UE desmente Macri e Bolsonaro e diz que acordo com Mercosul não é iminente

Comissão Europeia declarou nesta sexta-feira (7) que ainda “há muito a ser feito” antes da conclusão de um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, grupo formado pelo Brasil, a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Mauricio Macri, anunciaram em Buenos Aires que acordo do Mercosul com a UE era iminenteREUTERS/Agustin Marcarian

do RFI

UE desmente Macri e Bolsonaro e diz que acordo com Mercosul não é iminente

Contrariamente à afirmação do presidente Jair Bolsonaro, e do líder argentino, Maurício Macri, a Comissão Europeia declarou nesta sexta-feira (7) que ainda “há muito a ser feito” antes da conclusão de um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, grupo formado pelo Brasil, a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.

Nesta quinta-feira (6), em Buenos Aires, Bolsonaro e Macri, anunciaram, em uma declaração conjunta, que a assinatura de um compromisso com a UE era iminente. “A Comissão Europeia compartilha o engajamento político do Mercosul e sua vontade de concluir as negociações comerciais que estão em andamento”, declarou o porta-voz da Comissão. “Mas, para isso, ainda é preciso trabalhar, principalmente em termos técnicos”, acrescentou. “Algumas questões, incluindo pedidos considerados essenciais pela UE, continuam pendentes”, declarou.

As negociações sobre um acordo comercial entre o Mercosul e a UE começaram em 1999. Em diversas ocasiões, as duas partes declararam estar próximas de um compromisso final, mas o documento nunca foi finalizado. “É verdade que, nos últimos seis meses, fizemos vários progressos de ambos os lados”, afirmou a comissária europeia para o comércio, Cecilia Malmström, para quem “não é impossível que o acordo seja concluído até 31 de outubro. Ela lembrou, entretanto, que é preciso afinar pontos “sensíveis e difíceis”, como a agricultura.

Anúncio precipitado

Os sul-americanos esperam concluir as discussões antes das eleições presidenciais na Argentina, em 27 de outubro. A reeleição de Mauricio Macri ainda é uma incógnita, e o um acordo pode ser difícil de ser obtido caso a oposição chegue ao poder. Nesta quinta-feira (6), o chefe de Estado argentino afirmou, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. Macri acrescentou que todos sairiam ganhando, “o Brasil, a Argentina e outros países do bloco.”

As discussões ganharam um novo impulso com a chegada do presidente americano Donald Trump ao poder, em 2017, e se intensificaram com a eleição de Bolsonaro. O acordo é visto com maus olhos pelos produtores de carne, principalmente na França, onde o FNSEA, sindicato da categoria, chama a atenção para as “consequências catastróficas” no mercado interno.

 

Leia também:  Xadrez do auto-impeachment de Bolsonaro, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome