A importância do pagamento eletrônico aos comerciantes e clientes

 
Jornal GGN – O diretor da Mastercard, Eduardo Hansel, é o convidado do programa Papo de Negócios do Sebrae, na próxima terça-feira (29), para falar sobre meios eletrônicos aos comerciantes. Os internautas poderão ter uma compreensão maior sobre a utilidade dos meios eletrônicos para os pequenos negócios e como funciona esse tipo de quitação eletrônica.
 
O uso dos pagamento eletrônico pode ser efetuado de diversas formas: desde as vendas através do cartão, passando pelo ambiente online do banco, pelos caixas eletrônicos até os serviços especializados de envio e recebimento online, sem que a pessoa necessite sair de casa.
 
Diante desse cenário, os empresários precisam diversificar cada vez mais suas formas e condições de pagamento, até mesmo para estimular os clientes ao consumo. Com isso os sistemas de pagamento se tornam um importante mecanismo para viabilizar o aumento nas vendas com a devida segurança, além de contribuir para melhorar a gestão financeira e controle de receitas e despesas dos pequenos negócios. Assim, os meios eletrônicos configuram-se como benefício não só para empresários e empreendedores, mas, principalmente, para os clientes.
 
SERVIÇO
Papo de Negócios
Dia 29 de setembro, terça-feira
Das 15 às 15:30 horas
Assunto: Meios Eletrônicos de Pagamento
Participação: Eduardo Hansel – Diretor da Mastercard
O programa pode ser acompanhado ao vivo no link www.sebraemercados.com.br. Para interagir com o entrevistado o espectador deverá ter conta no gmail.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Tarifas abusivas
    O maior problema do pagamento eletrônico em substituição ao boleto e cheque é a tarifa ser um PERCENTUAL da venda e não um custo fixo (caso do boleto) e economia em impressão, manuseio e microfilmagem (cheques)

    Enquanto no pagamento em cartão a operadora arca com risco (e ganha regiamente por isso, não só com aluguel da maquineta mas também nos juros extorsivos por atraso) no eletrônico o risco é ZERO com custo fixo para o banco (uma linha com qualquer valor em seu banco de dados)

    Pra mim é inadmissível a cobrança eletrônica por percentual pois o banco se torna SOCIO do negócio sem ter ônus algum. Se isso não se enquadrar em “enriquecimento sem causa” não imagino melhor definição

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome