Ministro acredita que programa de exportações pode ajudar economia

Sétima economia do mundo, o Brasil ocupa apenas 25ª posição no ranking de países exportadores. Reduzir as barreiras aduaneiras, aperfeiçoar os regimes tributários especiais para o setor e fortalecer instrumentos de financiamento, seguro e garantia são algumas das iniciativas do governo para aumentar as vendas de produtos brasileiros. Em audiência nesta quinta-feira (25) na Comissão de Relações Exteriores (CRE), o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, apostou no incentivo à exportação como saída superar a retração no consumo interno.

Para ele, a desvalorização cambial deve ser vista como oportunidade para as empresas brasileiras. “Se não apostarmos no canal de comércio exterior, o Brasil estará condenado a uma situação de isolamento econômico e também vai assistir a uma perda progressiva de espaço da indústria no próprio mercado doméstico”, apontou.

Segundo maior parceiro comercial do Brasil — atrás apenas da China — os Estados Unidos estão no centro das estratégias do governo para fortalecer as vendas no exterior. Enquanto vendas para a China são dominadas por produtos básicos, as negociações para os Estados Unidos têm maior participação de bens manufaturados e semimanufaturados, que representarem valor agregado mais elevado.

“Nós temos uma corrente de comércio com os Estados Unidos de US$ 62 bilhões. Exportamos US$27 bilhões no conjunto dos bens, entre básicos, manufaturados e semimanufaturados. Desses US$ 27 bi, US$ 17 bilhões são bens manufaturados. É um comércio que tem interesse, que representa para o Brasil algo muito importante”, afirmou.

Leia também:  Setores menos produtivos ganham espaço no PIB brasileiro, por Paulo Gala

De olho nesse mercado, o ministro tem trabalhado na redução de barreiras não tarifárias com os Estados Unidos. Segundo ele, é fundamental harmonizar as normas técnicas e regulatórias para garantir mais embarques de produtos brasileiros para o mercado norte-americano.

“Essa agenda de convergência regulatória é prioritária para ampliarmos o acesso dos produtos brasileiros a esse mercado”, disse Monteiro, ao relatar que órgãos regulatórios e normatizadores dos dois países têm trabalhado juntos desde o início do ano para unificar exigências e padrões de produtos. O ministro defendeu ainda maior integração com os países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México, Peru e Costa Rica) e a conclusão do acordo dos blocos Mercosul-União Europeia. “Temos que reposicionar a política comercial brasileira e integrá-la a fluxos comerciais com maior dinamismo”, afirmou.

Na fase de debates, os senadores oposicionistas Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) elogiaram o ministro, mas criticaram a condução da política econômica do governo. Além disso, mostraram-se preocupados com o clima de desânimo e desconfiança entre os empresários e com o grande número de reclamações trabalhistas no país.

“Nos EUA, são 200 mil ações por ano. No Brasil, são 3 milhões. Agora já há empresas brasileiras migrando para o Paraguai por conta disso”, lamentou Caiado.

O ministro Armando Monteiro lembrou que houve presença maciça de empresários no lançamento do Plano Nacional de Exportações pela presidente da República, Dilma Rousseff, na quarta-feira (24), quando mais de 45 entidades setoriais estiveram no Palácio do Planalto. “De modo geral, o plano foi bem recebido pelos empresários, porém reconheço que o momento não é de euforia, mas de queda da atividade econômica. Temos então que apostar no comércio exterior. Se a demanda doméstica caiu, temos que contratar demanda externa”, disse o ministro, que conferiu ao Congresso a responsabilidade de tratar das questões trabalhistas.

Leia também:  Keynes previu a Alemanha nazista em 1919, diz cientista político no NYT

As informações são da Agência Senado.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Ver meus comentarios

    Ver meus comentarios aqui:

    http://jornalggn.com.br/fora-pauta/a-iso-9000-garante-qualidade-e-nao-teime-comigo

    O que o Brasil exporta?  Um ou outro produto com qualidade internacional?

    E porque razao?  Eh porque ja que os brasileiros nao merecem qualidade, o cliente do mercado internacional nao a merece tampouco?

    Note se que tudo brasileiro que eu conheco de exportacao aqui nos EUA eh baratissimo aqui e carissimo ai.

    Sim, tem razoes especificas pra isso (exportacao de ambos dinheiro e bens) mas nao vai dar pra entrar nelas agora.  Se o Brasil eh tao baozao assim na exportacao, porque nao tenta exportar seus eletrodomesticos de merda ou seus carrinhos de merda?  Advinhem.

    Eh por causa do governo nao incentivar a tecnologia nacional.

    APEZAR do que diziam os militares a respeito da Zona Franca, era tudo mentira -tanto que a Zona Franca nao tem unzinho cliente internacional de exportacao desde sua criacao(!!!!) pois seus clientes sao todos do Brasil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome