Lotéricas sofrem com repasses defasados, enquanto governo prepara privatização de apostas

loterica_rafael_neddermeyer_-_fotos_publicas_2.jpg
 
Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
 
Jornal GGN – O governo do presidente Michel Temer pretende privatizar as loterias na expectativa de duplicar o valor arrecadado com impostos sobre as apostas. O objetivo da equipe econômica é atrair investidores para o mercado brasileiro, acreditando que as receitas de tributos sobre as loterias pode aumentar de R$ 6 bilhões para ao menos R$ 12 bilhões. 
 
Atualmente, o setor é um monopólio da Caixa Econômica Federal, e o governo dividiu o conjunto de loterias em duas empresas que irão à leilão: a Lotex, das loterias instantâneas, como a raspadinha, e a “SportingBet”, de apostas esportivas.

 
Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a Casa Civil vai enviar ao Congressoum projeto de lei que permitirá a operação da loteria esportiva e as apostas online. Já a privatização da Lotex está no Plano Nacional de Desestatização (PND) da Caixa, e a equipe econômica quer lançar o edital para a venda em agosto, com prazo de cem dias até o leilão, que deve acontecer em novembro. 
 
A Caixa deve continuar administrando as loterias como a Mega Sena, e, nas empresas que serão leiloadas, o banco deve ficar como parceiro com participação minoritária. 
 
Entretanto, os donos das lotéricas se preocupam com a redução no número de clientes, já que, atualmente, os jogos só podem ser feitos na rede física. O novo modelo prevê que as apostas sejam realizadas online.
 
“É provável que uma parcela grande dos apostadores migre para a plataforma online e isso colocará em risco a rede de 13 mil lotéricas do País, que emprega cerca de 200 mil pessoas”, disse Adriana Domingues, diretora de comunicação da Associação dos Lotéricos de São Paulo e Interior (Alspi)
 
Além disso, os lotéricos reclamam que o repasse da Caixa é baixo e desatualizado, destacando que as lotéricas responderam por 66% das transações da CEF no ano passado. A Alspi afirma que, para arrecadar os suficiente para o salário de um funcionário, cada unidade precisa receber mais de 3.100 boletos da Caixa ou o pagamento de 4 mil contas de luz. 
 
“As tarifas que recebemos nos serviços prestados à Caixa estão defasadas e essa balança precisa ser reequilibrada. O ajuste de taxas a cada 20 meses não repõe nem a inflação do período. Além disso, a rede de lotéricas quer ser mais competitiva na oferta de financiamentos e consórcios do banco”, diz Adriana.
 
A associação afirma que, com a privatização das loterias, é necessária a criação de uma agência reguladora dos jogos, com regras claras na relação entre os novos administradores dos jogos de apostas e as lotéricas. 
 
Nesta segunda-feira (17), os lotéricos realizam uma manifestação em frente à matriz da Caixa, em Brasília, pedindo melhores valores no repasses das tarifas. A defasagem causou o fechamento de 500 unidades em todo o país, de acordo com Alspi.
 
Para os lotéricos, os repasses para cada transação bancária deveria são 63% menores do que o necessário para cobrir os custos da operação. Atualmente, existem 13 mil lotéricas, cobrindo 96% do território nacional, com 5,8 bilhões de transações bancárias realizadas em 2016. 
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Ninguém aida se encheu desse

    Ninguém aida se encheu desse papo de “investidores estrangeiros”???

     

    Que me lembro os únicos atrídos pelos bingos foram as má fias estrangeiras que sofremos para nos livrara, e os desatres que “investidores” produziram, e os péssimos serviços em todos os setores em que forem entregues aos tais “investidores”? Já deu!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome