Revista GGN

Assine

Ê, pombogira, ê pombogira, leva as quizilas dessa casa pro lado de lá... , por Matê da Luz

Ê, pombogira, ê pombogira, leva as quizilas dessa casa pro lado de lá...

por Matê da Luz

Dia desses encontrei um link no Facebook que dava conta de levar pra uma matéria falando sobre as Pombagiras. Antes de mais nada, registro oficialmente e por escrito que prefiro o termo Pombogira, mesmo que ambas as versões estejam corretas: caso é que sempre me vem à cabeça a imagem de uma pombinha rodando e ai, isso é um pouco desesperador. Enfim, preferências pessoais.

Daí que a pauta descrevia as entidades de uma forma tão, mas tão esquisita que não consegui deixar de entrar no famigerado embate nos comentários, esta que é uma atividade sobre a qual mantenho compromisso forte no sentido de manter distância, realizando a manutenção da sanidade mental desta que vos escreve. Acontece que a baboseira era tanta que, nossa, não rolou – sou macumbeira, passei pela umbanda e hoje me desenvolvo no candomblé e, portanto, fico possessa quando percebo a religião sendo difamada especialmente quando a intenção não é essa.

Veja bem: já sofremos preconceitos exacerbados por conta da magia e misticismo e, então, recebemos ataques constantes daqueles que não nos são empáticos, mas estes estão claramente jogando contra e, então, não tem problema. A questão que fica é quando determinado porta-voz que de certa forma tem expressão dentro da religião, seja por meio de um portal de espiritualidade, seja por perfis informativos, enfim, começa a transmitir notícias que dão conta de absurdos como “sinais e sintomas de pomba-gira”. Como assim, meu povo, sinais e sintomas?! Cliquei só pra ver onde ia dar.

A pauta começa falando que pomba-gira é uma entidade do candomblé e da umbanda... Candomblé tradicionalmente não trabalha com entidade, mas sim com orixá e esta é uma das principais diferenças entre as duas religiões. Segue comentando que as PGs dão conselhos e sugerem rituais em troca de oferendas diversas, o que de certa forma é verdade mas não necessariamente o atendimento é pautado pela troca, uma vez que umbanda é caridade e não existe, portanto, essa premissa. Então, a parte mais esquisita do texto todo: “É preciso energia para requisitar essa entidade, apresentando comportamento semelhante ao dela. Sua principal característica é a sensualidade e, assim como todos os espíritos comunicantes, ela faz uso do chacra do médium correspondente à sua linha de atuação. Assim, o primeiro sinal de Pombagira é muito semelhante à excitação sexual, pois ela se utiliza do chacra genésico – as glândulas sexuais – para se manifestar.” Não necessariamente. Aliás, a associação da pombogira com este cunho estritamente sexual é tão equivocada e acaba or denegrir uma entidade tão maravilhosa e que trabalha inclusive com oanjo da guarda em alguns casos (como no meu, por exemplo, obrigada, Teresa!). Além do mais, as PGs são as responsáveis por promover o encontro das almas entre as mães e seus filhos suicidas, uma das tarefas mais lindas e enriquecedoras sobre a qual já ouvi falar nas rodas de conversa sobre a religião.

Reclamei mesmo. Escrevi tudo o que está aqui e mais um tanto porque, de verdade, acho que é um equívoco gigante compartilhar este tipo de informação equivocada e simplista mesmo que tendo boas intenções. Dessas, como a gente está de fato cansado de saber, o inferno está cheio.

 
Média: 2.8 (4 votos)
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Os exus da pesada

Tem os exus da pesada, que em seus trabalhos gostam muito de ir ao cemiterio, fazem muito sacrificio com sangue, mas eu sinceramente gosto mais do estilo mais leve tipo pomba gira.

Seu voto: Nenhum

Pomba Gira

Antigamente, muito antigamente,  existia  Umbanda e Quimbanda, o "lado esquerda" da Umbanda.

Pomba Gira, Zé Pelintra, Omulu, Trancaruas, Exu Caveira, Sete Encruzilhadas, Exu das Matas (dos que eu me lembro) estavam na moda.

E Umbanda não se confundia com Candomblé.

Eram coisas incrivelmente distintas.

Havia os Exus " da pesada" que exigiam sacrifícios de sangue, trabalhos em matas, cachoeiras, cemitérios e encruzilhadas, e aqueles, como Zé Pelintra, que atendiam pequenas coisas, como dinheiro, amarração. Idem a Pomba Gira.

Os Exus da Quimbanda  , cujos pontos eram assustadores, a gente olhava de longe e não participava para não sair "carregado" pois as sessões eram pesadas.

Sobre o Candomblé dizia-se que aquele ou aquela que fizesse cabeça e frequentasse a camarinha dos 21 dias, se abandonasse a religião teria uma vida desgraçada, caso sobrevivesse.

Verdade ou não tive uma parenta que fez camarinha, raspou cabeça e trabalhou em centro de Candomblé.

Largou e sua vida posterior foi de indescritível miséria.

Doenças, morte, abandono, perda de filho, ficou morando na rua.

Recebemo-la em casa e sua via começou a reconstituir-se lentamente.

Passamos então a não duvidar.

Do Candomblé só frequentei uma sessão,  festiva,  cujos atabaques até hoje ressoam nos meus ouvidos pela maravilhosa combinação ritmica e harmômica.

Sobre a  Umbanda, pelo menos nesse tempo, vestia-se a roupa branca com uma iniciação mais de limpeza espiritual  doutrinamento  para aquele que tivesse a intenção de receber entidades.

Hoje parece que tudo está diferente.

As coisas, segundo consultei agora no Wiki, estão juntas e misturadas?

Enfim, são caminhos na medida da necessidade de cada um e no seu devido tempo.

 

Seu voto: Nenhum

 

O amor é lindo!

Joãozinho da Goméia!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

imagem de José Rosa
José Rosa

Axė!

A conotação sensual deve ser porque as entidades pombogirê são maravilhosas

"Não brinque com ela não, ela é ponta de agulha..."

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.