Numa tacada só, Congresso deve perdoar caixa 2 e limpar a ficha-suja de Temer

Se o dinheiro do caixa dois foi “dado sem nada em troca, pode anistiar”, diz deputado que elabora proposta 

Jornal GGN – Circula na Câmara dos Deputados, segundo reportagem publicada pelo Valor Econômico nesta quinta-feira (9), uma minuta de projeto de lei cujo objetivo é distinguir quem fez uso de caixa dois eleitoral para receber propina, ou seja, para enriquecimento pessoal, de quem fez ou recebeu doações à margem do sistema legal, de olho nas urnas. O GGN antecipou, há alguns meses, que a ideia de descriminalizar o caixa dois está inserida no contexto de encerramento da Lava Jato.

Pela lei atual, o caixa dois de campanha é crime eleitoral com baixo potencial punitivo. Não à toa, advogados de envolvidos na Lava Jato – incluindo José Serra e Michel Temer – disseram à jornalista Mônica Bergamo que estavam “aliviados” com o fato da delação da Odebrecht mencionar apenas repasses extraoficiais. Somente nos casos em que a força-tarefa consegue avançar na ideia de que o caixa dois serviu para lavagem de dinheiro e outras formas de corrupção é que há margem para um enquadramento legal que inclui multas pesadas e anos de reclusão.

No mês passado, a colunista Maria Cristina Fernandes, do Valor, também abordou o plano em curso para anistiar os políticos e empresários que poderiam ser pegos por conta do caixa dois. Ela indicou que a ideia tomaria a forma de um jabuti ao projeto de reforma política que Aécio Neves encabeça no Senado ou seria negociada no pacote anticorrupção que o Ministério Público Federal tenta emplacar no Congresso.

Nesta quinta, o jornal mostra que o plano, agora, é substituir projetos que tratam de financiamento eleitoral em tramitação na Comissão de Finanças e Tributações da Câmara por um texto próprio sobre a anistia ao caixa dois eleitoral.

Leia também:  Prisão da Lava Jato no Paraná abrigará detentos com coronavírus

Pela minuta do texto em construção, a partir do momento em que a lei entrar em vigor, será aberta aos interessados na anistia a possibilidade de fazer uma “delação premiada” junto ao Tribunal Superior Eleitoral – hoje presidido pelo ministro Gilmar Mendes – para confessar o uso de caixa dois no passado, e negociar o pagamento de multa de 35% sobre o valor da doação irregular. É a pena máxima.

O envolvimento do TSE é indicativo de que Gilmar pode entrar no jogo. Segundo o Valor, defensores da anistia “já sondam também integrantes da cúpula do Judiciário por apoio”. No Supremo Tribunal Federal, o magistrado foi contrário a proibição do financiamento empresarial, alegando que isso é um incentivo a repasses não declarados ou ao uso de pessoas físicas por empresários comprometidos com doações vultosas.

Na minuta, ainda de acordo com o Valor, há um trecho que brinda Michel Temer, que foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, segundo o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, O projeto prevê, além do perdão ao caixa dois, anistia a todos os casos de doações em desacordo com a lei, como contribuições eleitorais de sindicatos e aquelas que ultrapassaram o valor permitido pela legislação eleitoral. Coincidentemente, Temer está inabilitado justamente porque doou cerca de R$ 16 mil acima do que sua renda declarada permite.

De acordo com o deputado Helio Rocha (PMDB-MA), vice-presidente da Comissão de Finanças da Câmara, já há vários parlamentares envolvidos nas negociações. “O entendimento é que quem recebeu no passado caixa dois referente a propina não tem perdão. Agora, se foi dinheiro dado sem nada em troca, pode anistiar. Não pode punir da mesma forma duas coisas distintas”, disse ao Valor.

Leia também:  No Congresso, uma moção de apoio e solidariedade a Cuba

Mas que a classe política não se engane: o perdão não é suprapartidário. “Se for para anistiar os petistas de responderem as acusações da Lava Jato, não tem chance de passar”, acrescentou o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), também da Comissão de Finanças.

Limitar quem ainda pode ou não cair nas garras da Lava Jato é conveniente agora que a delação de Leo Pinheiro, da OAS, deve ser retomada pela força-tarefa da Lava Jato. Ela foi suspensa pela Procuradoria Geral da República após a revista Veja vazar parte de seu conteúdo, constrangendo o ministro Dias Toffoli, que foi prontamente defendido por seu colega Gilmar Mendes.

A expectativa é de que a delação de Odebrecht e OAS abra o leque de partidos implicados na Lava Jato, atingindo caciques do PMDB e PSDB. Só que se Pinheiro seguir os passos do executivo Marcelo Odebrecht e citar apenas a existência de caixa dois para candidatos e suas agremiações, o alcance da Lava Jato ficará restrito com a cartada da lei da anistia ao caixa dois.

Neste caso, o tucanato poderá usar a cartilha que Aécio desenvolveu para explicar parte de suas citações na Lava Jato. O principal argumento é que, ao contrário do PT, que dominou a máquina por mais de uma década até a queda de Dilma Rousseff, o PSDB não estava no poder, não tinha influência sobre obras do governo federal, muito menos um patrocinado na Petrobras. Logo, qualquer doação de empreiteira foi boa vontade da mesma, não uma troca de favores que poderia caracterizar pagamento de propina.

Leia também:  Prisão da Lava Jato no Paraná abrigará detentos com coronavírus

Uma vez superada a corrupção eleitoral passada, quem for pego por caixa dois a partir do momento em que a lei estiver em vigor será punido com três a 10 anos de prisão, no caso de doações envolvendo pessoas pessoas físicas. Para pessoas jurídicas, a pena será a proibição de contratar com o poder público ou obter subsídios por até oito anos.

Leia mais:

Xadrez do ciclo do fim da Lava Jato

Lava Jato demole o mito do financiamento privado

O xadrez da delação que ficou pairando no ar

O xadrez do empate vitorioso de Gilmar e Janot

Do jeito que está, delação da Odebrecht não prende Serra nem Temer

Como o Congresso vai jogar vinagre na Lava Jato após o impeachment

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

  1. Argumento pífio

    “O principal argumento é que, ao contrário do PT, que dominou a máquina por mais de uma década até a queda de Dilma Rousseff, o PSDB não estava no poder, não tinha influência sobre obras do governo federal, muito menos um patrocinado na Petrobras.”

    Ocorre que, com este golpe, ficou provado de que quem manda no país é o congresso, nas suas duas casas, então, é obvio que há retribuição para empreiteiras por parte dessa turma. Quem está no poder está mais do que claro que é o PMDB e aliados atuais.

    • Poder

      O PSDB não estava no poder? E quem governa São Paulo há 20 anos, governou Minas, Paraná e outros estados?  Então, dinheiro de corrupção é só para o partido da administração federal? Aliás, o PMDB também fazia parte desta última.(Lembram do grampo do Jucá? Era preciso derrubar a Dilma para “estancar a sangria” da lava-jato. Estamos aí.)

  2. sei lá

    E os governos tucanos de sp, paraná e amiudes, como serão tratados? Eles não estavam governando?

    De piada em piada o circo aumenta.

  3. É tão mais simples…

    Gente, prá que se preocupar com essa delimitação, e se os petistas escaparão da vaza-jato?

    É tão mais simples, basta inserir um parágrafo único ao final da lei:

    “Esta lei não tem aplicação para candidatos ou detentores de mandatos políticos pertencentes aos quadros do PT (Partido dos Trabalhadores), PCdoB (Partido Comunista do Brasil), ou qualquer outro partido que o excelso presidente do TSE entenda terem sido participantes de um esquema de poder que visava enriquecimento pessoal e perpetuação no poder.

    Revogam-se as disposições em contrário” .

  4. Tudo sob medida, para beneficiar o tucanato.

    Prezados,

     

    Quem conhecer algum coxinha, que tenha saído às ruas nas panifestações pró-golpe, deve lhe(s) enviar uma cópia desta reportagem e pedir a ele9s) para explicar e justificar a conduta dos ‘nobres’ parlamentares que cassaram o mandato de Dilma Rousseff e que agora mudam as leis em benefício próprio, liderados e com a consultoria jurídica de gilmar  mendes.

  5. Era caixa 2 nos tempos do

    Era caixa 2 nos tempos do FHnistão, virou propina nos tempos do PT e agora voltou a ser caixa 2. O PIG faz seus leitores de idiotas dia e noite. Se bem que ele não faz, é que a turminha que lê, ouve e vê o PIG é idiota mesmo. O PIG apenas atende o seu público.

  6. Caixa 2 é algo tão pequeno.

    Caixa 2 é algo tão pequeno. Estão certíssimos. Há coisas muito mais importantes com o que se preocupar.

  7. Panelas?
    Será que eu ouvi

    Panelas?

    Será que eu ouvi panelas batendo?

    Ah não, parece que foram os ratos passando pela cozinha.

  8. Pra quê essa lei? Os tucanos

    Pra quê essa lei? Os tucanos e demos e caciques do PMDB da quadrilha de Cunha e Temer e Jucá já estão blindados mesmo. Pela mídia, pelo STF, pelo agente da CIA Moro e sua equipe bancada pelo FBI, por Janot e por toda essa tropa de serviçais da Casa Grande. A formalidade de uma lei que garanta anistia para práticas que para o PT são crime e para os demais são meros desvios secundários bem intencionados é absolutamente desnecessária. A Casa Grande já blindou os seus. Os demais, que saiam da vida pública privatizada pelos de cima e voltem à condição de assalariados-escravizados. É esta a sina da colonização nos diferentes formatos.

  9. Caixa 2
    Tem q ser muito” coxinha” pra acreditar nessa cartilha. Do Aecim. Porque até um idiota sabe q isso é absurdo!

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome