se tornou

    A coisa se tornou insustentável quando Cunha assumiu a presidência da Camara. Sem Eduardo Cunha, Dilma formaria novo governo de coalizão até 2018. Se funcionou tão bem antes de Cunha, por que não depois? Ou o que querem mesmo é destruir o trabalismo para sempre?

  38.  
    Um novo AI-5 não salva o

     

    Um novo AI-5 não salva o golpe. 2016 não comporta um retorno ao fatídico 1968. Ou é Dilma ou eleições gerais.

  39. Polônio quer ser rei da Dinamarca
    Será que está pintando um Golpe parlamentarista, com Temer presidente (decorativo) e Serra 1o Ministro?

    Mais um estupro. Aí sim o Brasil afunda de vez.

  40. Se o impeachment for

    Se o impeachment for revertido no Senado, e creio que será, até pelo derretimento do governo usurpador, a alternativa 2 seria dourar o golpe. E mesmo que não fosse é de dificílima aplicabilidade, por questão de tempo, de convencimento político da medida, de mudança constitucional, etc..E nem a velhinha de Taubaté acredita que se Dilma voltar será a mesma. Ela é teimosa mas não obtusa. E também nem a velhinha  acredita que ela governará sem obstáculos, sem cometer mais qualquer erro, até 2018. Mas só revertendo o que o usurpador está fazendo, pacificará mais de meio Brasil e ganhará condições de chegar ao fim do mandato sem grandes fraturas. Muitos estão percebendo que é preferível um governo ruim mas legítimo do que um pior e usurpador.  E os “centros do poder”, PHDs em golpes, paradoxalmente não têm almas mas têm medo. Eles sabem muito bem que o golpe da 64 teve uma aprovação popular enorme, devido a manipulação possível na época. A  Marcha da Família, embora manipulada e dirigida por belas recatatadas do lar, teve como partícipes na sua maioria pessoas humildes. Hoje os golpistas são escrachados de Nova Iorque a Barbalha. Mulheres guerreiras se manifestam em frente a um STF cúmplice do golpe. Parece estar havendo manifestações de sustentação da Democracia, em diversos lugares, de uma forma lenta, gradual e segura, como dizia um certo militar a respeito de uma certa democracia. Seria eu o velhinho de Taubaté?

  41. Será preciso combinar tudo

    Será preciso combinar tudo isso com o povo, mas não com a parcela midiota do povo, e sim com este povo todo que tem saído às ruas e que ontem até derrubou cercas ao redor do stf. Eles são alguns milhares, nós somos milhões. Em 4 eleiçoes sucessivas derrotamos os paus mandados da casagrande. Basta que lideranças mostrem aos brasileiros esclarecidos e politizados o caminho a seguir que os derrotaremos também fora do terreno eleitoral. Mais ou menos como aconteceu na França do século XVIII.

  42. Uma variante no xadrez

    Uma variante a ser considerada é o golpe dentro do golpe. Comandado por Serra and his associates. Saem peemedebistas, entram tucanos. Faz-se a paz na imprensa e na Justiça. A lava-jato ganhará status de rainha da Inglaterra. Business as usual, mas a vaca será vendida e importaremos o leite até que a vaca fique doente, ocasião em que a recompraremos a preço de matriz campeã.

    • e o PSDB ganha a presidencia sem ter ganho a eleição

      Acho que o ciomando já percebeu que ficar na linha de frente é ficar na frente do paredão. Então creio que a possibilidade de um “governo interino” com Temer na presidencia e o PSDB nos ministérios é mais viável. 

  43. Montesquieu e Aristóteles, por favor
    O xadrez valoriza o noticiário. Quer alinhavar o sentido das notícias. Os primados em dividir para governar, ou as separações de esferas e compartimentos de poder em que, deste fracionamento surja a liquidez de ‘administrabilidade’, vem de Aristóteles e mais descritivamentente, em Montesquieu. Os fatos (ordenados ) políticos são: Temeroso ( o gabinete ), Temerário ( dar um impune espaço a uma cobra com Chirico, o MRE ), Temeridade ( a explicitação do que o Meirelles quer fazer ). Sem que o Temerário participe da Temeridade. Aí aparece o tal grampo coletivo, seletivo, midiáticos e homeopático. Enquanto o Chirico não der as cartas, tutelando o Mordomo do Mal, pode consultar militares, pode aviar acordo com João Plenário. Pode socorrer-se em outros núcleos de poder ( Montesquieu de novo ) que só deixa de fora os fundilhos de tanto se abaixar. Não se procura o golpe da exceção, assim como não se procurou o pacto. A procura é da legitimidade perdida.
    ( não podemos deixar de comentar o segundo grampo divulgado, o da raposa do Renan. Se Dilma estava indignada com um Levandoswski classista e reivindicatório, o que não dizer de um Plenário e João, marcando entrevista/audiência em horários que dão ares de conspiracionista
    amador. E Temer… bovinamente aceitando a carapuça ).
    Por outras palavras, golpista incompetente no institiucional consegue vender que seria golpista competente no extraordinário?

  44. Parece que o reinício do

    Parece que o reinício do governo Dilma não está mais restrito a fatores internos, como reatar com base aliada e outras providencias dentro de casa. Causou estranheza quando Lula assinou carta de intenções, mas…

  45. Se ela voltar

    eu suponho que uma das primeiríssimas medidas dela (e contando com forte apoio popular para isso) seria a decretação de um estado de emergência temporário, pelo qual toda e qualquer estabilidade em cargos públicos estaria suspensa.

    Em seguida o tal procurador geral da república seria “gentilmente convidado”  a fazer rapidamente uma limpeza ética em todos os poderes da república, com cassação imediata de mandatos e demais medidas correlatas. Não o aceitando, ele seria imediatamente substituído, talvez por alguém mais linha-dura ainda, doido para se consagrar como alguém que faz esse serviço de limpeza, para, posteriormente, pleitear postos mais altos perante o eleitor.

    Em questão de dias, uma grande quantidade de políticos iria dar no pé. Para isto, é altamente recomendável que eles adquiram uma segunda escova de dentes, pois irão precisá-la.

  46. Garantindo a conspiração e o golpe

    Estão é tentando garantir o golpe, anteriormente contado como certo.

    O crescimento da aceitação de Dilma, acendeu a luz vermelha no QG do golpe…

    Estão centrando fogo no Renan e PMDB, sem baixar o fogo no PT, para garantir a votação no Senado.

    O que vai acontecer se a curva de ascenção de Dilma bater nos 70%?

    Afinal, a votação está prevista somente para Agosto.

    Em política é uma eternidade…..

    Vão ter que correr o risco de prender o Lula e outras barbaridades……

     

     

     

     

     

     

     

  47. Há apenas pois partidos que

    Há apenas dois partidos que disputam poder central porque, desde Vargas, há somente dois projetos em disputa:

    Desenvolvimentista, includente e soberano X Modernizante, excludente e dependente.

    Prova disso é que Marina (Rede) defende o primeiro e Ciro (hoje PDT) o segundo. Por isso também, Brizola (PDT) apoiava ou coligava com Lula (PT). E por isso também FHC (PSBD) quase foi ministro de Collor (PRN, na época) e depois foi ministro do Itamar (PMDB), para depois ser alçado a presidente.

    Os dois partidos PT e PSDB tem clareza, massa crítica e inteligência (intelectuais orgânicos) para defender cada um o seu projeto. 

    A grande diferença entre PT e PSDB é que o Dirceu está preso, o Lula quase a Dilma foi cassada e o FHC (Brasif) na Mídia toda semana e o Serra (Privataria) Ministro. Ah, o Aécio (Liechtenstein) tá curtindo uma praia no Rio.

    Diferentes projetos, distinas recompensas.

    Ah, o Vargas teve que dar um tiro no peito para defender seu projeto. O JK quase foi cassado e até bem pouco tempo era conhecido como corrupto (que fundou Brasília e afundou o Brasil). Jango foi obrigado a correr para o Uruguai para não ser preso.

    A maior corrupção no Brasil é lutar por um desenvolvimento includente e soberano. É contra essa “corrupção” que a PF, o MPF e o Judiciário lutam ferozmente (apoiados pela grande Mídia, que desde Chateaubriand cumpre esse importante papel de arauta de uma  modernização excludente e dependente).

    Concordo que a chance de não ter eleição em 2018 é grande. E não será fácil dar um “golpe” no Golpe (revertendo a votação no Senado ou com novas eleições), para retomar o antigo projeto que foi vitorioso nas urnas e hoje foi derrotado. 

  48. Sei não. Um recondução de

    Sei não. Um recondução de Dilma aconteceria em novo cenário, com as peças do xadrez recolocadas:

    Congresso: como não haverá mais votação na Câmara, poderíamos prescindir do fisiologismo. :Um novo ministério poderia ser composto por notáveis, com um carismático titular na Fazenda, que, a exemplo de Mereilles, deveria assumir um forte protagonismo, compensando a falta de liderança da Dilma. No congresso a formação de uma frente transversal de desenvolvimentistas e parlamentares comprometidos com a ética. Frente baseada em um programa de governo, respaldado por governadores e prefeitos. A vantagem do processo político em curso, é que está ficando mais claro quem é quem, onde estão os quadros, os líderes, os políticos com decência. Os minstros fiéis e competentes, e que são lideranças reconhecidas, Kátia Abreu, Armando Monteiro, seriam reconduzidos.

    Núclio de poder econômico: não seria difícil reconstruir pontes. A votação do déficit do Temer viabiliza o governo no curto prazo. Uma perspectiva de redução de juros (selic e dos bancos estatais), renegociação de dívidas, um projeto de estabilização do câmbio (em um patamar competitivo) e relançamento de obras de governo, é atrativo para qualquer grupo econômico. 

    Corporações no interior do Estado (procuradores, etc.): algo a ser trabalhado por quem conhece por dentro os grupos. Um bom ministro da Justiça, do tipo de Eugênio Aragão, já ajuda muito.

    Mídia: sem chance de acordo. Somente um projeto alternativo de comunicação daria conta do papel desestabilizador da mídia. Sabendo dessa dificuldade, é essencial que um novo governo, todos os ministros e secretários, estejam comprometidos com a comunicação, muita coisa neste campo (divulgação de investimentos do governo, por exemplo) não era feito.

    Fator essencial nisso tudo é a mobilização popular. Um novo governo teria que dar maior protagonismo à sociedade civil. Os partidos políticos, inclusive o PT, teriam que recuar, abrindo mão da visibilidade.O arco contra o golpe se amplia a cada dia. Ainda assim, é necessario atrair mais grupos, igrejas, por exemplo. 

    • O mais importante do que você

      O mais importante do que você disse, por isso vou repetir:

      “Fator essencial nisso tudo é a mobilização popular. Um novo governo teria que dar maior protagonismo à sociedade civil. Os partidos políticos, inclusive o PT, teriam que recuar, abrindo mão da visibilidade.O arco contra o golpe se amplia a cada dia. Ainda assim, é necessario atrair mais grupos, igrejas, por exemplo.”

      Saber dialogar com a sociedade organizada, esclarescer, ouvir, aprender, trocar idéias e incentivar novas lideranças é IMPRESCINDÍVEL para o Brasil sair do fundo do poço. Não percam este momento! Esta é a oportunidade de ouro que veio com a crise, aglutinem o que estava difuso em 2013, antes que alguém o faça primeiro. As legendas partidárias, você pode jogar no lixo.

  49. Voto pela alternativa 1.
    O

    Voto pela alternativa 1.

    O Golpe está dado e fim de papo. A Dilma não voltará de maneira nenhuma. A esta hora os golpistas devem estar a ameaçar os senadores reticentes e, se na perpetração final do golpe for preciso massacrar a população não terão nenhum escrúpulo em fazê-lo.

    Talvez a olimpíada seja a salvação(do massacre) enquanto os correspondetes estrangeiros estiverem por aqui. Fariam isto diante da globo que esconderia tudo mas não poderão fazer diante da imprensa internacional.

    Constatar a participação das forças armadas na perpetração do golpe muito me entristece porque dá a certeza de que somos uma porcaria de país, uma república de bananas dos bananas. Terceiro mundo mesmo.

    Constatar que não temos poder judiciário, aquele que deveria ser a última trincheira da cidadania e do estado de direito também é muito frustrante, para não dizer trágico.

    Tenho a crença que a ditadura de 64/85 atrasou o país uns cinquenta anos e acreditei que estaríamos livres desta ameaça. Infelizmente vejo que não aprendemos NADA nos útimos 50 anos porque estamos no limiar de uma nova ditadura. Penso que esta será até pior do que aquela porque o judiciário poderá utilizar os novos métodos desenvolvidos pela república do paraná para constranger os reticentes com o golpe. Já começaram a ameaçar as vozes que dão uma narrativa diferente daquela da imprensa empresarial e golpista.

    Por enquanto ameaçam os bolsos mas logo alí poderão ameaçar a liberdade. Afinal, as masmorras moristicas estão aí para isto mesmo.

    Também antevejo novo atraso de uns cinquenta anos no progresso deste país.

    No início do primeiro governo Dilma acreditava que o Brasil finalmente trilharia a caminho do progresso econômico e social. Agora, apenas cinco anos depois, começo a acreditar que nunca chegaremos lá.

     

     

  50. O golpe foi gestado dentro da

    O golpe foi gestado dentro da elite para seu braço politico que hoje é o PSDB!

    Como estas figuras são “conselheiros informais” para embaixadores dos EUA, conversa vai, conversa vem, os EUA que bobos NÃO TÊM NADA, oferecem SUPORTE A TUDO!

    É impossível acreditar que uma pessoas como Aluisio Nunes seja SEDUZIDO por propostas golpistas vinda dos EUA!

    Os fatos que estão acontecendo provam isso!

    Imaginou-se que seria FÁCIL TIRAR A DILMA E QUE ELA SERIA ENCONTRADA COM A BOCA NA BUTIJA DENTRO DA LAVA-JATO!

    Não esperavam o surgimento de figura tão controversa como Eduardo Cunha!

    Sem o cunha não heveria impeachment!

    Essa foi a mudança de rota que garantiu o PMDB dentro do governo e o PSDB, apesar de ser o PAI do golpe foi a reboque, não contavam com a traição do Temer e fato da Dilma não estar na Lava Jato!

    Isto prova que os pais do golpe não têm o controle sobre tudo e os EUA menos ainda…

    Mas, os EUA estão ai sempre para pegar um rebarba!

    O PMDB que sempre esteve no governo como suporte, teve acesso a todas as portas que estão sendo abertas pela lava-jato!

    E como a imprensa se preparava para pegar a Dilma, a traição de temer garante sobrevida a todos que num passe de mágica abandonaram o governo, DANDO UM GOLPE TAMBEM NOS GOLPISTAS INICIAIS, que era o PSDB!

    Feito acordo, parece que sombra de 64 volta contra os golpistas, que esperavam que os militares lhes entregassem o poder…

    E parece que Temer, ainda que sem idade para concorrer o repasse a um aliado da primeira hora, que poderia ser o cunha!

    O que se trama hoje é a retirada do PT do pleito de 2018 e ai o gilmar e janot podem cumprir tal missão 

  51. Narrativa quebrada de um golpe em andamento

    Nassif,

    repetindo alguem deste blog, voce precisa compilar estes textos do Xadrex e disponibilizar ao publico, que nem no dossie da Veja. Colocando os textos numa ‘timeline’ dara’ um excelente estudo.

    Posso estar sendo pollyana, mas ainda acho que o objetivo subjacente a todo este movimento seja o de “limpar” a politica partidaria do Brasil. Explico.

    Acredito que o movimento dos jovens turcos do MPF em Curitiba seja movido por um messianismo/sebastianismo de querer limpar do quadro politico nacional os maus politicos. E eles encontraram no PGR o mentor ideal. Me parece que os procuradores e o PGR, embora alinhados, tenham agendas distintas.

    Veja o caso do garoto propaganda dos procuradores. Seu discurso, atitudes e acoes demostram um claro objetivo de limpeza etica, e mais, ele acredita estar fazendo a coisa certa. Sende ele protestante, separo aqui dos (neo)evangelicos, de uma denominacao caracterizada como protestantes-historicos, suas crencas e sua etica pessoais estao em sintonia com suas acoes como agente publico.

    Ja’ o PGR deve ter ancontrado nesta turma os agentes perfeitos para a sua agenda pessoal, mas nao concorda plenamente com a extensao da limpeza. Os procuradores pensam em limpar tudo, o PGR, nao, ele tem ja’ estabelecida claramente uma fronteira de atuacao.

    Pepe Escobar fala da cooperacao da inteligencia americana neste processo, e afirma que apenas pelo doleiro Youssef nao se teria chegado aa Petrobras. A cooperacao americana tem dois vetores, um o PGR e outro o juiz Moro. E’ muita informacao qualificada que possa ter sido obtida pela PF do Parana’, ou mesmo do Brasil inteiro. 

     A PF entra porque nao temos outra agencia para coletar informacoes, investigar e prender. Ela veio a reboque de tudo isso, e e’ tao incompetente que nao consegue sequer espionar seus proprios colegas num processo de eleicao interna. Seus dispositivos de escuta, ou bugs, sao tao precarios que uns encontram as pegadas dos outros DPFs. Com a aparente melhora na obtencao de informacao, eles certamente receberam dispositivos melhores e/ou informacoes coletadas la’ fora.

    Por que a PFPR? Eles sempre foram anti-PT, talvez devido ao caso Banestado acobertado por todos atores politicos no comeco dos anos 2000, e que frustou este pessoal em particular, e o resto da PF de maneira mais geral e difusa.

    Para fechar este quadro, a Lava Jato, temos a triade MPF-PF-Moro. Ai entra o braco da justica para legalizar e reforcar as acoes dos outros dois grupos. Nao fosse o arbitrio do juiz Moro, passando por cima da lei sempre que necessario, e nao sendo repreendido pelas instancias de controle, CNJ/MJ/STJ/STF, estas acoes nao teriam chegando ao ponto em que se encontram hoje. Basta lembrar que as investigacoes dos grampos internos na PRPF nunca deram em nada, foram contidas dentro da PF, nos orgaos de controle e na Justica.

    Por que a justica do PR e o Juiz Moro? porque ele parece deslumbrado com o modelo americano de justica, tem admiracao pelos EUA e tem participado de diversos cursos/seminarios nos EUA. Ainda segundo Pepe Esconbar, ele seria considerado um ‘asset’ pelos  EUA. Alem do que, ele tem uma particular veneracao pela operacao Mani Puliti, que ele parece conhecer apenas pelos livros editados nos EUA e nao tem um visao mais ampla dos aspectos sociais e politicos que esta operacao provocou na Italia. Em terceiro lugar, por que ele foi o magistrado do inquerito Banestado. Todo seu trabalho na epoca nao rendeu quase nada (se tinha alguma coisa, se perdeu no acobertamento), levou a condenacao quase simbolica do delator Youssef (olha ele de novo) e deve ter produzido uma baita frustacao. Pode ter sido o vetor inicial da operacao, recebendo informacoes privilegiadas dos EUA e re-encontrado o mesmo procurador do passado. So que agora existe um procurador mais atuante, independente do passado e com um fervor quase messianico. Nao podemos esquecer que o procurador original, e que agora ficou em segundo plano, agiu em interesse proprio no caso Banestado, provocou rusgas com a PF, e protagonizou um mini-escandalo em Nova Iorque.

    Por isso tudo, acredito em tres vetores distintos, com agendas proprias, que se somam (vetorialmente) na operacao LJ. Ate’ quando estarao juntos? Boa pergunta. Veja que ja’ aconteceu algumas rusgas entre eles tres. O pessoal do PR, juiz e MP, sabem muito bem das falcatruas passadas dos outros partidos alem do PT, e eu pollyanamente acredito que eles querem acabar com todos eles. E tambem acredito que o PGR assim deseja, mas ate’ um certo limite que preserve parte do PSDB. Os outros? que sejam lancados ao mar.

    O que se pode esperar? 1) qual o limite a ser imposto pelo PGR? Curitiba vai se contentar com esta limitacao? ate quando o grupo MPPR (eles nao se destacam muito individualmente) vai suportar o ego do juiz? E a PFPR, com seus DPFs e mini-egos corporativos?

    Fechando (caramba, ficou longo o post), a estrategia aparente era pegar primeiramente o PT e alavancar a opiniao publica, incluir o PP (muito corrompido e dentro da base do PT), remover/afastar a Presidente Dilma. Em segundo momento, minar o PMDB, este ainda mais sujo que o PP, e facilmente derrubado. (acho que eles todos nao contavam com tanta incompentencia dos caciques pmdbistas). Depois… aqui acho que eles se dividem, com parte querendo avancar sobre o PSDB e limpar tudo, e outra parte blindando estes. Mas como a historia ainda esta’ em andamento, nao da’ pra escrever o que nao aconteceu.

    Era isso …

    Onkoto

    • Despotismo “esclarecido” = tirania

      Em resumo, o país está nas mãos de conspiradores auto-investidos Eleitos de Deus para “limpar” a política; uma camarilha de tiranos que se acreditam déspotas esclarecidos. 

      Falta definir quem eles designarão para o papel de Grande Inquisidor.

      Tolerariam Marina Silva? Ela é queridinha dos gringos e dos moralistas da classe média tupiniquim; afinada com o rentismo; e dotada de uma legitimação “verde”  para a entrega da Petrobras às petroleiras americanas (petróleo é coisa “suja”, bacana é catavento e energia solar!)

      O problema talvez seja o profundo e visceral machismo dessa gangue de conspiradores. Marina é mulher, “raça”  que eles preferem confinada ao espaço doméstico.

      Se pudessem, anexariam  o Brasil aos EUA, na condição de protetorado, quintal ou neo-colônia. Acreditam fervorosamente na superioridade moral, jurídica, econômica e cultural dos americanos. Aceitariam de bom grado o papel de capachos dos gringos (já aceitaram, aliás).

    • pronkovô

      assim como os cruzados messiânicos de Curitiba consistem tão somente no braço operacional do PGR, a serviço de uma sanitização seletiva do Congresso, o próprio PGR não é a cabeça pensante formuladora e no comando da demolição controlada em curso, visando abrir espaço para um projeto muito além de um simples golpe de Estado.

      é um novo e total sistema de poder que se ergue do colapso institucional provocado pela Lava Jato.

      a força tarefa salvacionista da Lava Jato está piamente convicta que a corrupção advém dos pecados dos ímpios. será pela completa purgação do sistema político que uma nova e pura casta dirigente ascenderá ao poder. o fundamentalismo religioso, de mãos dadas com o conservadorismo puritano, tem nas forças do livre mercado e nos sagrados valores da ética protestante o caminho para a libertação do Brasil dos males da corrupção e do esquerdismo.

      a agenda oculta do PGR obedece ao projeto de total integração do Brasil a nova ordem da Tirania Financeira global. padecendo cronicamente de uma crise econômica sem qualquer perspectiva de superação no curto prazo, e sem mais dispor de seu tradicional recurso da destruição criativa através de conflitos bélicos mundiais – pois desembocariam na utilização de armas de destruição em massa – o núcleo central do capitalismo pretende como solução a recolonização de todo o planeta, através de uma brutal e rápida espoliação da riqueza das nações.

      nenhum dos agentes visíveis atuando na crise brasileira tem papel dirigente no processo.

      além disto, com o imenso volume de provas acumulado, via grampos e delações premiadas, contra tudo e contra todos, o atual heterogêneo condomínio que usurpou o governo não tem a menor possibilidade de coesão e estabilização. saímos da conciliação permanente do lulismo para um período de crises constantes.

      passo a passo se executará o plano de demolição controlada, um por um os marionetes, que se julgaram protagonistas, serão forçados a caminhar pela prancha dos piratas golpistas. até que o golpe seja totalmente consumado. nada então será como antes. viveremos os horrores de um Brasil completamente transfigurado: um mix de Grécia, Turquia, México e Líbia.

      a única chance de sobrevivência está na resistência popular, comprometida com a radicalização da Democracia. via um avançado projeto de reformas: a reforma política, a reforma do Judiciário, a dissolução do Congresso e do STF,  eleição geral para o Congresso e Presidência, acompanhada de referendo para os indicados ao STF.

      .

    • Onkoto,
      Qual é o Pardito com

      Onkoto,

      Qual é o Pardito com mais afinidade com o Tio Sam? PMDB?Não, é claro!

      Quem foi ao Tio Sam no dia seguinte? Um Senador do PMDB? Não, é claro!

      Quem esta sentado no Itamaraty, um Senador do PMDB?Não, é claro!

      Quem é a bola da vez da Lava Jato? PSDB? Não, é claro!

      Enfim, no “resumo da obra” do Golpe em andamento quem será a melhor opção para Presidente da Republica pela Direita(Tio Sam)? Um Senador do PMDB ou alguem que ja vem consturando isso com o Tio Sam?

      Abç

    • Excelente comentário…

      Onkoto,

      Excelentes observações. Vou me referir também ao post do Nassif : “Xadrez dos vetores Lava Jato e Procurador Geral” (http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-dos-vetores-lava-jato-e-procurado…) . 

      De fato, suas observações são argutas e apontam, sem necessariamente mencionar, a “guerra civil” entre as elites, já comentada por outro post, cujo autor não recordo, aqui no blog. Também, como foi observado, a guerra intestina sobre os espólios da (“era PT), que ainda nem acabou, começou logo que o interino tomou posse. Ainda mais grave, nem o próprio interino, que deveria ser o fio condutor do golpe, consegue comandar o processo: já perdeu dois ministros, enfrentou uma rebelião aberta da “ex-CGU” e dos artistas. Em todas recuou, sinal de que nem entre os próprios correligionários é capaz de exercer controle. 

      Se isto se confirma, e, ao que parece, é este o desenrolar, perde-se também o comando sobre o PMDB, comando este que já não se tem, sobre o baixo clero, que é um bando de chacais enraivecidos ou sobre a opinião pública, que reflui rapidamente. Restaria ao interino, como apontado, o STF e as forças armadas. O problema é: se o temporário resolver sacrificar o PMDB, como ficará ? Melhor dizendo: o Congresso se revoltou contra Dilma por não ter-lhe atendido os pleitos, por acaso, se comportará PMDB (e queijandos) com o interino, se este lhes sacrifica em nome da supremacia transferida a outro partido ? Além do mais, quando ocorrerá a entrega ? Antes do final do processo do impeachment ? Já é duvidoso o sucesso dos golpistas no senado. Se estes farejarem perigo, recuarão em direção a quem lhes ofereça a melhor proposta. Não vão confirmar no governo que lhes poderá trair no dia seguinte.

      Que proposta poderia ser esta ? Acredito (ou melhor, especulo) que a melhor proposta seria o retorno da Dilma tendo Lula como parceiro, que poderia negociar uma transição (como já proposto aqui), na qual ele renunciaria a se candidatar em 2018, mas estaria livre para apoiar um candidato que tivesse maior trânsito entre diversas cores do espectro político. Penso também que esta transição estabeleceria bases para uma constituinte que propusesse uma ampla reforma política, judiciária e do setor público, mas sem o besteirol do parlamentarismo. Nem falei em eleições gerais, porque estas não acontecerão, a não ser pela força. Claro, existe também a opção sombria.

      Esta seria a permanência do interino, apoiado pelo STF, Forças Armadas, PF, mas um governo fraco, condominial, levado a cabo por outros condôminos, ou seja, as corporações públicas. Governo como este teria que adiar eleições, enquanto o clima de guerra no país se prolongaria: a palavra conciliação seria removida dos dicionários e, como sugeriu Aldo Fornazeri, quando eleições houvesse , o clima seria de revanche. Os poderosos de hoje seriam os réus de amanhã e o país ainda passaria décadas para se pacificar. O pior: enquanto este processo continuasse, o país continuaria a ser desmontado, sem segurança econômica ou jurídica, sem perspectivas maiores. 

      Quanto ao MPF, o Moro e o Judiciário, depois escrevo em detalhes, mas, mesmo que perversos quanto aos métodos, e sabedores das boas técnicas de conspiração, são uns ingênuos (como bons juristas) quanto a projetos ou estratégias nacionais; não conseguem sair da carochinha do dever ser e, enquanto pensam que servem à justiça e á moral, continuam como lacaios do poder econômico. Em outras palavras, tem que ser um sem-noção como o Moro ou como o Deltan, para pensar que os Estados Unidos podem ser modelos de algo, quando nem eles mais acreditam nisso…

       

    • Excelente comentário !

      Onkoto,

      Excelentes observações. Vou me referir também ao post do Nassif : “Xadrez dos vetores Lava Jato e Procurador Geral” (http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-dos-vetores-lava-jato-e-procurado…) . 

      De fato, suas observações são argutas e apontam, sem necessariamente mencionar, a “guerra civil” entre as elites, já comentada por outro post, cujo autor não recordo, aqui no blog. Também, como foi observado, a guerra intestina sobre os espólios da (“era PT), que ainda nem acabou, começou logo que o interino tomou posse. Ainda mais grave, nem o próprio interino, que deveria ser o fio condutor do golpe, consegue comandar o processo: já perdeu dois ministros, enfrentou uma rebelião aberta da “ex-CGU” e dos artistas. Em todas recuou, sinal de que nem entre os próprios correligionários é capaz de exercer controle. 

      Se isto se confirma, e, ao que parece, é este o desenrolar, perde-se também o comando sobre o PMDB, comando este que já não se tem, sobre o baixo clero, que é um bando de chacais enraivecidos ou sobre a opinião pública, que reflui rapidamente. Restaria ao interino, como apontado, o STF e as forças armadas. O problema é: se o temporário resolver sacrificar o PMDB, como ficará ? Melhor dizendo: o Congresso se revoltou contra Dilma por não ter-lhe atendido os pleitos, por acaso, se comportará PMDB (e queijandos) com o interino, se este lhes sacrifica em nome da supremacia transferida a outro partido ? Além do mais, quando ocorrerá a entrega ? Antes do final do processo do impeachment ? Já é duvidoso o sucesso dos golpistas no senado. Se estes farejarem perigo, recuarão em direção a quem lhes ofereça a melhor proposta. Não vão confirmar no governo que lhes poderá trair no dia seguinte.

      Que proposta poderia ser esta ? Acredito (ou melhor, especulo) que a melhor proposta seria o retorno da Dilma tendo Lula como parceiro, que poderia negociar uma transição (como já proposto aqui), na qual ele renunciaria a se candidatar em 2018, mas estaria livre para apoiar um candidato que tivesse maior trânsito entre diversas cores do espectro político. Penso também que esta transição estabeleceria bases para uma constituinte que propusesse uma ampla reforma política, judiciária e do setor público, mas sem o besteirol do parlamentarismo. Nem falei em eleições gerais, porque estas não acontecerão, a não ser pela força. Claro, existe também a opção sombria.

      Esta seria a permanência do interino, apoiado pelo STF, Forças Armadas, PF, mas um governo fraco, condominial, levado a cabo por outros condôminos, ou seja, as corporações públicas. Governo como este teria que adiar eleições, enquanto o clima de guerra no país se prolongaria: a palavra conciliação seria removida dos dicionários e, como sugeriu Aldo Fornazeri, quando eleições houvesse , o clima seria de revanche. Os poderosos de hoje seriam os réus de amanhã e o país ainda passaria décadas para se pacificar. O pior: enquanto este processo continuasse, o país continuaria a ser desmontado, sem segurança econômica ou jurídica, sem perspectivas maiores. 

      Quanto ao MPF, o Moro e o Judiciário, depois escrevo em detalhes, mas, mesmo que perversos quanto aos métodos, e sabedores das boas técnicas de conspiração, são uns ingênuos (como bons juristas) quanto a projetos ou estratégias nacionais; não conseguem sair da carochinha do dever ser e, enquanto pensam que servem à justiça e á moral, continuam como lacaios do poder econômico. Em outras palavras, tem que ser um sem-noção como o Moro ou como o Deltan, para pensar que os Estados Unidos podem ser modelos de algo, quando nem eles mais acreditam nisso…

       

    • Onkotô,
      Explique melhor a

      Onkotô,

      Explique melhor a frase abaixo reproduzida. Quem foi o procurador original que c cita?

      “Nao podemos esquecer que o procurador original, e que agora ficou em segundo plano, agiu em interesse proprio no caso Banestado, provocou rusgas com a PF, e protagonizou um mini-escandalo em Nova Iorque.”

       

      Sua análise está numa linha correta, mas no fundo acho que os EUA (CIA e NSA) realmente tem papel prepoderante, tanto pelo viralatismo daquele que se acha deus, sérgio moro, como pelo messianismo do dalagnol. Todos eles acham ter mais força do que de fato tem, pois já borraram as calças quando deram de cara com o triplex dos marinho e seu millenium, os grandes entes por traz do golpe.

       

      E é  muito estranho sempre os “sorteios” no STF sempre darem Gilmar dantas, digo, mendes quando interessa blindar o PSDB eou ferrar o PT… Tem algo muito além do que “coincidência” nisso e passou da hora do Min. Ricardo Lewandowski verificar isso.

  52. À todos os patos

    À todos os patos (brasileiros) que cairão no conto do vigário.

     

    Vocês conhecem muitas Histórias de contos do vigário, principalmente a do bilhete premiado.               

    Pois foi exatamente isto que aconteceu com a derrubada de Dilma do poder, para colocarem aquela corja de bandidos que agora governa o Brasil, passaram o conto em todos os brasileiros.

    Muitas pessoas boas e espertas já passaram por isso, porque eles são muito ardilosos. Não é vergonha nenhuma para alguns Senadores com caráter e que querem o bem do Brasil, e se equivocaram e votaram pela admissibilidade de Dilma, fazerem um exame de consciência e redimirem do erro que cometeram ao verem a quadrilha que está no poder, comandada pelo capo Eduardo Cunha. Acredito que ainda tenha mais alguns senadores decentes no senado.

    O que temos que fazer.

    Agora peço a todos que estão na luta para reverter esta situação, movimentos, partidos, jornalistas, artistas, população em geral. Que elaborem cartas com melhores argumentos que o meu, mas respeitando a opinião dos senadores e solicitando humildemente que reflitam no que está se transformando o Brasil. Tenho certeza que conseguiremos que Dilma volte.

    Não é possível que no senado não tenha um terço de senadores com consciência e discernimento do mal que foi feito.

     

    Colaborador

    RicardoÀ todos os patos (brasileiros) que cairão no conto do vigário.

     

    Vocês conhecem muitas Histórias de contos do vigário, principalmente a do bilhete premiado.               

    Pois foi exatamente isto que aconteceu com a derrubada de Dilma do poder, para colocarem aquela corja de bandidos que agora governa o Brasil, passaram o conto em todos os brasileiros.

    Muitas pessoas boas e espertas já passaram por isso, porque eles são muito ardilosos. Não é vergonha nenhuma para alguns Senadores com caráter e que querem o bem do Brasil, e se equivocaram e votaram pela admissibilidade de Dilma, fazerem um exame de consciência e redimirem do erro que cometeram ao verem a quadrilha que está no poder, comandada pelo capo Eduardo Cunha. Acredito que ainda tenha mais alguns senadores decentes no senado.

    O que temos que fazer.

    Agora peço a todos que estão na luta para reverter esta situação, movimentos, partidos, jornalistas, artistas, população em geral. Que elaborem cartas com melhores argumentos que o meu, mas respeitando a opinião dos senadores e solicitando humildemente que reflitam no que está se transformando o Brasil. Tenho certeza que conseguiremos que Dilma volte.

    Não é possível que no senado não tenha um terço de senadores com consciência e discernimento do mal que foi feito.

     

    Colaborador

    Ricardo

  53. Adiar as eleições de 2018 vai

    Adiar as eleições de 2018 vai dar muito na cara que foi golpe. Vai ser tipo Castello Branco convocando o congresso de 62/66 no final da legislatura para aprovar uma constituição feita sob medida para implantar um novo regime, quando eles diziam ter feito tudo o que fizeram para garantir a constituição de 46. Acho mais provável tentarem passar o parlamentarismo sem plebiscito ou referendo.

  54. demolição controlada

    avança a demolição controlada da institucionalidade brasileira: rapidamente o governo Frankenstein costurado por Temer descobre sua natureza provisória. a Lava Jato não pode parar, pouco importando sua destinação final ainda não ser conhecida. chegou a vez do próprio PMDB caminhar sobre a prancha dos piratas golpistas.

    a lumpen burguesia brasileira festeja o golpe promovendo um pic nic de abutres:

    1. vinda dos grotões de um grotesco modelo representativo, uma horda fisiológica, eleita pela coalizão do financiamento empresarial com o quociente partidário, abocanha com voracidade a máquina pública;

    2. os grãos-mestres golpistas se encarregam da dilapidação do patrimônio público e da rendição da soberania nacional aos interesses das mega corporações transnacionais;

    3. a casta aristocrática do MPF instaura seu novo normal jurídico: todo poder emana do Judiciário e de sua interpretação arbitrária da Constituição Federal.

    não há retorno. nenhuma ponte para o passado de um presidencialismo de coalizão original. e sem  futuro para o transitório presidencialismo condominial. 

    no xadrez do alto-comando prosseguem os golpes dentro do golpe. os cruzados de Curitiba são a força-tarefa encarregada da sanitização do Congresso. nas etapas seguintes do projeto da arquitetura do caos, será preciso eleger um novo povo através de uma Democracia sem voto.

    resta um simplório e diminuto detalhe: os homens se vendem, mas é impossível subornar a História com malas de dinheiro (link)…

    “O que importa são os incontáveis pequenos atos de pessoas desconhecidas, que fundam as bases para os eventos significativos que se tornam história.”

    Howard Zinn, citado por Noam Chomsky em “Requiem for the Americam Dream”

    .

     

    • Bom resumo arkx

      Não tem volta para o passado.

      O futuro está em aberto e será DIFERENTE do presente e do antigo.

      Como equacionar uma interlocução para o futuro líder que irá gorvernar é o X da questão.

      Na minha humilde opinião, coisa para profissional.

  55. Comentando

    Nassif e amigos:

    Desde antes do impeachment venho defendendo aqui no Blog a tese das novas eleições, mesmo contra a vontade dos dilmistas que aqui residem, sempre prontos a fechar os olhos para a realidade. 

    O fato concreto é que o Governo Dilma acabou, perdeu a legitimidade e não vai voltar. Ainda que o impeachment seja revertido – sinceramente, não vejo meios – como ela iria governar? Não iria. E nem é só pelo Congresso, mas pelas pessoas, pelo povo: Dilma perdeu a legitimidade ao guiar o governo para o lado oposto do que disse que iria fazer. E o povo não perdoa mentira. E nem se iludam com uma “nova Dilma”. Leiam a entrevista dela para a Folha e avaliem, com seus próprios botões, se há qualquer possibilidade de alguém que não reconhece nenhum erro, mesmo na situação atual, alterar sua postura.  

    E é a legitimidade que embasa as novas eleições. Se o poder emana do povo, somos nós quem devemos decidir quem vai governar no lugar daqueles que não queremos mais que governem. O povo elegeu a Dilma/Temer, não os deseja mais como governantes e tem de ser chamado a decidir quem seráo próximo, mas para já. Nada de Michel, de Dilma 2, de arremedos de democracia que, na prática, ignoram a vontade popular. 

    O medo do Nassif de alternativas não democráticas pode parecer meio conspiratório, mas não é: na politica, não existem espaços vazios. Se o poder vagar, ou se, como hoje, a confusão na política permitir, haverão aqueles que estarão prontos a empalmar o poder. Então, não vamos correr riscos: vamos lutar para antecipar as eleições. Ganhe quem ganhar – a luta é assim – ao menos teremos um governo legítimo. 

    Por fim, é importante percebemos que a política não se restringe ao PT e ao PSDB, com o PMDB no meio. Não! Há alternativas, há boas ideias, há vida em outras agremiações e forças que hoje estão premidas por conta das últimas reformas eleitorais que complicaram a vidas dos partidos menores, mas que ainda assim são a vanguarda das transformações que todos queremos na politica. E, principalmente, há a gente, o povo. Somos nós a esperança, o caminho da nova politica, que não passa mais pelas mãos do PT, do PSDB e do PMDB, siglas que, ao final de suas vidas, se tornaram iguais nas ideias e nos métodos. 

    Vamos à luta! Eleições Gerais, Já!

     

    MOACIR DE FREITAS JR – Professor do INCIS/UFU

    • Julgar os outros pelos nossos conhecimentos

      Não existe maior erro do que julgar os outros por nossos próprios conhecimentos, como se fossem a quintessência da sabedoria.

      Não é porque você não faz a mais pálida idéia de como se governa para valer uma Nação que o Brasil é ingovernável pela Dona Dilma.

      • Você tem toda razão. Até por

        Você tem toda razão. Até por isso, não deveria me julgar, como fez. Aliás, esta parece ser sua especialidade.

        Já sei: se a Dilma voltar, deveria nomear vc Ministro! Aí vc ensina para mim e para ela como se “governa para valer”. Que tal?

    • Por acaso o governo Dilma não

      Por acaso o governo Dilma não era legítimo? E se o Lula ganha o congresso não será mais ou menos o mesmo? Como governar com esse congresso. Novas eleições não mudarão o “status quo” da cambada do congresso, esses sim que não deixam o país governável.

      • Mais ou menos, Edna. O

        Mais ou menos, Edna. O congresso, quando o Lula era presidente, era o mesmo que o atual, mas nem em sonho os pedidos de impeachment contra ele prosperaram. 

        Por que? Uma parte, estamos agora vendo, estava resolvida pela grana da Petrobrás (mas este debate fica para depois). A outra, está na linha do que estamos debatendo: na massa, no povo, o Governo Lula era legítimo, então não havia qualquer espaço para aventuras. Dilma, ao contrário, perdeu totalmente o apoio popular, e não foi só por culpa da midia. 

        Por fim, você tem razão quanto ao Congresso: não dá mais para ser como é. Para mudá-lo, precisamos de eleições. Se vai ou não mudar, não sabemos; mas se a gente não tentar mais, significa que o outro lado ganhou.

    • Professor, o Governo Dilma é

      Professor, o Governo Dilma é legítimo. Só pode ser descontinuado se for comprovado um crime, conforme previsto na Constituição, ou por um golpe. Parece-me que entre os juristas que entendem desse negócio de lei, apenas um bicudo, uma pastora e um filho do pai, acreditam que ela cometeu crime, a grande maioria a considera inocente. Resta o golpe, que é claramente o que está ocorrendo. Claro que somos nós que decidimos quem vai governar, mas isso já foi decidido na eleição passada. Se erramos ao votar nela, a culpa é nossa, não podemos nos arrepender no meio do caminho e desvotar. Eu particularmente não me arrependo de nada, considerando os candidatos que concorreram com ela votaria nela de novo. Mas respeito os que queiram outro tipo de governo, é só esperar 2018. E os que a querem fora, está mais do que comprovado, não são os descontentes com os erros de seu governo, são os prejudicados pelos seus acertos. Por acaso uma quadrilha. Finalizando, não me leve a mal, não é ironia, até porque respeito democraticamente sua opinião divergente, apenas uma curiosidade: Marina na cabeça, né não?

      • Eduardo, obrigado pelo

        Eduardo, obrigado pelo debate! 

        Vamos do final para o começo: votei sim na Marina. Depois de duas vezes de Lula e uma de Dilma (assim como você, não me arrependo), achei que era hora de um novo caminho. Esta falsa polarização entre o PT e o PSDB está bloqueando a política. Digo falsa porque, no essencial, a política de ambos foi a mesma, ainda que muito dilmista teime em não admitir, especialmente no segundo mandato. Não é fato que quem não é petista é tucano. Até porque, nada mais tucano que um petista – e vice-versa.

        Quanto à legitimidade de Dilma, a questão não é apenas legal. Claro que os motivos para o impeachment são bobagens, e você nunca me viu, aqui ou em outro lugar, defender esta saída para encerrar a crise; mas o que retirou a legtimidade da Presidente Dilma e possibilitou o impeachment por um motivo banal (lembre-se: o do Collor baseou-se em um carro) foi a perda total de apoio no povo. Assim que ficou claro para a população que o governo falou uma coisa na eleição e entregou outra, traindo a confiança da massa, o governo acabou, foi derretendo, até a situação atual. E confiança, você sabe, é cristal: não há como colar. E não foi por falta de aviso: aqui mesmo, no blog, o Nassif e os comentaristas fizeram dezenas de intervenções alertando para isso.

        A questão, então, não está em quem perdeu as eleiçõe – estes tem mesmo que esperar a próxima disputa – mas na mentira contada para ganhar. Não é legítimo mentir e povo está se sentindo enganado. E, veja, nem estou inserindo aqui a Lava Jato, a maior traição que o PT poderia ter feito a toda a esquerda. 

        Logo, penso que é sim possível “desvotar”, ou no caso fazermos uma nova eleição, para que um novo governo assuma com legitimidade, seja ele qual for. Não devemos ter medo da luta com a direita, nem da midia. Eles perderam quatro seguidas e não acho que vencerão a próxima. 

        Seria uma boa chance para que novos caminhos se mostrassem. Os atuais, todos eles, perderam complementamente a condição.

        • Numa boa, continuamos

          Numa boa, continuamos divergindo. Apesar de não ser filiado a qualquer partido, não sou apardidário. E creio que ninguém é. Aqueles que o dizem ser, sáo partidários dos sem partido, assumem um lado, o “apartidário”. Isso dito, e plagiando, considero o PT o pior partido que existe no Brasil, fora os outros. Claro que cometeu erros que não deveria ter cometido mas não considero um traidor da esquerda. Também não considero que Dilma tenha traido a confiança da massa e que tenha perdido a confiança total da população. Você sabe, certamente muito melhor do que eu, como são as pesquisas de opinião. Se me for perguntado, na base do sim ou não, se eu aprovo o governo Dilma, honestamente eu respondo não. Mas não quero que ele seja descontinuado. O tira-teima, se quisermos continuar numa Democracia, só pode ser na eleição de 2018. Antes, com o usurpador é golpe, com nova eleição é golpe dourado. E pesquisas de opinião recentes, com todas as ressalvas, indicam que muitos estão entendendo que é melhor aguentar um governo ruim mas legítimo do que um pior e golpista. E se fizermos comparações, FHC e Sarney terminaram mandatos muito mal avaliados, e nem por isso houve ruptura constitucional ou o Brasil acabou. Temos que assumir nossa parte. Se elegemos mal a culpa é nossa, aguentemos o prejuizo. Tentemos lucrar na próxima eleição. Nesse caso, um clichê, mas considero apropriado, quem ganha sempre é a Democracia. Também agradeço a troca de idéias

        • “Não devemos ter medo da luta

          “Não devemos ter medo da luta com a direita, nem da midia. Eles perderam quatro seguidas e não acho que vencerão a próxima.”

          Claro que você não tem medo da luta contra a direita e a mídia !! você, a direita e a mídia estão do mesmo lado.

          A REDE é 18, mas deveria ser o 44 do PRP. Afinal, é quase um PSDB.

  56. Faz todo sentido, Nassif.

    Faz todo sentido, Nassif. Empoderar o PSDB. Eles não tem controle para manter “delimitado” como disse o Jucá. Manter só o PT lá dentro é dificil.

    O que se delineia é isso, o Janot, Globo, Lava a jato, Gilmar detonam a turma que era aliada do PT. Mantém o Temer como presidente “decorativo” fantoche e os tucanos, leia-se pig incluido, o tem na mão. Talvez tenha sido essa a conversa do Gilmar com o dito cujo.

    O que faz mais sentido ainda porque na entrevista do Delcídio na GloboNews o ataque ao PMDB prossegue, mirando fortemente o Renan, Essa cambada daqui a pouco vai correndo pedir ajuda ao verdadeiro comando do golpe, como voce diz

  57. O Michel Temer é muito mais efetivo agindo na escuridão dos bast

    O Michel Temer é muito mais efetivo agindo na escuridão dos bastidores da política do que à luz do dia. Sua índole de canalha só funciona quando precisa trair e mentir. Por outro lado, quando precisa se apresentar como alguém minimamente honesta sua mascara cai facilmente. Esse golpe não vai se arrastar por muito longe. A pressão de rua tende a aumentar. Já há um consenso se consolidando na sociedade de que o golpe foi realmente um golpe.

    Também, o Michel Temer tem se mostrado um líder fraco e inseguro, incapaz de entregar o que prometeu. Seus sucessivos recuos e as péssimas escolhas para compor os ministérios afasta qualquer grupo avesso a correr riscos. Sua base de apoio oportunista no Congresso é volúvel e não vai pensar duas vezes em entregar a cabeça do líder dos golpistas.

    As manifestações espontâneas estão se multiplicando e vindo de setores muito influente na opinião pública mais jovem e combativa, como é o caso dos artistas e a comunidade LGBT. À medida que o governo demonstra fraqueza, vários grupos de pressão tendem a intensificar seus ataques e crescer. Foi emblemática a manutenção das ocupações das sedes do Minc mesmo após o recuo do governo.

    Em 10 de junho próximo haverá novas manifestações lideradas pelas frentes Brasil popular e povo sem medo. Essas mobilizações serão importantíssimas para colocar o governo na defensiva. Dependendo da repercussão, será capaz de a base de apoio no Congresso ao governo golpista se deteriorar mais rápido do que o esperado.

    Ou seja, a luta só está começando. Novos personagens começam a assumir um protagonismo fundamental como os artistas, estudantes, feministas, militantes lgbt e os mais importantes as camadas mais pobres beneficiárias das políticas públicas que o governo que destruir.

     

    • Não se esqueça de um

      Não se esqueça de um personagem que talvez não esteja tão morto assim como Jucá gostaria: Cunha. Nas sombras, onde ele sabe agir. Por trás de Temer e com o congresso no bolso. É quem sustenta Temer, um fantoche fraco, competente apenas para trair e dissimular. Cunha precisa deste governo para se safar… não é pouca coisa.  O PSDB terá que vencer Cunha, que deve estar preparado para os próximos capítulos na novela “cobra comendo cobra”,

  58. Administrados do Brasil, uni-vos!

    Nassif e equipe, demais debatedores, bom dia.

     

    Caro Nassif confesso-lhe que estou adorando este momento brasileiro. Melhor dizendo precisamos aproveitar esse momento.  Sua análise ainda contribui para o meu adorar.  Por que?

    Ora, se temos realmente uma democracia aqui, com “instituições sólidas”  então o cenário pode contribuir para se façam as  “reformas” ( que nunca aconteceram), exceto, aquelas perfumarias de sempre.  Vejamos.

    A Dilma poderia voltar e partir para cima disso. Não teria mais nada a perder, pois, como presidenta  já perdeu o próprio cargo.( provisoriamente, mas com aquela sensação de “para sempre”).

    Essas gravações pipocando ali e  acolá  estão sendo ótimas. Meu desejo é que continuem! Ora, já que “flexibilizaram” as escutas telefôncias ou grampos ( deem o nome que quiserem) então vamos ouví-los!

    Estou ansioso para ouvir o próximo! A próxima bomba!  Fala que não é “bom demais da conta”?

    E a Dilma deveria aproveitar ainda mais esses grampos bombátiscos!( suponho que ela  já esteja fazendo isso, mas deve fazer mais ainda!)

    Se ela voltar deveria aproveitar o momento para propor ao menos  uma reforma de peso.

    Por exemplo: do judiciário! Sair daquela Loman ditatorial – feita às escuras, inclusive com pitacos do general da época. Que tal?

    Escolheu ser juiz? Então é o seguinte: proibido dar palpite! Só fala nos autos diante de uma provocação. Ponto final.  Questões partidárias estão proibidas, mesmo sem “filiação” explícita a qualquer partido político. Etc. Acabar também com o “quinto” que em alguns caso é “terço” etc, etc, etc.

    Outra: provocar a “reforma” da  constitucionalização da tal grande mídia. A questão da propriedade cruzada, o oligopólio, o dominío familiar de sempre. Enfim, seria bom também. Note que nem seria muita reforma assim. Bastasse seguir a CR/88, já seria bom mudando a lei da década de 1960.

    Ou talvez, a reforma tributária. Por exemplo: Demonstrar para o povo  de onde vem o dinheiro para financiar o Estado brasileiro e para onde vai os recursos  e o porquê disso. Algumas pistas: “serviço da dívida”…

    Nessa linha, propor um tratamento de choque no  patológico pato que pateia nesse Estado patético! KD o pato, pato aqui pato acolá…

    Ou ainda: fazer acontecer  a tal de “auditoria da dívida pública”  da qual nos fala a r. Fattorelli.

    Ou ainda:  a reforma do federalismo à brasileira( eliminar de uma vez por todas nossas capitanias hereditárias)Sabe-se que a primeira foi a do Maranhão, certo? Até hoje?… E a da Bahia? MInas?…

    Outra:  a reforma agrária! Puxa! Que tal  desconcentrar  as terras( a casa grande)  da mão dos senhores de engenho do século XXI? Seria um “sonho de consumo”? 

    Ou ainda ( essa eu quero ver!) fazer a reforma SINDICAL, acabando com a tal de unicidade municipal. Induzindo a formação de sindicatos que de fato e de direito representem os interesses única e exclusivamente dos trabalhadores brasileiros. Depois disso, podem até propor a reforma trabalhista( não antes!)

    Enfim, o momento brasileiro está ótimo!  Vamos aproveitá-lo para mudar o que precisa ser mudado!

    Portanto, segue a mensagem adaptada:

    “Administrados do Brasil, uni-vos!” 

    Aproveitam a liquidação! Aqueles que usam e abusam  do poder que , em tese, é uno de emana do povo,  estão “batendo cabeças”.

    Portanto, aproveitemos esse “bater de cabeças” patético dos que usam e abusam do poder para mudar o que precisa ser mudado! A hora é agora!

    —————-

    Por fim, aproveito para agradecer e ao mesmo tempo requerer à presidente afastada, sua excelência  Dilma:

    Cara presidenta aproveite para deixar a sua marca registrada! Proponha, fomente, administre, mude, implante ao menos uma reforma séria nesse país( sem perfumaria!) A hora é agora! ( não estou sendo irônico)

    Mexa no vespeiro!

    E vamos ver no que vai dar!

    ————-

    Vamos botar mais lenha nessa fogueira democrática cujas instituições, dizem, estão “sólidas”.

    “Tudo que é sólido pode se desmanchar no ar”…

     

     

     

    • Sim e não

      Também acho o momento ótimo.

      Mas Dilma perdeu sua grande oportunidade em 2013. Como disse o Nassif aqui naquela oportunidade, tinha que ter decifrado o segredo da esfinge. Não decifrou e foi devorada.

      Depois de alguns dias reclusa com o país pegando fogo, Dilma veio a São Paulo, se encontrou com o também recluso Lula e na sua volta reuniu os 27 governadores de Estado, sentou-se com eles a mesa e chamou a imprensa para dar o recado ao povo : Olha, é nós aqui, com nossas polícias e exércitos, todos unidos,  e vocês aí. Vão encarar ???

      Aquela noite de junho em que os jovens invadiram a Praça dos Três Poderesl, treparam no prédio do Congresso e não relaram a mão no Palácio do Planalto foi histórica. Infelizmente, do outro lado da rua não tinha alguém a altura do momento histórico.

       

      • Segredo da Esfinge

        Até hoje eu também ainda não decifrei o segredo da esfinge. Quem eram aqueles jovens que subiram no Congresso. Movimento ?Vem pra rua?Não tinham esta força toda… Não  queriam que partidos nem sindicatos participassem, logo não faziam parte de partidos políticos , nem eram sindicalistas. Quem eram?Os filhos do “pato” da Paulista?

  59. E O POVO…..?

    Bom Nassif, gosto de suas análises mas não vi, salvo engano, menção a eventual reação popular, neste contexto. O recrudescimento da crise, o corte de recursos destinados a políticas públicas, o aumento da violência,o desemprego, as cidades já estão cheias de medigos e moradores de rua….. Não sei em que ordem de relevância as coisas se colocam, mas eventual reação popular poderia  mudar o resultado do que aí está colocado. Não seria o caso de considerar esta possibilidade?

  60. Vamos alugar o “Brazil” pros gringo entrar

    Vamos alugar o brazil pros gringo entrar.

    A preço de bananas republic.

    Chamemos a fruit company, a ussteel, as 7 irmãs e os bancos internacionais.

    Vamos reinaugurar o império.

    Chamemos os Orleans de Bragança.

    Ponhamos o embaixador da cia de conselheiro geral (das/dos) bananas.

    Fundemos o ministério dos marines e da nsa.

    Criemos o vice-reinado dos united states do Brazil, ops, brazil.Pro ocupante da vez da casa branca.

    Entreguemos as commodities, o pré-sal e a mais valia da mão de obra nacional.

    Tudo a preço de banana dada.

    Alegremo-nos com a volta do subdesenvolvimento.

    Logo após, da reescravidão.

    E rasgemos a Constituição.

    Imponhamos pelas armas estrangeiras e nacionais o neoimperador FHC, ops,fhc.

    Afinal, me desculpe Raulzito, nós vamos pagar tudo!

    Dando uma de velho/novo PATO Social.

    Ou seria phatos social? De entregar o ouro, ops, petróleo pro bandido?

    Ou seria pacto das elites no lombo dos bananas nacionais?

    Ou pacto dos patos nacionais movidos pela ganância?

    Àqueles que se acham donos do mundo e da nossa terra, das nossas vidas e das nossas consciências.

     

     

  61. Promessa de politico!

    A debandada da base aliada do governo Dilma, para a então oposição se deu com “promessas de redução da ação do MP e PF” sob os politicos…

    Os politicos devem estar com ataque de nervos no congresso, vendo os possiveis salvadores sendo devorados pelo opinião pública!

    Vão entrar em polvorosa se o Salvador da Pátria dos corruptos do STF for pego em grampos….

     

  62. Antígona

    É interessante notar o efeito das mudanças de situação afetando o pensamento e a opinião das pessoas.

    Mesmo quando não concordo com quem escreve, leio o post e os comentários na íntegra. E confesso que em muitas vezes sinto quase que a perda da fé na capacidade de dicernimento do brasileiro. Meu falecido pai não acreditava que o país pudesse vir um dia a ser uma nação verdadeiramente democrática. Ele era descendente de estrangeiros, falava várias línguas, consequentemente lia publicações internacionais, que naquela época podiam ser adquiridas nas bancas de jornais do centro, notadamente na Av Ipiranga, em alguns casos na Rua Boa Vista, ou próximo à BOVESPA.

    Ele tinha como hobby predileto informar-se à respeito de cultura e de política dos grandes centros desenvolvidos do mundo. Já era ‘globalizado’ naqueles tempos (anos 70). E lia, lia muito, embora não tivesse com quem comentar, a não ser com meus tios, que tinham nivel intelectual equivalente. E então falava pouco, muito pouco sobre estes assuntos com pessoal tupiniquim. Ele dizia sempre que, por algum capricho da natureza, a criação da mente do brasileiro padecia de ‘defeitos de fabricação’. Que uma parte qualquer da máquina pensante havia sido montada por engano junto com o coração.

    Embora jocoso, debochado, irresponsável, descomprometido consigo e com todos, o brasileiro tem o péssimo hábito de temperar com exagerada emoção tudo o que percebe em tôrno de si, assim dizia ele. Já em meu parecer o brasileiro é um provinciano rebelde e sem causa, e ponto, visto ser eu muito mais rude e sintético.

    Mas voltando ao pai. Ele dizia que há duas coisas muito comuns e extremamente fortes na cultura de um povo, que eram o seu regime político e sua determinação na defesa de seus valores culturais. E isto explica porque, enquanto no exterior guerras e conflitos ocorriam com frequência, enquanto que aqui ‘dormíamos em berço esplêndido’. E é verdade, não temos guerras, nem internas e nem com ninguém. Exceto em raras ocasiões onde se manifestou outro traço ausente de nossa cultura, a convicção, como em 1932.

    Outro fato que contribui para isso é a absoluta ausência de patriotismo. O brasileiro empunha orgulhosamente suas bandeiras no esporte, e em algumas manifestações, porém, mesmo nestas condições confunde política com futebol. Coloca a verdade cristalina dos fatos ao lado para defender o seu partido político e seus ‘líderes’ políticos preferidos como se estivesse vivendo um campeonato de ludopédio, com direito à agitação, brados de ‘palavras de ordem’  e ofensas comuns em torcidas desorganizadas. O país, vem em segundo (ou último) plano.

    E o povo do território todo é assim. Um pouquíssimo menos ao sul, um tanto a mais no norte e nordeste, onde a ignorância é sem nenhuma dúvida a prata da casa.

    Dizem que temos democracia, pelo menos, escolhemos os dirigentes do executivo e os parlamentares, mas isso é feito com o inevitável tempêro das cegas paixões. Uma vez Corinthians, corinthiano até morrer! E não importa quais absurdos o time venha a cometer. Veja-se o tabú, por exemplo. Vinte anos sem ganhar um campeonato, mas tinha uma das maiores torcidas do país. “Ah… mas isso é no futebol…”. É nada.

    Muitos anos passarão, muita coisa acontecerá. Fanáticos petistas continuarão a se dizer vítimas de golpe, continuarão clamando pela volta da grande incompetente e do redistribuidor de rendas denominado de “pai dos pobres’. Ninguém conseguirá provrar-lhes, nunca, que até o pai dos pobres já se arrependeu amargamente de tê-la indicado.

    O torcedor continuará com o grito de ‘golpe’ preso na garganta, aguardando pelo gol, sem entender e nem conseguir explicar porque torce para o Íbis Sport Club. Nao importa se o Íbis é um time que é bom ou ruim para o campeonato, nem para o futebol brasileiro, nem para o esporte como um todo. O Íbis é o time que mexe com seu coração e lhe cega a razão. Então não existe nada e nem mais ninguém que participe do esporte para ele. É o Íbis e acabou-se. Em vez do amor ao esporte o sujeito tem amor obcessivo pelo time.

    E assim é nosso povo, assim é nosso país. Não importa que um partido, um projeto de governo, ou um regime seja inadequado, ultrapassado, insustentável, antidemocrático ou lesivo à nação. Querem Dilma de volta, Lula em 2018, benefícios insustentáveis, vampirização da classe média sulista, dinheiro sem trabalho, políticos corruptos, desadministração. E já se pode perceber que não há nada que se possa fazer para mudar esta opinião, estes anseios.

    Vencerá a mais forte determinação, por imposição, por obrigatoriedade, e vai ter que ser goela abaixo. Concenso? Esqueça-se. Talvez possa-se purgar o comunismo das gerações futuras, parte desta está hoje irremediavelmente comprometida. O amor pelo ideal é maior do que o amor pelo país. Uma espécie de doença mental, e é incurável porque tudo que se tenta pela razão não encontra a peça que foi erronamente montada na máquina do coração.

    Nada que se possa fazer. É de fato um defeito de fabricação. ‘Mas a história julgará’, dizem alguns. E é assim que demonstram sua ignorância. A história, é meramente um conto, sempre escrito e contado pelos vencedores.

     

     

    • Falou pouco mas falou tudo.

      Falou pouco mas falou tudo. Ops, sofro de uma espécie de doença mental mental incurável, talvez fruto da vampirização dos ignorantes nordestinos e inverto sempre os meus pensamentos. Quis dizer, falou muito e só bobagem. E vá se tratar, golpista preconceituoso, seu problema é estar doente.

      • Analise elitista

        Quanto preconceito dizer que nordestinos são ignorantes, dizer que estrangeiros são mais intelectualizados, sendo assim não haveria tantas guerras lá fora, quanta arrogancia dizer que seu pai não conversava com tupiniquins por falta de culturas, pensamentos de casa grande.

  63. Alternativa 2 – Eleições Gerais. Consideremos as baratas.

    Até duas semanas atrás, gostava tanto dessa alternativa quanto de uma barata. ENTRETANTO, constatado o desastre ferroviário do governo disenterino em apenas 14 dias, surgiu no horizonte a possibilidade, ainda remota, dos golpistas não contarem mais com 54 votos no segundo turno, e Dilma recobrar o mandato. Acontece que, com o golpe, as pontes foram queimadas, não há mais a possibilidade de Dilma continuar governando até o fim de 2018, Temer voltar para seu canto como vice decorativo, assumindo a presidência nas viagens da titular como se nada tivesse acontecido. Delírio puro. Só haveria UMA alternativa: Eleições Gerais. Porém, há que se combinar com os russos (Globo, Abril, folha, Estado, o GAFE).

    Está na hora de considerar as baratas. 

     

  64. a melhor maneira de derrreter

    a melhor maneira de derrreter o golpe

    é defender a volta de dilma até 2018..

    as outras alternativas só degeneram a democracia….

    não são mais do que golpes dentro do famigerado golpe…

    tentar atenuar o golpe, é  talvez apofundá-lo cada vez mais…

    como se ve, a situação é –

    evidentemente realista –

    caminharmo;s para o  aprofundamento do

    estado de exceção….

     

  65. Golpe de Novo

    Discordo quanto à Dilma não ter condições de governar na continuação de seu (legítimo) mandato.

    Motivo: Foi eleita legitimamente. Com Lula como (primeiro) ministro cria-se novas condições.

     

    Discordo terminantemente quanto à Dilma não ter legitimidade de governar na continuação de seu (legítimo) mandato.

    Motivo: Idem. E a cada nova denuncia todos entendem melhor porque era necessário remover a Dilma.

     

    Discordo da possibilidade de novas eleições serem algum tipo de garantia de governabilidade para o possívelmente novo eleito.

    Motivo: Se for PT vai dar a mesma merda. Se Dilma não tem condições de governar como seria se nas novas eleições o LULA fosse eleito ?

     

    A única possibilidade de não continuar sendo GOLPE ou de não ser um novo GOLPE é Dilma continuar o seu mandato até o fim.

    Qualquer outra alternativa é GOLPE.

     

    A única garantia de governabilidade é o POVO ir para as ruas e denunciar tudo, escrachar todos e principalmente conscientizar os manipulados que a GLOBO é o verdadeiro inimigo da democracia.

    Feito isso o resto é decorrência.

  66. Falta um Projeto de Estado para o Brasil.

    Pensei um pouco nos entraves políticos do Brasil do PT, e do Golpe de Estado e os grupos que lutam pelo Poder no Brasil. Há 4 realidades em conflito: PT, PMDB, PSDB e PJ (Partido do Judiciário). Qual a solução possível para o Brasil de maio de 2016? Um Projeto de Estado, para além de um Projeto de Poder e de País. 

    Falta um Projeto de Estado para o Brasil

    O quadro Político atual.

    Resgatando a História eleitoral do período PT no Governo Federal lembraremos da blindagem ao PSDB/DEM, da balança do PMDB/PP e da perseguição ao PT. E, do novo personagem, o Partido do Judiciário.

    E a velha mídia oligopólica capitaneada pela Rede Globo fazendo o papel de Oposição diária e intransigente ao PT e seu Projetos de Poder e de País, para os pretendentes à tomada do Poder central chegarem lá, o que só foi possível via Golpe de Estado tamanha a incompetência desses pretendentes.

    Perseguição, balança e blindagem da velha mídia/Judiciário marcam PT – PMDB/PP – PSDB.

    PT e a perseguição.

    Desde 2003 o PT se propôs a Governar o Brasil com um Projeto de Poder duradouro. Hierarquicamente podemos dizer que houve uma ordenação dos seus atos no comando do Governo Federal.

    A hierarquia é a seguinte:

    1°) Projeto de Poder;

    2°) Projeto de País;

    3°) Projeto de Estado (um tanto esquecido).

    Podemos ver, claramente, que o Partido dos Trabalhadores com Lula, José Dirceu, Genoíno, Mercadante, Rui Falcão, etc. atribuíram como meta principal dos governos petistas a perpetuação no Poder, acima de tudo.

    Primeira hierarquia: o Projeto de Poder.

    Trabalharam dentro do regime de perseguição da velha mídia e/ou Judiciário sem se preocupar com a imagem do partido e dos seus partidários perante a totalidade da opinião pública.

    O cálculo eleitoral, o Projeto de País (a segunda hierarquia) e a popularidade dos governantes segurou a efetividade das perseguições.

    Oposição e velha mídia não tiveram a capacidade de vencê-los por 4 eleições seguidas. Viver de atacar o PT para assumir o Governo Federal não surtiu o efeito desejado: o de tirar o PT do Poder Executivo pela via legal: a eleitoral.

    O presidencialismo de coalisão se perpetuou. Popularidade = apoio político de partidos políticos e políticos com seus projetos particulares de dominação regionais e de se garantir eleitoralmente.

    Houve uma segunda hierarquia: o Projeto de País.

    Inclusão social com programas distributivos de renda: Bolsa Família, ampliação de vagas em ensino público gratuito técnico e universitário, PROUNI, FIES, Cotas, etc., postura soberana e independente no cenário internacional, industrialização baseada na cadeia do Petróleo e nas grandes obras de infraestrutura realizadas pelas grandes empreiteiras nacionais, revitalização das forças armadas e da Indústria de Defesa, no Brasil celeiro agrícola, etc.

    E uma terceira hierarquia foi pouco procurada: um Projeto de Estado.

    As grandes reformas: Política, Tributária, do Judiciário, Educacional e dos meios de comunicação não surgiram. Reformas que sustentariam o papel do Estado na transformação do Brasil até se chegar ao desenvolvimento pleno: industrialização com Justiça Social, e sem rupturas com a Democracia e com um Projeto de Estado permanente.

    O Projeto de Poder e de País, pensado acima do Projeto de Estado, este, abdicaria de uma sigla partidária para existência, fez com que o PT ganhasse as eleições, diante de oposições somente com Projeto de Poder ou de estar no Poder ou defensoras do neoliberalismo radical como PSDB/DEM, mas não garantiu a permanente presença do Projeto de País e suas ações pela inclusão social e desenvolvimento soberano.

    Enquanto houve forças para combater a oposição ao Governo petista, com o crescimento econômico, com inclusão social, geração de empregos e consumo o PT foi forte.

    Quando a economia saiu do eixo do crescimento e veio a desaquecer, depois de 12 anos seguidos de aquecimento o Projeto de Estado fez muita falta.

    A Política tornada refém do capital privado, que elegeu este Congresso Nacional, de maioria corrupta, e, em defesa de interesses alheios ao da população em geral.

    O Judiciário dominado pelo aparelhamento partidário de Oposição via PSDB, muito em função da própria formação intelectual da Magistratura, que é influenciada sobremaneira pela velha mídia, fonte primária de informação das classes média e médio-alta tradicionais: o Governo petista era desenhado diariamente como um partido de corruptos e o PSDB o partido idolatrado dos meios de comunicação oligopólicos.

    A mídia brasileira, quase na totalidade, oposicionista e oligopólica fazendo o papel de Oposição e de blindagem ao tucanato e aos políticos, que se manifestassem oposição ao Governo petista. Velha mídia bi temática: caos econômico e corrupção, únicas coisas que emergiram, segundo eles, no Projeto de País adotado pelo PT.

    A Educação pouco valorizada no sentido de formar cidadãos. O modelo abraçado no Brasil da Era Petista é o do consumo, todos nós sabemos, da inclusão social via consumo, exitosa nos momentos de crescimento econômico, porém, impedidora do desenvolvimento continuado de um Projeto de Nação, que vá além do acúmulo de bens materiais.

    E a Reforma Tributária que não veio, e que geraria receitas adicionais aos cofres públicos taxando os mais ricos e, gerando uma cobrança de impostos mais justa e maior capital ao Estado para combater com mais rapidez e êxito períodos de crise econômica.

    O Brasil cresceu sem organização. Foi um processo revolucionário, mas sem as bases para frear qualquer tentativa interna e externa de apear do Poder o Partido dos Trabalhadores.

    Velha Mídia, Oposição e Judiciário + Polícia Federal se uniram por um Projeto de Poder, sem direcionar um Projeto de País, além do neoliberalismo radical e um Projeto de Estado. Tomaram o Poder via PMDB e Temer sem saber que realidade existe em maio de 2016 no País e o que fazer do Brasil outro de inclusão de direitos aos pobres e trabalhadores, de inclusão social e de ascensão social via consumo e acesso ao ensino técnico e universitário, que surgiu do Projeto de País do PT.

    Em tempos de quase 90% de popularidade de Lula as reformas do Estado não seriam possíveis?

    A queda de popularidade do PT e a queda de apoio da população ao Governo Dilma pela crise econômica acentuada de 2015 para cá acabou com o presidencialismo de coalisão e o Projeto de Poder do PT.

    PMDB e PP e a balança.

    São partidos da balança. A blindagem ocorre na velha mídia, quando seus políticos se bandeavam para a oposição em direção ao PSDB. Apoiando o PT estavam em evidência como cumplices da “corrupção”.

    Hoje, o PMDB assume o Poder via Golpe de Estado. E, carrega consigo os anos todos de aliado do PT (e as investigações da Lava-Jato) e o fato de não ser o Partido da velha mídia e do Judiciário, que é o PSDB.

    PMDB que está nas mãos da velha mídia e do PSDB, partido da velha mídia e de toda a parte do Judiciário aliada da velha mídia e do PSDB desde sempre.

    A Lava-Jato teve interesse em denunciar PMDB e PP, mas o PSDB ficou, praticamente, blindado e o é até hoje.

    PMDB e PP Não têm Projeto de Poder, Projeto de País e Projeto de Estado.

    Tanto é verdade que a única certeza é que o PMDB quis chegar ao Poder para se livrar das condenações via Lava-Jato. 

    São apenas patrocinados pela Inciativa privada via contribuições polpudas nas eleições e o Projeto desses partidos visa apenas o interesse particular (financeiro) de cada político eleito (com raras exceções) e de seus patrocinadores eleitorais (parte do grande capital industrial nacional e internacional e o sistema financeiro).

    PMDB que tem a clássica máxima: prefere estar no Poder do que ser Poder e que com o Golpe, talvez, tenha que reaprender a SER PODER e esta lição pode ser impossível e um erro de cálculo sem tamanho. Tem muita gente querendo puxar o tapete do PMDB.

    O PMDB pode enfraquecer sobremaneira em sendo Poder ao invés de estar no Poder.

    PSDB e a blindagem.

    O PSDB tem Projeto de Poder e de País: o neoliberalismo radical.

    Neoliberalismo Radical que o PMDB ao chegar ao Poder precisa seguir à risca, senão não dura muito tempo no comando do cofre Federal. O aparato midiático-jurídico-policial gerado da Oposição ao PT está ai para obriga-los a seguir por este caminho.

    PSDB que sobreviveu todos estes anos escorado na velha mídia e no Judiciário amigos com a blindagem de suas ações nos governos estaduais e no Governo FHC tidas como irregulares. Suas corrupções sendo jogadas para baixo do tapete, quase sempre.

    Virou uma legenda sem reciclagem política, centrada em 4 personagens desde 2003: FHC, Serra, Alckmin e Aécio.

    Tenta um Golpe dentro do Golpe porque a troca de um Projeto de País, apenas por artimanhas para chegar ao Poder, via blindagem midiático-judicial não surtiu o efeito desejado. O PMDB é que chegou lá com o Golpe de Estado.

    Hoje, PSDB não pode contar sequer com candidato competitivo para a Prefeitura e Estado em São Paulo. Estado que o PSDB domina desde 1994.

    Porém, sonha loucamente com a chave do cofre Federal. Quem sabe via Semiparlamentarismo.

    Judiciário, o novo partido?

    Atualmente, se pode pensar que há uma quarta via de Poder a ser desejada, a de fora da Política via Judiciário. Sérgio Moro, Joaquim Barbosa seriam os candidatos principais ao cargo de Presidente do Brasil de fora da Política, de dentro do Judiciário.

    Há Projeto de Poder, de País e de Estado deles e viável?

    A questão que se abre é: com o Brasil dividido em dois, como um Governo nascido do Judiciário se sustentará, caso as medidas iniciais dele não garantam um novo ciclo de desenvolvimento ao País?

    Se eu tenho, hoje, a possibilidade de apenas + ou – 50% de pessoas que aceitariam o Sérgio Moro Presidente e ele agir de forma a perder parte destes 50% como ele faz para se manter no Poder de maneira impopular? Não tem solução.

    Hoje, caberá discutir uma ampla Reforma Política e as outras reformas, só estas garantirão um Governo Federal com apoio dos brasileiros e com segurança para que não se façam golpes com qualquer maioria parlamentar de ocasião.

    Projetos exclusivos de Poder não cabem mais no Brasil.

    Somente um Projeto de Estado vai resolver este confusão toda: confusão política, judicial, econômica e social.

    Precisamos de um Projeto de Estado para recriar a possibilidade de maiorias democráticas e de apoio popular.

    Em maio de 2016 é possível criar um Estado Policial?  Vamos, por exemplo, importar Exército e armamentos dos EUA para garanti-lo?

    O Brasil não tem esse aparato policial/militar todo para calar o povo brasileiro e a sua luta por mais direitos sociais, mais Estado e mais liberdade política, ideológica e individual.

    205 milhões de brasileiros somos e, hoje, temos a Internet para contestar e mostrar outros pontos de vista sobre a realidade, além, de uma sociedade mais complexa e com milhares de organizações sociais e muita gente militante das causas sociais, dos direitos humanos e dos direitos civis. 

  67. Votar contra o Brasil, por Bresser-Pereira
     

    Luiz Carlos Bresser-Pereira – 14 h · Votar contra o Brasil

    Dilma deu hoje excelente entrevista na Folha. Ressaltou que as verdadeiras causas do impeachment foram a tomada do poder por uma direita liberal inconformada com sua vitória na reeleição e o desejo de muitos políticos comandados por Eduardo Cunha de obstruir a operação Lava Jato. Ela tem toda razão. A história das pedaladas foi uma farsa jurídica.

    Dilma foi acusada de ter feito um estelionato eleitoral, mas quem o está fazendo é o seu vice-presidente, que está se propondo a dar uma guinada a favor dos ricos para a qual, definitivamente, não foi eleito.

    Dilma espera que o Senado reverta a posição. Ela só teve 22 votos a seu favor, e precisava de 27, mas ela espera ter 30 votos. E argumenta: “Nós podemos reverter isso. Vários senadores, quando votaram pela admissibilidade [do processo de impeachment], disseram que não estavam declarando [posição] pelo mérito [das acusações, que ainda seriam analisadas]. Então eu acredito”.

    Uma coisa é certa. Votar pela continuidade desse governo interino é votar contra o Brasil e a sua democracia.

     

  68. Pensando fora da caixa

    O Xadrez do Nassif contempla elementos bem definidos, delineados ao longo do tempo através da atuação de cada um, o que lhe permite fazer uma análise limitada à estes próprios elementos. Isto não teria problema algum, se algum dos possíveis resultados fosse minimamente satisfatório. Devemos nos conformar ou buscar alternativas?

    Temos, entretanto, uma peça fundamental pouco discutida, pouco explorada e um tanto ausente do xadrez. E o povo? E a grande mobilização que está havendo agora que o circo pegou fogo de vez? Esta é a força enorme e difusa que precisa ser canalizada urgentemente como uma forma extra de governabilidade. Não há meios? Meios tem que ser criados!

    Se as instituições não funcionam (sejamos francos!), vamos ficar esperando o quê?

    Há tanto potencial sem ser explorado, estes alunos e artistas que se mobilizaram são multiplicadores de opinião. Não estou falando de cooptação, de formação de massa de manobra, nada disso, somos melhores do que isso. Precisamos de honestidade na informação e saber ouvir. 

    A prioridade não são as eleições agora, novas lideranças tem que ser formadas, pois está esgotada toda esta velha política das raposas (e seus filhos). Mas o novo não tem que ser inocente, um golpe de marketing e nem um pretexto para esconder velhas armadilhas. Marina acertou na forma (por isso teve votação expressiva), mas errou feio no conteúdo. Marina seria um grande engodo como Collor foi. 

    É a reforma política que tem que cair na boca do povo primeiro! No mais, é Dilma que deve conduzir o governo porque a legalidade precisa ser preservada, quer doa em chico ou em francisco. Precisamos nos submeter às leis a despeito das dificuldades, senão a zona fica pior do que já está.

  69. O problema não é a Dilma

    Toda a sua análise sempre termina como se o problema fosse a Dilma, não é, tanto que ela se reelegeu. O problema é de um país onde a cultura fascista e machista impera. Qu tem uma plutocracia a mais reacionária do planeta. Onde 120 famílias decidem o destino da nação e que outras 5 famílias são donas de toda comunicação do país, capitaneada pela Rede Globo. O problema são os Financistas. O problema são estes grupo que aparelharam o estado e estão encastelados no poder Judiciário. O problema é esta política que quer dar cabo a tudo que seja minimamente democrático e que faça alguma mobilidade social. O problema é que passou se muito tempo falando que Dilma era o problema.

    Dilma cumpre um papel importante para a esquerda não só hoje, como para a história, está sendo apeada do poder por que representa os mais fracos, os mais pobres e a parte honesta da política do país.

    • sempre que culpam Dilma

      lembro dos Bolsonaros da vida quando culpam a vítima do estupro.

      Dilma errou quando caiu no conto do vigário de corte de despesas para resolver problemas de recessão.  

      Errar, todos nós erramos. 

      Mas quem estuprou a democracia não foi Dilma. 

      Quem deixou o país ingovernável sem chances de reação não foi Dilma. 

      Quem patrocinou pautas bombas no congresso não foi Dilma. 

      Quem espalhou ódio na população brasileira não foi Dilma.

      Quem conspirou não foi Dilma. 

      Quem traiu a nação não foi Dilma. 

      Os informantes dos americanos não é Dilma nem o PT. 

      E ainda querem negociar com o estuprador uma eleição antecipada. 

      Tudo armado para o estuprador ser o novo presidente do Brasil. 

      E pior: presidente “legítimo”. 

      Mas a teoria é frágil e infantil. Mais fácil o novo dono do Brasil, Sr. Gilmar Mendes deixar 2016 ir aos trancos e barrancos e depor o presidente ou a presidenta em 2017 e convocar novas eleiçoes – indiretas , é claro. Viva José Serra!

       

       

       

       

  70. Prudência

     “Sendo tudo feito dentro da lei, inclusive a inabilitação ou até prisão de Lula, caberá às Forças Armadas garantir a ordem e a Constituição.”

    Isso é assustador. Temer é muito fraco, qualquer grupo que chegue ao coração do poder, toma-lhe o poder, posto que não é legitimo. Teriamos em 2016 uma possibilidade de que as FFAA tomem o poder, através de figuras como o general Sérgio Etchegoyen ?

    Em todo caso, vendo a bagunça que o proprio STF esta deixando o Brasil incorrer é possivel que uns mais afoitos nas FFAA resolvam “colocar ordem no terreiro”.

  71. a questão – dois anos de mandato

    É uma boa análise, mas acho que ficou um pouco carregada na tinta nos cenários. Afinal nem a postergação do mandato após 18 e nem a antecipação do nada das eleições estão previstas na legislação. Como se daria isso? Por mais quebra de institucionalidade? Como reagiria o mercado externo, insegurança jurídica e tal; ou proponto uma emenda constitucional para o congresso. Não sei, acho pouco provável.

    Talvez mais útil pensar dentro da legalidade, ou pelo menos sua verossimilhança.
    A questão é Dois anos de mandato.
    Se o presidente e o vice caírem antes disso, ai sim tem novas eleições; se for após é o congresso quem escolhe.
    Então está na mão do Gilmar no TSE. Ele pode muito bem deixar o Temer (des)governar esse ano, enquanto isso a Lava-jata ataca (já está fazendo isso) o PMDB. E então no início de 2017 (falta só meio ano) o Gilmar derruba a chapa inteira. o PT e o PMDB estão sem força no congresso e a casa escolhe outro presidente. Capaz  de sobrar pro Serra.

    • O problema é que a vida real

      O problema é que a vida real não é um jogo de xadrez. A essa altura, ninguém tem controle e consegue movimentar as peças do jeito que quer. Se fosse tão fácil assim, esse golpe estaria navegando melhor. Ele iniciou com apoio maciço da elite e do congresso, era um começo promissor.

      Qualquer roteiro de golpe, renovado ou refeito, tende a não dar certo. 

  72. Previsão sombria e possível

    A tentativa de condenação de Lula no STF pode motivar um final trágico para nossa democracia. Os magistrados correm o risco de saborear o mesmo fim trágico do Marquês de Launay – o chefe da Bastilha.

    Estão brincando com fogo.

     

     

  73. Governo composto por lideranças da sociedade civil

    Reforço comentário escrito anteriormente:

    Viabilizando um novo governo Dilma

    1) Para reconstruir as pontes com o o setor produtivo é necessario um bom plano de governo, um bom nome para ministro da Fazenda, e uma boa estratégia de articulação.

    2) Quanto às pontes com as corporações no interior do Estado, um governo composto por representantes da sociedade civil e/ou funcionários de carreira com capacidade de liderança e gestão, poderia ser o ponto de partida . Os partidos políticos, inclusive o PT, teriam que abrir mão do seu protagonismo. Em seu lugar, é necessário cobrar muito empenho de ministros e secretários no sentido da comunicação com a sociedade e a defesa do governo.

    3) As pontes com os movimentos sociais não foram desfeitas (enfraquecidas, sim), mas é fundamental que suas demandas sejam respeitadas, já que é a rua que conduzirá Dilma de volta ao governo.

    Observa-se que os políticos – quase todos – estão sem moral. Esse é o recado dos MPs e da Poícia Federal. O que não significa que partidos como o PT, PSOL, PCdoB, ou qualquer outro, de centro ou direita,  que tenham efetivamente programa e base social, e não sejam apenas federações de caciques que defendem tão somente interesses privados, seus e de seu grupo, não tenham que existir. Trata-se de entender o momento, o desgaste dos partidos políticos, e fazer um trabalho de longo prazo, no sentido da recuperação da confiança e enraizamento na sociedade.

  74. RESGATE DA LEGALIDADE

    Na minha humilde opinião, parece desprovida de mínima consistência concreta a tão propalada hipótese de antecipação das eleições, sejam elas gerais ou apenas para a Presidência da República. E ainda que fosse efetivada tal antecipação, o resultado final mais provável seria uma pseudo legitimação do golpe em marcha.

    Um primeiro aspecto que demonstra a inconsistência da referida hipótese é o fato de que tal alternativa não tem previsão constitucional, e então seria um golpe dentro do golpe.

    Decorre daí que não há possibilidade concreta de materialização de tal hipótese, pois, mesmo depois de revertido o golpe do impixe, não existe nenhum respaldo legal para convocar novas eleições. A menos que houvesse uma renúncia tanto de Dilma quanto de Temer, antes de completados dois anos do governo empossado em 2015.

    Além disso, há que se ter em vista a triste realidade de que o resultado de tais eleições antecipadas seria, muito provavelmente, uma vitória inevitável da direita e de seus asseclas.

    Dado que a diferença de votos a favor da chapa presidencial vitoriosa foi muito pequena na eleição de 2014, e considerando o estrago causado pela farsa golpista, impulsionada por uma absurda pressão midiática, seria muito pouco provável uma vitória da esquerda.

    Donde resulta que a única alternativa real para enfrentar os riscos de graves retrocessos antidemocráticos é ampliar a luta democrática em defesa da democracia, com base no resgate da legalidade constitucional, violada pelo golpe de estado que avilta os artigos 85 e 86 da Constituição Cidadã, em face da já demonstrada inexistência de conduta tipificada apta a embasar a falaciosa acusação de crime de responsabilidade.

  75. Des Mo Ro Nan Do

    “Entra-se agora na segunda fase do jogo, que consiste em impedir a volta de Dilma e, ao mesmo tempo, jogar ao mar as lideranças do PMDB que participaram do golpe.”

    Esse enunciado é o mesmo que desejar balançar-se sentado, mas antes tirar-se o assento do balanço.  

    Sem o PMDB não há como impedir a volta de Dilma com a votação no senado ou será que o PMDB, velho de guerra, atacado de morte, sem militância que o preserve, vá se deixar abater sem defender-se e, ainda mais incrível, com musica do Chico, em filme da peça de Nélson, “Perdoa me por me traíres”?

    A hora é de Dilma, comandando o chamamento do povo às ruas, à campanha pela volta da Democracia e reforma política para eleições gerais no congresso e presidência, em 2017, aproveitando o racha golpista.

    O povo nas ruas é o único protagonista que pode derrotar os golpistas e devolver o Brasil a Democracia e a Esperança.

  76. Nessa altura do campeonato se

    Nessa altura do campeonato se houverem eleiçoes corremos o risco de elegerem o Tiririca… ou a Marina Silva. Sabe-se lá o que é pior. A politica brasileira está em uma sinuca de bico.

  77. Deu errado

    Acho que a mudança de vento ocorreu porque na realidade esta sendo jogado um jogo de dama,preto contra branco.Estrategia muito simples,testada fartamente em outros paises do mundo.O que deu errado,a esquerda organizada correu  dizendo que é golpe,colou,a explicação foi dada,CEOs do mundo todo a esta hora consideram o pais um risco juridico.Qual é candidato que vai querer seu nome ligado a um golpe.Ninguem.Sem muita  explicação tem que reverter e esperar uma nova oportunidade.Talvez 2018 com Marina.

  78. Discordo completamente de

    Discordo completamente de nova eleição agora para a Presidência da República! Seria o povo brasileiro avalizar a eleição de um entreguista, sem poder reclamar ou lutar contra a destruição do país. Nessa opção o povo em protesto poderia mesmo ter que enfrentar suas próprias Forças Armadas agindo em prol da “nova legalidade”. 

    Prefiro apostar no retorno de Dilma revestida de novo ministério e encurralando os patifes da república com o apoio do povo ao fazer as reformas necessárias!

  79. Eleições gerais não

    Eleições gerais não funcionarão. Ora, o que vocês imaginam? Que tais eleições serão democráticas, limpas e que os agentes políticos explícitos e implícitos irão se comportar “republicanamente”, debantendo ideias e projetos? Claro que não!! As eleições serão precedidas pela maior mobilização já vista do poder financeiro, policial e judicial contra tudo que parece uma alternativa progressista!!! Será um massacre ver um candidato progressista, seja Lula ou outro qualquer, lutanto contra todo os poderes formais e informais, inclusive, claro, a imprensa. Não poderá tal candidato vencer. Se vencer, não poderá tomar posse. Se tomar, não poderá governar. Logo, as eleições simplesmente irão referendar o golpe! A saída é um contra-golpe dentro do golpe! Aí o Brasil teria alguma chance. Qualquer outra alternativa significa a vitória da direita raivosa e atrasada que assola este país desde sua fundação. Pena que essa opção é apenas um sonho.

    • Novas eleições NÃO!

      É uma quimera achar que uma proposta de eleições gerais seria aprovado pelo Congresso já que implicaria na redução dos seus próprios mandatos. Sendo inviável sua aprovação, por quê insistir nesta ideia?

    • Excelente artigo. Fui lendo

      Excelente artigo. Fui lendo os comentários pensando nos limites existentes para uma eleição e, finalmente, achei o texto do Ericson. Concordo com quase tudo. O objetivo é fechar qualquer possibilidade para líderes e partidos de esquerda, seja lá o que for que isso signifique. Com a atual estrutura da mídia,  do Poder Judiciário, MP e PF ninguém da esquerda terá chance. E o pior é que, em parte pelo menos, a esquerda ajudou no processo de criação e desenvolvimento do ‘protagonismo” destas corporações que compõem o sistema de justiça brasileiro, desde lá atrás, durante a Constituinte. Criamos monstros. A única dúvida em relação ao comentário é em relação ao que seria esse ‘contragolpe’. Quem a lideraria, quais seriam os objetivos e quais seriam os métodos? Acredito que até mesmo os partidos de esquerda, a começar pelo PT, correm o risco de se acomodarem caso vejam alguma janela para se elegerem em algum cargo. São inúmeros deputados, senadores, deputados estaduais, governadores, vereadores e prefeitos e todas as respectivas trupes interessados em eleições. Políticos profissionais gostam de eleições.Há um risco de acomodação até mesmo do PSol. Por isso a pergunta do Ericson é muito pertinente. Eleições em que condições e com que objetivos? Talvez a saída seja a formação de uma frente de esquerda focada unicamente da resistência e na crítica dura, sem concessões, até que mudanças profundas se tornem viáveis. Incluindo a reforma política, da mídia e a revisão dos poderes das corporacões do sistema de justiça. O que implicaria, na verdade, uma nova Constituição. A esquerda precisa rever completamente seus objetivos e métodos. Isso é certo em qualquer situação. Mas a democracia limitada que conhecemos nesses últimos quase trinta anos, está morta. Acho que um boicote às eleições, caso elas venham e dependendo de como venham, seria o primeiro sinal de uma nova esquerda. 

  80. Xadrez do PMDB jogado ao mar.

    Bem lembrado “O PODER EMANA DO POVO E EM SEU NOME SERÁ EXCERCIDO”.

    E nós o povo concedemos a responsabilidade de conduzir a politica do BRASIL a Presidenta DILMA ROUSSEFF até 31/12/2018, qualquer proposta diferente disso que não venha DELA é GOLPE de ESTADO.

  81. O FSP/UOL esta publicando

    O FSP/UOL esta publicando artigo  hoje  assinado por um ”jornalista de nome Marco Amtonio Matis, em que afirma categoricamente que o ministro militar está se preparando para combater movimentos de esquerda. Será isto verdade, terrorismo do jornalista ou estou delirando que a ditadura chegou?  está no link : http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1776179-chefe-do-gsi-nomeado-por-temer-e-de-ala-que-ve-mst-com-preocupacao.shtml

  82. Esse xadrez do Nassif está

    Esse xadrez do Nassif está sendo um bom FÓRUM DE DEBATES,nada além disso!

    que tal os debatedores aqui ir a uma “manifestazãozinha” alí? ou então fazer igual ao

    ANONYMOUS e agir por aí na forma que se pode,os partícipes do Anonymous começaram

     no site 4CHAN com entretenimento,debates(como este blog) e GANHARAM O MUNDO!

    Proponho ao Nassif organizar reuniões,palestras,encontros com a GALERA DAQUI do blog

    e organizá-los para aproveitar o que cada um pode fazer para AGIR,já que a maioria aqui

    são inteligentíssimos no raciocínio e nas palavras neste espaço democrático aqui!!

    OBS:moderação ggn favor não bloquear meu comentário SEM MOTIVO!Acho ele de GRANDE

    IMPORTÂNCIA A TODOS AQUI(ao menos em minha mente!)

  83. objetivo final do processo

    TENHAM CERTEZA DE QUE A DETERIORAÇÃO ECONOMICA DO PAÍS É O OBJETIVO FINAL DO PROCESSO.

    ELA É  A ÚNICA  SOLUÇÃO PARA A CRESCENTE CONCORRENCIA MERCANTIL E CRESCIMENTO COMO NAÇÃO INDEPENDENTE NO CONCERTO DE PAÍSES DO MUNDO.

    O PAIS DEIXARÁ TAMBEM DE SER EXEMPLO PARA A AMERICA LATINA.

    NÃO HAVERÁ GOVERNABILIDADE PERMITIDA QUE ESTABILIZE A SITUAÇÃO FINANCEIRA ANTES DO COMPLETO CAOS.

    A LIÇÃO SERÁ EXEMPLAR.

    A DEPENDÊNCIA SERÁ PROFUNDA E PROLONGADA.

    OS PARTICIPANTES ATUAIS SÃO MEROS ATORES, ESTÃO SENDO USADOS.

     

  84. Série Xadrez como análise de um “Campo Social”
    Concordo com o Onkoto que a série Xadrez merece uma compilação, pois a a análise é sofisticada e não tem paralelo acontecendo por aí, pelo menos não em tempo real e para consumo geral. Gracias Nassif pelo belo trabalho.   Concordo com o Onkoto também que os jovens turcos e o Moro se enxergam portadores de uma missão histórica para “limpar o Brasil”. E que nossa elite econômica, política e judiciária se utilizou disso para retirar a Dilma. E que agora os jovens turcos podem querer continuar a limpeza, arrastando o PMDB e se for preciso o PSDB, com o propósito declarado de criar uma nova casta política “limpa e pura” como falou um grampeado recente.  A saber se o impeto muda quando chegar o PSDB paulista (do MP em São Paulo já sabemos, mas a saber se os jovens turcos terão comportamento similar). Acho que todas as análises do Xadrez se encaixam perfeitamente na teoria dos campos sociais do sociólogo francês Pierre Bourdieu. Aliás talvez este seja o pano de fundo teórico que faltava e que pode ajudar a completar algumas lacunas do Xadrez. Nassif, talvez isso ajude amontar o cenário todo. Leiam e veja se não cabe direitinho: O campo pode ser definido como um microcosmo social que possui leis próprias de funcionamento e um certo grau de autonomia em relação ao macrocosmo social. Neste microcosmo social existem diferentes posições, que são ocupadas por diferentes agentes. E cada agente, considerando a posição que ocupa, estabelece relações objetivas com os demais. Para Bourdieu, não é possível compreender o que ocorre, a não ser que os agentes e instituições estejam devidamente situados no campo, a partir de suas relações objetivas com todos os outros. Mas essas relações são relações de força, sendo que “todo campo é um campo de forças e um campo de lutas para conservar ou transformar esse campo de forças”.  As estratégias que os agentes e instituições adotam nessa luta dependem da posição que eles ocupam na estrutura do campo. Então, entender as posições de um determinado campo se torna um aspecto central na medida em que nós apenas somos capazes de compreender verdadeiramente o que diz ou faz um agente se temos a adequada compreensão da posição que ele ocupa, se sabemos “de onde ele fala”. (“de onde falam” os jovens turcos cabe proteção ao PSDB paulista? A conferir) Para Bourdieu, é preciso tomar cuidado para não transformar as propriedades que os agentes possuem em determinados momentos, e de acordo com as posições que ocupam, em propriedades que lhes são constitutivas, como se fossem propriedades necessárias ou intrínsecas dele ou do grupo a que se vincula. (Tófoli como ex-petista e como Ministro do STF Anti Dilma, ajuda a explicar?)  De acordo com o autor, possuir disposições que não são as disposições que o campo exige, tais como disposições adquiridas em outros campos, coloca o agente em situação de defasagem, deslocamento, má-colocação. É como um jogador que não domina as regras do jogo. Essa situação leva a consequências graves para o agente. (Dilma desrespeitando todas as regras de boa convivência entre os poderes?) No campo, os agentes lutam para impor o seu veredicto como ‘imparcial’, a fim de fazerem reconhecer a sua própria visão como objetiva, verdadeira e, portanto, adequada. (todos!)  Para Bourdieu os sujeitos são agentes dotados de um senso prático, de um sistema adquirido de preferências, de princípios de visão e divisão, de estruturas cognitivas que são duradouras, mas não imutáveis, e de esquemas de ação que orientam a percepção da situação e a formulação de respostas adequadas. Este senso prático é o habitus. O habitus, em resumo, se refere ao aprendizado social condicionado pelo pertencimento a um grupo, ao compartilhamento tácito das visões de mundo e práticas sociais deste grupo, de suas ideologias explícitas e implícitas, da sua forma de lidar com as instituições sociais. Ele é composto por esquemas classificatórios, princípios de visão, divisão e gostos. (jovens turcos e delegados oriundos da classe média elitizada, bacharéis concurseiros com zero visão política e econômica? há melhor exemplo do que as citações embaraçosas de Nietzsche e Engels/Hegel?)  E por aí vai…

  85. Criminalizar golpes de Estado é urgente!

    O Congresso Nacional (talvez o Senado) deveria apresentar, urgentemente, uma PEC, que se torne cláusula pétrea na Carta Magna, criminalizando a conspiração contra o Estado Democrático. E se essa conspiração envolver contatos prévios com agentes estrangeiros, ficaria caracterizado o crime de traição ao país. Os condenados deveriam ter seus direitos políticos cassados perpetuamente, sem prejuízo das demais penalidades, que deveriam ser as mais severas que as nossas leis permitirem.

     

    PS – Logo agora que Dilma está se reabilitando perante a opinião pública, querem detoná-la antes de terminar seu legítimo mandato?

  86. ALTERNATIVA 2,5

     CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF

     

    Minha cara Presidenta!

     

    Sinceramente, acredito em sua dignidade, caráter e boas intenções com o nosso país e o povo brasileiro.

    Porém, como é do conhecimento até do reino mineral das dificuldades em retornar ao seu cargo de direito pelas vias legais e ainda, mesmo que consiga tal feito, a impossibilidade de exercê-lo plenamente com o congresso atual e considerando que na guerra devemos combater o inimigo com as mesmas armas, sugiro, ou melhor, peço-lhe encarecidamente que pense na seguinte estratégia:

    – Como está publicamente reconhecido que o processo em curso, de fato é um golpe parlamentar-jurídico-midiático, afirme a sua ilegitimidade e se proclame Presidenta em pleno uso de suas funções e deveres como Chefe de Estado, para isto conte com o apoio popular (mesmo que não a totalidade) e, se possível, também com o apoio das forças armadas;

    – Considerando a face parlamentar do golpe, dissolva o atual o congresso, torne nulas todas as leis votadas em 2015/2016 e convoque novas eleições gerais para outubro próximo, inclusive para presidente e reforma política constitucional;

    – Considerando a face jurídica, se a anulação acima não atingir a PEC da Bengala, anule-a também, eleve a composição do STF para 15 membros e indique para a complementação do quadro, juristas que se mostraram legalistas e constitucionais durante este período tenebroso;

    – Considerando a face midiática, inclua na reforma constitucional a democratização dos meios de comunicação, bem como seu marco regulatório;

    – Forme um novo ministério, preferencialmente com não políticos, na impossibilidade, escolha aqueles que já demonstraram competência à frente de algum ministério, mesmo que de partidos diversos;

    – Governe até 31.12.2016, através de decretos, inclusive refazendo as poucas leis proveitosas votadas em 2015/16.

    Por fim, lembro-lhe uma frase que motiva a senhora, a outros brasileiros e a mim a lutar pela manutenção e ampliação das conquistas dos últimos 13 anos, fazendo um Brasil com mais justiça e igualdade social, “a vida quer é coragem”.

    Que Deus guie seus passos e ilumine seus pensamentos.

     

    Alberto Wanderley Junqueira Teixeira

  87. É o estado policial.

    Concordo Nassif. O golpe dentro do golpe. Os grampos seguem o objetivo e implodir a república, as instituições e destruir os partidos. O fato é que o PSDB já sabe que seu partido nunca ganhará mais nada, Nem nos estados.Desta forma, já tem a estratégia de implodir a republica, instalar o estado de exceção com a ajuda sim dos EUA. Serra já deu mil sinais disso. Quando ele disse que se o exercito hoje tivesse força, seria muito fácil dar o golpe. Ele, não está nem aí mais pro partido, pra nada. Num golpe armado estaremos perto de num modelo franquista de ditadura ( segue a bula da república de weimar e instalará um processo semelhante ao franquismo) – que durou 40 anos na época, graças a maquiagens de falsas beneses a população e total subserviencia aos EUA, mas extremamente cruel, assassino. É Preciso reagir inclusive porque o Brasil não é mais um país periférico. E aí?

    Nestas condições não há 2018. Mas ainda acredito em discordâncias nas forças armadas e muitas outras resistências. O fator da deflagração do golpe no mundo, parece que ninguém contava com essa. Ainda não consigo vislumbrar milhões de pessoas que adquiriram direitos e a consciência de cidadania, que vem aumentado no Brasil sendo calada. Nem acredito num Nordeste passivo não. Pode ser que caminhemos para um processo separatista inclusive. Engana-se redondamente que o Brasil sempre foi e será um. Nunca foi.

  88. É golpe paulista e vinga o golpe de 30 e recupera o golpe de 32

     

    Luis Nassif,

    Ótimo post, mas eu tenho algumas críticas. Você até que avança muito ao colocar em primeiro plano como estrutura máxima de poder “o poder econômico paulista”, mas recua por deixar apenas implícito, mas não explicita a razão da defenestração de Aécio Neves. Aécio Neves foi defenestrado porque o golpe é das elites paulistas. Como você apresenta fica parecendo que é pela incompatibilidade entre o novo Ministério Público da União e o Aécio Neves.

    E no arremate da defenestração de Aécio Neves você traz uma frase sem fundamentação ao dizer que a defenestração de Aécio Neves “deixa o PSDB sem candidato competitivo para novas eleições”. Ora, José Serra e Geraldo Alckmin, com o suporte do poder econômico paulista, são candidatos competitivos do PSDB. José Serra poderá ceder o posto para a candidatura de Geraldo Alckmin se lhe for dada o cargo de primeiro ministro.

    Bom, eu saltei quase todos os fatores que você relacionou porque eles são sem importância. A legitimidade do governo interino só vai ter importância no que diz respeito à população. Junto aos próprios sustentáculos do golpe ele não vai perder a legitimidade. E ai, eu tenho que me penitenciar por ter sido tão crítico em relação ao comentário de Chico Pedro enviado quarta-feira, 18/05/2016 às 20:03, lá no post “Xadrez do governo Frankenstein” de quarta-feira, 18/05/2016 às 09:45, aqui no seu blog e de sua autoria. Parece que você queria chamar de “O presidencialismo condominial” o post “Xadrez do governo Frankenstein” que pode ser visto no seguinte endereço:

    http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-do-governo-frankenstein

    Disse que eu tinha que me penitenciar por criticar o comentário do Chico Pedro porque lá ele diz o seguinte em relação ao governo de Michel Temer:

    “lógica do que convencionou-se chamar, de modo bastante equivocado, de “governabilidade”.

    Terá um prazo da população de alguns meses até colher os efeitos. Por estes, entenda-se indicadores econômicos ascendentes.

    Suas chances são pequenas.

    No primeiro sinal de “melhora”, entretanto, e aqui reside o trunfo, a mídia providenciará a pirotecnia ilusória.

    Nem que seja através da manipulação grotesca de dados e informações”.

    Então é isso, havendo recuperação econômica o governo de Michel Temer se sustenta. Não dei a devida importância a essas frases de Chico Pedro porque elas revelam duas falhas. A primeira falha consiste em imaginar que a recuperação econômica possa ser manipulada pela mídia. A manipulação da mídia só atinge os cabeças ocas. A população vive é do seu dia a dia, na sua luta contra a inflação e contra o desemprego. A melhoria desses dois indicadores são sentidos, a inflação mais porque é geral, e o desemprego menos porque é localizado.

    E a segunda falha consiste em perceber nas frases de Chico Pedro uma visão utópica de que países como Brasil, ainda tremendamente pobre e desigual, não têm como a questão precípua o crescimento econômico. É falha de compreensão até do próprio sistema econômico capitalista porque sem crescimento o sistema capitalista desaparece.

    Essa falha não é só de Chico Pedro. Aqui neste post “Xadrez do PMDB jogado ao mar” de segunda-feira, 30/05/2016 às 01:01, há muitas demandas por reformas que países mais ricos, ou melhor, não tão pobres como o Brasil, ainda não conseguiram. E o pior que são demandas de esquerda quando o que o Congresso Nacional demonstrou com a aprovação do impeachment é que nele não há 1/3 de representantes de esquerda. Não é só utopia, mas é também desconhecimento da tabuada.

    Sobre o Congresso Nacional atualmente dominado pela direita e que muito provavelmente é maioria desde 1990, sem esquecer que mesmo com a esquerda fortalecida na eleição para o Congresso Nacional de 1986, houve espaço para se montar o Centrão com deputados de centro direita em maioria. De todo modo, há trinta anos eu fui uma das poucas pessoas que ficou contra o Plano Cruzado e desde então eu ainda fico no rol menor de pessoas que atribuem a grande modernidade da Constituição de 1988, exatamente ao Plano Cruzado. O Plano Cruzado permitiu eleger um número maior de deputados de esquerda, mas de lá para cá esse número só vem caindo.

    Bem, penso que o adiamento das eleições pode até existir em sonho dos que não gostam de eleição, mas é a alternativa mais mal fundamentada de todas que você já lançou. Em meu entendimento, é claro. E a proposta de eleições gerais é um erro da esquerda. O problema do Brasil é a grande desigualdade que impera no país. Enquanto houver essa desigualdade, a representação política no Brasil será desigual privilegiando a direita. Em época de crise, então, como atestam os trabalhos que mostram o crescimento da direita no mundo quando o crescimento econômico é pequeno ou mesmo negativo, propor novas eleições é apenas uma tentativa de legitimar o golpe.

    E muito bom você ter feito no post referência elogiosa ao comentário de Onkoto, enviado segunda-feira, 30/05/2016 às 10:16 e que agora está na segunda página, dando ainda ao comentário destaque merecido. Só senti o fato de Onkoto não ter feito alguma digressão sobre a corrupção. Considero que é a falta de entendimento sobre a corrupção um dos motivos do atraso do mundo. Não é só no Brasil que esse atraso vigora.

    O mundo evoluirá bastante quando perceber que a corrupção não é empecilho ao crescimento econômico, uma vez que no sistema capitalista só há crescimento econômico quando se permite o acúmulo de capital e a corrupção tem a mesma gênese do sistema capitalista: a acumulação de capital via mais valia, ou melhor, via trabalho alheio. Ainda vai demorar até se chegar à compreensão de que a corrupção deve ser combatida apenas porque é algo ilegal.

    Enfim não vejo muita alternativa. Se a presidenta Dilma Rousseff voltar sem que tenha ocorrido algum aumento do imposto, a dificuldade de ela gerenciar a economia será muito grande. E Michel Temer é apenas mais do mesmo quando não se consegue ter no poder alguém da esquerda. O governo dele a meu ver só é refém do FED. Se não houver aumento de juro americano muito provavelmente haverá redução de juro no Brasil no segundo semestre de 2016, apesar da alta recente da inflação, e provavelmente a economia entrará na curva ascendente de que falou Chico Pedro. Assim finalmente se cumpriu a sua profecia de que ou era Dilma com Temer ou Temer sem Dilma. Só resta a esquerda não deixar que a história seja contada exclusivamente pela direita.

    Aliás é preciso que a história seja contada também pela esquerda e que a esquerda conte a história certa. E enquanto a esquerda não for capaz de dizer o que ocorreu com os investimentos no terceiro trimestre de 2013, e explique com detalhe qual foi a razão na reversão dos investimentos após três trimestres de crescimento expressivo, a história está mal contada. Até porque entendendo o terceiro trimestre de 2013, vai permitir também entender porque a presidenta Dilma Rousseff que adotar a política posta em prática a partir de 2015. Sem o entendimento do que ocorreu no terceiro trimestre de 2013, o mais fácil será mesmo do lado da esquerda jogar pedra no governo da presidenta Dilma Rousseff.

    Aliás, há muitos na esquerda que jogam pedra na presidenta Dilma Rousseff há muito tempo, e muitas vezes utilizam de crítica sua para assim proceder. E é sintomático que você nunca apresentou um estudo sobre o que teria acontecido no terceiro trimestre de 2013. Será que não há um professor universitário com bons alunos para fazer esse levantamento? Bastaria desagregar os dados e mostrar que a culpa e desta ou daquela política econômica.

    Resumindo, parece-me que a presidenta Dilma Rousseff é carta fora do baralho, mas o que ela fez precisa ser mais bem analisado.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 30/05/2016

  89. XADREZ
    Nassif, não escreva essa palavra XADREZ.
    Assim fazendo, logo alguém dessa curriola que se apossou do Poder Executivo irá lhe procurar
    pedindo uma delação premiada.

  90. Como defender qualquer coisa
    Como defender qualquer coisa que não seja a escolha feita democraticamente pelo voto de 54 milhões de brasileiro?
    Como falar em nome da democracia ofendendo a própria democracia? Governabilidade e algo que esse congresso aprenderá na prática. Sem ter o cabresto que até a pouco lhe era imposto pelo seu cunha. Não há dificuldades em fazer governo com esse congresso, havia dificuldade em compor com o bandido cunha e seus aliados do psdb. O PT tem plenas condições de governar e fazer maioria nessa câmara do jeito que está. Só precisará do Lula como o ministro negado ao Brasil. Não e contra a Dilma que se articulam as forças ,mas contra o Brasil e nossas conquistas.
    DILMA DEVE COMPLETAR SEU MANDATO!
    E nós queremos uma assembléia constituinte específica para implementar as reformas que buscamos para esse país.
    TAMBÉM QUEREMOS REVER AS CONCESSÕES DE TV EM TODA SUA ABRANGÊNCIA E IMPLEMENTAR SUA DEMOCRATIZAÇÃO COM REGULAÇÃO.
    E acima de tudo começar a reforma e discussão do judiciário neste país. COMO ESTA NÃO PODE FICAR.

  91. kenkesô

    “A Dilma não tem condições. Você vê, presidente, nesse caso do marqueteiro, ela não teve um gesto de solidariedade com o cara. Ela não tem solidariedade com ninguém não, presidente. […] Deixa aquele ministério da Justiça que é banana, só diz besteira. Nunca vi um governo tão fraco, tão frágil e tão omisso. Tem que alguém dizer assim ‘A presidente é bunda mole’.”

    Sérgio Machado, em conversa grampeada com Sarney –  divulgada em 26/05/2016.

    Dilma notabilizou-se por seu dom para a inabilidade política, por seu preciso timing em desperdiçar oportunidades de decisão e por sua inamovível inércia frente aos abusos cometidos pela Lava Jato.

    agora, após ser afastada por um golpe, seu anterior estilo seco, distante e arrogante subitamente se metamorfoseia em altivez e simpatia. como se não bastasse, Dilma vem cumprindo com êxito uma bem calculada e coordenada agenda de exposições públicas. (link)

    a medida que o governo Frankenstein mal costurado por Temer vai se despedaçando, talvez tenha chegado o momento de indagar se a criatura não teria saído do controle de seus criadores. a crise se tornou maior do que os golpistas? a rápida desmoralização do golpe impõe como prioridade uma urgente solução para a crise?

    por outro lado, ainda uma outra pergunta insiste em não emudecer: afinal, Dilma, kenkesô?

    .

  92. Jornalista, jornalista?

    Jornalista, jornalista? Começando a debulhar o que penso do que diz, começo pelo fim. Dilma não sendo derrubada, voltando ao poder como vê possiblidade, Lula e outros importantes políticos voltariam a ter influência no Governo, mesmo através de seus pares na política, é possível, agora com poucas dúvidas onde estão os inimigos a combater. É até certo que Dilma não tem porque abrir mão do seu poder, que tentaram usurpar. Os golpistas teriam que se reciclar, muitos encolher-se-iam e tentariam mimetizarem-se para continuarem na política, e até ajudariam, participariam na solução dos problemas, inclusive legais. Se assim fosse, aceitar eleições gerais, era nadar, nadar e morrer na praia. Que teria justificado a luta para impedir o golpe? Além do mais, eleições gerais, no sentido de redistribuir o poder, equilibrar forças, dependeria de mudanças profundas na legislação, principalmente na legislação eleitoral, com destaque o financiamento das campanhas. Já pensou no diálogo de surdos que se estabeleceria entre as forças políticas que hoje dominam e se enfrentam no cenário político brasileiro? Muitos não estão percebendo, mas tem um problema seríssimo nessa tentativa de golpe: tem viabilidade econômica precária. Dar um cavalo de pau na economia brasileira impactará também a economia internacional. É por essas e por outras que vemos esse apoio internacional denunciando o golpe. Não são amores pela Democracia. Todos os que poderão ser prejudicados anteveem os problemas, e não apoiam o golpe que poderá produzir resultados danosos para seus negócios. Agora, achar que no Supremo Tribunal Federal só parte dos Ministros é golpista não condiz com a realidade: a Corte como um todo está imersa no golpe, já vimos o Ministro Fachim, o Ministro Teori e agora o Ministro Barroso facilitarem as coisas para os golpistas, não assumirem suas prerrogativas de defesa da Constituição. Também essa fantasiosa hipótese de a Lava-Jato, na pretensa saga moralizadora, continuar buscando limpar nossa política, afastando os corruptos que não do PP e do PT, parece um tanto fantasiosa. Sérgio Moro serve como marcha de  manobra do Supremo, que já se vê como a peça mais importante do golpe Judiciário-Legislativo que está em curso. Não está à parte, e não é nada moralizador.Também, não é nenhum ingênuo, por isso também golpista. Grande parte dos envolvidos por esse juiz na Lava-Jato são aquele que operavam o espúrio sistema de financiamento de campanha existente no país, com a conivência de todos. O mesmo aconteceu com o famigerado Mensalão. As empresas tirando recursos das estatais para distribuir a políticos. Muitos ficaram com um tanto como paga dos seus serviços a essas empresas. Em suma: um financiamento público às avessas, com o corolário de controlar o Congresso com máfias.  

  93. Golpe

     

    Li muitas críticas a Lula e Dilma, e elas não me convencem. Não vejo nenhum grande erro na condução do país. Nada!

    Vejo um golpe feita por uma elite exploradora, preguiçosa e traidora. Que apenas copia o que seus iguais fizeram nos EUA em 2000. Lá, a Indústria do Petróleo, Armamentos e etc, com a ajuda da suprema corte, puseram o Bushinho na presidência dos estados unidos, num golpe eleitoral desmoralizante. As elites daqui apenas repetem o que já se fez por lá.  

    Acontece que “os donos do Brasil”, esses bilhardários, não tem um projeto de país. Não tem em mente que possamos ser uma nação forte e soberana. Isso demandaria muito trabalho e nossa elite quer apenas usar o país para seus negócios. 

    Segundo o professor, precocemente falecido, Christofher Lasch de “A Rebelião da Elites e a Traição da Democracia” “as novas elites cultuam aparentemente um ideal de multiculturalismo, de diversidade, de mobilidade e cosmopolitismo, e alienam-se da falência geral do sistema democrático, criando defesas contra o colapso, através do poder do dinheiro: escolas particulares, bairros residenciais afastados, vigilância privada, saúde privada, lugares programados para a diversão, onde tudo é controlado, monitorado, vigiado”.

    Nas últimas décadas os estados unidos deixaram de ser uma nação para se transformarem numa empresa: USA S.A. !

    Lula e Dilma enxergam o Brasil como uma nação. Já os nossos empresários e rentistas enxergam um negócio. E um negócio tem que dar lucro. Nunca enxergaram um país.

    Como dizia Darcy: “nossos inteletuais são subordinados e os ricos são subornados”! 

     

     

     

     

  94. Qual o preço dos militares?

    As reuniões dos golpistas pedindo arrego aos militares são sintomáticas. 

    Irão os militares dar guarida a golpistas corruptos, com o ÚNICO INTUITO DE FUGIR da cadeia? 

    Irão os militares ser os avalistas, o último forte para os bandidos? 

    Se forem, qual será o orçamento que estão apresentando? O que estão cobrando em troca? 

    Tal qual foram bater na porta do Sarney, qual será agora o preço das Armas? 

    Quanto mais encurralados, mais caro a conta vai ficando… 

  95. Arrependimento

    Vê-se que o pessoas que apoiaram  integralmente o impeachment e as barbaridades que fizeram contra o PT, Dirceu, demais do PT e contra a nossa Constituição Federal agora arvoram-se de mediadores, em considerações, em talvez, entretantos. Não admitem, nunca, abertamente que torceram, participaram de manifestações e ajudaram no golpe e em tudo que aconteceu.

    Não pensaram que Temer poderia vir com a turma do PMDB corrupto, que já ajudou a FHC? Acharam que Aécio assumiria, ou que Serra na última hora e se colocaria adiante. Pois agora sofrerão juntamente conosco. 

    Mas temos uma alternativa. Vários Senadores mostram-se dispostos a reverter a situação.  Devemos a poiar a a volta de Dilma em um governo de união pela DEMOCRACIA, pois ninguém autoritário como nossos ricos, nossa elite, pode dar as cartas sem alguma moderação, que é o povo decidindo. O Futuro está logo ali em 2018, é melhor Dilma que este bando de interesseiros que estão a construir seu bunkers para viverem longe do povo. Mas não querem ir para Miami!

  96. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome